2020-05-17 00:12:26 -0300 2020-05-17 00:12:26 -0300
zyotic Fellipe Guimarães Fortes checked-in to:
Post by zyotic: <p><strong>Final Fantasy II - A new journey began..
Final Fantasy II

Platform: PSP
515 Players
71 Check-ins

Final Fantasy II - A new journey began.... (Prólogo)

Depois de zerar o remake  de Final Fantasy I no PSP decidi já ir direto para o próximo jogo da franquia também na versão de PSP.

Sinceramente eu acho esse jogo muito subestimado pela comunidade, como se ele fosse um tipo de patinho feio que não merece ter uma chance apenas por que veio com um sistema de progressão completamente diferente de tudo visto na franquia.

O grande diferencial aqui é que não existem LVLs ou XP. Cada atributo, magia e perícia com arma aumentam individualmente conforme você vai realizando ações relevantes em combate: Você recebe dano e aumenta seu HP e Stamina. Você usa magia e aumenta o lvl dela e sua inteligência. Você ataca com um tipo de arma e melhora seu dano com ela.
Algo como Skyrim se fosse um jRPG de turno nos anos 80. E a principal reclamação de todo mundo que vai criticar esse jogo é sobre como você tem que atacar seus próprios personagens para grindar e como isso quebra completamente o jogo. Mas será que FFII é realmente apenas isso? A resposta é não!

O jogo original de NES era realmente um pesadelo de grind, mas em seus remakes mais modernos ele é completamente rebalanceado e ficou muito mais fácil progredir nos seus atributos sem você precisar ficar se atacando toda hora. É perfeitamente possível aproveitar a história e seus desafios com um minimo ou mesmo nenhum grind. (Mas se você gosta de fazer "power leveling" e se sentir um semi deus no jogo você pode!)

Eu já tentei jogar FFII no passado mas acabava sempre deixando ele de lado e perdendo interesse, então essa será a primeira vez que eu vou jogar até o final. Embora eu já conheça a história vai ser minha primeira vez experimentando ela, então vamos lá!

E o jogo começa exatamente assim: morrendo. (Achei que era Final Fantasy e não Dark Souls)
Zoeiras a parte, aqui somos apresentados a um mundo que está sofrendo com o reino de tirania de um homem conhecido apenas como The Emperor, que reuniu um exército de soldados e monstros para lançar uma campanha de dominação mundial.
O reino livre de Fynn foi um dos muitos que caiu em um ataque coordenado pelo exército do Emperor e nossos protagonistas são órfãos que perderam suas casas e famílias durante o ataque. Na sua tentativa de fuga eles são alcançados pelos soldados e deixados à beira da morte.

Felizmente alguns rebeldes que escaparam de Fynn nos encontram e somos levados para sua base secreta na cidade de Altair. Lá nos recebemos os cuidados do white wizard Minwu e sobrevivemos para lutar mais um dia.

Ao acordar, Firion se reencontra com seus amigos de infância Maria e Guy, mas nenhum deles sabem dizer onde foi parar Leon, irmão de Maria e nosso quarto integrante no começo do jogo.

Tudo bem, vamos acabar encontrando ele em algum momento. Quer dizer, não é como se ele tivesse ficado com amnésia e indo parar do lado dos caras mal certo?

Enfim, os 3 protagonistas decidem pedir a rainha de Fynn que lhes deixem ser parte do exército rebelde, mas ela recusa pois os veem apenas como crianças. Ela sugere que recomecemos nossas vidas nessa cidade que é aliada dos rebeldes e que basta saber a palavra chave (Wild Rose) para abrir algumas portas por aqui. Essa é a primeira introdução de mais um novo sistema incluído nesse jogo, o sistema de Key Words e Items que podem ser aprendidos e falados em diálogos com alguns NPCs importantes para avançar na história.

Por algum motivo as pessoas também odeiam isso nesse jogo, mas sinceramente não tem nada de difícil nele. É muito fácil achar as palavras chave certas e usá-las nos personagens certos para progredir. Você só precisa no mínimo estar prestando atenção na história!

Como bons protagonistas órfãos de RPG que somos é claro que vamos ignorar os pedidos da rainha Hilda e ir direto para Fynn tentar nos infiltrar e provar nosso valor buscando alguma coisa que ajude os rebeldes na luta.

Mas antes vamos a minha estratégia de jogo: Como aqui nós temos total liberdade de montar nossos personagens como quisermos minha ideia é fazer todo mundo híbrido usando de tudo um pouco conforme avançamos na história. Firion vai ser o usuário de espadas e magia de fogo da party, Maria teve seu arco trocado por uma lança e magia de trovão e Guy ficará como o usuário de machado e magia de gelo. Todos também vão usar as magias de cura e suporte conforme forem sendo disponibilizadas e todos vão usar escudo combinados com suas armas de uma mão, por que eu ouvi dizer que é muito melhor ser defensivo do que fazer dual wield no longo prazo.

Esses primeiros minutos de jogo espero ser um dos meus únicos momentos de grind, pois como eu acho que os personagens começam com HP muito baixo e diferentes uns dos outros decidi igualar e aumentar um pouco seu valor. Foi assim que eu os deixei para dar continuidade a história do jogo.

3
  • Micro picture
    kalini · 3 months ago · 1 ponto

    Obrigada por ter dado a magia de trovão pra Maria, porque nossa, já tava cansada de ver tanta mulher em RPG usando agua/gelo/vento/cura/alguma coisa mole, haha!

    Eu também tentei jogar o remake. A unica coisa que curti foi a CG no começo, com o Imperador Rita Repulsa aparecendo com sunhas unhas chiquerrimas, haha, mas na hora de jogar não aguentei, pois achava bem primitivo os dialogos, bem incondizente com os graficos. Depois vou ver o original.

    1 reply
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...