2021-07-15 12:56:45 -0300 2021-07-15 12:56:45 -0300
anduzerandu Anderson Alves

Registro de finalizações: Advance Wars

Zerado dia 15/07/21

Até que enfiiiiiiiim! Eu tô jogando esse jogo desde que foi anunciado seu remake pro Switch na E3 2021 (um pouco depois). Grandes hiatos sem postar nenhum zeramento porque eu estava focando nisso aqui.

Para ser sincero, eu já havia jogado Advance Wars há muito tempo atrás quanto estagiava no Banco Central em Brasília lá para 2006, durante o ensino médio. Nessa época eu emulava GBA até dizer chega pela falta do que fazer no lugar. Acabei conhecendo muitos jogos assim, mas eram poucos que eu realmente terminava pois era bem mais casual nessa época.

No caso do AW eu provavelmente só fiz algumas fases. A verdade é que eu não curto muito jogos tactics nesse estilo (acredito que vá curtir muito mais os XCOM e Valkyria Chronicles da vida, mas conheço quase nada desse gênero justamente pelos meus "traumas" do passado).

Começando a campanha, há um tutorial explicando do básico ao avançado durante diversas missões (inclusive eram tantas que acreditei que aquilo poderia ser a campanha, mas não era).

Você aprende a mover os mais variados tipos de unidades, seus alcances de movimento e ataque, fraquezas e resistências contra outras e como o cenário faz parte de toda a estratégia, sendo que veículos terrestres não passar por montanhas, tropas ficam mais lentas em florestas, soldados podem capturar cidades inimigas ou neutras para gerar mais dinheiro a cada rodada e como esses terrenos fortalecem suas defesas.

Logo também conheci o combate: movi um personagem adjacente à outro e mandei atacar. De 10 pontos de vida, o inimigo ficou com uns 2 e eu com 8, pois houve um contra-ataque cara-a-cara assim. Já dependendo do posicionamento ou da unidade e sua vida, poderia ser que nem desse chance para receber tiro de volta ou mesmo dar mais ou menos dano, como como varia atacar um soldado com um soldado igual, um soldado com lança misseis, um dos tanques, aviões ou mesmo unidades que atacam de longe.

Na imagem acima temos um tipo de unidade atacando outra igual, do oponente. Nesse caso eu causo mais dano por ter escolhido atacar, recebendo dano em seguida de acordo com a quantidade de soldados restantes (o que também representa o HP daquela unidade). Já as estrelas ao lado do HP representam a defesa daquela unidade, sendo mais forte caso você ataque de uma floresta, mais forte ainda de cima de uma montanha e ainda mais forte de dentro de uma cidade, o que faz sentido.

Uma coisa que percebi de cara é como esse jogo pode ser complexo, como uma partida de xadrez do mal, muito diferente da sensação de quando joguei Fire Emblem: Awakening, que mesmo tendo o sistema de fraqueza e vantagem em triângulo, eu não sentia a necessidade de usar estratégia nenhuma e simplesmente movia qualquer unidade para o inimigo mais próximo, atacava, ganhava um nível para o personagem e assim por diante até terminar e avançar o enredo.

Aqui não! Caraca, são MUITAS coisas para levar em consideração, desde o posicionamento, a quantidade gigante de tropas, suas vantagens e desvantagens, captura de cidades e como usar os fundos ganhados a cada rodada para criar mais unidades.

Pois é, eu não mencionei isso, mas há a possibilidade de invocar mais unidades as comprando em suas fábricas, portos ou aeroportos (algumas fases chegam a ter os três). Você ganha uma quantidade de dinheiro no início de cada turno seu de acordo com as cidades conquistadas e pode acessar o meu de cada uma dessas construções para aumentar o seu exército, desde que não haja nenhuma unidade em cima desses lugares.

Os preços são altos, o que quer dizer que não dá pra ficar criando aliados aleatoriamente. As vezes você leva rodadas para invocar um único avião de bombardeio (e ele é destruído num único ataque de um tanque anti-aéreo que você não percebeu). Além disso, uma unidade criada fica em cima do ponto de criação, impedindo que você crie mais naquele lugar no mesmo turno, além de ela não poder ser movida até a próxima rodada. 

Nada de sair da fábrica andando e atirando! Mas tomar tiro dos inimigos já é possível!

 Agora com tanta informação para absorver, a campanha foi desbloqueadas e logo eu estava conhecendo o enredo do jogo, que é até divertido, mas nada profundo ou sério.

As vezes você enfrenta um personagem e seu exército por diversos estágios seguidos até aparecer o próximo na história, de cores e estratégias diferentes. O primeiro mesmo é o Olaf, um velho meio burro do exército azul. Depois tem o Grit e seu exército amarelo com estratégias diferentes, o Eagle e seu exército verde focado em unidades aéreas e por aí vai.

Dependendo de como você termina certas missões (eles meio que deixam claro que algo bom pode acontecer), você desbloqueia esses comandantes para usar e mais pra frente dependendo de quem você suar em certas missões, a história toma diferentes caminhos e até aparecem fases a mais na campanha. Bem legal!

Eu sou ruim e meus aliados foram os três da capa do jogo: Andy, Max e Sami. Eles são meio básicos, mas fazer o quê? O jogo não deixa você voltar às missões já concluídas a não ser que reinicie todo o modo história. Poxa, uma missão as vezes dura 1 hora! O resultado disso foi que no final eu sofri um bocado já que cada comandante tem especialidades diferentes, inicia as fases com tropas diferentes e tem poderes diferentes (você pode os ativar depois de causar um dano mínimo nos inimigos, como aumentar a defesa do seu exército no próximo turno).

Apesar de não ser bem meu estilo de jogo, as coisas estavam andando. Alguns dias eu jogava uma fase e só de pensar que a próxima poderia demorar e no final eu ainda perder, eu desanimava. Outros dias eu jogava duas, três, ZERO

O maior problema de AW pra mim é que são muitas coisas para levar em consideração o tempo todo, como já disse. Cada unidade é bem diferente, sendo que as vezes o inimigo te ataca de muito longe ou anda muitos espaços, enquanto o meu time parecia sempre tão limitado. Já o problema dos jogos da Intelligent Systems pra mim é que é tudo muito repetitivo. 1 hora olhando para cenários parecidos, com as mesmas cores, vendo as mesmas animações. A falta de variedade senão na estratégia me cansa demais, e perder uma partida me destrói completamente. Mas ao mesmo tempo, se não houver desafio, qual o sentido?

Por isso gosto de Mario + Rabbids: Kingdom Battle! Cada movimento é importante, há muitas habilidades diferentes que podem desencadear outras e efeitos aleatórios e as partidas são rápidas, fora que mesmo perdendo você dificilmente terá uma partida igual.

Eu definitivamente prefiro o visual original a esse do remake.

As fases foram passando e as coisas foram ficando tensas, mas bizarramente eu comecei a curtir mais o jogo, acho que subconscientemente eu fui me atentando ao uso de cada tipo de unidade e os estágios, por mais que fossem agora mais longos, pareciam fazer sentido inclusive em sua duração. Olhei um walkthrough no gamefaqs.com como quase sempre faço só para ver o índice e o quanto ainda faltava. Pouco!

Nossos personagens continuavam sendo apresentados, como um carinha que era expert em batalha naval, mas felizmente em AW você pode vencer uma partida ou destruindo todas as tropas inimigas ou conquistando seu quartel general, o que me ajudou em diversas fases.

Todas as construções tem 20 de "HP" então um soldado deve usar uma ação de conquista em uma delas duas vezes já que essa unidade tem 10 de HP. Porém, se ele sair de cima do lugar ou morrer, a contagem reinicia. Agora, a parte tensa é que se um soldado tomar dano, ele demora mais para conquistar uma área. Por exemplo, com 5 de HP ele demoraria 4 turnos para conquistar aquele prédio. Com 1 de HP ele levaria 20 turnos.

Chegando nas últimas fases o bicho pegou e o jogo começou e requerer bom uso de todas as tropas, dinheiro e estratégia de verdade, nada muito complexo, mas todo o plano casual ou de força bruta não funcionava.

A última fase foi diabólica e demorou MUITO tempo! Cheguei a perder nela várias vezes, de vez em quando depois de muito tempo, depois de parecer que eu venceria e o inimigo lentamente virar o jogo e as vezes rapidamente. Eu fiquei desesperado em como o nível subiu bizarramente. Até cheguei a pensar em desistir ou procurar um save online (com um time melhor desbloqueado) e tentar novamente, mas deixei de lado. Hoje eu peguei para jogar e, puts, foi moleza! Do nada eu humilhei o chefe final! Foi muito gratificante ter conseguido e não ter roubado.

Nessas minhas buscas eu vi muitos relatos de pessoas que nunca passaram da tal fase em toda a internet e ainda descobri que AW foi bastante censurado de diversas formas mundo afora, desde pequenos detalhes em certos países (China, na imagem acima), até trocas de roupas e cores em outros lugares.

Resumindo: Advance Wars cresceu no meu conceito e é um jogo nada casual. Por outro lado eu me cansei um pouco de ver sempre as mesmas tropas e animações de ataque, além dos cenários parecidos. Com isso e um gosto quase inexistente por tactics (que tento mudar), eu realmente não sei se vou encarar os jogos seguintes no GBA e DS, especificamente. Fora isso, se você curte o gênero, isso aqui definitivamente é um jogão, complexo em suas possibilidades e muito caprichado nos visuais e mecânicas.

De bom: aqueles gráficos bonitos de GBA que parecem envelhecer cada vez melhor! Animações muito fluídas. O jogo parece simples, assim como xadrez parece simples. Há a opção de jogar multiplayer passando o GBA, com até quatro GBA e um único cartucho ou vários cartuchos, o que eu tenho que respeitar demais, fora que jogar contra amigos deve ser sensacional, algo como os primórdios do que seria a rapaziada jogando Warcraft 3 na Lan House!

De ruim: meio repetitivo em jogabilidade, músicas e estética. Partidas mais longas do que eu gostaria. Final tenso. A campanha não permite voltar nas missões já concluídas e tentar refazer objetivos opcionais. Muita coisa para aprender e para usar e AW meio que joga tudo muito rápido na sua cara, mesmo com o tutorial gigante.

No geral, jogo legal e definitivamente tem aquela qualidade que a gente só via nos consoles da Nintendo na época. Já o Remake deve facilitar a campanha, melhorar umas coisinhas e o deixar mais casual, pois não imagino que a geração atual consiga jogar isso. Jogão, mesmo pra mim que não curte o gênero!

Advance Wars

Platform: Gameboy Advance
967 Players
38 Check-ins

16
  • Micro picture
    bobramber · 2 months ago · 2 pontos

    Haha, também achei que o tutorial era a campanha.
    Emulei no celular e mesmo com UM save state, perdia direto, pois era pego de surpresa um ou dois turnos depois, exatamente como descreveu.
    Não tive paciência para ir longe, justamente pela duração de cada fase, pois jogava casualmente enquanto esperava algo e quando precisava interromper não me animava a continuar.
    Parabéns pela zerada na raça!

    1 reply
Keep reading → Collapse ←
Loading...