2020-08-20 13:53:40 -0300 2020-08-20 13:53:40 -0300
anduzerandu Anderson Alves

Registro de finalizações: Pikuniku

Zerado dia 19/08/20

Lembro de ver matérias sobre esse jogo em um monte de sites na sua época de lançamento. Eram tantos textos em todo lugar que logo me convenci que queria o jogo, mesmo não fazendo ideia do que se tratava.

Bem, eu gostava também da arte e do nome! Imaginava que fosse um multiplayer bacana (o que não é bem verdade, no final das contas).

Um tempo depois, vi a esposa do Pewdiepie, a Marzia, jogando com ele num stories do Instagram e a minha curiosidade ficou cada vez maior! Sabe essa onda atual do Fall Guys que você o vê em todos os lugares e o hype te consome? Era mais ou menos isso.

Há uns meses atrás, Pikuniku apareceu numa promoção da eshop do Nintendo Switch por cerca de 4 reais! Eu nem acreditei e comprei na hora!

Comprado e baixado, Pikuniku ficou na fila de espera do console por mais um tempo. Em parte porque eu estava jogando ouras coisas, em parte por eu ainda estar com aquele pensamento "multiplayer" dele.

A espera meio que acabou só quando um amigo de internet que o comprou (depois de eu recomendar o baixo preço) o jogou e o terminou. Depois ele me avisou que a campanha durava cerca de 3 horinhas só e que o foco de Pikuniku era mesmo o Single Player. Acabei abrindo o jogo de curiosidade e vendo o comecinho. Isso há uns meses atrás.

Agora estou jogando um jogo meio lento (e que espero que seja curto) e resolvi jogar algo mais casual e rápido. Adivinha o que pareceu se encaixar perfeitamente nessa descrição?

A minha jogatina de Pikuniku durou apenas duas sessões, divididas em dois dias e até pareceu mais longa do que eu imaginava. Mas definitivamente é uma experiência bem passageira.

Começando a minha jornada, dei uma olhada nas opções, como sempre. Vi que havia a opção de jogar em português! Legal! E diga-se de passagem que a sua tradução é sensacional! 

Já no jogo em si, os visuais e o estilo parecem vir de algum desenvolvedor muito maior, como algo vindo do meio de Wattam ou outras coisas mega japonesas assim, e eu adoro!

Já no controle no personagem, que aparentemente se chama Piku (Niku seria o outro, amarelo, que aparece no modo exclusivo co-op), nota-se que o título tem aquele humor diferente asiático. A movimentação é meio desengonçada, os textos tem umas viagens sutilmente engraçadas, todas as coisas tem poucos "gráficos" e cores, a música é bacana e o seu primeiro objetivo é simplesmente sair de uma caverna enquanto é guiado por um fantasma.

Saindo de lá, comecei a perceber que havia um enredo bem montadinho. Ainda assim eu estava sorrindo a todo momento com os acontecimentos logo no início.

Fui percebendo também que Pikuniku é basicamente um metroidvania simplificado. Os personagens ou cenário as vezes impedem seu progresso e exploração até que você tenha um determinado item. Mas o gênero aqui é definitivamente mais uma de suas sutilezas, pois você acaba quase sempre sabendo exatamente onde ir e mesmo quando não, as possibilidades não são muitas e os cenários são bem abertos.

Depois de alguns vai e vens interessantes (teve uma missão que eu tive que desenhar um rosto pra um espantalho bem legal), eis que vem o que eu não imaginava ver no jogo: o primeiro boss!

Pois é, há alguns chefes no jogo e acaba que cada vez mais Pikuniku tem os pés no chão bem mais do que eu imaginava!

Mas eu estava amando a experiência. A mistura de mundo real com alienígena, acontecimentos bizarros e um bom humor totalmente me ganharam.

O jogo até então estava usando bastante das minhas duas ações principais: pular e chutar, inclusive nesse primeiro boss.

O sentimento é de estar jogando um desenho animado! Um bem japonês (não confundir com Animes).

Fui desbloqueando também diferentes chapéus para equipar no personagem que tem diferentes interações com o cenário, como os óculos escuros que te deixam "estiloso" e permitem que você entre na boate ou o chapéu de regador que permite crescer flores e usá-las para alcançar áreas mais altas.

Curti bastante essas coisa toda do chapéu, mas são poucos e terminei o jogo com cerca de metade deles apenas, sendo que alguns mal usei ainda.

Sutil, mais uma vez, é como o jogo progride e explora seus vilões: basicamente "pessoas" de bem que prometem dinheiro de graça pros cidadãos em troca de explorar recursos naturais.

As pessoas estão sempre de bem com isso (apesar de começarem a apresentar infelicidade em ter muito dinheiro e nada para com quê gastar). A companhia do mal rouba plantações, corta árvores, seca lagos e quer apenas cidadãos perfeitos pelo mundo. Achei bem legal isso e como uma criança encararia a experiência.

Esse tipo de coisa acaba nos levando para diferentes mapas e cidades, novos povos, habilidades e desafios. É normal ficar em um local por algum tempo, explorá-lo (até fazer sidequests), coletar dinheiro e seguir para a próxima quando o jogo mandar (geralmente depois do boss). As vezes você tem que andar de volta para cidades anteriores!

Uma coisa que eu fui gostando cada vez mais é como Pikuniku trás diferentes tipos de gameplay aqui e ali. Desenhar o rosto do espantalho foi apenas o início e se seguiu com coisas como um duelo de dança, perseguições de lancha e várias outras coisas, inclusive puzzles e chefes que demandam diferentes estratégias, por mais que tudo isso seja bem simples, é interessante e funcional!

Por outro lado eu fiquei levemente decepcionado em como o jogo as vezes é muito "normal" ou sério, diferente da viagem psicodélica que eu imaginava.

Pra quem o curtir de verdade ou gostar de fazer 100%, após fechar a campanha ainda é possível andar pelo mapa atrás de todos os coletáveis, como chapéus, itens que dão acesso a lugares opcionais, minigames e até umas criaturas microscópicas que ao as encontrar, elas fazem alguma cena e depois somem (não entendi pra quê).

Há ainda o modo co-op para duas pessoas que inclui desafios exclusivos para fazer com um amigo.

Resumindo: Pikuniku é um jogo super gosto de jogar. Bem japonês, colorido, simples e que não vai te deixar estressado ou cansado. É um daqueles jogos que qualquer coisa pode acontecer na próxima fase e você só quer saber o quê! As vezes você é surpreendido, as vezes é só mais um jogo. Se você curte experiências bem orientais viajadas, vale a pena dar uma chance para ele e suas 3 horas de duração. Pagando 4 reais foi quase um roubo (mas também não valeria muito dinheiro não).

De bom: visual bacana, animações sensacionais. Músicas boas e as vezes excelentes! Humor leve de primeira! Modo co-op e vários colecionáveis para dar uma sobrevida ao jogo. Inclui português como opção de língua e eu super recomendo!

De ruim: o jogo as vezes é "normal demais". Queria mais chapéus e funções obrigatórios.

No geral, curti demais a experiência, mas é um daqueles jogos que você basicamente vê tudo o que ele tem a oferecer em apenas uma zerada. Vou manter no Switch pra ver o modo co-op no futuro e totalmente jogaria um segundo Pikuniku! Recomendo, e da forma mais barata que você encontrar (R$5-R$10).

Pikuniku

Platform: Nintendo Switch
8 Players
1 Check-in

16
  • Micro picture
    jcelove · 11 months ago · 3 pontos

    Pikuniku é muito bom. Foi uma otima surpresa e coisa mais proxima de um sucessor espiritual de locoroco, ate nas musiquinhas bacanas

    1 reply
  • Micro picture
    andre_andricopoulos · 11 months ago · 2 pontos

    Joguinho bizarro...mas só ouço elogios.😁

Keep reading → Collapse ←
Loading...