• anduzerandu Anderson Alves
    2021-05-02 19:39:01 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Castlevania: Bloodlines

    Zerado dia 02/05/21

    Eu ando mais ocupado que tudo e aqui estou, terminando mais jogos que há uns meses quando estava mais desocupado. Acho que estou suando meu tempo livre bem!

    Olha aí, mais um jogo de uma das minhas séries favoritas de videogames sendo terminado: Bloodlines (Mega Drive)! O motivo da demora é um pouco de dó que estou de terminar a franquia (apesar de ser bem grande). Amo os jogo do GBA, do DS, curto o Symphony of the Night, o 4, Rondo of Blood etc.

    Joguei ainda outros demais na infância, como o Adventures no Game Boy e o primeirão, provavelmente sua versão de PS1. Por outro lado ainda tem um bocado pra jogar, incluindo uns de PS2 e PS3 que mal tenho interesse, outros de Game Boy e mais dois de NES. Caraca, eu joguei Harmony of Despair, Dracula X Chronicles, os de N64 e até o Judgment antes do Bloodlines!

    Bem, essa é da época que a Konami lançava diferentes jogos em diferentes plataformas, SNES e Mega Drive/Genesis, como Turtles in Time e Contra 3 versus Hyperstone Heist e Hard Corps, por exemplo.

    No caso desse Bloodlines, ele age como contrametade do célebre Castlevania IV, que eu adoro!

    Pessoalmente não sou o maior fã dos jogos de Genesis (acho que meu problema é com os sons) e não queria misturar minhas memórias com o IV (fora que só poderia jogar se fosse emulando), então acabei adiando um pouco, mas a vontade sempre estava aí, até porque o jogo volta e meia é referenciado internet afora.

    A vez chegou quando lembrei que não ligava meu PSP há um bom tempo (uns 7 meses desde Super Mario RPG). Fui dar uma carga nele e resolvi dar uma olhada nos jogos pra ver se rolava algo mais simples. Os olhos brilharam ao ver o Bloodlines!

    Já sabia que era um jogo bom e que era de fases como os antigos todos eram, então estava preparado mentalmente!

    Bloodlines se apresenta com um enredo bacana e dois novos personagens: John Morris e Eric LeCarde. Esses personagens tem um apelo mais anime anos 80 e são até amis americanizados, uma mistura de bacana e estranho, de antigo e novo. Não sei bem como me sentir quanto a isso. Bom, eu senti uma certa tentativa de modernização dos protagonistas e achei válido, até porque foram personagens criados e não antigos modificados.

    John Morris é como um Simon Belmont de calça jeans perdido em Nova Iorque (embora não seja nada disso). Ele foi a minha primeira escolha por manter a jogabilidade típica da série, usando chicote e tal. Uma vantagem sua é poder usar o chicote para se balançar nos tetos e passar por buracos.

    Já o Eric LeCarde usa uma lança que aparenta ser mais longa (mas pode ser impressão) e tem uma habilidade diferente de poder dar um salto mortal alto para cima, alcançando plataformas altas e lugares que você conseguiria jogando com John Morris.

    Após terminar a minha campanha com o John, comecei uma nova com o LeCarde e fiquei pensando que talvez tivesse sido mais fácil com ele, talvez ainda mais divertido! Fiquei bem mais confiante com a animação da lança e seu tamanho. E ele ataca diretamente para cima.

    E como em qualquer desses Castlevanias antigos, você coleta upgrades que deixam a sua arma ainda mais forte e grande. Ficou super legal, mesmo eu não tendo visto a sua forma máxima!

    Bom, de volta a minha campanha com o John, a sensação é de estar mesmo jogando qualquer Castlevania, talvez com um pouco mais de mobilidade. A fórmula continua a mesma, passando por aqueles mapas de sempre, quebrando velas com cristais que servem como mana para as sub-armas, matando inimigos em sua maioria familiares, principalmente os chefes etc.

    O primeiro estágio é um bom tutorial e serve para experimentar bem os personagens, matando inimigos fracos, coletando upgrades e descobrindo como é o ritmo do gameplay.

    Aqui você já vai ver coisas como os clássicos machado, água benta e a cruz, aqui substituída por um bumerangue. É meio que limitado a esses três, mas ao menos a sua arma no nível máximo fica super forte e garante uma sub-arma especial, uma esfera que segue o inimigo e fica consumindo o HP dele. A sensação de poder é incrível!

    Fora isso, ainda temos as escadas, plataformas, paredes falsas com pedaço de carne. Até a clássica escadaria que leva para uma área com água e com os Mermen está aqui. Bloodlines definitivamente bebe muito da fonte do Castlevania original de NES.

    Uma coisa bacana é que cada fase é dividida em partes pequenas, 1-1, 1-2 até 1-10 etc. Cada parte dessas é bem pequena, como um desafio simples, um miniboss e por aí vai. Se você morre, você volta para o início da parte que você morreu, então o progresso perdido é sempre muito pouco, mesmo perdendo todas as vidas e um Continue.

    No primeiro Castlevania você morria no chefe e voltava pro início do estágio. Aqui você vai estar de volta em um instante, mas apenas com os upgrades que estiverem antes dele.

    Mas nem tudo é um mar de flores casual. Perca todos os seus Continues e você verá a temida tela de Game Over, mandado de volta ao início de sua campanha. E esse não é um jogo muito fácil não! É daquele tempo que você jogava até memorizar as fases, o que pode não ser muito amigável para jogadores atuais.

    Ainda assim, não chega a ser algo frustrante pois há um sistema de Password para escolher estágios e a possibilidade de aumentar o números e vidas no menu de opções, o que facilita um pouco as coisas.

    Se eu tivesse o jogado na época, tenho certeza que teria o terminado graças a essas facilidades. Passou de estágio, anota o Password, insiste na próxima fase até conseguir o próximo código e por aí vai.

    Mas isso não tira o fato da última fase ter sido um inferno e que depois de terminar o jogo um modo Expert é desbloqueado.

    Visualmente, Bloodlines não chega a ser deslumbrante, mas ainda assim é bem bonito e a direção de arte mandou muito bem com as cores, localidades das batalhas e efeitos.

    A fase acima, por exemplo, tem um efeito de água com reflexos e movimentação bem legal pra época. Outras ainda tem muitos elementos que simulam o 3D, inclusive em chefes (alguns parecem ser tão focados nisso que não possuem dificuldade alguma).

    Dá pra ver como a Konami não só se preocupava em criar um produto de primeira, e em duas plataformas diferentes, como já lançava a sua mão nos efeitos 3D, recorrentes aqui e no Castlevania IV e recorrentes no Symphony of the Night.

    Resumindo: Castlevania: Bloodlines é mais um jogo de alta qualidade da clássica franquia da Konami. Definitivamente um dos obrigatórios para quem curte a série. Desafiador sem ser frustrante, exige muita rejogabilidade e paciência para aprender o jogo, facilitando bastante por meio do uso de passwords a alcançar a experiência completa e ver seus ótimos inimigos e cenários. Um jogo para se jogar do início ao fim.

    De bom: visuais muito agradáveis. Ótima jogabilidade (apesar de eu não curtir a falta de um ataque diagonal no chão, apenas no ar). Enredo interessante. Temática sensacional. Dois personagens para se escolher. Facilidades atípicas em jogos antigos, sobretudo nessa franquia. Níveis diferentes e com mecânicas distintas. Boa recompensa pra quem jogar bem. Replay por conta de ter dois personagens e modo Expert. Nível de dificuldade no ponto certo, tanto que muitas vezes eu esperava algo muito pior e era bem amis tranquilo. Fases divididas em partes são muito mais piedosas com as mortes. Efeitos 3D bem legais.

    De ruim: achei os frames de invencibilidade muito poucos e você acaba tomando dano constantemente. Gostaria de poder atacar diagonalmente em terra.

    No geral, vale muito a pena, ainda mais se você conhece a série e se curte jogos antigos. Para um jogo de Mega Drive, ele não ficou devendo em nenhum quesito, mesmo eu ainda preferindo o Castlevania IV (por pouco). Definitivamente um jogo obrigatório na franquia e que me faz sentir salta da Konami não ter seguido com essa linha de fases paralelamente aos metroidvanias. Muito bom!

    Castlevania: Bloodlines

    Platform: Genesis
    1168 Players
    65 Check-ins

    17
    • Micro picture
      jcelove · 10 days ago · 2 pontos

      Show! Bloodlines é talvez meu favorito dos classicos. A konami demorava pra lançar pro meguinha mas qdo saia era coisa caprichada como esse e o contra hard corps

      2 replies
  • palomaref Paloma Cristini
    2021-04-15 16:32:19 -0300 Thumb picture
  • _gustavo Luis Gustavo Da Luz
    2021-04-14 14:52:35 -0300 Thumb picture

    GETSU FUMA DEN: UNDYING MOON

    Novo jogo da Konami

    13 de Maio no PC via Steam

    2022 no Switch

    24
    • Micro picture
      marlonfonseca · 28 days ago · 2 pontos

      Esse muito me interessou. Quando sair no Switch é compra certa para mim!

    • Micro picture
      xch_choram · 28 days ago · 2 pontos

      Legal lançarem em Ealy Access no PC, acho que vou pegar no PC mesmo entçao.

    • Micro picture
      thecriticgames · 28 days ago · 2 pontos

      Que foda, eu gosto muito do jogo original.

      2 replies
  • dobkeratops_king Dobkeratops
    2021-03-08 18:11:14 -0300 Thumb picture

    Os "Gradius" Para o MSX

    Medium 3855469 featured image

    -Introdução

    Olá! como vai? neste artigo eu irei mostrar todos os gradius lançados para o computador MSX, eu iria fazer umas analises deles, mas parece que tem um bug que fez metade dos jogos sumir na barra de pesquisa (mas ainda podem serem encontrados via analises ou check-ins), então vamos lá!

    -Gradius/Nemesis (1986)

    Essa versão é um port da versão de arcade, os gráficos ficaram inferiores assim lembrando a versão do NES, as músicas também ficaram inferiores, mas ainda são boas (há uma versão com o áudio SCC, e as músicas ficam ainda melhores). O game apresenta quase todo o conteúdo do original, incluindo uma fase exclusiva abaixo:

    Não há muito o que falar sobre ele, mas posso dizer que todos os gradius para MSX tem uma rolagem de tela lenta, limitações talvez....

    -Gradius 2/Nemesis 2 (1987)

    Nota: Gradius 2 para MSX não tem nada a ver com gradius ii gofer no yabo que nós conhecemos.

    Esse jogo chega a ser uma evolução absurda entre o primeiro jogo e esse. O áudio agora é SCC, os gráficos estão mais bonitos, e também apresenta um enredo decente, tanto que o vilão aqui é o dr venom. Agora quando um chefe equivalente ao big core é destruído, ele fica parado por alguns segundos, assim o jogador pode entrar no núcleo dele para pegar um power-up. Quando o jogador derrota o penúltimo chefe, um alarme aparece que diz para voltar para todas as fases anteriores para ir na final stage. E diferente de outros gradius em que você controlava a nave vic viper, aqui a nave principal é uma tal de metalion. Há um remake lançado para o X68000 com gráficos e músicas do mesmo nível de gradius iii, mas há gente que prefere a versão do MSX (e eu sou uma delas).

    -Salamander (1987)

    Diferente de outras versões, aqui no MSX é um jogo totalmente novo, aqui também apresenta um enredo decente, os novos pilotos são iggy rock (piloto do sabel tiger) e zowie scott (piloto do thrasher). As duas primeiras fases são as mesmas do original (apenas com algumas diferenças e novidades), mas o resto são totalmente novas. Para fazer o final verdadeiro é colocando o cartucho de gradius 2 no segundo slot e pegando previsões escondidas pelas fases. O jogador agora encontra novos power-ups via cápsulas especificas..

     -Nemesis 3: The Eve of Destruction/Gofer's Ambition Episode II (1988)

    De todos os jogos anteriores, esse aqui é o que tem a melhor trilha sonora, acredite, é até melhor do que a trilha sonora de castlevania 3 japonês.  Na primeira fase do game, da a entender que o jogo é um simples port de gradius ii para o MSX, mas na segunda fase ele se mostra um jogo totalmente novo (mesmo que tenha algumas coisas de gradius ii, como o gofer sendo o final boss por exemplo). O jogador agora encontra os power-ups escondidos pelas fases, e agora precisa encontrar 3 mapas para ir pra final stage, e para fazer o final bom, basta pegar um escudo escondido no começo da final stage. Aliás, a nova nave do jogo é uma vixen de quatro tipos diferentes.

    -Finalização

    Espero que tenham gostado do artigo, deu muito trabalho para fazer isto, ainda falta parodius na lista, mas eu irei fazer em um artigo futuro, eu recomendo todos eles para serem jogados, eu vou indo nessa e flw!

    16
    • Micro picture
      lordsearj · 2 months ago · 2 pontos

      Show de bola, parabéns

    • Micro picture
      santz · 2 months ago · 2 pontos

      As limitações do MSX tem essa parada de rolagem de tela travada, não é só para a série Gradius, mas todos os jogos que testei da plataforma tem uma rolagem cagada.

    • Micro picture
      dobkeratops_king · 2 months ago · 1 ponto

      No MSX2 não há esse problema (pelo menos nos jogos que eu joguei)

  • 2021-02-24 09:47:04 -0300 Thumb picture

    Platina 24

    Ontem resolvi pegar os troféus que faltava no Rondo of Blood depois de quase 2 anos encostado. Confesso que comprei esse jogo por conta do Symphony of the night. Maria foi essencial na busca pelos troféus. Muito melhor que Richter.

    Castlevania Requiem

    Platform: Playstation 4
    36 Players
    18 Check-ins

    8
    • Micro picture
      salvianosilva · 3 months ago · 2 pontos

      Eu esperava mais dessa versão remaster, por isso nao comprei

  • palomaref Paloma Cristini
    2021-02-18 17:51:33 -0200 Thumb picture

    Minhas Memórias - PS4 (Parte 197)

    Continuando com a postagens dos meus screenshots do PS4, relembrando as jogatinas.

    Game: Metal Gear Solid V The Phantom Pain

    Os aleatórios - parte 2.

    PS4
    Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 - Parte 4 - Parte 5 - Parte 6 - Parte 7 - Parte 8 - Parte 9 - Parte 10 - Parte 11 - Parte 12 - Parte 13 - Parte 14 - Parte 15- Parte 16 - Parte 17 - Parte 18 - Parte 19 - Parte 20 - Parte 21 - Parte 22 - Parte 23 - Parte 24 - Parte 25 - Parte 26 - Parte 27 - Parte 28 - Parte 29 - Parte 30 - Parte 31 - Parte 32 - Parte 33 - Parte 34 - Parte 35 - Parte 36 - Parte 37 - Parte 38 - Parte 39 - Parte 40 - Parte 41 - Parte 42 - Parte 43 - Parte 44 - Parte 45 - Parte 46 - Parte 47 - Parte 48 - Parte 49 - Parte 50 - Parte 51 - Parte 52 - Parte 53 - Parte 54 - Parte 55 - Parte 56 - Parte 57 - Parte 58 - Parte 59 - Parte 60 - Parte 61 - Parte 62 - Parte 63 - Parte 64 - Parte 65 - Parte 66 - Parte 67 -
    Parte 68 - Parte 69 - Parte 70 - Parte 71 - Parte 72 - Parte 73 - Parte 74 - Parte 75 - Parte 76 - Parte 77 - Parte 78 - Parte 79 - Parte 80 - Parte 81 - Parte 82 - Parte 83 - Parte 84 - Parte 85 - Parte 86 - Parte 87 - Parte 88 - Parte 89 - Parte 90 - Parte 91 - Parte 92 - Parte 93 - Parte 94 - Parte 95 - Parte 96 - Parte 97 - Parte 98 - Parte 99 - Parte 100 - Parte 101 - Parte 102 - Parte 103 - Parte 104 - Parte 105 - Parte 106 - Parte 107 - Parte 108 - Parte 109 - Parte 110 - Parte 111 - Parte 112 - Parte 113 - Parte 114 - Parte 115 - Parte 116 - Parte 117 - Parte 118 - Parte 119 - Parte 120 - Parte 121 - Parte 122 - Parte 123 - Parte 124 - Parte 125 - Parte 126 - Parte 127 - Parte 128 - Parte 129 - Parte 130 - Parte 131 - Parte 132 - Parte 133 - Parte 134 - Parte 135 - Parte 136 - Parte 137 - Parte 138 - Parte 139 - Parte 140 - Parte 141 - Parte 142 - Parte 143 - Parte 144 - Parte 145 - Parte 146 - Parte 147 - Parte 148 - Parte 149 - Parte 150 - Parte 151 - Parte 152 - Parte 153 - Parte 154 - Parte 155 - Parte 156 - Parte 157 - Parte 158 - Parte 159 - Parte 160 - Parte 161 - Parte 162 - Parte 163 - Parte 164 - Parte 165 - Parte 166 - Parte 167 - Parte 168 - Parte 169 - Parte 170 - Parte 171 - Parte 172 - Parte 173 - Parte 174 - Parte 175 - Parte 176 - Parte 177 - Parte 178 - Parte 179 - Parte 180 - Parte 181 - Parte 182 - Parte 183 - Parte 184 - Parte 185 - Parte 186 - Parte 187 - Parte 188 - Parte 189 - Parte 190 - Parte 191 - Parte 192 - Parte 193 - Parte 194 - Parte 195Parte 196

    Steam/PC
    Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 - Parte 4 - Parte 5 - Parte 6 -
    Parte 7 - Parte 8 - Parte 9 - Parte 10 - Parte 11 - Parte 12 - Parte 13 - Parte 14 - Parte 15 - Parte 16 - Parte 17 - Parte 18 - Parte 19 - Parte 20 - Parte 21 - Parte 22 - Parte 23 - Parte 24 - Parte 25 - Parte 26

    Metal Gear Solid V: The Phantom Pain

    Platform: Playstation 4
    1453 Players
    529 Check-ins

    13
  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2021-02-16 11:36:21 -0200 Thumb picture
    Post by andre_andricopoulos: <h2>Confira as – bizarras – imagens do próximo jogo

    Confira as – bizarras – imagens do próximo jogo do criador de Silent Hill

    Em uma entrevista para o canal oficial da desenvolvedora no YouTube, o diretor afirmou que está “voltando às raízes” com seu próximo título.

    A Bokeh Game Studio foi inaugurada em dezembro de 2020. Keiichiro Toyama

    Silent Hill: Downpour

    Platform: Playstation 3
    1122 Players
    53 Check-ins

    22
    • Micro picture
      le · 3 months ago · 2 pontos

      Não acredito que não rolou um trocadilho com o nome do estúdio.

      1 reply
    • Micro picture
      santz · 3 months ago · 2 pontos

      Vai ter até um avião zumbi, sinistro.

      1 reply
  • onai_onai Cristiano Santos
    2021-01-30 19:10:44 -0200 Thumb picture

    Living Armor

    Continuando a saga Castlevania! É curioso como o personagem desse jogo sofre muito dano a toa, por vários momentos fiquei em apuros e só me safei graças as poções que encontro no jogo.

    Vez ou outra Juste encontra Maxim pelo castelo e sempre ambos batem um papo cabeça. Pelo visto Maxim está a procura de alguma mulher. Depois verei a história do jogo pois ultimamente meu inglês anda uma bosta.

    O segundo desafio do jogo deu medo devido ao tamanho mas foi fácil derrotá-lo, era só ficar atento a distância para evitar seus ataques e atacando com magia.

    Peguei a habilidade Calango Aceso, quem for idoso e morador do Ceará pegará a referência, e com isso Justin pode escorregar. Ui!

    Castlevania: Harmony of Dissonance

    Platform: Gameboy Advance
    1986 Players
    143 Check-ins

    23
    • Micro picture
      raniejogos · 3 months ago · 2 pontos

      O Maxim tem várias skills, inclusive de cura, eu o acho bem superior ao Juste, o problema é não ter um sistema todo voltado para ele, funciona como o Richter no SOTN. Juste só se cura com um truque(que é difícil de manter ao longo do jogo), fora isso só comprando muitas potions no comerciante mesmo.

    • Micro picture
      akromvaleth · 3 months ago · 2 pontos
      5 replies
    • Micro picture
      santz · 3 months ago · 1 ponto

      Esse calango aí aparece no desafio da screenshot.

  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2021-01-26 11:11:37 -0200 Thumb picture

    KONAMI

    A esperança é a última que morre...eu ainda espero estar vivo para ver um bom Silent Hill de volta...😔

    Silent Hill: Downpour

    Platform: Playstation 3
    1122 Players
    53 Check-ins

    23
    • Micro picture
      tiagotrigger · 4 months ago · 2 pontos

      Eu penso diferente, foi bom enquanto durou, deixa morrer em paz.
      RIP

      6 replies
    • Micro picture
      mateusfv · 4 months ago · 2 pontos

      MGS n tem que continuar mesmo, já era pra ter acabado no 3, ficaram forçando saiu o 4 daquele jeito, oque tinha pra contar na série já foi contado kk

      Silent Hill já é mais fácil de fazer uma entrada nova, podiam fazer um remake do primeiro, só que um remake de verdade, e n um resumo safado de 5 hrs que nem aquele do RE2 kk

      1 reply
    • Micro picture
      gennosuke6 · 4 months ago · 2 pontos

      Pode ter certeza, que se não forem fazer mais games, alguém compra essas franquias.

      2 replies
  • onai_onai Cristiano Santos
    2021-01-24 19:50:02 -0200 Thumb picture

    Giant Bat

    Depois de ter encontrado a Morte eis que me deparo com o primeiro desafio do jogo, o clássico Morcego Gigante. Acho que nem precisa dizer que foi moleza derrotá-lo...

    Cada Castlevania, ao menos dos mais "novos", tem seu sistema particular de magias e o daqui até que é interessante. Você consegue livros mágicos que se combinam com as sub armas criando assim novas magias. O primeiro livro que peguei foi o do gelo.

    Cada item faz uma magia diferente, esse da imagem é o do machado porém o que achei mais interessante foi o da faca mesmo. Se bem que cada um é útil dependendo da ocasião.

    E logo no comecinho do jogo apareceram as cabeças de Medusa mas aqui elas não são tão chatas, afinal não há buracos mortais nesse jogo...

    Castlevania: Harmony of Dissonance

    Platform: Gameboy Advance
    1986 Players
    143 Check-ins

    25
    • Micro picture
      mastershadow · 4 months ago · 2 pontos

      Esse game é massa,mas o lance dos castelos fica bem cansativo depois.FIquei um tempao perdido nele na epoca sem saber pra onde ir.

      1 reply
    • Micro picture
      lendariorandom · 4 months ago · 2 pontos

      O que salva muito essa exploração é esse Dash pra frente. Poupa os dedos de ficar naquela de Dash cancel. Like This!
      Eu zerei esse game ano passado, se tornou um dos meus favoritos. Espero que aproveite bem ele. Foi o primeiro dos metroidvania que zerei

      1 reply

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...