Medium picture

augus


over 1 year ago 2020-04-03

Monster Hunter World: Iceborne

Depois de 4 meses, vendo todos os jogadores de console explorando todos os cantos de Iceborne, finalmente a versão de PC saiu. Com todo esse atraso, que não foi muito se comparar com o lançamento do World, a versão steam foi lançada, com um ótimo preço, e péssimo desempenho.

Com promessas de trazer a versão mais bem produzida de Monster Hunter, Iceborne tem a difícil tarefa de acrescentar conteúdo suficiente e substituir a versão Ultimate dos títulos anteriores. Será que ela cumpre com todos os requisitos e realmente cria o melhor Monster Hunter ?

Iceborne continua a história World, e mostra a comissão, primeiramente, investigando uma migração estranha de um grupo de Legianas para um novo território, as Fronteiras Glaciais. A priori, me senti instigado com a narrativa, simples porém efetiva, ela, assim como seu antecessor, tem apenas o papel de situar os jogadores nas novas áreas e monstros. As cutscenes são muito bem produzidas, superando alguns momentos do original, e os personagens um pouco melhores aproveitados, só um pouco mesmo, os fãs da Serious Handler vão agradecer com um certo trecho da jornada.

Contudo, apesar de muito bem produzida, a aventura perde o ritmo após um acontecimento e deixa tudo muito acelerado, uma pena já que tudo envolvendo o último chefe do jogo é de encher os olhos. Apesar disso, o que a Capcom se propôs a fazer é definitivamente bem executado e deixa claro que o time de Monster Hunter pode trazer uma narrativa para incrementar a jogatina.

O aspecto que trouxe Monster Hunter World para os holofotes do público, seu gameplay bem construído é expandido em todos seus aspectos. A maior novidade é o novo dispositivo do Caçador, a Atiradeira, com ela o Caçador pode grudar em certas partes do monstro e realizar ações, sendo amaciar sua pele para aumentar o dano na região amaciada ou usar a munição na cabeça da criatura para joga-lo contra a parede. Logo no início já percebe-se o quanto o time se esforçou para que os jogadores sintam-se motivados a usa-la, todas as armas ganharam novos ajustes e golpes, e algumas delas possuem movimento relacionados a munição da atiradeira. É incontestável, Iceborne lapidou o diamante bruto, agora só falta o polimento.

Sim, apesar de lapidado, a qualidade de vida do jogo não é das melhores, sendo que a expansão recebeu adições notáveis na sua QoL, que pode ser lida em uma imensa nota de atualização disponibilizada antes do seu lançamento. Mas, ainda há muito a ser feito, principalmente no seu,infame, radial e no seus imensos tutoriais, infelizmente, existe, também, ainda muitos menus diferentes para tudo que o jogador for gerenciar, sendo que alguns deles tem a mesma função, como por exemplo o gerenciamento de item ser em uma aba separada das configurações de radial ou as configurações das armaduras em camadas, cosméticos, serem separados do gerenciamento de equipamento. Porém, o maior mérito da Iceborne é a nova cidade hub, Seliana. Astera era bonita e sofria do mal de ser grande demais, tudo nela era longe e burocrático, e caso o jogador estivesse em um grupo não teria acesso a todos os serviços na área de encontro , como a fazenda e o ferreiro. E é nesse ponto que eu bato palmas com os pés, porque com as mãos estou ocupado jogando, para o quanto Seliana é bem arquitetada. Ela é menor que Astera, e tudo está próximo um do outro, sem contar que agora o ferreiro é acessível da nova área de encontro junto com novos npcs que trazem todos os serviços disponibilizados para o local.

Outro fator que a expansão amplifica com maestria é seu elenco de monstros, são 27 criaturas, sejam inéditas ou retornantes, o elenco é muito diverso, de retornante temos Tigrex, Zinogre, Glavenus, Brachydios dentre outros, novas subespécies dos monstros de World, como, Paolumu Beladona ou Odogaron Negro, e estreantes, como o novo flagship, Velkhana. O novo elenco segue a cartilha de seu jogo base e cria, ou recria, com magnitude as criaturas, os velhos de guerra nunca estiveram mais bonitos e as novas criaturas mostram o do porque World é uma revolução para Monster Hunter. Não menos importante, a trilha sonora segue no mesmo patamar de qualidade, as músicas temas para cada criatura são belíssimas, em específico dos novos elder dragons e do novo mapa, Fronteiras Glaciais.

E, finalmente, o último novo acréscimo, o Ranque Mestre. Basicamente, o G-Rank com outro nome, o Ranque Mestre é o ranque mais difícil disponível no pacote, os novos monstros só são disponíveis nesse ranque e os velhos retornam com atributos aumentados e novos golpes, a dificuldade geral do game também foi rebalanceada trazendo consigo uma experiência gratificante para Caçadores mais experientes. Com ele novos tier de equipamentos, armas, que algumas ainda continuam com seus designs feios e desleixados, armaduras, adornos e colares. Por falar em colares, novos 3 tiers foram adicionados com adornos de 4 slots, eles são dois adornos em um, mas, apesar da grande novidade, a quantidade de adornos desse tier são tão altos que pegar os melhores se torna uma tarefa frustrante e muito cansativa.

Agora, por fim, a parte mais triste de tudo, o porte de PC. Sendo direto, o porte é ruim, muito mal feito. O trailer prometia Directx12 e as experiência definitiva em resolução, mas o que aconteceu foi perda de desempenho para a maioria dos jogadores. Na minha maquina, que não é das melhores, Directx11 se tornou injogável, sempre a 11 de fps, obrigando a jogar em Directx12, a nova opção de fidelityFX me dá perda de performance, o que é estranho já que ele diminui a resolução e dá um upscaling permitindo um ganho no desempenho, e até a data da publicação dessa review, a Capcom ainda está corrigindo bugs, crashes ou até mesmo incompatibilidade com anti-vírus. Não entenda mal, sim, o jogo é perfeitamente jogável com muita paciência para achar as configurações corretas, o problema é que a performance no geral está pior do que o jogo base, sem contar que ao comprar a expansão já tendo o jogo base instalado, você vai ter que rebaixar o jogo do zero.

E ai, vale ?

Enfim, sim, o pacote criado pela Capcom alcança o título de melhor experiência disponível do mercado para Monster Hunter. Não, ele não tem a quantidade imensa de conteúdo de um Generations Ultimate, mas ele possui melhorias agressivas no seus sistemas que o torna um jogo menos burocrático e mais satisfatório. Então, definitivamente, Iceborne é um must buy para qualquer fã da franquia e o pacote completo é uma boa porta de entrada para esse universo rico de criaturas gigantes e gameplay viciante.

(Imagens retiradas de divulgações oficiais da Capcom)

9.0 9.0 10
Overall
10 Gameplay
7.0 Story
9.0 Music
10 Graphics
Novos monstros
Melhorias na jogabilidade
Seliana
Ajustes na dificuldade
Custo-benefício
História apressada da metade pro final
Port pro PC
Design das armas ainda ruins

3 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...