• 2021-10-05 16:37:05 -0300 Thumb picture

    Sora, de Kingdom Hearts, é o último lutador revelado em Smash Ultimate

    Medium 3884917 featured image

    Nesta terça-feira (5/Out), o produtor da série Super Smash Bros., Masahiro Sakurai, fez sua última apresentação relacionada ao Super Smash Bros. Ultimate, e revelou o novo e último personagem DLC: Sora, da série Kingdom Hearts.

    A apresentação começou lembrando os quase 3 anos desde o lançamento de Super Smash Bros. Ultimate, marcado por anúncios que surpreenderam os fãs, como os de Banjo e Kazooie da Rare, de Steve de Minecraft, e de Sephiroth de Final Fantasy VII, esse último ocorrido durante a The Game Awards 2020.

    Após o anúncio, foi mostrado todos os movimentos e golpes do Sora, além das skins inspiradas nos jogos da série Kingdom Hearts, como Kingdom Hearts 3D: Dream Drop Distance e a versão cartoon inspirada no mundo das animações clássicas do Mickey. Arena e músicas de Kingdom Hearts também foram revelados.

    O anúncio de Sora foi impactante por vários motivos. Primeiro, Sora foi o personagem mais requisitado pelos fãs no Smash Bros. Fighter Ballot, página criada há 6 anos atrás, ainda no Super Smash Bros. For WiiU/3DS.

    E o segundo, é que a série Kingdom Hearts está fazendo 20 anos em 2021, e a Nintendo aproveitou para anunciar que alguns jogos da série estarão chegando ao Switch em versão Cloud Gaming. São eles: Kingdom Hearts HD 1.5 + 2.5 ReMix, Kingdom Hearts HD 2.8 Final Chapter Prologue e Kingdom Hearts 3.

    Também foi anunciado o último pacote de skins para os Miis, sendo dois chapéus temáticos de Splatoon e uma skin do Doom Slayer, de DOOM. Tanto Sora, quanto o pacote de skins dos Miis chegam no dia 18 de Outubro.

    Super Smash Bros

    Platform: Nintendo Switch
    455 Players
    157 Check-ins

    3
  • cyberwoo Diogo Batista
    2020-12-17 12:37:35 -0200 Thumb picture
  • anduzerandu Anderson Alves
    2020-10-12 01:00:31 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm 3 FB

    Zerado dia 11/10/20

    Entre 2007 e 2011/12 eu ia em tudo quanto era convenção de anime que acontecia aqui em Brasília. Adorava! Curtia ver e fazer cosplays, conhecer gente que tinha os mesmos gostos que eu, comprar nas mil lojinhas, conhecer umas nerds bonitas e comer comida diferente. Foi uma época diferente pra mim.

    Nesse tempo eu tinha até orgulho de falar que era otaku, mas pra ser sincero eu acho que nunca fui de verdade, só queria fazer parte. Nunca fui muito fã das mongolices que os otakus de verdade fazer, como aquelas danças ou ficar gritando por aí. Não conhecia tantos animes e nem curtia a maioria que tinha assistido um pouco.

    Nessa época, Naruto era uma sensação já fazia um tempo. Todo mundo conhecia! Meus amigos próximos fizeram cosplay e tudo. Eu mesmo cheguei a ler o mangá em algum momento (acredito que bem depois) e cheguei a conclusão que Naruto era bem ruim. Pelo menos agora eu tenho a autoridade de poder dizer isso.

    Na época desses eventos eu estava meio por fora dos videogames. Lembro claramente do PS2 ainda ser muito famoso e ver a galera jogando os jogos de luta do Naruto. Eram bem trabalhados e davam até vontade de jogar, mesmo eu não sabendo nada da história na época. Era comum ver campeonatos daquele jogo cheio de especiais e animações bacanas e eu só podia lamentar não ter um console.

    Apesar de achar a obra superficial e um verdadeiro Ben 10 japonês, é inegável que Naruto seja um sucesso. A gente sabe os nomes dos personagens e tudo. E quando é grande no Japão, não dá nem pra falar tão mal (que nem Bleach que parece ser maior por aqui e irrelevante por lá).

    Agora indo para o ano de 2018, os jogos da série Ninja Storm entraram em promoção. Eu estava louco por mais opções de multiplayer local e já tinha alguns jogos de luta, mas esse Naruto tinha seus méritos: ser luta 3D e ser de uma série famosa. Seria muito legal ter mais essa opção para jogar inclusive em qualquer lugar contra um amigo. Acabei optando por comprar apenas o 3, o mais novo (nem sabia também se tinha coisa depois ou não, mas julguei que o 3 tivesse todo o conteúdo, incluindo personagens).

    Na primeira oportunidade joguei com uns amigos. Joguinho bonito. Estava apanhando legal dos amigos que pareciam já tê-lo jogado muito anteriormente, ou toda a série tem a jogabilidade igual?

    Mas o mais estranho foi ver que mesmo vencendo e fazendo ataques super cinemáticos e tudo certinho, a galera não parecia estar se divertindo, como se fosse algo que eles já tivessem enjoado. Ou como se já tivessem perdido interesse até em video games no geral. Eu não sei o que aconteceu.

    Logo percebi um problema (e nem sei se ajudaria em futuros replays do jogo): a falta de personagens. Sei lá, eu acreditava no potencial do Narutinho, mas precisava de mais opções, até porque tenho amigos que costumam jogar com cada personagem sem repetir e testar seus ataques e ver seus especiais e, ao chegar no final da lista, cansar do jogo. Bom, esse Ninja Storm 3 teria quase 90 personagens jogáveis assim que eu os abrisse!

    Pesquisei na internet como desbloquear tudo de uma vez mas só havia uma opção: jogar a campanha. Como eu não curto muito Naruto e imaginei a campanha do pouco que vi conhecidos jogarem em títulos anteriores, eu não estava animado, mas um dia acabei resolvendo encarar.

    Fiz a primeira missão, que é introdutória já num chefe, lembrei que a jogabilidade desse jogo é estranha e larguei de mão. Eu só voltei antes de ontem, muitos meses depois (talvez quase 2 anos depois).

    Se você nunca jogou nada da série, eu tenho que resumir como são os botões, mas já adianto: não é nada do óbvio que você esperaria ao pegar o controle pela primeira vez e é a coisa mais fácil de se esquecer justamente por conta disso. Terminei a campanha hoje e sei que da próxima vez que o jogar, com amigos, terei que lembrar tudo de novo. Além disso, há combinações de botões para movimentos específicos que até o último chefe eu ainda estava aprendendo.

    Acho que qualquer um imaginaria o botão Y para bater (quadrado no Playstation), mas aqui isso é feito apenas com A (bola). Fique pressionando que ele vai combando. 

    O Y joga estrelas ninjas e afins. O B pula. O X carrega seu chakra. Cada lado do d-pad usa um item que você equipou naquele slot. R e L usam as assistências que você tiver equipado. ZL te transforma em tronco e faz com que seu personagem apareça detrás do oponente (se você tiver a quantidade mínima de uma barrinha especialmente pra isso).

    Até aí tudo bem mas veja só: apertar B duas vezes enquanto anda/corre faz com que seu personagem pule e depois role no ar. Bem inútil. Agora apertando B duas vezes sem direções faz com que seu personagem corra em direção ao oponente! Aperte o botão de carregar o chakra e depois o de pulo e ele vai pra cima do adversário super rápido! Tem bastante coisa assim.

    Um dos comandos mais legais é encher a barrinha de chakra batendo ou segurando X depois apertar esse botão seguindo do de ataque. Com uma certa quantidade de chakra você fará um ataque especial (Ninjutsu), e com uma quantidade próxima do máximo você fará um Ultimate Ninjutsu, que é daqueles especiais cheios de animações e até falas e frases extras caso derrote o oponente com ele.

    Apesar dos mil comandos, o jogo pode ser facilmente jogado por novatos. Só não recomendaria fazer como eu fiz e jogar contra quem já entende. Vale a pena o treinamento, ver os tutoriais e até terminar a campanha antes de tentar se garantir.

    Focando um pouco nos visuais de Ninja Storm 3, o jogo é bem bonito. O trabalho de cel-shading é sensacional, os personagens são muito bem animados, assim como no anime, e a direção das cenas é de primeira. Chega a dar raiva que jogos de outros animes não tenham um tratamento tão incrível assim. Ou será que Naruto se traduziu bem para o 3D? Nada parece robótico ou feio! O jogo ainda foca aqui e ali em detalhes que qualquer outra produtora teria deixado com texturas mais simples, mas aqui tudo é caprichado!

    Por outro lado, o enredo já é conhecido e acontece próximo ao final de Naruto Shippuden, da reunião dos Kages, o protagonista tentando controlar o demônio de nove caudas dentro de si até a guerra dos Ninjas. Se você não jogar os anteriores ou não conhecer a obra, pode apostar que vai boia rum bocado no enredo. Pra mim, eu teria achado melhor que fosse uma história original do que rever algo que já conheço.

    Fora das lutas, eu me decepcionei um pouco. Conhecia as aventuras dos personagens pela Vila da Folha, mas isso quase não acontece na campanha desse jogo em específico, senão no início (e no post-game). O pior que andar pela vila é bem sem graça e nada imersivo já que o jogo te impede de fazer quase tudo que não seja andar e as próprias cenas mudam o ângulo de câmera, meio que como nos Resident Evil clássicos. Acho que eu esperava a mobilidade e liberdade de um Spider-Man ou Breath of the Wild.

    Acho que podemos resumir esse jogo assim: 65% cenas, 34% lutas e 1% exploração.

    Chega a ser lastimável que você lute e vença em menos de 1 minuto para assistir uma cena de vários minutos, as vezes várias seguidas para finalmente o jogo te deixar jogar novamente, você anda num corredor na floresta por 5 segundos e já começa outra(s) cena(s). Tudo isso para finalmente vir uma batalha que você vai vencer apertando o mesmo botão continuamente.

    Como eu já disse, pior é já conhecer esse enredo.

    Resumindo: Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm 3 Full Burst é um jogo ok. Ok levando em conta que você curte a série, mas também que já há jogos mais atualizados, como o próprio Ninja Storm 4, que levou um bocado de tempo para chegar ao Switch. A campanha em si é meio meh, mas ao menos pude terminá-la rapidamente (e dava pra ser mais rápido ainda se eu tivesse pulado todas as mil cinemáticas), mas acredito que o foco desse título seja o multiplayer, onde tenho certeza que ele será bem mais divertido, desafiador e estratégico.

    De bom: visuais muito bons, seja no modo portátil ou TV. Jogabilidade simples e acessível para um púbico mais casual, mas mais complexa para quem quer ir a sério. Muitos personagens jogáveis e skins. Inclui multiplayer local e online. Tranquilo de jogar com qualquer controle, não apenas com o Pro.

    De ruim: As batalhas se resumem em apertar A até vencer, ou pelo menos foram assim por muito tempo. Muitos personagens similares, como 4 Narutos, 4 Sasukes, 3 Gaaras etc. Cinemáticas demais e apenas uma reprodução do enredo do anime/mangá. Nessa versão de Switch eu não vi a opção de jogar em Português (sei que nas plataformas antigas tem). As partes de exploração são completamente inúteis e duram alguns segundos até você ir de um ponto a outro (inclusive na mesma área, normalmente) antes de começar outra cena. As lutas agora põe um jogador próximo da câmera (de costas) e um de frente lá atrás. Isso é bem estranho. Não curto como todos os personagens jogam do mesmo jeito, que nem Dragon Ball Fighterz.

    No geral, a Bandai fez um bom trabalho com o jogo e acho que ele deve ter suprido bem a fanbase na época com conteúdo e fidelidade à obra original. Recomendo o jogo pelo multiplayer, não pela campanha (apesar de ser melhor que de muito jogo de luta por aí). Agora o jogo deve ficar parado, no console já que aparentemente até o povo que curtia o anime na época não tem mais interesse ou tem vergonha do nome Naruto, mesmo o jogo se sustentando bem sem depender do tema, uma pena. Bacana!

    Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm 3 Full Burst HD

    Platform: Nintendo Switch
    5 Players
    2 Check-ins

    18
    • Micro picture
      hyuga · about 1 year ago · 2 pontos

      joguei Naruto generation e é bem semelhante a jogabilidade

  • 2020-09-30 15:26:58 -0300 Thumb picture

    Novo lutador de Smash será revelado nesta quinta.

    Medium 738669 3309110367

    A Nintendo anunciou que, nesta quinta (01/10), irá revelar um novo lutador para o Super Smash Bros. Ultimate, e será o segundo da nova Season Pass do jogo, depois da Min Min, de Arms. O anuncio será feito ás 11h (Horário de Brasília), e terá a duração de 3 minutos.

    Link: https://t.co/7RL5x0EEVI?amp=1

    Super Smash Bros

    Platform: Nintendo Switch
    455 Players
    157 Check-ins

    2
  • anduzerandu Anderson Alves
    2020-02-16 18:55:23 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Super Smash Bros. Ultimate

    Zerado dia 16/02/20

    Incrível como esse jogo não é cadastrado como Ultimate no Alvanista, apenas Super Smash Bros...

    Smash é Smash, né pai? É, mais ou menos. Eu conheci a série com bastante atraso, na verdade. Na época do N64 a galera pirava no PS1 por aqui e eu simplesmente não vi referência nenhuma à porradaria da Nintendo em lugar nenhum! Uma das mil revistas apenas falava sobre o jogo e eu lembro que era na última página, com um screenshot, o nome do jogo e uma leve descrição genérica, como se não fosse nada importante! Pra completar, a foto mostrava a Samus carregando o seu canhão e o Donkey Kong caído ou algo assim e pra mim ela parecia mais uma espécie de câmera ou torreta e o DK um monte de pedra. Eu realmente não tinha noção do que se tratava aquela foto.

    Eras depois cheguei a assinar a Nintendo World e a primeira edição que recebi foi a do Smash Melee (mais um cartão de aniversário pop-out da Rare, que alguns aqui devem conhecer). Achei bem legal a ideia e amava ler o macetes de desbloquear o Pichu, Mewtwo etc.

    Agora jogar mesmo e ver do que se tratava Super Smash Bros, só nas minhas épocas de emulação de N64, lá de 2007/2008 em diante. Amava Smash 64! Convidava uns amigos aqui e ali pra jogar lá em casa, alguns levavam controle USB, dividiam o uso do teclado e tal.

    Uns tempos depois, visitei um conhecido que tinha um Gamecube e o Melee. Achei esquisito (visualmente falando) e o fato de que os presentes manjavam um pouco do jogo me afastaram um pouco.

    Já na faculdade o lance era o Brawl ainda, mas eu não conseguia gostar como gostava do de N64. O visual era estranho e a jogabilidade com o wiimote ou wiimote + nunchuk era ruim, sei lá. Mas nessa época e já tinha noção que a série era grande, até porque rolavam torneios nos eventos que eu frequentava e tal.

    Com a chegada da nova geração e a busca de multiplayer local pros grandes encontros de 3DS, eu resolvi aderir ao primeiro Smash portátil (assim como arrisquei conhecer outras séries consagradas) e curti, mas aí a galera que se dedicava apenas ao jogo me destruía e de quebra o analógico do meu portátil também foi pro saco.

    O gosto mesmo por Smash veio graças a minha compra compulsiva pela versão de Wii U. Era HD e ninguém mais precisava ter o console ou o jogo. Bom, a ideia foi essa, mas acabou que ele ficou meio que encostado esperando jogatinas que hora aconteciam todo fim de semana, ora demoravam meses entre elas.

    Com o tempo, começamos a nos encontrar na casa de um amigo e a focar em ficar melhores que os outros, conhecemos o X1, partidas sem armadilhas de fase, sem itens, começamos a treinar com personagens que preferíamos e logo Smash Bros. chegou ao patamar que todos o põem, inclusive deixando a versão de 64 super sem graça. Cara, como era legal tentar aquilo a sério e com amigos que tem o mesmo nível! Mesmo só eu tendo o jogo, eu não via graça em jogá-lo sozinho ou treinar pra ganhar uma vantagem. Smash é multiplayer!

    Nunca chegamos aos níveis doentes de campeonatos grandes, até porque eu tenho mais o que jogar/fazer e me recuso a me dedicar com seriedade à um jogo competitivo, mas jogamos muito no Wii U, até que aquela geração foi morrendo, os amigos de Smash ficaram poucos e fomos esquecendo.

    Isso até sair o Switch e logo em seguida a nova entrada na franquia! Fiquei com o pé atrás de ser a mesma coisa mas com personagens adicionais e fui deixando passar até ver um cara da cidade barato. O jogo ficou na minha prateleira e eu tava com preguiça de desbloquear a galera, perdi o tempo de ganhar a Piranha Plant de graça e sem saco pra pagar DLC. Meu Smash seria um party game casual que estaria comigo pro caso de alguém querer jogar, nada mais.

    Conforme os personagens do primeiro DLC foram sendo mostrados, eu fui ficando animado. Quer dizer, o roster original é incrível e as novas adições são ótimas, como o King K. Rool, Ridley, galera do Castlevania e tal, mas quando eu vi o Hero do Dragon Quest, incluindo versões de outros jogos da série, eu pus o jogo no console e comecei a jogar com meus amigos, como se estivéssemos na época do Wii U. Comprei Pro Controllers do Aliexpress e lá estávamos nós, testando novos bonecos, cenários e coisas assim como se fosse um jogo completamente novo.

    Um dia a Nintendo ouviu às minhas preces e lançou Banjo-Kazooie. PQP! Esse personagem merecia demais essa representação (ao contrário de outros, na minha opinião, como o próprio Joker). O Terry foi basicamente o último personagem lógico que faltava na bagunça, sendo de uma série tão grande e importante. Quer dizer, eu acho um crime não ter o Dr Eggman ou o Crash, mas tá valendo.

    Eu estava muito empolgado com o jogo mais uma vez!

    Há cerca de um mês atrás eu resolvi que era hora de encarar o World of Light, que basicamente é o modo campanha de Ultimate e que parecia bem legal, diferente da maioria dos modos extras que a série normalmente trás.

    Quando você abre WoL, você assiste a cinemática de abertura do jogo em que os personagens do universo Smash são destruídos por uma grande força e resta ao Kirby de tentar trazer todos de volta à ativa.

    Você anda por um mapa 2D cheio de fases e lutando contra personagens do jogo possuídos por Spirits. Os tais Spirits são imagens 2D de personagens dos mais diversos jogos que tem ou tiveram alguma relevância ao alcance da Nintendo. Sendo assim, você vai ver coisas que vão dos recentes Astral Chain, Metroid Prime, Xenoblade Chronicles 2, Metal Gear Solid V, passando por títulos menos populares, como Hotel Dusk, Legendary Starfy, Ouendan, Tokyo Mirage Sessions e até coisas esquecidas do passado, como The Mysterious Murasame Castle, alguns personagens de Mario 2, uns Fire Emblems que nunca nem devem ter visto a luz do ocidente e até um bocado que são de séries que nunca ouvi falar (geralmente nomes japoneses e coisas do Famicom).

    O fato é que é uma delícia ver TANTAS referências a coisas que conheço juntas. Quer dizer, se você não manja nada, ok, mas ter jogado tantos jogos relacionados traz uma experiência ainda mais interessante (e talvez até te anime de ir jogar umas pendências aí).

    Quando um personagem está possuído por um Spirit, ele age como se fosse aquele Spirit, como se a Nintendo tivesse inventado um jeito de por centenas e centenas de personagens a mais.

    Um exemplo muio bacana é o Rabbid Mario. Nesse caso é o Mario com o Spirit dele na fase do 3D Land. A regra da fase faz com que ele comece a luta já com um blaster de laser e orelhas de coelho e ainda favoreça atirar (ele vai fazer mais isso do que qualquer outra coisa). Cara, que genial!

    Na fase do Metal Gear Rex o personagem é o R.O.B mas com o power-up que o deixa metálico (mais resistente e pesado).

    O mais legal é que o personagem escolhido, as regras de cada missão e até o cenário sempre batem muito com os personagens originais e estão sempre cheios de referência! Muita cosia eu expliquei pros amigos porque queria que eles entendessem o que se passava ali.

    Outras são óbvias, como a fase do Dr. Wily, que te obriga a matar 8 Mega Mans e depois lide com um Dr. Mario possuído por aquele Spirit. Basicamente, conhecendo um pouco da série quase sempre te faz entender cada missão.

    Vencer a luta dessas fases desbloqueia aquele Spirit e dá experiência para aqueles que você tiver equipado. Cada Spirit pode chegar até o nível 99, o que aumenta também o seu poder com base em seu nível quando o equipar. Alguns deles podem evoluir ao chegar no nível 99, o que os dá uma nova forma e nova habilidade, como é o caso do Mega Man X que ganha aquela armadura branca, o Boo que vira o King Boo, Naked Snake vira Big Boss, Pokémons evoluem etc.

    É muto importante ter o Spirit certo para cada momento, o que pode fazer com que você desista de um estágio por algum tempo. Nós mesmo apanhamos muito numa fase que ventava demais e nos jogava no buraco e depois de muito sofrimento, passamos, e logo depois, por outra rota, conseguimos um Spirit que dava invulnerabilidade ao vento.

    Em outros casos semelhantes, você pode ter que evoluir seu time para ter poder suficiente para aguentar o dano e causar o bastante contra determinado inimigo. Não tenho medo de voltar depois pra lá! E nem se esqueça, pois são tantos lugares pra ir e tantas fases que você acaba se esquecendo de onde estava aquele desafio.

    Spirits específicos também desbloqueiam rotas pelo mapa, como o Bomberman que explode rochas e o Link de Spirit Tracks que pode conduzir os trens.

    O World of Light ainda esconde muitos segredos por trás de entradas secretas e puzzles, o que pode aumentar um pouco o tempo de jogo pra quem buscar os 100%. Eu me viciei nesse modo e cheguei à esse porcentagem um pouco mais rápido do que as pessoas costumam chegar: apenas 22 horas! Acredito que usar sempre o time de Spirits recomendado ajudou muito (basta apertar Y na tela de preparação que ele já equipa todos aqueles que neutralizem efeitos chatos das fases, como tomar dano de chão eletrificado). Por outro lado, usar o Bowser mais o Spirit do Sahelanthropus o deixou bem forte e chegava a acabar grande parte das lutas em segundos, as vezes antes de ver o diferencial daquele estágio.

    Outra coisa bacana é que existem dungeons a serem exploradas, com mais desafios e um chefe no final, com barra de vida e tudo. É aí que vemos o Dracula e o Rathalos, por exemplo.

    Pra fechar, personagens principais podem ser encontrados por todas as partes e ao vencê-los, você os desbloqueia para usar nesse modo e no Smash multiplayer normal! Se você comprar o jogo e for jogar apenas single por um tempo, recomendo ir direto à esse modo, que você já aprende tanto sobre as mecânicas, zera o enredo e ainda desbloqueia o tantos personagens que esse jogo tem!

    Resumindo: Super Smash Bros. Ultimate é a experiência definitiva da série. O jogo é lindo, cheio de texturas realistas, muitos modos, todos os personagens de todos os anteriores e mais uma porção de novos e o que eu mais precisava: um modo single player bom! Não se se é porque amo video games e saquei grande parte das óbvias referências, mas esse modo de uma pessoa me viciou, sendo que até então nenhuma campanha ou coisa parecida de Smash sequer me parecia interessante (e eu joguei Space Emissary).

    De bom: o jogo é lindo. Zilhões de personagens e Spirits. Muitas variáveis em cenários e combatentes fazem com que cada partida seja diferente. Muitos modos de jogo, de alguns rápido até aqueles que demandam longas jogatinas. Multiplayer de sofá de até 8 pessoas (embora eu prefira o 1 contra 1 ou no máximo 4 jogadores simultâneos).

    De ruim: o modo online ainda é fraco como foi nas últimas gerações (apesar que o X1 aparentemente é tranquilo). Acho essas interfaces do Sakurai meio confusas e as vezes eu tenho que acessar vários menus pra conseguir achar algo simples. Também acho que existe representação demais de Fire Emblem: muitos personagens de jogos que ninguém jogou e muitos Spirits.

    No geral, esse jogo é muito legal de ser zerado se você manja um bocadinho de video games, senão cada fase vai só parecer um desafio diferentes inventado do nada. Se você tem amigos interessados na série e uns controles, vale demais a pena comprar, pra jogar casual ou seriamente. Minha recomendação é a seguinte: se você pena em comprar pra ter mais uma opção de jogar com pessoas que não manjam de video game, essa escolha pode ser ruim. Vá de algo ainda mais simples. Além do mais, acho que Ultimate é como Mario Kart 8: se você joga sozinho e treina, seus amigos não vão acompanhar muito bem e você terá uma experiência tediosa no multiplayer, enquanto eles se frustrarão contra um adversário imbatível. Ou seja, é o tipo de jogo que é mais legal de evoluir em conjunto. Entre os meus amigos, a galera que se dedica é bem boa e me vence, mas a galera que joga PS4 não aguenta meia hora de porrada comigo, então cuidado. Jogaço!

    Super Smash Bros

    Platform: Nintendo Switch
    455 Players
    157 Check-ins

    23
    • Micro picture
      lukenakama · over 1 year ago · 2 pontos

      Eu treino meu técnica em Smash Bros nem eu sei o porque já que eu nunca poderia ir em torneio ou disputar online graças ao maravilhoso serviço da Nintendo, mas mesmo assim eu só jogo 1 vs 1, no itens, Omega Stage e não sei mais o que.
      Esse jogo é maravilhoso e na minha opinião é o maior Crossover de todos, não só jogos mas de tudo, como eu sou viciado nessa merda kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      E como eu me animo pras novidades, quando teve Mii de Cuphead eu quase tive um troço mesmo sendo só Mii, e já to juntando dinheiro pra comprar a DLC e to na expectativa(Vem Sora, o resto pode ser tudo Fire Emblem, mas você é o único que eu quero de fato pro jogo)

  • renanlima2018 Renan Lima
    2019-12-08 00:46:33 -0200 Thumb picture
    Post by renanlima2018: <p>Desafio: Top 20 Músicas de Games</p><p><strong>D

    Desafio: Top 20 Músicas de Games

    DIA 13 - Trilha de Super Smash Bros Ultimate (2018 - Switch)

    Meu primeiro Smash que realmente me fez ter vontade de jogar Smash.

    Nunca tinha entendido antes qual era a graça de Smash, mas foi jogando o modo Adventure desse jogo e desbloqueando os vários personagens do Ultimate que eu fui aos poucos gostando e me introduzindo a jogabilidade de Smash.

    Sem dúvidas o jogo mais ambicioso da saga, incrível a quantidade de conteúdo que colocaram aqui. São mais de 900 músicas, algo realmente impressionante.

    Levei um bom tempo para desbloquear todos os personagens, a atualmente estou adorando acompanhar os anúncios dos novos personagens do pacote de DLCs. Uma pena não ter acompanhado Smash antes na época do Wii U, mesmo assim fico feliz de estar acompanhando o Ultimate desde o seu primeiro anúncio e esporo jogar eles por mais um bom tempo...

    Super Smash Bros Ultimate

    Super Smash Bros Ultimate Soundtrack

    https://www.youtube.com/playlist?list=PL-KKLmT_Quh6f_69UPgiJx4icexWo3v1Q

    As regras são as seguintes:

    1 - Poste uma música de um jogo por dia por 20 dias (total de 20 jogos);

    2 - Não pode repetir o jogo;

    3 - A música precisa estar no jogo;

    4 - Vale versão remix ou música licenciada no jogo;

    Finalizo agradecendo quem me desafiou @andre_andricopoulos. Desafio qualquer outro lendo e interessado em participar.

    Super Smash Bros

    Platform: Nintendo Switch
    455 Players
    157 Check-ins

    0
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2019-09-05 21:30:17 -0300 Thumb picture
    Post by luchta: <p><a href="https://nintendosoup.com/japanese-child

    Bem típico de fãs da Nintendo...

    Super Smash Bros

    Platform: Nintendo Switch
    455 Players
    157 Check-ins

    33
    • Micro picture
      lukenakama · about 2 years ago · 2 pontos

      kkkkkkkkkkk bem que ele me lembrava de algo.

    • Micro picture
      typhonite · about 2 years ago · 2 pontos

      Finalmente o Ash envelheceu KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    • Micro picture
      gennosuke6 · about 2 years ago · 2 pontos

      hauhauhauhauha. Morri! X___x kkkkkkkkkkkkkk. "Pra quê Charizard, se eu tenho o Power Geyser!"

  • spider Ricardo Seyer
    2019-05-23 11:49:53 -0300 Thumb picture
  • dantlast Danilo Oliveira
    2019-03-28 10:55:12 -0300 Thumb picture

    30 dias de Games - Dia 4: Último jogo que concluiu

    Sempre fui de Naruto, tanto do anime, quanto dos mangás e da série de jogos. Quando este último foi lançado fiquei impulsivo para compra-lo. Mas só fui fazê-lo de fato momentos depois. E que jogo. O melhor da franquia sem sombra de dúvidas. Storm 4 é a junção de tudo que deu certo nos últimos jogos da saga. É um jogo divertidíssimo, desde o modo história com ótimas Boss Battles, até o modo aventura, mais "light" mas que ainda sim é gostoso de jogar.

    Gostei tanto desse jogo, que corri atrás até mesmo da platina, que confesso ter sido bem tranquila de ser feita, sem nenhuma dificuldade que me fizesse perder o sono ou se descabelar. Até mesmo a DLC é bem divertida, até para quem não assistiu Boruto, assim como eu.

    Dia 1 - Jogando atualmente

    Dia 2 - Remaster/remake favorito

    Dia 3 - Merece um remake


    @desafio

    Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm 4 Road To Boruto

    Platform: Playstation 4
    97 Players
    8 Check-ins

    12
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2018-11-23 21:07:32 -0200 Thumb picture

    As músicas de Castlevania no novo Super Smash Bros!

    Tanto a Divine Bloodlines (tema do Richter), quando a Out of Time (tema do Simon) ganharam novas versões para Super Smash Bros Ultimate do Nintendo Switch. Os dataminers conseguiram extraíram mesmo antes do jogo ser lançado confiram!

    O que acharam dessas versões?

    Super Smash Bros

    Platform: Nintendo Switch
    455 Players
    157 Check-ins

    9
    • Micro picture
      lucasbarcelos5 · almost 3 years ago · 2 pontos

      Gostei dessas versões das músicas.

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...