Medium picture

juninhonash Juninho Rodrigues

It's gonna be a hell of a party


22 days ago 2022-11-10

Metal: Hellsinger

Metal Hellsinger foi uma agradável surpresa pra mim, pois sempre gostei de jogos de ritmo como Patapon e Guitar Hero, principalmente o segundo citado.

E nisso junte a fórmula de jogos como Doom, Wolfenstein e derivados, do famoso FPS frenético com inimigos mutilados, finalizações, e etc. Temos a receita pra um completo sucesso.

Metal Hellsinger aposta numa temática de "infernos" obviamente se inspirando em diversos dos contos que usam o tema e além disso contém uma trama extremamente simples. Temos que enfrentar a Juíza Vermelha, sendo a "Hellsinger" (cantora do inferno) e com isso vamos numa jornada de vingança com uma caveira chamada Paz e... só. É extremamente funcional, simples e divertido. Cumpre seu papel, deixa um gostinho de quero mais e ainda abre portas para uma sequência que talvez seja no paraíso. Mas quem sabe?!

O gameplay do jogo obviamente é o seu ponto mais alto, pois nele somamos dois fatores de absurda importância: a música e o tiroteio.

Na questão da música, acredito que o nome seja autoexplicativo, com diversos dos nomes de grandes bandas de metal, como Mikael Stanne do Dark Tranquillity, Alissa White-Gluz do Arch Enemy, Matt Heafy do Trivium e Serj Tankian do System of a Down; tais nomes somam no gameplay de forma tão simples e genial que é brilhante.

O tiroteio do jogo é direto e básico, você anda, esquiva, atira e troca de armas, porém, o grande diferencial é que você precisa fazer isso no ritmo das músicas. Com isso aumentando o multiplicador de pontos, os instrumentos começam a aparecer.

Com 2x os sons de bateria começam a ganhar destaque, em 4x começam maior destaque para baixo e mixagem, em 8x a guitarra começa e nos 16x que é onde o som se destaca forte com os vocais e uma incrível sonorização, então esteja com um fone de ouvido, o melhor que o seu dinheiro puder comprar. Por favor! O meu Kraken X-Lite da Razor apesar de simples me deu uma experiência incrível.

Lembre-se bem de estar sempre no ritmo, pois TUDO no ritmo te dá bonificação de pontos. Atirar no ritmo quando a mira passa no ponto exato te dá pontuação maior, a sua esquiva feita assim tem alguns frames de invencibilidade, e até recarregar a sua arma no ritmo reduz consideravelmente o tempo de recarga.

Nisso, temos 8 fases e um tutorial, além de alguns objetivos extras em cada fase, tornando assim o jogo extremamente divertido e funcional nas suas funções. O jogo basicamente acerta em tudo que mira. Apesar de curto, coisa de 4 a 5 horas dependendo da sua performance, ele cumpre bem, está disponível no gamepass (onde joguei) e felizmente custa barato no Steam.

O único ponto negativo ao meu ver é na penúltima fase onde a dificuldade dá uma subida meio desregulada, nada que um patch futuro não resolva, e isso se ele vier. Pois notavelmente a proposta do jogo é ser desafiadora e ele cumpre bem isso em boa parte do tempo. Além disso, os chefes são legais, bem diferentes entre si na questão de confronto mas esteticamente são todos 90% iguais. O que pode incomodar alguns players mais atentos a mínimos detalhes.

Acredite, demora uns minutos pra pegar o jeito do jogo, mas uma vez entendido, é só diversão e bateção de cabeça ao mesmo tempo enquanto dá uns tiros ouvindo música da mais alta qualidade. Vale reforçar que o final abre margens bem claras pra uma DLC ou sequência, e eu com certeza embarquei no trem do hype por qualquer que seja a decisão dos caras.

9.0 9.0 10
Overall
10 Gameplay
9.0 Story
10 Music
9.0 Graphics
A música COM CERTEZA
Poucas armas porém cada uma com sua qualidade
Gameplay insano, imensamente divertido e imersivo
Otimização bem decente nos PC's
Gráficos bem bonitos, bem feitos e com texturas detalhadas
A penúltima fase tem uma dificuldade meio torta ao meu ver
Os bosses do jogo são diferentes mas esteticamente são todos iguais, o que muda é o ritmo de cada batalha

7 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...