You aren't following myers.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • jjosuevieira josué
    2021-04-09 18:07:49 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    O que deu na Sony?

    Com o lançamento do PS5 a Sony tem buscado cada vez mais uma zona de segurança, tomando decisões ruins demais para os jogadores (a meu ver, claro).

    Com o fechamento da Japan Studios eu já fiquei com o pé atrás.

    Aí agora um suposto remake de um jogo que não tem nem 10 anos, sério isso? (só falta mudarem a cara dos personagens para parecerem os atores da série)

    Me parece que Jim Ryan é um cara que ta pensando só em fazer jogos iguais pelo resto da geração e sugar a vaca leiteira que é a Naughty Dog tudo que dá. 

    Tudo isso misturado ao valor amigável de 70 dólares por jogo velho com texturinha nova pra dizer que teve mudança.

    É Sony, isso ta ficando estranho...

    The Last of Us Remastered

    Platform: Playstation 4
    4049 Players
    766 Check-ins

    35
    • Micro picture
      hanzy · about 1 month ago · 3 pontos

      Eu to bem descontente com o rumo da Playstation essa geração, o que eu curtia nela sempre foi a liberdade que ela dava pros estúdios criarem, por mais que eles forem parecidos, como dizem o Sony Template, sempre foram jogos que eu gostei muito de jogar. Agora ela vai querer usar o primeiro jogo junto a serie pra hypar e ganhar grana, TLoU não precisa de um remake, o remaster que já existe e esta na collection ta de bom tamanho, mas pelo jeito o foco agora é fazer igual, fazer remake e focar nos blockbusters acima de tudo. Com o que aconteceu com a Japan e a Bend quase sendo engolida pela ND dificilmente vamos ver coisas incríveis como Gravity Rush, que agora se tornou impossível vemos um terceiro jogo.
      Sinceramente o que me segura na PS é o GoW Ragnarok, que estou bem ansioso pra jogar, mas do jeito que ta talvez nem ele me segure nessa plataforma.

      5 replies
    • Micro picture
      marviiu · about 1 month ago · 3 pontos

      Parece ao meu ver que aquela regra da soberba do estúdio que ganhou a geração anterior continua. Mas acho que Jim Ryan deve causar um estrago bem maior na marca. Ele não se importa com o passado da empresa e é bem provável que ele deve acabar com a loja do PS3 e PSvita em breve. A praticamente aniquilação dos estúdios japoneses, tirando bastante da diversidade que a marca tem. Não sei se o PS5 vai reinar como aconteceu com o seu antecessor.

      2 replies
    • Micro picture
      peralva_gamer · about 1 month ago · 3 pontos

      Povo compara com o remake de Demon's Souls, mas eu acho diferente. Acho o Demon's Souls de PS3 um pouco ultrapassado, poucas pessoas tinham o interesse em hoje jogar a versão de PS3, e eu me incluo nesse grupo, kkkk. Já com The Last of Us é diferente, muita gente pega pra jogar ainda hoje. O online dele tá com tudo ainda no PS4. The Last of Us ainda é um jogo bem atual.

      1 reply
  • 2021-04-03 08:44:06 -0300 Thumb picture

    VALE TUDO POR DINHEIRO?

    Medium 3859761 featured image

    Com o recente fechamento da Japan Studio, um dos mais antigos e criativos estúdios da Sony, resolvi escrever esse artigo para refletir sobre as decisões do CEO Jim Ryan nos últimos anos. Jim Ryan é um dos funcionários mais antigos da empresa, desde 1994, mas foi em 2019 onde ele assumiu o comando da divisão de games da Sony. 

    Ele nunca foi bem visto pelos jogadores, primeiro por causa de declarações polêmicas, como dizer que ninguém gosta de jogo velho, para tentar explicar a ausência da retrocompatibilidade do PS4 com outros consoles da Sony, e também quando ele disse que os exclusivos da Sony iriam sair para PC e que fez isso para ajudar as vendas do PS5( Uma péssima explicação).

    A polêmica mais recente foi o fechamento da Japan Studio, e sabem qual foi o motivo? A Japan não queria fazer jogos populares como outros estúdios da própria Sony, então nosso querido CEO decidiu passar por cima do estúdio mais criativo da Sony, deixando vários desenvolvedores de peso sair da empresa e deixaram apenas a Team A.S.O.B.I no lugar. Vocês devem estar se perguntando: "Se as declarações e decisões dele são ruins, por que ele continua na empresa?" O motivo é simples: Dinheiro. Jim Ryan é apenas um empresário e não um gamer, diferente de nomes como Shuhei Yoshida e Mark Cerny que mesmo tendo um lado "empresarial", eles adoram vídeo-games e jogam até hoje. O que eu quero dizer é que a visão dele do mercado é extremamente limitada, mesmo ele fazendo a Sony ganhar muito dinheiro, ele toma decisões que não agradam os jogadores, pois como ele não é um jogador, ele ignora completamente a opinião deles.

    Para Jim Ryan, a decisão correta é aquela que dá lucro, mesmo que a decisão não agrade os usuários do Playstation, um tipo de pensamento parecido com o presidente da Konami, que faz a empresa ganhar toneladas de dinheiro, mas para isso, eles tomam atitudes ruins para os jogadores. Como se isso já não fosse o suficiente, Jim Ryan vai lançar um jogo produzido pela Sony (MLB The Show) diretamente no gamepass no dia do lançamento, ou seja, os usuários do Playstation terão que pagar preço cheio no jogo para poder jogar, enquanto os usuários do Xbox irão jogar praticamente de graça no lançamento.

    Será que esse é o começo do fim? Sabemos que a divisão de games da Sony rende bastante dinheiro, principalmente por conta do Jim Ryan, mas será que isso continuará nos próximos anos? Muitos jogadores não estão contentes com as atitudes dele, e alguns estão até pensando em investir em outras plataformas ao invés do Playstation. Está faltando aparecer algum nome de peso de dentro da empresa para bater de frente com ele, pois Jim Ryan, que atualmente é considerado o pior CEO da história da Sony, está simplesmente destruindo a marca Playstation, não do ponto de vista financeiro, mas com atitudes ruins para os usuários da plataforma.

    The Last Guardian

    Platform: Playstation 4
    947 Players
    132 Check-ins

    15
    • Micro picture
      thiones · about 1 month ago · 3 pontos

      Bom, se ele não quer agradar o usuário se PlayStation, eu volto pra concorrência. Afinal de contas, hoje, eu não vejo muita vantagem em continuar apoiando essa empresa lixo.

    • Micro picture
      rshadowss · about 1 month ago · 3 pontos

      Sonysta não tem 1 minuto de paz.
      Eu não tenho vontade de continuar no Playstation, por mais que os exclusivos do PS sejam mais atrativos, o Xbox parece se "importar" mais com os jogadores.

    • Micro picture
      speedhunter · about 1 month ago · 2 pontos

      É muito triste o que aconteceu com o Japan Studios. Eu sou muito fã da Sony, mas, o que me segura na marca além dos exclusivos são os JRPGs. Por mais que o Switch tenha JRPGs bacanas, o Playstation ainda é a casa principal desse gênero, então mudar de plataforma seria quase impossível para mim que gosto desse tipo de jogo.

  • 2021-04-01 11:50:55 -0300 Thumb picture
    myers checked-in to:
    Post by myers: <p>R.I.P Japan Studio...&nbsp; Obrigado, Jim Ryan,
    Puppeteer

    Platform: Playstation 3
    1099 Players
    111 Check-ins

    R.I.P Japan Studio...  Obrigado, Jim Ryan, por continuar fazendo merd@!! Pior CEO da história da Sony.

    1
  • 2021-02-14 12:05:34 -0200 Thumb picture
    myers checked-in to:
    Post by myers: <p>Acabei de finalizar o jogo e ele já se tornou um
    Vampyr

    Platform: Playstation 4
    146 Players
    20 Check-ins

    Acabei de finalizar o jogo e ele já se tornou um dos meus jogos favoritos. A história, os personagens, ambientação e a trilha sonora são os pontos mais altos do jogo, sem contar com o sistema de escolhas que faz o jogador pensar com cuidado antes de escolher o que fazer, pois qualquer escolha que fizer, não poderá voltar atrás. Mas infelizmente o jogo foi abandonado pelo estúdio, pois Vampyr tem vários problemas graves que não foram consertados até hoje, o que acaba estragando um pouco da experiência, só hoje, no meio da gameplay, aparece uma tela avisando que o jogo deu um erro, fazendo eu ter que entrar no jogo de novo, e isso aconteceu 2 vezes hoje. As telas de loading são muito chatas, acontece várias vezes e algumas são bem demoradas. Mas tirando os problemas, achei um jogo muito bom, e se um dia tiver uma sequência, espero que eles não abandonem o jogo e consertem os problemas que tiver. 

    7
    • Micro picture
      sergiosamsa · 3 months ago · 2 pontos

      Também gostei bastante desse jogo, joguei já tem um tempo, mas quero jogar outra vez....realmente ele tem esses problemas que vc disse...lembro q o que me chateava era aquela travadinha que ele dá às vezes quando a gente muda de distrito, a tela congela e fica carregando

      3 replies
  • 2021-01-30 12:59:34 -0200 Thumb picture
    myers checked-in to:
    Post by myers: <p>Acabei de chegar no capítulo 4 e estou em uma re
    Vampyr

    Platform: Playstation 4
    146 Players
    20 Check-ins

    Acabei de chegar no capítulo 4 e estou em uma relação de amor e ódio com esse jogo. O jogo tem diversos problemas graves com bugs, inclusive um que o jogador tem que começar o jogo do zero, já que não tem save manual, apenas 1 automático. Mas o jogo tem qualidades também, como a história, os personagens, a lore,etc.. Um mundo muito interessante, além de uma boa ambientação e bons gráficos e expressões faciais para um jogo de orçamento mediano. A jogabilidade é fraca, mas quem consegue jogar The Witcher 3, consegue jogar Vampyr tranquilamente; Gostei também da trilha sonora e da dublagem em inglês, além das diversas escolhas que temos que fazer, e cada escolha pode ter uma consequência, assim como um rpg de mesa. As telas de carregamento irritam bastante, pois tem toda hora e é demorado, fora quando a jogabilidade dá uma travada depois de passar por uma tela de carregamento. Até o momento eu estou achando um bom jogo, mas se o estúdio tivesse um orçamento maior, acredito que não teria tantos problemas assim.

    7
    • Micro picture
      fagnerale · 3 months ago · 2 pontos

      Resolvi dar uma chance pra esse jogo também, tô no capítulo 2, no 1°notei uma pequena bugada, depois de limpar uma área e voltar pra lá, tava todo mundo vivo de novo, outro problema é o salvamento automático

      3 replies
  • 2021-01-23 12:10:20 -0200 Thumb picture
    myers checked-in to:
    Post by myers: <p>Não sou muito fã do anime de Sword Art Online, m
    Sword Art Online: Alicization Lycoris

    Platform: Playstation 4
    8 Players
    1 Check-in

    Não sou muito fã do anime de Sword Art Online, mesmo tendo acompanhado todas as temporadas.. eu estava querendo algum jogo de anime e vi que tinha vários jogos da franquia, então eu decidi começar pelo mais recente, pois era a adaptação do melhor arco do anime ( Mesmo eu achando que o anime poderia ser bem melhor no roteiro e nos personagens).Comecei a jogar faz alguns dias e estou no capítulo 2. Até o momento, esse jogo é divertido e estressante ao mesmo tempo, principalmente pelas telas de carregamento que são bem demoradas, e o número exagerado de diálogos que o game joga na cara do jogador nas primeiras horas de gameplay, sendo que eles poderiam ter feito algo mais balanceado (E olha que já joguei vários jrpg's que tem muito texto, mas os que eu joguei eram bem balanceados nesse sentido). Outro problema está na exploração: Quando eu vou para o segundo ou terceiro mapa do jogo, eu não consigo voltar para os mapas anteriores, mesmo quando libera o fast travel... eu pesquisei sobre isso, e vi que só vou poder explorar as áreas anteriores, quando eu chegar no capítulo 5, depois de mais de 10 horas de gameplay, o que achei um absurdo, sem contar com as missões secundárias que desaparecem do mapa, tive que ficar entrando e saindo de uma determinada área para as missões voltarem a aparecer. Mesmo o jogo tendo vários problemas, ainda é um jogo divertido de se jogar, tendo gráficos razoáveis para um jogo de anime, uma jogabilidade interessante, mas que podia ser melhor e uma história bacana.

    3
  • brunothebigboss Bruno dos Anjos Seixas
    2021-01-22 15:14:11 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    brunothebigboss checked-in to:
    Post by brunothebigboss: <p>Nesses 2 dias entre o úlimo check-in e esse, aca
    The Last of Us Part II

    Platform: Playstation 4
    861 Players
    278 Check-ins

    Nesses 2 dias entre o úlimo check-in e esse, acabei avançando tanto que sou forçado a criar um poder de síntese pra essa entrada. Basicamente, fui vítima do paradoxo do suspense quando Ellie chegou ao aquário e encontrou o casalzinho do grupo da Abby (quem jogou sabe do que eu tô falando), daí ela voltou pro teatro e -PLOT TWIST- foi alcançada pela Abby em um confronto que é cortado subitamente... e aí a gente controla Abby num flashback de 5 anos atrás.

    Pra muitos haters deste jogo), se a morte deste não foi o começo da queda, é esse momento aqui que sela o destino do jogo na opinião deles. Mesmo eu, quando vi esse momento pela 1ª vez antes de botar as mãos no jogo, me fez ficar "HÃ???". Mas tudo se justifica aos poucos na jornada, a começar pelo paralelismo narrativo da Abby ser a filha do cirurgião morto por Joel, em um paralelo ao 1º game e o começo do 2º. Depois, conhecendo melhor a WLF, fazendo a óbvia constatação que são gente como a gente e não monstros (coisa que mesmo na vida real é difícil de se aceitar, imagina em uma ficção). Finalmente, em um momento de busca por um dos amigos do grupo de Abby, esta é capturada pelos Cicatrizes (ou, considerando o nome real deles, Serafitas, uma seita milenarista provavelmente inspirada em algum escrito de Jaques LeGoff), onde temos OUTRA cena de trailer, aquele que todo mundo achou que a Abby, que a gente nem sabia que tinha esse nome, era a mãe da Ellie, e aonde, também sem sabermos, nos é revelado o melhor personagem desse jogo inteiro:

    Lev, aqui retratado em um momento futuro de TLOU Parte II. Ainda não entramos pra valer na história dele, mas sua dedicação em salvar a irmã já conquista o jogador nos primeiros segundos

    Fora a história principal, devo confessar que a caracterização dos Serafitas me intrigou muito, não só pela referência histórica que mencionei anteriormente, mas também pelas particularidades dessa situação toda de Seattle. Aqui, fica óbvio desde o começo que a WLF e os Serafitas estão em guerra, mas como a WLF é basicamente um exército e os "Cicatrizes" (que aliás é um ritual de iniciação provavelmente inspirado em várias religiões reais, mas é óbvio que aqui as coisas são bem mais brutais) são uma seita anti-tecnologia e minoritária numericamente, é óbvio que eles estão perdendo a guerra. Narrativamente, eles já estavam em uma posição ruim desde a flechada da Ellie no último check-in, então ver alguém deles do meu lado ou mesmo ver os documentos no Portão da Profetisa, por sinal mais um triunfo da escrita documental desse jogo...bom, o que eu posso dizer? É interessantíssimo!

    Por fim, uma coisa que ficou mais clara enquanto jogava e percebia coisas que antes eu só sabia por cima: dos poucos críticos razoáveis que esse jogo tem (a maioria, ou pelo menos a mais barulhenta, como já devem saber, são reaças e viúvas do Joel; fiquem longe deles!), um dos tópicos mais comuns é o fato de que, nem de longe, o grupo da Abby é tão carismático quanto as figuras de Jackson ou mesmo os personagens solo do 1º jogo. Entendo esse ponto de vista, mas jogando, dá pra ver que a intenção não foi tornar esses personagens carismáticos, algo conquistável, em um jogo realista como The Last of Us, somente a longo prazo, embora as sementinhas tenham que ser plantadas no começo. Aqui, lembra mais obras como 12 Homens e Uma Sentença; a preocupação da direção está em criar uma dinâmica realista e personagens que, mesmo que não conquistem, você ao menos possa compreender, e creio que seja o que TLOU Parte II esteja tentando fazer aqui.

    Claro, tem pessoas carismáticas do outro lado da cerca, leia-se Lev e Yara, e estou indo vê-los agora mesmo.

    12
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 4 months ago · 2 pontos

      Eu sinceramente queria entender o por que do ódio de muitas pessoas perante a morte do famoso protagonista.

      Ninguém é imortal...

      Achei genial tal decisão 💪🏻

      2 replies
  • 2021-01-01 21:10:44 -0200 Thumb picture
    myers checked-in to:
    Post by myers: <p>Como zerei Far Cry 5 e não estou com vontade de
    Yu-Gi-Oh! DUEL LINKS

    Platform: Android
    237 Players
    220 Check-ins

    Como zerei Far Cry 5 e não estou com vontade de jogar nada nos consoles, resolvi baixar de novo o Duel Links e estou completamente viciado no game.

    6
  • 2021-01-01 13:32:30 -0200 Thumb picture

    Meus jogos favoritos da 8ª geração de consoles

    Com a chegada de um novo ano e de uma nova geração de consoles, decidi fazer uma lista dos meus games favoritos da 8ª geração.

    Em 10º lugar eu coloco Metal Gear Solid V. Fiquei extremamente empolgado quando joguei o prólogo Ground Zeroes, e quando coloquei as mãos no Phanton Pain, fiquei horas jogando, admirando os gráficos e as expressões faciais dos personagens, a trilha sonora que sempre foi o ponto forte da franquia, além da melhor jogabilidade da serie Metal Gear. Achei o Phanton Pain inferior ao seu prólogo, mas ainda é um grande jogo que me marcou nessa geração.

    Em 9º lugar eu coloco Red Dead Redemption 2. Quando joguei pela primeira vez, terminei o primeiro capítulo do game e depois fiquei um mês inteiro sem jogar. O jogo era bem arrastado e cansativo, principalmente pelo excesso de realismo. Depois desse tempo, resolvi pegar o jogo de novo e ir até o final, e foi aí que me surpreendi. Apesar de não gostar do realismo exagerado, da jogabilidade ultrapassada e da linearidade das missões principais que lembram jogos de ps2, o jogo tem muitas qualidades, como os gráficos impressionantes, expressões faciais dos personagens, uma narrativa que te prende do começo ao fim e um dos melhores desenvolvimentos de personagens que já vi em um jogo. Rockstar Games mais uma vez ensinando a como fazer um game de mundo aberto.

    Em 8º lugar eu coloco o jogo que é favorito de muitas pessoas: The Witcher 3. Quando vi esse jogo pela primeira vez, nunca tinha ouvido falar dessa franquia e nem da CD Project Red. A edição física é uma das melhores edições que já vi, mas o jogo é melhor ainda. The Witcher 3 apesar dos bugs mesmo com todas as atualizações disponíveis, é um jogo completamente viciante, com ótimos gráficos, um mundo muito interessante, além das melhores missões secundárias que já vi em um jogo. As Dlc's são tão impressionantes quando o jogo base, aliás, a história principal da Dlc consegue ser até melhor que a do jogo original. Mesmo com uma jogabilidade completamente ultrapassada e uma IA ruim, The Witcher 3 é considerado um dos melhores games da geração, um jogo que colocou a CD Project no mapa e um jogo que me deu muitas horas de diversão.

    Em 7º lugar eu coloco o primeiro jogo de Hideo Kojima fora da Konami: Death Stranding. Fiquei completamente empolgado quando esse jogo foi anunciado, pois até o momento eu tinha gostado de todos os jogos que Hideo Kojima tinha feito. Eu costumo dizer que esse game é um triple A com cara de jogo indie, pois a maioria dos jogos de grande orçamento costumam seguir um certo "padrão", enquanto os jogos indie de menor orçamento acabam se arriscando mais. Death Stranding é um jogo de grande orçamento, mas que não seguiu a fórmula padrão desses jogos, e resolveu apresentar uma proposta diferente de gameplay, onde você controla um personagem solitário, que tem que fazer entregas, e é isso que se trata o jogo: fazer entregas. Pode parecer estranho, mas quando joguei, tive uma excelente experiência com o game, que tem uma ótima narrativa, personagens carismáticos, gráficos incríveis, uma boa jogabilidade, uma trilha sonora maravilhosa e uma das melhores expressões faciais que eu já vi. Death Stranding certamente é um dos meus jogos favoritos dessa geração.

    Em 6º lugar eu coloco o jogo que muitas pessoas acharam que nunca iria ser lançado: The Last Guardian. Esse game foi prometido a muitos anos atrás para o PS3, mas teve vários problemas no desenvolvimento, até que em 2016, finalmente foi lançado, mas apenas para o PS4. Apesar dos problemas de desempenho, bugs, e uma jogabilidade um pouco estranha, The Last Guardian é um dos jogos mais emocionantes dos últimos anos. Apesar de não ter gráficos de um jogo de 2016, ainda sim é muito bonito, com uma ótima direção de arte, e uma bela trilha sonora. A IA é outro ponto forte do jogo, pois o Trico se comporta como um animal de verdade, quando mais você dá atenção a ele, mais fácil vai ser para ele te obedecer. Entendo que muita gente não gostou desse realismo na IA dele, mas ainda sim é bem impressionante. A história desse jogo também é muito bem feita, que acaba mexendo com as emoções do jogador. The Last Guardian fechou a trilogia da Team Ico de uma maneira fantástica e para mim, é um dos meus jogos favoritos da geração.

    Em 5º lugar eu coloco The Evil Within 1. Shinji Mikami conseguiu fazer um dos melhores jogos da carreira dele, fiquei muito animado quando ele foi anunciado, pois finalmente teríamos um jogo de terror em terceira pessoa, pois tem tantos jogos desse tipo em primeira pessoa que eu acabei ficando saturado. Apesar de problemas com bugs, jogabilidade e a câmera, ele contém uma história muito interessante e confusa, como se fosse um quebra cabeças, onde você vai pegando as peças e juntando para entender melhor. O visual dos monstros e dos cenários é um dos pontos fortes do jogo, além de um excelente vilão. The Evil WIthin 1 tem uma dificuldade elevada em comparação a outros jogos lançados nessa geração, além de conter ótimas Dlc's. Infelizmente não gostei da sua sequência, The Evil Within 2, mas esse primeiro jogo foi um dos que mais finalizei nessa geração e um dos meus jogos de terror que eu mais gosto.

    Em 4º lugar eu coloco a última aventura de Nathan Drake: Uncharted 4. Para mim, esse é um game que me fez querer um PS4 e coloco ele como o melhor da franquia ao lado do segundo jogo da serie. Uncharted 4 tem a melhor jogabilidade da serie e um dos gráficos e expressões faciais mais bonitos da geração, além de ter personagens carismáticos e a melhor narrativa da franquia. Uncharted 4 é um game indispensável para qualquer dono de PS4 e me diverti muito jogando ele, Naughty Dog mostrando como ser um dos melhores estúdios dos últimos anos. Só não entendi uma coisa: Como ele perdeu o prêmio de melhor jogo do ano?

    Em 3º lugar eu coloco a nova aventura de Kratos: God Of War. Cory Barlog foi extremamente corajoso ao desenvolver esse game, pois ele mudou a jogabilidade que todos estavam acostumados a jogar, mudou a câmera, a mitologia e até mesmo um pouco na personalidade de Kratos, e mesmo assim, conseguiu fazer um dos melhores jogos da serie, se não for o melhor. Os gráficos desse game são incríveis, temos personagens carismáticos, um Kratos que amadureceu ao longo dos anos, além de um ótimo sistema de combate e uma dublagem muito bem feita, tanto a americana quanto a brasileira. O jogo tem uma boa variedade de diálogos, onde você pode aprender mais sobre o novo mundo em que Kratos vive, além de ver o relacionamento dele com seu filho Atreus. Apesar de ter inimigos repetitivos e poucas lutas contra chefes, ainda sim God of War é um dos melhores games da geração.

    Em 2º lugar eu coloco o melhor rpg dos últimos anos: Persona 5 Royal. Conheci a franquia Persona através desse game, que acabou se tornando um dos meus jogos favoritos de todos os tempos. O jogo tem um ótimo combate por turnos, dinâmico e completamente viciante, além de ter uma ótima direção de arte e uma ótima trilha sonora. A história é fantástica, abordando temas como abuso, suicídio e até mesmo depressão, isso sem contar com personagens muito carismáticos que o nosso protagonista acaba conhecendo. Persona 5 não é apenas um dos melhores jogos da geração, mas um dos melhores jogos já feito nos últimos anos, mostrando que rpg de turno ainda está vivo.

    E em 1º lugar, um dos jogos mais polêmicos dessa geração: The Last of Us parte 2. Esse jogo mexeu completamente com minhas emoções, fiquei triste, com raiva, alegre, os mesmos sentimentos que tinham os personagens principais, tanto que cheguei no final do jogo completamente acabado, igual os protagonistas. A história ela é bem divisiva, mostrando que Neil Druckmann foi bem corajoso, pois ele poderia fazer uma história cheia de fan-service para agradar os fãs, mas decidiu fazer uma história onde ele sabia que muitos fãs não iriam gostar. The Last of Us parte 2 é um jogo depressivo, que como eu disse antes, mexe com as emoções do jogador; personagens como Joel e Elie acabaram mudando de personalidade, pois acabou passando 4 anos do final do primeiro jogo, e as pessoas mudam, mesmo tendo pessoas que não gostaram dessas mudanças. Os gráficos são um dos mais bonitos da geração, e expressões faciais desse jogo são fantásticas; a trilha sonora é muito boa e tem uma das melhores IA que já vi em um jogo. O maior problema que tive com esse jogo foi os inimigos com rostos iguais, um problema que a Naughty Dog tem desde o primeiro Uncharted, além do game ser mais longo do que deveria, outro problema dos jogos desse estúdio. Mas ainda sim, é um dos melhores jogos que joguei e acabou se tornando o meu jogo favorito dessa 8ª geração de consoles.

    Provavelmente vocês perceberam que minha lista de jogos favoritos tem mais exclusivos do que multiplataforma, isso é porque fiquei bem decepcionando com os jogos multi dessa geração. Franquias que nasceram na 7ª geração, tiveram continuações inferiores na 8ª,  e as franquias que surgiram na 8 geração, apesar de bons jogos, não me causaram o mesmo impacto que eu tive na geração PS3/360.

    The Last of Us Part II

    Platform: Playstation 4
    861 Players
    278 Check-ins

    7
    • Micro picture
      brunothebigboss · 4 months ago · 2 pontos

      Gostei da lista. Pretendo fazer uma lista parecida assim que pegar um PS5, mas isso ainda deve levar uns anos...

  • 2020-12-31 13:08:17 -0200 Thumb picture
    myers checked-in to:
    Post by myers: <p>Consegui completar duas áreas (John e Faith), e
    Far Cry 5

    Platform: Playstation 4
    322 Players
    103 Check-ins

    Consegui completar duas áreas (John e Faith), e estou me surpreendendo com o game. Gostei do mapa ser dividido em áreas, acaba não ficando cansativo a exploração, o número de coletáveis é menor em comparação a outros jogos da Ubisoft, o que é uma coisa boa e tem uma boa variedade de missões( Apesar de que chega um momento em que elas começam a se repetir), gostei bastante daqueles diamantes que ficam no mapa, pois cada um é uma espécie de puzzle, onde você tem que descobrir como entrar (Ou chegar) naquele determinado local para conseguir sua recompensa. Estou gostando da história e dos vilões do game, além da boa variedade de animais e veículos que tem no game, mas algumas coisas ainda me incomodam, como por exemplo, os "sequestros" que acontecem com seu personagem durante o game, onde do nada você é sequestrado e acaba sendo obrigado a fazer uma missão principal, fora alguns bugs, mas nada tão grave. Está difícil decidir qual é o melhor jogo da franquia,pra mim é o 3, mas se o 5 continuar desse jeito até o final, posso acabar mudando de opinião.

    6
    • Micro picture
      sergiosamsa · 4 months ago · 2 pontos

      Gostei bastante do 5 também, foi uma boa surpresa depois daquela coisa esquisita que é o 4, que eu realmente não gostei. O que salvou o 4 pra mim foi a DLC Valley of the Yetis,

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...