• anduzerandu Anderson Alves
    2020-12-01 13:37:09 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: DK: King of Swing

    Zerado dia 01/12/20

    Vasculhando há um tempo atrás pelos meus jogos mais escondidos, achei DK: King of Swing no emulador de GBA do PSP. Foi um dos jogos que adicionei aqui nas notas autoadesivas do Windows na área de trabalho do PC para lembrar de jogar, pois eu havia o começado e até feito algum progresso, mas esquecido de continuar depois por qualquer motivo.

    Acho que o motivo de ter jogado mesmo foi mais pela curiosidade. É tão estranho você achar um jogo de uma franquia grande que ninguém nem menciona! Bom, com certeza tinha algo errado.

    Quando comecei a jogatina, lembro de ter percebido que esse era o antecessor de Jungle Climber, do DS, outro spin-off que ninguém liga. Felizmente não colocaram o nome "Country" no título. Pra ser sincero, nem "Donkey Kong" ele é, apenas "DK" mesmo.

    Esses jogos são bem diferentes do gênero plataforma que a gente imagina quando fala de Donkey Kong. Só aí já dá medo de jogar. Mas pra ser justo, DK 64 era um collect-a-ton com plataforma e mais e ainda assim é um ótimo jogo.

    Obviamente comparar um trabalho feito pela Rare na época do N64 com o da desconhecida Paon Corporation de King of Swing chega a ser injusto.

    A jogabilidade é concentrada em escalar. Você pode andar onde tiver chão, mas geralmente não tem o porquê senão se posicionar melhor e voltar a subir. Seu objetivo ainda é chegar ao final dos estágios, mas para isso há diversos obstáculos e diferentes mecânicas divididas pelas fases dos 5 mundos.

    Os controle se resumem a usar os botões L e R. Um para a mão esquerda e outro para a direita. Quando você aperta o botão, a mão referente à ele se fecha, agarrando as pedrinhas amarelas que estiverem em baixo. Se soltar o botão, ele abre a mão e larga de onde estiver segurando.

    Se você agarra com ambas as mãos numa parede, o DK fica parado se segurando (e até carrega um boost se você aguardar um segundo ou dois). Já no caso de agarrar com apenas uma mão, o DK fica girando até que você agarra também com a outra ou se solte por completo.

    O lance do personagem girar é muito importante, pois em King of Swing o timing é muito importante e saber quando agarrar com a mão esquerda, esperar ele girar até passar a outra mão por uma peça de interesse, segurar lá, soltar a mão que antes estava segurando e assim por diante. Lembre-se: é um jogo que você usa praticamente só L e R.

    Você também pode girar para se lançar no ar e agarrar a uma peça mais alta que alcançar.

    Apertar os dois botões simultaneamente é bem importante também. No chão, você pula e assim poderá agarrar as paredes. Já enquanto estiver pendurado, o personagem carrega seu boost (ficando vermelho) e se lança com alguma força, o que pode te ajudar a alcançar lugares mais distantes, quebrar barris, caixas e alguns outros obstáculos e mesmo matar inimigos!

    Falando bem por cima, até que King of Swing é fácil, ainda mais se você não for coletar todas as coisas, explorar e pegar os bônus. Sinceramente, não vi muito motivo pra ir a fundo no jogo senão liberar mais estágios pro multiplayer, o que hoje em dia raramente alguém faria. A cada 10 bananas coletadas você também pode apertar B para se curar, o que ajuda a não ter que refazer tudo de novo caso você tenha feito algum progresso e esteja nas últimas.

    A dificuldade maior está em controlar o personagem, conseguir agarrar às paredes, conseguir evitar contato com inimigos, conseguir acertar seu ataque neles (já que ele é super curto) e manter a calma quando você erra um pulo ou perde todos os 3 corações e tem que refazer a fase toda do início. Algumas mecânicas de alguns mundos também são cruéis, como em um de gelo que as paredes ficam escorregadias e você cai constantemente.

    De uma olhada no modo alternativo ao da campanha e ele é mais voltado mesmo pro multiplayer de até 4 pessoas, mas é possível jogar sozinho contra bots.

    Nesse modo, o desafio é escalar o mais rápido possível e chegar ao topo primeiro. Eu me considerava decente no jogo, mas joguei umas três partidas e perdi todas em último, mesmo trocando os personagens (coisa exclusiva desse modo) e escolhendo aqueles com pulo mais alto (se lançam mais alto ao soltar o botão ao girar).

    Já de volta ao modo principal, todos os 5 mundos são constituídos de 4 fases mais um estágio de chefe. Os chefes são a melhor parte do jogo (com exceção do último que mais parece uma partida multiplayer). Eles exigem velocidade de escalada, agarrar objetos como pedras e bombas e tacar nele e posicionamento no cenário.

    Resumindo: DK: King of Swing é um spin-off estranho. Não é nada do que eu espero quando penso em Donkey Kong e meio que sinto que poderia ser qualquer personagem ali, apesar que macacos e escalada se dão bem melhor. Por outro lado eu acho que curti mais o seu estilo do que o de Jungle Climber e a experiência foi até bacana até certo ponto, principalmente por ser tão curta, mas me estressei um bocado nos níveis final (sobretudo a última fase e o último chefe).

    De bom: há um belo charme GBA no jogo, até bateu uma saudade. As animações são legais e algumas coisas bem cuidadas, como a gravata do DK, sempre voando ao se balançar por aí. O jogo é curto e na medida certa. Mundos com temáticas exclusivas e chefes legais. Gosto da proposta de que você está no comando e é o seu maior inimigo (apesar de algumas partes um pouco tensas demais aqui e ali). Os sprites são bonitos e a trilha sonora é a clássica já conhecida.

    De ruim: enredo bobo demais. Jogabilidade cansativa e frustrante, resultando em dedos doloridos de tanto apertar L e R e desânimo em refazer certos cenários depois que você morreu por besteira. Hitbox meio esquisitão, com inimigos e afins te acertando com um certo espaço, mas sendo bem chato na hora de pegar nas pedrinhas das paredes, que tem que ser quase que perfeitamente.

    No geral, foi uma experiência ok e foi bem reviver um pouco da época do portátil, mas eu não vejo porque recomendar o jogo. Não consigo imaginar quem se divertiria de verdade com a jogabilidade e nem indicaria para fãs de DK por ser tão diferente (a não ser que você seja um mega fã maluco). A verdade é que sinto que esse jogo, existindo ou não, não faria diferença. Melhor fingir que nem existiu mesmo.

    DK: King of Swing

    Platform: Gameboy Advance
    113 Players
    2 Check-ins

    15
  • cyberwoo Diogo Batista
    2020-11-27 23:54:57 -0200 Thumb picture

    DONKEY KONG COUNTRY (Cabelo) SNES | Live da Bananada | Parte 2

    Cabelo jogando Donkey Kong Country ao vivo com sua esposa lá no canal. Bora conferir galera, e se possível se inscrever para nós ajudar a crescer.

    Estamos com um desafio, caso o canal alcance a meta de 1000 inscritos, Cabelo vai terminar Chrono Trigger em uma única jogatina .

    Donkey Kong Country

    Platform: SNES
    20733 Players
    232 Check-ins

    2
  • rafa9000 Rafael Gazola Ghedini
    2020-07-18 19:57:01 -0300 Thumb picture
    Post by rafa9000: <p><strong>WARNING!! A WILD GAME APPEARS!!!</strong

    WARNING!! A WILD GAME APPEARS!!!

    Não resisti e comprei Yooka-Laylee: The Impossible Lair na eshop do Nintendo Switch, a tempos estava de olho nele e o preço de 14,99 Trumps me fez finalmente comprar essa belezura e eu tb não resisti e já comecei a jogar e PQP!!! QUE JOGO BOM!! No melhor estilo dos clássicos Donkey Kong Country, inclusive esse foi o fator de eu estar de olho nesse game desde o anuncio afinal o game foi desenvolvido por ex-menbros da RARE que trabalharam tb em DKC e não só isso o game conta com a MARAVILHOSA trilha sonora do mestre David Wise que tambem assina a trilha dos classicos DKC e de Tropical Freeze e olha só o ''pouco'' que joguei de já posso dizer que a trilha que ele fez não deve nada pros classicos DKC(ou pra classica stickerbrush symphony de DKC 2), muito pelo contrario consigo imaginar varias musicas do jogo em qualquer um dos 3 jogos da trilogia DKC ou mesmo em novos jogos e elas tb são uma delicinha de ouvir mesmo fora do jogo(me viciei no Spotify em Frantic Fountains - Frozen).O jogo pega muito das mecanicas classicas de DKC como coletar penas(bananas),  achar 5 moedas escondidas pelas fase(letras KONG são vocês?), cordas, espinhos pra todos os lados e até ''barris'' que saem atirando Yooka e Laylee no ar e ao mesmo tempo inova ao fazer um world map alá The Legend of Zelda com puzzles para resolver e até inimigos para enfrentar, por falar nisso uma das coisas mais legais do world map é que atraves de itens e mudanças que vc faz nele você pode alterar completamente as fases do jogo tornando-as as vezes completamente diferentes da fase que você acabou de passar(jogue uma bomba de gelo em uma fase de agua antes de entrar nela e a fase fica toda congelada e MUITO diferente) essa sacada dos desenvolvedores foi genial.

    Enfim...sem mais delongas esse jogo tem tudo pra se tornar um dos meus plataformers favoritos junto com DKC 2, Tropical Freeze e Super Mario Bros 3, e apesar de telo digital penso seriamente em comprar a versão física um dia tanto pro Switch quanto pro PS4 pra ter ele bonitão na estante.

    PS: As referenzas do jogo a cultura pop, as tiradas sobre o jogo anterior, a outros games são hilarias.

    PS2: Ja joguei o primeiro Yooka-Laylee(tenho ele no PS4) mas não cheguei a zerar, mais um motivo pra dar uma segunda chance(alem da trilha do David Wise)

    Yooka-Laylee and the Impossible Lair

    Platform: Nintendo Switch
    8 Players
    1 Check-in

    9
  • viciogame VICIOGAME Retro Games
    2020-05-11 17:36:29 -0300 Thumb picture

    ​🎮 Donkey Kong Land (Game Boy) Complete Gameplay

    🎮 Donkey Kong Land (Game Boy) Complete Gameplay.

    #Viciogame #DonkeyKongLand #GameBoy #Gameplay #Rare #スーパードンキーコング #Nintendo #任天堂 #DonkeyKong #ゲームボーイ #LetsPlay

    Donkey Kong Land

    Platform: Gameboy
    369 Players
    7 Check-ins

    0
  • bmark B - Mark
    2020-05-08 20:43:14 -0300 Thumb picture

    Video do meu cartucho que foi recuperado

    Ano passado adquiri através um Donkey Kong Country de SNES através de uma troca com um amigo que é conhecido como Odin Games.

    O chip do cartucho quase que foi jogado fora mas ele conseguiu recuperar.

    Dei 2 CD ROMs antigos de PC mais 2 CD Expert com os jogos 4X4 Hummer e Shadowgrounds que comprei na cidade onde moro para conseguir o jogo.

    Hoje o cartucho do vídeo está em minha casa.

    Donkey Kong Country

    Platform: SNES
    20733 Players
    232 Check-ins

    10
    • Micro picture
      bmark · about 1 year ago · 2 pontos

      Não. Sou de Minas Gerais mas meu amigo que fez o vídeo mora no Rio Grande do Sul.

    • Micro picture
      hazacc · about 1 year ago · 1 ponto

      Amigo, tu é do Rio Grande do Sul?

    • Micro picture
      hazacc · about 1 year ago · 1 ponto

      Ahh, sim, o vídeo não é seu. Cara, o sotaque dele é muito forte. Também sou daqui, por isso perguntei kk.

  • supernovas SUPERNOVAS
    2020-02-20 23:09:43 -0300 Thumb picture

    DONKEY KONG COUNTRY, O PODCAST DEFINITIVO


    EDIÇAO ESPECIAL


    OUÇA O PODCAST GRATUITAMENTE: https://supernovas.com.br/podcast/donkey-kong-coun...


    Atenção! Se você gostou deste podcast e deseja que continuemos o trabalho, compartilhe este post (aqui no alvanista mesmo). Isso faz MUITA DIFERENÇA e garante que continuemos o conteúdo retrô!

    Confesse: Donkey Kong é um personagem que tornou-se destacado de verdade somente depois daquele natal de 1994. Naqueles tempos, a sua ânsia por um video-game de CD era altíssima, mas este título desenvolvido por uma produtora britânica acalmou o seu coração e fez do seu Super NES velho e guerreiro um artigo de motivo de orgulho.

    As informações documentais apresentadas nesta edição foram extraídas de entrevistas recentes com os desenvolvedores.

    Nossa edição anterior (Mortal Kombat) fora gravada no último trimestre de 2019, e desta vez tivemos tempo de organizar nossas ideias e deixar as cosias bem enxutas, assim como nossos debates mais afiados. Bon apetit.

    Estamos no Spotify, iTunes, Google Podcasts, Pocket Casts, Cast Box Deezer e muitas outras plataformas agregadoras de podcast. Basta procurar por "Supernovas" e se inscrever!

    Donkey Kong Country

    Platform: SNES
    20733 Players
    232 Check-ins

    9
    • Micro picture
      kess · 11 months ago · 1 ponto

      Adorei o envolvimento com a produção das músicas. A empolgação de vocês foi cativante. Baita jogo, e bom que mencionaram a série inteira no SNes. E esse era para ser o #14?

      2 replies
  • thejosephkorso Helton Carvalho
    2019-08-09 19:02:57 -0300 Thumb picture
    8
  • supernovas SUPERNOVAS
    2018-10-02 18:07:09 -0300 Thumb picture

    Entrevista com o compositor da trilha de Donkey Kong Country

    Medium 3676013 featured image

    Confira mais matérias originais, vídeos e podcasts em: www.singleplayers.com.br

    David Wise é um dos compositores mais geniais do mundo dos jogos e concede pouquíssimas entrevistas. Por sorte, temos este raro registro com o compositor premiado e adorado até por pessoas que não fazem ideia de quem ele seja. Atualmente ele contribuiu para obras como Snake Pass, Yooka-Laylee e Donkey Kong Tropical Freeze. Só que nos tempos antigos ele trabalhou com a Rare em Battletoads e seus jogos favoritos sobre macacos.

    Você era parte da Rare desde 1985, quase no começo da companhia. Como você se tornou um compositor de video games?

    Me tornei compositor de video games quase por acidente. Eu estava trabalhando em uma loja de música, demonstrando um computador musical Yamaha CSX usando alguns dos meus próprios arranjos. Tim e Chris Stamper pediram uma demonstração de vendas, perguntaram quem havia escrito aqueles arranjos, e me ofereceram um trabalho na Rare.

    É o estilo de vida que você imaginou quando era criança?

    Eu queria ser compositor, então eu considero um privilégio compor músicas para video games.

    Em Battletoads a música é puro rock, DKC tem uma sensação ambiente de jazz, a música de DKR é pop e cativante…seu trabalho é bastante variado. Que tipo de música você gosta de ouvir?

    Eu absolutamente escuto montes de diferentes estilos de música, constantemente. Orquestra, ópera, balé, rock, funk,pop, músicas infantis, trilhas de filmes, qualquer coisa que se conecta comigo emocionalmente.

    Você normalmente toca qualquer instrumento?

    Eu toco uma variedade de instrumentos: meu favorito é o saxofone e sou afortunado em ter um grande piano Bluthner no lounge. Toco violão, baixo, bateria e percussão, e no momento estou reapredendo a tocar trompete, que eu costumava tocar quando era criança.

    A música de Donkey Kong Country ainda é aclamada por fãs e críticos, 15 anos depois. Essa série de jogos será inevitavelmente ligada a temas como Jungle Groove, Fear Factory ou Aquatic Ambiance. De onde veio essas melodias?

    Muito da inspiração veio da tentativa de superar as limitações de ter disponível apenas 64K de memória no SNES, e para fazer isso eu tinha que ser um pouco mais criativo na maneira que usava os dados de ondas sonoras disponíveis.

    Em muitos jogos da Rare, era comum ver vários compositores creditados. Você era incluído ao lado de Graeme Norgate em Donkey Kong Land, em DKC com Robin Beanland e Eveline Fischer. Como era distribuído o trabalho entre os compositores?

    Felizmente Graham, Robin e Eveline são compositores talentosos e tecnicamente competentes. Executar as melodias no SNES ou no GameBoy era um processo que consumia um certo tempo, então era mais o caso de quem estava disponível para escrever a próxima melodia requerida.

    Hoje em dia, as músicas dos jogos best sellers são gravadas com orquestra, arranjos orquestrados…são ótimas, mas as vezes os jogadores se lembram mais de um tema em midi gravado vinte anos atrás com menos recursos do que o arranjo sinfônico mais atual. Você acha que isso se deve a nostalgia, ou existe alguma coisa coisa?

    Nós não tínhamos nem mesmo o luxo do midi, tudo era escrito em código Hex até o Nintendo 64.Os chips sonoros eram muito mais limitados do que os recursos disponíveis atualmente, então a música era muito mais proeminente nos jogos.

    Talvez porque a música agora tenha que competir com efeitos sonoros, falas e sons ambientais, não tenha a atenção que merece.

    Stickerbrush Symphony, Aquatic Ambiance, Spaceport Alpha, Forest interlude, Turbo Tunnel Race em Battletoads… todo mundo tem seu tema favorito. Mas qual é a música de que você se orgulha mais? Por quê?

    Eu considero Aquatic Ambience foi o ponto da virada. Era tecnicamente trabalhoso de emular a técnica da “sequência de ondas” do Korg Wavestation para contornar o limite de 64k do SNES. Aquatic Ambience levou 5 semanas de programação, re-programação e para funcionar, mas os resultados defintivamente valeram a experimentação.

    Nos anos noventa, a Nintendo e a Rare pareciam competir para ver quem fazia os melhores jogos no SNES e Nintendo 64, como Mario Kart e Diddy Kong Racing, Banjo Kazooie e Mario 64 ou Donkey Kong Country e Super Mario World. Você sentiu essa rivalidade saudável nas músicas?

    A Nintendo escreveu grandes temas musicais, afinal todos conhecem o tema do Mario, é simplesmente icônica, assim como os temas para Zelda, Star Fox e incontáveis outros video games da Nintendo.

    Então sim, havia definitivamente uma rivalidade saudável. Por exemplo: com a trilha para Diddy Kong Racing eu queria fazer que fosse mais Mario Kart do que o próprio Mario Kart. Os jogos da Nintendo e seus estilos são grandes fontes de inspiração.

    A saída da Rare da Nintendo foi traumática para a companhia japonesa, para os fãs e para a Rare também. Desde então, você está apenas trabalhando em alguns poucos títulos relacionados a franquias ou consoles da Nintendo. Eu não sei o que aconteceu nessa indústria quando um grande compositor como você teve de deixar uma companhia para qual trabalhava tanto tempo. Mas você começou de novo com o David Wise Sound Studio. Você tem projetos para continuar a fazer jogos para video games?

    Me sinto muito sortudo por trabalhar com alguns projetos muito inspiradores de video games no momento, com alguns produtores muito telentosos. Tempos muito excitantes, e estou ancioso para que esses projetos dêem seus frutos.

    Dessa maneira (computador + intrumentos reais) serão suas músicas de seus novos projetos, ou você tem em mente, como Grant Kirkhope fez em Viva Piñata, que escreveu uma trilha orquestrada?

    Caso um projeto suporte uma trilha orquestrada completa, e onde o orçamento estiver disponível, então sou bastante favorável a seguir esse caminho.

    Também acredito que a trilha tenha que ser harmônica em relação ao ambiente do jogo também. Uma trilha que eu trabalhei no ano passado era bastante atmosférica, e eu preferi um uso mais esotérico da instrumentação.

    Eu sempre prefiro a performance e a entrega do uso de instrumentos reais quando for possível, pois nada pode se comparar. Entretanto, as vezes eu faço de outro jeito usando controladores midi para tocar samples ou instrumentos VST, tanto de um kit de bateria midi ou de um controlador de sopro Akai EWI.

    Eu também uso vários microfones ajustados para gravar a colecão de instrumentos que eu tenho em mãos no meu estúdio.

    Donkey Kong Country

    Platform: SNES
    20733 Players
    232 Check-ins

    28
    • Micro picture
      reasel · over 2 years ago · 2 pontos

      esse cara é foda!!

    • Micro picture
      wiegraf_folles_ · over 2 years ago · 2 pontos

      Tem uma mulher que também fez música de DKC.

      1 reply
    • Micro picture
      fagnerale · over 2 years ago · 1 ponto

      David Wise está entre os melhores compositores, é gênio...só de lembrar da fase da água em Donkey Kong já vem a nostalgia

  • marcelokiss487 Marcelo Kiss
    2018-05-26 12:06:28 -0300 Thumb picture
    52
    • Micro picture
      mateusfv · almost 3 years ago · 4 pontos

      Caramba eu já pego OST nesse site msm antes de saber oq era KH uhasuhsahu

      4 replies
    • Micro picture
      douggycandido · almost 3 years ago · 3 pontos

      Esse site era o antigo site vgmusic.com ?

      3 replies
    • Micro picture
      tassio · almost 3 years ago · 3 pontos

      Tem o galbaldia hotel (algo assim) também. Véio pa caramba, peguei muita .midi lá hehe

      5 replies
  • 2018-05-01 11:34:20 -0300 Thumb picture

    Donkey Kong Country: Tropical Freeze

    ...REVIEW.

    IGN – 9 / 10

    GameSpot – 9 / 10

    Game Informer – 9.25 / 10

    Nintendo Life – 9 / 10

    GameXplain – “Nos encanta”

    GamesBeat – 89 / 100

    Nintendo Life – 9 / 10

    Nintendo World Report – 9.5 / 10

    Shacknews – 7 / 10

    Gamereactor – 9 / 10

    Hobby Consolas – 87 /100

    @u3marcos

    Donkey Kong Country: Tropical Freeze

    Platform: Nintendo Switch
    240 Players
    9 Check-ins

    11

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...