• anduzerandu Anderson Alves
    2021-03-12 00:03:52 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Battle Princess Madelyn

    Zerado dia 11/03/21

    Eu conheci Battle Princess Madelyn há algum tempo atrás. Lembro de ter visto que era uma homenagem à série Ghosts 'n' Goblins, que eu tanto amo, e de ter achado super legal o visual.

    Um dia vi o jogo na eshop do Switch e adicionei à minha lista de desejos (que é mais uma lista de lembretes).

    Tempos depois, joguei Cursed Castilla Ex e curti bastante, então logo em seguida lembrei que tinha essa outra homenagem aqui e fui atrás na eshop mesmo sem nem lembrar seu nome. Pesquisei no site eshop-prices.com e para a minha surpresa  ele estava em uma mega promoção! Algo do tipo de R$90 por R$9. Peguei na hora! Como o jogo não é popular, nenhum dos sites que sigo anunciou a promoção, que estava próxima de acabar. Que sorte! Só de ver aquele visual em comparação ao Cursed Castilla eu já fiquei doido!

    Bem, eu estou jogando outra coisa e nem deveria estar no BPM, mas ver um dos youtubers que sigo jogar o novo Ghosts 'n' Goblins me deixou na seca e como o jogo é caríssimo, fui para a única opção que eu tinha. Passei na frente da fila inteira de jogos!

    Abrindo BPM pela primeira vez, me deparei com o nome de uns estúdios indie e uma imagem temática bem legal, com um filtro que simula o visual antigo das TVs, seguido por uma tela título com a protagonista bem alegre. Dá pra imaginar que é uma experiência feita pela Cartoon Network.

    Não sei se todos os elementos se encaixavam bem na premissa da temática. Esperava algo mais "halloween" e recebi algo mais bestinha. Mas tava tudo certo.

    Mexi nas opções e tinha um bocado de coisas interessantes desde idiomas diferentes, jogar com músicas orquestradas ou similares às do Sega Genesis/Mega Drive, filtros, adicionar um temporizador de speedrun, desabilitar ajudas e marcadores até desbloquear todas as armas. Basicamente é bem personalizável, mas eu mantive tudo no "default" e só voltei à esse menu uma vez ou outra pra testar algumas diferenças. Como essas opções só são acessíveis na tela inicial, fica difícil ficar testando e voltando toda hora.

    Começando a aventura, tem todo o enredo e contextualização. Legal e diferente do que o esperado. E logo eu estava no controle da personagem, a própria Madelyn.

    Uma coisa que eu não esperava é que o jogo é na verdade um metroidvania. Algo como jogar Shantae com a temática Ghosts 'n' Goblins. Apenas a temática mesmo, pois a dificuldade passa longe daquelas das aventuras do Arthur.

    Você logo estará numa vila com muitos NPCs e uns mini tutoriais de comandos e tal. Vários dos personagens já tem missões opcionais pra você, o que é estranho vindo de um jogo que eu não faço ideia de como funcione, mas fui aceitando todas.

    Percebi depois de explorar os mapas da cidade e do castelo que só tinha um lado para ir, a direita. Nesse novo mapa é onde a coisa começou de verdade, até parecido com G'n'G: noite, cemitério, zumbis surgindo do chão. É tudo tranquilo, você tem uma boa mobilidade, os monstros morrem fácil e você tem uma barra de vida e mesmo perdendo todos os pontos, você pode voltar a vida com a barra cheia de acordo com outra barra que você tem que é preenchida ao destruir inimigos. Quanto mais cheia essa barra, mais "vidas" você tem. Perca todas essas "vidas" e você volta ao início da área.

    Eu estava curtindo bastante essa primeira área. Era o que eu esperava do jogo. Ainda estava coletando bastante dinheiro e a linearidade logo me trouxe ao primeiro chefe. Toda a estética até então era muito legal!

    Progredindo um pouco, ganhei mais armas (que podia alterar com um botão, ao invés de ter que coletá-las como em G'n'G) e habilidades, como o salto duplo. Fiz ainda missões aleatoriamente, como salvar personagens de ondas de inimigos ou coletar itens para NPCs que me pediram para encontrar. Muitas dessas missões eu demorei bastante para terminar, pois eram coisas em mapas do final do jogo, inacessíveis até então.

    Com o segundo mapa, BPM fortaleceu seu caráter metroidvania pois os mapas estavam conectados, tanto o primeiro quanto o segundo e a cidade inicial. Desbloqueei ainda pontos de transporte rápido entre eles.

    Uma coisa estranha que comecei a perceber é que os mapas ficam parecidos muito rápido, assim como os inimigos se repetem frequentemente. Além disso, percebi que toda ação feita é simplesmente por acaso na busca da porta do chefe. Se você souber onde fica, pode sair correndo e só vai deixar de juntar dinheiro.

    O dinheiro foi bastante importante quando eu finalmente desbloqueei o ferreiro ao encontrá-lo numa caverna. Ao interagir com ele, pude melhorar dois equipamentos meus: arma e armadura. A arma fica teoricamente melhor e diferente (eu usava a faca, rápida como em G'n'G, mas no nível 2 das armas ela atirava em três direções, mas aparentemente mais lenta e com alcance bem limitado). Já a armadura me deu mais pontos de vida, o que me garantiu maior durabilidade em combate e ainda mudou minha estética, adicionando um capacete com asas e uma capa. Muito legal!

    Eu passei uma parte do jogo focando em coletar toda a grana derrubada por monstros me preocupando com isso e logo consegui fazer os upgrades pro nível 3, que infelizmente era o último. Minha armadura mudou novamente e ficou esquisita, mas mais forte. Já as armas causavam ainda mais dano, mas ficaram bem diferentes (como a faca que agora eram meio que tochas verdes, mas que voltou a ser uma só por ataque).

    Houve um momento em que precisei usar das minhas novas habilidades para prosseguir na história, mas geralmente era só um NPC importante que me dava algum item que abria uma porta ou coisa do tipo

    Logo também comecei a cansar do jogo. Você anda por mapas cheio de plataformas que não dão em lugar algum e diferentes níveis que deixam a exploração um pouco demorada demais. As vezes você parece explorar tudo e não conseguir achar o caminho até perceber que era algo sem graça como uma parede falsa ou alguém que você deveria salvar, falar com um NPC e ganhar um chave.

    A lentidão também mata pois perder suas "vidas" e ressuscitar as vezes te manda pra bem longe. Usar os tele transportes causa Loadings demorados e mesmo deles para um chefe, por exemplo, o caminho é sempre longo. Há momentos de exploração e experimentação que você vai andar bastante para nada (mas felizmente há a opção de usar um menu para voltar pra última rocha de tele transporte).

    BPM ainda tem diversos bugs e coisas que passam a sensação de design no mínimo duvidoso. Tem problemas daqueles que você passa por dentro das plataformas ao tentar pousar nelas, mortes instantâneas inesperadas como tocar na lateral de um espinho que você jurava que daria pra pular e muitos pulos direto para a morte pois não há a possibilidade de olhar ao redor com o analógico direito e a sua visão é um tanto limitada.

    Acaba que a maior graça do jogo está nos seus visuais e nos chefes, embora a maioria seja fácil e com poucos ataques até demais. Se você encontrar algumas armas e tiver feito os upgrades, o jogo fica mamão com açúcar, mesmo morrendo aqui e ali.

    Eu não reparei em quantas horas levei para terminar, mas basicamente joguei por dois dias de verdade. A parte que mais lamento foi não ter testado o modo Arcade, apenas o Story, para ver o que ele poderia fazer de diferente, mas já foi. E aqueles R$9 que pareciam muito bem gastos e até pouco demais para o que estava sendo oferecido, agora parecem mais do que o justo. Esse jogo passou bem perto de ser muito bom e acerta em diversos quesitos, mas a experiência infelizmente é falha de diversas formas e o gameplay é bem sem graça.

    Resumindo: Battle Princess Madelyn é um jogo legal, mas que poderia ter sido tão mais do que isso, e essa é a promessa da aventura pelas primeiras horas, antes de cair na mesmice e decepcionar de diversas formas. O jogo valeu os R$9 que investi e tem pontos altos aqui e ali, mas no final das contas foi muito mais decepcionante do que tudo.

    De bom: visuais e músicas fantásticos. Muitas opções de customização do jogo. O design dos chefes é legal e o pixel art é muito bonito e bem animado. Inclui muitas missões secundárias opcionais e colecionáveis que ficam numa sala para serem vistos. A ideia de justar a fórmula do Ghosts 'n' Goblins com metroidvania é interessante.

    De ruim: o jogo é meio lento na movimentação e me faz andar muito de graça. Os chefes são fracos, previsíveis e pouco variam seus ataques. Pouca variedade de inimigos. Faltaram mais power-ups. Level design muito fraco. Muitos bugs e problemas de performance, incluindo lag. Muitas limitações. Loadings longos. 

    No geral, valeu a jogatina, mas eu sinceramente não recomendaria o jogo senão pra um fã de jogos antigos desse tipo que queira dar uma conferida, mas BPM não chega nem aos pés dos clássicos. No final das contas eu diria que o Cursed Castilla Ex é muito melhor (inclusive o protagonista dele aparece aqui nesse jogo). Passável.

    Battle Princess Madelyn Royal Edition

    Platform: Nintendo Switch
    0 Players

    22
  • anduzerandu Anderson Alves
    2018-09-24 14:06:33 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Ghosts 'N Goblins

    Zerado dia 23/09/18

    Esses dias o Alva ficou fora do ar, né? Fiquei com menos coisas pra fazer no celular e com uma semana super pesada fazendo plantões na escola e mudando de casa, descontei todo o cansaço acumulado nos videogames. Fechei a demo de teste do Dark Souls no Switch e isso me animou muito mais a não só comprá-lo, como entrar de cabeça em tudo da FromSoftware do DS em diante (coisa que eu estava meio que com medo de jogar, meio com preguiça).

    Além disso, com o Nintendo Online assinado, fui dar uma olhada nos jogos disponíveis e dos poucos que quero jogar, Ghosts 'N Goblins foi o que mais se destacou. Resolvi jogar logo, essa série que sempre tive um medinho de jogar também, mas que aparentemente, assim como DS, acho que foi a hora certa!

    De antemão já digo que me apaixonei pelo jogo! Minhas experiências com a série se baseavam em uma dúzia de mortes na primeira fase da versão de SNES e um gameplay resumido do Angry Video Game Nerd com o mesmo.

    GnG é difícil? É, mas nem tanto. Muita coisa da época era tenso. 

    A questão é que essa aventura é muito bem feita quando comparada com a enxurrada de tosquices dos consoles daquele tempo, como Wonder Boy, por exemplo. Cada morte é culpa sua mesmo! Não tem pegadinha!

    O negócio é saber usar a arma que você tiver coletado, aprender os padrões dos diferentes inimigos e manjar da física do jogo, pois o pulo segue a direção que você escolheu anteriormente, ao invés de ter toda aquela liberdade do Mario (acredite, essa pode ser uma das maiores dificuldades do jogo).

    Pra ser sincero, não achei o jogo tão difícil assim. Já tive experiências bem mais complicadas e a dificuldade de GnG é bem justa, mais tranquila que os Megaman por exemplo. Algo como um Mario pra gente grande.

    A jogabilidade é bem simples, graças aos 2 botões do consoles: pular e atacar, fora andar e abaixar com o d-pad. Os inimigos morrem com poucos hits (um difícil que não seja boss leva 4 porradas pra morrer) e seus ataques são sempre a longa distância e variam com cada arma:

    -Lança: a arma original de Arthur. Tem velocidade média e cadência média (2 na tela por vez);

    -Tocha: são jogadas para baixo em arco e ficam queimando um tempo. Achei bem ruim;

    -Machado: também jogado em arco, mas em maior distância;

    -Foice: uma espécie de sonic boom do Guile. Apenas uma na tela por vez. Não vi vantagem.

    -Faca: USE A FACA! Rápida, forte e com muitas na tela por vez.

    -Escudo: funciona como a lança, mas é maior e ainda bloqueia projéteis inimigos.

    Se tiver mais armas, nem importa. Use a faca!

    Há ainda outros coletáveis no jogo que fornecem pontos.

    Lembre-se: os inimigos morrem fácil, mas você também! Um hit é o bastante pra tirar a sua armadura e outro pra te matar! Pelo menos não há como dar game over e as fases tem checkpoints, mesmo se você perder todas as suas vidas.

    Uma coisa que me surpreendeu foi a duração da jogatina: pouco mais de 2 horas, contando que morri muuuuito. São apenas 8 estágios e o último é apenas a batalha final, bem fácil por sinal (rimou).

    Cheguei a usar savestates do emulador do Nintendo Switch Online, mas foram pouquíssimas vezes (tipo antes de um chefe pois não queria morrer e ter que refazer a fase toda) e quase sempre acabou nem precisando dar load.

    Resumindo: Ghosts 'N Goblins é uma experiência fantástica que demorei até demais pra conhecer de verdade. Um super jogo de NES, sem dúvidas. Virei fã e já vou jogar o restante!

    De bom: simples e bonito como uma resposta bacana ao Castlevania da Konami. Jogabilidade super funcional. O jogo nunca é injusto (com exceção talvez das batalhas contra Firebrands). Replay incrível, graças também aos checkpoints e continues infinitos e você acaba sempre ficando melhor e indo mais longe,mesmo voltando ao começo da parte em que morreu. Há um mapa entre as fases pra te situar e mostrar seu progresso.

    De ruim: a trollada clássica da Capcom de ter que zerá-lo duas vezes pra ver o final verdadeiro. Eu não o fiz, mas use um cheat pra jogar a batalha final depois e o zeramento real é horrível e cheio de erros de tradução. Firebrands (os demônios vermelhos voadores) tem padrões muito aleatórios. Quando subir ou descer uma escada tenha certeza de chegar até o final antes de apertar pros lados senão você fica paradão e pode tomar dano! Toda vez que morremos temos que ver o mapa do jogo nos mostrando onde estamos, e não há como pular.

    No geral, foi uma ótima experiência. Já quero jogar tudo relacionado a série!

    Ghosts 'N Goblins

    Platform: NES
    455 Players
    10 Check-ins

    14
    • Micro picture
      jerfrey · almost 3 years ago · 2 pontos

      Cara, assim como você minhas primeiras experiências com esse jogo foram morrendo umas tantas poucas vezes e desistindo logo em seguida quando era pequeno, daí descobri o Alvanista recentemente e acabei reencontrando-o e voltei a jogar. Tô achando ele difícil, mas mais desafiador do que impossível, então tá valendo.

      1 reply

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...