2021-07-23 09:31:23 -0300 2021-07-23 09:31:23 -0300
anduzerandu Anderson Alves

Registro de finalizações: Doom II

Zerado dia 22/07/21

Caraca, demorei mais nesse Doom II do que gostaria de admitir, mas parte dessa culpa é do outro jogo que tenho jogado outro título paralelamente muito aos poucos (e dado prioridade a ele), além dos problemas da vida adulta.

Eu comprei esse Doom junto com o seu antecessor e o 3 numa promoção bem boa no Nintendo Switch há bastante tempo, bem antes de lançarem Doom 64 na plataforma, mas todos ficaram parados até bater a vontade. Tempos depois comecei o primeirão com amigos e joguei por muitos meses, até cansei! Já o II eu cheguei a abrir e experimentar um pouco, mas adiei um tanto justamente por se parecer demais com o jogo anterior, e eu realmente estava cansado.

Abrindo Doom II você se depara com menus com as mesmas opções de seu antecessor. Há a possibilidade de jogar sozinho, multiplayer, algumas opções e conectar sua conta, o que aparentemente desbloqueia um bocado de cosméticos para jogar online os títulos mais recentes (acredito que o Doom 2016). Há também a opção de baixar "Add-Ons", meio que estágios adicionais que eles disponibilizam.

Acessando o single player, modo que joguei exclusivamente Doom II já que receber visitas atualmente não é lá uma ideia muito boa, pude escolher iniciar a campanha, escolher um nível e carregar um save. Nos dois primeiros casos você ainda determina o nível de dificuldade.

Dei uma olhada no menu de seleção de estágios e, nossa, haviam 32 estágios! O jogo original devia ter uns 10 a menos e foi gigante! Descobri depois que 30 estágios são da campanha e mais 2 são secretos, um baseado em Wolfenstein e um com uns easter eggs de Commander Keen. Mas para completar haviam mais outros 21 níveis numa seção chamada de "Master Levels", que são fases que aparentemente foram adicionadas como numa espécie de DLC na época e que estão inclusas em todas as versões completas do jogo.

Iniciando a campanha eu fiquei muito contente em saber que as fases são assim como os capítulos mais avançados do Doom original, mais focados na ação e menos na exploração que era praticamente um metroidvania. Digo isso porque no jogo anterior eu gastava até horas em uma única fase as vezes tentando descobrir onde estava uma chave ou uma porta e alguns níveis chegavam a ser maçantes, mesmo jogando com 4 players, um explorando para cada lado e quando um pegava uma chave, todos já podiam a usar imediatamente.

Aqui o lance é sair atirando, fica muito claro saber onde você foi pois as fases não são labirínticas e muitas vezes agem mais como uma arena do que instalações alienígenas nazistas bizarras. Além disso, aquela sensação claustrofóbica aqui é muito reduzida e há maior sensação de liberdade, meter o louco e explodir uns demônios ao som de "metal"!

Eu percebi que as fases estavam indo embora até rapidamente. Dificilmente eu gastava muito tempo ou empacava em alguma. No final de cada uma é mostrado quantos demônios faltaram ser mortos, segredos a serem achados e o tempo que você deveria bater, estilo Time Attack, mas eu nunca liguei pra nada disso.

Mas apesar de Doom II ser legal, ele tem um grande defeito pra mim: ele não é memorável. Eu saio de uma fase e começo outra e nem percebo. E aquela fase que achei uma parede com um item legal escondido? Foi nessa? Na anterior? Três fases atrás? Sei lá!

Para dizer a verdade, 90% das fases parecem muito amadoras, sem graça, como se fossem fases de teste ou descartes do jogo original que não entraram nele. A engine parece ser a mesma, os visuais são e tudo foi reciclado! Quer dizer, há uns inimigos novos aqui e ali, mas no geral a sensação é de estar jogando a mesma coisa. E o pior é que ainda lembro de muitas coisas do jogo original, incluindo cenários.

O objetivo continua sendo o mesmo: chegar à saída, que costuma estar numa posição distante ou exigir que você abra alguma porta com uma chave de cor específica. Chave essa que depende de outra chave para ser adquirida e assim por diante.

É normal perder bastante tempo com exploração, encontrar salas e segredos com itens inúteis e ficar tentando se familiarizar com o cenário. É o tipo de jogo que eu gasto 17 minutos para passar de uma fase na primeira tentativa e 2 minutos depois que já sei onde tudo fica.

Uma coisa importante é salvar o seu progresso sempre que achar algo de interesse, estilo o primeiro Half Life, pois sempre acontece algo quando você coleta uma chave ou similar, como um monstro que aparece, e muitas vezes você não está preparado.

Outra coisa que vale a pena mencionar é que ainda há história a ser contada por meio de um texto a cada tantos estágios. É sempre bem superficial, mas ajuda na ambientação para quem curte esse tipo de ação sangrenta e heavy metal, e tenho certeza que na época era ainda mais legal.

Me aproximando lentamente da metade do jogo e já meio cansado depois de tantos dias, percebi que no menu de opções há um sub-menu de Cheats, onde é possível acionar um bocado de coisas curiosas:

-Ficar invisível;

-Conseguir todas as coisas (itens, chaves, armas, munição);

-Entrar no modo Berserk;

-Entrar no God Mode etc.

Testei algumas dessas trapaças aqui e ali, bem legal. Lembro que eu fazia muito isso na época do Duke Nukem no meu N64 assim que comprei uma revista cheia de códigos.

Acabei ainda ativando uma trapaça ou outra dessas na minha jogatina real chegando ao final de Doom II. Eu não queria ativar coisas como conseguir todos os itens, que tornam a jogatina sem sentido se você não tiver que explorar pelas chaves, mas em alguns momentos ativei o modo Berserk simplesmente porque recupera todo o seu HP, pois não tenho o costume de jogar salvando nenhum jogo e as vezes passava muito tempo num cenário e ficava perto de morrer perto do final. Aí sim eu salvava!

Isso foi importante algumas vezes pois no final na aventura as fazes começaram a ficar mais longas e exigir maior exploração e fazem você andar como barata tonta como no Hexen: Beyond Heretic, mas terminei!

Resumindo: Doom II é um jogo bacana, principalmente se você curte o primeiro jogo e quer mais, mas é sério que você ainda quer mais? Também acho interessante a ideia de ir direto para esse, ignorando seu antecessor, sendo que é um jogo mais leve, focado na ação e que vai lentamente dependendo da exploração, justamente o contrário do original, que nesse quesito eu considerei até mal feito. Mas o fato é que fiquei com a sensação de que experimentar ambos é meio redundante. Se você conhece um, você praticamente conhece os dois! Fora isso, foi divertido até e a minha experiência recente com a série me fez jogar um pouco mais rápido, apesar que a falta de originalidade me fez o arrastar um bocado.

De bom: possibilidade de jogar multiplayer em um único console de até 4 pessoas. Conteúdo online disponível a ser baixado. Possibilidade de escolha de nível de dificuldade, fase e trapaças disponíveis em menus. Apesar de que poderia ser maior, há uma certa variedade de novidades.

De ruim: mal parece um jogo diferente, é quase como uma expansão apenas. Fases pouco memoráveis e level design pouco criativo. As músicas em midi são meio decepcionantes e as vezes bem toscas, as vezes nonsense, haha.

No geral, ainda bem que não durou mais, mas fiquei meio receoso com o próximo da série: Doom 64, que só deus sabe quando jogarei. Opiniões? Jogo bacana se você quer conhecer mais a série ou mesmo se quiser conhecer a série. Já jogou o anterior e acha que foi o bastante? Na minha opinião, pode até ignorar Doom II...

Doom II

Platform: Nintendo Switch
8 Players
1 Check-in

17
  • Micro picture
    rafaelssn · about 2 months ago · 2 pontos

    To jogando o novo e tem essas fases antigas nele escondidas, tá bem legal de explorar :-)

    1 reply
Keep reading → Collapse ←
Loading...