• 2022-07-14 12:12:35 -0300 Thumb picture

    Obrigado aos quase 600 views nesse Vídeo!

    O vídeo mais visto do Canal, com a História Completa de Lançamentos de Castlevania (em 2 Partes), que foi produzido com muito carinho e dedicação para expor da melhor maneira possível nosso amor por essa franquia! Revendo esses vídeos antigos do Canal (em meio a uma crise existencial) tomei uma decisão: VOLTAREI! A editar vídeos como esse, seguindo as edições e modelos de vídeos que o pessoal gostava no YouTube. Um forte abraço a todos e muito obrigado! ;)

    Castlevania: The Dracula X Chronicles

    Platform: PSP
    1233 Players
    125 Check-ins

    4
  • anduzerandu Anderson Alves
    2022-06-17 14:00:01 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Teenage Mutant Ninja Turtles

    Zerado dia 17/06/22

    Ontem um amigo me chamou para ir jogar o nome jogo das Tartarugas Ninjas, Shredder's Revenge, na casa dele, mas acabei recusando de forma dolorosa o convite por um motivo: eu queria jogar alguns outros títulos da franquia anteriormente! Até então a minha experiência se resumia ao grandioso Turtles in Time (SNES), o primeirão do NES e Tournament Fighters (SNES).

    Recentemente baixei um bocado de jogos TMNT, inclusive alguns que nunca pensei em jogar, como os de GBA e talvez do DS e por aí vai. Depois de fechar a primeira aventura no NES, cheguei a dar uma conferida em sua sequência, na mesma plataforma, chamado de The Arcade Game, que também é o primeiro beat'em up das Tartarugas (acho), mas deixei de lado por enquanto por tê-lo achado meio limitado.

    Meu amigo questionou a recusa visto que são jogos independentes e criados por diferentes desenvolvedoras ao longo dos anos, e faz sentido, mas ele sabe como sou. Gosto de ver a evolução desses jogos, como as coisas foram sendo reaproveitadas, melhoradas. Imagina só jogar Shredder's Revenge, todo bonitão e caprichado, e depois voltar para jogos de NES! Isso poderia me desmotivar muito a os terminar pelo fator envelhecimento. Ou não! Quem sabe?

    Mas poxa, o novo jogo aí é cheio de referências também, inclusive aos clássicos, que fizeram muito sucesso na época. Além do mais, eu aprendi a lidar com o "hype" de jogar um jogo pelo simples fato de ele ser novo. Esse conceito não me engana mais e, claro, sair um novo título de uma série que eu amo e espero sequência a anos me desperta muito mais interesse do que um novo jogo de uma franquia que pouco conheço.

    O meu amigo ficou meio decepcionado/com raiva, mas não julgo a quem joga apenas lançamentos. Inclusive recomendei que ele jogasse logo e não esperasse por mim. Isso se ele não já tivesse feito isso. Eu também não queria experimentar um título lançamento como esse pela primeira vez com ele já ter até zerado e não me contado. Queria jogar com alguém que definitivamente estaria vendo tudo pela primeira vez e aprendendo junto comigo!

    Depois de muita conversa, acabei cedendo aos pedidos dele. Já tínhamos combinado de passar a sexta-feira juntos jogando (um jogo indie multiplayer de Switch que não estou conseguindo avançar sozinho) e provavelmente terminaríamos rápido, então pelo favor eu jogaria o Shredder's Revenge pois, afinal, qual seria o problema?

    Com essa decisão em mente, decidi ainda que terminaria dois títulos fundamentais antes da jogatina multiplayer: The Arcade Game e Hyperstone Heist (talvez o The Manhattan Project), mas ele ficou frustrado e resolveu que era melhor não jogarmos. Não é fácil ser meu amigo, amigos!

    Mesmo assim fui em frente com o plano de avançar nos TMNT pois parece que uma eventual jogatina de Shredder's Revenge a qualquer momento é inevitável na casa de qualquer pessoa. Só se fala nisso! E só se joga isso nas plataformas aqui!

    Hoje de manhã me bateu uma curiosidade: será que The Arcade Game, o segundo jogo dos TMNT, tem esse nome por ser originalmente de Arcade? Como não pensei nisso? 

    Verifiquei e era isso mesmo, mas lá ele se chama apenas Teenage Mutant Ninja Turtles. Duração: 40 minutinhos! Ótimo! 

    De início os visuais são muito bacanas e reconheci a primeira fase que joguei no NES, um prédio em chamas. É bem legal também a dublagem e animações e tudo envelheceu bem, como de costume nos jogos de Arcade. É ainda possível jogar de 4 pessoas, o que infelizmente não foi possível hoje!

    Taquei 50 fichas no emulador online para nem me preocupar com isso e resultou em 100 vidas pois cada uma te dá dois 1-ups.

    Uma coisa que estranhei de cara é que não é possível escolher uma tartaruga e cada uma fica trancada a um jogador, sendo assim o Player 1 sempre será o Leonardo, o azul das katanas. Eu queria jogar como o roxo do bastão mas ele fica para o jogador 3. Se não me engano era assim também com outro jogo da Konami, o dos Simpsons (ou não?).

    A forma que os estágios são apresentados, os sprites, cores, combate e inimigos obviamente são muito parecidos com o que viria a se tornar o Turtles in Time que conheço e isso é muito legal! De cara sabia que gostaria do jogo e o terminaria com gosto!

    Mas também vários detalhes ainda seriam melhorados apenas depois, pois The Arcade Game peca bastante em diversos quesitos que só deixam a cosia toda mais frustrante mas bem, é Arcade, né?

    A primeira reclamação que eu teria seria o combate em si. Parece muito familiar e é simples já que só há um botão para isso (o outro é para pular) mas você não sente que seus golpes tem efeito, não há gosto em bater nos ninjas. Fora isso, é comum que você esteja surrando um inimigo e do nada ele comece a te surrar, ignorando o final do seu combo.

    O problema aumenta exponencialmente quando há vários inimigos e pelo fato de você basicamente não ter frames de invencibilidade. As vezes os caras te jogam de um lado pro outro, interrompem seus golpes com tiros ou ataques de longa distância de armas como lanças e rapidamente você perde uma vida.

    Você também pode agarrar os oponentes e os jogar, mas não contra a tela e nem contra outros inimigos. Isso é estranho pois estamos acostumados a derrubar os outros quando lançamos os caras contra eles. Lembra daquele lance de jogar um jogo antes dos anteriores, muita coisa que só evoluiu depois acabou me confundindo bastante.

    Nos chefes é que o bicho pega. Há uma mistura estranha de justiça e injustiça. As vezes seus "socos" e voadoras causam stagger e fazem um combo simples, legal e funcional e as vezes o chefe contra-ataca depois de 3, 2 ou 1 hit. A sensação é de que ainda não haviam descoberto ainda como fazer esse tipo de gênero de jogo corretamente. Também fiquei com a sensação de que não é um jogo para apenas um jogador.

    Mas é aquilo: vidas infinitas, saber que é um jogo de Arcade e os visuais e até a jogabilidade convencem tão bem. Eu não conseguia odiar o jogo e sabia que a fórmula seria melhorada nos títulos seguintes. Fora que comparado com o primeiro jogo de NES, isso daqui é uma maravilha em muitos sentidos!

    Conforme você avança, conhece novas fases, novos inimigos, obstáculos e o enredo avança. É legal!

    Logicamente as coisas vão ficando mais difíceis também e lá se vão muitas fichas. Comprovei também que muitas ideias foram reformuladas para o futuro da franquia

    São apenas 5 estágios, mas alguns são meio longos ou com diferentes seções que mais parecem fases diferentes, mas também é como se tudo fosse baseado num "arco" do desenho animado em que você tem que resolver algum problema grande em cada mas tem que passar por contratempos até chegar ao final de cada. Com certeza um prato cheio para quem acompanhava a super cultura das TMNT na época!

    É bacana ver alguma diversidade nas fases, mas é estranho ver chefes repetindo ou inimigos fortes que mudam um pouco o visual. O final da aventura também é meio estranho e até súbito, mas tenho certeza que pela dificuldade poucos chegariam lá, e só depois de muitas tentativas dispersas por muitos meses da vida.

    O final da minha campanha me custou 54 vidas. Ou seja, 27 fichas a cerca de 25 centavos de dólar daria uns 7 dólares. Bastante coisa para se gastar em Arcade na época!

    Resumindo: Teenage Mutant Ninja Turtles (The Arcade Game) é muito bacana e divertido, mas sofre da maldição comum de muitos jogos de fliperama, tendo uma dificuldade meio apelativa e a dependência de por mais fichas na máquina. Achei muito melhor que o primeiro jogo de NES, mas aquém do que a franquia se tornou em seguida, como um título de transição e quase que como um protótipo. Vi ainda que aquele port de NES dele deva ser melhor no final das contas, apesar dos visuais, já que tem sistema de vidas normal e até estágios a mais (fora que é um port muito caprichado).

    De bom: lindos visuais como a Konami costumava fazer em seus jogos. Boa trilha sonora. Multiplayer para até 4 pessoas. Cinemáticas bacanas. Jogo dublado. Boa continuidade nas fases.

    De ruim: combate esquisito e meio injusto pois inimigos são se paralisam com os golpes enquanto você é jogado de um lado pro outro a qualquer dano. Muitos e muitos inimigos na tela deixam a experiência meio cansativa e repetitiva e reforçam que TMNT foi feito para ser jogado com o maior número de pessoas possível.

    No geral, gostei bastante do jogo. De início eu imaginei que ele fosse ser melhor, mas não chegou a ser ruim e só me deu vontade de jogar os próximos! Rejogaria com amigos ou mesmo se alguém animasse com a versão de NES, que se duvidar pode até ser melhor! Jogo legal!

    Teenage Mutant Ninja Turtles

    Platform: Arcade
    353 Players
    16 Check-ins

    11
  • renegadoomgames RenegaDoom Games
    2022-05-23 09:20:43 -0300 Thumb picture
  • renegadoomgames RenegaDoom Games
    2022-05-09 10:35:26 -0300 Thumb picture
  • anduzerandu Anderson Alves
    2022-04-27 19:38:16 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Crash Bandicoot: The Wrath of Cortex

    Zerado dia 27/04/22

    Cara, se tem um jogo que eu gostava na época do PS1 era Crash Bandicoot, sobretudo o Warped. Sempre que ia na locadora, eu tinha que jogar Crash. Era massa demais! Nunca zerava, justamente por nunca ter comprado o consoles (demorei muito para ter interesse no que não era Nintendo), mas isso também nunca importou. Mais tarde vários membros da família adquiriram o console e eu me matava de jogar. Chegava sempre longe, mas eram tantas coisas para jogar!

    Já na época do PS2 eu me distanciei um pouco dos jogos mas sabia da má fama dos jogos da franquia naquela geração. Lembro ainda de ver os jogos do Crash saindo em diversas plataformas fora da Sony, o que era bem estranho. Nunca joguei nada, mas realmente a fama deles era bem ruim.

    Ainda assim sempre curti demais o que eu conhecia e há alguns anos fui atrás de terminar a trilogia original e o de corrida, todos originais do primeiro Playstation. Mais recentemente cheguei a jogar os remakes na coletânea N'Sane Trilogy que um aluno me emprestou. Legal demais.

    Mas não vou mentir que os demais títulos, não criados pela Naughty Dog continuavam me deixando com a pulga atrás da orelha. Poderiam ser tão ruins assim? Por outro lado, outros jogos na mesma vibe do PS2 envelheceram um bocado quando os joguei há bastante tempo, mesmo eu tendo curtido Sly Cooper e Ratchet & Clank (mas não muito Jak and Daxter). Se eu ainda jogaria esses Crashs era um mistério. Provavelmente não, mas com aquela chance à curiosidade.

    Como cheguei ao Wrath of Cortex? UM amigo (o mesmo que gostou muito de Oxenfree) vivia falando nele e como adorava o jogar em sua infância. E foi agora, de volta ao mundo dos consoles pelo Switch e jogando o N'Sane Trilogy que ele me disse como aqueles jogos lembravam demais o WoC e como eu deveria jogar, mesmo eu insistindo que as críticas a ele não são nada boas. E não é que um dia ele me recebeu com um emulador de PS2 instalado com o jogo?

    Sem muito ânimo, dei uma chance e...puts! WoC é uma cópia descarada do Crash Warped! Desde os menus, o hub que acessamos as fases, a trilha sonora, como os vilões falam com a gente nas telas de carregamento e os próprios estágios, que muitas vezes são bem parecidos (apesar de haverem sim estágios originais).

    Perceba que nos jogos do Crash Bandicoot sempre houveram inspirações nos jogos anteriores e a volta de mecânicas e até inimigos e desafios, mas nenhum pareceu tanto um hack feito por fãs. E é tudo tão bizarramente genérico!

    Mas não se engane. O jogo não é ruim. É legal, ainda mais se você não conheceu o Warped ou mesmo começou a jogar a franquia por ele. Tá tudo bem.

    Duas coisas negativas que percebi de cara são:

    -Os visuais que são mega simples para um jogo de Playstation 2 e menos charmosos que os títulos de PS1. Como eu disse, é tudo bem genérico;

    -O level design é muito fraco. Pegaram a fórmula e fizeram estágios sem graça e sem o menor carisma. Há exceções, entretanto, que me lembraram o quão legal pode ser Crash.

    As semelhanças com os jogos passados são terríveis e muitas vezes são partes iguais às que já conhecemos mas com pequenas diferenças. Sabe aquelas fases que fugíamos de uma pedra rolante gigante ou um dinossauro? Aqui ao invés de correr, você foge dirigindo. E sabe aquelas fases aquáticas que tínhamos uma espécie de jetski? Aqui é um mini submarino.

    Os desafios nos cenários são esquisitos e muitas vezes injustos e demandam bastante tentativa e erro para saber que uma caixa de TNT vai aparecer na sua frente enquanto estiver fugindo em direção à câmera. Sei que a franquia sempre teve um pouco disso, só que aqui o tempo de reação é mínimo já que parece que sua visão é sempre tão limitada independentemente do tipo de fase e desafio.

    E sabe aquela lógica de boas fases de seguir itens coletáveis ou mesmo a lógica de certo cenário? Aqui isso quase não existe e o resultado são muitas mortes gratuitas e um pouco de frustração.

    Para completar a dificuldade, o hitbox nesse jogo é sofrível. Geralmente não chega a ser um problema, mas quando é, prepare a paciência! É você se explodindo em caixas de NITRO que não encostou e inimigos que você calculou o movimento para poder pular e mesmo assim considerou como dano.

    Meu amigo e eu jogamos apenas um dia. Acho que ele percebeu que WoC é realmente fraco e pouco original. Voltei lá algumas vezes depois e priorizamos outras coisas e até cheguei a tentar voltara  jogar com ele, mas foi ele mesmo quem desanimou. Acredito até que tenha desinstalado o emulador. Uma pena.

    Já eu tinha jogado o bastante para adicioná-lo a lista de jogos iniciados. E ele ficou aqui por bastante tempo esperando a oportunidade de jogá-lo. Há uns meses atrás desbloqueei meu PS2 para jogar via pendrive mas WoC não coube no meu dispositivo de apenas 4GB (tenho que arranjar um maior pois quase nenhum jogo cabe nesse espaço). E assim ficou até eu ter a ideia de tentar emular PS2 aqui no notebook. Baixei, instalei, baixei bios (já fico preocupado com configurações desse tipo) e olha só: rodou! Que loucura! Embora prefira jogar direto no console, estou cogitando até tentar jogar umas coisas mais tranquilas nesse emulador depois, como Xenosaga.

    Depois percebi o quão burro eu sou em ter esquecido que o jogo é multiplataforma e que eu poderia ter jogado a versão de GC no Wii. Enfim...

    Eras depois, de volta à esse Crash. Obviamente tive que recomeçar a aventura do zero. E olha, eu curti bem mais jogando sozinho tranquilamente. Me estressei um pouco com umas coisas quebradas, ainda acho que o jogo chupe muito do Warped e fique devendo na originalidade. E embora tenha valorizado mais, ainda é um jogo meio fraco e, como disse anteriormente, teria dado mais certo se eu não tivesse jogado os Crashs anteriores.

    Depois de mais de um ano sem jogar isso, me surpreendi em como ele tenta diversificar o gameplay como os anteriores faziam. Isso ajuda muito! Mas uma coisa estranha é como as fases são completamente desconexas, embora cada mundo meio que tenha uma temática. Mas isso é ok considerando ser um Crash. Mas a longevidade e dificuldade desses estágios é completamente diferente um do outro. Tem fases na medida certa, tem fases que duram menos de 2 minutos e tem fase que se arrasta DEMAIS, incluindo o que parece ser uma dezena de checkpoints distantes uns dos outros.

    Fiquei também decepcionado ao ver que em algumas situações a irmã do Crash, a Coco, toma controle da fase (assim como era no Warped), mas não tem estágios legais. Ou seja, as fases dela não tem nada de diferente e poderiam muito bem ser jogadas com o protagonista. Diria até ser pior já que o Crash vai aprendendo habilidades conforme derrotamos os chefes de cada mundo (como pulo duplo) e quando jogamos com a Coco temos que ter em mente que a jogabilidade dela será limitada.

    Outro vacilo aqui é que há aquela máscara do mal como vilão que controla tudo e que põe o doutor Cortex para executar seus planos. Já o doutor terceiriza essa atividade para o Crunch, uma espécie de Crash grandão do mal. O enredo tem como base a volta de 4 máscaras do mal para ameaçar a paz do mundo e cada uma protege um mundo, mas todos os chefes são o Crunch com o poder dado pela máscara daquele mundo. Ou seja: é sempre o Crunch.

    Resumindo: Crash Bandicoot: The Wrath of Cortex é um jogo até legal e bem melhor do que a má fama da franquia parece ser na era PS2. Infelizmente o jogo peca um bocado em originalidade e parece ser um jogo copiando a si mesmo. Se for para jogar isso, talvez seja melhor jogar o Warped mesmo.

    De bom: divertido. Muitas fases com mecânicas e jogabilidade diferentes entre elas e mesmo para a série, como estágios estilo Super Monkey Ball e até um power-up que te deixa invisível. Gosto das referências aos jogos originais em várias fases, como os chefes antigos te atacando.

    De ruim: a sequência do Warped copia demais a fórmula de sucesso do antecessor. Algumas fases se arrastam demais. Cheguei a presenciar alguns bugs, incluindo um do próprio emulador (na fase do robô, basta apertar F9). A jogabilidade em partes semelhantes se difere de fase pra fase e não há explicação, como ter que acelerar com X jogando de carro mas usando O de patinete e apenas a direção no chefe com o robô. Chato enfrentar sempre o mesmo inimigo como chefe. Hitboxes podem ser um pesadelo em certas partes.

    No geral, achei WoC um jogo válido e já até penso em jogar outras sequências no futuro: Twinsanity, Crash of the Titans e Mind Over Mutant além, é claro, do 4. Os de GBA, DS e os demais de corrida e party games eu devo não jogar mesmo. Jogo ok e até melhor se, assim como meu amigo, foi o primeiro Crash da sua vida. Fora isso, passável. 

    Crash Bandicoot: The Wrath of Cortex

    Platform: Playstation 2
    1090 Players
    48 Check-ins

    20
    • Micro picture
      bobramber · 4 months ago · 2 pontos

      Ora acelerar com o X, ora com o O, foi a maneira que encontraram de diversificar a gameplay, kkk

      2 replies
    • Micro picture
      knuxbbs · 4 months ago · 2 pontos

      ão sei de onde saiu essa fama de que os jogos lançados para os consoles pra Nintendo foram ruins, mas 'Crash Bandicoot 2: N-tranced' e seu antecessor, para GBA, são até bonzinhos.

      1 reply
    • Micro picture
      knuxbbs · 4 months ago · 2 pontos

      Por muito tempo, 'Wrath of Cortex' foi considerado meio que uma sequência não-ofiicial para o 'Warped'. Ainda bem que o "It's About Time' veio para corrigir isso.

  • renegadoomgames RenegaDoom Games
    2022-04-16 11:05:34 -0300 Thumb picture
  • renegadoomgames RenegaDoom Games
    2022-04-14 09:56:37 -0300 Thumb picture
  • renegadoomgames RenegaDoom Games
    2022-04-06 11:45:36 -0300 Thumb picture
  • cyberwoo Diogo Batista
    2022-04-01 19:59:16 -0300 Thumb picture

    Criadores de Resident Evil e Silent Hill se sentam para um bate-papo

    Os criadores de Resident Evil e Silent Hill se reúnem para um bate-papo onde relembram o passado, suas frustrações e como era criar nos 90. Confiram o imperdível bate-papo.

    https://www.arquivosdowoo.com.br/2022/03/31/criado...

    Resident Evil

    Platform: Sega Saturn
    450 Players
    9 Check-ins

    29
    • Micro picture
      shucrute · 5 months ago · 4 pontos

      Resident Hill vindo ai

    • Micro picture
      cyberwoo · 5 months ago · 4 pontos

      Evil Hill vindo ai

    • Micro picture
      eikesaur · 4 months ago · 4 pontos

      Resident Silent vindo aí

  • renegadoomgames RenegaDoom Games
    2022-03-31 10:15:03 -0300 Thumb picture

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...