• denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2022-10-30 03:44:49 -0200 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p><strong style="background-color: initial;">Assas
    Assassin's Creed III

    Platform: Playstation 3
    4361 Players
    312 Check-ins

    Assassin's Creed III finalizado e platinado!

                                                                     16ª Platina

    Dando sequência e começando exatamente do final de Assassin's Creed: Revelations, que apesar do III, é o 5° jogo da linha principal ignorando spin-offs dos portáteis.

    Muita coisa mudou, agora o Animus leva o protagonista, Desmond Miles, para memórias da América colonial para encontrar uma chave especial, no ambiente da guerra de independência dos EUA contra o domínio Inglês em paralelo da tragédia causada aos nativos indígenas. 

    E claro, um jogo cheio de política e questionamentos sobre a origem dos EUA e sua democracia, sobre extermínio indígena, imperialismo, representatividade política, moralidade, fantoches políticos, e sobre traíras fedorentos .

    Controlamos primeiramente o inglês engomado Haytham Kenway chegando em Boston durante as articulações do pré-guerra, e depois o indígena "Connor" Kenway de sua infância até a formação como assassino sob tutela de um veterano, e em busca clássica por vingança, onde encontramos figuras históricas importantes como George Washington, Benjamin Franklin, e diversos militares, locais e episódios que encantam os fanáticos pela história estadunidense, mas que deixa um ar de "quem?" pra quem é de fora. Também temos missões especiais no presente, com Desmond finalmente fazendo algo de útil fora do Animus contra a empresa multinacional e tirânica Abstergo.

    Os gráficos estão diferentes, mais detalhados e voltados para os personagens e suas expressões faciais, mas que também causam estranheza, principalmente por causa de bugs, e do excesso de foco no rosto durante algumas cenas que escondem o ambiente, principalmente em áreas populosas.

    Temos 4 áreas de mundo aberto para explorar: os ambientes urbanos de Boston e Nova York, e a parte rural onde desenvolvemos a fazenda Davenport, a sede assassina local, e a área de fronteiras entre esses locais onde se pode usar a nova função de caçar, e com a exploração mais ampla do jogo. Temos a volta dos cavalos, que agora podemos invocar.

    O combate está mais dinâmico e difícil, mas também com muito mais fluidez, e com alerta de tipos de ataques inimigos, parecido com os da série de Batman Arkham, e esse é um dos aspectos mais positivos, quando não somos atrapalhados por bugs. Como novos equipamentos tem o arco e flecha, variadas pistolas de 1 ou dois disparos, armadilhas, iscas pra caça, e um dardo com corda que puxam ou penduram inimigos, mas apenas 4 armas ou itens são selecionados por vez sem entrar no menu.

    Uma das novidades que mais chama atenção são as divertidas missões navais onde controlamos nosso próprio navio pirata, em que atacamos, defendemos, ou perseguimos outras embarcações em áreas pré determinadas, mas que infelizmente não se pode navegar livremente fora de missões.

    Esse Assassin's Creed também tem o infame modo de multiplayer online, que achei menos equilibrado, mas possui o novo modo Matilha de Lobos que é bem mais acessível e pode ser jogado sozinho, fazendo séries de assassinatos contra a IA em condições variadas num limite de tempo.

    As missões são na maioria simples e dentro do mesmo tipo de diversão dos jogos anteriores, mas ao tentar fazer 100% dos objetivos somos atrapalhados por bugs e level design ruim. Por diversas vezes o caminho é nada intuitivo, objetivos aparecem e dão falha de modo muito repentino no meio da missão, inimigos que não entram nas regras de combate e te acertam de modo indefensável ou que não podem ser alvos. E numa das chatíssimas explorações pela rede subterrânea os gráficos falhavam e explodiam o som e imagem, deixando a tela branca e um barulho ensurdecedor interminável até que o jogo fosse reiniciado. Tive de passar essa parte "tateando" na claridade cegante  e me orientando pelo mapa pra achar uma saída que salvasse o jogo fora do labirinto contando a parte explorada. Um terror.

    Por fim, é um jogo que tenta ser mais amplo que os anteriores, a dificuldade mais acentuada, muitos bugs que atrapalham bastante a experiência, trama com reviravoltas que diferenciam do anterior, e um bom desenvolvimento da história do assassino, mas com cortes que aceleram, empobrecem e desperdiçam as relações com demais personagens, com final realista e pé no chão pra Connor, mas extravagante pra Desmond. 

    Os troféus online são mais simples de pegar, em contrapartida, fazer os objetivos das missões em 100%, e completar a fazenda dão muito mais trabalho do que deveriam, e bugs que deixam o jogo com cara de que teve sua entrega apressada e com foco no visual.

    No caminho pra conseguir essa platina peguei várias Badges do myPSt.

    Professor Nota 10 por acumular 15 troféus no dia do professor.

    Easter Egg - Bronze por platinar 10 jogos com referências a outro jogo.

    Ubisoft - Bronze por platinar 10 jogos da empresa.

    Aventura - Prata por platinar 6 jogos do gênero.

    MC - Coração de Samurai por platinar um jogo com espadachins na data da batalha de Sekigahara.

    19
  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2022-09-05 21:25:21 -0300 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p><strong>Assassin's Creed: Revelations</strong> c
    Assassin's Creed: Revelations

    Platform: Playstation 3
    4133 Players
    154 Check-ins

    Assassin's Creed: Revelations com 100% dos troféus!

    Faz um tempinho que consegui, depois de uma maratona em busca de reunir o mínimo de jogadores para conquistar os troféus online cheios de especificidades, como esse Carnival, que exige jogar no mapa Siena, de uma DLC, com outros 3 jogadores que também possuam essa expansão e acumular no modo Procurado ao menos 3 minutos escondido na multidão. 

    E com isso completo 100% nas expansões Multiplayer Map Pack, Multiplayer Character Pack, e The Lost Archive, que se somam à platina no jogo base.

    Peguei tudo à tempo antes do fechamento do servidor, que não parece ter fechado mesmo ao fim do prazo... 😅

    21
  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2022-08-19 20:28:56 -0300 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p><strong>Assassin's Creed: Revelations</strong> p
    Assassin's Creed: Revelations

    Platform: Playstation 3
    4133 Players
    154 Check-ins

    Assassin's Creed: Revelations platinado!

                                                                          15ª Platina

    Reunindo com quase a a mesma galera doida online, e em tarefas bem menos cansativas que o modo online do jogo anterior, consegui essa platina mais rápida e com menos esforço.

    No modo online, que era onde estavam os troféus faltantes, mudou pouca coisa, com novos personagens equivalentes ao do anterior, alguns que vieram da história da campanha, outros originais desse modo, e novamente adições via DLC, tanto de personagens, quanto mapas, e com alguns troféus extras relacionados (que ainda não completei).

    Os servidores estão mais estáveis, com mais modos, habilidades novas pra desbloquear, como bombas, e com muito menos exigência nos troféus, como exigir "apenas" nível 20, ao invés de 50 do anterior. E talvez pela estabilidade e o servidor em vias de fechar, também tem muito mais gente jogando esse, o que em parte exige um pouco menos de marcar jogos e pode ser parcialmente jogado só com uns gringos loucos e apelões

    Novamente, precisava de modo online? Não, mas também não é de todo mal.

    E na conquista desse troféu de platina conquistei ainda no MyPSt:

    Mundo Aberto - Bronze, pelo 10ª platina em jogos de mundo aberto e

    Mestre Espadachim - Bronze, por 10 platinas onde o protagonista usa lâminas.

    Ainda não tenho 100% nas DLC, pois preciso reunir mais gente pra fazer 

    17
  • anduzerandu Anderson Alves
    2022-07-07 23:57:40 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Hitman Absolution

    Zerado dia 07/07/22

    Jogo número 3 da minha lista terminado! Só mais dois!

    Apesar de já fazerem 10 anos desde o seu lançamento, Hitman Absolution por algum motivo parece algo super recente para mim e sempre que vejo outros jogos da franquia, sempre penso "mais um?" como se Absolution fosse o jogo definitivo, haha. Vai entender o porquê.

    Na verdade eu não conheço praticamente nada dessa série (nem de Splinter Cell) e nem sou o mais fã de jogos de stealth (muito embora eu seja louco pela franquia Metal Gear Solid) e um dos motivo disso é que costumo duvidar que as empresas possam fazer jogos imersivos, justos, divertidos e com boa IA nesse gênero. Não é fácil!

    Hitman mesmo eu nunca joguei nada. Tenho até a HD Trilogy de PS3 da estante mas não bateu a vontade ainda. Eu comecei esse daqui por acaso para testar o Xbox 360 há um bom tempo depois que me mudei para a atual residência e esqueci o console, junto de outros, dentro de uma caixa por mais de um ano.

    Tudo o que eu conhecia de Hitman era do Absolution pois lembro que houve um tempo que todos falavam dele e até uns amigos mais casuais o terminaram há anos. Me lembro ainda que assistia bastante Nerdplayer, do Jovem Nerd, e o jogo foi o escolhido de alguma semana na época.

    Basicamente HA me parecia com algo que eu gostaria e deveria jogar.

    Comecei a aventura no nível Normal, como sempre, mas estava meio intimidado e com medo do jogo exigir muita estratégia e paciência.

    O primeiro estágio é aquele que conheço bem de todo lugar, inclusive da minha primeira e única jogatina de HA, que durou só até aqui mesmo. É durante essa parte que você aprende os básicos desde a movimentação, se esconder, abater inimigos na surdina, coletar itens e armas, chamar a atenção dos guardas para algum lugar, interagir com o cenário aos eu favor e o principal: trocar de roupas e passar despercebido por áreas proibidas.

    Na segunda seção do primeiro estágio o jogo já me mandou eu me virar na missão e foi o que eu fiz. É bacana saber que você tem muitas formas de avançar nessas missões incluindo o modo ninja ou o modo carniceiro, matando a todos e sem se preocupar em ser visto.

    De início eu achei que eram muitos comandos, mas você vai pegando o jeito bem rápido. Enquanto isso fracassei uma vez no primeiro estágio ao atirar num cara de longe e chamar a atenção de todos que me mataram. Felizmente no início de cada seção há checkpoints e a exploração te recompensa tanto com objetos que podem te auxiliar com o progresso quando coletáveis opcionais e até mesmo checkpoints ativáveis.

    O protagonista, Agente 47, é durão e pode não só tomar muitos tiros para morrer enquanto os inimigos morrem fácil como ainda tem uma habilidade de enxergar pessoas e objetivos pelas paredes se você segurar o botão RB ao maior estilo Batman Arkham.

    Esse poder ajuda demais e chega a ser roubado. Para ser sincero, a campanha inteira é bem tranquila e rápida.

    Logo depois desse início o enredo é apresentado e isso me surpreendeu de diversas formas, positiva e negativamente. Primeiro que eu não esperava um roteiro mais trabalhado assim nesses Hitman, mas pode-se dizer que é basicamente um filme do Jason Statham e beeeeem hollywoodiano. Muito mesmo, incluindo os clichês, o fato de que todo mundo é bobão menos o super másculo protagonista e as próprias cutscenes. O jogo não transpira Tela Quente e me pareceu muito com uma resposta ocidental à série Metal Gear, que por sua vez tem muitas esquisitices e enredo mais confuso.

    Em segundo lugar, eu não esperava que o Agente 47 fosse tão expressivo! O cara fala bastante nas cenas e demonstra muito seu lado humano. Eu esperava algo como uma máquina de mortes sem alma!

    Inclusive durante a campanha ele chega a ser capturado algumas vezes mas os vilões, que sempre agem com tanto sangue frio, preferem apenas zoar quando estão com ele. O poder do protagonismo, certo?

    Entre os contos da história você joga as fases, geralmente focadas em matar alguém ou chegar à algum lugar.

    Matar alguém demanda cuidado pois muitas vezes você terá que sair do local e a saída fica fechada se estiver sendo perseguido. Muitas vezes compensa mais recarregar o último checkpoint do que ficar lutando contra mil e um capangas porque você vacilou em ser visto. Fora que é um jogo de stealth e tudo bem ser visto ou matar um bocado aqui e ali, mas isso é uma baita dor de cabeça demorada e acho que você perde um bocado da experiência por não jogar numa boa, explorando e decidindo simples táticas.

    Como sempre a melhor tática é trocar se roupas. Tente ficar a sós com um cara, o derrube e pegue ruas roupas, que darão acesso ao local de seu trabalho e facilitam muito as coisas. Na minha jogatina eu chegava a trocar de roupas três vezes numa missão de acordo com a necessidade de cada local! Mas vale dizer que os trajes não garantem que você não será visto!

    Outra coisa é que o jogo te penaliza por usar a violência, seja com armas de fogo ou simplesmente pondo a galera para dormir e seus pontos são reduzidos, e com eles as recompensas do jogo. Mas jogar só com o seu terno exige grandes habilidades, sem dúvidas, inclusive conhecer bem as missões.

    HA conta com 20 missões na campanha (e servidores multiplayer desligados) e essas missões variam muito de uma para a outra: algumas são curtas, outras longas para caramba. Algumas são uma cena e um tiquinho de gameplay e outras tem seções e mais seções. Algumas são chatas já no início da aventura e outras são moleza já perto do final. E foi graças a isso que joguei metade do jogo só hoje à tarde/início da noite.

    Depois que peguei o jeito, o jogo começou a me cansar justamente pelas missões mais longas e atividades injustas da IA combinados com ações mega robóticas também da IA. E toda aquela balela americana também não me desce fácil, aquele estilo 2010 da cultura audiovisual inclusive os visuais desse título que são muito cinzas, o preto é na verdade um roxo escuro e aquele bloom que faz parecer que é sempre 17h. Mas não se engano pois é sim um jogo bem bonito até hoje em dia.

    Resumindo: Hitman Absolution é um jogo legal, apesar da leve envelhecida no roteiro e personagens, e atesta bem ao teste do tempo na jogabilidade e visuais. É um jogo divertido mesmo não fazendo o meu estilo em gênero e temática, fora que ele só melhorou conforme me distanciei do início. Infelizmente ele tem muitos fatores clichês da época, mas valeu a pena tê-lo jogado apesar dos apesares.

    De bom: bons visuais. Gameplay funcional. Muitas formas de abordar as situações. Bem tranquilo e rápido no nível Normal. Como como chefes podem morrer com um tiro (no Metal Gear Solid você descarrega pentes e mais pentes em chefes, mesmo os humanos). 

    De ruim: o Agente 47 é meio chato com a personalidade dele. As vezes a IA te encontra/vê de forma injusta. Roteiro besta e quase infantil. Alguns bugs. Sem mais o modo multiplayer. Produção super americanizada. Algumas partes são meio confusas e difíceis como uma fuga de um helicóptero que me matava rápido.

    Gostei até do jogo mas não sei quando vou continuar com a franquia. O Xbox 360 agora volta à sala de estar para entreter o filho do meu padrasto que está morando conosco (inclusive vi que tenho vários jogos interessantes nele que ainda tô devendo (Evil Within, Darksiders 2, Dead Rising, Asura's Wrath etc etc etc). Jogo legal!

    Hitman Absolution

    Platform: XBOX 360
    1395 Players
    100 Check-ins

    13
  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2022-05-04 23:31:30 -0300 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p><strong>Assassin's Creed: Revelations</strong> f
    Assassin's Creed: Revelations

    Platform: Playstation 3
    4133 Players
    154 Check-ins

    Assassin's Creed: Revelations finalizado!!

    Sequência de Assassin's Creed: Brotherhood, esse jogo trás a mesma fórmula de antes, com alguns recursos novos, aumento do desafio, visual renovado, e um fim pra parte do coprotagonista Ezio na saga da série.

    Seguindo a história o fim do jogo anterior, Desmond fica preso no Animus, a realidade virtual que acessa memórias dos antepassados, onde encontra o "fantasma" de Clay Kaczmarek, o usuário anterior, e descobre que está em coma no mundo real. E então, o protagonista, que está mais feio a cada jogo, precisa consertar suas memórias fragmentadas  e misturadas pra poder voltar, enquanto acessa novas memórias deixadas por um Ezio de meia idade, que por sua vez está em busca da biblioteca com segredos deixada por Altaïr, o protagonista do primeiro jogo, antes que caia nas mãos dos templários.

    O mapa da vez é a antiga cidade de Istambul/Constantinopla do século 16, na atual Turquia. A cidade é menor que Roma, é dividida ao meio por uma faixa de água, não tem os imensos campos e é mais povoada. Aqui não tem cavalos, mas somos apresentados à tirolesa, que ajuda a cortar alguns caminhos por cima da cidade, além de contar ainda com os paraquedas do episódio anterior. Também existe uma passagem bem curta por uma cidade subterrânea na capadócia próximo ao fim do jogo.

    O visual e a jogabilidade mudaram pouco mais no geral, com adição de um gancho que permite novos movimentos de combate, escalada, e acesso às tirolesas. E também com a adição das bombas, que são divididas em três tipos de uso, entre letais, distração, e as de abertura de defesa. Isso compensa em parte que a dificuldade aumentou, com inimigos mais variados, que defendem melhor, e que também usam armas de fogo e bombas de maneira mais agressiva, com retorno de oponentes que lembram os cavaleiros templários do primeiro jogo, que só eram vencidos com muito contra-ataque e estratégia, e que em grandes números davam certo trabalho.

    E como no anterior, é possível recrutar novos membros pra ordem de assassinos e depois podem ser enviamos para missões ou chamados para  ajudar nas lutas. Foi criado também um novo tipo de missão que envolve a defesa das torres de assassinos que tomamos dos templários, onde comandamos assassinos administrando recursos pra melhor combater ondas de inimigos.

    Ao longo do jogo Ezio adquiri as chaves para a biblioteca em Masyaf, a sede dos assassinos do primeiro jogo, em cada chave abrimos uma missão em que voltamos para as memórias de Altaïr e vemos o que sucedeu aos eventos do após Assassin's Creed

    Desmond tem suas próprias missões no Animus, onde o controlamos em seções com câmera em primeira pessoa, acessando suas antigas memórias enquanto passamos por plataformas e quebra-cabeças num estilo que lembra jogos como Portal, ou Q.U.B.E. , e em nada com todo o resto da série de Assassin's Creed, mas que são bem fáceis.

    Apesar do desfecho da história de Ezio e Altaïr, e até mesmo do sem graça do Desmond no Animus serem bem legais, o jogo é meio perdido na construção, tem muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, e diferente dos anteriores, dessa vez nem tem um grande embate final, apenas um racha de carruagens. Mas ainda achei um jogo divertido.

    Esse aqui também possui modo online, que parece legal, mas não encontro outros jogadores pra participar, e com as recentes notícias da Ubisoft fechando servidores, os troféus e platina vão se perder eventualmente.

    12
    • Micro picture
      igor_park · 9 months ago · 2 pontos

      Esse eu platinei em 2013, confesso que não lembro nada da história.

  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2022-03-29 20:36:55 -0300 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p>Depois de hibernar bastante.</p><p><strong>Assas
    Assassin's Creed: Brotherhood

    Platform: Playstation 3
    6478 Players
    221 Check-ins

    Depois de hibernar bastante.

    Assassin's Creed: Brotherhood finalizado!

    Sem grandes mudanças em relação ao jogo anterior, Brotherhood segue ainda divertido, apesar de alguns problemas.

     A história parte exatamente do ponto onde Assassin's Creed II termina, após bater no papa e ter a revelação maluca do conteúdo do cofre, Ezio retorna pra sua vila sede dos Assassinos, onde eventualmente recebe um ataque dos Bórgias e seus aliados. Isso serve de justificativa para Ezio, agora mais velho, ferido, e tendo perdido todo seu equipamento e suporte comece pelo básico em uma nova localidade, pra reconquistar a Maçã do Eden e também sua vingança contra toda a família do papa, enquanto reconstrói a 'Brotherhood' dos Assassinos, agora em Roma.

    Roma é a única cidade disponível no jogo, fora algumas visitas bastante restritas para localidades próximas em algumas missões, e é a maior cidade da série até então. Com grande variedade de terrenos numa mesma cidade, vamos de centros urbanos às áreas rurais e ruínas do antigo império. Aqui tem novidades no uso dos cavalos, que até foram  usados de forma esporádica em jogos anteriores, se limitavam às viagens longas e tediosas de Altaïr no primeiro e curtas viagens de mudança de cidade no segundo. Agora existem mais variedades no comando dos cavalos e patrulhas inimigas montadas. 

    Também podemos comprar e fazer melhorias na cidade como acontecia em Monteriggioni, com a justificativa de minar o poder dos Bórgia, com muito mais prédios disponíveis, apesar de menos vistoso pra cidade.

    Ezio começa enfraquecido, mas com vários de seus equipamentos e movimentos anteriores já disponíveis, e passa a utilizar finalmente a besta como arma de distância, muito mais versátil que sua pistola escondida, que ainda está presente. E é possível também adquirir o paraquedas ao fazer as missões do Da Vinci, uma novidade que não muda muito a jogabilidade, mas que facilita em atravessar alguns pontos da cidade. 

    Ao longo do jogo passamos à recrutar assassinos para a causa, que podem ser enviados em missões pra adquirir recursos, ou convocados pra ajudar o protagonista em combates ou meio rápido de eliminar adversários. Assassinos progridem as habilidades e equipamento, e podem ser perdidos se morrerem em combate. Se acumulados em certo número, podem realizar uma chuva de flechas ocultas que eliminam instantaneamente a maioria dos inimigos presentes. Isso tudo diminui ainda mais a dificuldade do jogo, que já era fácil no anterior.

    Desmond, o protagonista paralelo e principal da série no momento, é jogável em alguns momentos, como no anterior, podendo dar uns passeios sem muito propósito na Villa Auditore contemporânea.

    Fora da campanha, o jogo possui um multiplayer online, mas que não consegui ninguém pra jogar e ver como é. No teste introdutório não me pareceu ruim, mas também não pareceu necessário.

    Terminei também as DLCs The Da Vinci Disappearance, onde Ezio faz uma investigação com ares de O Código Da Vinci, e enfrentamos um culto de "hemeticistas" que sequestram Da Vinci pra abrir o Templo de Pitágoras  e tentar revelar a "grande verdade". E Copernicus Conspiracy, onde salvamos Nicolau Copérnico e seus colegas de serem mortos pela igreja por espalharem que a Terra não é o centro do universo.

    No geral, os gráficos não mudaram muito, e o jogo possui mais bugs que o antecessor, mas nada que atrapalhe muito. Apesar de ter algumas missões diferenciadas e divertidas, como as das máquinas do Da Vinci que são mais difíceis, em geral é mais do mesmo, sem muita dificuldade, e também sem a empolgação do segundo jogo, num ritmo mais lento com as várias quebras de missões secundárias, e batalha final morna.

    Já com Desmond e sua turma, mais um final com reviravolta e incerteza, com gancho pra ir jogar o próximo Assassin's Creed e ver no que deu a trama de conspirações, fim do mundo, e "Eram os Deuses astronautas?".

    Por fim, peguei a maioria dos troféus, mas sem ninguém pra jogar online no momento a platina fica pra outra hora. Se alguém ainda quiser jogar online é só chamar.

    7
    • Micro picture
      jcelove · 10 months ago · 2 pontos

      Pegou a skin do raiden? É so terminar os treinos virtuais com qw tempo.

      1 reply
  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2021-12-03 22:53:56 -0200 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p><strong>Stealth Inc: A Clone in the Dark</strong
    Stealth Inc: A Clone in the Dark

    Platform: Playstation 3
    232 Players
    6 Check-ins

    Stealth Inc: A Clone in the Dark finalizado!

    Jogo indie de puzzle e stealth em plataforma 2D anteriormente conhecido como Stealth Bastard, talvez ainda merecesse esse antigo título.

    A história é a de uma aparente fuga de clones que produzidos e aprisionados num complexo industrial sombrio de uma empresa muito suspeita. O objetivo em cada fase é fazer o clone equipado com óculos de visão noturna alcançar a porta de saída no menor tempo possível e com o mínimo de mortes. 

    Pra isso é necessário liberar a passagem usando diversos terminais espalhados pelo mapa. Isso tudo usando a escuridão e tentando não ser visto ou ouvido por câmeras, robôs sentinelas, de patrulhas, e drones, enquanto escapa de armadilhas mortais de raios laser, prensas, e trituradores. Cada fase possui um item não obrigatório pra ser encontrado e coletado. 

    São 8 setores com 10 câmaras/fases cada, 8 normais com uma sentinela/chefe na 8ª, e mais 2 câmaras extras não obrigatórias a serem liberadas, uma por conseguir Ranking S e outra por coletar o item em todas as anteriores no setor, algo bastante difícil.

    As vidas são infinitas e o jogo possui checkpoint, mas mesmo assim dificuldade é bastante alta em algumas áreas, principalmente se tentar não ser visto e fazer tudo no menor tempo sem morrer nenhuma vez. Ao término de cada fase é possível jogá-la novamente com algum clone com equipamentos, como camuflagem, hologramas, aparelhos sonoros e etc. Mas isso aparentemente anula a pontuação e só serve pra adquirir com mais facilidade o item (helix) de cada fase.

    Em cada setor é apresentado um novo tipo de obstáculo, mas a curva de aprendizado é um tanto bagunçada, com fases intermediárias mais difíceis que as finais. Algumas fases são bem fluídas e divertidas, e outras são frustrantes, mesmo com vida infinita, exigindo uma precisão absurda nos controles e no tempo pra passar.

    As mortes são violentas, as músicas são batidas eletrônicas que dão sensação de urgência. O visual é até interessante, com cenários em 2D e iluminação e personagens em 3D, e essa é a principal diferença em relação ao antigo Stealth Bastard que era todo em 2D. Achei que valeu a experiência, principalmente pegando o jogo numa Plus sem custos extras.

    O final é hilário e surpreendente, com uma crítica ao capitalismo.

    O jogo possui DLCs com seus próprios conjuntos de fases e troféus, mas que não pretendo comprar por ora. Ainda pretendo jogar o segundo jogo em algum momento próximo.

    6
  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2021-11-24 04:28:38 -0200 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p>Que jogo maldito.</p><p>Tudo bem que dá pra igno
    Stealth Inc: A Clone in the Dark

    Platform: Playstation 3
    232 Players
    6 Check-ins

    Que jogo maldito.

    Tudo bem que dá pra ignorar as exigências de não morrer e de tempo mínimo e passar as fases na base de tentativa e erro com vida infinita. Acontece que algumas fases, mesmo com vida infinita, como a do chefe da  5-8, foram desenhadas por Satanás.

    11
    • Micro picture
      santz · about 1 year ago · 2 pontos

      Jogo desconhecido e difícil.

      1 reply
    • Micro picture
      hyuga · about 1 year ago · 2 pontos

      Joguei um pouco dele e me pareceu mais um jogo de puzzle do que de stealth o que me decepcionou um pouco

      1 reply
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · about 1 year ago · 2 pontos

      Se não me engano tentei jogar e...também não gostei...lol

  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2021-08-29 21:30:11 -0300 Thumb picture

    GÊMEOS INGLESES ASSASSINOS 👫

    Bora jogar (e caçar um tal de RUPERT FERRIS).

    Bonito hein! Só na "pegação" 🧐

    Tú acha bonito trabalho infantil? 😡

    A criançada só manjando o sofrimento de seus exploradores 😁

    A habilidade de fazer um inimigo de refém...

    Alguém me explica o que está rolando na carroça? 😁

    Eu purinho (é sair na rua que já coloco o boné) 😁🧢🧢

    O game representa "belamente" a Era Industrial em ascensão (em parênteses porque não há nada belo na poluição do planeta 😔)

    Tô tentando me esconder ...mas com essa vaca me olhando certamente serei detectado 😂🐄🐮

    Outra habilidade: "chegar por trás" (adoro 😎)

    Mais um game mundo aberto da incrível série ASSASSIN'S CREED, com melhorias de jogabilidade perante seu antecessor e novidades como dois personagens jogáveis com características e atributos distintos. Outro destaque refere-se ao gancho que auxilia no transporte pela bela cidade de Londres (bem ao estilo BATMAN 🦇). A diferença gráfica (para pior) é forte se comparado à bela França de UNITY. Mas a trama empolga mais e não deixa de ser um game divertido. As Guerras de Gangues e também os atributos de sua gangue são boas distrações in game. Vale a pena essa viagem, principalmente com a possibilidade de usar a carruagem para passear (ou devo dizer atropelar? 😁) pelas largas ruas da cidade 👍🏻

    Assassin's Creed Syndicate

    Platform: Playstation 4
    639 Players
    291 Check-ins

    21
  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2021-04-20 20:30:16 -0300 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p><strong>10º Platina!</strong></p><p><strong>Assa
    Assassin's Creed II

    Platform: Playstation 3
    9051 Players
    226 Check-ins

    10º Platina!

    Assassin's Creed II

    Dando sequência ao primeiro e injustamente massacrado Assassin's Creed, esse segundo jogo traz várias melhorias nos gráficos e no level design, e maior imersão ao mundo simulado histórico da renascença, mas ainda contém várias das repetições que afetam o primeiro título.

    A mudança de 'protagonista/coprotagonista do Altaïr assassino caladão, sério e reflexivo, pro Ezio cafajeste, escalador e brigão, é bem vinda pro ambiente mais urbano e agitado das ruas italianas cheias de personagens históricos pra interagir, dando mais vida e interesse na história, mas também tornando o avanço no jogo mais lento.

    A dificuldade parece que diminuiu, Ezio tem acesso a mais recursos pra enfrentar os inimigos, o que aumenta a gama de possibilidades pra realização tanto dos assassinatos furtivos quanto dos combates diretos, mas isso também tornou o jogo mais fácil e desregulado. O jogo ainda possui os vários coletáveis, como baús por todo lado, e ainda acrescenta uma vila pra ser aprimorada com os excessos de dinheiro acumulado, que logo vira uma quantidade quase infinita ainda na metade do jogo. E tem as malditas penas, que são coletadas de maneira semelhante às bandeiras do primeiro, mas são mais difíceis de manter a organização e não são marcadas no mapa.

    A versão que peguei na coletânea Ezio Trilogy acrescentou as DLCs  Battle of Forlì, e Bonfire of Vanites, que se passam entre o meio e o fim da campanha, e além de serem episódios históricos interessantes, ainda acrescentam os melhores e mais divertidos desafios do jogo todo, com batalhas mais difíceis e punitivas, e assassinatos precisos, que forçam o uso adequado dos recursos de maneira muito melhor do que foi feito no resto do jogo todo, e adicionam momentos mais tensos e urgentes na história, além de liberar a máquina voadora pra brincar de Batman livremente depois. É quase uma correção, e é muito bem vindo.

    O chefão é decepcionante, com duas lutas fáceis, uma com muitas vantagens começando de maneira empolgante, com Ezio usando recursos iguais ao de Al Mualim, mas sem um oponente a altura,  contrariando a apresentação prévia, e depois uma trocação de socos livre sem nenhum sentido. E então vem dois finais malucos na sequência, com ares do ambiente em que o O Código Da Vinci, Lost, Alienígenas do Passado ainda estavam na moda.

    Tirando a coleta de penas, é uma platina fácil e dá pra pegar tudo logo na primeira jogada.

    @platinadores

    20
    • Micro picture
      darleysantos676 · almost 2 years ago · 2 pontos

      Parabéns pela platina!

      (...)

      Mas esse negócio de platina fácil, sei não, se não fosse Youtube, redes sociais ou sites de games com compartilhamento de dicas, macetes e vídeos passo-a-passo, como era antigamente, seria bem mais difícil heheh! Hoje é muito fácil a gente ficar sem saber onde está um coletável ou como resolver um enigma, e aí só recorrer ao Youtube e plim, está feito! Pelo menos comigo é assim hahah!

      1 reply

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...