• renegadoomgames RenegaDoom Games
    2021-09-22 10:57:55 -0300 Thumb picture

    Destroy All Humans! Remake - Demo - PS4

    Destroy All Humans! é um jogo de ação e aventura de mundo aberto desenvolvido pela Black Forest Games e publicado pela THQ Nordic . É a quinta edição do Destroy All Humans! na franquia, e um remake do jogo original de 2005 . Este remake é o primeiro desde Path of the Furon (2008). #DestroyAllHumans#THQNordic#PS4

    Destroy All Humans!

    Platform: Playstation 4
    35 Players
    4 Check-ins

    2
  • sociedadenerd Sociedade Nerd
    2021-09-18 11:08:14 -0300 Thumb picture

    Ainda vale a pena comprar um PS4 ?

    Com o lançamento do Playstation 5, muitos começaram a se questionar se comprar o PlayStation 4 no final de uma geração ainda vale a pena. Se você também tem essa dúvida, neste vídeo vou citar os principais pontos positivos do console e que podem fazer diferença na hora da escolha da sua compra.

    God of War

    Platform: Playstation 4
    1566 Players
    546 Check-ins

    0
  • renegadoomgames RenegaDoom Games
    2021-09-15 10:27:17 -0300 Thumb picture

    Lost Judgement - Trial Version - PS4

    Lost Judgment é um jogo de ação e aventura desenvolvido pela Ryu Ga Gotoku Studio e publicado pela Sega, com lançamento mundial planejado para 24 de setembro de 2021 para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One e Xbox Series X e Series S. Uma sequência do jogo Judgment (um spin-off da série Yakuza), ele foca no detetive particular Takayuki Yagami enquanto ele investiga um criminoso investigado de assédio sexual e assassinato. #LostJudgement#Sega#PS4

    Broadcasted live on Twitch -- Watch live at https://www.twitch.tv/renegadoomgames

    Judgement

    Platform: Playstation 4
    7 Players

    0
  • anduzerandu Anderson Alves
    2021-09-14 09:59:16 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Final Fantasy VII Remake

    Zerado dia 13/09/21

    Há poucas semanas atrás rolou um bug na PS Store que permitia que os assinantes da Plus pegassem Resident Evil 7 de graça e eu, que sempre fui louco pelo jogo (que nunca barateia), fiquei mais louco ainda por tirar proveito da situação. Mas havia um outro problema: eu não assino a Plus. Fora que tenho que evitar gastar um pouco já que as faturas do meu Cartão de Crédito tem vindo altas demais nos últimos meses.

    No dia seguinte, fui aos posts sobre o bug e amigos perguntar se alguém não tinha um daqueles vouchers de 7 dias da PS Plus só para eu resgatar o jogo, mas sem sucesso (pensando bem, vacilei de não tentar no Alvanista). Mas a força de vontade era tanta que recebi um código de desconto do Paypal no valor de 35 reais, que usei no site da Nuuvem para pegar um cartão de 60, que acabou saindo por apenas 25.

    Corri, assinei a Plus e...me lasquei. O bus foi consertado e nenhum site avisou (verifiquei antes). Ou seja, assinei a bendita de graça. Resolvi fazer a assinatura vingar e jogar algo dela e depois de olhar a lista de títulos que resgatei, o escolhido foi Final Fantasy VII Remake (assinei o serviço há uns meses só para deixá-lo na conta).

    Bom, eu curto bastante a franquia (apesar de achar que existem muitos RPGs melhores) e lá para 2012 ou 2013 eu resolvi jogar todos os jogos desde o primeirão (já havia jogado o III e IV no DS em 2010). Peguei então as versões de GBA (e adorei) desses primeiros jogos. Depois fui pro V, VI etc.

    A qualidade da coisa toda é bem aleatória. Enquanto uns títulos são muito caprichados, outros parecem desleixados e chatos, como se criassem qualquer coisa com o nome só para render um dinheirinho, talvez sem a grande mente por trás da franquia envolvida. Não sei.

    Lembro que eu adorei FF VI a ponto de ele se tornar um dos meus RPGs favoritos, mas o medo de continuar a série com os jogos do PS1 era real. Polígonos e outras coisas que poderiam ter envelhecido mal. E assim fiquei por bastante tempo até iniciar o VII no Vita.

    Uma coisa que sempre tinha em mente é que esse era um dos jogos favoritos de um amigo que nunca errou nas recomendações na plataforma até então pouco explorada por mim. Um grande exemplo disso foi seu gosto por Metal Gear Solid, outro jogo que agora considero sensacional.

    Jogando FF VII, finalmente, foi amor à primeira vista! Os visuais não são feios, apenas diferentes do que já estávamos acostumados (infelizmente) do filme Advent Children, mas o enredo era muito bacana, as batalhas muito divertidas, a exploração e a temática. Que jogo envolvente!

    Na verdade eu já estava preparado para não gostar dele pois não curto muito personagens muito "edgy" e acabei adicionando VII aos meus prediletos, junto com o IV e VI. Só tinha achado ele um pouco fácil demais, mas talvez estivesse acostumado à série jogando um por ano.

    E imagine a decepção que foi quando joguei o VIII e o achei fraquíssimo (sei que alguns gostam). Mas é aquilo, a série é cheia de altos e baixos.

    Sempre recomendei aos amigos jogar o VII, até porquê ele ganhou remaster em todo lugar e é um jogo muito amigável, mas a cultura ao redor de Cloud e Sephiroth parece ser tão grande e conhecida que ninguém via necessidade de jogar. Todos sentiam que já conheciam o bastante e com o anúncio do Remake todo mundo resolveu esperar a "versão atualizada".

    Saiu uma demo ou coisa do tipo mas eu preferi esperar a coisa completa enquanto me segurava para não assistir meus youtubers prediletos a jogarem. Saíram mil e um spoilers pela internet (e mais ainda com o jogo completo) e o lance de que o jogo sairia em partes me desanimou um pouco. Depois ainda anunciaram uma versão mais completa, Intergrade, apenas para o PS5 que me fez pensar se ainda compensava jogar no PS4.

    Joguei um pouco do capítulo 2 recentemente na casa de um primo que já estava desanimado com o jogo. Até eu fiquei (talvez pelas coisas que ele me disse), mas também peguei o jogo bem fora de contexto e tentando entender os controles e jogabilidade.

    Bom, agora que tive que arranjar uma desculpa para usar a Plus, comecei a campanha!

    De início é tudo muito bonito (e o jogo é mesmo fenomenalmente bonito, daqueles que te fazem perguntar como jogos podem melhorar ainda mais). Nas primeiras cenas é tudo diferente demais do original, mas logo as cosias entraram nos trilhos e eu me senti no mundo de FF VII.

    Logo me foi apresentado o sistema de combate, que é mais voltado para a ação. Aqui funciona assim: você bate, bate, bate nos inimigos e com isso enche umas barrinhas. Com cada barrinha cheia você pode executar uma ação, como usar habilidades ou itens (o tempo quase para enquanto você seleciona). Para quem jogou Crisis Core ou Type-0, é mais esse tipo de jogo mesmo.

    Apertando triângulo você ainda aciona uma habilidade especial. O Cloud, por exemplo, entra num modo de ataque diferente, muito mais rápido, mas anda muito mais lento enquanto o Barret atira um ataque com o canhão forte.

    Então é bem isso. Você trava a mira nos inimigos e fica batendo até encher as barras, usa habilidades que dão bastante dano e foca na ação. Há um botão de esquiva que achei inútil 80% das vezes, embora tenha usado durante toda a experiência com alguma esperança e um comando de defesa que reduz o dano recebido.

    Não a opções de mudar o combate para turnos ou coisa do tipo, infelizmente.

    O primeiro boss foi um espelho do que aconteceria durante todo o jogo para mim: difícil e muito confuso.

    Um dos problemas mais corriqueiros do jogo para mim foi o fato dos inimigo serem verdadeiras buchas de dano. Você bate, bate, bate e muito pouco HP vai embora. Logo percebi que teria que explorar as suas fraquezas para me dar bem e causar stagger nos oponentes, deixando-os paralisados e recebendo muito mais dano. Funciona em tese e os chefes ainda era muito demorados. Batalhas contra muitos inimigos muitas vezes resultavam em Game Over em segundos.

    Uma coisa que eu odiei foi o lance das barrinhas. Primeiro que toda a HUD é muito estranha e cheia de barrinhas. Por exemplo: há uma barra de HP bem fina com número em cima. Você prefere tentar enxergar a barra ou calcular a diferença entre o seu HP e a morte? Daí a coisa se complica com as barras de ação logo abaixo, grandes e brilhantes (em azul na imagem acima). EU olhava para essas barras e achava que era meu HP! O mesmo se repete com as barrinhas de mana e Limit, à direita.

    Há ainda barras de HP dos inimigos, barra de stagger deles, barra de invocação (summon). Habilidades que precisam de um número específico de barras para serem usadas. É muita administração de barrinhas, e ainda há todo o resto do jogo para se preocupar!

    Agora o que eu menos gostei foi o fato de que você precisa de barras para fazer certas ações, o que basicamente significa que você precisa atacar para depois conseguir se curar. Imagina a seguinte situação: você está batendo nu chefe e se dando bem, esquivado de seus golpes, encaixando golpes especiais e se aproveitando de suas fraquezas. Até que de repente ele usa um ataque especial e deixa todo o seu grupo com apenas 5% de vida. Ops, hora de se afastar e curar, certo? 

    Você então olha para a suas barrinhas de ação e só um personagem tem eles disponível, mas esse personagem não tem mana. Então você usa aquela ação para usar um Éter. Agora você tem três personagens sem vida e com mana. Resultado: você vai partir pra cima e muito provavelmente vai morrer com qualquer dano e em seguida vai ter que bater no inimigo para não só conseguir usar a ação de se curar como ainda bater mais para usar mais ações de reanimar o aliado caído e o curar. E isso porque nem mencionei que quanto mais forte a magia de cura (ou qualquer outra), mais tempo o personagem fica parado se conjurando-a.

    Sei que muito disso faz parte do lado estratégico das batalhas, mas muitas vezes é injusto e alguns inimigos simplesmente não dão nenhuma janela para usar essas coisas.

    Há ainda a parte exploratória de FFVII Remake, andando pelas cidades, conversando com NPCs, visitando lojas e fazendo missões secundárias. Mas tudo isso foi mega decepcionante pra mim.

    Primeiro que o jogo é super ultra mega linear. Eu realmente não consigo entender como a fanbase costuma odiar FF XIII e amar esse Remake. O jogo é só corredor! E isso quando você joga, pois se destrinchar essa experiência, acho que 70% ou mais é cinemática/cutscenes. Tem muito daqueles momentos de diálogo, corta pro gameplay com você sendo obrigado a andar (ao invés de correr), um aliado te chama há 6 metros de distância, você se aproxima e tome mais cinemática.

    Sabe aqueles canais que transformam jogos em filmes, se houver um desse jogo, é definitivamente o que mais fará sentido. As vezes que você larga o controle são muito comuns e até cheguei a dormir em algumas delas (jogo a noite).

    Então é isso. Ande os corredores, enfrente os inimigos que você vai sempre enfrentar sempre que rejogar esse FF.

    As armas e equipamentos também são muito limitados e muita coisa fica por conta das sidequests (como era antigamente na franquia), então evite focar apenas na missão principal para conseguir muita coisa boa, incluindo mais summons.

    Resumindo: Final Fantasy VII Remake é um jogo que, para mim, não fede nem cheira, mas eu diria que foi uma boa experiência apesar dos apesares e fico curioso pelas suas continuações. Amo o universo do VII e tal, mas esperava mais (ou pelo menos um modo diferente para a galera das antigas). O nome "Remake" também não ajuda muito, pois é algo bem diferente, uma reimaginação com muito fanservice. Prefiro o jogo original e gostaria de o ver com visuais mais modernos.

    De bom: visuais lindos. Trilha sonora bacana. Ambientação sensacional. Idiomas inglês e japonês pro áudio e inclui português para textos.

    De ruim: muito linear. Extremamente voltado à parte visual ao invés da parte video game. Cinemáticas demais, demaaaais. Combate só me divertiu nos chefes, mas não é algo muito funcional e muito travado. O jogo todo é muito travado. Muitos pontos de "não-retorno" que impossibilitam que você retorne à áreas anteriores para pegar itens ou fazer missões secundárias (você até volta em muitos lugares, mas com missões diferentes), inclusive perdi muitas coisas por esse motivo. Há muito vai e volta das poucas cidades do jogo. Há uma grande sensação de filler em grande parte no meio do jogo, tanto que FFVII Remake retoma  proposta do original nos capítulos finais e se encerra com um gosto bom na boca. E mesmo as partes do jogo original são esticadas demais aqui. Dificuldade dos inimigos é sempre 8 ou 80. Achei a parte estratégica muito Kingdom Hearts, sendo que você tem que causar dano e inventar o jeito de sobreviver batalhas longas só para tomar um ataque misterioso e ter que fazer tudo novamente (perdi as contas de quantas horas gastei apenas no chefe final por conta disso). Odiei como as barras se enchem lentamente e apenas quando bato, me impossibilitando de curar ou reanimar aliados e apenas aceitar que eu vou morrer ao tentar atacar. Achei a personalidade do Cloud muito diferente do original, deixando de ser herói para ser arrogante e ainda mais parecido com a Lightining. No final da aventura serão 5 personagens jogáveis, mas um deles claramente não foi programado para ser controlado, então ele fica nas últimas horas de batalhas fazendo o que quiser (detalhe: ele é um dos membros jogáveis no original e com certeza vai ser controlável nas sequências). O jogo inteiro é uma produção hollywoodiana dessas estilo Velozes e Furiosos, parece algo que passaria na TV e zero imersão por isso.

    No geral, o filme jogo foi ok e até acredito que tenham transcrito bem a experiência do original para algo moderno e mais acessível, só não achei divertido e me decepcionei mesmo. Ainda assim devo jogar as próximas partes num futuro distante (inclusive o jogo se fecha bem em uma só parte, deixando coisas para o futuro mas sem parecer incompleto). Para quem for se aventurar, recomendo conhecer o Crisis Core antes (e até acho que a experiência seja melhor conhecendo o original). 32 horas de muito controle largado na cama com celular na mão e estresse tentando usar uma curinha. Sinceramente? Passável, mas ainda muito superior ao XV.

    Final Fantasy VII Remake

    Platform: Playstation 4
    593 Players
    258 Check-ins

    15
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 12 days ago · 1 ponto

      RE VII e FVII são top demais. Aconselho urgentemente conferir o RE VII

      2 replies
    • Micro picture
      manoelnsn · 12 days ago · 0 pontos

      O nome certo deveria ser "final fantasy vii reboot" , ahuahua

  • 2021-09-01 19:46:31 -0300 Thumb picture

    PlayStation Plus - Setembro/2021

    Medium 789691 3309110367

    A Sony divulgou os jogos disponíveis para assinantes da Playstation Plus em Setembro.

    Overcooked!: All You Can Eat (PS5) - Overcooked!: All You Can Eat traz os dois jogos publicados pela Team17, agora optimizados em 4k e 60 fps para a nova geração. Junte os amigos para criar um caos na cozinha, enquanto tentam fazer os pratos a tempo. A compilação conta com mais de 200 pratos e 60 chefs, e um completo pesadelo na cozinha.

    Hitman 2 (PS4) - Na pele do Agente 47, viaje para lugares exóticos, ruas ensolaradas, e selvas perigosas, tudo isso para eliminar seus alvos. Em sua missão de eliminar o Shadow Client e desfazer sua milícia, mistérios sobre a identidade de seu alvo, e sobre o passado do Agente 47 começam a surgir. Experimente novas maneiras de jogar este thriller, como o modo co-op Sniper Assassin.

    Predator: Hunting Grounds (PS4) -  Baseado na série de filmes Predator, Hunting Grounds coloca os humanos em um combate selvagem contra o Predador. Junte seus amigos para formar um esquadrão de elite para concluir as missões, antes que o alienígena os encontre, ou jogue como o Predador, pronto para sua caçada mortal.

    https://blog.br.playstation.com/2021/09/01/jogos-d...

    6
  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2021-08-11 23:38:58 -0300 Thumb picture

    Último de Nós II 💪🏻💏

    Rua Constance, 2425...

    Pichação dos "VÍBORAS" 🐍🐍🐍 Não sei quem são mas só de saber que posso me deparar de frente com eles... já me assusta! 😬

    Litoral da cidade de Santa Bárbara.

    Ambientação incrível! 😱

    Bem ... já que estou aqui...por que não curtir um "jacarezinho" 🤗?

    Paaaaaaara tudo: "Ellie segurando num pau" 😏😎

    As mansões de Santa Bárbara: visual esplêndido 👌🏻

    Aquela sensação que muito em breve algo ou alguém vai aparecer...😬😬😬

    Mais um game espetacular da Naughty Dog (UNCHARTED, CRASH BANDICOOT...) com foco na trama, combates impressionantes e fluídos, muita tensão, terror e suspense. O jogo não tem medo de expor "o violento" e "o brutal". ⭐⭐⭐⭐⭐

    The Last of Us Part II

    Platform: Playstation 4
    908 Players
    312 Check-ins

    23
  • 2021-07-29 18:26:06 -0300 Thumb picture

    PLAYSTATION 5 GRANDES NOTICIAS E POLEMICA

    a sony revelou quantos playstation 5 foi vendidos OFICIAL, e quantas unidades foram vendidas de Miles Morales, Returnal, MLB The Show 21 e Ratchet & Clank e polemica que evolve o gamepass.

    dias dos videos segunda feira as 20:00 quarta feira as 20:00 sexta feira as 20:00 resumo das noticias da semana: Sábado as 20:00

    Canal:Game Quest/Gabrielssan/gamequest

    0
  • 2021-07-28 20:11:08 -0300 Thumb picture

    PlayStation Plus - Agosto/2021

    Medium 785424 3309110367

    A Sony revelou os jogos que estarão disponíveis gratuitamente para os assinantes da PlayStation Plus.

    Hunters Arena: Legends (PS5/PS4) - Anunciado em uma recente State Of Play, Hunters Arena: Legends é um jogo de combate estilo battle royale para 30 jogadores, em um mundo onde a humanidade luta entre si e contra os demônios que invadiram este mundo. Entre em masmorras de alto risco, mas com grandes recompensas para encontrar inimigos demoníacos.

    Plants Vs Zombies: Battle For Neighborville (PS4) - O mais recente jogo famosa franquia Plants Vs Zombies, criada pela PopCap e publicada pela EA. Seguindo o sucesso da série Garden Warfare, Battle For Neighborville traz as famosas plantas em mais um embate contra os zumbis, agora com novas plantas e zumbis, além de novos modos.

    Tennis World Tour 2 (PS4) - Neste jogo de tênis,  crie seu próprio jogador, enfrente os melhores tenistas do mundo e tente dominar o ranking mundial. Divirta-se, ou enfrente outros jogadores no modo Ranked, para se tornar um tenista profissional.

    4
  • 2021-07-27 15:17:10 -0300 Thumb picture

    Review Last Stop Vale a pena

    Medium 785158 3309110367

    Vale a pena joga Last Stop? veja a review completo bem o jogo last stop é uma aventura solo em terceira pessoa que se passa em Londres nos dias atuais, na qual você joga como três personagens cujos mundos se cruzam no meio de uma crise sobrenatural. Uma antologia dramática, Last Stop é composto por três histórias intercruzadas.

    Desenvolvido pela Variable State e distribuído pela Annapurna Interactive

    - Donna, uma estudante distraída que se sente presa por sua vida doméstica sufocante e sua irmã mais velha super protetora. Longe de casa, Donna procura emoções adolescentes com seus amigos Becky e Vivek, mas acaba encontrando mais do que queria quando os três se tornam sequestradores inesperados em um jogo de detetive amador malsucedido.

    - John, um pai solteiro de meia idade sobrecarregado no trabalho. Afogado em dívidas e nas pressões de ser um pai solteiro, John, com ciúmes, se consome na busca da vida livre e fácil de seu vizinho solteiro de vinte e poucos anos, Jack. Quando a dupla inadvertidamente se desentende com um estranho vingativo, um artefato amaldiçoado ameaça transformar suas vidas para sempre.

    - Meena, uma profissional implacável e ambiciosa que luta para encontrar a mesma satisfação com sua família que encontra na emoção de seu trabalho. Enquanto Meena compete com uma colega arrogante por uma promoção crucial, algo ancestral se agita no porão de seu local de trabalho.

    LINK:

    0
  • anduzerandu Anderson Alves
    2021-07-24 20:12:47 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Apex Legends

    Terminado dia 24/07/21

    Hoje eu "terminei" dois jogos um pouco diferentes do habitual. O primeiro foi aquele joguinho de navegador da Google que celebra as olimpíadas. Legalzinho e tal, mas sequer tem nome! 

    O segundo foi Apex Legends, um Battle Royale que sequer tem um modo solo ou campanha. Nesse caso eu nem postaria sobre um jogo que não há um final, como muitos outros que jogo volta e meia, incluindo outros do gênero, como Fortnite, Rogue Company ou Spellbreak. Mas no caso do AL, o jogo tem troféus. Troféus esses que eu dei duro para conseguir jogando uma vez ou outra por semana com amigos.

    O motivo de eu ter ido atrás dessas conquistas foi justamente o fato de eu ter curtido muito o jogo e postar aqui depois, além de ser uma ótima motivação para continuar jogando e experimentando enquanto os amigos se acostumavam com o nosso novo "jogo do momento".

    Eu conheci Apex há bastante tempo, na época que era ainda uma novidade e que meu grupo principal online jogava fortemente Fortnite, inclusive eu mesmo. Como a onda era jogar no Nintendo Switch, eu nem me animei tanto com AL, mas cheguei a dar uma chance uma vez com meu primo, já que ambos tínhamos Playstation 4 e os demais amigos não, e também dificilmente se animariam.

    Jogamos um dia e largamos. AL era bem Call of Duty e eu não conseguia nem ver os inimigos direito naqueles visuais realistas e cheios de detalhes.

    O ânimo só voltou quando resolveram portar o jogo para o Switch e agora poderia experimentá-lo com pessoas que se animavam de verdade a entender esse tipo de experiência. Meus amigos então já compraram um Series X e graças à magia do crossplay, eu posso me juntar a eles com meu PS4.

    Para quem não conhece Apex, ele é facilmente um dos melhores e mais populares battle royales já criados. Algo como um Overwatch battle royale, mas extraindo o melhor de cada.

    Há vários personagens com habilidades únicas para se escolher e usar em combate. Alguns focados em habilidades ofensivas, outros defensivas, médicos, assistência etc.

    Alguns dos meus favoritos incluem:

    -Bloodhound e sua habilidade de escâner que encontra oponentes próximos e permite os ver através das paredes;

    -Lifeline, que larga um robô que cura a vida de todos que estiverem próximos ou ainda levanta animados caídos sem que você tenha que perder tempo com a animação do personagem fazendo isso; 

    -Octane e seus poderes de corrida que o fazem chegar a qualquer lugar ou escapar de batalhas num piscar de olhos;

    -Mirage, que pode criar clones que obedecem às suas ordens e confundem os inimigos;

    -Revenant, que tem um ataque especial (também chamado de ULT na maioria dos jogos) que permite que você tenha uma "segunda vida".

    No lobby do jogo é possível fazer as mesmas coisas que todo jogo do tipo: acessar a loja, comprar skins (roupas) para suas lendas e armas, desbloquear outros personagens (apenas uns 6 são desbloqueados por padrão, mas eu gosto de quase todos eles, enquanto me desapontei com vários dos que comprei) e até ler umas histórias em quadrinho que contam o enredo por trás de cada lenda e do jogo no geral.

    É possível ainda editar o banner do seu personagem, algo como uma bandeira que é mostrada em determinadas ocasiões, inclusive quando você é o que mais matou na partida ou foi destaque na partida anterior. Tudo isso aparece em telões pelos cenários.

    Além do lance de escolher personagens à la Overwatch, as diferenças vão além, começando pelo início da partida quando um dos três membros do time é escolhido aleatoriamente para definir o local de pouso.

    Além disso, são apenas 20 times de 3 pessoas, deixando a coisa mais dinâmica, menos bagunçada e rápida de encontrar partidas.

    Em campo o jogo se comporta de uma forma que mistura loot de raridades diferentes, grande diversidade de armas, granadas ao estilo do Fortnite/Borderlands com apetrechos diversos para cada arma, como diferentes miras, aumento de cartucho de balas, itens que melhoram a estabilidade dos tiros das armas e recuo afins estilo PUBG.

    Para o seu personagem há diferentes capacetes que reduzem dano na cabeça e peitorais que reduzem o dano recebido em geral. No caso do peitoral, ele ainda sobe naturalmente de raridade (cinza > azul > roxo > dourado/vermelho) conforme você causa dano nos outros. Isso é bem legal pois dá a oportunidade de todos chegarem no final da partida com escudos bons e ainda incentiva o combate ao invés de o evitar.

    O jogo ainda conta com veículos, torres que te fazem voar, lojas no mapa que vendem melhorias e munição, marcação de oponentes e equipamentos na tela para seu time poder pegar e locais que podemos suar para renascer aliados mortos e que você tenha coletado seus cartões. Muitos desses foram copiados por outros jogos do gênero, assim como uma bomba que protege uma área da tempestade.

    Por falar em velocidade, AL é um jogo RÁPIDO! As partidas se iniciam rapidamente, logo você estará no chão correndo como um louco, abrindo mil e um baús e coletando armas, equipamentos e demais tipos de loot. Muitas vezes antes de pousar em qualquer um dos pequenos mapas disponíveis, alguns jogadores já terão morrido.

    A movimentação, como um FPS, é também muito veloz, coisa que demorou um pouco pro meu time do Fortnite se acostumar. Também é possível correr, usar habilidades de movimentação, pular de grandes alturas sem tomar dano, descer ladeiras escorregando com o botão de agachar e alguns personagens chegam a voar e afins. 

    Quando você tá terminando de se equipar a tempestade já começa a fechar e você deve correr para a área a salvo, também conhecida como safe. Preste muito atenção nisso em Apex pois a tempestade desse jogo é CRUEL.

    É muito comum morrer no primeiro embate, ou no segundo, ou no próximo, ou no último. É um battle royale e todos querem ser os melhores. As vezes você joga bem, as vezes dá sorte, as vezes se dá mal. Tudo depende do seu empenho em continuar tentando e aprendendo a jogar. Felizmente tenho um time de amigos para me ajudar e para aprendermos juntos e assim fomos de completos inúteis para bons jogadores.

    Agora tenho orgulho do meu time! Para se ter uma noção, no início jogávamos pouco porque éramos péssimos e ficávamos frustrados e logo a galera queria voltar pro Fortnite. AL então lançou um modo de arena em que você compra equipamentos ao invés de procurar e é apenas um time contra o outro, estilo Counter-Strike. Curtimos demais esse modo (e inclusive estou recomendando a todos os amigos, inclusive àqueles que não curtem battle royale) e ficamos apenas nele, tentando uma vez ou outra o modo normal apenas para ficarmos frustrados e voltarmos pro Arenas. Mas com o tempo fomos migrando de vez pro jogo principal, ganhando uma na semana, as vezes duas. 

    Só ontem ganhamos 5 partidas de battle royale!

    As conquistas do jogo, que não tem platina, são até fáceis, mas muito antes de você as completar, já terá entendido completamente o jogo.

    Algumas conquistas envolvem:

    -Se tornar o Kill Master uma vez, ou seja, o jogador que mais matou na partida a qualquer momento (coisa que fiz na sorte);

    -Vencer a partida com determinada classe de lenda, como médico ou defensor, independente de seu uma lenda em específico. Nesse caso o modo Arenas ajudou muito pois as partidas eram rapidíssimas;

    -Equipar um peitoral e capacete dourados ao mesmo tempo;

    -Preencher todos os espaços de melhorias de uma arma.

    As que eu mais demorei para fazer foram duas em específico:

    -Vencer com 8 lendas diferentes, já que vencer por si só já é um desafio, mas também sou péssimo com alguns personagens, como Gibraltar e Pathfinder, e as vitórias só contavam no battle royale. Isso ainda demandará que você jogue até conseguir mais lendas, pois você não terá 8 no início;

    -Causar pelo menos 5000 de dano com 8 lendas diferentes no battle royale. Coisa que demanda mais tempo do que esforço.

    Resumindo: Apex Legends é sensacional e meu jogo favorito do gênero. Ele simplesmente combina tudo o que há de melhor em outros jogos semelhantes e adiciona muitas melhorias de "quality of life", além de somar um grande carisma, batalhas justas, bom nível de desafio, mecânicas bacanas e sem parecer infantil ou idiota.

    De bom: jogo muito bonito, embora eu só recomende a versão de Switch em último caso. Personagens únicos e carismáticos. Sistema de loot muito intuitivo. Junta o melhor dos battle royales com o melhor do Overwatch. Comunidade muito bacana. Partidas rápidas não vão consumir meia hora da sua vida para morrer no final ou seu dia inteiro jogando online.

    De ruim: os personagens adiantam muita informação útil automaticamente (como distância da safe ou itens marcados), mas o jogo não é dublado em português, apenas em várias outras linguagens. Recentemente o jogo estava com problemas horríveis, como derrubar os jogadores do nada das partidas e estava impossível jogar, além de que outras cosias do tipo já assolaram AL. 

    No geral, curti demais tudo o que joguei até o momento e é o único jogo online que tem me animado, além do Knockout City, que infelizmente se tornou pago. Super recomendo se você tiver pelo menos um amigo pra jogar online e se você quer conhecer o mundo do battle royale, inclusive sem o lance chato de construções do Fortnite. Eu mesmo vou jogar por um bom tempo apesar de estar querendo experimentar o Call of Duty: Warzone, já que ainda tenho lendas a desbloquear, inclusive uma nova que sai em breve com a nova temporada. Jogão!

    Apex Legends

    Platform: Playstation 4
    64 Players
    32 Check-ins

    10

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...