historia_dos_games

Revivendo a história dos games em ordem cronológica

You aren't following historia_dos_games.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • 2022-08-23 11:14:29 -0300 Thumb picture

    Combo#459 [Xbox](2002): Conflict: Desert Storm & Hitman 2

     A Pivotal Games faz sua estreia em um jogo de tiro tático baseado em esquadrões. Vamos liderar um esquadrão de elite das forças armadas britânicas ou americanas em uma série de missões de guerra. Como visto em outros jogos nesse estilo, cada soldado possui um conjunto de habilidades únicas para lidar com os diferentes desafios que a missão propõe, como artilharia, anti-bombas, médico, sniper, etc. O jogo se destaca por ter um modo campanha coop para até 4 jogadores em tela dividida. - Um jogo de tiro com ótimas mecânicas e um visual bastante detalhado. O legal da campanha coop é que cada membro do esquadrão pode começar em um local diferente do mapa e usar suas próprias habilidades para se safar ou ter que esperar pelo resgate.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    ----------------------------------------------------------------------

    ----------------------------------------------------------------------

     Depois dos eventos do primeiro Hitman, o Agente 47 se aposenta e tenta se redimir de seus pecados, mas o reverendo da igreja onde ele estava escondido é sequestrado e o agente acaba tendo que voltar a sua antiga posição de um assassino frio e calculista. O jogo é dividido em missões e o foco é tentar resolver os casos da maneira mais furtiva possível, trocando de roupas, agindo normalmente para não levantar suspeitas e tentar usar armas não letais ou venenos para derrubar suas vítimas, mas o jogador é livre para adotar uma abordagem mais direta. - Mais um jogo de tiro com mecânicas de furtividade, onde temos várias opções para se misturar nos lugares sem levantar suspeitas. A maioria dos problemas de seu antecessor foram resolvidos nesse jogo.

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Hitman 2: Silent Assassin

    Platform: XBOX
    32 Players

    34
    • Micro picture
      lgd · 4 months ago · 2 pontos

      Joguei Hitman 2 para PC. Muito bom pra época

      1 reply
    • Micro picture
      saulovyny · 4 months ago · 2 pontos

      Me lembro de Desert Storm coop com um amigo meu na locadora, bom demais combinar as estratégias

      2 replies
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 3 months ago · 2 pontos

      Nunca gostei de HITMAN...apesar de que os últimos lançamentos parecem bons

      2 replies
  • 2022-08-22 15:29:39 -0300 Thumb picture

    #459 - Splinter Cell [Xbox] 2002

     Baseado em outra série de livros de Tom Clancy, a Ubi Soft criou um jogo de espionagem. Vamos controlar Sam Fisher, um ex-oficial da marinha americana que é enviado a uma missão secreta para investigar sobre o desaparecimento de membros da CIA, mas a trama se desenrola para uma grande conspiração nazista. O jogo foi inspirado em outros jogos de espionagem, principalmente Metal Gear SolidThief. O jogo é muito focado em furtividade, com bastante uso de mecânicas que envolvem luz e sombra, sons e manobras acrobáticas. Ainda que Sam Fisher tenha acesso a arma de fogo, o jogo incentiva a resolver todas as missões da maneira mais furtiva possível.

     - A Ubi Soft leva o estilo de jogo de furtividade para um outro nível. As mecânicas introduzidas neste jogo tornam ele muito mais estratégico e tático. Há várias alternativas para lidar com cada situação e o jogador é sempre desafiado a cumprir um objetivo de maneira quase invisível, sempre tentando uma abordagem não violenta e evitando ao máximo usar força letal. Outro ponto de destaque do jogo são os gráficos, que estão entre os mais realistas e detalhados até então, tanto nos modelos dos personagens quanto no cenário, principalmente na questão da iluminação. Por ser um jogo que exige muita perícia técnica, o jogador pode ficar frustrado por ter de repetir o mesmo segmento várias vezes até conseguir acertar.

    Nota pessoal: ★★★★★

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Tom Clancy's Splinter Cell

    Platform: XBOX
    70 Players
    3 Check-ins

    39
    • Micro picture
      manoelnsn · 4 months ago · 3 pontos

      Joguei no n-gage essa série

      2 replies
    • Micro picture
      bobramber · 4 months ago · 2 pontos

      Versão de Pc, se não me falha a memória, permitia salvar em qualquer momento, o que reduz a frustração e a repetição

      2 replies
    • Micro picture
      thecriticgames · 4 months ago · 2 pontos

      Tenho uma história muito idiota de como joguei esse jogo a primeira vez. Anitgamente eu era incrivelmente ruim em jogos de luta, ainda sim consegui realizar ao menos 1 finalização (tudo na cagada) com cada personagem do Killer Instinct. Um amigo meu, verme de jogo de luta, sabia que eu não conseguia nem soltar hadouken e sempre duvidou de mim, anos mais tarde jogando esse jogo ele me convidou a experimentar resolver um puzzle do game que ele ja tava empacado 1 mês, enquanto eu tentava ocorreu o dialogo :
      -Parece meio dificil isso.
      -Eu sei, mas achei que o cara que não sabe jogar jogo de luta e fez os fatalities do Killer Instinct não ia ter problema.
      -Consegui!

      Imediatamente pós o deboche dele eu consegui o puzzle, ele derrubo o prato no chão,veio correndo, não acreditou, desligou o video game, reiniciou.

      Agora tu faz na minha frente!!! E do nada sem nem saber andar no jogo eu fiz de novo na frente dele na cagada, pensa em um amigo meu ficando doido.

      2 replies
  • 2022-08-19 09:16:43 -0300 Thumb picture

    Combo#458 [GBA](2002): Dark Arena & Duke Nukem Advance

     Usando uma engine pseudo 3D, a Graphic State criou um FPS estilo Doom para o GBA. Em uma instalação de pesquisa futurista, as criaturas geneticamente modificadas se rebelam e tomam o lugar. Nosso personagem é enviado ao local para derrotar as criaturas e retomar a instalação. O jogo funciona como um clone de Doom clássico, com o sistema de cartões para abrir portas coloridas e várias opções de armas. Não possui o recurso de sala sobre sala e nem trilha sonora durante as fases, mas há armas inovadoras, com míssil teleguiado e rifle com zoom. - Um jogo de FPS bem competente para o GBA. A jogabilidade é funcional e o visual é bacana, mas a falta de trilha sonora incomoda e o level design não vai muito além do que já foi visto em jogos nesse estilo.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    ----------------------------------------------------------------------

    ----------------------------------------------------------------------

     O primeiro jogo portátil da série traz um FPS aos moldes de Duke Nukem 3D. Duke é convocado para investigar a Área 51 após um ataque de alienígenas e mais tarde vai ter que explorar outras áreas do mundo para destruir essa raça hostil. Assim como Dark Arena, o jogo não tem música e as fases são segmentadas por uma série de portas trancadas. Além de poder levar várias armas, Duke pode pular e olhar para cima ou para baixo. - Mais um jogo de FPS de ponta para o GBA. A questão da falta de música durante as missões ainda é um problema, mas os cenários neste jogo estão muito mais elaborados, com mais segredos, melhores gráficos e voz digitalizadas. O jogo é divertido, mas não empolga muito.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Duke Nukem Advance

    Platform: Gameboy Advance
    51 Players

    31
    • Micro picture
      thecriticgames · 4 months ago · 2 pontos

      Duke Nukem é uma franquia que uma hora eu me arrisco, mas ta BEEEEEEM longe das minhas prioridades.

      1 reply
  • 2022-08-18 09:18:57 -0300 Thumb picture

    #458 - Metroid Fusion [GBA] 2002

     A Nintendo finalmente anunciou um novo jogo da série Metroid e que iria seguir o padrão clássico de plataforma 2D e exploração. Depois dos eventos de Super Metroid, enquanto Samus Aran explorava a superfície do planeta SR388, ela é atacada por um parasita misterioso, mas sua equipe consegue desenvolver uma vacina contra esse ser biológico usando células do bebê Metroid que Samus resgatou ao final de Metroid II. Samus ganha a capacidade de absorver os parasitas, mas ele se espalha por toda a estação. O parasita X chega a criar um clone de Samus com seu traje antigo super poderoso, a Sa-X, que vai perseguir o jogador durante toda sua jornada. A jogabilidade se mantém aos moldes dos clássicos, mas com um design mais guiado e objetivos lineares.

     - Mais um jogo incrível da série Metroid que traz um foco maior no enredo, com cutscenes caprichadas e mais diálogos. A jogabilidade continua espetacular, com aquela mecânica viciante de ir acumulando novas habilidades para explorar outras áreas do mapa. Samus agora pode se pendurar em beiradas e subir escadas desde o início, o que garante novas formas de utilizar as habilidades clássicas. O visual do jogo é espetacular, com cenários detalhados e uma paisagem mais tecnológica, devido ao jogo se passar em uma estação espacial. A jogabilidade mais orientada ao enredo traz um sentimento bem diferente para a série, pois a exploração é guiada pela história e isso pode prejudicar os jogadores que gostam de ir e voltar nos lugares.

    Nota pessoal: ★★★★☆

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Metroid Fusion

    Platform: Gameboy Advance
    2785 Players
    214 Check-ins

    44
    • Micro picture
      manoelnsn · 4 months ago · 3 pontos

      Dos metroid 2d que eu joguei foi o que menos gostei. Contagens regressivas demais e aquele pega pega com a samus clone sempre me enchia o saco...

      1 reply
    • Micro picture
      hyuga · 4 months ago · 2 pontos

      Nunca joguei um metroid

      1 reply
    • Micro picture
      denis_lisboadosreis · 4 months ago · 2 pontos

      Primeiro Metroid que joguei, e achei um jogo excelente.

      1 reply
  • 2022-08-17 11:40:14 -0300 Thumb picture

    Combo#457 [PS2](2002): Onimusha 2: Samurai's Destiny & Shinobi

     Com o sucesso do primeiro Onimusha, a Capcom anuncia logo a sua sequência, que foi desenvolvida em paralelo. Vamos guiar um novo protagonista, o guerreiro Jubei, que parte em busca de vingança após ver sua vila ser destruída pelo exército demoníaco de Oda Nobunaga. A jogabilidade é muito parecida com seu antecessor, mas podemos presentear outros companheiros para que possam se tornar jogáveis em um ponto da história. - Mais um ótimo jogo de ação da Capcom e essa sequência melhora todos os aspectos de seu antecessor, tanto nos gráficos, quanto na maior profundidade de jogabilidade. Podemos usar diferentes armas e reforçar seus atributos com uso de orbes especiais, além de ter opções de ataque mágico e o modo Onimusha.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    ----------------------------------------------------------------------

    ----------------------------------------------------------------------

     Após migrar o projeto do Dreamcast para o PS2, a Overworks levou a série Shinobi para o 3D. Tóquio é dizimada e uma horda de demônios tomam a cidade. Vamos controlar um novo protagonista, o ninja moderno Hotsuma, que vai destruir os demônios em busca de vingança contra Hiruko, que quase destruiu seu clã no passado. O jogo é focado na ação rápida e para dar uma ênfase na urgência, a espada Akujiki precisa saciar sua fome por almas, caso contrário, ela se volta contra o próprio Hotsuma. - Um jogo hack ‘n’ slash frenético com uma ótima jogabilidade. Ainda temos acesso a shuriken e ninjutsu, mas o foco do jogo é no combate corpo a corpo. Há uma mecânica onde podemos cortar vários inimigos de uma vez para acumular mais almas.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Onimusha 2: Samurai's Destiny

    Platform: Playstation 2
    1299 Players
    20 Check-ins

    42
    • Micro picture
      thecriticgames · 4 months ago · 2 pontos

      Onimusha 2 é de longe meu Onimusha favorito e dono de uma das minhas CGs favoritas.

      1 reply
    • Micro picture
      salvianosilva · 4 months ago · 2 pontos

      Uma pena a Capcom não ter feito remaster dos Onimusha 2 , 3 e 4 pro PC

      1 reply
    • Micro picture
      denis_lisboadosreis · 4 months ago · 2 pontos

      Tinha tanta propaganda desse Shinobi em revistas, sobre os gráficos, sangue, e do quão legal era o ninja com cachecol flutuante que corta dez inimigos paralisados e os faz caírem mortos após embainhar a espada que, quando fui jogar muitos anos depois, fiquei um pouquinho decepcionado. Talvez eu deva dar outra chance.

      1 reply
  • 2022-08-16 07:31:47 -0300 Thumb picture

    #457 - Haven: Call of the King [PlayStation 2] 2002

     Em uma parceria entre Traveller’s Tales e Midway, foi anunciado um projeto ambicioso, um jogo que iria explorar a jogabilidade FreeFormer, ou seja, um game multigênero. Os mineradores do planeta Ferra são forçados a trabalhar para ter acesso a um antídoto que apenas a corporação de Vetch é capaz de fornecer aos cidadãos infectados. Haven, após acordar de mais um sonho sobre a Voz Dourada, começa sua grande jornada para libertar seu povo. O jogo essencialmente usa o estilo de ação e plataforma em terceira pessoa, onde Haven possui um escudo mágico, um ioiô e precisa coletar itens pela fases. O destaque do jogo é sua transição sem tempo de carregamento para uma jogabilidade totalmente diferente, como sessões em um planador, lancha, nave espacial, jet pack, canhão anti aéreo e alguns outros.

     - Um jogo ambicioso e tenta entregar tudo o que prometeu. O visual do jogo é excelente, com cenários detalhados, bom campo de visão e transição entre cenário sem a tela de loading, algo parecido com Jak & Daxter, mas não é um jogo de mundo aberto. A jogabilidade é suave, mas não chega a ser revolucionário, como a Midway tentou vender. A troca entre os estilos de jogabilidade diferentes acontece de uma maneira bem suave, no entanto, são experiências medianas para cada estilo. O destaque, com certeza, é a forma como o jogo montou a parte de decolar ou pousar com uma nave espacial, com a visão do planeta e a transição para o espaço acontecendo de uma maneira bastante impressionante.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Haven: Call of the King

    Platform: Playstation 2
    17 Players

    35
    • Micro picture
      thecriticgames · 4 months ago · 3 pontos

      Cara o foda desse jogo é que ele meio que foi criado para ser um épico de varios jogos e se não me engano termina em um final em aberto e não tem sequência nenhuma pq foi um fracasso de vendas.

      4 replies
    • Micro picture
      hyuga · 4 months ago · 2 pontos

      Nunca ouvi falar dele, pretendo ver uns vídeos

      1 reply
    • Micro picture
      jcelove · 4 months ago · 2 pontos

      jogo é bem barato la fora e era um dos que dava pra achar lacrado a 20 reais no ML anos atrás como outros obscuros tipo Malice e o TPS infantil de army man. Hj nem olho.

      Soube tempos atrás que tinha um lance evangélico na narrativa dele ou os devs eram evangelicos mas nunca parei pra olhar.hehe

      1 reply
  • 2022-08-15 15:27:49 -0300 Thumb picture

    Resumão da Quinta Geração de Videogames

    Medium 3929591 featured image

     A quinta geração é conhecida por ser uma das mais importantes da história dos videogames. Um momento de ruptura, um divisor de eras, mudanças estruturais em todos os sentidos. Dentre os avanços mais expressivos, os jogos migraram massivamente dor formato 2D com pixel art para um modelo de mundo 3D poligonal com texturas, e o uso popular da mídia óptica, o CD, permitindo um espaço de armazenamento dezenas de vezes maior do que os cartuchos convencionais. Foi um período onde novas companhias dominaram o mercado, enquanto outras tentaram e fracassaram terrivelmente. Houve também uma popularização de controles analógicos, permitindo um movimento 3D mais suave e preciso.

     A quinta geração começou em 1993, com o lançamento de um punhado de consoles fracassados. Dentre eles, o 3DO foi o que mais se destacou, mas seu preço alto e modelo de negócios não convencional, fizeram ele ser descontinuado 3 anos depois. Em 1994, no Japão, dois dos principais consoles foram lançados. O Sega Saturn apostou em uma arquitetura 2D, mas teve um desenvolvimento apressado para montar um processador 3D, criando uma plataforma difícil de se criar games. Foi o console mais vendido da Sega no Japão, mas nos EUA, o console não conseguia emplacar. Havia pouca parceria com desenvolvedora terceira e a concorrência oferecia melhores condições, tanto pelos jogos mais voltados ao público americano, quanto ao preço.

     O outro console lançado em 1994 foi o PlayStation da Sony, estreante no mercado. A fabricante optou por criar uma arquitetura mais fácil de programar e com foco em jogos 3D texturizados, mas também fornecia um ótimo suporte a jogos 2D. O PlayStation tornou- se líder de mercado graças ao suporte massivo de third party e um aumento crescente de base instalada. O Nintendo 64 chegou muito tarde, em 1996, e ainda persistiu na ideia de usar cartuchos ao invés de CD. Essa decisão impactou diretamente o desempenho do console, que perdeu muito o apoio de terceiros e vendeu menos do que o esperado. Apesar de ainda ter ficado em segundo lugar no número de vendas, estava muito atrás do líder PlayStation.

     A Sega abandonou o Saturn em 1998 em favor do seu próximo videogame, com 9,6 milhões de vendas, a Nintendo dava conta de suprir a biblioteca do Nintendo 64 com jogos próprios e finalizou a geração com cerca de 30 milhões e a Sony nadava de braçada na liderança com mais de 100 milhões de PlayStations vendidos. No mundo dos portáteis, não houve mudanças. Apesar de outras companhias terem tentado competir com lançamento de novos aparelhos, como Neo Geo PocketWonderswan, a Nintendo continuava liderando com folga, especialmente após o lançamento do GameBoy Color. Foi uma geração de transição e de mudanças estruturais, definindo paradigmas que definiu os rumos no qual a indústria de videogames deveria seguir.

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    75
    • Micro picture
      thiones · 4 months ago · 2 pontos

      Segunda melhor geração de sempre.

      2 replies
    • Micro picture
      thecriticgames · 4 months ago · 2 pontos

      A geração atualmente mais nostalgica pra mim.

      3 replies
    • Micro picture
      diego_lacuna · 4 months ago · 2 pontos

      Essa geração é foda, fico aqui pensando em como a história poderia ter sido diferente se a Nintendo tivesse optado por CD por exemplo.

      1 reply
  • 2022-08-12 13:59:44 -0300 Thumb picture

    Combo#456 [PS2](2002): Dead to Rights & The Getaway

     A Namco produz um jogo de tiro voltado ao público adulto. Vamos controlar o policial Jack Slate, que vai lutar contra diversos criminosos para tentar descobrir quem foi o assassino responsável pela morte de seu pai. É um jogo de tiro em terceira pessoa que possui a mecânica de bullet time, semelhante ao que foi visto em Max Payne. Além de uma série de armas, podemos usar golpes de luta para derrotar os inimigos e enviar um comando ao seu fiel cachorro Shadow para matar o alvo. O jogo também é notável por ter uma série de minigames para os mais variados propósitos. - Um jogo de ação de altíssima qualidade. Os controles são ótimos e o visual do jogo é incrível. O estilo Gun Fu combina demais com o game.

    Nota pessoal: ★★★★☆

    ----------------------------------------------------------------------

    ----------------------------------------------------------------------

     O projeto começou o desenvolvimento no PS1, mas foi migrado para o PS2 para permitir um escopo ainda maior. No jogo, vamos alternar entre 2 personagens, o ex-presidiário Mark, que vai em busca de vingança contra uma gangue de mafiosos após o assassinato de sua esposa, e Frank, um detetive. A história de ambos se entrelaçam no decorrer da campanha. O jogo atua de forma semelhante ao GTA III, onde é possível usar outros carros e trocar tiros contra a polícia e criminosos. - Um jogo de mundo aberto sensacional. O escopo do mundo é uma recriação bem fiel a Londres, com veículos licenciados e gráficos de ponta. A jogabilidade na parte de tiroteio é ótimo e o jogo não faz o uso de nenhuma HUD na tela.

    Nota pessoal: ★★★★☆

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    The Getaway

    Platform: Playstation 2
    129 Players
    1 Check-in

    32
    • Micro picture
      hyuga · 4 months ago · 2 pontos

      lembro que joguei pouco o dead to right e o gateway eu zerei o Black monday apenas

      1 reply
    • Micro picture
      jcelove · 4 months ago · 2 pontos

      Dead to rights era um max payne generico com cachorro e combate mais frenético. Achava legalzinho no começo mas lá pro meio larguei.

      The Gateway se gabava de ser um jogo de mundo aberto com o maior mapa realista da época, já que os caras refizeram boa parte de Londres na medida que o PS2 permitia, mas tava mais pra Mafia e Driver que pra GTA, já que basicamente era um TPS com mundo semiaberto e carros mas não havia interações com prédios nem sidequests, era completamente linear.

      Tinha umas ideias que parecem interessantes no papel mas que na prártica eram zoadas, tipo não ter uma seta gigante nem mapinha apontando o destino, vc precisava ficar olhando pras luzes dos carros que apontavam o caminho. Tbm não tinha item de cura, mas se encostasse na parede se curava com o tempo, estilo wolverine.hehe

      2 replies
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 4 months ago · 2 pontos

      Por mais que muitos curtissem...nunca me empolguei com THE GETAWAY...

      2 replies
  • 2022-08-11 13:40:11 -0300 Thumb picture

    #456 - Grand Theft Auto: Vice City [PlayStation 2] 2002

     Com o imenso sucesso de GTA III, a Rockstar lançou sua sequência no ano seguinte, aumentando ainda mais o escopo do design de mundo aberto. Ambientado na cidade fictícia de Vice City dos anos 80, vamos viver a ascensão do mafioso Tommy Vercetti no mundo do crime, completando uma série de missões temáticas. As mecânicas de jogo e nível de liberdade é muito semelhante ao seu antecessor, mas há uma série de melhorias em todos os quesitos técnicos, como gráficos, modelos dos personagens, dublagem, trilha sonora, história, controle e novos veículos, incluindo motos. O jogo vendeu mais de 500 mil cópias só no primeiro dia e foi um enorme sucesso de críticas, mas também foi alvo de controvérsias, especialmente na violência contra grupos étnicos.

     - Se GTA III já era um jogo incrível, Vice City conseguiu superar tudo e elevou o patamar de jogos de mundo aberto para outro nível. O estilo Miami dos anos 80 ficou inacreditável, com fortes semelhanças aos filmes clássicos, como Scarface e a série Miami Vice. O mundo do jogo é muito mais vivo, com ambientes coloridos, boates de dança, carros luxuosos e muitas possibilidades. A história do jogo também traz um avanço primoroso, com um enredo envolvente, dublagem excepcional e um protagonista carismático. As músicas licenciadas clássicas e as estações de rádio contribuem para criar um clima ainda mais imersivo. É um jogo visualmente impressionante, gostoso de jogar, livre para o jogador fazer o que bem entender. É muito bom tentar combater a polícia com o máximo de nível de procurado.

    Nota pessoal: ★★★★★

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Grand Theft Auto: Vice City

    Platform: Playstation 2
    3811 Players
    12 Check-ins

    45
    • Micro picture
      hyuga · 4 months ago · 3 pontos

      Acho que terminei esse game 5x, um dos melhores da franquia

      1 reply
    • Micro picture
      lgd · 4 months ago · 2 pontos

      Primeiro GTA que joguei, mas na versão PC

      2 replies
    • Micro picture
      thecriticgames · 4 months ago · 2 pontos

      Meu primeiro GTA de PS2, meu primeiro mesmo foi o II.

      1 reply
  • 2022-08-10 15:36:40 -0300 Thumb picture

    Combo#455 [Xbox](2002): H.P. Chambers of Secrets & LotR The Two Towers

     A Argonaut lançou a sequência da Pedra Filosofal ainda para o PS1, mas as outras versões do segundo jogo da série saíram para várias outras plataformas ainda em 2002. Nessa versão de Xbox, vamos guiar Harry explorando o castelo de Hogwarts em busca da Câmara Secreta, seguindo os eventos do livro e do filme. O jogo é focado em vários desafios curtos junto de uma grande campanha principal, no qual Harry vai aprendendo novos feitiços para lutar contra os chefes de cada missão. - Mais uma aventura de Harry e seus amigos pela escola de bruxos cheia de mistérios. O jogo apresenta um visual incrível, tanto no cenário quanto nos personagens. A jogabilidade é mediana e funcional, com alguns feitiços legais.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    ----------------------------------------------------------------------

    ----------------------------------------------------------------------

     A EA detinha os direitos para criar um jogo baseado na trilogia de filmes do Senhor dos Anéis e criou um jogo de ação que retrata os principais eventos dos dois primeiros filmes. Podemos escolher jogar com Aragorn, Legolas ou Gimli, cada guerreiro com suas próprias habilidades e combos. O jogo é dividido em missões e há um medidor de qualificação para cada fase, onde é possível acumular experiência e desbloquear novos movimentos. - Mais um jogo do Senhor dos Anéis, mas agora baseado diretamente na adaptação do cinema. O jogo utiliza cenas em FMV do filme e faz a transição para o modelo da engine do jogo para criar um envolvimento orgânico. O jogo é simples e direto, mas é intenso e divertido.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    @andre_andricopoulos, @ziul92, @mardones, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @volstag, @manoelnsn, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @sergiotecnico, @avmnetto, @denis_lisboadosreis, @fredson, @hyuga, @wcleyton, @bobramber, @thiagobrugnolo, @eduardo_wrzecionek, @christciamn, @romline5, @dantlast, @marcelokiss487, @diego_lacuna, @thiago_ [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    The Lord of the Rings: The Two Towers

    Platform: XBOX
    19 Players

    25
    • Micro picture
      volstag · 4 months ago · 3 pontos

      Esse Lord of the Rings eu joguei muito na epoca

      1 reply
    • Micro picture
      bobramber · 4 months ago · 2 pontos

      Duas grandes séries de filmes (comentando aqui só para ser notificado se alguém falar algo dos jogos)

      1 reply
Keep reading → Collapse ←
Loading...