This game doesn't have any review. Be the first one to review it!

Add Review


  • anduzerandu Anderson Alves
    2022-06-23 23:49:15 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Anodyne

    Zerado dia 23/06/22

    Comprei esse tal de Anodyne há bastante tempo no Nintendo Switch. Estava baratinho, questão de 2 ou 3 reais numa dessas promoções loucas do console. Eu nunca nem tinha ouvido falar nesse jogo mas, como sempre menciono em posts de indies baratos da plataforma, passei uma época comprando tudo o que parecesse valer a pena jogar, o mínimo do interessante. Claro que apenas depois de alguma pesquisa.

    No caso desse título em específico, a galera mencionou ser parecido com os Zeldas de Game Boy e só isso já me convenceu fácil. Ultimamente todo jogo tem ganhado clones já que os originais não ganham sequência ou até ganham, mas se tornando jogos completamente diferentes em gameplay e visual.

    Pessoalmente eu adoro os Zeldas de Game Boy Color, Oracle of Ages e Oracle of Seasons (principalmente o Ages) e vou ao ponto de dizer que esses jogos estão entre os meu 20 prediletos do mundo dos video games, muito provavelmente. Visuais, trilha sonora, gameplay, o mundo deles, os puzzles. Mas também tenho que dizer que joguei bastante na adolescência e não teria o mesmo impacto hoje em dia, depois de jogar Breath of the Wild e emulando ao invés de jogar no hardware original.

    Dito isso, Anodyne esperou muito tempo para ser jogado justamente por não ter batido a vontade. O ícone dele é meio sem graça, é um jogo bem desconhecido e até o nome não inspira muito. Cheguei a jogar um minuto ou dois dele uma vez mas achei meio parado. Enfim, acho que nada replicaria a sensação de jogar aqueles Zeldas.

    Agora querendo me livrar de tudo que paguei no Switch para o desbloquear, bateu a vontade de jogá-lo. Aparentemente a campanha duraria apenas 6 horas também (acabou durando 4 horas e 45 minutos para mim), então tá ótimo.

    O início de tudo é como um mini tutorial dos simples controles. Aqui você percebe que é tudo meio escuro, triste, abandonado, em ruínas. Os visuais são obviamente inspirados no Zeldas dos Game Boy (incluindo Link's Awakening) e pude confirmar de cara isso. Os sprites, os cenários, as animações, textos dos diálogos.

    Mas há um grande diferencial: a falta completa de carisma. Que jogo desanimado! Mas notei que a temática gira em torno disso mesmo, da tristeza e mesmo alguns diálogos por toda a campanha são pesados ou contém palavrões. Chega a ser meio desconfortável.

    Aqui eu diria que Anodyne mistura os tais Zeldas com conteúdo meio adulto, meio filosofal e tenta ter um lado meio Undertale ou sei lá.

    Não demorou para eu estar fazendo minha primeira dungeon. Mas essas dungeons são bem sem graça nesse jogo. Te dão muita liberdade, poucos puzzles e todos muito fáceis e salas que se abrem só de você derrotar todos os monstros bobos ali contidos.

    Nos Zeldas chegar numa nova dungeon era uma mistura de sentimentos: estava avançando na campanha e ganharia uma habilidade nova, mecânicas novas, temática diferente e um boss no final. Porém, essas dungeons exigiam até horas para serem completas e algumas chegavam a ser maçantes. Muitas vezes chegar num lugar desse era sinal de salvar e desligar para ir descansar e continuar depois.

    Aqui não, você faz tudo em minutinhos. Nem dá para chamar muito de dungeon, até porque você nem ganha novas armas ou habilidades.

    É aqui que esse jogo fica pior. Todo o mapa dele e seus calabouços é completamente sem sal. Você anda pelo mundo, tela após tela, cheios de nada. Muitos lugares resultam num beco sem saída e... Pra quê? É tudo vazio demais.

    A falta de habilidades também é estranha. Primeiro que você joga a aventura toda usando apenas uma vassoura como arma (como se fosse uma espada). Não há exatamente nada que te bloqueie de ir à qualquer lugar que desejar senão pura exploração.

    Existem mapas grandes que servem como uma espécie de hub e que ligar a áreas onde você encontra as dungeons e vários pontos de teletransporte por todo o jogo que te levam de volta à um lugar com espelhos/teletransportes para rápido acesso de qualquer lugar já visitado. Tendo finalizado algumas áreas é possível abrir algumas outras e... Ah, é estranho, mas é mega simples, acho.

    Qual sua missão e o sentido nisso tudo? Encontrar fotos ou algo assim. Existem vários baús pelo mundo e dungeons que te põem para explorar e você consegue essas fotos. Tem de tudo quanto é personagem, desde NPCs até cada um dos inimigos.

    É meio triste vencer uma dungeons, seu chefe e ganhar só uma foto.

    Por muito tempo acreditei que fosse apenas colecionáveis e fui jogando explorando ou indo para onde a vida me levasse, mas mantive em mente o que um personagem disse sobre serem importantes.

    Mais para frente foi dito que eu precisaria de ao menos 36 delas para abrir o mapa final (e eu já tinha umas 24). Explore mais, ache mais dungeons e logo terá a quantidade necessária (penei um pouco para achar a última que faltava pois você acaba tendo que coletar praticamente todas do jogo, mas é até fácil).

    Conforme você explora ainda consegue umas coisinhas melhores, como melhores ataques para a vassoura: um que aumenta seu alcance e outro que aumenta a área horizontal de alcance do dano.

    Alguns portões pelo jogo tem número e depois me liguei que eram relativos ao número mínimo de fotos coletadas para serem abertos. Todos esses lugares davam um aumento de HP no final, coisa que até então apenas os chefes tinham feito.

    Mais próximo do final eu comecei a me acostumar, entender e a gostar mais do jogo, inclusive a sua mecânica de pegar sujeira com a vassoura e usá-la para bloquear ataques inimigos ou como jangada pela água. Alguns cenários são bacanas também, mas Anodyne continuou sendo meio chato, tedioso e com uma baita cara de jogo amador. Felizmente a experiência é breve e logo acabou.

    Resumindo: Anodyne tem uma veia de inspiração nos visuais e jogabilidade dos Zeldas de Game Boy mas as semelhanças ficam aí, na parte visual. O clássico da Nintendo é feliz e carismático enquanto esse daqui é triste e sem cor, mas difícil de decifrar seu propósito. Mais parece um daqueles que querem ser inteligente jogando um monte de coisa sem noção na cara do jogador.

    De bom: tem uns visuais bacanas, sobretudo alguns cenários. Chefes ok. Jogo curto, graças a deus.

    De ruim: a jogabilidade as vezes é irritante, sobretudo quando exige usar a habilidade de pular grandes buracos. Clima pesado estranho. Jogo meio sem objetivo ou lógica. Nada satisfatório o combate ou o seu avanço, sempre focado em coletar as figurinhas. Muitas áreas com absolutamente nada.

    No geral, não é o pior jogo do mundo e não me arrependi de jogar as 4 horas que investi, mas acho que tinha mais potencial mesmo curtindo razoavelmente alguns momentos. Jogo amador, totalmente ignorável.

    10
    • Micro picture
      jezzon · 3 months ago · 2 pontos

      Zerei esse aí e sem dúvidas não foi um jogo memorável, ainda mais lendo seu texto fiquei com a sensação "verdade, tinha isso né...isso também, hmm e isso aqui também". Lembrava quase de nada, por isso acho tão importante a gente fazer registros, mas na época acho que não fiz pra ele.

      1 reply
  • sophos Sophos
    2021-04-27 19:42:49 -0300 Thumb picture
    sophos checked-in:
    Post by sophos: <p>chato.</p>

    chato.

    5
    • Micro picture
      jcelove · over 1 year ago · 1 ponto

      Po tbm nao curti...

  • 2020-03-17 08:02:51 -0300 Thumb picture
  • gennosuke6 Francis
    2019-09-03 01:48:08 -0300 Thumb picture

    Finalizado

    Finalizado, finalmente! kkkkkkkk. Gostei demais desse Anodyne! Estilão Zeldas de GBC msmo. Um jogo que requer mta paciência e domínio dos comandos. Além de ter uma história bem "psicodélica", por assim dizer. kkkkkkk.

    Até que eu fiquei bem calmo durante o gameplay, com exceção de quando fui completar o desafio de ter todas as 48 cartas, após zerar o jogo. Nessa parte faltou eu cuspir fogo aqui. kkkkkkkkkk. Xinguei até a 10ª geração do jogo.

    O jogo ainda conta com diálogos mto zuados, como esses dois, bem estilo @andre_andricopoulos:

    E tem partes bem sinistras tbm, como uma cidadezinha preta & branca, onde é cheia de assassinos. Bem legal!

    Recomendo demais pra qm gosta de jogos estilo Zelda! 

    Parece que o Anodyne 2 saiu esse ano, mas não é uma sequência direta. E agora não é mais o mesmo estilo, e sim 3D. Fiquei meio decepcionado, pois não curti o que vi do jogo. Fiquei com gostinho de quero mais, só lamento... kkkkkkk.

    27
    • Micro picture
      yabuki · about 3 years ago · 2 pontos

      Mandou bem, mano. Cuspiu fogo mas conseguindo o objetivo é mais de boa hsuahsu xD

    • Micro picture
      lipherusyt · about 3 years ago · 2 pontos

      Mandou bem!

    • Micro picture
      andre_andricopoulos · about 3 years ago · 2 pontos

      Gostei da capa...

  • gennosuke6 Francis
    2019-09-01 12:32:23 -0300 Thumb picture
    gennosuke6 checked-in:
    Post by gennosuke6: <p>Veremos qual é a desse jogo. O trailer me lembro

    Veremos qual é a desse jogo. O trailer me lembrou dos Zeldas Oracles e Awakening, q eu gosto mto.

    16
  • 2018-10-30 15:25:23 -0200 Thumb picture

    Review: Anodyne

    por Renato Moura Jr.

    Anodyne é um daqueles jogos que você muito provavelmente nunca ouviu falar. Mas, após ter o seu primeiro contato com o game, parece até que já são amigos de longa data, assim como foi comigo e outro indie chamado Reverie, um título mais fresco que é muito semelhante a este. Sendo lançado inicialmente em 2013 para PC e mobile, só agora em 2018 que os consoles estão recebendo um port – muito provavelmente por conta da sequência que foi anunciada também este ano, prometida para 2019.

    Apenas duas mentes estão por trás do projeto: a dupla Sean Han Tani e Marina Kittaka, que juntos produziram tudo presente no game, desde roteiro até trilha sonora. Um fato curioso sobre Anodyne é que, na época de seu lançamento inicial, o que garantiu o seu sinal verde na Steam foi o fato dele ter atingido um grande destaque no Pirate Bay – então sim, a pirataria foi o principal elemento que fez deste jogo um cult no meio indie.

    Continue lendo no Gamerview

    11
  • segato2k Marcelo Segato Proença
    2013-11-29 22:08:39 -0200 Thumb picture
    segato2k checked-in:
    Post by segato2k: Finalizado. Jogo Indie interessante, com uma pegada

    Finalizado. Jogo Indie interessante, com uma pegada totalmente Zelda e com algumas idéias psicológicas no roteiro.

    0
  • segato2k Marcelo Segato Proença
    2013-11-24 22:54:40 -0200 Thumb picture
    segato2k checked-in:
    Post by segato2k: Venci o segundo chefe e vamos em frente... É incrív

    Venci o segundo chefe e vamos em frente... É incrível ver o impacto que The Legend of Zelda teve nas pessoas. Tantos e tantos jogos por aí, desde The Binding of Isaac até Darsiders...

    0
  • emphighwind Emp Highwind
    2013-11-01 22:15:26 -0200 Thumb picture
    Post by emphighwind: <p> finalizei, bom zelda meets .flow </p>

    finalizei, bom zelda meets .flow

    1
  • 2013-10-27 23:34:39 -0200 Thumb picture
    pandapedinte checked-in:
    Post by pandapedinte: Mais um jogo indie que estava parado na minha bibli

    Mais um jogo indie que estava parado na minha biblioteca. Lembra o LTTP e to curtindo muito a múscia/efeitos sonoros.

    0

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...