• onai_onai Cristiano Santos
    2022-11-06 17:08:40 -0200 Thumb picture

    Awake

    Não é o melhor jogo da série mas eu achava interessante pra caramba esse esquema das cartas. Dava pra fazer inúmeras combinações, apesar de que algumas não era lá essas coisas. Enfim, apesar dos pesares vale a pena jogar...

    Castlevania: Circle of the Moon

    Platform: Gameboy Advance
    1771 Players
    171 Check-ins

    21
    • Micro picture
      _fernando · 29 days ago · 3 pontos

      As cartas serem drop de inimigo é muito ruim, era so ter escondido pelo mapa, e umas seções do mapa sao meio ruins e uns bosses injustos. Mas nao é bem um jogo ruim mesmo, eu tinha gostado um pouco

    • Micro picture
      vante · 29 days ago · 3 pontos

      Underrated, embora seja superado pela maioria dos títulos que vieram depois

    • Micro picture
      riki_samejima · 29 days ago · 3 pontos

      Olha, sinceramente, eu gostei mais desse game do que Harmony of dissonance. Passei muito mais tempo jogando ele. Terminei em todos aqueles modos de jog que abrem depois, jogando como fighter, thief e acho que mage tbm.
      A única coisa chata desse game é que o personagem é muito lento e quando vc ganha a habilidade de correr, vai passar a fazer isso o jogo inteiro. Esse game tbm foi desconsiderado da cronologia...

  • luchta Ewerton Ribeiro
    2022-10-21 15:36:47 -0200 Thumb picture
    Post by luchta: <p>Era bom demais para ser verdade, a <strong>KONAM

    Era bom demais para ser verdade, a KONAMI nunca faz algo bom sem um porém, tem três coisas que estão levantando o alerta que o Silent Hill 2 Remake não vai ser tão bom:

    - Tem por trás o pessoal do Bloober Team, que faz simuladores de caminhada em forma de jogos de terror bem duvidosos e eles costumam reciclar muita coisa de outros jogos (apesar que muita gente curta alguns deles).
    - A versão PC do jogo vai ter requisitos altos, o que indicar má otimização.
    - Não vai vir nem com legendas em português do Brasil.

    Em todo caso vamos ver quando o jogo sair. Mas normalmente remakes não ficam tão bons quanto o jogo original.

    Silent Hill 2

    Platform: PC
    677 Players
    33 Check-ins

    14
    • Micro picture
      tecnologgamer · about 1 month ago · 2 pontos

      2 motivos relevantes e 1 tosco

    • Micro picture
      thecriticgames · about 1 month ago · 1 ponto

      Qual o problema do Blooper Team? Vi a galera da comunidade SH esses meses todos de boatos de remake rezando pro Blooper Team fazer o remake. Eu não joguei nada deles então minha pergunta é sincera msm.

      2 replies
    • Micro picture
      tassio · about 1 month ago · 1 ponto

      "- Não vai vir nem com legendas em português do Brasil."

      Eu vim de um tempo que era assim em 99% dos casos, inclusive alguns EM JAPONES, e eu não deixava de jogar por isso. Então isso pra mim não é motivo kkkkk

      2 replies
  • anduzerandu Anderson Alves
    2022-10-21 10:10:48 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: TMNT 2: Back from the Sewers

    Zerado dia 20/10/22

    Como mencionei no meu post anterior, fui à um jogo de basquete ontem e levei comigo o Switch por alguns motivos e aproveitei disso para terminar Hyperstone Heist (Mega Drive) das Tartarugas Ninjas, um jogo que eu vinha  querendo jogar há anos! A experiência foi bem legal porém o terminei mais rápido do que esperava e com o tempo restante resolvi tentar terminar algum outro jogo da Cowabunga Collection.

    O escolhido então foi o segundo jogo de Game Boy, Teenage Mutant Ninja Turtles 2: Back from the Sewers. Os motivos eram simples: o primeiro TMNT de GB foi mega curto e simples, então imaginei que aqui não seria muito diferente, fora eu estou bem próximo de terminar os títulos clássicos das Tartarugas. Na verdade muita gente nem liga para essas versões portáteis, mas tem sim jogadores que as defendem de certa forma. E por último, terminar a coletânea significa liberar mais espaço no meu microSD, o que é sempre bom ainda mais com jogos grandes saindo em breve, então eu acredito que a qualquer momento terminarei também o terceiro de GB.

    Eu tenho todos os TMNTs antigos nos emuladores dentro do PSP, mas felizmente acabei jogando esses nessa nova coletânea pois ficam lindos! Ao iniciar esse Back from the Sewers você vê o quão bacana o Switch roda esses jogos mesmo naquela tela grandona. Sério, não parece nada de emulação e é possivelmente a melhor forma que eu já vi para jogar Game Boy e infelizmente só vendo no console mesmo para saber do que estou falando.

    Fico imaginando como seria bacana se a Nintendo eventualmente lançasse essas plataformas dela, do GB ao GBA, ems eu serviço online como fez com o NES, SNES, Mega Drive e N64. Cara, como eu adoraria ver Pokémon Crystal no Switch! Bom, mesmo se não acontecer o pessoal do desbloqueio ajuda nisso e prova como essa plataforma pode se tornar uma das melhores já criadas com a quantidade de jogos atuais disponíveis nela mais todas as possibilidades de emulação que, embora eu esteja bem por fora no momento, aparentemente roda até Dreamcast (coisa que mesmo os celulares tem feito com facilidade).

    Depois de uma abertura simples, o jogo foi para a tela título e pude iniciar a aventura ou mexer nas opções, que foi o que fiz, mas não tinha nada de interessante. Em seguida acessei as opções da Cowabunga Collection apertando R e lá sim tem umas coisas bacanas como Save e Load state, filtros de imagens (acabei optando deixar o padrão, de TV CRT, ativado pois estou viciado nesse filtro), tamanhos de display e a opção de por bordas fora da área do jogo, que é 4:3 (como na segunda imagem desse post).

    O legal de ativar as bordas é que elas sempre ficam de acordo com o jogo que você está jogando. Testei isso tanto com esse daqui quanto com o Hyperstone Heist. Isso também ajuda a tela a ficar mais colorida e preenchida ao invés de preta e vazia, mas realmente não faz o meu tipo. Distrai demais!

    Enfim, comecei finalmente a jogatina e, como sempre, me deram a opção de escolher com qual tartaruga jogar.

    Nessa tela de seleção ainda é perceptível que o número de fases é de apenas seis! Coisa rápida, certo?

    Fui jogando então e Back from the Sewers trás muito de seu antecessor. É um jogo bem simples em que você basicamente sempre continua andando para a direita, um inimigo vem, você ataca uma vez e ele morre e eventualmente pula umas armadilhas aqui e ali.

    A animação de ataque é bem coisa da época mesmo, ou pelo menos de jogos menos caprichados (como era um jogo do primeiro Game Boy, tem que dar um desconto): o braço se mexe por uns dois frames e é isso. O resto do corpo não demonstra nenhum tipo de reação aos seus golpes. É um pouco estranho, haha. No jogo anterior do GB eu mencionei que parecia um jogo de Tiger Eletronics, e é bem por aí aqui também.

    Então você anda, ataca o cara, vem outro por trás, você espera ele se aproximar e o ataca, anda mais, vem outro cara na tela e assim por diante.

    Ainda assim é uma evolução em relação ao seu antecessor pois há alguns desafios diferentes e que exigem mais controle das tartarugas. Os chefes também exigem alguma estratégia e os cenários brincam bastante com perspectiva. Os estágios também tem diferentes planos e é possível andar verticalmente.

    E falando em perspectiva, eu passei grande parte da aventura achando as tartarugas bem estranhas pois elas continuamente sorriem e andam olhando para cima, na diagonal. Cara, que coisa meio bizarra! Pelo menos olha pra frente! Mas depois percebi que os personagens na verdade tem o olho todo branco, estilo Batman, e a parte mais escuro em cima do olho na verdade faz parte da máscara, haha. Bom, ficaram bem mais legais!

    Em relação ao outro TMNT de GB, eu achei os estágios aqui mais longos, mas você também perde menos HP com o dano e acha mais pizzas para regenerar vida. É um jogo bem tranquilo pela maior parte do tempo.

    Mas ele é sim bem desafiador que seu antecessor. Alguns chefes são meio chatinhos, muito embora você sempre vença, só que as vezes termina com pouca vida.

    Caso morra. a tartaruga em questão é capturada e depois do término do estágio atual acontece uma luta bônus contra um robô segurança da prisão. Até entender seus padrões, ele é meio chato e a cada golpe que você tomar, 10 segundos são deduzidos do tempo que você tem para o derrotar. Vença e você terá sua vida regenerada e poderá escolher uma das Tartarugas capturadas para resgatar de volta ao jogo e poder selecioná-la novamente antes de começar alguma fase. Bem legal isso.

    Mas também há vantagens de não ter ninguém capturado, que no caso é um minigame entre os estágios que, até onde lembro, valem pontos. Mas a parte bacana realmente é conhecê-los e jogá-los.

    Houve um momento que resgatei a repórter April O' Neal das garras de um chefe e fiquei "???". Espera aí. Esse jogo tem história? Me lembrei que no anterior o enredo só era apresentado caso você esperasse isso acontecer na tela título. Mais tarde voltei lá para ver e... Nada! Procurei pelo conto da história em diversos lugares do jogo e realmente não achei nada! Que coisa louca!

    Enfim, o resto do jogo foi tranquilo, mas tem momentos irritantes como partes que você dá um passo e entram dois inimigos na tela e mais e mais e mais e a cosia começa a se arrastar demais. Tem vários momentos também com desafios quase impossíveis de passar sem tomar dano, como umas labaredas que você deve esperar que baixem enquanto um cara fica constantemente atirando mísseis. Uma loucura.

    Alguns chefes, como o alien no esgoto, tem janelas de abertura para dano muito pequenas e grande chances de te causar dano ainda, o que levaria muitas e muitas jogatinas do @anduzerandu jovem para finalmente dominar a coisa toda. Fora isso, a campanha é uma verdadeira montanha russa de dificuldade. As vezes uma fase no início dá uma trabalhinho enquanto no final eu matava os chefões sem sequer tomar dano de tão idiotas.

    Resumindo: Teenage Mutant Ninja Turtles 2: Back from the Sewers é definitivamente uma evolução do jogo anterior, mas continuo achando que não vale a pena jogá-los tendo em vista que os jogos principais da franquia tinham tudo isso e muito mais. MUITO mais. Quer dizer, tudo nesses jogos de GB tenta emular a experiência de jogos como o Turtles in Time, Hyperstone Heist e até os anteriores. Era legal para quem só podia jogar no portátil naquela época, ou para quem queria algo parecido para a viagem, mas fora isso, são experiências limitadas e capadas, que parecem ter sido criadas rapidamente. A Konami realmente não era muito boa com o Game Boy nesse tempo, ao meu ver.

    De bom: jogabilidade simples. Nível relativamente fácil e que quase qualquer um consegue jogar. Tem "cinemáticas" bacaninhas. Tenta criar efeitos de perspectiva interessantes. Há fases diferentes, como a de surfe e outra que tem scroll horizontal e vertical e que demanda alguma exploração para achar a saída. Liberdade de andar verticalmente pelos cenários como os grandes beat'em ups permitiam. Criaram algo interessante com as tartarugas sendo capturadas.

    De ruim: super simples. Animações feinhas. Dificuldade meio aleatórias às vezes. Algumas partes são irritantes com o contínuo spawn de inimigos. Alguns momentos são injustos e praticamente impossíveis de não ficar tomando dano. E cadê o enredo? Outro problema, que no caso não é do jogo, mas sim da coletânea é que não tem como rodar o jogo como se fosse num Game Boy Color, com aqueles leves tons de verde e tal, apenas preto e branco mesmo.

    No geral, o jogo é ok. A perfeita definição de passatempo. Não chega a ser idiota de fácil nem frustrante de te fazer querer puxar os cabelos da cabeça. Esse é definitivamente um dos jogos já feitos. Totalmente passável.

    Teenage Mutant Ninja Turtles 2: Back From the Sewers

    Platform: Gameboy
    58 Players
    3 Check-ins

    15
  • anduzerandu Anderson Alves
    2022-10-21 00:31:52 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: TMNT: The Hyperstone Heist

    Zerado dia 20/10/22

    Fui mais uma vez assistir o filho do meu padrasto jogar basquete e pra não ficar sem fazer nada nas cerca de 2 horas que ficamos por lá quase todas as terças e quinta-feiras, mais uma vez levei o Nintendo Switch comigo.

    E também mais uma vez resolvi jogar algo rápido e leve e porque não Teenage Mutant Ninja Turtles: The Hyperstone Heist do Mega Drive/Genesis?

    A verdade é que esse era o último jogo da franquia que me importava jogar antes de me sentir preparado para conhecer o recente Shredder's Revenge (que não sei quando vou jogar com a galera ainda). Mas ainda assim a franquia continua comigo por mais um tempo com os títulos restantes de Game Boy e GBA, pelo menos.

    Para quem não conhece, esse Hyperstone Heist (HH) era a contraparte do clássico Turtles in Time. A Konami costumava fazer jogos diferentes de suas populares franquias para o SNES e Mega Drive ao invés de apenas portar de um para o outro como as demais. Foi o caso com Contra 3 e Hard Corps, Castlevania IV e Bloodlines e alguns outros.

    Esse HH passou despercebido por muitos anos da minha vida, como muitos outros jogos de Genesis passaram pelo simples fato de eu não ter jogado muito a plataforma na infância além de Sonic the Hedgehog, Altered Beast e alguns outros. Eu realmente não tinha interesse em nada fora do escopo Nintendo nem acesso às coisas da Sega.

    Pulando bastante para o futuro, já na vida adulta e numa fase bem voltada à companhar canais de entretenimento com jogos no YouTube, descobri não só que esse jogo existia como ele também era um irmãozinho do Turtles in Time. Poxa, ninguém nunca me falou desse jogo! Mas eu também desconhecia o The Arcade Game, The Manhattan Project etc. Até então era só o TiT e o primeiro, famoso graças aos vídeos do AVGN.

    Mais recentemente, o jogo tem estado num emulador de Mega Drive do meu PSP há tempos, mas sempre bate um medo por se tratar de algo mais antigo e o próprio TiT dava um trabalhinho para pegar o jeito e conseguir terminar. Beat'em ups antigos também costumam te levar longe e depois te matar e te obrigam a refazer tudo.

    Pensei até em esperar uma chance ocasional de jogar de 2 jogadores com alguém, mas eu realmente quero jogar o Shredder's Revenge! Para segurar a barra fui terminando os demais e foi bem legal!

    Já com o Switch desbloqueado acabei pegando a The Cowabunga Collection simplesmente porque no console é tudo tão fácil: está sempre recarregado, é só puxar da dock, tem a tela grande e bonita e ainda junta os demais jogos antigos que quero jogar. Não vou menti que também meio que tenho desgostado um pouco da emulação no PSP. A tela não é muito boa quando você compara os jogos no 3DS ou Switch.

    Comecei HH e é tudo muito familiar. Você realmente sente que está jogando TiT de cara! Toda a apresentação, o menu principal, as opções, o menu de escolha de personagem, todo o seu estilo e arte. Fiquei muito feliz só de começar esse jogo e me perguntei como demorei tanto para jogar algo que eu certamente gostaria demais!

    Digo ainda que o jogo é lindo! Normalmente não sou muito fã das paletas de cores dos jogos do Mega, mas esse aqui não deixa nada a desejar!

    Bom, a minha escolha foi o Don. Eu tenho sempre jogado com ele por usar um bastão de maior alcance. Acabei me apegando ao personagem! Em segundo plano eu uso o Leo e suas katanas. Raph e Mike tem um efeito psicológico ruim em mim, como se suas armas tivesse o alcance de um soco.

    Mexi ainda nas opções clássicas da Konami e aumentei o número de vidas para 5 e o número de Continues para 5 também. Nunca se sabe.

    Depois das cutscenes, experimentei com os controles. Meio que tudo igual: andar, bater, pular, pular e dar aquela voadora que te desce ao chão rapidamente e demais ataques. Um dos botões, que no Switch era o X, faz o personagem correr (e é um pouco estranho).

    Vieram os primeiros ninjas e dei um "sacode" neles. E depois novamente e novamente. Percebi que eles mal encostavam em mim e depois que HH se tratava de um jogo bem fácil.

    Isso vindo de alguém que jogou aquele primeirão de NES, Arcade Game, Manhattan Project, Turtles in Time e o primeirão de Game Boy. Esse do GB é moleza, mas esse de Genesis pega a medalha de prata com toda certeza. Que jogo fácil da moléstia!

    As vezes eu tomava uns bons sopapos e no máximo tinha perdido metade da barra de HP. Em seguida ainda achava uma caixa de pizza para restaurar toda a minha vida. Ops, perdi uma vida. Ops, ganhei uma vida batendo nos caras.

    Não é um jogo idiota e que um bebê conseguiria terminar, mas é sim bem mais fácil que sua contrapartes do SNES (pelo que eu lembro dele) e se você consegue jogar um Streets of Rage da vida, isso aqui vai ser tranquilo e poucos momentos realmente darão problema.

    Para se ter uma noção, eu só perdi um Continue daqueles 5 e foi justamente no final da campanha. Tudo ótimo!

    Os capangas nas fases são moleza e os chefes só requerem entender seus óbvios padrões. São apenas 5 fases e você enfrenta o chefe 1 na primeira, 2 na segunda e 3 na terceira. Na quarta você enfrenta os três e a quinta é o chefe final. É tudo pouco variados e tão breve...

    Apesar dos apesares, não se engane! Se você gosta de Turtles in Time ou beat'em ups me geral, HH é uma experiência muito divertida e super recomendável! Não faça como eu que demorei para o conhecer!

    Muitas ideias também são clássicas da série. Tem a fase surfando, tem aqueles aliens do esgoto, aqueles inimigos que parecem cachorros robôs e te mordem, aqueles com roda que soltam raio ou uma corda que te eletrocuta. Tem as caixas de pizza que curam e as de bomba que te deixam rolando. Como eu disse, é tudo muito familiar!

    Mas também tem um bocado de diferenças boas e até ruins. De boas nós temos alguns inimigos novos. De ruim nós temos o fato de não podermos mais jogar os inimigos na tela! Eu amava aquilo! Não faz a menor diferença no gameplay, mas é um fato.

    A luta final é parecida com aquela do final do jogo de SNES. As vezes eu me sentia mesmo jogando um port dele, apenas com um leve downgrade.

    Terminei o jogo e seus 5 estágios em cerca de uma hora e nem acreditei que foi tão tranquilo chegar ao fim. Eu realmente esperava algo mais tenso que a versão de SNES visto que o Mega Drive sempre foi mais "cool" e adolescente em comparação ao concorrente da Nintendo.

    No final das contas eu fiquei muito satisfeito com o curto jogo e até reiniciei a aventura pois tinha apertado alguma coisa na introdução para passar o texto e acabou foi pulando a cena. Nem valeu a pena de tão simples que era o enredo.

    No final das contas o final foi bem sem graça, mas valeu a pena. Queria ter jogado com mais alguém!

    Resumindo: Teenage Mutant Ninja Turtles: The Hyperstone Heist é um baita de um jogo bom e possivelmente o meu predileto da Konami para o Mega Drive. Apesar de ser meio curto, compensa demais a experiência que não deixa mais nada a desejar, mesmo no hardware da Sega. Também é muito bacana ver com a série evoluiu e implementou melhorias.

    De bom: muito bonito. Controles responsivos. Muito divertido. Vários níveis de dificuldade mas mesmo no Médio eu achei bem tranquilo. Para até dois jogadores. Nessa coleção nova tem umas opções úteis, incluindo filtros bacanas.

    De ruim: curto e não muito desafiador. Muita coisa reciclada na aventura e pouca originalidade.

    No geral, valeu demais a pena. Vou adicionar HH à lista do que jogar em 2 pessoas, sobretudo para continuar depois de terminar o Turtles in Time com um amigo. Recomendo! Jogo muito bom!

    Teenage Mutant Ninja Turtles: Hyperstone Heist

    Platform: Genesis
    617 Players
    22 Check-ins

    10
    • Micro picture
      bobramber · about 2 months ago · 1 ponto

      Quanto tempo dura o treino de basquete? (Pra saber se vc terminou em uma pegada)

      1 reply
  • 2022-10-19 19:45:12 -0200 Thumb picture
    Post by clubeludum: <p>Depois de tantos anos sem nenhuma novidade de Si

    Medium 845896 3309110367

    Depois de tantos anos sem nenhuma novidade de Silent Hill, enfim a Konami fez seus anúncios.

    Gostei do f, Townfall e o remake do Silent Hill 2 parece interessante, apesar de que um remake do primeiro SH seja preferível a meu ver.

    O que importa é que finalmente teremos mais SH!!

    Silent Hill 2

    Platform: Playstation 2
    2546 Players
    63 Check-ins

    4
  • salvianosilva Salviano Silva
    2022-10-16 20:10:10 -0200 Thumb picture

    Konami anuncia que teremos novidades de Silent Hill em 19 de Outubro

    Os fãs agora podem comemorar e fazer a festa pois a Konami acaba de confirmar por meio de suas redes sociais que algo envolvendo Silent Hill está chegando.

    A publicação feita no Twitter oficial do jogo confirma que teremos algum tipo de anúncio (provável novo jogo) no dia (19) de Outubro às 18h no horário de Brasília. Confira a publicação:

    A publicação deixa bem claro que é algo sobre um novo jogo (The latest updates for the SILENT HILL series), e talvez, como os rumores indicaram recentemente, existe mais de um jogo em produção.

    O primeiro é supostamente o Remake do Silent Hill 2, em desenvolvimento pela Bloober Team, que até mesmo vazou algumas imagens semanas atrás. Já o outro projeto estaria em desenvolvimento por uma empresa japonesa, que é desconhecida até então.

    De qualquer maneira, vamos aguardar até o dia 19.

    Silent Hill

    Platform: Playstation
    6795 Players
    189 Check-ins

    23
  • 2022-10-16 19:38:20 -0200 Thumb picture
    Post by clubeludum: <p>Oorraaa!! Até que enfim hein, Konami!</p><p>Mas

    Medium 845384 3309110367

    Oorraaa!! Até que enfim hein, Konami!

    Mas é um jogo novo, né? Não é mais um skate, né?  :')

    Silent Hill

    Platform: Playstation
    6795 Players
    189 Check-ins

    5
  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2022-10-12 17:41:49 -0300 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p>Quase encerrando nossa visita ao <strong>Museu d
    International Superstar Soccer 64

    Platform: N64
    1328 Players
    6 Check-ins

    Quase encerrando nossa visita ao Museu do Videogame Itinerante, mostrei ao meu sobrinho, que é louco por futebol, o International Superstar Soccer 64, o ancestral de eFootbal, PES, e Winning Eleven. E dessa vez com controles funcionado perfeitamente.

    E lá se foi mais uma interminável partida de uns 10 minutos, e dessa vez eu que venci, pra revolta dele que costuma me vencer nesse tipo de jogo.

    Quando joguei esse jogo da última vez eu era mais jovem que ele. Não lembrava de tudo, mas lembro que, ao contrário de meus irmãos, não gostava muito desse jogo.

    Os gráficos em 3D eram legais pra época, um cenário com aquele "realismo" era um sonho pra quem gostava dos jogos do esporte, era como entrar num estádio e incarnar como um jogador de futebol iguais aos da tv, mas eu era mais da jogabilidade prática, e nisso os dois International Superstar Soccer de SNES eram muito superiores.

    10
  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2022-10-07 00:28:57 -0300 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p>E então, numa das pequenas <em>TV</em>s disposta
    Contra

    Platform: NES
    3306 Players
    40 Check-ins

    E então, numa das pequenas TVs dispostas no Museu do Videogame Itinerante, jogamos o famoso Contra de NES.

    Meu sobrinho até gostou desse, mas se irritou rápido com a facilidade de morrer. 

    Esse sim é o que lembrava, com aquela musiquinha bem reconhecida da primeira fase, e que apesar da dificuldade, cria vontade de explorar mais coisas de qualidade da biblioteca do Nintendinho. 

    Também vai pra lista de emulação futura.

    10
    • Micro picture
      santz · about 2 months ago · 2 pontos

      Putz, que top. Esse não tinha quando fui.

  • denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis
    2022-10-04 19:02:16 -0300 Thumb picture
    denis_lisboadosreis checked-in to:
    Post by denis_lisboadosreis: <p>Quando estava pra sair do aglomerado de pessoas
    Super Contra

    Platform: NES
    193 Players
    19 Check-ins

    Quando estava pra sair do aglomerado de pessoas na parte principal do Museu do Videogame Itinerante, vi um NES, ou um de seus clones, e lembrei que, apesar de já ter jogado vários jogos do console, nunca joguei em um de verdade, então insisti pra jogar mais esse, que estava rodando aparentemente uma fase mais avançada de Contra

    Enquanto observava mais a resposta do controlinho achatado de Nintendinho, não percebi que estava jogando na verdade um jogo que nunca havia jogado, e nem sabia da existência, o Super Contra. Não joguei muito, mas achei um pouco mais fácil que o Contra mais clássico, talvez mais preciso. E então finalmente saímos dali.

    Essa série inteira eu preciso conhecer melhor via emulador um dia.

    13
    • Micro picture
      le · 2 months ago · 3 pontos

      Só fuja do Contra Force e dos Contra de PS1. O resto, vai com tudo, inclusive os de PS2.

      5 replies

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...