santz

Meu registro histórico de jogos zerados. Personas: @historia_dos_games @goty @evolucao_dos_games

You aren't following santz.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • santz Santz
    2021-05-01 19:58:11 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 423 - Uma puta homenagem as clássicas animações

     Mais um jogo zerado através do Parsec e meu irmão baixou o Cuphead, que era um dos jogos que mais queria jogar na época que foi anunciado. O jogo pode ser clássificado como Run 'n' gun, mas tem pouquíssimas fases nesse estilo, então eu prefiro ver que é um jogo de luta contra chefões e nossa arma é o tirinho. Já vou logo falar do melhor aspecto do jogo, seu visual. Puta que pariu, que jogo bonito da porra! Super caprichado em todos os mínimos detalhes, com ótimas animações e personagens que fazem uma baita homenagem aos clássicos dos anos 30 e 40. A trilha sonora também é bem marcante, com várias músicas de jazz clássico incrível.

     A dificuldade do jogo é realmente notável, mas nada desequilibrada ou impossível de superar. Jogando de 2 fica tudo melhor, pois assim que um personagem morre, a gente pode ir lá e ressuscitar o coleguinha. Esse é uma das mecânicas mais geniais para conseguir equilibrar e dosar a dificuldade do jogo. As fases de navinha são geralmente as mais complicadas, com chefes complicados e cheio de etapas. O que mais me incomodou no jogo foi o lance dos upgrades para comprar. Os tiros são massa, mas os outros poderes são bem inúteis. É um dá e tira que acaba tirando a sensação de conquista. Pior que muitos desses upgrades não servem pra nada nas fases de navinha. Fora isso, o jogo é espetacular. Já estou ansioso para Cuphead 2, tomara que um dia saia.

    Minhas conquistas:

    *Todas as moedas coletadas;

    *Todos os itens comprados;

    Cuphead

    Platform: PC
    737 Players
    228 Check-ins

    32
    • Micro picture
      mason · 5 days ago · 2 pontos

      Esse jogo é simplesmente incrível. Vai tentar terminar na dificuldade mais difícil?

      1 reply
    • Micro picture
      marlonfonseca · 5 days ago · 2 pontos

      Jogo maravilhoso! Se tornou um dos meus preferidos de todos os tempos!!

      1 reply
    • Micro picture
      cypher · 5 days ago · 2 pontos

      Jogaço!!!

      2 replies
  • santz Santz
    2021-04-24 21:10:53 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 422 - O primeiro beat 'em up 3D da história

     Eu e meu irmão estávamos conectados via Parsec e eu pensei num jogo rápido e curto para matar o tempo. Lembrei de Die Hard Arcade, que é um beat 'em up 3D aos moldes de Fighting Force, que era um jogo que a gente jogou muito junto quando criança. Meu amigos, que jogo da hora. Mesmo sendo o primeiro do gênero, ele traz vários conceitos novos que deixa você sempre se divertindo. O jogo oferece várias armas de para usar contra os inimigos, como faca, metralhadora, spray de pimenta, além de jogar vários objetos em cima dos caras.

     Outra coisa que é muito da hora são as partes cinematográficas com quick-time event. Pode ser que esse seja o primeiro jogo de ação a implementar essa mecânica. O ritmo do jogo é ótimo e aventura é bem típica dos filmes de ação, com direito a troca de roupas para os nossos personagens. Agora, o que não curti no jogo foram os gráficos, fazendo com que os bonecos poligonais ficasse bem feios e quebrados. Outra coisa triste também é que o jogo é muito curto. Terminamos a campanha em 20 minutos. Quem busca diversão rápida e descontraída em modo cooperativo, esse é o jogo certo.

    Die Hard Arcade

    Platform: Arcade
    59 Players
    1 Check-in

    32
    • Micro picture
      marlonfonseca · 12 days ago · 2 pontos

      Esse jogo é bem legal. Tenho ele para o SAturn. Recentemente descobri que teve uma continuação para o dreamcast que vou jogar em breve.

      1 reply
    • Micro picture
      thiagobrugnolo · 11 days ago · 2 pontos

      Esse aí era famoso lá por 1997, era bem comum em casas de fliperama, mas eu jogava mesmo era o port do Saturn.

      2 replies
    • Micro picture
      rodolfo6493 · 11 days ago · 2 pontos

      Não tem nada a ver com o post, mas uma das melhores lojas da Galeria do Rock se chama Die Hard.

      1 reply
  • santz Santz
    2021-04-16 12:57:45 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 421 - Reboot de um clássico da Capcom

     Esse é mais um jogo da brincadeira que fiz com meus irmão de "Joga com meu jogo". Me indicaram então jogar o reboot do Bionic Commando e peguei a versão de PS3 para usar o emulador. É um jogo com muitas boas ideias, mas que não trabalha bem nenhum aspecto. Vamos começar pelo combate. Temos algumas armas para usar, como metralhadora, granadas e sniper, mas é meio ruim de mirar. Prefiro ir no mano-a-mano, só no socão. Mas uma coisa que fazia demais era lançar objetos nos inimigos, pois tira vida pra cacete e é quase que teleguiado. Os gráficos do jogo são bem legais, apesar do level design meio bosta. A história do jogo é bem foda-se. Não entendi nada e nem fiz questão. A trilha sonora também é qualquer coisa.

     A principal característica do jogo é o braço estendido do protagonista. Com ele, a gente pode se esticar o braço e balançar igual o Miranha, o problema é que não funciona tão bem quanto eu esperava. Muitas vezes eu não largava o braço no momento certo do balanço e meu personagem caia reto. Isso acontecia com muita frequência e o jogo forçava esse tipo de interação com o cenário, colocando trilhas de balões flutuantes igual da imagem e era um saco de passar. Morria direto. Outra coisa péssima do jogo é o uso da toxina no ar para limitar onde nosso personagem pode explorar. Isso deixa os coletáveis chato de procurar e é uma desculpa bem tosca. No geral, o jogo não é tão ruim, pois ele é curto e fácil, então a gameplay flui. O problema é que ele não se destaca em nada.

    Bionic Commando

    Platform: Playstation 3
    202 Players
    3 Check-ins

    28
    • Micro picture
      xch_choram · 20 days ago · 2 pontos

      ele tem pra pc, da pra ter jogado a de pc mesmo não?

      1 reply
    • Micro picture
      jcelove · 20 days ago · 2 pontos

      Esse fez parte da leva de fails ocidentais qdo a capcom quis ocidentalizar na geração passada. Acho que só Dark Void se saiu pior.hehe

      Se quer uma experiência mais próxima ao clássico teve o rearmed que foi bem eleogiado pela critica, deve ser barato no steam hj em dia
      https://www.youtube.com/watch?v=B2NwJpqAuNI

      2 replies
    • Micro picture
      kzerosix · 20 days ago · 2 pontos

      Vim dar uma olhada aqui na página dele pq tá custando 3 reais na Steam.
      Fica a dica ai pra quem quiser comprar. Nunca tinha jogado ele e tô pensando em comprar.

      1 reply
  • santz Santz
    2021-04-11 10:48:38 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 420 - Liberdade até demais

     Só agora eu descobri o programa Parsec e ele funciona perfeitamente bem, então meu irmão já logo caçou um RPG dos brabo de tela dividida pra jogar. Eu conhecia a fama da série, que é tipo um remake de um clássico, mas não sabia que o jogo era tão da hora. A exploração é bem ampla, podemos interagir tudo quanto é objeto e tem muitos itens pra pegar e missões pra completar. O combate é por turnos e eu achei muito bem projetado, com cada personagem tendo uma quantia de pontos de ação para usar e temos uma vasta seleção de habilidades para usar, independente da classe escolhida. Eu gostei demais da experiência, mas o design das missões e essa incrível liberdade acaba estragando o jogo.

     Eu detesto ficar caçando no YouTube ou sites de detonado para descobrir o que fazer. Algumas missões obrigatórias e elas exigem ações bem específicas. Mesmo jogando tudo com tradução, a gente ficava perdido direto em como completar as missões. Teve um momento que descobri na cagada como seguir uma missão, pois mesmo vendo vídeo, não dava pra saber se a gente já fez ou não tal coisa. A pior coisa do jogo é que podemos vender qualquer item para qualquer pessoa, então sem querer, vendemos itens essenciais para certas missões e depois ficamos um tempão caçando pra quem foi que a gente vendeu. Muitas vezes também a gente deixava pra trás itens especiais da missão no chão, nem dava importância, depois ficávamos perdidaços. Quase dropamos o jogo várias vezes, mas no final, deu tudo certo (ainda bem).

    Divinity: Original Sin

    Platform: PC
    177 Players
    30 Check-ins

    29
    • Micro picture
      msvalle · 25 days ago · 2 pontos

      Estou com ele na fila, essa questão de liberdade em extremo é realmente um problema.

      1 reply
    • Micro picture
      _gustavo · 25 days ago · 2 pontos

      Divinity é sensacional, mas não consegui jogar muito o primeiro OS, o segundo melhorou absurdamente em tudo, ele continua te dando liberdade de abordagem nas missões mas não te deixa tão perdido, o primeiro Original Sin teve uma missão q acabei indo pra um lugar totalmente fora do meu Level e não conseguia sair de lá sem morrer direto kkk

      1 reply
    • Micro picture
      thiagobrugnolo · 25 days ago · 2 pontos

      Rapaz a franquia Divinity é mesmo bem diversificada, pois esse primeiro é turn based se não me engano o segundo é tático e ainda tem os Divinitys Action.

      2 replies
  • santz Santz
    2021-04-03 19:31:36 -0300 Thumb picture

    Evolução dos Games - Ano 1983 concluído

    Fala meu povo. Essa semana eu conclui os jogos de 1983 no meu canal no YouTube. Para quem ainda não conhece, eu faço gameplays de jogos antológicos que marcaram o início da indústria dos videogames e jogo 3 games por vídeo, avançando em ordem cronológica. Os jogos desse clico foram:

    Clique na lista para ser direcionada para a planilha com informações mais detalhadas

    1983 foi um ano marcante. Nos Arcades, tivemos a presença de 2 jogos que marcaram grandes feitos técnicos, que foram Dragon's Lair e i, Robot. Tivemos também mais alguns clássicos jogos do saudoso Atari 2600 e houve uma expansão dos computadores, que estavam ganhando popularidade na época. Tivemos a estreia do lendário ZX Spectrum e do obscuro computador japonês Sharp X1. Além disso, o Apple II segue firme e forte, com jogos cada vez mais completos.

    Clique na imagem para ser direcionado para o canal

    É isso. O canal não cresceu nada desde meu último post, nem nas visualizações e nem nos inscritos, mas vou seguir com o projeto firme e forte, pois é algo que adoro fazer e quem sabe um dia se torne algo relevante. Quem quiser acompanhar a persona @evolucao_dos_games aqui no Alva, ajuda demais também.

    Mario Bros.

    Platform: Arcade
    84 Players
    2 Check-ins

    32
    • Micro picture
      kleber7777 · about 1 month ago · 3 pontos

      Peguei pra ver o vídeo que vc jogou Halloween (Atari). Eu não conhecia esse jogo. O vilão mete facada nas crianças! Anos 80... vou te falar. :S

      2 replies
    • Micro picture
      bobramber · about 1 month ago · 2 pontos

      É isso aí, o importante é gostar de fazer!!!

      1 reply
    • Micro picture
      cypher · about 1 month ago · 2 pontos

      Que trampo em cara, ganhou minha inscrição!

      3 replies
  • santz Santz
    2021-04-01 09:46:05 -0300 Thumb picture

    #326 - Resident Evil 2 [PlayStation] 1998

     Abrindo o ano de 1998, a Capcom lança a continuação de seu grande sucesso de 1996. A história desse segundo jogo se passa 2 meses depois de Resident Evil, onde Claire e Leon vão para Raccoon City e acabam encontrando a cidade tomada por zumbis. O jogador pode escolher qual personagem vai jogar e cada um vai ter acesso a novas rotas e diferentes parceiros auxiliares. O jogo usa o Zapping System, que muda partes da experiência numa segunda jogada após terminar a campanha com um dos personagens. Quando o jogo estava 70% concluído, o desenvolvimento foi descartado e refeito para atender às novas exigências de Shinji Mikami. O jogo foi mais um grande sucesso de vendas e críticas e se tornou uma das principais franquias da Capcom.

     - O segundo jogo da série traz uma melhoria em todos os aspectos do jogo anterior. Os gráficos são os maiores destaques, com cenários pré-renderizados muito mais detalhados e os modelos dos personagens poligonais muito mais caprichados. A mecânica de sobrevivência, recursos escassos e controle permanecem, mas com retoques que tornam a experiência mais orgânica. O começo do jogo já é intenso, com uma cidade tomada por zumbis e depois um clima de suspense sinistro na delegacia. A história do jogo é bem elaborada e cheia de situações de impacto, tornando uma experiência bem cinematográfica. O jogo também oferece vários recursos para um fator replay, além do Zapping System, tem vários extras e desbloqueáveis.

    Nota pessoal: ★★★★★

    @andre_andricopoulos, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @srdeath, @melkorbelegurth, @avmnetto, @spider, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @carlosneto, @thiagobrugnolo, @rensan, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @warconnor [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Resident Evil 2

    Platform: Playstation
    11573 Players
    132 Check-ins

    51
  • santz Santz
    2021-03-27 19:49:07 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 419 - Entrando pelas paredes de A Link to the Past

     Depois de um tempão sem jogar um Zeldinha, fui experimentar esse que é considerado um melhores jogos do 3DS. Expectativa altíssima. Eu já sabia que esse jogo usava o mesmo mapa de A Link to the Past e eu achei que fosse curtir pra carai essa dinâmica, pois foi o Zelda da minha infância, mas no final, essa foi a pior parte do jogo pra mim. Revisitar aquele mundo não foi interessante, pois ele é praticamente idêntico ao original. O jogo tem até uma espécie de Dark World também, mas a gente só pode alternar entre ele usando fendas e não de qualquer lugar, como era o caso o espelho do A Link to the Past.

     É chover no molhado dizer que a jogabilidade do jogo é fantástica, a trilha sonora revisitada e os gráficos belíssimos que o jogo reproduz, tudo feito com muito esmero e carinho. Uma coisa meio boba do jogo é o lance de ter que comprar os itens ao invés de pegar  só pegar no bauzão, como manda a tradição. Quando você morre, você perde tudo e tem que comprar tudo de novo. Claro que quando eu morria, eu apenas resetava o jogo. No gera, eu curti pra caramba a experiência, mas o meu Zelda favorito ainda é o Minish Cap.

    Minhas conquistas:

    *Todos as partes do coração;

    *Todos os itens e seus upgrades;

    *Todos os Maiamai encontrados.

    The Legend of Zelda: A Link Between Worlds

    Platform: Nintendo 3DS
    3437 Players
    367 Check-ins

    45
    • Micro picture
      manoelnsn · about 1 month ago · 2 pontos

      Eu gosto bastante desse Zelda, era o meu 3D preferido até o BOTW aparecer. Infelizmente ele bebe muito de ALTTP, eles bem que poderiam ter feito algo diferente e tudo mais... Porém ainda ficou duca.

      Só um detalhe: quando tu morre tu perde os itens que tu alugar. Depois de um tempo tu pode comprá-los, aí eles ficam com tu ever, se me lembro bem.

      4 replies
    • Micro picture
      vante · about 1 month ago · 2 pontos

      Esse é o meu jogo favorito do 3Ds! Não sei dizer se é o meu Zelda favorito por causa do Ocarina of Time, mas ele é maravilhoso!

      2 replies
    • Micro picture
      tiagotrigger · about 1 month ago · 2 pontos

      Eu até gostei de revisitar o mapa, ainda tem umas diferenças que deixou interessante.

      2 replies
  • santz Santz
    2021-03-18 09:31:29 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 418 - Será que é tão ruim quanto dizem?

     Sim, ele é. Eu sempre achei curioso de como é unânime a opiniões das pessoas que jogaram esse segundo Devil May Cry, afinal, ele é o segundo, uma continuação do primeiro, lançado 2 anos depois, como pode ser ruim? Então, eu não sei o que aconteceu com a equipe da Capcom na época, mas ele praticamente não pega nada do seu antecessor. O sistema de upgrade é uma bosta. A gente upa as armas, mas não ganha golpe novo, parece que aumenta só a força, nem dá para saber na verdade. É sempre o mesmo tipo combo, chatíssimo! Só tem armas no tipo espada e as armas de fogo são bem básicas também, acho umas 4 opções só. A transformação de demônio também só tem uma, a gente só pode mudar o elemento e algumas habilidades, mas nada muito radical.

     Vamos falar de coisa boa agora: O jogo é curto (graças a Deus). Acabou a parte boa. Voltemos a criticar o jogo. A história, meu Deus, que lixo! Se a do primeiro era tosca, esse segundo não faz nem sentido. Lutamos contra helicópteros demoníacos, prédios, criaturas aleatórias e tudo sem nenhum propósito. Os gráficos e as músicas são ok, nada demais. O curioso aqui é que o jogo tem 2 discos e cada um a gente joga com personagens diferentes. Mano, jogar com a menina é tão mais legal. Ela tem uns combos muito louco e é mais ágil, mas já tinha zerado com o Dante e passar por praticamente as mesmas fases desse jogo é tornar a experiência ainda pior. Bom é isso. O 3 eu já zerei, então o próximo é o 4.

    Devil May Cry 2

    Platform: Playstation 2
    2896 Players
    16 Check-ins

    33
    • Micro picture
      jcelove · about 2 months ago · 2 pontos

      É o caso de continuaçao q tenta seguir o feedback do publico sem ter entendido. O jogo tem graficos melhores e movimentos novos mas é extremamente repetitivo e sem graça, uma unanimidade entre a fanbase.hehe

      Ao menos a equipe se redimiu e fez um dos melhores jogos da serie no dmc3

      2 replies
    • Micro picture
      nettolage · about 2 months ago · 2 pontos

      Não consigo descrever o quão sofrido foi zerar esse jogo. DMC2 é disparado um dos jogos que eu mais odeio

      2 replies
    • Micro picture
      hyuga · about 2 months ago · 2 pontos

      outro ponto negativo é a RA (retardadice artificial) se o boss tem um ataque que acerta 5 metros pra frente e você esta a 6 metros dele ele fica parado atacando

      3 replies
  • santz Santz
    2021-03-13 20:47:27 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 417 - O jogo fofo e colorido do SNES

     Até então, estou jogando todos os games da série Kirby em ordem (todos jogos da série principal), eis que finalmente chego no tão aclamado Super Star que é dito por muitos como o melhor da série. Já sabia que o jogo era coop, então tentei jogar com minha esposa, mas ele não é exatamente um multiplayer como imaginei. O segundo jogador serve mais como um ajudante do que um jogador de fato, tipo o Tails nos Sonics de Mega Drive. Depois tentei jogar com meu irmão, ele também achou sem graça. A partir daí, resolvi jogar sozinho mesmo dane-se.

    O visual do jogo é super foda. Tudo muito colorido, Kirby muda de aparência quando pega um poder e todos os cenários são lindos. A trilha sonora também é incrível, como é tradição da série, mas não achei nada de outro mundo. A jogabilidade é impecável, mega diversificada e com bastante opção de poderes. O problema do jogo é o level design. Pra começar, essa ideia de "8 games in 1" é uma merda. Só serviu para dividir a experiência em dinâmicas não tão legais como a tradicional. As fases são muito apertadas (como muito dos jogos anteriores da série, na verdade) e o jogo é muito fácil. Chamar o ajudante e deixar ele se virando tira todo o desafio do jogo, mas eu usava sempre que possível. No geral, o jogo é excelente e eu gostei demais, mas o Adventure do NES ainda é meu favorito.

    Kirby Super Star

    Platform: SNES
    1740 Players
    50 Check-ins

    29
    • Micro picture
      manoelnsn · about 2 months ago · 2 pontos

      Não joguei todos os jogos da série (aliás, looooonge disso), mas não tem como não gostar dessa bola cor de rosa, ahauhaua

      1 reply
    • Micro picture
      noyluiz · about 2 months ago · 2 pontos

      Eu achei o jogo bem completo e compacto (por isso é o meu favorito na série) e é o jogo bem fácil só ficando mais complicado no metal knight e no milky way)

      2 replies
  • santz Santz
    2021-03-06 13:35:43 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 416 - Joguinho coop bem legal

     Peguei esse jogo para zerar com meu irmão porque o segundo jogo da série dá até para 4 jogadores, que deve ser ainda mais insano. A história do jogo é bem merda. A Lara Croft e um cara antigo que usa uma lança vão atrás de um ser maligno que se libertou. O visual do jogo traz um estilo isométrico e com cenários em ruínas e templos, padrão Tomb Raider mesmo. As músicas são qualquer coisa também. O que mais curti no jogo foram os quebra-cabeças, pois cada personagem tem habilidades únicas e devemos sempre cooperar para tentar adivinhar como passar de tal parte.

     Ainda que jogo seja divertido no começo com essas mecânicas, ele não sabe inovar muito nesse sentido e acaba ficando repetitivo. Outra coisa bem merda do jogo são as conquistas para desbloquear armas e artefatos. No começo, a gente queria fazer tudo, mas por conta disso, tínhamos que repetir cada fase umas 4 vezes, do começo ao fim, então acabou tornando a experiência muto mais chata. Lá pra metade do jogo, desencanamos disso e o jogo fluiu, mas sem muitos momentos legais. Tomara que o próximo jogo seja bem melhor.

    OBS: Esse será o meu último post a trazer essa parada de notas divididas em categorias. Sou péssimo em classificar esse tipo de coisa e quando estou jogando, não presto atenção nesses pontos técnicos, só quero me divertir. Então a partir do meu próximo post, só vou dar a nota geral como meio de demonstrar minha satisfação com a experiência e descrever depois em 2 parágrafos, como sempre fiz.

    Lara Croft and the Guardian of Light

    Platform: PC
    885 Players
    40 Check-ins

    30
    • Micro picture
      thiagobrugnolo · 2 months ago · 2 pontos

      Pra ser bem sincero, eu também não consigo prestar muita atenção em vários aspectos técnicos quando estou jogando, ainda mais se estiver jogando o determinado jogo pela primeira vez, preciso de pelo menos umas 3 campanhas pra me atentar a tudo.

      1 reply
Keep reading → Collapse ←
Loading...