• luchta Ewerton Ribeiro
    2022-06-30 05:25:51 -0300 Thumb picture

    Jogos sexualizados não afetam a percepção dos jogadores, afirma estudo

    Pesquisa diz que personagens sexualizadas não tornam homens misóginos e nem mulheres insatisfeitas com seus corpos.

    Rapaz... ontem eu postei, um breve comentário sobre um estudo que afirmava que personagens femininas sexualizadas afetava positivamente os jogadores, e não propagam a misoginia ou mesmo atos desrespeitosos com o sexo oposto, como mídia e influencers progressistas gostam de vomitar, e não é que teve um camarada que ficou todo brabinho... ui... ui... Desdenhando das informações sem nem ao menos se dar o trabalho de ler o estudo, olha que coisa... E não foi só ele, eu conheço bem a patota lacradora da rede, e sei que quando furam a bolha de imbecilidades que eles acreditam (sem base alguma) agem como crianças mimadas tentando debochar das pessoas, pois não tem argumentos para rebater os fatos.

    Na moral, meu erro foi não ter postado o estudo propriamente dito, e sim um comentário acerca dele, pois o estudo em si é bem grande, e bem informativo, mas todo em inglês. E na hora que alguns foram atrás para ler (como o @noblenexus) o link havia se quebrado e eu não tinha salvado o endereço. Por sorte o pessoal da GameVicio traduziu a matéria original, e ainda tem o endereço para o estudo original, que vou deixar no fim da postagem. 

    E pessoal, isso não é um estudo qualquer, é UM ARTIGO CIENTÍFICO feito pela Computers in Human Behavior e publicado no Science Direct, sob a direção de Christopher J. Ferguson que é professor de psicologia, com método cientifico e pesquisas, e a matéria sobre ele foi publicada no PsyPost um site de psicologia. Esse não é um texto baseado em opinião pessoal feito por um adolescente punheteiro como um ai deu a entender, é um artigo sério e bem embasado. Então para não ter mais discussão vou postar a matéria aqui, quem quiser ler está aí, mas leiam antes de comentar abobrinha sem embasamento e passar vergonha, e claro sejam honestos procurando compreender o que está escrito, e não se fechar em seu mundinho de ideias imutáveis. Segue abaixo:

    --

    Hoje em dia há uma grande discussão em torno dos problemas que a sexualização dos personagens nos vídeo games vem trazendo, afetando de forma negativa a percepção dos jogadores, tanto a forma como os homens enxergam as mulheres como as próprias mulheres enxergam seus corpos.

    Uma recente pesquisa feita pela Computers in Human Behavior, revista de ciências que já é pulicada desde 1985, indica que jogar jogo com personagens femininas sexualizadas não levam os jogadores a terem uma visão misógina ou resultam em prejuízos à saúde mental.

    Embora muitos aleguem que a sexualização das personagens femininas, algo que vem aos poucos diminuindo na indústria, afete a forma como as pessoas enxergam as mulheres no mundo real, o estudo não concordo completamente com essa afirmação.

    Assim como já provado que jogos não tornam os jogadores mais violentos, essa pesquisa sobre sexualização chegou a resultados semelhantes, afirmando que não foi encontrada nenhuma relação entre os dois fatos.

    Christopher J. Ferguson, professor de psicologia da Universidade Stetson e autor desse estudo, comentou:

    "Tenho estudado os efeitos dos videogames nos jogadores há duas décadas, a maior parte sobre a violência. Acho que a maioria das pessoas passou a aceitar que não há relação entre videogames violentos e agressão ou crimes violentos (apesar de alguns ainda irem contra).

    No entanto, as pessoas ainda fazem muitas perguntas sobre sexualização e se os jogos tornam os jogadores masculinos mais sexistas em relação às mulheres ou se as jogadoras femininas experimentam mais insatisfação corporal e outras preocupações com o bem-estar. É um campo de pesquisa muito menor do que o campo da violência, por isso esperávamos trazer alguma clareza quanto a isso."

    A equipe analisou diversas pesquisas feitas no passado que ligavam comportamentos agressivos contra mulheres e depreciação do corpo ou distorção de imagem com jogos sexualizados, mas afirma não ter encontrado uma ligação significativa entre esses fatores.

    No geral, o “pânico moral” sobre jogos e a sexualização está seguindo o padrão de “pintado por números” do debate sobre videogames. Muita hipérbole e indignação moral, mas pouca evidência de que os videogames estão causando qualquer 'prejuízo' a jogadores masculinos ou femininos.

    Como uma questão puramente de ‘saúde pública’, isso não parece ser uma grande preocupação. Isso não significa que as pessoas não possam defender melhores representações das mulheres nos jogos. Elas só precisam ser cautelosas para não fazerem alegações de 'danos' que podem ser facilmente desmascaradas, questionando assim o que poderia ser objetivos razoáveis.

    "A principal ressalva é simplesmente que muitos dos estudos não são muito bons. A boa notícia é que os estudos de maior qualidade eram menos propensos a encontrar evidências de efeitos negativos do que os estudos de qualidade inferior. Em alguns casos, os estudiosos provavelmente inseriram suas opiniões morais pessoais nos estudos, mesmo que não intencionalmente. É verdade que ainda é uma área de pesquisa bastante pequena, mas esses dados iniciais foram tão decepcionantes que não tenho certeza de que haja muito a ser extraído aqui."

    Por fim, o professor encerra dizendo que assim como acontece no caso dos crimes violentos, as pessoas estão culpando as mídias de jogos pelos problemas sociais. E embora seja a favor de uma melhor representação das mulheres nos jogos, isso deve ser feito sem apresentar evidências falsas.

    "Obviamente, passamos por esses ciclos de culpar a mídia por problemas sociais. Pelo menos com a mídia fictícia, as evidências geralmente revelam que provavelmente estamos usando a mídia como bode expiatório e a ficção raramente causa problemas sociais. Mais uma vez, para ser justo, defender uma melhor representação das mulheres nos jogos pode ser uma causa digna, mesmo que os jogos não causem efeitos prejudiciais. Eu apoio esses esforços, apenas espero que os defensores não deturpem as evidências como parte de seus esforços (o que, infelizmente, é muito comum entre os grupos de defesa)."

    Fontes:

    Tradução: Gamevicio
    Matéria Original: PsyPost
    Artigo Científico: ScienceDirect

    6
    • Micro picture
      santz · about 1 month ago · 4 pontos

      Fui em mesmo quem foi contra. Aliás, eu devo a única pessoa que vai contra tudo que você fala que ainda te segue, pois a maioria já perdeu as esperanças. É justamente esse sentimento de causa perdida que me limita de correr atrás de estudo para ir contra esses argumentos. É tipo das murro em ponta de faca. Eu reconheço que nunca vou conseguir mudar sua forma de pensar, pois esse pensamento faz parte da sua personalidade.

      5 replies
    • Micro picture
      christciamn · about 1 month ago · 2 pontos

      Interessante como agora essas pesquisas que envolvem games não estão mais denegrindo a imagem do jogador de videogame... Até tem uma que tirou de vez a alcunha de que games tornam pessoas violentas!! Vi por aí isso... Será que em pleno século XXI esse povo com a mentalidade retrograda acerca de videogame reconheceram que games não são mais motivo pra tanta violência e preconceito??

      1 reply
    • Micro picture
      dantlast · about 1 month ago · 3 pontos

      Cara, eu li a matéria e já fiz algumas matérias relacionando games e alguns aspectos sociais, políticos e filosóficos. Essa matéria em si não traz nenhum dado concreto, apenas sugestiona que a ligação entre sexualização e videogames não existe. Assim como a ligação videogames e violência, porém, são aspectos diferentes. A sexualização é a visão deturpada de algo e isso existe em QUALQUER mídia, sejam jogos, filmes, revistas e etc. e isso não é lacração, é fato. A visão que temos do mundo é totalmente influenciada por aquilo que consumimos e, como consumimos certos tipos de estereótipos é normal que a gente sexualize exacerbadamente mulheres, criemos certas aversões a alguns tipos de gostos de terceiros e por ai vai. Não é que VIDEOGAMES SEXUALIZADOS AFETAM A PERCEPÇÃO DO JOGADOR, mas sim que videogames sexualizados TAMBÉM afetam percepção do jogador, assim como quadrinhos, filmes e boa parte do conteúdo que consumimos no dia de hoje. Segue por exemplo um artigo que resume um pouco do que estou tentando falar:
      https://www.redepsi.com.br/2007/02/21/sexualiza-o-na-m-dia-afeta-sa-de-mental-de-meninas-diz-estudo/

      1 reply
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2022-06-28 23:06:19 -0300 Thumb picture

    Personagens femininas sexualizadas, ajudam a evitar casos de sexismo!

    Esse texto não é meu, é do página de Facebook chamada A Taverna no Fim do Multiverso, que posteriormente tinha retirado de outra página chamada ATBR. Blue Link, nelas tem os links das fontes para quem quiser ler o estudo em inglês. Mas basicamente o texto mostra uma pesquisa que (ao contrário do que um pessoalzinho militante prega, e que infelizmente está sendo adotado pela indústria ocidental de vídeo games) personagens femininas sexualizadas não estimulam atos como sexysmo, misoginia ou mesmo abusos, mas tem um efeito contrário, ajudando a minimizar tais atos no mundo real. Leiam o texto:

    "Peguem a pipoca.

    Pegando o comentário da Bianca Manrique que por sua vez pegou do Amer Network (porque a droga do aplicativo no celular não quer compartilhar com o comentário original, só o link):

    Sabe aquela sua amiga problematizadora louca, que afirma que "videogames estimulam a cultura do estupro"?

    Ela está errada... DE NOVO!!! Games carregados de gostosas ajudam seus jogadores a desenvolverem EMPATIA pela figura feminina.

    Um estudo realizado nos EUA testou 300 pessoas em idade universitária, e descobriu que após jogarem games utilizando personagens femininas, tanto sexualizadas quanto não sexualizadas, estas não apenas estavam menos abertas a aceitar o mito do estu*** (o famoso "ela saiu de minissaia na rua, tava pedindo"), assim como tinham uma reduzida hostilidade com relação a mulheres no geral.

    Então... Games ajudam a melhorar a coordenação mão-olho, podem te ensinar um novo idioma, estimulam o cérebro de forma que Sudoku algum jamais conseguiu... E ainda tornam as pessoas mais empáticas?

    Isso fica cada vez melhor.

    Claro, a imprensa gamer JAMAIS irá relatar tais dados. Afirmar que mulheres são ESTU****** TODOS OS DIAS EM SESSÕES DE OVERWATCH gera muitos cliques.

    Mas taí a matéria com links pros estudos, pra quem quiser ler."

    Os estudos estão nas matérias originais. A QUESTÃO É: As figuras femininas bonitas e atraentes ajudam as pessoas a lidar melhor com o sexo oposto. Muito diferente daquela figura Mary Sue insuportável que a indústria ocidental coloca em jogos filmes, séries, HQs, etc... e saem vomitando que é a representação de "uma personagem feminina forte", mulheres que parecem e agem como homens, sendo seres intocáveis, que muitas vezes causam mais antipatia e repulsa do que qualquer outra coisa. Afinal de garotas chatas e insuportáveis a vida real está cheia, não precisamos disso em um produto de entretenimento feito para te divertir. As pessoas em geral vão se apegar mais a uma garota no padrão "waifu", que expressem feminilidade, e esse estudo mostra isso, é mais natural ser empático a figuras assim, além de influenciar positivamente a relação dos homens com as mulheres reais. Pena que a indústria de entretenimento nunca vai aceitar isso, afinal eles tem uma agenda a seguir, agenda essa que nada tem haver com respeito as mulheres.

    13
    • Micro picture
      santz · about 1 month ago · 5 pontos

      O clássico estudo underground do site desconhecido lá do fundo da internet para tentar provar um ponto contrário. Eu não li o estudo e nem quero, mas imagino que deva ter sido uma pesquisa feita apenas para homens e é evidente que eles sempre vão apontar que mulheres gostosas nos games fazem bem para ele.

      4 replies
    • Micro picture
      noblenexus · about 1 month ago · 2 pontos

      Tem o link ai da pesquisa? queria dar uma lida, mas todos os links estavam off, acho que pelo jeito deve ter repercutido

      4 replies
    • Micro picture
      tecnologgamer · about 1 month ago · 1 ponto

      Vale constar, essa cultura do Es não existe.

      10 replies
  • cyberwoo Diogo Batista
    2022-06-15 18:17:47 -0300 Thumb picture

    Não tenho tempo para jogos

    Hoje passeando por grupos do WhatsApp eu me deparei com vídeos de pessoas ostentando ter todos os consoles da geração atual,  se gabando por terem investido a maior nota neles. E isso me fez refletir a respeito na forma como uso o meu tempo livre. 

    Em tese, deveria ser aquele que eu deveria investir em uma atividade pra espairar um pouco a cabeça, mas na pratica, estou sempre atarefado pensando em formas de aumentar a renda, ser mais produtivo, cuidar da família e ainda cuidar da saúde, afinal, não sou mais um jovem de 20 e poucos anos. Ou seja, me falta tempo para realmente desligar um pouco o cérebro e relaxar.

    Mas não consigo deixar de listar títulos de jogos que eu gostaria de comprar ou jogar, mas quando os tenho ou consigo comprá-los, ficam na prateleira por dias, meses e até anos.

    Pra me dedicar a um determinado titulo, acabo precisando sacrificar algum tempo que poderia investir com outra atividade mais produtiva, e isso acaba sendo um tanto frustrante as vezes. 

    Bem, o intuito desse breve desabafo é buscar saber como outras pessoas tem feito pra seguir com esse hobby tão divertido dentro da rotina da vida adulta, principalmente quando se é pai. 

    Conta ai, vocês abdicam de tempo de sono, preciso do cheat code, HAHAHA!

    22
    • Micro picture
      eikesaur · about 2 months ago · 3 pontos

      Cara, eu me sinto muito assim de vez em quando, e acredito que quase todo gamer se sente assim hoje em dia, mas poucos assumem. A real é que jogar deixou de ser meramente um hobby, e sim uma espécie de segunda profissão. Vejo por mim mesmo, que faço os meus afazeres, e ao final do dia sinto uma vontade de jogar, que mesmo não estando no clima e podendo me dedicar a outras coisas, ainda jogo porque me sinto na obrigação de terminar jogo x ou y, tipo como se eu tivesse um segundo turno de trabalho (até deixava de dormir pra cumprir a "agenda"). Felizmente, nesses últimos meses tenho me dedicado a deixar os jogos um pouco de lado (jogando somente aos fins de semana e feriados) e focado em fazer as minhas atividades diárias, buscando também formas alternativas de lazer, como leitura, conversar mais com meus familiares, brincar com minha cachorrinha e etc. Então, como dica, não se sinta pressionado a jogar o jogo do momento ou ter a plataforma que a galera tá comprando, apenas jogue visando se divertir e aproveitar os games que você comprou como fruto do seu trabalho, e quando você sentir que não está mais se divertindo, quem sabe não seja a hora de largar o controle e ir passear no parque ou dar uma boa cochilada, né não? Um abraço!

      3 replies
    • Micro picture
      saulovyny · about 2 months ago · 2 pontos

      Eu sou o contrário, preciso ser mais produtivo, estou com meu TCC parado há 1 ano, a pandemia meio que me desacelerou... Preciso tocar meus projetos também, ser mais ambicioso, melhorar vida sa minha família, ter que sacrificar um pouco as jogatinas kkkk

      1 reply
    • Micro picture
      thecriticgames · about 2 months ago · 2 pontos

      Eu te entendo mas o meu ta ruim de produtividade. To mirando a critica n° 600 e nisso to cursando o curso de literatura que deveria ser meu sonho de qualquer jeito to deixando de treinar e de escrever os livros que eu queria escrever. Mas irei me afastar dos games um tempo só pra focar no secundário

      2 replies
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2022-06-13 14:29:19 -0300 Thumb picture

    Uma tristeza, e uma alegria...

    Hoje eu descobri que uma loja de vídeo games e card games que tinha na minha cidade desde que era adolescente fechou, uma tristeza... ou se mudou sei lá, mas a anos era no mesmo ponto, então deve ter fechado!

    Mas em compensação abriu um fliperama na minha cidade, isso mesmo em pleno 2022 um fliperama novo, tá cheio de gabinetes novos e personalizados, quem sabe uma hora eu vá lá e ver que tipo de jogos tem (não tinha nimguém quando passei, nem sei se já estava aberto, afinal só tinha os gabinetes e mais nada). Tinha a foto do Homem Aranha, mas o bizarro mesmo é o nome, chamado Eu sou games... ahahaha! Ou eu não vi direito, passei de moto com meu pai.

    6
    • Micro picture
      santz · about 2 months ago · 1 ponto

      Será que são máquinas de verdade ou multijogos? Quando visitar lá, tira umas fotos e faz um post aí pá nóis.

      2 replies
    • Micro picture
      cukierti · about 2 months ago · 1 ponto

      É, aconteceu o mesmo comigo sobre fechamento da loja de jogos, mas sem compensação...

      1 reply
  • 2022-05-19 23:03:46 -0300 Thumb picture

    Efeméride Gamer #314

    Medium 823333 3309110367

    19 de Maio de 2015

    Há 7 anos atrás, era lançado o mais épico jogo da franquia The Witcher, da CD Project RED. The Witcher 3: Wild Hunt, era lançado nessa data, se destacando como um dos jogos mais grandiosos de 2015, sendo nomeado o Jogo do Ano na The Game Awards daquele ano.

    The Witcher 3: Wild Hunt

    Platform: Xbox One
    773 Players
    583 Check-ins

    5
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2022-05-18 01:16:26 -0300 Thumb picture

    A verdadeira inclusão nos games!

    Na moral, muito se fala em inclusão em jogos de vídeo game, mas raramente é da forma como esse assunto deveria ser abordado, de que jeito? A inclusão de pessoas portadoras de deficiência, aliás já pararam para pensar que pouco é feito na indústria para incluir essas pessoas? Estou falando de pessoa com mobilidade reduzida por exemplo, com ausência de membros, visão reduzida/cegos, sem audição, entre outros. A última vez que vi alguma iniciativa para incluir essas pessoas foi em 2018, com a Microsoft que projetou um controle para pessoa com deficiência, nesse caso pessoas com deficiência motora.

    Após isso nunca mais ouvi falar de algo parecido, seja por iniciativa de outras produtoras de periféricos ou mesmo jogos. Realmente não sei por que isso não é tão enfatizado na mídia. Particularmente eu acredito que o mercado de jogos no geral é inclusivo para pessoas de todos os gostos e tipos, tem jogos para todos os gostos e estilos, mas os portadores de deficiência não tem essa opção, claro dependendo da sua condição, e elas tem o direito de poder se divertir com essa mídia que tanto amamos. Enfim, essa é a minha visão sobre o assunto, que ainda é bem pouco abordado, afinal, acredito que a maioria aqui não tenha tais problemas, então é normal não ter empatia por algo que não é de sua realidade, mas para quem convive com isso faz toda diferença. Enfim, o que vocês acham disso?

    10
    • Micro picture
      kipocalia · 3 months ago · 3 pontos

      Não manjo muito disso, mas é uma observação, muitos dungeon crawlers podem ser jogados com uma mão só - eu não faço isso, mas tem quem faz. Mas é um gênero de certa forma em decadência, o ultimo realmente relevante foi Legend of Grimmrock (falo dos estilo Dungeon Master e não Wizardry).

      1 reply
    • Micro picture
      santz · 3 months ago · 1 ponto

      Isso também é um tipo de inclusão.

    • Micro picture
      tecnologgamer · 3 months ago · 1 ponto

      Rapaz eu sou indiferente com esse tipo de coisa pq os próprios deficientes já conseguem jogar mt bem sem esse tipo de equipamento. No Tekken tem um cego campeão, no Street Fighter tem um cara que joga com a boca e uma Chun-li americana de alto de nível e no CS ou LoL tem um cara que joga com as pernas.

      2 replies
  • 2022-04-29 14:06:07 -0300 Thumb picture

    JOGOS DE GRAÇA NA EPIC: Just Die Already e Paradigm

    Medium 820614 3309110367

    Os jogos Just Die Already e Paradigm estão de graça na Epic Games Store a partir desta quinta-feira (28/Abril).

    No mundo de Just Die Already, você é um idoso que não tem mais como se sustentar. Sua única opção pra sobreviver em um mundo onde querem você morto é espalhar o caos e arrumar briga com todo mundo. Junte seus amigos e entre para a porradaria da terceira idade.

    Paradigm é um adventure point-and-click, que se passa em uma estranha e pós apocalíptica Europa Oriental. No jogo, você é Paradigm, um mutante que volta a ser atormentado pelo passado, que vem na forma de uma preguiça geneticamente modificada.

    Os jogos estarão de graça até o dia 5 de Maio. O próximo será Terraforming Mars.

    Visite: PortalGameBoxBR

    6
  • 2022-04-27 17:20:43 -0300 Thumb picture

    Novo jogo da Disney é anunciado pela Gameloft

    Medium 820322 3309110367

    A Gameloft, estúdio conhecido pela franquia Asphalt, anunciou um novo jogo da Disney.

    Disney Dreamlight Valley é descrito como uma fusão de simulador de vida (algo semelhante ao Disneyland Adventures) com um jogo de aventura com de missões, exploração e atividades, onde o personagem criado pelo jogador visita vários dos personagens da Disney e da Pixar, dos antigos aos novos.

    Dreamlight Valley será gratuito para todas PC e consoles em 2023, mas usuários de Xbox vão poder joga-lo antecipadamente, já que ele chega em early access para o Game Pass ainda em 2022.

    Este não é o primeiro jogo da Disney anunciado pela Gameloft em 2022. O jogo de corrida Disney SpeedStorm foi anunciado em fevereiro na Nintendo Direct, e chega esse ano gratuitamente para PC e consoles.

    Visite: PortalGameBoxBR

    7
  • 2022-04-23 20:18:20 -0300 Thumb picture

    JOGOS DE GRAÇA NA EPIC: Amnesia: Rebirth e Riverbond

    Medium 819572 3309110367

    Os jogos Amnesia: Rebirth e Riverbond estão de graça nesta quinta (21/Abril) na Epic Games Store.

    Lançado em 2020, Amnesia: Rebirth é o 4º jogo da série de terror em primeira pessoa. Caminhe furtivamente por salas e corredores, resolva puzzles, e fuja da criatura que sente o seu medo.

    Em Riverbond, entre em uma aventura com até 4 jogadores, em um mundo quadrado no maior estilo Minecraft. Complete missões, enfrente inimigos, e o mais importante...divirta-se.

    Amnesia: Rebirth e Riverbond estarão de graça até o dia 28 de Abril. Os próximos serão Just Die Already e Paradigm.

    Visite: PortalGameBoxBR

    19
  • 2022-04-19 20:27:16 -0300 Thumb picture

    Bugsnax é destaque na Game Pass de Abril

    Medium 819106 3309110367

    A Microsoft divulgou a segunda leva de jogos que estão chegando na Game Pass em Abril. Destaque para Bugsnax, jogo do mesmo estúdio de Octodad, lançado originalmente com um exclusivo de Playstation 5, e que chegará ao Xbox neste mês. Mais jogos da EA Play estão chegando ao Xbox Cloud Gaming, como F1 2021 e NFS: Hot Pursuit Remastered. Confira a lista completa.

    F1 2021 (EA Play) (Cloud) - Já disponível

    Need For Speed: Hot Pursuit Remastered (EA Play) (Cloud) - Já disponível

    7 Days To Die (Cloud + Console + PC) - 26 de Abril

    Bugsnax (Cloud + Console + PC) - 28 de Abril

    Turnip Boy Commits Tax Evasion (Cloud + Console + PC) - Já disponível

    Unsouled (Console + PC) 28 de Abril

    Research And Destroy (Console + PC) - 26 de Abril

    https://news.xbox.com/en-us/2022/04/19/game-pass-m...

    Visite: PortalGameBoxBR

    Bugsnax

    Platform: Xbox One
    1 Players

    6

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...