2021-10-20 20:17:55 -0200 2021-10-20 20:17:55 -0200
bonline André Zanetti Andricopoulos Featured

God of War no PC, é o fim dos exclusivos no Playstation?

Single 3886717 featured image

Mal saiu a notícia de que GoW ganharia a sua versão pra PC, e as redes sociais explodiram em desespero, "a Sony está fazendo errado", "se continuar assim, não haverá mais sentido em ter um console", e outras tantas reclamações.

É perfeitamente aceitável esse sentimento, afinal, muitos de nós crescemos vendo essa indústria tomar forma usando principalmente táticas de exclusividades encima de jogos e empresas desenvolvedoras destes. A Nintendo do final dos anos 80 já fazia isso muito bem com seus títulos diferenciados e de ótima qualidade. Mais tarde, nos anos 90, a Sony principalmente, fazia questão de manter um bom relacionamento com as desenvolvedoras e assim por tabela acabava ganhando a exclusividade de seus produtos (ajudou muito também as vendas do Playstation estarem maiores a cada dia).

Isso perdura de certa forma até hoje. Mas o mercado pode ser impiedoso para as empresas que não conseguem lê-lo, que não conseguem ter um planejamento claro para o futuro, ou que não consigam abrir mão de dogmas empresariais que de um momento para o outro inacreditávelmente se mostram ultrapassados.

O mercado de vídeo-games e consoles obviamente não é diferente de outros segmentos em sua essência, pois esse se tornou cada vez mais letal para aqueles que subestimaram o poder cada vez maior da internet e dos muitos segmentos que foram totalmente modificados somente pela forma como os consumimos hoje em dia.

Ao contrário de antigamente que praticamente não existia muitas opções de se obter um jogo original (dependendo do título, até pirateado era difícil de achar), a oferta de jogos hoje em dia é vasta, beirando a saturação, de graça, e por meios legais. Os games cinematográficos atuais possuem orçamentos maiores do que muitos grandes filmes de Hollywood, isso era impensável na quinta geração.

Mas voltando diretamente ao assunto, claramente existe a necessidade de empresas como a Sony Playstation expandir seus produtos à novos usuários, pois futuramente será inviável manter o modelo clássico de negócios da forma que conhecemos antes porque além de custarem muito para serem produzidos, atingem públicos cada vez mais "nichados", por mais aberto que seja o título.

Provavelmente a Nintendo hoje seguiria o mesmo exemplo de Sony e Microsoft se lá atrás não tivesse tomado a polêmica decisão de se retirar da disputa aberta por tecnologia de hardware de ponta com essas empresas. Como resultado, vemos que isso deu certo pra ela, pois teve que se reinventar a tal ponto que hoje chega a ser chamada até de "Apple dos games".

A Microsoft aposta nos serviços, mesmo mantendo um custoso serviço de nuvem para degustação de games e fidelizando seus usuários através de mensalidades, nada impede que os jogos ofertados em seus sistemas e no PC sejam muito bem vendidos no final das contas.

No caso da Sony, ela oferta jogos que já cumpriram seu ciclo útil na sua plataforma, pois esses não possuem componentes que os mantenham em evidência durante tanto tempo como um jogo que visa o multiplayer online como sua principal característica. Os títulos por ela disponibilizados até o momento já se pagaram em sua plataforma, então:

1) A empresa visa uma sobrevida à títulos que custaram muito para serem produzidos, assim fazendo mais dinheiro com eles em outra plataforma.

2) Visa nesse novo público potenciais consumidores de seus futuros jogos (muitas das vezes continuações daqueles disponíveis em plataformas secundárias) em sua plataforma exclusiva.

Isso não faz com que títulos que tenham sua identidade intimamente ligada ao Playstation, como GoW, fiquem deslocados a ponto de não serem mais os principais bastiões que ajudam a vender aparelhos, pelo contrário, passam a ser os principais meios de pescarem novos usuários para seu sistema. De outra maneira, se agarrando à velhos dogmas, o futuro da companhia parece incerto da maneira como a conhecemos agora, e o mercado perdoa cada vez menos quem não se planeja para o futuro. 

God of War

Platform: Playstation 4
1578 Players
550 Check-ins

30
  • Micro picture
    miguelpardal_art · about 2 months ago · 2 pontos

    so digo uma coisa SO VEM

  • Micro picture
    andre_andricopoulos · about 2 months ago · 2 pontos

    Vou dar CRTL C nos posts desse assunto.. Minha opinião:

    É um tema polêmico. EXCLUSIVOS são necessários (Mario é Nintendo, CHIEF é XBOX, e GOW é SONY.). Acho que tudo deve existir: MULTI, EXCLUSIVO, MIGRAÇÕES (esqueci o termo correto).
    ...
    Acho também muito cedo o GOW, de 2018, ir pra PC em 2022 (acho que li que será em 2022 né?).
    ...
    Alan Wake, do XBOX por exemplo, só veio pro PLAY após uns 10 anos (2010 / 2021).
    ...
    Mas enfim, fato é que é extremamente desnecessário pirar desse jeito. EXCLUSIVOS sempre vão existir... só não sei por quanto tempo...😁😁😁

    4 replies
  • Micro picture
    artigos · about 2 months ago · 2 pontos

    Parabéns! Seu artigo virou destaque!

  • Micro picture
    santz · about 1 month ago · 2 pontos

    A Microsoft já não usa essa tática de exclusividade a muito tempo, mas nem por isso o pessoal deixou de comprar os Xbox.

  • Micro picture
    onai_onai · about 1 month ago · 2 pontos

    Oba! Hehe...

  • Micro picture
    willguigo · about 2 months ago · 1 ponto

    Muito bom!

  • Micro picture
    kess · about 1 month ago · 1 ponto

    Parabéns pelo texto. Muito bem construído, e com uma visão bem realista do movimento que a Sony faz. E não é uma tendência nova, reaproveitar jogos que estão ficando antigos e os "requentar" em outras plataformas.

Keep reading → Collapse ←
Loading...