seufi

"Waste of time. That was a waste of time." Dias Flac

You aren't following seufi.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-04-10 14:21:46 -0300 Thumb picture

    Check-in longo

    Comprei estes dias por 20 reais em uma promoção, pra jogar eventualmente. Fotos serão da internet, porque não tirei nenhuma durante o jogo :)

    Mount and Blade: Warband é um jogo curioso, interessante, diferente.

    Comecei com uma mulher, que de acordo com a lore do jogo, baseada na era medieval, eram tratadas como lixo (ou pior), e o jogo te passa isso: NPCs não te dão informação direito, tem a impressão que os itens são levemente mais caros, etc.

    Você começa o jogo respondendo a um questionário, que é seu background e define seus atributos, perícias e proficiências. Meia dúzia de perguntas te colocam na tela de criação de personagens, permitem você definir um nome (eu escolhi Valaria) e alocar alguns poucos pontos.

    Coloquei praticamente tudo em agilidade e arqueiria, e saí com um pouco de skill em montaria, comércio e persuasão.

    Eu comecei numa cidade ganhando uma missão de procurar uns banditos, e pra isso tinha que recrutar mais 5 pessoas pro bando. Ganhei 300 denários. Com meu pensamento padrão de RPG, eu pensei: foda-se! Vou é comprar um arco melhorzinho.

    Assim eu fiz, mas fiquei sem dinheiro pra recrutar pessoas, que queriam um rio de dinheiro na taverna. Resolvi sair pro mapa pra arruma dinheiro e tentar achar pessoas.

    O mapa é bem grande, e dividido em áreas de cores diferentes representando os donos dos reinos. Enquanto cavalga pelo mapa, passam camponeses em caravanas levando produtos pra outras cidades, bandidos, regentes passando  com seus exércitos pra atacar outros reinos, invasores saqueando cidades, etc. Nos cavalinhos que passam é possível ver a quantidade de inimigos em cada grupo de guerra, bem como quais tropas ele possui de cada tipo, entre cavalaria, infantaria, arqueiros, lanceiros, etc. Topei com um grupo de bandidos com 12 membros, e pensei: 12x1 deve ser razoável. Quando o confronto começa, o cenário muda prum combate de exércitos: você pode definir grupo, formações, comandar este grupo ou aquele. Como eu estava sozinho com meu arco, no meu cavalo, comecei a luta. Matei um bandido (e quem jogou sabe o quanto é difícil acertar uma flechada num inimigo montado num cavalo em movimento enquanto você também está num cavalo em movimento) e feri bastante o cavalo de outro, e acabei capturado.

    Sem dinheiro, sem flechas, e em outro ponto do mapa, pensei: fudeu! Vou procurar uma missão de entrega simples. Entrei no castelo mais próximo, e um dos nobres pediu pra eu entregar uma carta a um rei.  O legal é que, na melhor linha Morrowind, você tem tempo pra entregar a quest... e mais: o rei fica atacando outros reinos, então toda vez que eu chegava em uma que eu tinha descoberto que ele estaria, ele já estava em outra. Numa dessas, acabei capturado de novo, permite o resto da migalha de dinheiro que ainda tinha.

    Sem conseguir achar o FDP do rei, sem dinheiro pra recrutar mais gente, no level 1, a esta altura equipado com uma espada vagabunda e um escudo fudido, e sem um puto denário no bolso, vagando de cidade pra outras atrás de algo que eu conseguisse fazer, acabei numa cidade com uma arena. 

    Fui trocar uma ideia com o responsável pela arena e soube das regras: Tu vai entrar numa arena, com uma arma vagabunda aleatória (2H sword, espada e escudo, bastão ou arco e flecha). Pra cada inimigo que tu derrotar, ganha 5 denários. Se for o último a ficar de pé na arena, leva o grande prêmio de 250 denários.

    Pensei: bem, a maioria dos meus pontos estava em arco. Provavelmente ia me ferrar, mas bem, se eu matasse 2 ou 3 tava bom. Se eu desse sorte de sair com o arco, melhor.

    Resumo: lutas umas 20 vezes, e consegui ficar entre os últimos 4 de pé, e me saí melhor com espada e escudo. À medida que os inimigos iam sendo derrotados, eu trocava meu escudo que ficava ruim por outro. Peguei o arco uma vez, mas disparar com ele é horrível. E acabei pegando muita proficiência com as armas da arena e nível 4, e comecei a investir um pouco em força, afinal agilidade ajudava pouco.

    Com o dinheiro que fiz, comprei uns equipamentos chumbregas: um arco meia bomba (tinha perdido meu arco bom), uma espada meio cega e um escudo que aguentava 3 ataques. Acabei achando um maluco que queria que eu matasse um bandido. Achei o cara e fui confrontá-lo, procurando uma solução pacífica, como levá-lo até o cara da quest pra eles se resolverem. Mas o cara disse que só ia morto. Valaria respondeu: Tudo bem, só preciso da sua cabeça mesmo. Consegui vencer o bandido, ganhei uma espada de prata dele, que nem era lá estas coisas e entreguei a quest. 300 denários pro pai (pra mãe, no caso).

    Vagando pelas cidades menores, recrutei uns voluntários numas bibocas, ao custo de 10 denários cada um. Juntei uns 10 malucos e lembrei do cara da quest lá do começo. Voltei lá.

    Essa é quase Valaria. É o mesmo rosto, só que negro e com um rabo de cavalo.

    Fui atrás dos bandidos procurar informação sobre o irmão do dono da taverna, que tinha sido capturado. O líder deles me disse: trouxe prata? Eu respondi: trouxe aço!

    Aqui a luta foi tranquila. Apeei do cavalo, e enquanto os camponeses iam atraindo os inimigos eu treinava meu arco e flecha. Achei o maluco e terminei a missão... mas opa! Depois do confronto é hora de loot!!! Ganhei umas armas e armaduras! Fui entregar a quest, ganhei um troco. O cara me ofereceu outra missão: de atacar um nobre. Fiquei meio cabreiro... Falei com uma mulher na taverna e ela disse que entendia de literatura, cozinhar e cantava e tocava. Pensei: ótimo!!! Só habilidade importante. Recrutei ela de graça e equipei uma faca melhor. Perguntei a ela se ela conhecia alguém influente, e ela disse que tinha uma irmã que trabalhava prum nobre. Mandei ela ir lá ver se ele tinha algum trabalho, e ela saiu do grupo por 5 dias. 

    Parei aí!

    De interessante: o mundo vivo. Tu passa numa cidade, compra, conversa com as pessoas. Depois tu volta e da cidade só restam cinzas. Rola umas intrigas entre os nobres que não entendo bem. ´De vez em quando tu acha algum filho bastardo do rei querendo reivindicar o trono. tentei me oferecer pra ajudar um, mas ele disse: no que uma mulher poderia me ajudar? 

    De ruim: o esquema de parry e de trocar armas. Apesar de tudo, o combate funciona bem, e se mais do que 1 te atacar tu vai sofrer. Mas parry é um inferno. Defender com o escudo é tranquilo: só posicioná-lo entre você e o ataque, mas defender com arma é difícil. Pra parry com alguma arma, você tem que apertar o L2 e colocar o R3 na direção que o ataque vai vir. Muito difícil. Tu pode usar estocadas, corte de cima pra baixo e cortes laterais, mas é a mesma coisa: aperta R2 e colocar o R3 na direção que você quer. Muito complicado. Acertar os inimigos no cavalo também é um horror.

    Mount & Blade: Warband

    Platform: Playstation 4
    7 Players
    2 Check-ins

    18
    • Micro picture
      gaussehammer · about 1 month ago · 2 pontos

      Nossa, checkin mt bom. Warband deve ser mt foda

  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-02-24 17:22:10 -0300 Thumb picture

    Sobre traduções

    É sério isso?

    @le olha que legal a tradução. Vi numa postagem do twitter. Sabe se é verdade?

    Elden Ring

    Platform: Xbox Series X
    10 Players
    18 Check-ins

    19
    • Micro picture
      carlospenajr · 3 months ago · 2 pontos

      Adoro ver essas morgadas nas traduções, mostra que ta na cara que quem fez foi de google tradutor e nem procurou saber qual era o contexto que ele tava traduzindo XD

      Um ultimo que eu vi foi no Infernax, as poções de cura são gratuitas (Free), mas traduziram como "Livre" XD

      1 reply
    • Micro picture
      le · 3 months ago · 2 pontos

      Muito possivelmente. Nunca jogo os jogos em português justamente pra não me estressar vendo esses negócios.

      Mas também não dá pra saber:
      1) Se a pessoa que eles escolheram pra traduzir tem familiaridade com jogos;
      2) Se deram contexto pro tradutor (esse aí me parece bem óbvio se tiver sido tudo em sequência, o que tornaria o erro bem injustificado)

      5 replies
    • Micro picture
      noyluiz · 3 months ago · 2 pontos

      Baú?

      3 replies
  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-02-15 20:04:48 -0200 Thumb picture

    Check-in, Check-out e platina IV

    Depois que terminei Megaman X, fiquei com o dedo coçando pra jogar mais jogos de plataforma. Ainda quero pegar o Shovel Knight, mas não entra em promoção na PSN quase nunca, e quando entra o desconto é baixo. Enquanto continuo na espera, me lembrei que havia comprado este há tempos.

    O feeling de Megaman é visível.

    Comecei sem esperar muita coisa do jogo, mas em comparação com Mighty Nº 9, este é muito melhor.

    Jogabilidade muito fluida, cenários bem construídos e um sistema de habilidades interessantes.

    No jogo, você começa com Meta, que "curiosamente" tem a mesma habilidade de Megaman, de absorver poderes de outros "meta".

    A história do jogo é simples, e começa quando seu criador é raptado com suas irmãs por um general rival. As Metas, que incluem a protagonista e suas irmãs, são androides femininas criadas pelo cientista raptado, que descobriu que elas seriam usadas pra combate e foge com elas. Nem as Meta sabem, ainda, que são androides com potencial de combate. Isso fica claro na primeira fase, uma espécie de tutorial em que, quando entra na máquina, Metagal "destranca" suas habilidades e precisa enfrentar a oposição das outras metas, agora controladas pelo referido general, e por sua primeira irmã, um protótipo, a Gal 0X.

    O jogo é um plataforma competente, e a barra azul, no canto superior esquerdo da tela, é uma barra de energia, que permite disparar habilidade obtidas, que podem trocadas.  Ao terminar o jogo com a protagonista, abre-se a opção de jogar com as outras "Gals". Cada uma tem seu própria conjunto de habilidades, e não absorve outras, que é a habilidade de Metagal apenas. O jogo ainda possui um outro recurso: engrenagens. Elas são encontradas nas fases, e como itens dropáveis dos inimigos. Ao usar a habilidade de cura, uma é gasta, e até onde vi não há limites de quantas podem ser guardadas. Além de curar, elas servem pra reviver a personagem na mesma tela em que morreu, o que acaba por ajudar, porque apesar dos checkpoints (aquela caixinhas de correio vermelha na foto) serem frequentes, por vezes há pontos difíceis entre dois deles. Muito interessante e bem fácil de usar.

    Além disso, nas fases iniciais, há 4 powerups, que servem pra aumentar a regeneração de energia e melhoram as habilidades dos personagens.

    No jogo, você precisa enfrentar, além do tutorial, mais 5 fases, cujas chefes são as outras Gals e mais 3 (ou 4) fases que são da fortaleza final.

    Tela de resultados no fim das fases

    Ao final, como na foto, o resultado da fase. Por sorte, ou azar, o resultado não muda em nada sendo S ou D, E ou F. Só serve pra vc ter uma ideia de quantas mortes você teve, etc.

    O jogo é bom. Não tem nada de revolucionário, mas os comandos respondem bem, as fases são bem construídas. Depois de terminar o jogo, ao jogar com as outras Gals, as fases, às vezes, sofrem pequenas alterações, baseadas nas habilidades delas. Algumas têm pulo duplo, ou dashs. Após terminar com todas, o que pode ser feito em poucas (2, 3 no máximo) horas, o jogo deixa a sensação de ter sido muito apressado. Fica a sensação de querer jogar mais fases e não ter, especialmente porque é sempre desafiador superar as fases com habilidades diferentes. 

    Em resumo, recomendo se estiver na casa dos 20 reais, e é uma boa experiência. Têm boas ideias, a meu ver desperdiçadas com um jogo tão curto. Tem muito potencial, e espero que façam um segundo, oferecendo mais fases e mais desafios. 

    Ps. A platina é ridicularmente fácil, e exige praticamente as coisas básicas, morrer, terminar as fases e o jogo com a protagonista.

    METAGAL

    Platform: Playstation 4
    16 Players
    2 Check-ins

    17
    • Micro picture
      carlospenajr · 3 months ago · 2 pontos

      Cara, esse jogo é bem divertido, simples mas vale a pena XD
      A platina é ridicula mesmo, monte de gente pega ele só pra contar uma platina extra hahahaha XD

      2 replies
  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-02-14 23:09:36 -0200 Thumb picture

    Check-in e Check-Out

    Tinha comprado ambos há alguns meses, mas deixei esquecido aqui. Entre um jogo em outro, resolvi retomar meu progresso, me lembrando de praticamente nada.

    Mapa do jogo - aqui o filho chora e a mãe não vê.

    Odallus é um jogo visivelmente baseado nos Castlevanias antigo, e o mapa me lembra o de Ghouls'n Ghosts.

    O jogo, brasileiro, se divide em +- 10 fases. Na verdade, 5 ou 6 principais, todas (à exceção da última) com uma saída alternativa, que leva a outra fase. O jogo é ainda um Metroidvania simplificado, abrindo algumas habilidades que vão permitir acessar outras áreas. O jogo é relativamente curto. Terminei em menos de 10 horas.

    A dificuldade parece alta, mas achei razoável, justa. O jogo te dá, além do ataque com espada, uma armadura (ambas podem chegar ao level 3 de melhoria, se você achá-las), uma tocha, que taca fogo no chão e por um pequeno trecho à frente, o machado, que percorre em linha reta, à frente e por fim a lança, que ataca a diagonal à frente subindo e depois cai em linha reta, além de dinheiro, que serve pra comprar as armas de arremesso descritas, itens de cura e até vidas,todas elas raras e no começo caras.

    A história começa quando a vila do protagonista é atacada e seu filho é levado por uma espécie de culto. Em busca do filho e de vingança, ele parte...

    Resumo do fim

    Claro que precisei de alguma ajuda pra pegar alguns itens, e recorri ao bom e velho youtube pra ver onde se encontravam alguns  itens.

    O jogo tem controles bem responsivos, obrigatório pra qualquer plataforma que se preze. Algumas fases são irritantes, como uma em que você precisa descer um rio numa canoa e tem que ficar desviando de pedras e monstros até o final. Um inferno. O jogo, entretanto, tem pontos de save entre as fases, e quando se toma um gameover se volta do começo, mas perder uma vida volta ao último save, o que é sempre muito útil num jogo onde se morre muito.

    Nem quis me arriscar à platina, porque tem um troféu que exige que se termine em menos de 2 horas. Não goste deste tipo de troféu, e exigiria que eu jogasse o jogo demais até me habituar e passar sem morrer.

    Gostei dos gráficos: imitam 8 bits, mas há riqueza e cor nos cenários, apesar da atmosfera de decadência. Mais um jogo brasileiro que recomendo, nem que seja por uma zerada, que vai te transportar à época em que o jogador precisa melhorar - não o personagem.

    E por fim uma curiosidade que notei nos créditos...

    Repare o último nome

    @sophos é você mesmo ou coincidência?

    Ps. que beleza de lua em 8 bits !!!!!

    Oniken + Odallus Collection

    Platform: Playstation 4
    4 Players

    21
    • Micro picture
      sophos · 3 months ago · 4 pontos

      Eu sim!!! Fui tester desse jogo e ajudei a arrumar alguns erros(na verdade só relatei). Tb fiz algumas sugestões que foram acatadas (por exemplo a posição do personagem ao empurrar os blocos gigantes eu sugeri mudanças que acabaram sendo aceitas).

      PS: eu realmente amo esse jogo, joguei ele muitas e muitas vezes realmente amo ele.
      Mas essa versão do ps4 eu não gosto tanto, tem algumas coisas meio bizarras como passar atras dos elementos do hud o q faz com que as vezes as ameaças fiquem escondidas).

      1 reply
    • Micro picture
      onai_onai · 3 months ago · 3 pontos

      Esse aí joguei e finalizei na época de lançamento e em alguns pontos é meio difícil mesmo

      2 replies
    • Micro picture
      vinicios_santana · 3 months ago · 2 pontos

      Esse jogo foi encanto desde a primeira vez que o vi, acompanhei uma gameplay pelo canal do Fênixdown e recentemente comprei essa versão com os dois juntos.
      E não joguei hahaha, acreditava ser mais demorado do que realmente é. Vou colocar ele na frente na fila das jogatinas.

  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-02-14 22:49:19 -0200 Thumb picture

    Check-in, Check-out e platina III

    Mais um jogo platinado que nem check-in eu fiz... o que to fazendo da minha vida...

    Presente do meu filho, que comprou pra mim em dezembro no meu aniversário, com o dinheiro que ele ganhou das avós no natal.

    Confesso que sempre tive muita curiosidade em jogar. 

    Há alguns anos, eu teria sido bem preconceituoso com relação a este jogo. Não com relação aos gráficos, mas ao jogo em si, em que praticamente se anda e se entende a história, sem muito foco em combate. Mas depois de jogar To the Moon, o mundo vira outro, e começa-se a perceber a importância da jornada, e não do fim.

    O jogo conta e história de Chara, que pode ser homem, mulher ou qualquer coisa entre ambos. O jogo começa com Chara caindo na dimensão dos monstros e sendo recebido por uma deles, esta da foto.

    Enfim, a partir dali, o jogo segue conforme você segue. Se quer matar todo mundo, você vai ter dificuldades. Se quiser, como eu, não matar ninguém, também vai ter. No jogo, ganha-se EXP como normalmente se ganha: matando monstros inimigos. Só que EXP, aqui, significa Execution Points. Quando seu XP atinge determinado patamar, você ganha LV ou LOVE, aqui entendido como Level Of ViolencE.

    Pra poupar os monstros, é necessários agir de determinadas maneiras durante o combate

    As escolhas que você faz, como matar NPCs ou não, estreitar amizades ou não influencia no final do jogo.

    Jogando como pacifista, até que, depois de pegar o jeito, o jogo seguiu bem confortável.

    No exemplo de combate acima, sendo o coração o personagem principal, é preciso desviar dos ataques. Não deixe seu coração ser atingido. :)

    Os ambientes são bem feitos, dentro da estética do jogo, e em cada área se encontram monstros peculiares, com necessidades, desejos e motivações próprias. A trilha sonora composta por Toby Fox dispensa apresentações, e dá sempre o tom de urgência, tristeza e o que mais se traduz no momento do jogo sempre de maneira sublime.

    A exemplo de To the Moon, é um jogo pra ser apreciado mais do que terminado. cada diálogo, cada passo, cada encontro ao longo do caminho serve pra enriquecer a experiência do jogador, permitindo a ele ser o agente de mudança daquele mundo da maneira que ele quiser.

    Recomendo enquanto experiência. como RPG, você vai achar melhores por aí... mas como experiência, poucos jogos farão você refletir sobre suas escolhas. Se alguém for buscar o final melhor, pacifista, vai se deparar com uma história mais pesada, de como a ciência e a dor são capazes das maiores vilezas, tanto quanto o amor da maior das alegrias.

    Ps. A platina é ridícula de fácil. Nem precisa terminar o jogo (a quem interessar possa).

    Undertale

    Platform: Playstation 4
    52 Players
    5 Check-ins

    18
    • Micro picture
      igor_park · 3 months ago · 2 pontos

      Esse eu zerei no Vita fiz só rota normal.

      1 reply
    • Micro picture
      jcelove · 3 months ago · 2 pontos

      Ta uma maquina de platina.hehe
      Undertake realmente é uma experiencia bem diferente do padrao. Eu tbm so fiz a pacifista e fiquei satisfeito com o true ending.
      A genocida tem momentos epicos mas precisa nao ter coraçao pra fazer, muita crueldade.hehe

      Pelo que li o Toby fix nao tava afim de fazer trofeus (no pc nao tem) e como foi meio obrigado colocou qq coisa so pra ter.hehe

    • Micro picture
      seufi · 3 months ago · 2 pontos

      Sim. A maioria das "platinas" foi fácil. Undertale é ridiculamente simples. Nem precisa terminar o jogo. O restante era fácil também. Bastava prestar atenção em detalhes.

  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-02-14 22:29:49 -0200 Thumb picture

    Check-in, Check-out e platina II

    Aproveitando hoje pra fazer a limpa nas últimas jogatinas e em check-ins que eu deveria ter feito...

    Wintermoor Tactics Club foi um jogo interessante. Olhava as gameplays e tinha aquela cara de Final Fantasy Tactics, mas indie e bem desenhadinho.

    Essa de fone é a personagem principal.

    O jogo se passa numa escola, em que a protagonista faz parte de um grupo de RPG e jogam os sistema C&C (Catacumbas e Cavernas em pt-br). A partir dali, se passam os acontecimentos do jogo, que começa com uma disputa de bola de neve entre todos os clubes pra definir o clube supremo, conforme ordens do Diretor da escola. Os clubes que forem derrotados serão desfeitos, e ninguém que isso.

    O jogo conta com diálogos com um fundo político muito forte.  Um dos grupos, por exemplo, o primeiro que se enfrenta, é a Monarquia Jovem, que defende a monarquia como a forma de governo definitiva. Há também questões envolvendo xenofobia, os riquinhos que acham que podem tudo, os apaixonados por cães, enfim. 

    Os combates são bem simples e funcionais.

    Movimento por grid, combate por turnos... delícia!

    No combate, sempre são 3 os participantes, e o clube começa com 3 personagens: um Paladino, a maga, que é a personagem principal, e o ladino, cujo personagem se chama Robespierre Trotsky Guevara (Robbes).

    Trilha sonora é boa, e achei os loads meio demorados em alguns momentos, mas a história é interessante (não boa, mas já é um avanço.)

    À medida que os personagens progridem, eles destrancam novas habilidades:

    Como dá pra ver, a maga possui 3 habilidades a serem usadas (canto inferior esquerdo). Algumas requerem que se espere 1 ou mais rodadas de combate. No canto superior direito as melhorias que se pode equipar. Se equipadas 2 melhorias do mesmo grupo (ataque ou táticas), se abre a habilidade (que pode ser passiva) à direita. Exemplo: se forem equipadas a capa e a bota, na opção de táticas, de brinde fica disponível a habilidade do chapeuzinho, que ocuparia o espaço "especialização" em branco no canto superior direito. 

    As habilidades mostram o alcance e o dano que causam, mas alguns monstros e personagens possuem armadura mágica, pra reduzir dano de magias, e habilidade física, como o paladino, que reduz o dano físico que ele recebe.

    Algumas batalhas são desafiadoras, e há um esquema de moedas ao fim do combate, como uma espécie de objetivos a serem cumpridos no combate, como terminar a luta em 2 turno, por exemplo. Caso não seja obtida, é possível, do menu mesmo, voltar à luta pra pegar apenas a que faltou.

    Recomendo para: quem curta jogos que RPG que aborda jogos de RPG, e nesse sentido ele vai na pegada do Knights of Pen and Paper. Quem goste de combate tático, por turno. Quem for mais engajado politicamente vai perceber uma série de referências. Por exemplo, na biblioteca da escola, numa das estantes de livros, tem um livro chamado Capitalismo de Sucesso (ou algo assim). A personagem diz: "olha, esta é a estante de ficção." Conforme o jogo avança, (spoilers leves) os personagens vão perdendo seu clubes e vão deixando de ser criaturas pensantes, como se apenas pertencendo a alguma coisa eles pudessem SER alguma coisa. O jogo não se destaca absurdamente em aspecto nenhum, mas é aquele indie básico bem feito. Paguei na faixa de 40 reais. Achei justo. Mais do que isso considero caro.

    Wintermoor Tactics Club

    Platform: Playstation 4
    1 Players

    20
  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-02-14 22:02:25 -0200 Thumb picture

    Check-in, Check-out e platina

    Depois de terminar Monster Sanctuary, resolvi pegar MMX pra jogar. Meu filho pediu que eu comprasse, e como estava com saudade acabei pegando.

    A sensação ao rejogar Megaman X, décadas depois, é a mesma: puta trilha sonora, chefes carismáticos, fases maravilhosas e aquela jogabilidade fluida deliciosa.

    Terminei todos, na ordem, e fui pegando os troféus. pra platina. Foi legal porque nunca tinha terminado do 3 em diante. Acho que até terminei o 3, mas nunca tinha pegado as partes do Zero.

    A sensação é que, à medida que se avança na série, mas fraco fica o jogo. A trilha sonora já não marca tanto, as fases mudam de agradáveis e desafiadoras pra chatas e irritantes e os chefes passam a não ter nenhum carisma. O último da série é muito fácil com X e muito difícil com Zero, mas ainda assim, foi divertido.

    Resumindo: recomendo muitíssimo a quem curte um bom jogo de plataforma. Novas e velhas gerações. Se alguns jogos envelhecem mal, outros não envelhecem jamais, e os 3 primeiros da série, pelo menos, ainda têm seu frescor.

    Acabei descobrindo depois isso:

    Muito animado. Espero que saia logo!

    Mega Man X Legacy Collection

    Platform: Playstation 4
    56 Players
    28 Check-ins

    15
  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-02-14 21:49:29 -0200 Thumb picture

    Check-out atrasado

    Continuando o check-in anterior , em que eu estava no início, acabei por finalizar há algumas semanas todo o conteúdo do jogo disponível.

    Meu time principal: Goblin Brute(Tank), Goblin Warlock (Healer/DPS) e Goblin Archer (DPS)

    Após o check-in anterior, continuei explorando o mapa e suas diversas áreas, após capturar os monstros que destrancavam as habilidade de acesso a outras áreas. À medida que avançava, fui vendo melhor o capricho dos criadores com relação às áreas, a seus novos monstros. 

    Outra coisa que gostei: você pode carregar todos os monstros do jogo no seu time. o combate é de 3x3, mas os 6 monstros principais do grupo recebem xp. Outro detalhe: os ovos de monstros obtidos, quando são chocados, saem com poucos níveis abaixo do maior nível entre seus monstros - usualmente entre 2-3 níveis abaixo.

    Observe abaixo dos 6 principais a "thumb" com todos os monstros.

    Outro ponto legal é que depois de um evento do jogo os monstros começam a aparecer com Light ou Dark affinity. Na prática, você passa a poder enfrentar monstros com uma cor mais clara e uma mais escura, e consequentemente obter ovos daquela cor. As afinidades não mudam quase nada na árvore de habilidade dos monstros, mas ele passam a ter uma habilidade passiva adicional, como equipar um item a mais, ter mais chance de crítico ou acumular um debuff a mais nos monstros. Claro que há itens (caros e raros) que permitem alterar a afinidade do monstro pro oposto ou dar uma a ele, caso ele não tenha. 

    Compare a cor dos monstros com os da imagem anterior

     A "evolução" dos monstros aqui é diferente também. Poucos monstros podem mudar de forma, e pra isso é preciso usar um catalisador (item) numa árvore, o que vai mudar o monstro pra outro. Além da aparência diferente, ele vai ter uma árvores de habilidades totalmente diferente, de modo que é interessante ter alguns monstros na forma anterior e comparar. Ele vai ganhar novas árvores e perder outras. De um bom tank, por exemplo, ele pode passar a ser um mago, ou passar a ter mais habilidades físicas em detrimento das mágicas, etc.

    Depois de ter completado todo o mapa, e capturado todos os monstros, abriu-se uma área extra com apenas 2 mapas, em que foi possível enfrentar mais de 10 Keepers (treinadores) que participaram do financiamento coletivo do jogo, que estavam na forma de estátua nesta área. Vencê-los não rende nada além de itens, mas serve pra você ver o quanto seus monstros estão fracos/fortes e experimentar combinações diferentes.

    Não satisfeito, após a platina continuei jogando. Capturei todos os monstros spectrais (iniciais), completei todo o manual de monstros com os itens que eles dropam, fiz todo o conteúdo que havia a fazer, upei TODOS os meus monstros para o level máximo (40). Assim, fiquei satisfeito.

    Já ia começar uma nova run com outro personagem, mas soube que vai vir mais conteúdo pra ele no 2/3 trimestre deste ano. Uma área nova, com novos monstros, novas habilidades e o melhor : de grátis. 

    E acrescentaram legenda em pt-br no jogo, feita por fãs e incorporada ao jogo. Enfim, recomendo muitíssimo. Uma boa combinação em pixels de Metroidvania com captura e combate entre monstros, com infinitas possibilidades de builds e formações de times. E tudo por 20 reais (comprei numa promoção, claro!!!

    Monster Sanctuary

    Platform: Playstation 4
    2 Players

    23
  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-01-20 15:13:10 -0200 Thumb picture

    Minha retrospectiva PS4 2021

    Após a postagem de @hyuga, resolvi printar como que foi.

    Começando com as horas jogadas...

    Muito bom...Um total de 1669 horas jogadas... quase 70 dias!!!!

    E se dividir as horas jogadas pelos 307 dias que joguei totaliza uma média de 5,4 horas por dia... Muito Bom!!!

    A seguir, quantos jogos joguei:

    Uma média de mais de 5 jogos diferentes por mês... Razoável...

    E os campeões em horas jogadas foram...

    Sozinha, só a série Yakuza me rendeu exatas 300 horas!!!! Num cálculo rápido, +-20% de tudo que jogou tinha Yakuza no meio.... Saga Frontier me consumiu muitas horas, e em nenhuma delas deixei de sentir o prazer de jogar esta obra-prima. Puta dinheiro bem investido!. De resto, Comprei D2 uns 3 meses depois que saiu, e desde então praticamente dominou as jogatinas por aqui. Boa parte das horas online tb se devem a ele. D3 jogamos mais no  meio do ano, na busca pela platina, eu mais alguns amigos, localmente.

    E os troféus? Ora...

    Num cálculo besta, +-1 troféu a cada 3 dias. 

    Gostei do resultado este ano.  Mas dá pra melhorar ano que vem!!!

    Aproveitando, convido @raiden @volstag e @andre_andricopoulos pra gente ver se as jogatinas renderam mesmo...

    When the Past was Around

    Platform: Playstation 4
    2 Players

    21
  • seufi Marcio Garcia Seufitele Pinto
    2022-01-17 21:58:36 -0200 Thumb picture

    Parece que estamos descongelando

    Após a postagem curiosíssima do @andre_luiz, relatando a postagem no twitter, fui olhar e me deparei com esta postagem no face...

    O que será que vem por aí? E o que quer que venha, quando vem por aí?

    Tales of Rebirth

    Platform: PSP
    34 Players
    5 Check-ins

    73
    • Micro picture
      lola · 4 months ago · 14 pontos

      Olá, pessoal!

      Não se preocupem, vamos colocar nosso papo em dia e estou acompanhando os comentários. :)
      Meu muitooooo obrigada por ainda estarem conosco nessa longa jornada que tem sido até agora!

      Caso queiram enviar os vossos feedbacks para irmos incluindo nas dicussões: contact@alvanista.com.

      Ahhhhh a luz ainda fere meus olhinhos, foi uma longa soneca até agora...

      9 replies
    • Micro picture
      gicba · 4 months ago · 8 pontos

      Ih rapaz, pior que apesar das travadas eu gosto do clima de cidade pacata do interior daqui.

      5 replies
    • Micro picture
      thecriticgames · 4 months ago · 4 pontos

      ‎(͡o‿O͡)

      4 replies
Keep reading → Collapse ←
Loading...