• fred_alves_54 Fred Alves
    2021-01-07 15:04:46 -0200 Thumb picture
    fred_alves_54 checked-in to:
    Post by fred_alves_54: <p>#img#[754875]</p><p>Adorei começar e no final ta
    State of Decay 2

    Platform: PC
    28 Players
    4 Check-ins

    Adorei começar e no final tava torcendo pra acabar.

    É incrível como esses games de hoje ludibriam o jogador de forma absurda, no começo parecia ser uma historia legal e jogabilidade única, mas foi um ledo engano meu.

    Tudo começa a degringolar depois que passa a parte do tutorial e você estabelece uma base, vai fazendo um monte de missão repetitiva e logo para naquela missão de destruir os núcleos pestilentos, aquilo ali é o pior do jogo. Para piorar a situação os personagens são genéricos e não gera nenhuma empatia com eles (até porque foi feito pra isso, todos os personagens podem morrer e você tem que lidar com isso), mas o que poderia ser uma coisa legal no jogo, é um grande defeito, porque você vai fazendo as missões e não tá nem aí pro personagem.

    Uma coisa legal que vi no jogo é poder viajar cortando caminho com os carros, mas com o tempo acaba ficando chato também, deveria ter um fast travel entre os postos avançados (não sei se tem, acho que não).

    Gerenciar a base é outra coisa que era pra ter sido uma coisa genial, mas não foi nada demais, o tempo todo tem que ficar caçando recursos ate terminar de fazer o upgrade da base e não precisar mais. 

    Apesar dos personagens serem genéricos e descartáveis, alguns tem características distintas como mecanica, elétrica que podem ajudar a você evoluir a sua base, mas sinceramente não vale a pena ficar procurando gente por aí pra recrutar só pra ter um gerador solar, basta fazer um posto avançado numa rede elétrica que é sucesso.

    As armas são bem legais e só tem um tipo de upgrade que é o silenciador, nesse ponto acho que deveriam ter colocado pelo menos um pente estendido ou um controle de recuo, mas o ideal era colocar tipo dead island com danos adicionais na arma como veneno, fogo e etc (sei que isso ia ser bem mentiroso, mas o jogo já é mentiroso por si só ne).

    Jogar com o mouse e teclado achei fácil demais na dificuldade normal, a ultima missão parecia brincadeira de criança e só um momento do jogo que eu quase morri para o juggernaut, mas mesmo assim consegui sobreviver. No próximo que escolher vou de controle mesmo pra ficar mais realista.

    Faltou variedade de monstros, ficar matando zumbi vermelhor e amarelo, feral, boomers e juggernaut chega uma hora que cansa.

    A performance dele foi bem razoável mas as vezes dá uns stutterings (vou até parar de reclamar disso pq meu i5 de terceira geração já tá pedindo um upgrade), mas o problema maior foram os bugs mesmo, por várias vezes fiquei travado num lugar, seja com personagem ou com o carro .

    Pra finalizar, quando eu estava lá pelas 9 horas de jogo já estava quase quitando de tanto tédio, fiquei umas 3 horas só rushando pra terminar logo e finalmente com um final bem sem graça, quando termina o jogo libera o legado, que é umas vantagens para a nova jogatina, mas sinceramente não vale a pena re-jogar isso, aliás se você terminou o state 1, nem vale a pena jogar o dois, pelo que eu vi é a mesma coisa.

    Nota: 6,5/10  Razoável, genérico

    Tempo: 12:49

    2
  • 2020-11-28 01:21:11 -0200 Thumb picture

    Confere aí o Replay da última LIVE que rolou! :)

    Estamos quase no fim da nossa série de Gameplays de RE3: Remake! Então se não viu os Episódios anteriores, assiste aí! :) Curtiu? INSCREVA-SE pra não perder nossas LIVEs e Vídeos com os mais Variados temas! Vai rolar muita coisa show depois de RE3! ;)

    Resident Evil 3 Remake

    Platform: PC
    106 Players
    37 Check-ins

    3
  • 2020-11-13 18:18:42 -0200 Thumb picture

    Hoje tem LIVE de SEXTA-FEIRA 13... em RACCOON CITY!

    Medium 746103 3309110367

    https://www.youtube.com/c/GeekAnalisandoChannel
    Começamos por volta das 21:45, então marca aí na agenda e cola lá com a gente! Já aproveito para pedir desculpas para quem acompanhou a última LIVE: por conta de falhas na Conexão a LIVE caiu e perdi todo o conteúdo! :/ Mas no vídeo de hoje recuperaremos o tempo perdido! Esperamos que dessa vez sem maiores problemas! \o/ Então dá uma força e não esquece - 21:45 estaremos começando nossa SEXTA-FEIRA 13 de RE3: Remake!!! :D

    @clickrevil

    Resident Evil 3 Remake

    Platform: PC
    106 Players
    37 Check-ins

    5
  • 2020-11-06 21:54:48 -0200 Thumb picture

    Resident Evil EVOLUÇÃO (1996-2021) Ep.1 - Games Através do Tempo #4

    Fala galera, tudo tranquilo? Uma das séries que mais tem chamado a atenção aqui no Canal é “Games Através do Tempo”, onde vemos a Evolução de grandes franquias e/ou Produtoras num Histórico Completo de Lançamentos! Depois do resumão dos mais de 30 anos de Castlevania (tô deixando a Playlist aqui embaixo na descrição), hoje é a vez de Resident Evil, que tá quase completando seus 25 anos! Então já manda a Inscrição e o Like, porque vou dividir a saga em três Episódios pra cobrir tudo que rolou/ainda vai rolar de 1996 à 2021! Muito obrigado ao enorme apoio de todos e até mais vídeos! INSCREVA-SE! :)

    Resident Evil

    Platform: Playstation
    9046 Players
    85 Check-ins

    3
  • 2020-11-01 17:10:31 -0200 Thumb picture

    PERDEU A LIVE DE HALLOWEEN ONTEM? CONFERE AÍ O REPLAY! ;)

    A Transmissão de ontem (31) teve papo com Inscritos, brincadeiras e piadas, degustação de D@R!T@$ Wasabi com participação especial da minha noiva e momentos de cagaço com um toque de Noobice contra os Zumbis! Aaaaah... além de tudo, marcou o início da primeira série pra Zerar do INÍCIO ao FIM! Então pra acompanhar nossas Transmissões, INSCREVA-SE e Repassa pra galera que curtiu esse polêmico Game! Fiquem ai com o Replay da Transmissão, e ainda nessa semana tem uma edição com os Melhores Momentos pra quem prefere vídeos curtos! Um forte abraço pra todos e bom Domingo!

    Resident Evil 3 Remake

    Platform: PC
    106 Players
    37 Check-ins

    5
  • clovisalmeida Clóvis Almeida
    2020-06-30 13:37:09 -0300 Thumb picture

    Days Gone: não é perfeito, mas tava no caminho certo (review)

    Medium 3810395 featured image

    Fazer algo novo dentro do cenário pós-apocalíptico de zumbis é um desafio. Mas que bom que a Bend Studio topou encara-lo.

    Days Gone começa de maneira simples, tímida, quase que uma repetição de títulos já conhecidos da temática. Mas que no desenrolar ganha escopo, forma e personalidade. E bota personalidade nisso! Deacon St. John é o catalisador de todo o carisma contido neste game, com poucas cenas e linhas de diálogo o personagem te ganha e diverte com suas doses de sarcasmo e deboche. Algo muito bem trabalhado até mesmo nas linhas de comentários durante o mundo aberto, o personagem nunca para de falar sozinho, ou melhor, falar conosco. Traçando piadas e comentários ácidos para com as situações e aquele mundo em geral criando uma ligação afetiva com o personagem.

    A busca pela amada e também de um lugar naquele mundo é intrigante, Deacon parece não querer se encaixar na construção de uma nova sociedade e busca apenas por sobrevivência. Ainda que a sua jornada insista em cruzar caminhos e objetivos, moldando a personalidade do herói de acordo com a jornada a ele proposta. A ponto de discutir as linhas das quais se deve cruzar ou não, assim como o peso que a morte de um zumbi aqui frenético,  tem para o indivíduo.

    Um vivo mundo morto. O escopo aberto de Days Gone aborda diversos elementos já conhecidos, postos de controle, acampamentos inimigos, caçada de recompensa, restauração de linhas de suprimento, ninhos e hordas. Tudo bem distribuído e encaixadinho para terem um sentido na narrativa. Em quantidades suficientes pra agradar, mas não a ponto de tornar repetitivo ou genérico.

    A beleza está nos detalhes. Explorar ambientes em busca dos escassos suprimentos é essencial no gênero e é onde o jogo mostra sua beleza. Cada canto explorado tem detalhes, tem vida e teve vida. As casas, os estabelecimentos comerciais, os acampamentos abandonados.. todos tem uma história pra contar se você acompanhar a disposição dos objetos e móveis, de como estão as cenas de morte nos ambientes. Você praticamente é convidado a descobrir o que aconteceu naquele lugar durante o surto. 

    Tudo tem um preço. Paredes invisíveis, problemas de colisão, missões que não se ativam, NPCS que desaparecem do mapa, texturas que não carregam... o pacote todo está presente. Mesmo 1 ano depois, mesmo com todos os patchs e correções. 

    Days Gone tem uma variedade generosa de armas, dispositivos e consumíveis. Tudo personalizável, com comportamentos e funções diferentes contribuindo para um sistema de progressão robusto onde nada é obrigatório. Tudo é uma questão de como você se adapta e como você aborda a situação. A essencialidade da motocicleta que parte como proposta de sobrevivência, o clima é dinâmico e faz diferença na gameplay. Ótimas mecânicas de combate dão uma identidade própria para o game e o coloca no radar do gênero. A Bend Studio foi ambiciosa no projeto, os eventuais problemas ocorrem e você se vê revoltado mais pela quebra de imersão, do que pelo problema em geral. Talvez mais tempo de forno pudesse ter feito mais pelo game e diminuído o marketing negativo que afasta desavisados dessa ótima experiência.

    Days Gone

    Platform: Playstation 4
    525 Players
    278 Check-ins

    16
  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2019-04-25 18:36:23 -0300 Thumb picture

    DAYS GONE.

    Mais atualizações acerca as notas deste lançamento...

    SEGUE:

    LevelUp: 94
    PlayStation LifeStyle: 90
    GameSpew: 90
    SpazioGames: 88
    Video Chums: 88
    Hobby Consolas: 87
    Power Unlimited: 86
    Worth Playing: 85
    WCCFTech: 84
    GamePro Germany: 82
    The Games Machine: 82
    Everyeye.it: 82
    Atomix: 80
    Attack of the Fanboy: 80
    Darkstation: 80
    Gamer.nl: 80
    VideoGamer: 80
    Meristation: 80
    The Escapist: 80
    Vandal: 80
    We Got This Covered: 80
    XGN: 80
    Hardcore Gamer: 80
    IGN Itália: 80
    IGN Espanha: 80
    JeuxActu: 80
    M3: 80
    PLAY! Zine: 80
    PlayStation Universe: 80
    App Trigger: 80
    COGconnected: 80
    Digitally Downloaded: 80
    Eurogamer Itália: 80
    Game Revolution: 80
    Gaming Nexus: 80
    4Players.de: 80
    Game Informer: 78
    Multiplayer.it: 78
    Merlin’in Kazani (Turquia): 77
    3DJuegos: 75
    Gameplanet: 75
    Areajugones: 75
    Easy Allies: 75
    Jeuxvideo.com: 75
    TrueGaming: 75
    Post Arcade (National Post): 75
    Games.cz: 70
    USGamer: 70
    Trusted Reviews: 70
    GamesRadar+: 70
    PSX-Sense.nl: 70
    Push Square: 70
    Press Start Australia: 70
    New Game Network: 66
    Millenium: 65
    God if a Geek: 65
    IGN: 65
    CGMagazine: 65
    Critical Hit: 65
    Digital Spy: 60
    GamingTrend: 60
    Guardian: 60
    Gameblog.fr: 60
    Screen Rant: 60
    Stevivor: 60
    TheSixthAsix: 60
    Twinfinite: 60
    Metro GameCentral: 60
    Destructoid: 60
    EGM: 55
    Telegraph: 50
    Digital Trends: 50
    GameSpot: 50
    Variety: 50
    The Daily Dot: 40
    Slant Magazine: 30

    Os elogios ficam por conta da narrativa, com uma boa intensidade, ambientação repleta de perigos e por um gameplay mais descompromissado.

    Já as críticas ficam por conta do desempenho técnico em determinadas situações, tiroteios sem muita emoção e por fazer “só o básico”.

    Analisando com um pouco mais de cuidado os números (76 críticas) temos que:

    46 avaliações (60%) o colocam como “bom” ou “muito bom“: >= 75

    28 avaliações (36%) classificaram como “mediano“: >= 50 

    02 avaliações (2,6%) o apontam como “ruim“: <= 40

    Days Gone

    Platform: Playstation 4
    525 Players
    278 Check-ins

    32
    • Micro picture
      mateusfv · about 2 years ago · 3 pontos

      Bem eu não joguei e vi muito pouco então nem dá pra dar nota, mas o interesse que tenho por ele desde a primeira vez que vi é 0 hsushsh

      2 replies
    • Micro picture
      onai_onai · about 2 years ago · 3 pontos

      Eu li rápido e vi Gays Gone...

      3 replies
    • Micro picture
      bymyself · about 2 years ago · 3 pontos

      Não me deu um pingo de vontade de jogar esse jogo. Por isso quando for jogar provavelmente vou me surpreender e gostar dele... XD
      Acho que em grande parte foi o hype que o primeiro vídeo causou. Nele a orda de zumbis era gigantesca e os gráficos estavam bem mais detalhados que o que foi mostrado na E3 seguinte. Acho que The Last of Us 2 tirou um pouco do brilho dele tbm, pelo menos para mim...

      1 reply
  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2017-12-06 18:48:11 -0200 Thumb picture

    Eeeeeee... começou!

    É hora de largar esse sentimento de saudade que TRICO me deixou (THE LAST GUARDIAN). E nada melhor do que dilacerar zumbis com ESCAPE  DEAD ISLAND (2014)...

    Comprei esse game super barato (menos de R$10,00) então já era hora de começá-lo. A série DEAD ISLAND e suas inspirações modernas como DYING LIGHT são excelentes games do gênero. Mas será que esse third person tão colorido com um "estilo HQ de ser"... é bom?                           

    O game tem início num laboratório e, com instruções de XIAN MEI no áudio (sim, personagem jogável do primeiro game) somos largados num caótico cenário que antecede os acontecimentos de DEAD ISLAND.

    Graficamente é tudo muito simples, porém de certa forma apresentável. Gameplay mediano, sem grandes elogios tampouco negativismo. É cômico as onomatopeias que pipocam na tela ao estilo do clássico seriado televisivo do BATMAN... POW!

    DESTAQUES POSITIVOS no pouco que joguei: NÃO HÁ HUDs (a tela é limpa de informações), dá pra usar CENÁRIO À SEU FAVOR.

    O game avança alguns dias e... você encarna esse gostoso ae de jaqueta vermelha (CLIFF CALO) e seus amigos investigadores (nuss...ficou parecendo chamada de SCOOBY DOO).                                                                       

    O game é repleto de colecionáveis: GRAVADOR DE VOZ, FOTOS, ESTÓRIAS, REGISTROS, CARTÕES POSTAIS... Como um investigador (ao estilo DEAD RISING) você sai tirando foto de tudo em que, ao ser enquadrado, pisca de verde. São quase 90 fotos à serem tiradas...

    Assim como METAL GEAR SOLID... há momentos (simples) de STEALTH onde pode-se matar inimigos furtivamente. Outra similaridade é a exclamação na cabeça dos inimigos nos instantes em que eles lhes percebe (seja por som emitido por você ou se expondo visualmente).

    Temos à disposição armas de fogo... e nada mais gostoso que um BANG pipocando sob uma cabeça estourada dum zumbi.  Na praia de BANOI não demora muito para saber que a empresa GEOPHARM está por trás dessas atrocidades...

    Outro ponto bacana no game é que certas áreas são acessadas apenas com respectivos itens equipados como LANTERNA e MACHADOS.

    REVIEWS mundiais foram avassaladoras (no mau sentido) com notas geralmente abaixo de 6/10. Até o momento estou achando um game simples porém divertido. Acho válido uma notinha de 6/10 SE O GAME FOR BARATO e/ou DE GRAÇA. Senão não vale gastar dinheiro nele... Essa REVIEW abaixo inclusive escrachou... 3/10... kkkkkkkkkk

    Escape Dead Island

    Platform: Playstation 3
    31 Players
    10 Check-ins

    24
    • Micro picture
      douglascruz19 · over 3 years ago · 3 pontos

      Eu sempre quis jogar esse jogo, mas falam tão mal dele que assusta mais que os zumbis, rsrs.

      4 replies
    • Micro picture
      onai_onai · over 3 years ago · 3 pontos

      Legal esses gráficos, me lembrou o jogo de tiro XIII.

      2 replies
    • Micro picture
      deadmemories25 · over 3 years ago · 3 pontos

      Esse jogo é muito maneiro! Pouco conhecido.

      3 replies
  • marcusmatheus Marcus Vinicius de Paula Matheus
    2017-11-07 13:56:24 -0200 Thumb picture

    ​E 8 ANOS DEPOIS, CONHEÇO KILLING FLOOR...

    Medium 3561058 featured image

    Uma das minhas estratégias para seguir jogando, mesmo com um computador simples (sem nenhuma peça alterada e placa de vídeo Intel Graphics 2000!) é jogar muitos games indies e títulos antigos.

    Na minha busca por “joguinhos simples” e com “pouco objetivos” me deparei com uma série de títulos que, na falta de nomenclatura melhor, eu considero simplesmente como “Survival Waves”: Jogos de FPSs basicamente Arcades onde história não é o foco, as fases não possuem objetivos ou itens para serem coletados e a única missão do jogador é matar uma quantidade especifica de inimigos (ondas e ondas de inimigos – daí a ideia de chamar estes jogos de Survival Waves...).

    Depois de finalizar alguns ao longo deste mês, notei que um deles tinha um considerável destaque na Steam e era significativamente antigo para eu ter certeza que rodaria no meu PC.

    Killing Floor, conforme descobri depois, foi lançado em 2009, um ano após o lançamento de Left 4 Dead e, seja por coincidência ou por outros motivos, possui bastante elementos em comum com o título da Valve: É um jogo com foco no cooperativo online, onde você praticamente apenas mata um monte de zumbis diferentes em fases rápidas. Mas basta iniciar a jogatina para notar as grandes diferenças entre ambos os jogos.

    Acho que praticamente todo mundo conhece ou já ouviu falar de Left 4 Dead, por isso não vou focar nas características deste, mas em relação à Killing Floor, ao menos quando consideramos o pessoal mais novo, não é tão comentado assim, por isso é interessante informar: Em Killing Floor o foco na cooperação é levado ao extremo, pois os personagens jogáveis são divididos em classes que possuem seu papel “mais ou menos” determinado dentro da aventura. Além disso, as classes funcionam com um leve elemento de RPG, se fortalecendo a cada novo nível conquistado pelo jogador. Esse “nível de classe” possui influência direta na dificuldade que você deve jogar o game. Apesar de KF não possuir zumbis especiais que incapacitam o jogador e obrigam um aliado à resgata-lo da morte certa, os infectados mais fortes podem matar um personagem com poucos golpes; deixando praticamente tudo na mesma, apesar de você possuir mais chances de sair vivo sozinho em KF (se tiver uma boa experiência!).

    E ai começaram os meus problemas no game; problemas estes que justamente me fizeram gostar bastante dele: O absurdo salto de dificuldade de um modo para o outro e o papel que a classe deve representar dentro das partidas!

    Inocentemente, após instala-lo  no PC e chagar cansado de um dia de trabalho, o plano era “me distrair” explodindo umas cabeças de zumbis. Iniciei o game, aprovei na hora a trilha sonora agressiva, gostei das classes que podia escolher e escolhi a minha com base nas armas que usava; resolvi jogar de Comando, pois era a única classe que ganhava bônus de ataque utilizando rifles automáticos (que são minhas armas preferidas em qualquer FPS). Depois da classe vi os níveis de dificuldade e, como padrão em qualquer jogo novo que experimento, resolvi iniciar no “Normal”.

    Uma hora depois, após tentar jogar 6 fases diferentes no “solo mode” e perder em TODAS elas, percebi que estava fazendo alguma coisa errada... ^_^

    Killing Floor havia sido O PRIMEIRO jogo de Survival Waves que eu não havia conseguido terminar NENHUMA fase jogando sozinho e no nível de dificuldade normal. Isso me chamou atenção de maneira positiva e resolvi pesquisar um pouco mais sobre o game para descobrir onde estava errando....

    Descobri que deveria ter feito isso ANTES de jogar, pois eu estava fazendo tudo errado... :D

    Pra começar existe esse lance do “papel que as classes devem representar numa partida”: Após ler vários artigos sobre Killing Floor e umas dicas da comunidade, descobri que a classe que eu escolhi e que utiliza minhas armas preferidas, é basicamente um personagem de suporte dentro de uma fase; ela é ótima para controlar multidões de inimigos, matar pequenos tipos de zumbis mas totalmente fraca contra os monstros maiores (sendo justamente na hora que os monstros maiores aparecem em grande quantidade que eu perco a partida!).

    E por fim tem o nível de dificuldade do jogo, diretamente afetado pelo level da sua classe: Para novatos que ainda não conhecem as manhas dos mapas, as estratégias para vencer cada tipo de zumbi e que armas usar em cada situação (ou seja: Para quem está iniciando no título!) é recomendado jogar no nível “Beginner” até upar a sua classe preferida à um level intermediário e começar a se arriscar no normal...

    Estas são praticamente as dicas básicas de todos os guias de Killing Floor que você irá ler; seja na Steam ou na Wiki do próprio game!

    É claro que é totalmente possível terminar o game forever alone usando classes de suporte, mas é o tipo de coisa que vai exigir do jogador uma boa dose de dedicação, paciência e treinamento! Justamente o que precisei fazer nas 30 horas inicias que estive jogando KF!!!

    Só depois que consegui upar a classe Comando ao level máximo (seis!), entender como matar os zumbis maiores com as limitações do meu conjunto de equipamentos e decorar alguns locais de certos mapas onde era possível evitar que os ZEDs me cercassem, eu consegui terminar uma partida em Solo Mode, na dificuldade Normal, como minha classe preferida kkkk. ^_^

    Apesar de ainda achar o salto de dificuldade entre o modo Beginner e o Normal absolutamente bizarro (enquanto no primeiro eu conseguia terminar tudo com pouca dificuldade, mesmo jogando com o maior número de ondas inimigas possível, no segundo eu raramente consegui chegar no chefão final, mesmo jogando com o menor número de ondas inimigas possível!), Killing Floor me conquistou pelo desafio proposto.

    É visivelmente um título que não foi feito para ser jogado sozinho, mesmo existindo um modo Solo para escolher no menu inicial, mas acredito que posso termina-lo na maior dificuldade (Hell on Earth) e destravar todas as conquistas. Vou precisar de bastante pratica e paciência é claro, mas como estourar cabeças de zumbis em vídeo-games é uma prática quase terapêutica, acredito que posso dar conta do desafio.

    Killing Floor

    Platform: PC
    1636 Players
    125 Check-ins

    22
    • Micro picture
      jcelove · over 3 years ago · 2 pontos

      Foi um dos poucos jogos que eu joguei bastante online anos atrás (mas não cheguei em level 6 com nenhuma classe XD)

      Ele roda em qq pc pq usa a unreal engine 2,chegou a olhar no online se ainda tem alguém? tinha uma comunidade gigante e os deves deram suporte adcionando novidades por anos, até sair o 2,

      Terminar todos os mapas sozinho é MUITO dificil e cansativo, ve se arruma aguem pra jogar em grupo que o jogo fica muito melhor e a dificuldade se mantém. A hell on earth no solo acho que é meio impossivel.hehe

      7 replies
  • jailsonbraga J R Braga
    2017-10-20 15:51:42 -0200 Thumb picture

    Desafio Zumbi

    Na teoria fui marcado neste @desafio por @joanan_van_dort (ele vai entender o teoria... haha) e posteriormente pelo @slashgoodboy pq eu sou uma pessoa carente afetiva aparentemente (hahahah)

    Zumbis não são muito minha area principal de conhecimento (ja que eu sou bundão pra qualquer coisa envolvida com terror/horror/suspense ) mas ao mesmo tempo acho o tema super interessante... Principalmente porque dos tipos de Apocalipse que podemos passar, o genero zumbi parece o mais provavel (depois é claro do Apocalipse Nuclear...)

    Então...vamos ver o que sai:

    - O principal: de que zumbis estamos falando?

    Bom, eu meio que vou "quebrar as regras" um pouco... E os zumbis que eu vou me referir aqui não são bem zumbis mas, ao mesmo tempo, são responsaveis por zumbis... A ameaça desse Apocalipse Zumbi seriam os Reapers de Mass Effect.

    Os Reapers são de forma essencial um conjunto de mentes organicas que são carregadas em maquinarios e, de certa forma não são zumbis por si só... MAAAAAAS... Eles tem um processo chamado de Indocrinação que é uma especie de manipulação mental onde seres organicos perdem seu livre arbitrio e atuam apenas como servos sem mente dos Reapers para os seus objetivos...

    Outra forma que os Reapers tambem atuam são transformando corpos organicos em criaturas tecnologicas sem mente chamadas Husks (que são bem mais similares ainda aos zumbis) que são basicamente os cannon folders da especie.

    Ou seja...apesar de tecnicamente não serem zumbis, os Reapers tem uma serie de criaturas "zumbificadas" a sua disposição para os seus propositos então.... Eu vou de Reapers.

    - Um(a) parceiro(a) pra todos os momentos:

    Super complicado pensar nisso porque, como quem me marcou citou, obras com zumbis tem a tendencia a ressaltar como a solidão seria permanente na sobrevivencia do Apocalipse Zumbi. A mortalidade é algo tão frequente que ter alguem do seu lado pode ser uma puta benção como ao mesmo tempo pode ser uma puta maldição.

    Mas...se for para ter alguem do meu lado para enfrentar essa treta toda...Seria ninguem menos do que o personagem Ash da série Evil Dead (cujo nome em portugues fugiu da minha cabeça e agora eu to com preguiça de ir pesquisar no Google). O cara e carismatico... ele é um sobrevivente competente e com certeza sei que não ia tomar um backstabbing por parte dele e sem falar que o cara tem uma FODENDO serra eletrica no lugar da mão.

    - Um(a) que morreria logo que o apocalipse começasse:

    Sem sombra de dúvida eu!!! hahahahaha

    Pra começar eu tenho zero aptidões de sobrevivencia. Sem falar que eu moro em São Paulo... é muita gente junta pra não ter dúvida de que ia dar merda... Ainda mais porque eu sei que tem gente mais inepta do que eu por ai logo eu ia estar em desvantagem numérica em relação a sobreviventes/zumbis em pouquissimo tempo.

    Analisando friamente... Acho que eu nao ia passar do portao do meu condominio sem ser zumbificado por algum vizinho imbecil. Cara... isso é muito triste se voce para pra pensar... =/

    - Uma arma porreta de boa:

    Bom... Estava entre armas ficticias e armas reais... E eu decidi ir por armas reais porque armas ficticias são extremamente overporewered e ai fica facil ne? Então... Apos muito pensar eu acho que eu iria de Katar.

    Katar e uma variação de Adaga Indiana que possui uma manopla que tem proteção nos braços (ai se voce cobre por exemplo essa manopla com 1 camada consideravel de couro por exemplo, minimizaria riscos de mordida) e, com isso acho que seria um par de armas efetivo para ataque E defesa.

    Sem falar que ficaria extremamente badass aos olhos dos outros que estivessem me vendo por ai (ou nao ne...com minha sorte eu nem ia conseguir estrear essas belezinhas)

    - Um remedinho levanta caveira:

    Não é bem um remédio... mas seria tão efetivo quanto...

    A Mercy pos rebuild seria uma boa não? Ela pode te curar em tempo real e se der merda ela ressuscita um aliado a cada 30 segundos... e só torcer pra não morrer, ser ressuscitado e morrer de vacilo novamente...

    Hmmm... pensando bem... sera que eu posso trocar a Mercy como minha companheira no lugar do Ash?

    - Comiiiiiidaaaa, please:

    Então.... não sei se é aplicavel... Mas acho que a comida mais efetiva para sobreviver no apocalipse zumbi seria o Pão Lemba (de senhor dos aneis) com uma pasta de feijão senzu (de Dragon Ball) onde voce teria recuperação total fisica/mental/espiritual em uma refeição só...

    So nao lembrei de nenhuma outra comida ficticia que supriria a sede então...vai agua mesmo. xD

    - Daqui não saio, daqui ninguém me tira (um esconderijo dos bons):

    Eu pensei em varios lugares ficticios... Mas acho que o unico lugar real que eu senti que ficaria de boas mesmo mesmo seria a ilha de Alcatraz. O complexto onde ficava a prisão federal de Alcatraz atualmente tem até uma possibilidade de ser auto sustentavel, devido geradores aeolicos, espaço da ilha onde se é possível cultivar vegetação (comida...yay), captadores de humidade para agua e também a possiblidade de pesca nos arredores.

    Hmmm...sera que todos esses recursos foram inclusos na ilha pensando num possivel Zombie Outbreak? Fica o pensamento...

    - Uma música pra embalar o apocalipse (se tiver aquele radinho velho, com a antena colada com fita):

    Serei super clichezão porque todas as vezes que eu por exemplo joguei RPG que envolvia zumbis ou jogos que tem zumbis no meio eu nao consigo não pensar em uma musica.

    Zombie da banda Versailles:

    É serio...toda vez eu começo a cantarolar essa musica instintivamente... Então acho que ela seria um bom embalo non stop para a situação.

    - Uma frase final, caso seja pego por um zumbiiii...

    Então... como eu sou uma pessoa SUUUPER sortuda... acho que eu não iria ter uma frase final mas sim uma reação final... Essa aqui:

    É bem minha cara.... hahaha

    - Marcar um pessoalzinho pra fazer o desafio

    Então... como eu não sei quem fez ou nao o tal desafio... nao vou marcar ninguem...vou deixar em aberto pra quem se interessar...

    E pra quem se interessar fica o meu classico:

    Zombies Ate My Neighbors

    Platform: SNES
    2080 Players
    24 Check-ins

    23
    • Micro picture
      joanan_van_dort · over 3 years ago · 3 pontos

      Entendi o em teoria hahahaha
      Sua lista ficou bem bacana! Somos dois que morreríamos na esquina de casa xD
      Serra elétrica é bem legal, mas deve dar um trabalhão usar, sem contar que o contato físico muito próximo é bastante arriscado... eu acho hehehe
      Alcatraz tá assim, é? Hmmmmmmmmm melhor eu preparar uns negócios aqui, vai que a dúvida é real... xD

      8 replies
    • Micro picture
      cleitonaruto937 · over 3 years ago · 2 pontos

      iae bundão rsrrs boa lista

      1 reply
    • Micro picture
      caramatur · over 3 years ago · 2 pontos

      Ótima lista cara! Ver o Ash me lembrou que ainda preciso assistir a 2ª temporada de Ash vs Evil Dead.

      1 reply

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...