• luchta Ewerton Ribeiro
    2021-07-07 21:16:54 -0300 Thumb picture

    sotn - a sinfonia das reviews

    Uma bela análise do canal do  GEMAPYS de Castlevania: Symphony of the Night, e é nítido que ele depositou carinho nessa análise, tanto que levou 1h 20 minutos de vídeo, muito bem editado, vale a pena ver!

    "a review mais trabalhosa que eu já fiz e também a mais longa.

    foram dois meses mexendo nisso pra garantir que eu falei tudo que eu queria e mais.

    espero que gostem!"

    Castlevania: Symphony of the Night

    Platform: Playstation
    10270 Players
    326 Check-ins

    3
  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2021-07-02 00:01:55 -0300 Thumb picture

    KONAMI

    Sinto que a Konami ainda se preocupa com suas grandes séries...e que coisas boas estão por vir! 🤗🤔

    😈😈😈😈😈😈😈😈😈😈😈😈😈😈😈😈😈

    Konami Arcade Classics

    Platform: Playstation
    7 Players

    26
    • Micro picture
      fredson · about 1 month ago · 4 pontos

      Tipo, não tem mais equipes na Konami que saibam fazer jogos? Lol... I mean, jogos que não sejam futebol?

      4 replies
    • Micro picture
      marlonfonseca · about 1 month ago · 4 pontos

      Só lamento o fato da própria konami não tomar as rédeas de suas próprias franquias. Ainda sou um saudosismo da empresa que produziu franquias e jogos inesquecíveis e brigava de frente com a capcom nos anos 80 a 2000.

      3 replies
    • Micro picture
      luis_f · about 1 month ago · 2 pontos

      Lu isso meses atrás, mas não é novidade por parte da empresa. Em 2010 ela liberou a espanhola Mercury a fazer a trilogia Castlevania Lords of Shadow, que o povo torceu o nariz (eu incluso - rs.) por ser reboot e com fortes influências de God of War, Shadow of Colossus e PoP Forgotten Sands, mas que são ótimos games!

      2 replies
  • _gustavo Luis Gustavo Da Luz
    2021-06-25 09:54:08 -0300 Thumb picture

    Castlevania Advance Collection

    Depois do vazamento na Australia, agora foi classificado para PC na Coréia

    Circle of the Moon, Harmony of Dissonance e Aria of Sorrow

    O lançamento deve ser esse ano ainda

    Castlevania: Aria of Sorrow

    Platform: Gameboy Advance
    3109 Players
    190 Check-ins

    29
    • Micro picture
      manoelnsn · about 1 month ago · 3 pontos

      Tomara que tragam a trilogia de DS também

      8 replies
    • Micro picture
      bobramber · about 1 month ago · 2 pontos

      Chique!!! Mas ainda só jogo no emulador de GBA, pra roubar no save state, rs

    • Micro picture
      santz · about 1 month ago · 2 pontos

      3 jogos antigos que rodam perfeitamente no emulador, aff...

  • _gustavo Luis Gustavo Da Luz
    2021-06-18 19:18:18 -0300 Thumb picture

    Castlevania Advanced Collection

    Recebe classificação na Austrália

    O órgão de classificação etária Australiano deu entrada em um registro para uma collection de Castlevania contendo os 3 games lançados para o GBA entre 2001 e 2003, Circle of the Moon, Harmony of Dissonance e Aria of Sorrow

    Ainda não houve confirmação ou anuncio por parte da Konami

    Castlevania: Harmony of Dissonance

    Platform: Gameboy Advance
    1995 Players
    143 Check-ins

    30
    • Micro picture
      volstag · about 2 months ago · 2 pontos

      Demorou pra lançarem essa coletânea mesmo

      3 replies
    • Micro picture
      kipocalia · about 2 months ago · 2 pontos

      podiam remasterizar a ost do harmony of despair

    • Micro picture
      speedhunter · about 2 months ago · 1 ponto

      agora vai!

  • diogo_paixao Diogo Louzada Paixão
    2021-06-03 20:19:20 -0300 Thumb picture

    Top 5: Jogos (RE) Jogados Por Mim em 2020!

    Acabei me enrolando pra postar este TOP antes do fim de 2020, e claramente enrolei MUITO para cumprir este auto @desafio hahaha

    Em 2020 rejoguei tantos jogos, principalmente no PS3, que eu achei injusto colocar eles no mesmo top 10 de jogados em 2020 (seria bem diferente meu top 10 se eu fosse incluir esses no meio), mas enfim, vamos lá!

    5 - Crash The Bandicoot: N. Sane Trilogy (PS4)

    Pelo HYPE do anúncio do 4° jogo peguei para terminar de fazer 100% no Crash 1 e 2, e como ambos são maravilhosos, sem muito o que dizer, apenas, Crash <3

    4 - Asura's Wrath (PS3)

    ANOS atrás quando joguei, amei o jogo e queria platina-lo, na animação da época já aproveitei e comprei a expansão/final verdadeiro do jogo, um dos 1°s jogos que decidi rejogar ao religar o PS3 foi ele, e como foi gostoso joga-lo (algumas vezes, já que pra platinar precisa terminar de várias maneiras), um jogo super exagerado e muito divertido a "expansão/final" do jogo é maravilhosa e realmente foi uma perda não estar no jogo base, Asura's Wrath tem um lugar guardado sempre hahaha

    3 - Castlevania: Lords of Shadow 2 (PS3)

    Eu amo o 1° e está no meu top10 do PS3, CONTUDO, no hype gigante que criei no 2°, tive uma decepção muito grande com ele, principalmente pelo final broxante dele, tão broxante, que mesmo já tendo comprado a DLC, não joguei mais o jogo.

    No finzinho de 2020, decidi rejoga-lo, inclusive ele nem tava na lista quando eu deixei salvo o rascunho aqui no Alva, mas demorei tanto pra escreve que bem... =P

    E olha, absorvendo o jogo de mente mais aberta... que jogo incrível, momentos e frases maravilhosas, um combate MUITO superior ao 1°, gráficos de fim de geração, realmente foi ótimo ter dado um tempo para retornar a ele e fazer 100%, fez um bem gigantesco ao jogo para mim (joguei no Prince of Darkness e joguei a DLC do Alucard).

    O ruim do jogo ainda é o final, e alguns designs meio genéricos/meh (ex: Castlevania City/Drácula Stealth Rato, etc), mas vários conceitos explorados nesse jogo são muito bons, apesar dele ter pontos muito superiores ao 1°, ele também tem pontos muito inferiores, o 1° é uma experiência mais equilibrada.

    Mas sério, é um jogo MUITO bom, pena que a saga Lords of Shadow acabou =(

    2 - Dark Souls II - Scholar of The First Sin (PS4 & PS3)

    Apesar desse ser um híbrido de "rejogar" (pois joguei o original sem as expansões) e "novo" pois ele tem algumas modificações na progressão, optei por coloca-lo nessa lista, após jogar em 2016 se não me engano, a versão Vanila no PS3 (obrigado @juninhonash), não pude deixar de conferir a "edição definitiva" do jogo no PS4, apesar de achar algumas modificações para elevar a dificuldade um pouco "artificiais", no geral é uma experiência extremamente agradável, dou meu foco às expansões que finalmente pude jogar, e ai que estão as joias deste jogo, que expansões maravilhosas, vejo muitas ideias que foram reutilizadas em Dark Souls 3 saindo destas expansões, minha batalha favorita de longe foi a contra o Midir Sinh, The Slumbering Dragon (Crown of the Sunken King), e a com o Ivory King (Crown of the Ivory King), com ambientações EXCELENTES (sim a expansão que menos gostei foi a do Old Iron King).

    1 - Tales of Xillia (PS3)

    Ahhh Tales of Xillia, o 1° Tales que joguei e até hoje meu favorito, havia jogado ele a ANOS (2014), e amado (inclusive tem muitos check-ins meus da época aqui no alva), um jogo que começa inocente e só vai crescendo e cada vez ficando melhor e melhor.

    Havia jogado a campanha da Millia na época, fiz tudo que eu poderia na campanha dela (como fiz sem usar nada, perdi algumas sub quests, mas tipo, BEM poucas, quase pego o troféu sem ajuda), na promessa de um dia rejogar pelo ponto de vista do Jude e platinar o jogo, decidi fazer isso em 2020, bom, como foi MARAVILHOSO rejogar ele anos depois, amadurecer ideias, se distanciar da história, foi como literalmente jogar outro jogo, uma nova experiência, hoje podendo entender melhor algumas coisas e vendo a campanha do Jude que complementa MUITO varias coisas, o jogo cresceu muito no meu conceito (e ele já era grande), provavelmente está hoje no meu Top 10 do PS3 sem sombra de dúvidas.

    Menções Honrosas:

    - Rayman Legends (PS4 & PS3)

    Comecei no PS4 e decidi que iria platina-lo no mesmo, na mesma vibe, peguei no PS3 e terminei a platina também =P (sim, eu jogava os desafios nos 2 hahaha, em casa, jogava no ps4, na casa da namorada, o do ps3).

    - Remember Me (PS3)

    Um dos jogos que disse para mim que rejogaria para fazer 100% e reabsorver a história... e bem, eu o fiz hahaha minha opinião sobre o jogo está na crítica que tenho aqui no Alva (inclusive, até pensei em atualiza-la).

    - The Last of Us (PS4 & PS3)

    No óbvio hype do 2° jogo, decidi rejogar ele no PS4 como um esquenta, não preciso dizer muito sobre ele né?

    - Diablo III - Eternal Collection (PS4)

    Esse entra em um híbrido igual o Dark Souls 2, joguei à exaustão este jogo no PS3, mas no PS4, tendo a versão com o Necromante e algumas adições, aproveitei para rejoga-lo com a nova classe =)

    - Jogos de Luta (PS4)

    Sempre coloco os gloriosos jogos de luta de alguma maneira nos meus TOP's, eu ainda estou na odisseia de tentar voltar a jogar de maneira descente os jogos de luta no geral, esse ano dou destaque a Street Fighter 5 Champion Edition & Ultimate Marvel Vs. Capcom 3, que foram os que eu QUASE voltei a jogar de verdade, mas ainda o que eu mais tenho vontade de levar a sério é o Mortal Kombat 11 e o Dragon Ball Fighterz!

    Tales of Xillia

    Platform: Playstation 3
    730 Players
    201 Check-ins

    23
    • Micro picture
      ztrevolz · 2 months ago · 2 pontos

      Brabo, fiz hj o DS2 no ps3, realmente muito bom

      1 reply
    • Micro picture
      juninhonash · about 2 months ago · 2 pontos

      Tales of Xillia zerei 3 vezes, platinei e me apaixonei, só não é melhor que o Abyss dos que joguei. Porque é um jogo com um puta enredo.

      1 reply
    • Micro picture
      santz · about 2 months ago · 2 pontos

      A única pessoa da Terra que gosta do Lords of Shadow 2.

      2 replies
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2021-05-16 18:04:37 -0300 Thumb picture
    Post by luchta: <p>A versão antiga era mil vezes melhor!</p>

    Medium 774958 3309110367

    A versão antiga era mil vezes melhor!

    Castlevania III: Dracula's Curse

    Platform: NES
    959 Players
    63 Check-ins

    3
    • Micro picture
      santz · 3 months ago · 1 ponto

      Isso era Castlevania ou era daquele desenho com o Simon zueiro?

      2 replies
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2021-05-14 07:51:51 -0300 Thumb picture

    O que eu achei da 4º temporada de Castlevania da Netflix!

    Acabei de ver a quarta e última temporada da animação da Netflix baseada em Castlevania, e vou falar minha opinião, primeiramente sem spoilers, depois coloco uma TAG de spoilers para falar do resto!

    Antes de tudo, uma coisa que queria falar a tempos, e vou aproveitar essa oportunidade para falar, é sobre adaptações. Os americanos adaptando um produto japonês, é complicado, eles tem um jeito de criar histórias e design de personagens bem diferente dos orientais, e quase nunca eles entendem como certos personagens foram concebidos.

    O nosso querido Trevor apesar de um personagem interessante é um belo clichês do anti herói de histórias americanas. Mas principalmente o Isaac é um personagem totalmente diferente do Curse of Darkness, tendo apenas nome e função parecida com o original. Já que dificilmente um ocidental replicaria perfeitamente a personalidade excêntrica do Isaac original, e se tentassem iria parecer um gay extremamente estereotipado.

    Mas enfim, é uma produção ocidental, que adapta e do jeito deles a franquia, e não tenta seguir o enredo original dos jogos, eu já me conformei com isso. E se por um lado trás personagens novos, por outro aprofunda os consagrados, e na moral se tem algo legal aqui é eles trazerem novos vampiros, e se uma coisa que os jogos pecam é trazer vampiros diferentes para a trama, poucos são mostrados nos jogos e menos ainda tem alguma importância (e o jogo tem foco nos vampiros).

    Mas o que eu achei especificamente dessa quarta temporada da animação? Ela foi ótima, a melhor entre elas sem dúvidas! Muita ação sem enrolação, animação excelente, assim como direção de arte (cenários lindos como sempre foi), muito fan service, e claro, sem piadas ou cenas de sexo, muita enrolação ou Warren Ellis dando uma de moleque ateu de treze anos, usando sua obra para dar hate no cristianismo.

    [SPOILERS] Agora vou dar detalhes do enredo, só leia se já viu a animação!

    Primeiramente falarei do fan service, como deu para ver no trailer e imagens promocionais o Alucard agora usa seu escudo do SotN, e ele usa muito. Também tivemos vários inimigos clássicos (não consegui identificar todos, mas creio que teve monstros originais também), como nosso "monstro fimose" do Dawn of Sorrow, o Gergoth, bem fiel aos jogos. Assim como os Fleamans (que parecem goblins) e muitos outros. E como da para ver o Abel, Innocent Devil do Isaac, também da as caras com design e luta fodas.

    Não posso deixar de comentar a referencia a Berserk Armor, do Berserk, que na real era outra armadura, mas com design bem parecido, já que pelo que fiquei sabendo os produtores dessa animação querem animar Berserk, então fizeram esse ester egg, colocando a personagem Striga para lutar com ela. A posição da imagem acima é idêntica a do mangá!

    Outra coisa que eu curto demais nessa animação são os inimigos, tem alguns que você sabe que vão aparecer para morrer alguns minutos depois, mas mesmo assim eles tem golpes únicos, nada de poderzinho ou magia genérica, muitos deles tem referências a outros personagens que vimos em animes, bem legal. Como a inimiga que ai em cima que usa fios para matar os oponentes, ou um velho vampiro bárbaro que atira machados que voltam para ele e se teleporta, parece um pouco o Kratos do novo GOW. Isso aliado a ótima animação dos combates, deixa tudo mais legal.

    Os novos personagens apresentados também são interessantes, os principais são a Greta (imagem acima) do vilarejo de Danesti, e crush do Alucard, e sim, ela faz referencia ao ainda ausente Grant DanastyZamfir que é uma doida ai, que morre, e nimguém explicou (ou eu não prestei atenção) pra que serviu o adereço que um demônio colocou nela. Varney que parecia mais um Godbrand 2.0, mas não era, e seu parceiro Ratko. Os personagens antigos tem todos um desfecho aqui, a maioria satisfatório.

    E para resumir o plot, o foco aqui é um povo do mal tentando ressuscitar o Drácula. Hector, Isaac e Carmilla tem seu núcleo ainda separado, e nunca se encontram com os protagonistas (no enredo dos jogos eles só se encontram nos eventos de CoD, mas como aqui as coisas são diferentes não sei por que fazer isso). É Isaac que mata Carmilla em uma luta épica, não pensei que seria assim. E o Alucard que pensei que seguiria os passos do pai, de acordo com o final da temporada anterior, ele resolve ajudar de boas o pessoal da Greta/Saint Germain. Mal sabiam que o S. Germain estava ajudando o Varney e outros a ressuscitar o DráculaVarney que parecia um vampiro genérico, mas que se revela sendo a própria Morte, o que me espantou muito, mas ele dava pequenos sinais que eram quase impossíveis de prever.

    No final Trevor quase morre, mas vence a Morte (lol). Sypha fica grávida, e Alucard junto com eles e Greta formam uma vila. Mas o inesperado é que tanto o Drácula quanto a Lisa revivem no fim, e nem eles mesmos sabem como (inclusive fazem piadas com teorias, referenciando os fãs que vão fazer). Pelo que vi eles pretendem continuar esse universo com outros personagens, vamos ver como vai ser. No geral eu curti a temporada, foi um fechamento legal, e apesar de tosqueiras (como a Sypa ser overpower, usar a magia de gelo como o Lanterna Verde usa o anel, moldando tudo, e usando o fogo para gerar propulsão parecendo o Homem de Ferro, fora o Hector que é um bosta, diferente dos jogos) ele cumpriu bem o papel de adaptação e apagou o gosto amargo que a terceira deixou. No geral é uma animação legal, apesar das ENORMES ressalvas vindas de um fã que encheriam um post inteiro. Quem partir das animações para os jogos, vai ficar todo perdido...

    Castlevania III: Dracula's Curse

    Platform: NES
    959 Players
    63 Check-ins

    12
    • Micro picture
      seufi · 3 months ago · 2 pontos

      Pelo que entendi, o prego que o demônio colocou na mulher era só pra detectar a entrad mesmo...

      1 reply
    • Micro picture
      ersatzgott · 3 months ago · 2 pontos

      Faz sentido eu tentar ver o resto, sendo que detestei a primeira temporada?

      7 replies
    • Micro picture
      santz · 3 months ago · 2 pontos

      Eu já perdi as esperanças nessa série.

      2 replies
  • natnitro Renata
    2021-05-14 02:49:55 -0300 Thumb picture
    natnitro checked-in to:
    Post by natnitro: <p>(SEM SPOILERS)</p><p>" -- Eu suponho que tivesse
    Castlevania: Curse of Darkness

    Platform: Playstation 2
    3040 Players
    101 Check-ins

    (SEM SPOILERS)

    " -- Eu suponho que tivesse outras opções: Gritar com satanás até ele admitir que só estava mantendo a cadeira aquecida pra você..." -- (melhor momento ever da série inteira hahuahauahuahua)

    4ª temporada de Castlevania da Netflix maratonada com sucesso e resumida em uma palavra:  -- Amei!!!

    Se o pessoal da Netflix fez uma cagada homérica na 3ª temporada, dessa vez se redimiram com louvor porque a 4ª temporada realmente ficou sensacional, com muita ação, gore, pancadaria das boas, humor bem sacado, eastereggs aos montes e um encerramento bem digno pra consertar bastante as merdas que fizeram já a partir da segunda temporada e que levaram a série a só ir despencando ladeira abaixo e sem freio...

    E o que mais incomodou na terceira temporada foi a quebra de ritmo, já que focaram demais nos planos malignos da turminha do mal que queria dominar o mundo, mas que não se desenrolava nunca, até chegar num final bem meh e, dessa vez, pelo menos consertaram isso com roteiro melhorado, mas que ainda pecou um pouquinho em partes, só que com saldo positivo de muito mais acertos do que erros, principalmente nas tiradas de humor com a Sypha resmungando mais do que a Dercy Gonçalves enquanto roubava todas as cenas em que ela apareceu e o Trevor mostrando que finalmente virou adulto e honrou o nome da família, mas sem perder o lado trapalhão, além do Alucard, que está no seu melhor momento da série inteira, mostrando que ele sabe bem como tocar o terror e que achou um equilíbrio perfeito entre o lado vampírico frio e devastador e o coração humano, o que torna ele um dos melhores personagens dessa temporada do início ao fim... 

    (esse já virou meu wallpaper aqui... ♥♥♥)

    E falando justamente em ação, é ai que a série brilhou porque o roteiro seguiu basicamente a linha dos jogos da franquia, passando por vários bosses já bastante conhecidos que foram um ótimo fanservice, até chegar no plot onde apareceu o verdadeiro chefão e ai sim dá até vontade de pegar um controle e arregaçar os botões jogando aquela parte, que é um final digno de um Curse of Darkness... \o/

    E depois de uns nós na garganta com o epílogo, ai vem o final pra valer, que achei uma fofura só, e daria pra fazer uma série inteira só seguindo a linha a partir do final da 4ª temporada... O medo ai é que o Adi Shankar também já tenha tido essa mesma ideia e resolva colocar o plano em ação... Só que daquele jeito dele que é um Ó... Huahuahauhahua

    E pra quem tiver na dúvida ai se vale a pena perder um tempinho com a 4ª temporada, podem ir sem medo porque dessa vez a série se redimiu e realmente acertou muito mais do que errou antes e encerrou de um jeito minimamente digno pra honrar a o nome de peso da franquia... \o/

    22
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2021-05-13 19:37:45 -0300 Thumb picture
    Post by luchta: <p><a href="https://occ-0-1068-1722.1.nflxso.net/dn

    Estou me preparando psicologicamente para ver os dez episódios dessa temporada final de Castlevania da Netflix! Vamos ver o que vão aprontar nessa última temporada da animação já que a última mudou muito o tom, cheio de sexo e piadinhas de sexo, e extremamente arrastada a história tendo relevância apenas nos episódios finais, parecendo um grande filler. E pelo que falaram das análises essa vai ser assim também, pelo menos a parte do que realmente importa acontecer lá pelo fim. Acho que vou tomar uns remédios para ajudar, fã de Castlevania sofre... Se eu estiver mentalmente saudável depois disso, eu faço uma postagem falando do que eu achei.

    Castlevania III: Dracula's Curse

    Platform: NES
    959 Players
    63 Check-ins

    3
    • Micro picture
      seufi · 3 months ago · 1 ponto

      Só assista. Muito melhor que a terceira. Dá um rumo digno aos acontecimentos, conserta as cagadas e termina de uma maneira que eu gostei. Recomendo muito.

      1 reply
  • anduzerandu Anderson Alves
    2021-05-02 19:39:01 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Castlevania: Bloodlines

    Zerado dia 02/05/21

    Eu ando mais ocupado que tudo e aqui estou, terminando mais jogos que há uns meses quando estava mais desocupado. Acho que estou suando meu tempo livre bem!

    Olha aí, mais um jogo de uma das minhas séries favoritas de videogames sendo terminado: Bloodlines (Mega Drive)! O motivo da demora é um pouco de dó que estou de terminar a franquia (apesar de ser bem grande). Amo os jogo do GBA, do DS, curto o Symphony of the Night, o 4, Rondo of Blood etc.

    Joguei ainda outros demais na infância, como o Adventures no Game Boy e o primeirão, provavelmente sua versão de PS1. Por outro lado ainda tem um bocado pra jogar, incluindo uns de PS2 e PS3 que mal tenho interesse, outros de Game Boy e mais dois de NES. Caraca, eu joguei Harmony of Despair, Dracula X Chronicles, os de N64 e até o Judgment antes do Bloodlines!

    Bem, essa é da época que a Konami lançava diferentes jogos em diferentes plataformas, SNES e Mega Drive/Genesis, como Turtles in Time e Contra 3 versus Hyperstone Heist e Hard Corps, por exemplo.

    No caso desse Bloodlines, ele age como contrametade do célebre Castlevania IV, que eu adoro!

    Pessoalmente não sou o maior fã dos jogos de Genesis (acho que meu problema é com os sons) e não queria misturar minhas memórias com o IV (fora que só poderia jogar se fosse emulando), então acabei adiando um pouco, mas a vontade sempre estava aí, até porque o jogo volta e meia é referenciado internet afora.

    A vez chegou quando lembrei que não ligava meu PSP há um bom tempo (uns 7 meses desde Super Mario RPG). Fui dar uma carga nele e resolvi dar uma olhada nos jogos pra ver se rolava algo mais simples. Os olhos brilharam ao ver o Bloodlines!

    Já sabia que era um jogo bom e que era de fases como os antigos todos eram, então estava preparado mentalmente!

    Bloodlines se apresenta com um enredo bacana e dois novos personagens: John Morris e Eric LeCarde. Esses personagens tem um apelo mais anime anos 80 e são até amis americanizados, uma mistura de bacana e estranho, de antigo e novo. Não sei bem como me sentir quanto a isso. Bom, eu senti uma certa tentativa de modernização dos protagonistas e achei válido, até porque foram personagens criados e não antigos modificados.

    John Morris é como um Simon Belmont de calça jeans perdido em Nova Iorque (embora não seja nada disso). Ele foi a minha primeira escolha por manter a jogabilidade típica da série, usando chicote e tal. Uma vantagem sua é poder usar o chicote para se balançar nos tetos e passar por buracos.

    Já o Eric LeCarde usa uma lança que aparenta ser mais longa (mas pode ser impressão) e tem uma habilidade diferente de poder dar um salto mortal alto para cima, alcançando plataformas altas e lugares que você conseguiria jogando com John Morris.

    Após terminar a minha campanha com o John, comecei uma nova com o LeCarde e fiquei pensando que talvez tivesse sido mais fácil com ele, talvez ainda mais divertido! Fiquei bem mais confiante com a animação da lança e seu tamanho. E ele ataca diretamente para cima.

    E como em qualquer desses Castlevanias antigos, você coleta upgrades que deixam a sua arma ainda mais forte e grande. Ficou super legal, mesmo eu não tendo visto a sua forma máxima!

    Bom, de volta a minha campanha com o John, a sensação é de estar mesmo jogando qualquer Castlevania, talvez com um pouco mais de mobilidade. A fórmula continua a mesma, passando por aqueles mapas de sempre, quebrando velas com cristais que servem como mana para as sub-armas, matando inimigos em sua maioria familiares, principalmente os chefes etc.

    O primeiro estágio é um bom tutorial e serve para experimentar bem os personagens, matando inimigos fracos, coletando upgrades e descobrindo como é o ritmo do gameplay.

    Aqui você já vai ver coisas como os clássicos machado, água benta e a cruz, aqui substituída por um bumerangue. É meio que limitado a esses três, mas ao menos a sua arma no nível máximo fica super forte e garante uma sub-arma especial, uma esfera que segue o inimigo e fica consumindo o HP dele. A sensação de poder é incrível!

    Fora isso, ainda temos as escadas, plataformas, paredes falsas com pedaço de carne. Até a clássica escadaria que leva para uma área com água e com os Mermen está aqui. Bloodlines definitivamente bebe muito da fonte do Castlevania original de NES.

    Uma coisa bacana é que cada fase é dividida em partes pequenas, 1-1, 1-2 até 1-10 etc. Cada parte dessas é bem pequena, como um desafio simples, um miniboss e por aí vai. Se você morre, você volta para o início da parte que você morreu, então o progresso perdido é sempre muito pouco, mesmo perdendo todas as vidas e um Continue.

    No primeiro Castlevania você morria no chefe e voltava pro início do estágio. Aqui você vai estar de volta em um instante, mas apenas com os upgrades que estiverem antes dele.

    Mas nem tudo é um mar de flores casual. Perca todos os seus Continues e você verá a temida tela de Game Over, mandado de volta ao início de sua campanha. E esse não é um jogo muito fácil não! É daquele tempo que você jogava até memorizar as fases, o que pode não ser muito amigável para jogadores atuais.

    Ainda assim, não chega a ser algo frustrante pois há um sistema de Password para escolher estágios e a possibilidade de aumentar o números e vidas no menu de opções, o que facilita um pouco as coisas.

    Se eu tivesse o jogado na época, tenho certeza que teria o terminado graças a essas facilidades. Passou de estágio, anota o Password, insiste na próxima fase até conseguir o próximo código e por aí vai.

    Mas isso não tira o fato da última fase ter sido um inferno e que depois de terminar o jogo um modo Expert é desbloqueado.

    Visualmente, Bloodlines não chega a ser deslumbrante, mas ainda assim é bem bonito e a direção de arte mandou muito bem com as cores, localidades das batalhas e efeitos.

    A fase acima, por exemplo, tem um efeito de água com reflexos e movimentação bem legal pra época. Outras ainda tem muitos elementos que simulam o 3D, inclusive em chefes (alguns parecem ser tão focados nisso que não possuem dificuldade alguma).

    Dá pra ver como a Konami não só se preocupava em criar um produto de primeira, e em duas plataformas diferentes, como já lançava a sua mão nos efeitos 3D, recorrentes aqui e no Castlevania IV e recorrentes no Symphony of the Night.

    Resumindo: Castlevania: Bloodlines é mais um jogo de alta qualidade da clássica franquia da Konami. Definitivamente um dos obrigatórios para quem curte a série. Desafiador sem ser frustrante, exige muita rejogabilidade e paciência para aprender o jogo, facilitando bastante por meio do uso de passwords a alcançar a experiência completa e ver seus ótimos inimigos e cenários. Um jogo para se jogar do início ao fim.

    De bom: visuais muito agradáveis. Ótima jogabilidade (apesar de eu não curtir a falta de um ataque diagonal no chão, apenas no ar). Enredo interessante. Temática sensacional. Dois personagens para se escolher. Facilidades atípicas em jogos antigos, sobretudo nessa franquia. Níveis diferentes e com mecânicas distintas. Boa recompensa pra quem jogar bem. Replay por conta de ter dois personagens e modo Expert. Nível de dificuldade no ponto certo, tanto que muitas vezes eu esperava algo muito pior e era bem amis tranquilo. Fases divididas em partes são muito mais piedosas com as mortes. Efeitos 3D bem legais.

    De ruim: achei os frames de invencibilidade muito poucos e você acaba tomando dano constantemente. Gostaria de poder atacar diagonalmente em terra.

    No geral, vale muito a pena, ainda mais se você conhece a série e se curte jogos antigos. Para um jogo de Mega Drive, ele não ficou devendo em nenhum quesito, mesmo eu ainda preferindo o Castlevania IV (por pouco). Definitivamente um jogo obrigatório na franquia e que me faz sentir salta da Konami não ter seguido com essa linha de fases paralelamente aos metroidvanias. Muito bom!

    Castlevania: Bloodlines

    Platform: Genesis
    1176 Players
    66 Check-ins

    17
    • Micro picture
      jcelove · 3 months ago · 2 pontos

      Show! Bloodlines é talvez meu favorito dos classicos. A konami demorava pra lançar pro meguinha mas qdo saia era coisa caprichada como esse e o contra hard corps

      2 replies

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...