2022-04-15 23:31:37 -0300 2022-04-15 23:31:37 -0300
denis_lisboadosreis Denis Lisboa Dos Reis checked-in to:
Post by denis_lisboadosreis: <p><strong>Resident Evil: The Umbrella Chronicles</
Resident Evil: The Umbrella Chronicles

Platform: Playstation 3
614 Players
14 Check-ins

Resident Evil: The Umbrella Chronicles finalizado!

Esse Resident Evil foge do padrão da série, que normalmente é voltado pra survivor horror, ou ação. Aqui temos um jogo de tiro com câmera em primeira pessoa ao estilo de fliperamas antigos, como The House of Dead, onde a visualização é fixada como num trilho e a única preocupação dos jogadores é acertar os alvos na tela antes de serem atingidos, sem poder controlar movimentação dos personagens e com munição infinita pra arma básica, e indicado pra jogar usando o controle PlayStation Move, mas pode ser jogado normalmente com o DualShock.

A história é uma releitura e resumo de vários trechos de quase toda a primeira parte da série da época em que ainda eram em grande parte sobre zumbis, com cenários de Resident Evil 0, pra mansão de Resident Evil "1", passando pro ambiente urbano de Racoon City em Resident Evil 3: Nemesis (pulando Resident Evil 2), e mais um cenário original desse jogo, onde mostra o desfecho da Umbrella num laboratório escondido na Rússia. A história é contada como um arquivo da perspectiva de Wesker, um dos principais vilões da série, e que também participa da ação em fases extras que são liberadas conforme o resultado nos cenários principais. 

São nessas fases extras em que se tenta preencher algum espaço nas maluquices da série, com Wesker xeretando nas montanhas de Resident Evil 0, também mostrando como ele saiu da mansão no primeiro jogo, e de como ele arquitetou e deu fim na Umbrella e seu último obstáculo. Temos também uma fase mostrando Ada ferida fugindo de Racoon City, e uma com a fuga de HUNK mostrando pra quem ele trabalhava.

Cada fase é dividida em duas partes, e em praticamente todas com um chefe no fim da segunda parte. No fim de cada fase recebemos uma nota de desempenho baseado no tempo, números de inimigos mortos, objetos destruídos, arquivos coletados , e acertos críticos. Com o resultado ganhamos estrelas que são gastas pra realizar melhorias nas armas já adquiridas.

 O jogo possui um vilão principal inédito, Sergei Vladimir, um russão gigante com sotaque carregado e mania de grandeza refinada, bem clichê. E que possui dois Tyrants guarda-costas que são o design mais ridículo que já vi na série. Dois gigantes com óculos coloridos e casacão branco brilhante (a ideia era serem "discretos"). E o que eles têm de ridículos também tem de apelões, sendo o chefe mais difícil do jogo e lutam em dupla. 

Enquanto o russo é um dos chefes mais fáceis do jogo, e o último da campanha do Wesker, enquanto que Jill e Chris enfrentam T.A.L.O.S., um Tyrant equipado pra combate (o da primeira imagem). 

É um jogo diferente e divertido, principalmente jogando em dupla e usando o PS Move, e pra quem é fã da série e gosta de revisitar o ambiente lá da época do PS1 ou ler os arquivos com a história. Já a platina vai ficar pra outra hora, me falta pegar o resto dos arquivos, e terminar todas as fases com Rank S no Hard, coisa que não farei tão cedo.

9
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...