This game doesn't have any review. Be the first one to review it!

Add Review


  • bobramber Jefferson Da Silva Prado
    2021-11-22 23:36:57 -0200 Thumb picture
    bobramber checked-in:
    Post by bobramber: <p>#img#[799910]</p><p><em>Finalizado um dos melho

    Finalizado um dos melhores RPGs que joguei recentemente, mesmo com muita repetição

    ---

    Havia parado no terceiro cristal, que foi bem difícil. Grindei até o level 47 e mesmo assim não consegui derrotar o boss. Aí mudei a estratégia um pouco, colocando um Hunter para aproveitar o dano adicional do arco contra Demons. Também tive um pouco de sorte, pois o chefe usou mais absorção de MP do que de HP, acabei gastando uns Ethers, mas a batalha foi mais curta.

    Boss do terceiro cristal

    Logo em seguida teria ficado perdido sem o quest marker, já que não é dada nenhuma indicação de que deveria voltar ao naviozão (Grandship).

    Minha estratégia devia ser bem ruim, já que depois disso consegui fazer todas as sidequests e chegar no chefe do quarto cristal sem nenhum grind. Só aí tomei um coro, grindei mais um bom tanto, (level 63 e jobs 9) e o venci.

    Localização dos dragões

    Parti enfrentar os dragões com um padrão: entrava na luta, via seus ataques e fraquezas, dava load e me preparava com armas elementais, acessórios e skills de defesa. É interessante que podemos trocar armas e escudos a qualquer momento durante a batalha sem custo algum.

    Após entrar na luz pela primeira vez, achei que tinha perdido a chave dos baús azuis, pois já tinha lido que ela apareceria nesse momento, mas nada. Depois de um tempo desencanei e fui fazer o tal final ruim, destruindo um dos cristais. É legal que mantemos os ótimos itens encontrados desse final.

    Final ruim com 56h

    Gostei dessa ideia de irmos para um mundo paralelo. Confesso que até pensei mal de todo mundo que reclama do endgame. Fiz todas as sides nesse segundo mundo, buscando diálogos diferentes, mas que ocorreu pouco. Aí cheguei no terceiro mundo - a chave finalmente apareceu. Descobri que teria que despertar todos os cristais novamente, finalmente entendendo a cagada que fizeram aqui. Pedi desculpas mentais a quem critiquei cedo demais, consegui o último job (conjurer) e fui para os cristais.

    Uma das repetitivas sidequests que pouco mudam

    Não consegui não fazer as sides, apenas uma ou outra que deixei. Além de acrescentar quase nada à história, os itens que podemos obter, roubando ou ao final da batalha, são os mesmos, mas o pior é que as lutas não dão XP, apenas JP e em pouca quantidade - grindando com monstros normais se conseguiria muito mais no mesmo tempo de um boss. Uma falta de incentivo total.

    Jurava que no quarto mundo acabaria, mas...

    "Not yet, just a little longer! More! Keep going! Still not enough! You can do this!" Sério? Ouvir isso 20 fucking times!? O jogo deveria acabar após despertarmos os cristais duas vezes (oito a dez despertamentos), ficaria ótimo.

    Os guerreiros da luz

    Minha configuração de jobs na maior parte do endgame foi Edea de Knight/Pirate - Tiz de Knight/Freelancer (com dois escudos) - Ringabell de Summoner/Black Mage - Agnès de Spirit Master/Performer (equipada com cajado de Esuna e escudo de Cura), ou então Spirit Master/White Mage. Só nas últimas lutas mudei a Edea para Black Night/Monk, após ouvir uma conversa entre os protagonistas falando de um super ataque baseado na quantidade faltante de HP.

    É bonito de ver os diversos mundos ajudando na batalha final

    Tomei um game over na última forma, depois de apenas três turnos. Na segunda tentativa percebi que levei azar devido ao boss usar seu ataque mais forte 3x seguidas, já nessa segunda tentativa ele usou pela primeira vez depois de uns 10 turnos.

    Last battle

    Finalizado em 80 horinhas. Por fim, tive que pesquisar o porquê do Tiz apagar no finalzinho, interessante. Ainda assim a Edea foi quem mais gostei.

    Como todo mundo que jogou antes de mim já falou, o game seria bem melhor sem tanto cristal despertado (umas 15h a menos). Mesmo assim o considero um dos melhores RPGs que joguei, e futuramente irei para suas sequências.

    16
    • Micro picture
      jcelove · 5 days ago · 2 pontos

      O conjunto dele é excelente, seria o jrpg mais redondinho das ultimas décadas se não fosse o loop pra fazer o final bom definitivamente não precisava dessas 15h..

      Parabéns por ter terminado honestamente. Eu ja tava usando combo automatico quebrador de jogo no cap 4.hehe
      Só lembro do video do araujo frustradaço por empacar no final boss apelão https://www.youtube.com/watch?v=xfgYT1waMWs

      Tem o Adventurer como superboss na dungeon extra caso ainda tenha animo de jogar além das bestas lá na cidade do tiz. O Adventurer me deu muito trabalho pq o esquema dele quebrava meu combo quebrador e tive de pensar de verdade, já as bestas eu só matei 2 e larguei o resto. tem uns bichos impossiveis.

      3 replies
    • Micro picture
      santz · 5 days ago · 2 pontos

      Se o jogo terminasse na metade da campanha dele, seria um jogo muito melhor.

      3 replies
  • bobramber Jefferson Da Silva Prado
    2021-11-04 10:25:25 -0200 Thumb picture

    Conheço de algum lugar...

    Medium 798162 3309110367

    Fazendo uma sidequest de Bravely Default me deparei com Kamiizumi. A voz dele me chamou muita a atenção, achei que fosse do Snow de FFXIII, mas na verdade é do Caius, só o vilão do FFXIII-2 que zerei por esses dias.

    13
  • bobramber Jefferson Da Silva Prado
    2021-11-02 18:39:51 -0200 Thumb picture
    bobramber checked-in:
    Post by bobramber: <p>Auto-playing nos diálogos GOOD. Destination Mark

    Auto-playing nos diálogos GOOD. Destination Marker BAD. Opção de desativá-lo GOOD. Controle do encounter rate EXCELLENT. Acelerar batalhas EXCELLENT. Mulheres coxudas GOOD. Excesso de grind...

    ---

    Bravely Default é um RPG lançado em 2012, com jogabilidade focada em Jobs (mas não o Steve). A história gira em torno de quatro guerreiros e quatro cristais, praticamente um ode à Final Fantasy, tanto que começou seu desenvolvimento como uma sequência de um spin-off de FF.

    Customizações bem vindas

    Foi bem recebido pela história, gráficos, músicas e mistura de mecânicas tradicionais e novas, e criticado pela excessiva repetição nas últimas horas de jogo.

    Hips don’t lie

    Fazia tempo que estava com esse jogo engatilhado, mas não queria misturar muitos RPGs.

    Reino de Caldisla

    Além do que já citei no primeiro parágrafo, preciso mencionar que a arte das cidades é linda demais.

    E é uma pena que a versão ocidental seja censurada.

    Além das roupas, aumentaram a idade dos personagens em 3, deixando-os todos +18. A Edea, por exemplo, tem 15 no Japão

    Já o auto-playing tem um pequeno atraso entre uma fala e outra, nada muito comprometedor, mas não tão bom como Xenoblade Chronicles.

    Sexy? Capaz!!!

    Era para ser 'só' assim

    Início legal, com batalhas fáceis e rápidas, mas ao chegar ao templo do vento começou a demorar um pouco, aí resolvi desativar as batalhas aleatórias, coletar tesouros sem estresse e enfrentar o chefe, que foi fácil.

    Os quatro heróis na configuração que mais usei até então

    Segui fazendo assim e, quando coletava um bom número de jobs, parava para evoluí-los em frente a alguma cidade. No início todos os jobs, mas logo os separei em lutadores e magos, um grupo para cada dois personagens.

    Como morre gente nesse jogo!

    Estou com 26h, level 33 e iniciando o terceiro cristal (fogo). Curtindo bastante o game, mas já fiquei sabendo que a última parte é repetitiva.

    Ah, e consegui usar bem as duas telas do meu 3DS

    25
    • Micro picture
      noblenexus · 26 days ago · 2 pontos

      quanto ao grind https://c.tenor.com/ffnEQsZngZ4AAAAC/unacceptable-adventure-time.gif
      e wow uma tela em cada monitor, ficou bom demais eihn

      1 reply
    • Micro picture
      thiagobrugnolo · 26 days ago · 2 pontos

      Então não pode moça de calcinha na versão ocidental. hahaha.

      3 replies
    • Micro picture
      manoelnsn · 25 days ago · 2 pontos

      O grind, em todo jogo com sistema de jobs móveis, é terrível. Mas não consigo desgostar do primeiro Bravely, por mais que no fim das contas ele só seja um FF5 3D (e eu deteste FF5), ahuahaua.

      O jogo seguinte, Bravely Second, foi o melhor da trilogia que eu joguei. Agora o Default II foi todo errado, até no nome :P

      1 reply
  • jcelove José Carlos
    2021-09-24 23:45:32 -0300 Thumb picture
    Post by jcelove: <p>Perdendo tempo no YT me bati de novo com essa be

    Perdendo tempo no YT me bati de novo com essa belezinha e deu saudade.

    Tiz

    Agnes

    Ringabel

    Edea

    Pena que o Revo não tem tempo pra se dedicar a ost de gaems. O cara SABE contar histórias através das músicas e passar a essência dos personagens nelas. O esquema de soltar o especial com o tema de cada protagonista E de mesclar o tema deles na musica final é awesome demais.

    Um dos motivos de eu não ter comprado (burrada) o Bravely second quando era possível foi pelo fato dele não ter composto pro segundo game.

    Melhor trilha dos ultimos anos pra mim junto com o trabalho de Toby fox em Undertale, num tem uma faixa ruim.

    19
  • xch_choram Gustavo Rocha de Oliveira
    2021-04-22 09:59:32 -0300 Thumb picture
    xch_choram checked-in:
    Post by xch_choram: <p>Ah um tempo eu falei que a bateria do meu 3ds ta

    Ah um tempo eu falei que a bateria do meu 3ds tava ruim e que eu comprei outra barata, ela é tão ruim quando a bateria inflada quase estourando kkkkk (rir pra não chorar).

    Mas tenho jogado algumas coisas aos pouquinhos ainda, como o SMT Devil Survivor e o Bravely Default, e nossa é incrível como eu sempre me surpreendo a trilha desse jogo é espetacular, ainda não vi muito sobre o Second e o 2, mas alguém que jogou a trilha é tão boa quanto esse primeiro?

    21
    • Micro picture
      augus · 7 months ago · 3 pontos

      A trilha do primeiro é composta pelo Revo, vocalista do Linked Horizon vulgo o cara das aberturas de Shingeki no Kyojin. Infelizmente, o Revo não continua no Second. Estou jogando o Second e a trilha dele nem se compara ao primeiro.

      2 replies
  • 2021-03-10 14:46:08 -0300 Thumb picture

    Outro jogo que está concorrendo entre os JRPG de 2022: Bravely Default

    Bravely Default é um RPG de turno desenvolvido pela Silicon Studio e publicado pela Square Enix no ano de 2012 para o Nintendo 3DS.

    Bravely Default se passa no mundo de Luxendarc, que é mantido em equilíbrio por quatro cristais elementais que são protegidos e venerados pela religião dominante nesse mundo conhecida como Cristal Ortodoxia.

    Em um certo momento, os cristais são consumidos pela escuridão e o mundo é lançado no caos com inúmeras calamidades. Agnès Oblige, Vestal do Cristal do Vento, escapa enquanto o resto dos adoradores do templo morrem para protegê-la.

    Ao mesmo tempo, um grande abismo se abre sob a aldeia de Norende, matando todos os seus habitantes, exceto um jovem pastor chamado Tiz Arrior. Quando ele retorna ao abismo na esperança de encontrar outros sobreviventes, ele conhece Agnès e sua companheira fada, Airy.

    Os três são então atacados por forças do hostil Ducado de Eternia, que procuram impedir Agnès de despertar os cristais. Depois de derrotar os soldados, Tiz decide viajar com Agnès como sua protetora.

    Eles voltam para Caldisla, onde também se juntam a Ringabel, um patife amnésico que possui um livro que prevê eventos futuros, e Edea Lee, uma soldado Eterniano que se desilude e desiste depois que ela vê seu comandante cometendo crimes de guerra.

    Então, o recem formado grupo precisa viajar para os outros templos e despertar cada um dos cristais das trevas, sendo confrontado pelas forças de Eternia enquanto avançam ao seu objetivo.

    As batalhas são por turnos e com encontros aleatórios Cada lado tem permissão para realizar uma ação ou múltiplas ações, com cada personagem tendo movimentos e comandos independentes: essas ações incluem atacar, usar magia, item e fugir.

    Duas novas opções para o sistema de batalha são as opções Brave e Default: Os Pontos de Brave (BP) determinam o número de ações que um personagem ou inimigo pode realizar em um turno, além de serem necessários para a execução de certas habilidades. E Default reduz o dano sofrido por ataques inimigos e acumula BP.

    O jogo também possui o sistema de Job, no qual o jogador pode trocar as classes dos personagens. Classes novas são liberadas conforme os bosses são derrotados. O jogo possui um total de 24 classes.

    17
    • Micro picture
      sonne · 9 months ago · 2 pontos

      Esse jogo é muito bom, mas sempre que eu pego para jogar me dá uma preguiça Dx
      Não sei o que acontece D:

    • Micro picture
      santz · 9 months ago · 2 pontos

      Nossa, se esse passar, vai ser muito legal ver a galera detonando a parte final dele.

    • Micro picture
      onai_onai · 9 months ago · 2 pontos

      Se não fosse a repetição louca esse jogo seria muito bom!

  • 2021-02-15 18:36:58 -0200 Thumb picture
    ryu_akechi checked-in:
    Post by ryu_akechi: <p>Iniciei o jogo esses dias e estou sentindo um ab

    Iniciei o jogo esses dias e estou sentindo um abraço nostálgico da Square nos antigos Final Fantasy. Que revigorante poder jogar um RPG de turno após tanto tempo!

    Temas também recorrentes da franquia FF, como cristais, Warriors of Light e Jobs. Estou muito no começo para dar qualquer opinião, mas assim que terminar eu volto.

    Eu jogo pouco porque como trabalho home office, o Playstation sempre ganha do portátil. Mas confesso que o sistema de reconstruir Norende me faz deixar o jogo o dia inteiro em Sleep Mode e sempre volto para poder começar a construir outra coisa no maior estilo mobile. (Espero que isso não me faça liberar muitas coisas e prejudicar minha experiência do jogo. Aliás, comecei no modo Hard).

    O sistema de friends e usar um ataque dele também parece ser uma mecânica absorvida de jogos mobile. Eu tento evitar, porque o jogo foi lançado há muito tempo e peguei a ajuda de um aleatório forte demais, o que me fez matar um boss inicial em um ataque só. 

    6
  • jcelove José Carlos
    2020-09-27 21:30:25 -0300 Thumb picture

    "JRPG não tem dificuldade, com grind vc termina todos"...

    O Erick encontrou um amigo que levanta essa bandeira de que basta chegar a level 99 que vc massacra qq coisa em Jrpgs.

    Apesar de ser funcionar pra maioria, não é uma regra geral. Tem uma porrada de games em que grindar não garante sucesso no final. Alguns exemplos que comentei lá;

    Bravely Default (lv 99 e todos os jobs max não ajudam em nada no final boss sem uma boa estratégia), 

    Xenogears (a dungeon final inteira é nos gears, o level dos personsagens não significa nada se me lembro, precisa ter comprado todos os upgrades e ainda assim usar uma formação boa pra derrubar o bicho)

    SMT, em especial o IV apocalypse, um dos jogos com final boss mais troll que já tive o desprazer de encarar.

    Grande parte dos TRPGs tem mecânicas que precisam ser aprendidas senão o level não adianta nada

    Action RPGs como Ys, que vc chega a level max no meio do jogo e se não manjar dos padrões de ataque e tiver os equips certos precisa ser um NINJA pra vencer os bosses finais.

    Sem falar dos casos em que grindar só PIORA as coisas como FF VIII e The last Renmant onde os inimigos acompanham o nivel do protagonista, chegar ao level max deixa qq batalha random muito mais difícil.

    22
    • Micro picture
      thecriticgames · about 1 year ago · 3 pontos

      Coloco nessa conta o primeiro Phantasy Star, o ultimo chefe esta lá disponível pra você chegar na ultima dungeon atravessando uma porrada de salas e andares mas mesmo num nivel 99 você certamente vai perder pro Lassic isso por que para baixar o nivel de poder e dano dele pra um valor "encaravel" você tem que fazer uma side-quest que eu só fui descobrir por conta de um guia, sendo necessário falar com um NPC consideravelmente longe dele e que sei lá como isso é descoberto sem um detonado, não lembro de um NPC dar essa dica para mim antes do boss final.

      5 replies
    • Micro picture
      sophos · about 1 year ago · 2 pontos

      A ultima arma de ff7 eimeiro tem q chegar no máximo e mesmo assim vale quase nada. Vc so se credencia a lutar.

      7 replies
    • Micro picture
      thiagobrugnolo · about 1 year ago · 2 pontos

      Tudo depende do jogo, isso é verdade para boa parte dos J-RPGs de turno, mas não verdade absoluta. A franquia Saga não adianta só grindar sem saber utilizar os elementos e Skill, como bem colocaso no post A-RPGs como Ys você chega no nível máximo no meio do jogo, mas ele não fica fácil., eu mesmo sofri no Ys 3 e 4 com level máximo.

      5 replies
  • jcelove José Carlos
    2020-09-12 12:43:58 -0300 Thumb picture

    Sdds da Praline real

    Não tenho esse apego por dublagem e musica japa mas jogaria BD em jap com gosto se tivesse essa versão com vocal da Praline.

    Acho massa como a galera se empolga igual aos soldados do jogo.

    Olha a diferença na interpretação do tema do continente de  Eisenberg aos 7:02

    15
    • Micro picture
      ersatzgott · about 1 year ago · 2 pontos

      Pera, eu joguei um undub? Achei que dava pra mudar as vozes in-game HUAHAUH

      10 replies
    • Micro picture
      carlospenajr · about 1 year ago · 2 pontos

      Eu acho engraçado essas "idol" nos jogos, principalmente quando fazem elas forçadas que nem ela XD
      Eu curto as dubs japas, mas se precisa trocar, fazer o que :/

      13 replies
  • santz Santz
    2020-09-10 14:46:59 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 389 - Final Fantasy Default

     Um dos jogos mais aclamados da biblioteca do 3DS, resolvi dar uma chance para ver o que ele tem de especial. Na verdade, ele é ais uma homenagem e retorno as origens dos clássicos RPGs da Squaresoft. O jogo é praticamente um Final Fantasy com outro nome, pois possui todas as características da série, batalhas por turno, magias clássicas e os 4 guerreiros da luz. O esquema de Jobs do jogo é muito massa. Vamos desbloqueando aos poucos, um esquema semelhante ao Final Fantasy V, inclusive na quantidade exagerada de Jobs. Dava para cortar fácil ali uns 6, 7 jobs tranquilos.

     A grande novidade do jogo e que funciona muito bem é o esquema que dá nome ao jogo. Podemos executar várias ações em um mesmo turno, mas depois ter que esperar recuperar os BP, ou então, ir usando a defesa até acumular bastante BP e descer a porrada. Graças a isso, muitas batalhas são resolvidas em um único turno. O jogo oferece várias outras coisas que melhoram a experiência maçante dos JRPGs clássicos, como animações aceleradas e desligar totalmente os encontros aleatórios. A história do jogo é muito gostosinha de acompanhar, até a metade do jogo. Depois disso, o bagulho fica repetitivo, chatíssimo e o combate contra o último boss, super estressante e cansativo. No final das contas, é um ótimo JRPG, mas que podia ter sido encurtada numa boa.

    37
    • Micro picture
      jcelove · about 1 year ago · 3 pontos

      Verdade. ele é uma homenagem perfeita aos ffs classicos ATÉ o cap 4, a segunda metade é um loop de repetiçao bizarro e o final boss bem exagerado na dificuldade SE vc tentar vencer ele normalmente. Se usar um combo quebrador de jogo como 4 ninjas com high jump e hasten world ele nem consege se mover.hehe

      7 replies
    • Micro picture
      jcelove · about 1 year ago · 3 pontos

      Nao curtiu a ost? Acho espetacular

      10 replies
    • Micro picture
      manoelnsn · about 1 year ago · 2 pontos

      Esse jogo é praticamente um FF5 em 3D, tem até esse sistema de jobs roubado e trabalhoso que eu não suporto.

      Mas até que tenho uma certa estima por ele, mas que ele é cheio de problemas, isso é mais do que verdade, ainda mais com aquela parte final da porra cheia de resets, felizmente o Second faz isso muito melhor.

      4 replies

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...