the_muriel

Posso até jogar Neptunia, mas isso não quer dizer que sou um lixo :v

You aren't following the_muriel.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • 2021-09-08 22:07:40 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Ah! My Goddess

    Ano - 1993

    Número de episódios - 56 (+5 OVAs e 1 filme)

    Disponível em Netflix - Não

    Disponível em Crunchyroll - Não

    Disponível em Prime Video - Não

    Sinopse: Keiichi Morisato é um estudante da faculdade sem a menor sorte com o sexo oposto, e num certo dia, ao telefonar para pedir comida, acaba ligando sem querer para a Central de Ajuda das Deusas no céu, e com isso uma representante, Belldandy, aparece para o rapaz, dizendo que poderia realizar qualquer desejo dele, desde que fosse apenas um. Após Keiichi dizer de forma jocosa que adoraria que alguém como ela ficasse com ele pra sempre, sua fala é entendida como um desejo e então aquela deusa passa a viver com ele, mas que tipo de implicações podem haver com uma deidade morando com um humano?

    _____________________________________________________________________________

    Quem é mais das antigas deve se lembrar das revistas de anime que vieram aos montes para o Brasil no final da década de 90/começo dos anos 2000, onde vínhamos sinopses e imagens de várias obras diferentes (e muitas vezes até mesmo resumos de todos os episódios) e entre estas me lembro muito bem de Ah My Goddess, trazendo de cara uma personagem muito bonita, com um belo design e nome bem peculiar: Belldandy.

    Na história, Belldandy é uma deusa que trabalha em uma Central de Ajuda no céu onde ela e outras deidades são incumbidas de realizar o desejo de algum pobre diabo que consiga entrar em contato, e desta vez o escolhido havia sido um zé roela chamado Keiichi (que acaba ligando pro lugar ao acaso quando estava querendo pedir um rango) que, ao dar de cara com aquela dona bonita saindo de um espelho e falando todo aquele lance de deusas e o escambau, pensou se tratar de algum trote de seus colegas de faculdade, daí acabou dizendo que gostaria de ter uma garota como ela para sempre... 

    O sistema interpretou aquilo como um desejo e com isso Belldandy passa a morar com o Keiichi, com a história a partir daí mostrando a relação de ambos. Com o tempo também começam a surgir outras deusas, que passam a morar sob o mesmo teto que ambos, como a Urd e a Skuld (ambas irmãs mais velha e nova de Belldandy, respectivamente), fazendo da série toda um harém cujo mangá perdurou  por 26 fucking anos!!!!

    Mas bem, se isso é só mais um harem, por que diabos está sendo indicado aqui? Muito simples: tal como Ranma 1/2 (outro harem famoso da mesma época), Ah My Goddess não se sustenta apenas no casal principal e seu relacionamento que não vai a lugar algum como também no seu panteão de personagens secundários motherfucker carismáticos, tal como no seu lore interessante e peculiar, isso somado com cenas de ação, drama, comédia e tudo o mais. Aqui ocorre exatamente a mesma coisa, com todo a mitologia que o autor, Kosuke Fujishima (o cara por detrás de Sakura Wars e muitos personagens da franquia Tales of) criou do mundo das deusas (que mistura conceitos de mitologia nórdica, misticismo e tecnologia) sendo fascinante, como cada deidade possuindo um anjo que representa sua personalidade (e que age como se fosse uma das Personas da série de RPGs da Atlus).

    O cast secundário também não fica atrás, tendo personagens muito bons, como a Peorth (uma terceira deusa que aparece no decorrer da série, que tenta mostrar pro Keiichi outro tipo de desejo que ele possa ter), Lind (uma valquíria, deusa responsável por conter ameaças perigosas ao céu, cujo anjo possui apenas uma asa), e principalmente a Urd, irmã mais velha da Belldandy, que tem descendência demoníaca (já que seu pai, o Deus da história, se engraçou com Hild, a governante do inferno) e protagoniza vários dos melhores momentos do show, sendo disparada o maior destaque da obra nesse sentido. 

    Porém, mesmo com as outras deusas, a protagonista Belldandy acaba ganhando os holofortes, sendo toda perfeita (afinal ela é bonita, tem o corpo escultural, sabe cantar, cozinhar, tem a personalidade amável, é um dos seres mais poderosos da série, entre várias outras coisas) e tendo seu já mencionado design extremamente chamativo e único (algo muito, MAS MUITO difícil de se conseguir).

    Porém, tanto ela quanto toda a série (seja o anime ou o mangá) acabou sendo afetado por seu insosso protagonista: Keiichi Morisato, que fica enrolando a pobre Belldandy com aquelas frescuras japas de pegar na mão e ficar dando selinho, mesmo com várias outras personagens (especialmente Urd e Peorth) dando apoio pro cara e o encorajando a ir pros finalmente com a coitada que, por ser uma deusa toda perfeita, não vê problema na falta de atitude do seu amado. E como uma história problemática  pode ser salva tendo um bom protagonista, uma boa história também pode ser arruinada tendo um ruim, e por mais que Ah My Goddess tenha seus pontos fortes, MUITO do seu real potencial foi perdido com esse casal tubo que não vai pra lugar algum, infelizmente.

    O anime se divide em 5 OVAs lançados no começo dos anos 90 (com a animação lindona da época) seguidos de um filme (que saiu no começo dos anos 2000 e que, mesmo sendo filler, consegue fazer algo incrível com o lore da série) e posteriormente duas temporadas para a TV (que saíram em 2005, pegando o embalo do boom dos harens instituído por Love Hina), que adaptam boa parte do mangá que, até hoje não foi totalmente animado. Isso devido à demora do autor de terminar a série, o que, somado ao pífio protagonista, fez com que o público começasse a perder o interesse pela mesma, a ponto de hoje ela não ter sequer uma fração da fama que tinha outrora...

    A arte do Kousuke Fujishima estava em seu auge e, mesmo que ela tenha decaído com o passar dos anos, toda a série ainda é um colírio para os olhos, com os personagens sendo todos muito bem detalhados, sem contar o fato de não ter aquela mania estúpida da câmera ficar a cada segundo focando nos atributos físicos das personagens (ao contrário de outros harens ruins, como o já bengalado High School of the Dead), tornando tudo bem agradável de assistir. 

    Enfim, fica a recomendação de Ah! My Goddess, um anime retrô que, mesmo com seus problemas (e seu protagonista lesado) consegue passar bem o potencial que as obras de antigamente tinham, conseguindo manter o interesse do espectador  com um lore incrível e personagens muito bons e únicos. E é claro que a Velha não poderia deixar de aprovar e assinar embaixo!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    22
    • Micro picture
      luchta · 13 days ago · 2 pontos

      Me lembro das recomendações desse anime, principalmente nas revistas de anime das bancas, mas nunca cheguei a ver, apesar da vontade. Nem sei se ele foi dublado, você poderia acrescentar essa info no começo dos posts da página.

      4 replies
    • Micro picture
      the_muriel · 13 days ago · 2 pontos

      Ah! My Ara Aras

      1 reply
    • Micro picture
      supernova · 13 days ago · 2 pontos

      Sempre via muitas artes deste anime em muito sites e revistas ,mas nunca li nada a respeito achava que era ums pegada mais evangelion sei la kk , ( toda vez que voce posta algo quando da comento a mesma coisa estes animes de 1988 a 2000 sao um colorio aos olhos) queria muito que esta arte voltasse com força.

      4 replies
  • the_muriel Muriel Soares
    2021-09-05 13:17:49 -0300 Thumb picture
    the_muriel checked-in to:
    Post by the_muriel: <p>Comecei a me aventurar no mundo de Pessoa 2, ess
    Persona 2: Innocent Sin

    Platform: PSP
    423 Players
    134 Check-ins

    Comecei a me aventurar no mundo de Pessoa 2, esse era um jogo que por causa do senhor @manoelnsn eu acabei criando muita expectativa em cima do jogo. Aqui vou deixar algumas impressões do jogo após vencer o primeiro chefe

    Uma das coisas que gostei do jogo até então são os personagens, que são muito carismáticos, me divirto a cada interação deles, e essas interações tem seu valor ampliado pelo bom uso dos retratos e das animações dos sprites, criando um clima bem legal para as cutscenes.

    Mas tem 2 coisas me incomodando nesse jogo, uma delas, que n é um fator muito grande, é  toda vez que um personagem novo aparece o jogo da uma descrição dele, dizendo basicamente oq ele faz da vida e a personalidade dele, o mais engraçado que n existe motivo para o jogo fazer isso, porque  durante essa primeira interação os roteiristas conseguem passar tudo isso durante ela.

    Já a outra é como a narrativa do jogo é rushada, os pontos de plot são arremessados na sua cara de forma sequencial e rápida, não da tempo de você processar ou se quer pensar no que esta acontecendo. 

    Sobre a gameplay em si ainda tenho pouco para falar pq é recém a primeira dungeon, toda a questão de combos parece que vai ser legal, porém tem uma coisa que ta me deixando bem triste, o jogo ta muito fácil(detalhe eu coloquei ele no hard porque já tinha vista na wikia que a versão de psp foi batatizada em relação a de ps1) e um dos fatores responsáveis por isso  é você regenerar MP por andar, ou seja, não existe necessidade de economizar recursos, pior que isso, quanto mais vc usa seus personas, mais forte eles ficam, de resumo se pode ir sempre "all in" e ficar muito poderoso no inicio do jogo.

    O sistema de negociação é uma versão 2.0 de persona 1 e eu amo de paixão kkkkkk ao interagir com os demônios você pode conseguir cartas para criar novos personas ou fazer pacto com eles, e ao fazer pactos você consegue cartas "coringa" e itens oq torna bem recompensador na minha visão, eu vi a galera reclamar q é muito difícil juntar cartas, mas na minha primeira dungeon(como vc pode ver na imagem acima), o problema que vi nesse sistema são :
    1. processo de grinding absurdo
    2. Não tinha nada que realmente podia ser feito com as cartas que valia a pena, ou era um demônio fraco   ou eu n tinha level para ele

    Nessa questão de cartas eu preferi a forma feita no Persona 1 onde o demônio te entrega um carta que representa ele e o igor funde 2 delas para criar um novo, oq era bem mais divertido e tinha um processo de grindig bem mais leve, além disso se vc mante-se a carta vc podia usar ela em combate, como uma prova de que vc era amigo daquela espécie de demônio e ai eles fugiam de vc.

    Bom por hoje era isso do Pessoa 2.

    12
    • Micro picture
      jcelove · 17 days ago · 2 pontos

      O legal do sistema de negociação do 2 é que depois que vc pega o padrão dos demonios de uma dungeon dá pra evitar todas as batalhas colocando no amarelo. Acbou que cheguei no final boss com level baixão e tomei um pau. A salvação foram as fuson spells (que obviamente passai o jogo inteiro sem saber tbm XD)

      Mas o enredo é show, vai curtir. Faz tempo que joguei mas não era tão rushado não, o grupo todo tem bastante atenção quando as coisas começam a se explicar e os pecados inocentes são revelados. Eu comprei ele pra PSP e tive de comprar o EP do ps1 na psn em sequencia (só desbloquei o psp qdo lançaram FF type 0) pq o final empolgou demais de continuar com "o lado B", Pena que até hj o port do EP t sem tradução.

      2 replies
    • Micro picture
      manoelnsn · 17 days ago · 0 pontos

      O ponto mais forte de Persona 2 é disparado o cast o que, tu sabe muito bem, é a característica que mais valorizo em um RPG. A história dele até que não acho rushada, o lance é que ela é simples mesmo, basicamente rumores começam a afetar a realidade (e um lance da infância deles que ficou subentendido) e a merda começa a acontecer, tanto que o final boss é a total materialização disso. PORÉM, TODAVIA, CONTUDO, ENTRETANTO, DE CERTO MODO, ALÉM DE QUE, no fim das contas ela é mais um prequel para o Eternal Punishment mesmo, que é onde a porra fica realmente séria.

      O combate e o sistema de fusions dele é simplezão mesmo, é só usar magias combinadas e limpar hordas de inimigos como se não houvesse amanhã. O mesmo vale pras dungeons, onde eu não me lembro de muitos puzzles ou designs inusitados nelas...

  • santz Santz
    2021-07-23 08:58:42 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 432 - O mais fraco dos clássicos

     Depois de um tempão sem jogar nada da franquia, voltei para continuar minha saga de zerar todos os jogos em ordem. O quinto jogo da série mostra que os jogos clássicos do robozinho já não conseguem ter mais o mesmo brilho que tinha no começo. Ele traz exatamente a mesma fórmula usada nos jogos anteriores e só adiciona uma única novidade, que é bem boba. Ao coletar todas as letras, a gente ganha a ajuda de um passarinho. -_-

     O jogo não é ruim, pois Mega Man é sempre gostoso de jogar, mas esse aqui é o mais fraco da franquia disparado. Mesmo sendo o quinto título, ele é totalmente esquecível. Os chefes são bem qualquer coisa, os poderes, mas fases, a história, os gráficos, tudo é mais do mesmo. A trilha sonora é boa, como sempre, mas não tão marcante. Foi legal, e só.

    Minhas conquistas:

    *Todas as letras especiais coletas;

    Mega Man 5

    Platform: NES
    1577 Players
    39 Check-ins

    28
    • Micro picture
      tiagotrigger · 2 months ago · 3 pontos

      Esse MM tem a melhor arma de todas, o cotonete.

      4 replies
    • Micro picture
      thiagobrugnolo · 2 months ago · 2 pontos

      Estou jogando o MM 2, e achei que ele evoluiu bem em relação ao primeiro, os controles estão bem mais precisos e tal. Logo devo chegar no 5, mas após ler seu post vou jogá-lo sem muita expectativa.

      1 reply
  • 2021-07-22 21:37:15 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Diazepam da Velha #2 - Madlax

    E aqui estamos, com mais um Diazepan da Velha! E hoje trazendo mais um anime que fará suas noites de sono serem melhores, não por te fazer ter belos sonhos e sim por te botar pra dormir bem mais rápido mesmo, uma obra com uma dona com o carisma de um cascalho desafiando as leis da física enquanto desvia de balas ao som de alguma música de fundo: Madlax!

    Pegando o embalo de Noir (um anime de 2001, com a mesma pegada de garotas bonitas + armas, que acabou causando um boom de obras do tipo, quase todas bem medíocres), Madlax conta a história de uma protagonista do mesmo nome, que é uma mercenária bem renomada, que usa suas habilidades bem sobrenaturais de poder desviar de balas como se fosse brincadeira de criança.  Ela também não tem lembranças do seu passado, para deixar a personagem ainda mais boring, digo, misteriosa.

    Nesse ponto também é mostrada outra garota, Margaret Burton, uma menina que ainda estudava (e que também possuía o carisma de um muro chapiscado) e que, olha só, também não tem lembranças dos primeiros 12 anos da sua vida, e vive em uma mansão bem abastada, tendo uma empregada pessoal e um livro velho com a qual ela tem uma forte ligação. 

    Com o decorrer da trama, vai sendo revelado uma ligação entre ambas personagens, Margaret e Madlax, mas tudo se desenvolve em um ritmo BEEEEEM lento, com 26 fodendo episódios onde na maior parte do tempo a loirinha está fazendo acrobacias no meio de algum tiroteio enquanto atira nos caras maus com uma pontaria extremamente precisa. Sim, caras maus, porque qualquer rabo de calça por aqui é algum tipo de vilão ou figurante de pouca expressividade, com as personagens principais sendo apenas donas bonitas com a personalidade de um paralelepípedo trincado no meio de uma rua. 

    O final então, Deus do céu, não faz o menor fucking sentido, com a animação só valendo a pena por um único ponto: a trilha sonora, que é excelente (cortesia da Yuki Kajiura) e é apenas ela que não vai te fazer entrar em coma vendo esse negócio. Pode até pensar que a arte linda do anime, tal como Madlax com roupas curtas (ou usando algum vestido esvoaçante enquanto dá piruetas e mete tiros por aí) pode valer a pena o esforço, mas mesmo pra esse tipo de coisa tem obras bem melhores...

    Sim, existem coisas piores que Madlax, que ao menos consegue fazer algo nos seus 26 episódios e não vira um trem desgovernado desgraçado (o final não faz sentido, mas a trama tem começo, meio e fim bem definidos, apesar do ritmo arrastado), mas infelizmente a obra não possui muitos méritos (além da já mencionada fodendo OST, a qual estou escutando em loop enquanto escrevo esse post) para se sustentar e fazê-la sair da mediocridade... E de estar aqui, no Diazepan da Velha! E para terminar, deixo abaixo animes bem melhores com atiradoras, donas bonitas, ou o que quer que seja:

    Black Lagoon - Quer donas bonitas seminuas com armas? Vai de Lagoa Preta que não tem erro, pura ação desenfreada a la filme de ação mesmo, com um cast repleto de filhos da puta em uma cidade onde o crime é quem manda

    Angel Cop - Eis o esplendor dos animes retrô em uma obra protagonizada por uma dona que usa armas, mas que tem uma pegada mais cyberpunk com uma protagonista com personalidade forte tendo que lidar com um bando de terroristas com poderes psíquicos

    Shikabane Hime - Um batlle shounen protagonizado por uma dona que usa duas pistolas, mas que não sai ilesa dos tiroteios e só não morre porque já está morta mesmo!

    Dirty Pair - Anime episódico dos anos 80, onde ambas protagonistas cheias de carisma têm que resolver casos policiais em um mundo bem tecnológico... Isso enquanto flertam com uns caras bonitos no meio do caminho

    Early Reins - Donas bonitas no velho oeste, tendo que impedir um assalto de trem. Além da ambientação bem rara para uma animação japonesa, possui um único episódio, e se sai incrivelmente bem com ele

    Bem, por hoje é só. Até a próxima!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    13
    • Micro picture
      vante · 2 months ago · 2 pontos

      A última imagem parece meme kkkkkkkkk. E pelo título eu jurava que era uma paródia de Mad Max

      1 reply
  • the_muriel Muriel Soares
    2021-07-23 07:42:29 -0300 Thumb picture
    the_muriel checked-in to:
    Post by the_muriel: <p>#img#[784470]<br>Ontem terminei o Shin Megami Te
    Shin Megami Tensei: Digital Devil Saga

    Platform: Playstation 2
    442 Players
    70 Check-ins


    Ontem terminei o Shin Megami Tensei: Digital Devil Saga, e é chegada a hora de dar resumidamente minhas impressões finais com o jogo, juntamente a uma imagem cursada :v

    Narrativa e seus personagens:Diferente do SMT de linha principal contemporâneo ao jogo, sim estou falando do joguinho do DANTE! Aqui nesse Spin-off, eles seguiram um estilo mais tradicional de JRPG, com uma party e uma narrativa, o que acredito que faz muitas pessoas se interessarem mais nele que no SMT III, mas vamos aos fatos:
    1: A narrativa desse jogo é 90% construção e "foreshadowing", ou seja, você não vai ter muitas respostas, se não fosse a cena pôs créditos, eu teria terminado o jogo sem entender porra nenhuma do que tava acontecendo kkkkkk Mas sendo justo, ele faz um trabalho legal nessa parte, o tempo todo eu estava tentando juntar as peças e criando teorias para tudo, mas as respostas so vou ver no próximo jogo.
    2: Os personagens são bem fracos, sim, eu sei, muito sobre eles vai ser revelado no próximo jogo, ou assim espero, mas gente, a personalidade deles é extremamente unidimensional e o desenvolvimento deles é literalmente uma virada de chave, que na realidade não mudou muita coisa kkkk Serio oq me fazia jogar era a gameplay e a curiosidade do plot, te entender o que estava acontecendo.Gameplay:
    Bom aqui é onde ele brilha para mim, ele basicamente pega o sistema do Nocturne e modifica algumas coisas criando uma identidade própria para ele, mas ao mesmo tempo não se afastando demais da base. A principais diferenças dele são o fato de não ter fusões e o sistema devorar os inimigos, aqui você joga com a sua party e é isso, e ao decorrer do jogo eles vão aprendendo skills novas e eles vão poder carregar 8 delas, mas as outras vão sempre estar la para vc customizar os personagens no menu.
      Para aprender habilidades novas, você deve comparar um pacote de equipar no personagem e conseguir encher uma barra especial de XP e pronto, ele aprendeu as skills do pacote. Porém para encher essa barra de forma efetiva vc deve devorar seus inimigos, ou seja, derrotar eles em combate usando habilidades do tipo "Hunt", e isso da um dinamismo novo ao jogo, porque você sempre joga prestando atenção nos inimigos para poder devora-los sem perder recursos e sem morrer, e como esperado o jogo cria novas dinâmicas no Press turn, para combinar com essa dinâmica, por exemplo ao usar uma skill que o inimigo tem fraqueza, dar drenar ou refletir uma habilidade adversaria, eles podem ficar com o estado "medo", que faz sua skills de hunt causar 3X mais dano.E tem muita mais coisa, que eu ficaria horas aqui falando, mas vou deixar para o PODCAST kkkkkA exploração de dungeons aqui é fantástica cada uma delas tem sua peculiaridade, e eu inclusive achei elas até mais divertidas que em Nocturne.

    Parte Artística:

    Como o post ta grande vou resumir aqui :V

    Som: magnifico, SMT mandando bem como sempre nessa parte, varias musicas do jogo grudaram na minha mente.

    Parte Visual: Cinza.

    E é isso ai partiu DDS 2 o/

    8
    • Micro picture
      wcleyton · 2 months ago · 1 ponto

      Show, eu creio que o DDS 2 tem uma versão undub aí pelas interwebs

      5 replies
  • 2021-07-06 09:00:09 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    54
    • Micro picture
      diego_lacuna · 3 months ago · 4 pontos

      Jogo do Ano: The Legend of Zelda:Breath of the Wild
      Jogo de RPG: Dragon Quest XI (esse estou jogando atualmente e estou curtindo bastante).
      Jogo de Tiro: Call of Duty WWII
      Jogo de Ação e Aventura: The Legend of Zelda:Breath of the Wild
      Jogo Indie: Cuphead
      Jogo de Estratégia: Mario + Rabbids: Kingdom Battle
      Jogo de Terror: Resident Evil VII
      Jogo Metroidvania: Metroid: Samura Return
      Melhor Gráfico: Cuphead
      Melhor Trilha Sonora: Nier Automata

      Nota: Prevejo um equilibrio enorme na categoria de game do ano, e se eu acertar ao menos alguma coisa eu vou ficar surpreso kkkkkkkkkkkkk.

      1 reply
    • Micro picture
      marcelokiss487 · 3 months ago · 3 pontos

      Jogo do ano: RE VII
      RPG: Horizon Zero Dawn
      Jogo de tiro: Wolfenstein II
      Action Adventure: AC Origins
      Indie: Cuphead
      Estratégia: Fire Emblem Heroes
      Terror: RE VII
      Metroidvania: Dead Cells
      Gráfico: Hellblade
      Trilha sonora: Mario Odyssey

    • Micro picture
      raiden · 3 months ago · 3 pontos

      Jogo do ano - Horizon Zero Down
      Melhor Jogo de RPG - Divinity 2
      Melhor Jogo de Tiro - Prey
      Melhor Jogo de Ação e Aventura - Super Mario Odyssey (inclusive estou jogando!!)
      Melhor Jogo Indie - Cuphead
      Melhor Jogo de Estratégia..... Nenhum
      Melhor Jogo de Terror - Observer
      Melhor Jogo de Metroidvania - Hollow Knight
      Melhor Gráfico - Horizon Zero Down
      Melhor Trilha Sonora - Nier Automata

  • the_muriel Muriel Soares
    2021-06-28 19:04:31 -0300 Thumb picture
    the_muriel checked-in to:
    Post by the_muriel: <p>BEHOLD THE POWER OF THE MULETA</p><p>#img#[78104
    Xenoblade Chronicles 3D

    Platform: Nintendo 3DS
    185 Players
    62 Check-ins

    BEHOLD THE POWER OF THE MULETA

    Boa noite, galera, terminei o Xenoblade Chronicles no meu 3DS, e queria compartilhar um pouco da minha experiência aqui com vcs.

    Eu terminei o jogo com 48h, sim, você não esta lendo errado, apenas 48h, e essa é a primeira coisa que deve ser esclarecida sobre esse jogo, porque acredito que muita gente se sente intimidado de jogar por sempre escutar que 70h é o mínimo nele.

    Então deixa eu explicar aqui,  a historia desse jogo é contada nos famosos "filminhos" e xenoblade possui um pouco mais de 10h deles, tudo que vc precisa saber da narrativa, mitologia e personagens para compreender o jogo vão estar aqui, e devo dizer que nessa parte ele é muito competente, e como o normal da geração dele, o jogo sempre vai apontar a onde você tem que ir e o que tem que fazer, durante esse percurso da main quest, entre explorar e exterminar os animais de Bionis, você gastara entre 35h~45h dependendo de quanto você for competente no combate do jogo.
    As outras 5000h que a galera diz que esse jogo tem, estão todas em side quests, e esse jogo tem muitas, mas sendo sincero elas são bem opcionais mesmo, eu vi varias delas, mas fiz um total de 0, porque elas se resumiam ,em sua esmagadora maioria, nas tarefas de matar monstros e recolher itens, e eu estava muito mais interessado em saber do que estava acontecendo na main quest.

    Entenda que isso não é uma critica a quem curte fazer 100% ou fazer sidequests, e sim um aviso para a galera que curte jogos com uma experiência mais focada, que esse jogo tem oq vc quer e que a maior parte das horas que a galera divulga é apenas quests das quais quem está interessado apenas na historia pode pular sem problema algum e focar no conteúdo da main, incluindo o gamplay nessesaria para progredir.
    No mais, eu achei a narrativa desse jogo incrível, a melhor que já experimentei nesses 2 anos e meio de @grindingcast, a construção dos acontecimentos, a forma que o jogo te mantem interessado, a interação dos personagens e entrega de tudo, foi incrível, mas tenho uma ou duas ressalvas que não poderei dizer aqui por motivos de spoiler(e neh, vai estar no podcast ;P)

    A gameplay, eu não achei ruim, mas deixa a desejar e faz umas escolhas bestas, do tipo, porque não consigo mudar de personagem durante o combate?(ou se der e eu não fui burro de não ver, me digam kkkk) ou porque quando o meu personagem morre e não tem barra é game over mesmo com outros 2 vivos? E a repetição, porque bastou eu espalmar as minhas artes e fazer os combos para limpar o chão com todos os inimigos.
    De resumo é isso, mais informações quando nosso podcast de 22h sair :v
    11
    • Micro picture
      manoelnsn · 3 months ago · 2 pontos

      Espera... Xenoblade tem gameplay? Nem lembro, huahua

      2 replies
    • Micro picture
      santz · 3 months ago · 1 ponto

      As sidequests desse jogo foi mais uma coisa que me desanimou. Eu gosto de fazer as missões paralelas, todas, se possível, mas esse jogo tem muitas e muitas (e muitas) e isso me deixa agarrado um tempão numa mesma parte só para fazer essas missões extras e quase não avancei na história.

      1 reply
    • Micro picture
      mateusfv · 3 months ago · 1 ponto

      Caramba mas foi jogar pior versão do jogo, é incrível ver o jogo rodando no 3DS, mas se ser a do Switch a melhor é o Wii mesmo, tiveram que diminuir muito graficamente pro jogo rodar no New 3DS.

      O gameplay no geral é bem ruizinho, side quest em RPG normalmente é só fetch quest, ai n perco muito meu tempo normalmente, oque vale a pena em Xeno é a trama e a trilha, que dão nos dedo de todos os outros RPGs da 7º geração kk

      2 replies
  • 2021-06-25 20:25:49 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Bengalada da Velha #16 - Demon Slayer

    E estamos de volta, com mais uma Bengalada da Velha! Peço desculpas pela demora nos posts nas últimas semanas já que, como tiro férias em Julho, parece que ando chegando mais cansado do que de costume em casa... E como resultado acabaram saindo poucas postagens nesse meio tempo... Mas prometo que nesse mês vindouro as postagens ficarão mais frequentes, sejam as indicações, os casos estranhos dos animes modernos, as listas, os artigos e, claro, as bengaladas, com a de hoje sendo a de um anime extremamente recente, de 2019, e que fez um sucesso absurdo: Kimetsu no Yaiba, ou, como foi lançado aqui no ocidente, Demon Slayer!

    Baseado em um mangá de 2016 feito pela autora Koyoharu Gotouge, Demon Slayer foi um anime de 26 episódios animado pelo estúdio Ufotable (os caras responsáveis pelas animações recentes da série Tales of e da franquia de jogos pornô, digo, Visual Novels de romance, Fate) e que é protagonizada pelo jovem Tanjirou, que vivia junto de sua família no meio de um barraco no meio do mato e, devido ao fato de seu pai ter morrido, ele era o homem da casa e tinha que sustentar seus vários irmãos e sua mãe sozinho. 

    Porém, eles ainda viviam felizes, até que um dia um demônio (Oni, na dublagem do Netflix) entrou na casa de Tanjirou e assassinou todos seus familiares quando ele estava fora... Todos, com exceção de sua irmã, Nezuko, que acabou sendo contaminada pelo sangue da criatura e se tornou um capeta também! E pra piorar a situação desse pobre diabo, chegou um Matador de Demônios no lugar (o nome dos caras com poderes fantásticos da vez, tal como os Shinigamis de Bleach e ninjas de Naruto) e queria matar sua irmã!

    Felizmente, Nezuko consegue se controlar e junto de Tanjirou parte pra cima do Caçador, que fica impressionado e deixa ambos saírem ilesos. Também diz pro protagonista para ele tentar ser um Matador de Demônios também, e talvez assim encontrar outros capirotos e algum que possa achar alguma maneira de fazer o único membro vivo de sua família voltar ao normal, tal como de encontrar o satanás que matou sua família. Preciso admitir que o anime começa bem, já apresentando o personagem principal e todo o estopim dramático para sua jornada, além de uma motivação vingativa para o mesmo... Porém, a partir daí a merda só vai descendo ribanceira abaixo...

    Pra começar o Tanjirou, que antes da tragédia era apresentado como um escoteiro que ajudava qualquer um que aparecesse, além de ser muito emotivo e ingênuo, continua EXATAMENTE O MESMO depois do que aconteceu com sua família! Não ocorre uma catarse com ele, algo que o faça agir de forma diferente com as outras pessoas devido ao impacto emocional que sofreu (algo que acontece em outros animes com uma temática parecida, como Claymore), dando a impressão que aquilo não significou nada pro cara... E pra piorar ele chega ao ponto de sentir PENA dos demônios que derrota, a mesma raça de filhos da puta que matou sua família e transformou sua irmã num capiroto de saia!

    E falando na Nezuko, não pense que ela virou uma espécie de capetão super poderoso lutador de Kung Fu ou coisa do tipo, porque ao se transformar em demônio ela ficou totalmente lesada, com uma mordaça de bambu na boca, além de poder mudar de tamanho, ficando menor ou maior conforme a situação. Ou seja: ela é a waifu perfeita para os otakus punheteiros de plantão, sendo uma garotinha púbere linda, encapetada, com olhos enormes, muda e ainda por cima flexível! Ela ajuda o irmão de vez em nunca na série, batendo em outros satanazes, mas sua função na trama é claramente óbvia logo no começo: ser a garotinha fofinha e tapada da vez, algo imprescindível na nauseabunda era repleta de moe atual...

    E quanto ao resto da história? Bem, o escoteiro Tanjirou acha um velho com uma máscara na cara que o treina e em seguida ele vira um Matador de Demônios também, e parte em várias missões junto com sua irmã peso de papel flexível com um bambu na boca, e no meio delas ambos encontram dois zé roelas que passam a seguí-los (ou seja, que entram pra party): um otário loiro maricas que só sabe chorar e gritar feito uma menininha dos anos 80 quando via a Banda Dominó e um retardado sem camisa que usa uma máscara de porco zarolha porque tem uma cara toda delicadinha... 

    E quanto aos vilões, praticamente cada um dos demônios que aparece na trama têm sempre algum tipo de passado dramático, que é sempre revelado alguns segundos antes dos mesmos morrerem (ou seja, que não serve pra porra nenhuma, a não ser pro Tanjirou ficar com peninha deles), e quanto ao capeta que matou a família do personagem principal (e transformou sua irmã em um peso de papel fofinho flexível com um bambu na boca) ele aparece logo nos primeiros episódios e é, na verdade, um cospobre do Michael Jackson, que gosta de brincar de casinha, se vestir de gueixa e de matar seus próprios subordinados!

    O pacing da trama também é terrível, com Tanjirou indo de um catador de carvão para um exímio espadachim que pode usar técnicas de água (e posteriormente de fogo) com sua espada de uma hora pra outra, sem que sequer houvesse uma explicação detalhada de como o sistema de poderes funciona nessa trolha de mundo (correção, isso é explicado de forma bem rápida NO FILME, que acontece após os 26 episódios normais da série) ou mesmo como caralhos voadores assassinos da Indonésia a organização dos Matadores de Demônios consegue se manter escondida quando seus integrantes são, em sua maioria, sujeitos espalhafatosos carregando espadas enormes e que CLARAMENTE se destacam na multidão, além de causarem danos absurdos com seus poderes de battle shounen...

    Os Hashira, os Matadores de Demônios mais fortes da série... E que, por algum motivo, são todos caricatos...

    Existem mais defeitos em Demon Slayer, mas para não deixar o post maior do que já está (além do limite de imagens do alva já ter sido alcançado), podemos resumir seus 26 episódios (e mais um longa de 2 fucking horas) em um battle shounen genérico com vários problemas, cujo motivo do estrondoso sucesso se deve aos mastodônticos valores de produção do Ufotable (o que deixou a série com lutas extremamente bem animadas), além de se focar em algo pouco abordado em animes do tipo: valores familiares. Não apenas Tanjirou (e sua irmã peso de papel muda, fofinha, retardada, endemoinhada, flexível e com o alimento do panda na boca), mas como quase todo personagem aqui tem algum drama familiar, dando uma ênfase muito grande nesse tipo de tema, que é muito querido por muitos... E utilizado à exaustão por autores e pessoas picaretas por aí, que usam isso como estandarte apenas para chamarem a atenção... E muitos caem feito patinhos...

    ______________________________________________________________________________

    Dito isso, fica a Bengalada da semana para Demon Slayer, um anime problemático cujo fato de ser um sucesso absurdo só mostra o nível decadente e pútrido da indústria de animação nipônica da atualidade, fazendo com que mesmo uma obra dessas se destaque facilmente. E para terminar essa empreita, seguem opções MUITO superiores ao bengalado:

    Claymore - Um battle shounen de 2007, que tem uma protagonista que teve um trauma não tão pesado quanto o do Tanjirou, mas que mesmo assim sofreu uma catarse e saiu pelo mundo em busca de vingança... E que não fica tendo peninha dos inimigos igual o escoteiro aí...

    Hokuto no Ken - Battle shounen dos anos 80, mostrando um protagonista enorme que mata todos seus inimigos, sem ficar sentindo peninha deles, além de estar em uma jornada de vingança por um cara que roubou sua mina

    Bleach - Apesar de seus graves problemas, os dois primeiros arcos de Bleach são excelentes e descem o sarrrafo em Demon Slayer fácil, mostrando um protagonista que se torna um deus da morte para enfrentar criaturas que surgem da alma de humanos em sofrimento (e que são invisíveis, mostrando que o autor pensou bem no worldbuilding aqui, ao contrário do bengalado)

    Busou Renkin - Battle shounen de 20 e poucos episódios, igualmente simples, mas com personagens mais memoráveis e uma trama finalizada, além de um protagonista que também tem uma irmã e que tenta protegê-la... Mas sem ser um escoteiro bunda mole

    Vinland Saga - Não é um battle shounen, mas é uma história de vingança, de um cara que viu seu pai morrer e jurou que iria matar o assassino de seu progenitor, mesmo que tivesse que trabalhar pra ele. E não é uma história sobre mais espadachins adolescentes mágicos e sim sobre fodendo VIKINGS!

    Code Geass - Protagonista que quer se vingar e ao mesmo tempo proteger sua irmã... Mas que é um maquinador desgraçado e extremamente carismático e que, obviamente, não sente pena de seus inimigos...

    Tales of Berseria- Sim, é um jogo de videogame e não um anime... Mas tem uma história de vingança protagonizada por uma dona com sangue nos zóio que era uma dona de casa colorida e se transformou em uma sombria espadachim esfarrapada que atropela qualquer um que ficar em seu caminho... E que obviamente tem mais culhões do que Tanjirou e seus colegas frouxos sonharam em um dia ter

    ______________________________________________________________________________

    Bem, é isso... Até o próximo post!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    Lista da vergonha com os agraciados com a Bengalada da Velha aqui!

    27
    • Micro picture
      mateusfv · 3 months ago · 2 pontos

      A então é disso que se trata demon slayer, sempre ouvi falar mas nunca tive interesse de ir atrás, bom de saber que n perdi meu tempo kk

      1 reply
    • Micro picture
      tiagotrigger · 3 months ago · 2 pontos

      Esse negócio dos poderes é algo que me incomodou quando assisti, o maluco do nada usa esses poderes diferentões e não tem explicação de como esses elementos funcionam. O negócio da espada também não tem muita explicação, tanto é que nem lembro exatamente o que é (xD), era algo dela mudar de cor e ter um significado diferente. Se mais pra frente eles vão explicar isso eu não sei, mas deveria ser bem antes.
      O que me fez assistir tudo foram os personagens (principalmente os "protagonistas secundários", se é que isso existe, hehe). Eu gosto dessas coisas (os personagens, nesse caso) completamente malucas e absurdas, me diverti muito com eles. Mas até chegar lá não achei tão interessante.

      6 replies
    • Micro picture
      kalini · 3 months ago · 2 pontos

      Mesmo não concordando com muita coisa, aprecio como voce consegue ver cada detalhe das obras que critica que pouca gente (tal como eu) nota os defeitos. Eu considero Kimetsu no Yaiba um anime bom, mesmo que não tenha nada de espetacular ou muito original. A animação é boa, o vusal é supreendentemente até bom pra nossa epoca, onde muita coisinha parece igual.

      1 reply
  • the_muriel Muriel Soares
    2021-06-20 18:26:38 -0300 Thumb picture
  • 2021-06-18 21:56:39 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Know Your Demon #145 Chon Chon

    NOME: Chonchón

    ORIGEM: Mitologia Mapuche

    PRIMEIRA APARIÇÃO: Megami Tensei II (NES)

    LORE: Originário do folclore mapuche (povo indígena de parte do Chile e da Argentina) posteriormente incorporado ao folclore chileno, a criatura é uma transformação  dos calcus, os xamãs chilenos feita somente pelos mais poderosos ao ungirem um creme magico em suas gargantas que facilita que a cabeça se separe do corpo agindo por conta própria como uma criatura.

    Possui penas e orelhas largas que utiliza como asas, possui todos os poderes mágicos de um calcu e só pode ser enxergado por outros calcus. A transformação facilita os atos maléficos de um calcu além de o permitir beber o sangue de pessoas em seu sono.

    Embora invisíveis para não místicos os chonchóns ainda podem ser ouvidos pelos vivos, em especial seus gritos "tue tue tue" que servem de pressagio maligno para mortes de entes queridos.

    APARIÇÕES EM OUTRAS MÍDIAS:

    Marca presença no jogo Ragnarok Online aqui sob a forma de mosquitos voadores.

    É uma das criaturas do sistema de RPG GURPS, presente no livro Fantasy Bestiary.

    Se faz presente na série Final Fantasy nos episódios XIII, XIII-2 e XI, sendo nos dois primeiros seres alados e no ultimo uma sub-espécie de cockatrice lembrando mais um reptil terrestre.

    Fazem aparições como inimigos em Castlevania Symphony of the Night, Order of Ecclesia e Encore of the Night conhecidos pelo nome de Bitterfly nas versões ocidentais. Créditos a @avmnetto pela informação.

    by @thecriticgames

    Ragnarok Online

    Platform: PC
    7106 Players
    241 Check-ins

    24
    • Micro picture
      lgd · 3 months ago · 2 pontos

      Só pensei em Re-Animator kkk

      2 replies
    • Micro picture
      avmnetto · 3 months ago · 2 pontos

      Tenho quase certeza de já ter visto isso em algum Castlevania (Metroidvania) também.

      3 replies
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...