• manoelnsn Manoel Nogueira
    2022-02-09 21:49:27 -0200 Thumb picture

    Pitacos da Nintendo Direct

    Como não tenho mais Switch, quando fiquei sabendo ontem que teria uma Direct hoje acabei não me importando nem um pouco e fui jogar as minhas coisas aqui, de boas. Mas daí vi algumas coisinhas no Youtube, e como Yuzu tá comendo solto aqui no PC, vou tecer alguns pitacos sobre elas...


    Cara, sempre caguei pra esse jogo tático na engine do Octopath, e continuarei cagando. Próximo.

    Depois de um pedaço de merda, finalmente uma notícia boa! Live a Live é um jogo muito legal, e ver ele ganhando remake com a engine do Octopath é melhor ainda! 

    Bem, não joguei nem o modo normal, por causa daqueles robôs chatos que te fazem bancar o stealth, então tanto faz...

    Quando vi o anúncio "Fire Emblem" e a cara dos 3 lords do Three Houses, imaginei que seria uma continuação, mas não, é um musou com os personagens de lá. Não joguei nem Hyrule Warriors, um de Fire Emblem ainda por cima, obviamente passaria, e passarei, longe...

    Essa aqui é a maior incógnita dos anúncios. Não faço a menor ideia se vai sair algo idiota nível Xenoblade 2, ou uma história legal igual a do 1, mas pelo trailer vi que vai ser uma mistura dos 2, já que tem tanto a galera com asa na cabeça (high entia, que eu me lembre) quanto as donas com orelhas de gato, além dos Nopons gigantes (ugh). O que vai sair disso? Sei lá, mas não iremos esperar muito pra descobrir, afinal sai esse ano ainda.

    Infelizmente nada de BOTW2, mas tudo bem, aí dá tempo do Yuzu desenvolver mais pra rodar ele de boas, HAUAHUAHAUA

    20
    • Micro picture
      reasel · 5 months ago · 2 pontos

      os unicos que me interessaram de verdade ai foi o fire emblem e xenoblade, e triangle

      4 replies
    • Micro picture
      mateusfv · 5 months ago · 2 pontos

      Esse tactic na engine do Octopath até parece interessante pelo trailer, mas hj em dia eu não suporto mais jogo tático, uma hora pra terminar cada batalha, n tenho paciência pra isso kk

      Live a Live talvez de uma jogada, junto com o remake do Front Mission, e o Octopath em si tbm, mas n tenho previsão pra começar nenhum quando lançar XD

      Tenho zero fé no Xeno 3, mas espero que saia um jogo legal, pelo menos no nível do primeiro jogo (em narrativa só XD), precisamos de mais JRPGS com uma narrativa competente, ainda mais nos últimos tempos u_u

      1 reply
    • Micro picture
      shadowstriker · 5 months ago · 2 pontos

      Esse remaster do CC ficou horrível. Eu sei que tu não gosta do jogo (eu gosto) mas pqp, a Square não dá uma dentro. O jogo precisava de um remake, não um remaster. E o remaster que fizeram é extremamente preguiçoso só de olhar o trailer, meteram um IA upscaling nas texturas e backgrounds e eles tão com uma aparência PIOR que no jogo original. Espero que dê para desligar esses filtros de merda, mas conhecendo a Square... Fã da série Chrono só se fode mesmo.

      Única coisa boa é terem finalmente localizado o Radical Dreamers e tirado do Satellaview.

      1 reply
  • manoelnsn Manoel Nogueira
    2017-07-05 13:40:25 -0300 Thumb picture

    Desenhando o zeramento #6

    Hoje deu uma esquentada, daí consegui animar pra fazer um rabisco do último jogo que zerei: Live a Live. A minha intenção era de desenhar o vilão, Odio/Oersted no fundo com uma cara maligna e a party na frente, mas me faltaram referências pra fazer o dito cujo, daí só fiz a equipe com a qual zerei o game mesmo:

    Li(a única mulher da party principal no game inteiro), Sundown, Oboro e Cube. Não necessariamente os personagens mais eficientes do game, mas foram os quais a história eu mais gostei(tirando a do Cube, que peguei por ser o melhor healler do game mesmo). Como não usei referências pras poses, devem estar cheios de erros por aí, e acabei usando as pigma pra fazer algumas áreas de cinza, mas elas estão acabando, aí não ficou muito bom... Já tá na hora de fazer uma compras de materiais :3

    @ghostsnakin, @filp, @hilquias, @bakujirou , @laumiramos , @yukiiookumura , @nono, @ralphdro, @fragucci, @darlanfagundes, @inksketch , @danielpuia , @ermeson, @jugemu, @katsuragi, @negosouls, @rodrigomesquita,@ngamesletsplay, @gamer_art @jokenpo @hard_frolics @volstag

    Live A Live

    Platform: SNES
    171 Players
    31 Check-ins

    34
    • Micro picture
      filp · almost 5 years ago · 2 pontos

      Cube não é um cubo? =P
      O desenho ficou legal.

      2 replies
    • Micro picture
      volstag · almost 5 years ago · 2 pontos

      Muito foda cara, parabéns!!

      1 reply
    • Micro picture
      jcelove · almost 5 years ago · 2 pontos

      Muito bom. Live a live precisa de mais fanarts!!hehe
      Legal que sua Xin shan quan foi a Li. O meu foi o Yun. Não sabia que dava pra escolher o discipulo que sobrevive treinando mais ele. Só vi depois. Queria o gordinho Samo U_U

      3 replies
  • 2016-08-26 17:42:39 -0300 Thumb picture

    Alive A Live

    「ÓDIO! Um sentimento capaz de transcender o tempo e o espaço…」

    Esta talvez seja a melhor palavra para descrever a essência desse jogo (não meus amigos, isso não quer dizer que eu sinta ódio do coitado do jogo). Apenas joguem e vocês vão entender o motivo de eu ter iniciado esse paragrafo utilizando esse substantivo e o quão importante e destrutivo pode vir a ser esse sentimento.

    Live A Live foi lançado apenas no Japão para o Super Famicom em 1994, desenvolvido e distribuído pelas mãos da antiga e “saudosa” SquareSoft (atual Square-Enix) e traduzido muitos anos depois por fãs, para o inglês através da nossa querida Aeon Genesis

    Live A Live é mais uma daquelas pérolas obscuras que quase ninguém conheceu ou sequer ouviu falar, seja por ter sido ofuscado por outros grandes títulos da empresa lançados na mesma época ou pela restrição territorial. O que é uma pena já que o jogo é incrível e muito diferente dos RPGs convencionais até então.

    O jogo se divide em várias mini sagas, cada uma delas se passando em uma era diferente, trazendo personagens e temática distinta para cada uma delas. Você irá explorar um passado remoto como a pré-história, Japão feudal, a boa e velha temática "Western" dos filmes de Cowboy e até mesmo um futuro distante (clara referencia a obra de ficção cientifica: 2001: A Space Odissey). Nem mesmo a saga de jogos de luta Street Fighter deixou de ser homenageada pelo jogo.

    É possível escolher a ordem e o capítulo em si a ser jogado, selecionando um dentre os sete protagonistas disponíveis. Após terminar um capitulo, basta selecionar outro e começar uma nova aventura, COMPLETAMENTE diferente da anterior. E isso é o mais legal desse jogo! Apesar de você não entender nada à principio pois nenhuma das histórias inicialmente parecem ter conexão uma com as outras. O que te da impressão de estar jogando um jogo totalmente diferente; se não fossem mantidas as mesmas estruturas de menu e mecânicas do sistema de batalhas, bem legal por sinal. Lembrando muito os RPGs táticos e altamente estratégico.

    Apenas após completar os sete capítulos iniciais é que as coisas começam a fazer mais sentido, mas ainda assim o jogo guarda o melhor para o final além de uma surpresinha extra que amarra lindamente a intrincada trama e tudo de fato se conecta, o que é óbvio não vou contar aqui!

    Graficamente o jogo é bem simples e chega a lembrar Final Fantasy V tanto nos sprites dos personagens quanto ao acabamento dos cenários. Não chega a ser lindo, mas está muito longe de ser feio.

    Quanto a trilha sonora ela é boa e envolve o jogador na aventura cumprindo bem o seu papel! Porém não me vem a mente nenhuma faixa realmente memorável, sabe!? Aquelas que grudam na cabeça e lhe vem a mente toda vez que se ouve falar do jogo, o que também não chega a ser um defeito grave. Vamos lembrar que “estamos” em 1994, ano do lendário Final Fantasy VI… então já viu né!?

    Eu tive o prazer de zerar esse game alguns anos atras ao lado de minha (hoje ex-namorada) que também acompanhou toda a história e ficou surpresa com a maneira que tudo é amarrado ao final da trama. O único arrependimento que eu tenho é de fato não tê-lo jogado antes. Pois apesar da estrutura simples e uma temática de “viagem no tempo” o jogo não bebe nem um pouco dos clichês do gênero, contando com uma originalidade absurda para sua época.  Além de uma dificuldade um tanto quanto acima da média, tendo em mente todos esses fatores e também o ano de lançamento, chega a ficar até meio obvio do porque do jogo nunca ter sido lançado fora do Japão, talvez Live A Live em 1994 fosse um pouco demais para a maioria dos jogadores ocidentais, isso obvio na mentalidade dos executivos da Squaresoft!

    Se você que é fã do gênero e nunca jogou, vale a pena dedicar algumas horas de seu tempo nesse fantástico RPG. Live a Live foi um dos jogos mais originais em que eu já tive o prazer de jogar!

    ► Matéria by Richer Belmont (ou SOMA como preferir)

    Live A Live

    Platform: SNES
    171 Players
    31 Check-ins

    3

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...