• 2021-03-09 11:57:33 -0300 Thumb picture

    Lançada a Tradução do Resident Evil - PC

    Baixe agora mesmo a tradução do Resident Evil para Português do Brasil.

    Versão: 1.00
    Idioma: Português-BR
    Versão Suportada: 1.01
    Idioma Suportado: Inglês
    Lançamento: 08/03/2021
    Tamanho: 32,42 MB

    Download: Tribo Gamer

    Resident Evil

    Platform: Playstation
    9032 Players
    85 Check-ins

    16
    • Micro picture
      thiagoreis · 2 months ago · 2 pontos

      Show !! Uma dúvida de um leigo nessas parada: Essas traduções Funcionam nas versoes de Steam ?

      4 replies
  • felipe_turesso Felipe Turesso
    2021-02-10 14:33:02 -0200 Thumb picture

    Resident Evil não é mais o mesmo?

    Medium 3851458 featured image

    Certamente a saga Resident Evil é muito polêmica. Qual a razão? Ora, observa-se que a saga se transformou ao longo dos vários jogos que foram lançados. Claramente a Capcom, empresa responsável pela criação e desenvolvimento dos jogos da saga, seguiu tendências ao longo dos anos. Isto se vislumbra tanto em Resident Evil: Gun Survivor com sua visão em primeira pessoa quanto no famoso Resident Evil 4 com sua visão em terceira pessoa e câmera focada no ombro do personagem. Jogabilidade esta que influenciou e continua sendo inspiração para muitos jogos.

    Estas mudanças acarretaram em frustração em alguns fãs da saga gerando divisões entre eles. Existem aqueles fãs que gostam dos jogos antigos, ou seja, aqueles games que são voltados para o gênero survival horror. Existem aqueles fãs que gostam e conheceram Resident Evil por meio do Resident Evil 4 em diante. Existem também aqueles fãs que gostam de todos os jogos e apreciam suas respectivas características. De qualquer forma, é uma base de fãs bastante dividida.

    Diante disto, argumenta-se que Resident Evil deixou de ser o que foi. Em outras palavras, a saga Resident Evil, mais precisamente após Resident Evil 4, abandonou elementos que faziam parte de sua identidade. Apesar disto, questiona-se se isto realmente ocorreu.

    Analisando os jogos da saga Resident Evil, é possível identificar dois critérios que os definem. O gênero do survival horror, podendo ser traduzido como “horror de sobrevivência”, e a existência de armas biológicas.

    O gênero de jogos survival horror se tornou efetivamente famoso devido o lançamento do primeiro Resident Evil em 1996, todavia já existiam jogos neste estilo, como o Sweet Home (1989) e Alone in the Dark (1991). Aliás, estes games influenciaram enormemente a criação de Resident Evil. De qualquer forma, este gênero de jogos eletrônicos consiste em o jogador estar em um local hostil, devendo enfrentar inimigos perigosos e possui poucos recursos para sobreviver, ou seja, o jogador está em grande desvantagem.

    Além disto, percebe-se que o jogador deve solucionar quebra-cabeças, administrar seus recursos, coletar itens e explorar o cenário. Há um medo psicológico em avançar no jogo, haja vista a vulnerabilidade do personagem, recursos limitados (armas, munição, remédios etc.), inimigos fortes e a ambientação escura e/ou assustadora/macabra.

    Claramente isto é visível nos jogos Resident Evil (1996), Resident Evil 2, Resident Evil 3: Nemesis, Resident Evil Code: Veronica, Resident Evil Zero e Resident Evil 7: Biohazard, dentre outros.

    Apesar disto, ressalta-se que este critério do gênero survival horror é ausente nos jogos Resident Evil 4, Resident Evil 5 e Resident Evil 6. Nestes games, o jogador enfrenta vários inimigos, às vezes hordas deles, possui várias armas e muitos recursos para utilizar. O jogador se sente muito mais seguro e poderoso ao confrontar os inimigos e chefes. Certamente são jogos mais voltados para a ação do que para o terror.

    Embora o game Resident Evil 4 tenha efetivamente introduzido estes elementos na saga, ele ainda possui algumas características do gênero survival horror, mesmo que sejam reduzidas quando comparados com os jogos anteriores. Cita-se exemplos como a solução de quebra-cabeças, administrar seus recursos com sabedoria e organizá-los no inventário do personagem, apesar de não serem tão escassos quanto nos jogos anteriores. Além disto, jogador está em um local hostil, existem inimigos perigosos, a ambientação é macabra e há um certo receio em prosseguir no jogo.

    Em relação ao Resident Evil 5 e Resident Evil 6, há um foco muito mais intenso na ação, momentos frenéticos e vários inimigos atacando os personagens. Há quem classifique estes jogos com o gênero action horror, podendo ser traduzido como “ação de horror”.

    Mesmo que se afirme que o critério do gênero survival horror possa ser descartado ante a existência dos jogos Resident Evil 4, Resident Evil 5 e Resident Evil 6, o segundo critério está presente em todos os jogos: armas biológicas.

    Desde o primeiro jogo da saga, as armas biológicas são os principais inimigos dos protagonistas. Ao longo dos jogos, o enredo da saga Resident Evil foi se aperfeiçoando e existem diversos documentos e explicações que demonstram o objetivo da Umbrella Corporation em criar armas biológicas das mais diversas.

    A Umbrella desenvolve incessantemente armas biológicas cada vez mais poderosas e inteligentes o suficiente para serem controladas, ou seja, para receberem ordens e que estas sejam cumpridas. Cita-se como exemplo os Hunters que são criados por meio de um óvulo humano fertilizado no qual é inserido o DNA de um réptil infectado com o T-Vírus. Esta criatura obedece a ordens simples e seu objetivo é eliminar as pessoas que são geneticamente imunes ao T-Vírus ou aquelas que foram infectadas e se transformaram em zumbis.

    Dito isto, em todos os jogos o protagonista deve enfrentar armas biológicas e sobreviver. Obviamente que estas criaturas vão ficando cada vez mais aprimoradas ao longo dos jogos, vide o Nemesis no Resident Evil 3. Até então, esta criatura era a arma biológica mais versátil já criada pela Umbrella. Nemesis é capaz de cumprir ordens com mais precisão e realizar decisões sozinho para concluir seu objetivo que, no caso do referido jogo, era eliminar os membros dos S.T.A.R.S. que sobreviveram ao incidente na Mansão Spencer. Além disto, ele é capaz de usar uma bazuca. Evidencia-se a grande evolução do Nemesis quando comparado com o Tyrant, último chefe de Resident Evil (1996) e Remake e, até então, a arma suprema da Umbrella.

    A existência de zumbis não deve ser encarada como algo primordial para os jogos da saga Resident Evil, afinal estas criaturas são uma espécie de arma biológica. Não são criaturas que podem ser controladas, assim como os Hunters, mas possuem sua utilidade para os propósitos da Umbrella.

    De qualquer maneira, vislumbra-se que o fato das pessoas que se transformaram em zumbis na Mansão Spencer e em Raccoon City é uma consequência do vazamento acidental do T-Vírus e não o foco dos jogos em si. Claramente os zumbis são os inimigos mais comuns, porém, diante deste raciocínio lógico do aprimoramento das armas biológicas, sua presença não é obrigatória.

    Com a inevitável falência da Umbrella a partir do Resident Evil 4, outras pessoas e empresas tiveram acesso aos vírus e, consequentemente, dão gênese a outros vírus e armas biológicas mais poderosas. Em suma, armas biológicas estão e sempre estarão presentes nos jogos da saga, afinal este é seu foco desde os seus primórdios.

    Este segundo critério se observa em todos os jogos da saga. Estão equivocados aqueles que afirmam que Resident Evil 7, por exemplo, não possui características de Resident Evil, ou seja, que ele é uma cópia do jogo Outlast e não possui relação alguma com a saga. Este argumento não merece prosperar, pois Resident Evil 7 aborda uma pessoa qualquer sendo exposta a um incidente envolvendo uma arma biológica criada por uma empresa, assim como ocorreu com Leon e Claire em Resident Evil 2, por exemplo.

    Sendo assim, este critério das armas biológicas não pode ser descartado. Ele está presente em todos os jogos da saga Resident Evil. As razões para a existência dos inimigos que são enfrentados nos diversos games desta incrível franquia advém de uma ficção científica, ou seja, empresas que elaboram vírus e outros organismos capazes de criarem armas biológicas. Em todos os jogos, os personagens devem enfrentar estas criaturas, portanto, estas armas biológicas para sobreviverem.

    Mesmo que se desconsidere o critério do gênero survival horror, no qual claramente a Capcom percebeu sua importância ao elaborar o Resident Evil 7, o critério das armas biológicas não pode ser descartado, afinal este demonstra a essência da saga Resident Evil.

    Dito tudo isto, conclui-se que estes dois critérios são básicos nos jogos da saga Resident Evil. O argumento de que “isto não é Resident Evil” é pífio perante as explicações aqui realizadas. Desde que os jogos da saga permaneçam abordando a sobrevivência do personagem perante armas biológicas continuarão a serem Resident Evil.

    Isto não significa dizer que os jogos Resident Evil 4, Resident Evil 5 e Resident Evil 6 devem ser ignorados, afinal são tendências que a Capcom quis adotar e são ótimos games que devem ser apreciados mesmo com a ausência do estilo horror de sobrevivência.

    Apesar disto, entende-se que o gênero survival horror é de suma importância, não à toa que isto retornou com os últimos jogos lançados, todavia sua ausência não faz o jogo deixar de ser Resident Evil. Isto se dá, pois o critério das armas biológicas é essencial, embora se entenda que o critério do survival horror também o é.

    O jogo ser do gênero survival horror ou action horror não exclui o critério das armas biológicas. Ora, Resident Evil 5 é um jogo de ação de horror no qual os protagonistas enfrentam armas biológicas desenvolvidas por uma empresa e precisam sobreviver. A sobrevivência do personagem perante as armas biológicas pode ser nos termos do survival horror ou do action horror, mas se entende que é preferível o gênero survival horror.

    Por fim, a câmera em primeira pessoa do Resident Evil 7 deve ser encarada como uma nova tendência que a Capcom desejou adotar e isto não é demérito para o game. Trata-se de um excelente jogo que possui diversas características dos jogos da saga, além dos critérios debatidos exaustivamente neste artigo.

    Resident Evil 4

    Platform: Playstation 2
    18734 Players
    129 Check-ins

    33
    • Micro picture
      mastershadow · 3 months ago · 5 pontos

      Resident Evil Survivor Horror é até o Code Veronica.

      Depois disso pra min é palhaçada desnecessária,pronto falei haha.

      4 replies
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 3 months ago · 3 pontos

      Exatamente:
      ✓ Embora o game Resident Evil 4 tenha efetivamente introduzido estes elementos na saga, ele ainda possui algumas características do gênero survival horror,
      ✓ Sendo assim, este critério das armas biológicas não pode ser descartado. Ele está presente em todos os jogos da saga Resident Evil.

      Minha opinião:
      ✓sou fã de RE e curto todos menos RE 5 e RE6. Dá pra se divertir como jogos de ação, mas é insuportável e insustentável como universo de RE.

      ✓ Amo RE VII, RE em 1st person.

      Meus favoritos:
      ✓ RE1 e REMAKE
      ✓ RE2 e REMAKE
      ✓ RE VERONICA
      ✓ RE 4
      ✓ RE 7

      1 reply
    • Micro picture
      kess · 3 months ago · 2 pontos

      Devia ter fechado com o argumento que o nome, no original japonês, é Biohazard, ou seja, perigo biológico. O que sustenta, no título, o segundo critério apresentado. Elemento esse que até a própria Capcom brinca, ao entitular o sétimo jogo como Resident Evil: Biohazard no Ocidente e Biohazard: Resident Evil no Oriente.

  • 2021-02-10 14:16:53 -0200 Thumb picture
    Post by clubeludum: <p>Neste ano de 2021, a saga Resident Evil completa

    Neste ano de 2021, a saga Resident Evil completa 25 anos e evidentemente muitas coisas mudaram com o passar dos anos. Dito isto, é possível dizer que Resident Evil não é mais o mesmo? Vamos explanar um pouco sobre isto. Certamente é um tema que gera bastante debate.

    Resident Evil 4

    Platform: Playstation 2
    18734 Players
    129 Check-ins

    13
    • Micro picture
      felipe_turesso · 3 months ago · 2 pontos

      @jcelove Este é o vídeo que mencionei há alguns dias :D

      1 reply
    • Micro picture
      jcelove · 3 months ago · 2 pontos

      Tava tentando comentar no YT mas meu chrome ta dando erro de falta de memoria...só com uma aba aberta, ta feia a coisa no pc lixo aqui U_U.

      Mas curti muito a reflexão, em especial o Rocky dizendo "você deixou de ser você".hehe

      Falando sério é bem o que eu penso também, A capcom experimenta tendências na série desde o PS1 tentando deixa-la sempre relevante porque eventualmente sem mudar se perde o interesse, mas após a cisão da fanbase com as mudanças do RE 4 a coisa ficou dramática porque muita gente só conheceu a série com ele e pra esses dificilmente o molde clássico de Survivor horro que a fanbase antiga (eu incluso) tanto ama vai agradar.

      Inclusive um dos motivos de RE 4 ter mudado tanto em seu desenvolvimento e ter um foco bem maior na ação, dentre outros motivos foi o baixo resultado de vendas do (fantástico) remake de RE 1 e o RE 0 no Game Cube. A turma do Mikami entendeu que o publico não tinha mais interesse na fórmula e mudou antes que acontecesse o que aconteceu com a série classica de Tomb Raider que a Core design repetiu até falir.

      O RE 7 por sua vez, veio depois do desgaste (apesar do sucesso absoluto comercialmente falando) do RE 6 e mudou pra primeira pessoa cinematico com jump scare na onda do hype pelo PT (que foi uma jogada d eoportunidade precisa da capcom em aproveitar o vacilo da Konami) e jogos como Amnesia e Outlast. É bem provavel que mude novamente já no RE 9.hehe

      Muita gente realmente associa a série a zumbis sem entender que o tema principal é luta contra armas biologicas e os zumbis (e suas várias formas como os ganados de RE 4 e os ooze de RE Revelations) são apenas um dos tipos de BOW que a série explora.
      Mas o pessoal mais antigo implica mesmo é com o conjunto cenarios pre render (que não fazem sentido hj em dia já que da pra fazer visuais melhores sem tempo real)+movimento tanque+gestão de iteminventário+puzzles+câmera fixa. Se não tiver tudo isso "não é resident evil". Ai complica pq o grand epublico acha tudo isso boring e injogavel hj.hehe

      1 reply
  • _gustavo Luis Gustavo Da Luz
    2020-05-06 00:32:22 -0300 Thumb picture

    Resident Evil Remix, um fan game incrível feito em cima de RE4

    O Canal Residence of Evil publicou um video de gameplay de 30 minutos de Resident Evil Remix, o game é um fan made que usa Resident Evil 4 como base e trás uma reimaginação da iconica mansão Spencer do primeiro jogo.

    Esse não é o primeiro (e não será o ultimo) fan game de Resident Evil, em 2015 o estudio indie Italiano InvaderGames estava trabalhando num ambicioso projeto de trazer Resident Evil 2 para a Unreal Engine 4, entretanto a Capcom vetou o projeto, mas o game foi lançado com o nome alternativo de Daymare 1998 para PS4, PC e XBOX One.

    No caso de Resident Evil Remix, o game não está disponível ao publico ainda, mas os desenvolvedores pretendem disponibilizar o mod quando o mesmo for concluído

    Resident Evil 4

    Platform: PC
    4391 Players
    56 Check-ins

    36
    • Micro picture
      gennosuke6 · about 1 year ago · 2 pontos

      Não é por nada não, mas eu acho esses projetos dos fãs bem mais interessantes que os recentes da própria Capcom. XD

    • Micro picture
      miguelpardal_art · about 1 year ago · 1 ponto

      esse ai seria o primeiro jogo ?

      2 replies
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · about 1 year ago · 1 ponto

      Muito massa ❤️

  • usoppbr João Carlos
    2019-05-22 15:27:42 -0300 Thumb picture

    Vendo/Troco

    Todos os jogos são originais, completos na caixa com manual e flyers. Todos os valores são negociáveis! Se quiserem mais fotos é só pedir que eu envio. @trocavenda

    Consoles que eu tenho e procuro jogos pra possíveis trocas: Xbox, Xbox 360, Xbox One, 3DO, PS1 e PS2.
    Preços abaixo:

    RE Remake (GCN) R$100,00

    Resident Evil 3: Nemesis (GCN) R$250,00

    Resident Evil Code: Veronica X (GCN) R$300,00

    Resident Evil 4 (GCN) R$100,00

    Resident Evil 4: Wii Edition (Wii) R$60,00

    Need for Speed (Xbox One) R$40,00

    Resident Evil 3: Nemesis

    Platform: Gamecube
    388 Players
    12 Check-ins

    21
    • Micro picture
      lanzitto · almost 2 years ago · 1 ponto

      Compartilhando...

  • cyberwoo Diogo Batista
    2019-03-08 16:35:45 -0300 Thumb picture

    RESIDENT EVIL 2 REMAKE | UMA VERDADEIRA AULA DE COMO ...

    Está no ar meu artigo sobre Resident Evil 2 Remake, e mais uma vez só tenho a agradecer a Capcom Brasil pela oportunidade.

    Agradeço a todos que puderem compartilhar o artigo, para fortalecer: https://www.arquivosdowoo.com.br/2019/03/resident-...

    Curtam nossa página no Facebook: Arquivos do Woo

    Resident Evil 2 Remake

    Platform: Xbox One
    112 Players
    33 Check-ins

    1
  • 2018-03-14 09:36:15 -0300 Thumb picture

    Os jogos cancelados de Resident Evil

    Medium 3610244 featured image

    Resident Evil é uma série consagrada, querida por milhares de gamers e, desde 1996, segue tendo lançamentos que, mesmo vivendo altos e baixos, e expandindo seu universo para além de Raccoon City, mantém sua base de fãs firme e fiel. Porém, para uma série deste tamanho, vários games acabaram sendo projetados, mas, por várias razões acabaram sendo cancelados.

    Vamos conhecer quais são estes games cancelados, que praticamente poderiam se transformar em uma série, de tantos games que foram apresentados, mas não entregues. Seja para a geração 32-bit, para portáteis, ou mesmo jogos que acabaram se transformando em outras franquias, Resident Evil tem uma lista considerável de games que nunca existiram.

    Resident Evil: Dash – Saturn (1996)

    Todos nós sabemos que Resident Evil ganhou uma versão para o Saturn com muitas exclusividades, como documentos exclusivos, um segundo Tyrant, Wesker zumbi em um modo batalha e cenas sem censura, porém o 32-bit da Sega contaria com um game exclusivo da série para chamar de seu. Resident Evil Dash foi mencionado por Yoshiki Okamoto, da Capcom, na revista Genki Playstation, no final de 1996.

    Na entrevista, o produtor chegou a explicar um pouco do enredo, que se passaria três anos após o primeiro Resident Evil, e teria como "inimigos" as plantas, que foram infectadas e também se transformaram em ameaças para a população de Raccoon City. Com a descoberta de uma nova sala, secreta, sob o laboratório de Tyrant, dois novos protagonistas voltariam à Mansão Spencer, que ofereceria novas salas e se apresentaria danificada graças aos eventos do game original, e funcionaria de maneira semelhante a Resident Evil 3, que reaproveita alguns elementos de seu antecessor.

    A Mansão Spencer seria o cenário em RE: Dash, porém destruída após os eventos do game original.

    Porém, Resident Evil 2 já estava em desenvolvimento, e tal jogo foi cancelado para não atrasar o gameque seria prioridade. Deste projeto, as plantas de fato foram um incômodo na cidade em RE2, e também apareceram com o seu veneno em RE Outbreak File #2.

    Resident Evil 1.5 (Playstation) – 1997

    Com o sucesso do primeiro Resident Evil, a Capcom partiu para o desenvolvimento do segundo game, e, em um primeiro momento, ele seria bem diferente da versão que conhecemos. Conhecido como Resident Evil 1.5, o game já apresentava alguns elementos da versão final, mas contavam com diferenças importantes, que fariam a diferença caso fosse a versão definitiva.

    A principal delas, talvez seria um tiro no pé. Junto com Leon S. Kennedy, que já era um dos protagonistas, a inédita Elza Walker, seria uma motociclista que também chegaria na Raccoon City condenada. Além da personagem, que mais tarde foi adaptada e definida como Claire Redfield, a irmã de Chris que vai até a cidade em sua procura, o policial não começaria a história nas ruas da cidade, e sim já na delegacia, e os zumbis seriam bem diferentes. Mas, apesar do seu estágio de desenvolvimento bem avançado, acabou sendo cancelado e o game foi direcionado para a versão que foi lançada em 1998, com Leon, Claire, Ada e os demais personagens.

    Um grupo de fãs se reuniu para tornar jogável o projeto, cancelado em 70% de seu desenvolvimento, e é possível encontrar a ISO em sites de emulação.

    Resident Evil 2 (Saturn) – 2000

    Resident Evil 2 estava em desenvolvimento para o Playstation, e a Capcom também queria levá-lo ao Saturn, assim como aconteceu com o jogo original. Porém, em 2000, Shinji Mikami, o produtor da série, divulgou pessoalmente um pedido de desculpas pelo cancelamento do game, alegando que o console não teria a mesma qualidade no sistema da Sony, mas garantiu que o time de desenvolvimento estaria focado em um game para Dreamcast, o Code: Veronica, e o segundo RE acabou sendo portado para o videogame da Sega posteriormente.

    Foi cancelado em data próxima a Final Fight Revenge, o último game da Capcom para o problemático 32-bit da Sega, que reinou soberano apenas como console para jogos de luta.

    Resident Evil (Game Boy Color) – 2000

    Com o anúncio do Game Boy Color, que além de colocar cores no portátil da Nintendo, também ofereceria um hardware melhor, a Capcom tentou levar o seu Resident Evil original para o console. O problema é que, enquanto outras produtoras transformavam suas franquias em games de plataforma ou simplificavam-os para serem funcionais no portátil, a Capcom tentou encaixar o jogo de Playstation na telinha recém-colorida.

    O resultado foi um game complicado, pesado e, embora caprichado, por explorar os limites do console, o game, feito pela HotGen, acabou cancelado, uma vez que a Capcom assumiu que não seria uma boa ideia colocá-lo nas plataformas. Mais tarde, Resident Evil Gaiden chegou, fez feio, e a Capcom conseguiu, enfim, lançar Resident Evil em um portátil da Nintendo com a versão para o DS, que usava razoavelmente bem a tela de toques do portátil.

    Onimusha (Playstation 2) – 1997

    A Capcom sempre se demonstrou bem experimental com sua série de zumbis, e prova disso era a tentativa de um spin-off da história principal, levando os zumbis para o Japão feudal, o que seria bem interessante, pois a cronologia de RE vai muito além dos eventos de seus games, e seria interessante ver "como tudo começou" em um Resident Evil Alpha. O cenário seria um castelo com armadilhas e demônios, com as espadas sendo a arma da vez.

    O game em si não foi cancelado, mas não recebeu o nome Resident Evil na capa. Em seu lugar, nasceu Onimusha, série que renderia quatro jogos e que seria um dos grandes nomes na geração 128-bit.

    Resident Evil 3 com HUNK protagonista (Playstation) – 1998

    Durante o desenvolvimento do que hoje conhecemos por Resident Evil 3, a Capcom trabalhava com vários profissionais em vários times a favor da franquia. Junto com a aventura de Jill em Raccoon City, também estavam em desenvolvimento RE: Zero e Code: Veronica, todos estes games passíveis de adaptações de acordo com o andar da carruagem da indústria de games, já que as antenas estavam ligadas na chegada do Dreamcast, e no anúncio do Playstation 2.

    Uma ideia que estava em consideração para ser o terceiro game oficial da série apresentava como protagonista o mercenário HUNK, que, em um cruzeiro de luxo, buscava levar em segurança uma amostra do G-Virus, do game anterior. Porém, seu desenvolvimento iria entrar em conflito com os consoles que estariam para chegar e os outros games, e a Capcom acabou decidindo colocar o 3 na história de Jill, assumindo um projeto que estava em pauta, mas como um game menor, que apresentaria a fuga dos habitantes sobreviventes de Raccoon City, em ideia que foi melhor trabalhada nos jogos Outbreak.

    Com a versão com HUNK descartada, a definitiva extinção de Raccoon City, os eventos acontecendo de maneira paralela a RE 2, e uma personagem forte como Jill Valentine foram as apostas da Capcom para apresentar um game de maneira rápida e com qualidade para os jogadores, uma vez que os outros games chegariam apenas um, ou dois anos depois.

    Devil May Cry (Playstation 2) – 1999

    Assim como Onimusha, Dante e sua história nasceu através de Resident Evil, que, em princípio, seria um RE 4 bem diferente da aventura que todos conhecemos. Nesta versão, o grande problema seria o vírus Fog, codinome do projeto, que se espalharia pela neblina e atingiria as pessoas, transformando-as adivinha em quê? Sim, em zumbis.

    Leon já era o protagonista desejado para o game, mas, em uma decisão que sabiamente foi descartada, o protagonista ganharia poderes ao ser afetado pelo vírus. Só este Super-Leon, já faria com que o game fugisse mais da proposta da série do que já estavam fugindo naquela oportunidade, então o projeto acabou por ser rejeitado, mas com o seu potencial observado. Com isso, Leon se "transformou" em Dante e o resto da história você já sabe.

    Resident Evil Zero (Nintendo 64) – 2000

    Este game acabou sendo lançado, mas não em sua plataforma original. Com o milagre que foi Resident Evil 2 para o Nintendo 64, que acabou encaixando todo o conteúdo de dois CDs, com CGs e tudo, dentro de um cartucho, a Capcom se animou e partiu para desenvolver Resident Evil 0, com Rebecca Chambers como protagonista, em uma trama que ocorria antes dos eventos na Mansão Spencer. Como o cartucho não tinha problemas com loadings, uma das novidades do game era a troca rápida entre os protagonistas.

    Porém, a Nintendo anunciou o seu Dolphin, que viria a ser o GameCube, e a Capcom decidiu então migrar todo o seu projeto, que já contava com imagens para revistas e até um vídeo com gameplay no trem pronto, para o novo console da Nintendo, por permitir maior exploração do mesmo. O resultado foi um game bastante competente, que ganhou posteriormente uma versão para o Wii, além de ganhar remaster em HD anos mais tarde.

    Resident Evil 4 Hook (GameCube) – 2001

    Voltando a Resident Evil 4, assim como aconteceu com o segundo game da franquia, algumas versões estavam em desenvolvimento, sendo descartadas em favor de uma nova, com adaptações e novidades. Além da versão que originou Devil May Cry, uma versão mais avançada, também com Leon de protagonista estava em desenvolvimento, com uma "pressão" extra: um fantasma que carregava um gancho e perseguia o agora agente especial.

    Aqui o game ainda lembrava mais os jogos clássicos do que as novidades que seriam implementadas no game de 2005, como os corredores apertados e as câmeras fixas, mas o problema era o fantasma. Mesmo com uma explicação científica para justificar sua presença, o elemento, que funcionava bem em Fatal Frame, não foi bem aceito em Resident Evil, que acabou sendo cancelada para abrir espaço para o RE 4 que todos conhecemos.

    Resident Evil 2 (Game Boy Advance) – 2003

    Este game não foi necessariamente cancelado, mas sim, rejeitado. Em 2003, a Raylight Studios descobriu uma nova forma de renderizar gráficos em 3D para o Game Boy Advance, e para conseguir chamar atenção dos estúdios, a empresa decidiu por ela própria investir em conversões de games famosos e assim, tentar levá-los ao portátil, já famoso por adaptar diversos games de Super Nintendo.

    Resident Evil 2 foi um dos jogos escolhidos, e apresentado para a Capcom, que disse não para a proposta. Mas um vídeo da demo vazou, e uma ROM desta demo ficou disponível, e é funcional para qualquer emulador do GBA.

    Resident Evil Portable (PSP) – 2009

    Durante a era de ouro do PSP, e a chegada de franquias importantes, como Grand Theft Auto e Metal Gear Solid, a Capcom chegou a anunciar na E3 2009 o Resident Evil Portable, que teria inclusive a participação dos fãs para escolher o protagonista, em votação. Mas esta foi a primeira e a última vez que tal game foi divulgado.

    Totalmente ignorado, o jogo não recebeu nem uma nota oficial de cancelamento, mas há quem diga que algumas de suas ideias foram reaproveitadas posteriormente para o Resident Evil Revelations. Só que tal informação nunca foi confirmada, nem desmentida.

    Resident Evil 7 da Creative Assembly (PS4 / Xbox One / PC) – 2015

    E até o Resident Evil 7 já foi imaginado de maneira diferente da oficial. Mas, assim como o port de RE 2 para o Game Boy Advance, a iniciativa não partiu da Capcom, e sim da Creative Assembly, que mostrou saber fazer jogos de terror com o ótimo Alien: Isolation. Buscando assumir o sétimo jogo da série, o estúdio procurou conversar com a Capcom para obter este direito, mas tiveram um não como resposta.

    Tempos depois, um artista da Creative Assembly de nome Brad Wright mostrou algumas artes de seu portfólio, e entre eles, alguns desenhos de sua versão de RE 7, que apresentava uma dupla em posição de ação, e uma garota infectada. O que eles significariam para a trama, talvez só iremos saber no futuro.

    Fonte: Tribo Gamer

    Resident Evil 7 biohazard

    Platform: PC
    397 Players
    143 Check-ins

    31
    • Micro picture
      cacotives · about 3 years ago · 1 ponto

      ótimo post pessoal da tribo.

    • Micro picture
      luan_toigo · about 3 years ago · 1 ponto

      uma pena que o onimusha 4 (dawn of dreams) é um dos mais fracos da série

    • Micro picture
      kess · over 2 years ago · 1 ponto

      Eu conhecia a pretensão do RE Dash, mas essa é a primeira vez que eu vejo imagens relacionadas à ele. Muito obrigado por isso.

  • douggycandido 'Douggy' Candido
    2017-10-07 20:06:32 -0300 Thumb picture

    "As definições de jogos a finalizar estão atualizados !"

    Agora com o Uncharted : Lost Legacy e Resident Evil Revelations foram finalizados (falta somente o Battlefield Hardline na lista) os proximos jogos a serem finalizados serão:

    Middle-Earth : Shadow of Mordor : Já que em breve irá sair o próximo jogo do Shadow of Mordor, nada melhor do que já estar por dentro da história. 

    O Resident Evil Revelations 2 não será diferente, pois o primeiro game que recentemente finalizei, seria bom já pegar o embalo da história também.

    Middle-earth: Shadow of Mordor

    Platform: Playstation 4
    2091 Players
    366 Check-ins

    14
    • Micro picture
      cristianoolopes · over 3 years ago · 1 ponto

      Resident Evil Revelations 2 não chega a seguir diretamente a história do primeiro. Enquanto o primeiro se passa cronologicamente entre o Resident Evil 4 e 5, o Rev.2 se passa entre o 5 e o 6. Mas é uma história bem a parte mesmo.
      Eu particularmente curti bastante esse jogo

      1 reply
  • 2017-08-29 16:54:25 -0300 Thumb picture

    RESIDENT EVIL: REVELATIONS

    ...RE.NET OFERECE ARMAS EXCLUSIVAS PARA O MODO DE RAIDE; DETALHES E VEJA O TRAILER DE LANÇAMENTO


    O RE.Net, sistema que o jogador de Resident Evil pode usar para ter acesso a itens exclusivos e visualizar suas estatísticas nos jogos da série que são compatíveis, está oferecendo armas para o modo de Raide de Resident Evil: Revelations.

    Para recebê-las, basta se cadastrar no sistema (caso ainda não tenha feito isso), inserir os códigos que o site oferece na opção dentro do jogo e depois, por fim, transferir para o seu game.

    Clique aqui para conferir os códigos e mais detalhes.

    ======================================

    FONTE: SITE OFICIAL | PSXBRASIL

    ======================================

    Resident Evil: Revelations

    Platform: Playstation 4
    83 Players
    8 Check-ins

    8
  • 2017-07-12 19:18:14 -0300 Thumb picture

    RESIDENT EVIL: REVELATIONS

    ...JOGO SERÁ LANÇADO NO DIA 31 DE AGOSTO PARA O PS4 NA AMÉRICA DO NORTE

    A Capcom anunciou que as versões de PS4 e de Xbox One de Resident Evil: Revelations serão lançadas no dia 31 de agosto por 19,99 dólares.

    O conteúdo do jogo será basicamente o mesmo e inclui todos os DLCs lançados para o Raid Mode.

    =========================

    FONTE: GEMATSU I PSXBRASIL

    =========================

    Resident Evil: Revelations

    Platform: Playstation 4
    83 Players
    8 Check-ins

    10

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...