This game doesn't have any review. Be the first one to review it!

Add Review


  • 2022-06-05 23:02:28 -0300 Thumb picture
    _fernando checked-in:
    Post by _fernando: <p>Terminei.</p><p>A reta final foi realmente muito

    Terminei.

    A reta final foi realmente muito boa, a dungeon é boa e aquela parte em que voce ta la pro fim dela e tem um boss importante que nao da pra falar porque alguem pode se incomodar com spoiler é incrível, torna o Ryu desse jogo sem dúvida um dos protagonistas mudos de RPG mais bem construídos que ja vi, fico em duvida porque tem tambem o Lucas em Mother 3. Além de todo o foco nos brood e na vilã do jogo, e nas motivações de outros personagens. E isso continua quando voce ta quase chegando no final boss e qiando chega, dos dialogos dessa parte pra mim só não sao melhores porque o jogo nao explora quase nada dos dois BOF anteriores, se fosse assim poderia ser ainda melhor. Eu ainda gosto mais da história do 2, mas com exceção do Peco,todos os personagens foram muito bem usados nesse jogo, e a vilã é sem duvida a melhor da série até então, desses vilões cinzas de RPG é uma das mais próximas de ta fazendo o "certo", dos que joguei. É pena que não é mais explorado isso do que foi. O começo da história ser lento ainda nao acho muito bom, mas são momentos que acabam tendo mais impacto futuramente, isso foi algo que gostei.

    O gameplay gostei bastante na maioria dos aspectos, o sistema de dragão do Ryu nao é perfeito, pro começo da segunda parte do jogo voce nao tem muito motivo pra usar outras transformações além da de warrior quando pega a gene, a considerada mais poderosa mesmo eu nem usei, porque a de warrior é muito mais econômica. Mas também teve uns bosses específicos em que usei as de elementos nessa segunda parte, e dois que usei a de fusion, porque elas tambem sao bem viaveis se o Rei ou a Momo tiver na party, apesar do jogo cair nisso de nao ter motivo direito pra usar as transformações fora dos bosses, esse ainda é sem duvida o melhor sistema do Ryu como dragão da série até então.

    O sistema de mestres eu odeio uns aspectos e gosto muito de outros, eu gosto bastante de como serve pra melhorar os status, e que ensina skills. Mas nao gosto de como uns tiram status de forma horrível, você ter que ir ate o mestre no mapa pra poder colocar em algum personagem e até pra aprender as skills(que alias foi por isso que eu disse que achei que era bug, mas nao, a porra do jogo que quer que voce vá falar com ele depois que ganha os levels necessarios pras skills), e nao gosto dos requisitos que tem pra pegar uns deles, um problema alias do sistema de shamans do 2. Mas no 2 geralmente é pelo menos coisa que com guia voce faz rápido, no 3 uns sao coisas que mesmo com guia pode ser ruim de fazer. Como eu disse, é um sistema que gosto porque da uma variada boa nas possibilidades que voce tem em como construir os stats dos personagens e pelas skills, mas esses negativos realmente tiram parte da graça, mas ainda achei legal o suficiente pelo menos.

    A party em si fora isso eu elogio em maior parte como funcionam, o Ryu é bem forte e muito bom de se usar, o Rei tem speed e força nao muito alta na forma normal dele, mas é bom de usar ainda assim e tem a forma berserk, Garr é um tanker muito útil se voce colocar o Fahl de mestre dele, Momo acaba virando uma healer boa mesmo só quando voce ta no final, mas é uma personagem versatil ainda assim. Meu problema com a party é como a Nina se tornou praticamente inútil pro final e o Peco nem quis usar porque veio level 1. Talvez um dia eu rejogue e faça melhor uso deles, mas por enquanto foi isso.

    Em maior parte nao me incomodei com a progressão, mas tem dungeons que achei meio ruins e o jogo assim como o 1 e o 2 tem momentos filler horríveis, com os principais pra mim sendo voce ter que treinar aquele maluco la pro fim da primeira parte, e voce procurar ingredientes pra comida. Tem alguns outros também, isso, e uns puzzle que realmente acho um saco nas dungeons pra mim foram os maiores problemas da progressão pra mim. Mas nao sao todas as dungeons que são assim, o desert of death é bem criativo e diferente, a ultima é muito boa, e outras nao atrapalham. Eu acabaria nao tankando o jogo sem fast forward, mas nao vou criticar isso porque acho que esse é um negocio que vou sentir com qualquer RPG antigo.

    Eu aliás senti falta de como o mapa do 2 é cheio de ponto diferente pra explorar, no 3 é bem mais linear, o que faz sentido com a história do jogo, mas ainda assim acabei sentindo falta. Mas ainda assim a cada area você geralmente pode procurar por coisas fora dos pontos principais, e as vezes até ir em pontos que ainda nao fazem parte da historia mas vao fazer futuramente, um negocio presente em BOF 1 e 2 também. E por um lado nessa lineariedade maior nao acontece de voce se perder em geral, o que acontece direto no 1 e de vez em quando no 2.

    A trilha sonora acho um tanto quanto mais fraca em comparação ao 2, ainda assim isso acaba nao sendo bem um problema eu acho, ele tem umas 3 ou 4 músicas principais de dungeon, e a maioria é muito boa com exceção de uma eu acho, a segunda musica de boss acho excelente, a que toca em um dos bosses da reta final é incrível, e a segunda de mapa é 10/10, e umas musicas de cidade sao bem divertidas. O que nao gosto dela é como só tem uma de batalha e ela fica meh depois de um tempo, e BOF2 e 1 trocavam a musica de batalha, e algumas outras musicas mais específicas sao meio meh.

    O gráfico do jogo é ótimo, nao tenho bem o que criticar nisso.

    No geral acho que o gameplay tornou esse o mehor BOF da série até então, como eu disse gosto mais da história do 2, mas ele tem mais problemas no gameplay, mesmo eu tambem gostando. Eu dessa vez gostei mais da história desde o começo, e o que acontece na segunda parte tornou ela bem única pra mim, e o gameplay tem batalhas que funcionam bem em maior parte e eu sem nem precisar grindar em geral fui usando todo mundo da party com exceção do peco e a nina pro fim do jogo, gostei de administrar os equipamentos e de progredir nas dungeons que não são ruins, é uma pena que uns aspectos atrapalharam e nao deixaram ele ser melhor ainda.

    O 4 eu ja vi coisa positiva e negativa. De qualquer jeito to curioso pra ver como vai ser

    16
    • Micro picture
      jcelove · 6 months ago · 1 ponto

      Oxe, como assim nao explora o lore do 1 e 2 homi? Tem muita referencia. Os windians nao se transformam mais, as outras raças tao bem menores em populaçao e tudo gira em torno da Myria, como foi no 1 e indiretamente no 2.
      O sistema de dragon gene acho o melhor da serie, usei muito o jogo todo (adorava o behemoth XD).
      Tambem acho a party e as reviravoltas muito boas, so o Peco mesmo que é o mascote bichinho qq coisa padrao.hehe

      O bof 4 é muito bom mas desconecta completamente do lore dos anteriores, alem de ter a historia meio rushada no final, mas vale a pena.

      1 reply
    • Micro picture
      kalini · 6 months ago · 1 ponto

      Parabens ai, apesar da historia dele ser inferior a do 2, eu considero ele o melhor da serie, por ter um conjunto da obra mais consistente, onde tudo nele funciona bem.

      Quanto ao 4... saiba que ele tem uma historia bem mediocre, se resumindo a busca por uma princesa quase ate o fim do jogo, com um monte de enrolação nesse meio caminho pra piorar, e na forma de minigames e puzzles. O ponto mais forte dele é a party, que eu considero a melhor da serie. Ele tambem melhora o sistema de mestres e skills.

      1 reply
  • manoelnsn Manoel Nogueira
    2022-06-05 10:28:36 -0300 Thumb picture

    Desafio: 30 dias de games

    Bora pra mais um tema do desafio!

    E agora o tema é: Universo Favorito, o que também é difícil já que tem muito RPG com worldbuildings incríveis, porém vou escolher o desse cara aqui, que também acaba englobando o dos seus outros 2 antecessores: Breath of Fire III!

    A primeira trilogia de Breath of Fire se passa em um mundo onde existem várias raças humanoides diferentes e, entre elas, uma se destaca: a do clã dos dragões, ou Brood, e em cada um dos jogos nós controlamos uma das encarnações de Ryu, que juntamente com a windian Nina (uma raça de seres alados que podem virar pássaros gigantes), a feiticeira naga Deis e mais alguns companheiros se unem para impedir os planos da deusa Myria, uma funesta e imortal realizadora de desejos, que havia sido selada há tempos (pelo próprio clã dos dragões) devido aos seus aterradores poderes.

    O mais incrível do universo desse jogo é que ele vai se desenvolvendo no decorrer dos 3 primeiros jogos, como a questão dos windians, que vão perdendo a capacidade de se transformar ou mesmo de voar devido ao fato de terem se relacionado com outras raças, e no BOF3 a coisa fica ainda mais incrível, já que o overworld, as mecânicas e os dois arcos do jogo (o do Ryu criança e dele adulto) são diretamente relacionados com os objetivos da vilã principal da série, de uma maneira espetacular! Pena que, com o quarto jogo da série, enfiam tudo isso no rabo e a série acabou morrendo pouco tempo depois...

    16
    • Micro picture
      kalini · 6 months ago · 2 pontos

      Que surpresa voce querer viver num mundo cheio de animais humanizados, coisa que voce detesta, hahaha

      7 replies
    • Micro picture
      carlospenajr · 6 months ago · 2 pontos

      A série toda do BOF tem um universo bem legal mesmo, eu gosto bastante da ideia dele, queria um remake DESCENTE deles, mas Capcom esqueceu total da série depois da ultima pá de terra com o 6...

      6 replies
  • 2022-06-04 00:34:48 -0300 Thumb picture
    _fernando checked-in:
    Post by _fernando: <p>ryu cometendo maus-tratos contra animais</p><p>#

    ryu cometendo maus-tratos contra animais

    18
    • Micro picture
      manoelnsn · 6 months ago · 1 ponto

      Já era o camelo, ahuahuahaua

    • Micro picture
      jcelove · 6 months ago · 1 ponto

      É pra alimentação ao menos.hehe

  • 2022-05-31 12:56:35 -0300 Thumb picture
    _fernando checked-in:
    Post by _fernando: <p>wtf o sistema de mestre deu algum bug maluco que

    wtf o sistema de mestre deu algum bug maluco que ninguem ta ensinando skill, mesmo tendo slot e nao tendo trocado eles

    18
    • Micro picture
      edufilhote · 6 months ago · 1 ponto

      Mas chegou a cumprir os pre-requisitos de cada Mestre pra ter a Skill?
      Cada um deles tem requisitos diferentes para cada skill que ensinam!

      2 replies
    • Micro picture
      speedhunter · 6 months ago · 1 ponto

      Estranho...

      1 reply
    • Micro picture
      iiiivv · 6 months ago · 1 ponto

      Jogo based aí

      1 reply
  • 2022-05-29 18:40:02 -0300 Thumb picture
    _fernando checked-in:
    Post by _fernando: <p>Eu tava jogando o Thracia a uns meses e como de

    Eu tava jogando o Thracia a uns meses e como de costume porque sou preguiçoso acabei parando, além do mapa em que parei não ajudar.

    Aí esses dias pensei em tentar de novo esse aqui, que ha uns 2 anos joguei e parei ainda mais ou menos no começo no meu PSP que nem funciona mais, eu tava achando meio lento demais e me incomodando com umas coisas tipo a mecanica de enemy skill. Mas como fazia um tempo e geral fica dizendo que ele melhora muito depois quis tentar agora de novo.

    To indo pra Angel Tower mas ja depois do time skip e realmente deu pra entender porque dizem que ele melhora, o time skip acontece de forma extremamente criativa, e o que vai revelando sobre a historia e o que ainda vai deixando em misterio é muito bom, e o Ryu mesmo sendo um protagonista mudo é interessante pelo que tem em volta dele, e o resto da party é realmente interessante também, com exceção obviamente do Peco. E dessa vez eu consegui gostar mais de como o começo é bem character drive apesar de ser lento mesmo, tendo momentos filler tipo aquela porra de treinar um maluco em Raphala.

    O gameplay foi bem melhor ignorando em maior parte o sistema de enemy skill, o de mestres eu acabei ignorando na primeira parte do jogo, mas no começo da segunda vi que é melhor usar mesmo. Ele tem problemas, mas é interessante. Minhas maiores reclamações até agora contínua sendo uma de coisas que me incomodaram antes, como o design de boa parte das dungeons, atrapalhando o pace, o sistema de enemy skill ser estranho, a primeira parte da historia ser até boa, mas lenta demais, a capcom odiar item de ap, e alem disso aparentemente a forma de warrior do Ryu virou a única que realmente vale muito a pena de usar, apesar de eu ainda achar o sistema legal.

    De qualquer jeito ta maneiro até agora, a party é bem variada de usar mesmo sendo poucos personagens, as batalhas funcionam bem, e a historia realmente deu uma melhorada grande

    16
    • Micro picture
      vante · 6 months ago · 2 pontos

      Grande Fernando e seu PHD em dropar Fire Emblem kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      5 replies
    • Micro picture
      manoelnsn · 6 months ago · 1 ponto

      A mecânica de enemy skill é bem arcaica mesmo, e ela é bem desnecessária na maior parte do tempo. Sendo bem sincero só tem duas skills que prestam aí e que tu vai usar bastante: uma que serve pra controlar aliados berserk (são uns inimigos fracos que usam no começo do game, que um deles usa e os outros dizem "YES, SIR") e outra de cura que tu pega no Deserto da Morte mais pro final do jogo (isso SE tu quiser usar a Nina de healler ao invés da Momo).

      Já a de Mestres é boa porque tu não ganha só skills como também stats. Fique de olho em dois mestres do jogo: aquele lenhador do começo (que te dá shadowalk) e a Deis que aparece mais pra frente (e lembre-se de elogiá-la quando ela te perguntar uma coisa, senão ela não vira mestre, ahuahua).

      As transformações do Ryu são muito duca nesse game, a Warrior é a mais eficiente em custo/benefício, mas tem outras muito boas também, como a Tiamat, a Kaiser, e a Rei Hybrid.

      1 reply
  • hard_waters David Waters
    2022-05-23 23:08:27 -0300 Thumb picture

    Desafio 30 dias de games - Dia 5

    Melhor Trilha Sonora

    Eu tendia a falar que era SotN, mas eu repensei e gosto muito mais de umas que de outras, mas aí ta, não sou mais o adolescente do rock, tem umas coisas eletrônicas todas tipo SoR ou mesmo meus queridos Darkstalkers que são foda mas, mesmo não tendo jogado, pra onde eu sempre volto é...

    Eu to muito mais no hip-hop e puxado sampleado de Jazz Funk (Que tinha muito na MPB a partir dos 70 (Djavan, Cassiano, Filó Machado, um monte de mestre), e que é o estilo de som desse jogo, e que me influencia tanto nas minhas próprias composições... o baixo, a bateria mais natural, os timbres, putz, eu não tenho nada a criticar do sound design que parece um CPS2+ nesse jogo, Aaaaah, nem vou falar mais nada, só ouçam 😌

    Mais um jogo de PS1 pra quem acha que odeio a Sony 🙄

    @goraku @desafio

    26
    • Micro picture
      saulovyny · 6 months ago · 3 pontos

      Grande Cassiano, meu conterrâneo, que a terra lhe seja leve.

      1 reply
    • Micro picture
      jcelove · 6 months ago · 2 pontos

      A ost do 3 é sensacional mesmo

      1 reply
    • Micro picture
      vante · 6 months ago · 2 pontos

      Por essa eu definitivamente não esperava kkkkkkkkk

      1 reply
  • 2022-05-20 08:20:59 -0300 Thumb picture
    Post by vg_ost: <p>Bom Dia !!</p><p>https://www.youtube.com/watch?v

    Bom Dia !!

    14
  • 2022-04-04 22:30:01 -0300 Thumb picture

    Myria - A bela e terrível deusa de asas invertidas

    Medium 3907514 featured image

    Quando o assunto são RPGs japoneses (chamados por muitos como JRPGs), é bem raro, bem raro mesmo, encontrarmos algum tipo de vilã feminina. Protagonistas femininas, por mais que muitos pensem o contrário, é algo até comum nesse tipo de jogo (exemplos não faltam, como Velvet de Tales of Berseria, Aya de Parasite Eve, Shion em Xenosaga, Ulrika em Mana Khemia 2 e por aí vai), mas moças antagonizando jogos inteiros, isso é bem difícil de encontrar. Muito disso se deve à própria visão da figura feminina no Japão, que enxerga a mulher como se fosse algo divino mesmo e isso acaba se refletindo na ficção e, consequentemente, em nossos estimados role playing games.

    Entretanto, em uma certa série de RPGs da Capcom, lançada originalmente no Super Nintendo, teve uma exceção. Uma deusa que, a priori apenas tinha sua existência destinada a realizar desejos, mas que posteriormente influenciou diretamente o arauto de uma religião maligna e até mesmo mudou o mundo inteiro, manipulando a história a seu favor e aniquilando toda e qualquer coisa que pudesse lhe impedir: Myria (também conhecida como Tyr em algumas traduções).

    A seguir teremos algumas revelações dos 3 primeiros Breath of Fire, portanto se for alérgico a spoilers, esteja de sobreaviso!

    Em Breath of Fire 1, Myria é descrita como uma deusa que realizava desejos para a humanidade, sempre reaparecendo no decorrer das eras, com personalidades e formas diferentes, mas sempre sendo uma entidade de imenso poder. Devido a isso, o clã mais poderoso das criaturas viventes, os Brood, acabou se dividindo nos Light Dragons e nos Dark Dragons, com a contraparte das sombras querendo usar os poderes da deusa, enquanto a da luz tentava selá-la de alguma maneira. Devido a isso, um herói dos Light Dragons achou melhor intervir e então selar Myria em uma torre, com a ajuda de 6 chaves.

    Assim se passam os anos e o Ryu (protagonista recorrente da série), se junta a vários membros de clãs distintos (incluindo Nina, membro dos Windians) para impedir o clã dos Dark Dragons, liderados por Zog, de reviver a deusa, mas no fim das contas a mesma volta a se materializar, com o protagonista tendo de usar o poder lendário dos Brood, Agni, para revelar a verdadeira forma dela e finalmente derrotá-la de vez. Ou será que não?

    Myria na batalha final em Breath of Fire 1. Ela fica nessa forma, de uma criança chorando, até ser acertada com o poder de Agni, assim mostrando sua verdadeira forma monstruosa

    Séculos depois tem início Breath of Fire II e após a derrota de Myria pela mão de Ryu e seus companheiros, ela deu origem à sua cria: Deathevan. Com um completo ódio pela humanidade e com o desejo máximo de querer destruir tudo, ele criou uma religião que tomou o mundo inteiro, subjugando a religião do Deus Dragão Ladon (presente no primeiro jogo) e mandando seus demônios enganarem seus fiéis, apenas para conseguir o poder absoluto e realizar seu objetivo. E após sua derrota nas mãos da nova encarnação do Ryu, Nina e seus companheiros, o mundo parece novamente ter entrado em paz e ter finalmente ficado livre da dantesca influência da deusa... Será mesmo?

    Deathevan, se perguntando por que as pessoas resistem à destruição se elas vão morrer do mesmo jeito. Seu pensamento pode parecer ser o mesmo que o Kefka, mas este não pensa em aniquilar e reformar valores transcedentais à existência humana, querendo basicamente destruir por destruir, sendo uma visão muuuito mais rasa, afinal é apenas uma cria , né...

    E assim tem início Breath of Fire III, séculos após o término do segundo jogo. É revelado que Myria sobreviveu ao embate do primeiro jogo,  porém desta vez apareceu na forma de uma voluptuosa figura feminina de cabelos esvoaçantes, olhos fechados e asas invertidas e, desta vez, com uma personalidade mais maternal, e quer reformar o mundo inteiro para que esse fique mais seguro para as suas "crianças". Contudo, para isso ela reescreveua história, colocando o Clã dos Dragões - que sempre foram heróis - em seres cruéis que precisavam ser exterminados. E com a ajuda de humanos modificados, os Guardians, ela conseguiu erradicar todos eles, selar àqueles que fossem contra suas ideias, limitar o acesso da humanidade à tecnologia e derivados e impedir a desertificação que estava tomando conta do globo, com tudo caminhando perfeitamente bem para que sua utopia fosse alcançada...

    A não ser pelo Ryu da vez, que acabou ficando fossilizado todo esse tempo em uma mina, mas conseguiu se libertar e passou a ser criado por uma dupla de ladrões, Rei e Teepo, que roubava para conseguir sobreviver. Myria, com seu certo grau de onisciência, consegue identificar a ameaça e o visita em seus sonhos, com uma voz doce e angelical, observando-o enquanto o mesmo, juntamente com a Nina da vez, têm diversos problemas com o sindicato do crime dominado por Mikba, especialmente seus principais capangas, Balio e Sunder. Com o tempo, Ryu encontra com Garr, o último Guardian sobrevivente, e com isso acaba descobrindo toda a história, sobre ele ser um Brood e, de acordo com a deusa, ser uma ameaça ao mundo.

    Após Ryu se transformar em Kaiser Dragon e desaparecer no mundo, Garr o encontra novamente anos depois (desta vez com ele adulto), e após recuperar todos os seus companheiros, decide ir até  Myria, perguntar afinal qual era o significado de suas ações. Antes de chegar até ela, o grupo consegue despertar Deis (outra personagem recorrente na série), que havia sido selada por discordar da deusa quanto ao seu objetivo de exterminar os Brood (afinal, ela já sabia que eles não eram ameaça, vide seus encontros com as antigas contrapartes do Ryu) e, após descobrirem a localização da vilã, e atravessarem o extenuante Deserto da Morte, o grupo finalmente se encontra com a mesma, que revela seus motivos e pede para que Ryu abdique de seus poderes e fique vivendo naquele lugar isolado, para sempre.

    Porém, se o jogador se recusar a cooperar com ela, a vilã toma sua verdadeira forma, de monstro serpente gigante, e o mesmo terá de derrotá-la, fazendo assim o mundo poder andar com suas próprias pernas, com a última cutscene do jogo mostrando uma planta crescendo em meio ao deserto. Em seus últimos momentos, Myria se pergunta o que ela faz de errado, e Deis surge, se revelando como sendo sua irmã, e dizendo que agora a humanidade poderia se cuidar sozinha.

    Então seria Myria uma vilã com bons motivos, porém com métodos um tanto errados? Seria ela uma vilã cinza (como 99% dos vilões da série Tales of), e que acaba entrando no caminho da party por ironia do destino? Porém, a história da série sempre mostrou o clã dos Brood como um povo heroico e altruísta, com isso apenas mudando sob influência da própria Myria (seja com os Dark Dragons no primeiro jogo ou com Teepo, que também era um Brood, no terceiro), portanto eles nunca foram um empecilho para a criação de um mundo pacífico, então para quê causar um genocídio em massa de todos eles? 

    Simples, meus caros leitores: porque eles eram uma ameaça PARA ELA! Porque ela temia o poder dos Brood, que já haviam a selado no passado, a derrotado no primeiro jogo e dilacerado a sua cria no segundo (e mandado a religão erguida pelo Deathevan pra casa do caralho)! Portanto, seu projeto de mundo autoritário, onde ela podia pousar de mamãe (não muito diferente de regimes totalitários na história humana, como nosso Getulinho e seu Estado Novo) poderia ser facilmente barrado por eles, e, sabendo que eles não iriam reagir (e não reagiram mesmo), criou os Guardians para exterminá-los! Felizmente, um dos descendentes do herói do clã, Ryu, sobreviveu, porque, se não fosse por ele, toda a humanidade seria condenada a viver uma eternidade de ostracismo, controle populacional, privação de conhecimento e prisão daqueles que fossem contrários a magnânima vontade de seu governante supremo... 

    E mesmo seu mundo pacífico, pelo próprio começo de Breath of Fire 3 (o qual muitos detestam) , nunca foi realmente pacífico. Por mais que não existam monstros atacando viajantes no overworld e que não tenham grandes acontecimentos ocorrendo por todo lado (ao contrário dos jogos anteriores), é latente que nem todos estão felizes e vivendo sorridentes, a ponto de 3 órfãos terem que roubar para poder comer e que um mafioso (Mikba, que aliás é um demônio e teve seus poderes dados por Myria em algum momento) mandasse toda hora seus jagunços sequestrarem dois infantes. Portanto não existe um mundo cor de rosa e sim um mundo estagnado, que não tem como evoluir porque está preso em uma verdadeira ditadura criada por uma sociopata com a aparência de um anjo sereno, que criou a ditadura perfeita, manipulando a história e fazendo o genocídio de uma raça de heróis, os únicos que poderiam impedir seu funesto objetivo!

      Mural da chamada "Guerra dos Brood" que, na verdade, foi um extermínio

    Portanto, Myria merece com louvor o segundo post de nossa humilde persona, sendo uma baita de uma vilã, com objetivos aterradores e feitos incríveis. Seus combates também não são nada mal (Deathevan, sua cria, também dá uma boa briga) e o seu único problema, tal como o da primeira trilogia da série Breath of Fire, é a falta de uma ligação mais direta entre o segundo e terceiro jogos já que, por mais que seja sabido que um acontece após o outro, existem várias coisas que ainda ficaram nebulosas entre ambos, como onde Myria estava quando Deathevan estava levando um cacete (já que ela sobreviveu ao embate de BOF1)? Quando os poderes de demônio foram dados pra Mikba? Seria o objetivo da vilã (e de sua cria) apenas um desejo íntimo da humanidade, de querer ser dominada e viver em uma utopia? 

    Infelizmente, como a série jogou fora seu lore quando foi para o jogo seguinte, Breath of Fire IV  (que, tal como foi dito várias vezes pelos desenvolvedores, NÃO é uma prequel) e como a Capcom atualmente só quer saber de Street Fighter, Monster Hunter e Resident Evil, provavelmente nunca saberemos... Porém, sempre nos lembraremos de Myria, a deusa dos desejos, o arauto de religiões malignas, a ditadora genocida e linda figura angelical de asas invertidas.

    30
    • Micro picture
      ziul92 · 8 months ago · 2 pontos

      Que vilã fdp que é a Myria, sempre quis a paz no mundo, mas só para os dela e que morra quem fosse contra ela kkkkk
      Realmente é uma pena que a Capcom largou de mão da minha franquia favorita dela e que o IV abandonou toda a história. Mas ainda gosto bastante do Fou-Lu XD

      5 replies
    • Micro picture
      kalini · 8 months ago · 2 pontos

      Onde Myria estava? Foi tirar umas férias e fazer uma plastica enquanto deixou o filhinho de estagiário :P

      E nunca entendi por que tem gente que não gosta do arco do Ryu criança. Tem muito mais coisa emocionante nesse arco do que no bof IV inteiro. Mas ninguem reclama dos 732963 RPGs cujo começo é o heroi acordado na cama e ter sua via destruida no começo...

      E que bom ver a Myria aqui, infelizmente é dificil achar uma antagonista mulher que não vire boazinha por se apaixonar pelo protag (isso acontece bastante em tokusatsu) ou mesmo que preste (pois Ultimecia, haha, nem falo). Só acho zoado ela aparecer em pessoa só uma vez no jogo. É chato ver um antagonista poucas vezes mas ainda assim, ela pra mim é top 5 viloes!

      1 reply
    • Micro picture
      raiden · 8 months ago · 2 pontos

      Porque caralhos a Capcom não fez um Breath of Fire novo com esse concept que já estava pronto e muito foda por sinal... Simples. Ela caga para o público quer e lança o que não pedimos.

      https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcT4wavTZP2GPXfCsH3cr5SkLL6gZGXzO9xmKw&usqp=CAU

      7 replies
  • onai_onai Cristiano Santos
    2022-03-11 21:32:29 -0300 Thumb picture

    Screenshot - 260 (Desafio Encerrado)

    Desafio da semana e a preguiça de jogar e acessar o Alvanista vez ou outra está me atacando, tanto que deve fazer umas duas semanas que não crio desafios. E por falar em ataques, nessa nova onda de loucura do Presidente Putin vocês acham que a humanidade terá escapatória? Sabemos que com o poder de destruição atual os seres humanos não teriam a mínima condição de sobreviver a uma terceira guerra mundial, mesmo aqueles que aparentemente não escolhem um lado. E alguns diziam que seríamos melhores após a Covid. Enfim, qual o jogo da imagem abaixo?

    Eita que desafio demorado! Hehe... A resposta é Breath of Fire III, meu jogo da série favorito e sobre a pergunta aleatória, aparentemente não haverá uma terceira guerra mas uma crise mundial pode ser tão danosa quanto um massacre armado. Enfim...

    RANKING

    Com 26 pontos: @herics 🥇🥇🥇🥈

    Com 22 pontos: @ziul92

    Com 15 pontos: @_gustavo

    Com 12 pontos: @ederpezawm

    Com 11 pontos: @noyluiz

    Com 10 pontos: @thiones

    Com 09 pontos: @ersatzgott, @thecriticgames, @santz, @volstag e @ygorvieira 🥇🥇🥈🥈

    Com 08 pontos: @fonsaca🥉 e @vinicios_santana

    Com 07 pontos: @ryuuzaki 🥉🥉🥉

    Com 06 pontos: @wiegraf_folles_, @xandaum e @mateusfv

    Com 05 pontos: @rafael_mingato e @hyuga

    Com 04 pontos: @bobramber, @anonim e @bmark

    Com 03 pontos: @subzero_amarelo 🥈, @fredson, @gabrielluiz e @tassio

    Com 02 pontos: @hard_waters, @raphael_carvalho@le, @denis_lisboadosreis, @willguigo e @xch_choram

    Com 01 ponto: @seufi, @manoelnsn, @lukenakama, @lcfreezer, @raniejogos, @gusgeek, @dlima, @lgd, @marlonfonseca e @mathsmf

    Link do desafio anterior:

    https://alvanista.com/onai_onai/posts/3902327-scre...

    38
    • Micro picture
      onai_onai · 8 months ago · 4 pontos

      Desafio encerrado! Viu @fonsaca? Hehe...

      8 replies
    • Micro picture
      raphael_carvalho · 9 months ago · 3 pontos

      Eu acho que nessa história não tem mocinhos e nem vilões, no fim todos os países possuem seus interesses e no caso a Ucrânia entrou de boi de piranha nessa treta de EUA x Russia.

      2 replies
    • Micro picture
      fonsaca · 9 months ago · 3 pontos

      Preguiça de comentar, só não considero uma "onda de loucura do Putin". Um debate sério sobre os problemas do governo e da sociedade russa passaria longe de um reducionismo desses, pois o governo, parte da população e empresários de lá estão alinhados com o Putin. O mundo ferve em guerras e mortes o tempo todo. Iêmen, Palestina e etcs. Parece que só choramos quando a população têm olhos azuis. Ah, erro meu! Os mesmos ucranianos estavam em crise há anos e se lascando para os batalhões neonazistas que assolam o país desde 2014 e ninguém ligava. Em Odessa, uns anos atrás, pessoas (incluindo crianças) foram QUEIMADAS VIVAS em um sindicato por serem "comunistas". Quem queimou? Um dos grupos neonazis. Creio que o Batalhão de Azov. Esse mesmo que a mídia tem passado o pano atualmente. Não me chamem de apioador de Putin, só analiso as coisas com mais maturidade. O mundo real não é um filme da Marvel de bem x mal bem delimitado. A realidade é cinzenta. Veja um filme do Oliver Stone chamado Ucrânia em Chamas. Ajuda a entender um pouco. Tem no Ytube legendado.

      4 replies
  • sophos Sophos
    2021-12-08 23:59:41 -0200 Thumb picture

    ps3 de volta

    Rresolvi montar o PS3 de novo.

    O ps4 fica na sala e ai tenho q disputar (e quase sempre perder) a TV com minha esposa e meu filho.

    Não quero montar o ps4 no quarto pq eu acabo jogando nele a noite hora de dormir. Nem ficar q nem nomade pra cima e pra baixo.

    Resolvi ligar no quarto o ps3 pra jogar de dia qdo a tv da sala estiver ocupada. o ps3 ta desbloqueado. mas as peças estavam num quartinho nos fundos q uso pra por bagunça da casa. Tive q encontrar um cabo hdmi, o controle, o cabo de energia.

    Descobri q save de BOF3 ainda estava nele e é o jogo q devo jogar se conseguir me localizar onde parei.

    Tem tb ff7 traduzido, bof 4 trduzido, parasite eve trduzido, chrono cross traduzido e mais meia duzia de joguinhos legais.

    Infelizmnete o hd externo queimou então vou ter q em algum momento comprar um pen drive pra por jogos de ps3. por falar em jogos de ps3, tem nele ni no kuni com um save inclusive. mas eu realmente não gostei muito do jogo. achei meio infantil demais pra mim. e olha q jogo mario. mas mario é mecanica e não historia. ni no kuni é pura historia. historia pra criança.

    O maior problema do ps3 ta sendo o fato de que a tv do quarto so tem duas entradas hdmi q ja estão em uso e não estou querendo ficar colocando e tirando pq isso estraga. tenho um divisor de hdmi mas não sei se tnho paciencia pra arrumar tudo nele. tenho que resolver isso.

    ah! no ps4 to jogando ff7 remake. mas hje nao joguei. a tv ficou entre o conselho universitario - do qual minha esposa faz parte - e o desenho do bob esponja. por isso resolvi montar o ps3 (levei quase o dia todo procurando as peças e carregando controle)

    9
    • Micro picture
      bobramber · 12 months ago · 1 ponto

      Ni no kuni é legal o visual dele, tudo muito bonito, principalmente para quem gosta de animação japonesa.

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...