You aren't following theterrorofdeath.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • gradash Elton Gradash
    2020-04-02 08:53:10 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    YGO Omega

    Yu-Gi-Oh é o melhor card game que existe, o problema dele é a Konami, então o que acontece quando você remove este problema?

    Faz tempo que a comunidade do YGO faz jogos/ferramentas não oficiais para se jogar YGO, mas desta vez se superaram, este é o subistituto do YGO Pro 2. E mano, tá FODA!

    Chupa Konami, aprende a fazer coisa direito!

    AH! E ele vai contar com todos os formatos de jogo e você vai poder escolher.

    Sendo eles WCS, OCG, TCG, Speed (Duel Links), Rush (novo formato que só foi anunciado ainda e nem será colocado a venda, será só do anime).

    23
    • Micro picture
      raiden · 11 months ago · 2 pontos

      FucKonami

    • Micro picture
      nicholasaraujo0 · 11 months ago · 1 ponto

      Eita

    • Micro picture
      ersatzgott · 11 months ago · 1 ponto

      Muito bacana, mas não gostei do layout das cartas ser o novo de Rush Duel, não é como se o layout antigo tivesse sido abandonado

      1 reply
  • jugemu 寿限無
    2020-04-03 07:24:46 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
  • jugemu 寿限無
    2020-01-31 08:53:21 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    30
  • _gustavo Luis Gustavo Da Luz
    2020-01-03 16:33:52 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Wizardry: Labyrinth of Lost Souls verá a luz do dia

    Dia 15 de Janeiro na Steam

    Enrolado com processos complicados devido a marca Wizardry, o terceiro Spin-Off, Labyrinth of Lost Souls, foi adiado de seu lançamento de Junho do ano passado, para Janeiro deste ano, a XSeed anunciou

    O jogo chega por $14.99 com 10% de desconto na semana de lançamento

    Wizardry: Labyrinth of Lost Souls

    Platform: PC
    2 Players

    22
    • Micro picture
      le · about 1 year ago · 3 pontos

      Agora Wizardry passou a ser animezão total? Nem sabia disso. Porque sempre foi um jogo japonês, mas em estilo ocidental em tudo, né?

      1 reply
    • Micro picture
      kipocalia · about 1 year ago · 2 pontos

      Aleluia

  • _gustavo Luis Gustavo Da Luz
    2019-07-23 09:48:18 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Super Robot Wars V e X a caminho do PC e Switch

    A Bandai Namco anunciou que trará Super Robot Wars V e Super Robot Wars X para o PC e Switch.

    Os games foram lançados originalmente para o PS4 e Vita em 2017 e 2018. A mais recente edição da Famitsu trouxe (em Japonês) uma preview dos ports.

    A data de lançamento não foi revelada.

    Super Robot Taisen X

    Platform: Playstation 4
    4 Players
    1 Check-in

    31
    • Micro picture
      manoelnsn · over 1 year ago · 3 pontos

      Quanto mais jogo no Pc, melhor!

      1 reply
    • Micro picture
      xch_choram · over 1 year ago · 1 ponto

      Quanto mais jogo no Switch melhor tbm :D

    • Micro picture
      gustavobarbosa94 · over 1 year ago · 1 ponto

      Passei rápido e pensei que fosse Viewtiful Joe ;-;

  • jcelove José Carlos
    2019-07-03 02:17:41 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Alguns clichês que me irritam em JRPGs

    Medium 3731268 featured image

    DISCLAIMER:O texto a seguir nao tem intenção de diminuir ou atacar o gênero JRPG. O autor adora esse tipo de jogo desde a adolescência e joga a mais de 20 anos todos os subgêneros possíveis de JRPG sem hate ou preconceitos. O artigo lista ALGUNS clichês clássicos do gênero mas que de forma alguma o resumem ou definem. É possível retirar ou modificar todos esses abaixo listados e um jrpg vai continuar sendo jrpg. Existem vários outros elementos característicos que definem muito mais esse tipo de jogo: a jornada épica e imersiva, a cara de anime, os inúmeros sistemas de batalha, a narrativa com background pré estabelecido e personagens "prontos", os sistemas de level, status, magias...É muita ignorância (no sentido literal) presumir que os chamados clichês a seguir são a caracterização primaz desse gênero. O objetivo do texto não é expelir munição pra haters, (ate porque hater não precisa de argumento) e sim mencionar coisinhas que irritam o autor mas que nunca o impediram (por si só) de jogar um game que possua todos eles ate o fim e gostar, por mais que isso não seja compreensível pro conceito fechado que talvez você criou do que se consiste um jogador de Jrpg "de verdade". Mudei o titulo também porque odiar é uma expressão pesada e que o pessoal aqui realmente leva a serio. Se não desistiu de ler o artigo ainda, agradeço e espero que se divirta como eu me diverti pra escrever (antes de me arrepender). Obrigado!


    Os Jrpgs tem várias características que os tornam mais atrativos que RPGS ocidentais pra muita gente: a pegada de anime épico, as histórias mais lineares e focadas em personagens com background pré-definido, os diversos sistemas de batalhas (turno, tático, em tempo real, etc), as longas jornadas...mas como tudo na vida eles tem seus problemas também, especificamente alguns clichês de design que acabaram virando elementos meio que tradicionais do gênero com o passar dos anos. Vamos ver alguns que me irritam muito e talvez incomodem você também. ou não!^^

    Grind

    Grinding (moer/esmerilhar) é uma expressão usada pra representar a exaustiva e quase sempre obrigatoria tarefa de ficar repetindo batalhas aleatórias só pra ganhar XP e subir de nivel, porque algum boss está impedindo o avanço na história e geramente ganhar nivel é o meio mais fácil (as vezes o único) para resolver o problema. 

    Mais comum em jogos com batalhas por turnos, séries clássicas de ação como Ys também exigem bastante tempo de treino pra poder vencer cada boss. 

    Adorada no Japão e marco inicial do gênero por lá, Dragon Quest é de longe uma das séries que mais castigam os fãs com grind leeeeento e obrigatório pra avançar. Existem meios de facilitar o ganho de XP mas tem que ter as manhas do jogo pra caçar Metal Slimes.

    O primeiro jogo da série por exemplo, tem uma única quest e levaria menos de 1h pra terminar se você não tivesse que ficar mais 4h rodando pelo mapa e lutando pra ter condições de enfrentar o boss...é mais enrolação que filler de Naruto!

    Random Batte

    As batalhas aleatórias surgiram da limitação dos hardware em exibir inimigos na tela e acabou virando uma tradição do gênero. Nos jogos de Nes e Snes, não é raro se ter uma taxa de encontros aleatórios do tipo, uma a cada 2 passos dentro das dungeons. Há quem em pleno 2019 ainda ache legal ficar lutando sem parar numa dungeon que levaria poucos minutos pra ser explorada se a CPU não ficasse te mandando o mesmo grupo troll de inimigos a cada movimento que você faz, mas patircularmente eu sempre odiei isso e pouca coisa me irrita mais que querer avançar na história e levar horas preso numa dungeon qualquer por causa de random battle. Quando se está com pouco item/HP/MP então...é um inferno!

    Grande maioria  dos jogos tem aquela mania irritante de te transportar pra outro cenário, geralmente com um efeitozinho de transição irritante, só pra te fazer esquecer de onde você veio naquele labirinto interminável.

    Assim como o grind, é um elemento que muito japa gosta por isso ainda é relativamente fácil encontrar jogos recentes com random battle, principalmente os dungeon crawlers. 

    Por mim todo jogo deveria seguir o esquema de Bravely Default (3ds) que permite controlar a taxa de encontros aleatórios a qualquer momento, podendo até anular as batalhas, o que é perfeito quando se quer apenas avançar na dungeon e seguir a história. precisa ganhar xp? Colocar as batalhas no máximo quando tiver afim e pronto. Joguem BD, apesar da segunda metade frustrante só por isso já merece seu respeito.

    Random Number Generator (RNG) 

    Ah, o "amado" sistema de "loteria"...tão a ver com RPG...tão perverso na maioria das vezes!!U_U.

    Se você joga SRPGs ou jogos baseados em loot de equipamentos, criação de armas e tals, deve saber da sensação de esperar por algo que depende da CPU jogando dados viciados por você. quem nunca viu aquele 100% de acerto num ataque em Tactics ogre/FFT virar um MISS gigantesco acompanhado de punição infalível, ou ficou HORAS repetindo uma batalha a espera daquele drop que tem taxa de 1 em 255? É tipo jogar na loteria, você no fundo sabe que não vai rolar mas continua insistindo por pura falta de amor próprio.

    Limite de personagens na party

    Essa é outra característica que nasceu de limitação dos consoles mas depois virou tradição: você tem um grupo de 6 a  8 herois mas por algum motivo, só pode usar 3 ou 4 nas batalhas mesmo que pra efeito narrativo todos os  estejam juntos. Em jogos com partys gigantescas como Suikoden ou Chrono Cross até que da pra levar, mas não faz sentido na maioria dos outros.

    Alguns ainda tentam empurrar uma desculpa pro limite de 3/4 na batalha mas a maioria nem tenta explicar. Poucos jogos até hoje possuem sistemas de batalha que permita usar todos os personagens disponíveis, como em FF X, BoF 4 e Xenosaga. Deveria ser padrão se todos estão no mesmo lugar.

    Só o protagonista aparece na tela

    Outro clichê que só existe hoje por tradição: Tem lá a equipe de 8 personagens mas todos "entram" no protagonista durante as partes de exploração, mas saem dele quando rola uma cutscene. Antigamente até dava pra entender, mas mesmo no Snes já tinha Chrono Trigger provando que não se faziam os membros do grupo acompanhando por preguiça/costume mesmo. É no mínimo bizarro num jogo atual, mas ainda bastante comum, inclusive no elogiado Bravely Default que citei com elogios  a acima. É um dos "defeitos" dele.XD 

    Turno "dinâmico"

    A Active Time Battle (ATB pros chegados) foi um sistema de batalha criado pela Squaresoft em FF IV que se tornou bem popular entre os JRPGs por turno e até em jogos ocidentais como Speterra Core e Anachronox com o passar dos anos. O conceito desse sistema é deixar as batalhas por turno mais dinâmicas ja que o jogador não tem tempo infinito pra pensar no seu turno porque tem uma barrinha se enchendo em tempo real tanto pra ele quanto pros inimigos, e se demorar demais vai levar ataques sem pena. 

    Entendo quem curta mas pra mim não faz sentido algum. Se peguei um jogo com batalha por turno não quero ter que ficar correndo pra me decidir toda hora, quero ter calma, pensar bem, bolar estratégias enquanto a cpu espera pacientemente por minha boa vontade. Acho bacana quando se tem a opção de usar ou não a ATB, sempre desligo quando dá.

    Tem tbm aqueles jogos que empurram minigames "legais" no meio da batalha, como as aditions de Legend of dragoon ou o troca troca de botão dos Mario & Luigi ou as sequencias de Legend of Legaia. Nas primeiras horas são ate legais, mas depois da 500° luta você ta suplicando que tudo acabe.

    Cutscene longa e "impulável" (mesmo depois de já assistida)

    Essa é maiscomum dis 32bits pra frente, ja que as CGs permitiram cenas bem mais trabalhadas.

    RPG bom gira em torno de uma narrativa envolvente, é isso que geralmente se espera do gênero. Dai os desenvolvedores capricham nessa parte, elaborando cenas épicas pra contar a história daqueles heróis, com cutscenes longas e bem cinemáticas que te fazem ficar grudado na tela empolgadaço...exceto quando isso ocorre num boss que te pegou de surpresa e massacrou sua party e você está repetindo todo trecho ansioso pra derrota-lo e é obrigado a assistir os 35 minutos de história novamente porque os devs acharam que ficou tão legal que você NUNCA pularia tais cenas se pudesse, mesmo após ja te-las assistido.

    Ah como penei na ultima batalha de FF X. Levava mais tempo assistindo a cena que na batalha já que o boss me destruia rapidinho...

    Que que custa acionar um botaozinho de skip após o jogo ja ter exibido a cena uma vez (como na maioria dos Kingdom Hearts por exemplo)?

    Ainda faltaram alguns, muito rage e mimimi ao longo desses anos jogando.hehe. 

    Sei que tem gente aqui mesmo na Alva que curte mais que um desses elementos, outros que acham que eles são intrínssicos ao gênero...gosto é gosto né?hehe

    E você, tambem tem uma lista de clichês que  detesta ou curte, ou detesta e não mencionei? Conta ai, que talvez ate anime de fazer a parte 2.

    Final Fantasy X HD

    Platform: Playstation Vita
    397 Players
    47 Check-ins

    105
    • Micro picture
      grindingcast · over 1 year ago · 4 pontos

      Vamos lá, já que me invocaram aqui tenho que fazer minha parte como o defensor dos JRPGs :v
      Primeiramente, quero parabenizar pelo belo artigo o/
      Segundo, não estou criticando o artigo em si, e sim um problema que tenho visto na midia geral de vídeo game, sobre a visão do mercado e pessoas sobre JRPGs.
      Esse é um assunto que vamos discutir no podcast esse ano ainda.
      Temos que tomar muito cuidado ao falar de clichês, principalmente para falar negativamente, pois clichês são a base que constroem todos o gêneros e quando falamos deles, sem tomar o devido cuidado, acabamos por generalizar o gênero por jogos que usaram eles de forma porca, e criando uma falsa percepção do que um JRPG.
      As reclamações do @jcelove são validas e corretas, porém acredito que elas falam muito mais dos problemas no uso desses clichês dos jogos citados e alguns outros, coisas que só existiam a 30 anos atrás e algumas questões de gosto pessoal (o que ta certo ninguém é obrigado a gostar de algo) , do que coisas que definem o gênero.
      E essas coisas negativas que foram citadas desses jogos, são como muitas pessoas definem e veem o JRPG hoje, sim tem gente que acha que JRPG ainda é tudo igual a DQ1, quando na verdade os cliches sim estão na maioria deles, mas a mal aplicações e erros não, na minha experiencia com JRPGs, a grande maiorias deles não me obrigou a fazer a grinding e muitos deles eu fiz o grinding por vontade propria de tão recompensador e divertido que é o sistema de evolução e não porque o jogo me obrigou a faze-lo.
      Cutscene longas "impulável" são erros estruturais de vários jogos, dos quais o desenvolvedor deveria levar uns tapas na bunda.
      Apesar do ATB ser invenção do FF, outros jogos o pegaram a criam dinâmicas diferentes com ele que não tem os problemas citados no artigo, um exemplo disso é Grandia, e Random Battle graças a deus n existe mais, é uma coisa do passado.
      Por fim, acho o artigo do @jcelove muito valido como uma critica a todos os jogos que usam de forma porca os clichês, mas acho que não vale como uma critica ao gênero em geral.

      6 replies
    • Micro picture
      vinicios_santana · over 1 year ago · 3 pontos

      Invocando a entidade @grindingcast
      Gostei da lista, o que mais detesto mesmo são os encontros aleatórios numa taxa maior que a normal e grindar. É frustrante passar por uma dungeon com certa facilidade e no boss morrer em dois hits. Algo não está certo, se a dungeon fosse difícil o tempo todo, você já saberia o que esperar do chefe e se prepararia, mas quando é mal balanceado, e você tem que repetir a mesma dungeon duas, três vezes, é teste de paciência. Nessas horas costumo ouvir podcast enquanto ando numa reta e aperto x,x,x,x, volto da reta e continuo no x,x,x,x,x.

      3 replies
    • Micro picture
      emphighwind · over 1 year ago · 3 pontos

      Boa parte dos jogos tem uma forma de manipular encounter rate através de recurso(repel de pokemon, estoma e riberama de MegaTen), acho esta solução bacana, não necessariamente precisa ser um slider de graça como na versão global de Bravely Default.

      Pior que até Dragon Quest antigão já tinha o lance dos party members seguirem o MC ao invés de se fundirem.

      Imagino que limitação de slots na party seja por questão de balanço mesmo, me incomoda mais é coisas como Octopath em 4 dos personagens ficam sem ganhar xp por não participarem das lutas e geralmente dependendo de como você joga é bem capaz de 3/4 ficarem overleveled enquanto o resto fica underleveled, dai no true final boss que tem que usar todo mundo se ferra e muita gente parece que quitta do jogo nesta parte por causa deste true final boss.

      2 replies
  • 2019-06-24 17:25:17 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Uma RE-introdução a série Neptunia !

    Olá meu povo !

    Percebi que recentemente tem crescido o interesse do pessoal na série Neptunia, mas muitos ficam perdidos por onde começar porque convenhamos, pensa numa série pra ter tanto jogo, atualmente são 10 (na verdade 13 mas 3 deles não são tão essenciais assim) games da série. Estou desconsiderando também os 3 games lançados no PS3 antes do primeiro Re;Birth.

    A ideia é dar uma introdução rápida de cada game já lançado, as datas de lançamento condizem com a página dos games na Steam, mas é só a ponto de curiosidade

    Também é legal conferir o post de:

    Introdução as personagens principais da série

    E eu estou preparando o post monstro das referencias da série (que não são poucas) e os dois posts do inicio da persona serão provavelmente apagados em favor desse novo porque honestamente

    Não gosto deles (ツ) Anyway

    Bora

    Hyperdimension Neptunia Re;birth 1 - Lançado em 28/01/2015 - Versões de PC, Vita, PS3 e PS4

    Re.birth 1 serve como uma introdução a série, ele se passa num universo alternativo mas cabe bem na proposta de introduzir personagens, mundos e os sistemas do jogo que serão expandidos depois.

    Re;birth 1 é o único jogo da série até então onde você tem todas as personagens convidadas a disposição, ele ainda recebe pequenas DLC, as mais recentes trouxeram personagens de Re;birth 2 não jogáveis para a party, como os conselheiros de cada uma das nações.

    Hyperdimension Neptunia Re;birth 2 Sister's Generation - Lançado em 29/05/2015 - Versões de PC e Vita 

    Rebirth 2 começa com Neptune, Noire, Blanc e Vert sendo aprisionadas e cabendo a suas irmãs menores o resgate, daí o subtítulo Sister's Generation. O game expandiu a quantidade de finais, são 1 para cada nação, 1 para as personagens convidadas, 1 True Ending e 1 Bad Ending, chamado Conquest e conhecido pelos fãs da série como o final mais deprê de Neptunia kkkkk.

    Hyperdimension Neptunia Re;birth 3 V Generation - Lançado em 30/10/2015 - Versões para PC e Vita

    Rebirth 3 se dá após o true end do segundo jogo, onde tudo está indo bem mas depois de alguns eventos iniciais Neptune vai parar numa outra geração da Hyperdimension, remetendo quase que ao que seria a industria dos games nos anos 80. O Jogo é o primeiro a introduzir Plutia oficialmente na história, já que ela é apenas uma convidada no ReBirth 1

    Hyperdimension Neptunia Action Unleashed - Lançado em 21/03/2016 - Versões para PC e Vita

    O primeiro Spin-Off da Lista é um Hack-n-Slash de Arenas similar a Senran Kagura, inclusive produzido pela própria Tamsoft empresa responsável por SK. Deixando os turnos de lado Neptune, Noire, Blanc e Vert, além das novas Famitsu e Dengeki (famosas revistas de games Japonesas) devem fatiar hordas de inimigos.

    Hyperdevotion Noire Goddess Black Heart - Lançado em 26/04/2016 - Versões para PC e Vita

    O Segundo Spin-Off é protagonizado por Noire e se passa em GameMarket um universo totalmente paralelo a série. Produzido pela Sting, conhecida principalmente por Evolution do Dreamcast, o jogo é um SRPG similar a Final Fantasy Tactics, Disgaea e outros.

    Devido a natureza do estilo de game. Noire é o jogo com o maior número de personagens, 18 foram criadas exclusivamente para ele, além de 4 personagens DLC (If e Compa, Sting a produtora do game e Tiara de Fairy Fencer F, game que na época estava sendo promovido pela Compile)

    Megadimension Neptunia VII - Lançado em 05/07/2016 - Versões para PC e PS4

    O terceiro (ou quarto se considerarmos ReBirth1) game da série, principal, também conhecido como Victory II, trouxe uma nova engine (que depois serviu de base para o remake de PS4/PC do Fairy Fencer F, Advent Dark Force). O game dessa vez se passa em três dimensões diferentes

    No Game Neptune novamente vai parar em outra dimensão, inicialmente na Zero Dimension onde ela conhece a Orange Heart, Uzume Tennouboshi, e também sua versão adulta. Depois muda para a Hyperdimension onde somos introduzidos ao grupo The Gold Third que toma o lugar das CPUs, e mais tarde para a Heart Dimension quando Neptune e Uzume conseguem sair da Zero Dimension e se juntam a Noire, Blanc e Vert..

    Como ultimo da série principal até então, VII é o maior dos games.

    O game foi recentemente relançado com suporte a VR, intitulado Megadimension Neptunia VIIR, mas a versão retirou algumas coisas da versão normal, como os personagens convidados, e finais, exceto o true end.

    Megatagmension Blanc + Neptune vs Zombies - Lançado em 31/10/2016 - Versões para PC e Vita

    Lançado no dia das bruxas. O terceiro spin-off usa uma engine de Action U aprimorada, agora com suporte a Coop; No game as Deusas são enviadas a universidade para estudar melhor o comportamento humano, mas eventos acontecem e a universidade precisa ser fechada, como saída Neptune funda um clube de filmes de terror e chama Blanc para ser a roteirista da história (daí o título). O game também foi feito pela Tamsoft, inclusive a própria Tamsoft aparece como personagem desta vez.

    Vale citar também que ele possuí inúmeras referencias a filmes e séries de terror, como Night of the Living Dead, Halloween,  entre outros. 

    Superdimension Neptune Vs Sega Hard Girls - Lançado em 12/06/2017 - Versões para PC e Vita

    O quarto Spin-Off desta vez traz Iffy como protagonista e uma Neptune transformada em moto. Iffy deve investigar o desaparecimento da história de Gameindustry para isso ela conta com ajuda da nova personagem, Segami e das Sega Hard Girls, GameGear, Dreamcast, Saturn e Genesis.

    Apesar de ser um Spin-Off, SHG tem o mesmo gameplay em combates da série principal. As novidades ficam por conta de "gimmicks" encontrados nas dungeons, como paredes que podem ser escaladas, ou estruturas para se pendurar.

    Cyberdimension Neptunia 4 Goddesses Online - Lançado em 27/02/2018 - Versões para PC e PS4

    O quinto Spin-Off, novamente um Hack-N-Slash, agora com forte influencias no coop e nas partidas online como o jogo sugere, entretando pode ser jogado completamente solo.

    Na história as 4 Deusas são escolhidas como Beta Testers da nova versão do game 4 Goddesses Online. O game é cheio de referências a esse estilo, como Sword Art Online ou .Hack. Cada uma das protagonistas possuí uma classe, Neptune é uma Paladina, Noire uma Black Knight, Vert uma Enchantress e Blanc uma Priest. As irmãs mais novas também aparecem como jogáveis novamente, Nepgear como Mage, Uni como uma Thief, Ram de Ninja e Rom de Samurai.

    O jogo é o primeiro a utilizar a Unreal Engine 4.

    Super Neptunia RPG - Lançado em 20/06/2019 - Versões para PC, Switch e PS4

    O mais recente, e Sexto Spin-Off da série é o primeiro game feito por uma empresa ocidental, a Artisan Studios do Canadá. O game dessa vez tem uma perspectiva de exploração e combates em 2D com cenários desenhados a mão e usa a Unity como engine.

    No game Neptune, Noire, Blanc e Vert estão sem memória e contam a ajuda de uma garota chamada Chrome para enfrentar a Bombyx Mori uma organização que impede o desenvolvimento de games em 3D numa versão alternativa da Hyperdimension.

    O nome completo do game é Brave Neptune: World & Universe! Pay Attention!! Ultimate RPG Declaration! Mas a empresa resolveu não usar o nome traduzido do Japones por ser muito grande kkkk.

    ---

    Além destes existem ainda 

    Hyperdimension Neptunia: Producing Perfection um exclusivo de Vita com estilo de VN onde devemos gerenciar a carreira de Idol da Deusa escolhida.

    E o recente Neptunia Shooter, um Shmup side-scroll lançado exclusivamente na Steam.

    A série também caminha para um novo jogo ainda não oficializado mas já revelado, chamado e-Ninja Neptune, além de um novo OVA que terá Megadimension VII como base aparentemente.

    That's all Folks o/ Até o próximo

    _Gustavo

    38
    • Micro picture
      manoelnsn · over 1 year ago · 3 pontos

      @the_muriel tu deve conhecer todo esses aí, ahuahua

      1 reply
    • Micro picture
      emphighwind · over 1 year ago · 2 pontos

      Os caras realmente botam debaixo do tapete a trilogia inicial do PS3.

      3 replies
    • Micro picture
      hukori · over 1 year ago · 2 pontos

      Eu achei bem estranho no Re;birth 1 eu ter acesso a tanto personagem, e ter acesso as irmãzinhas antes do 2 foi algo que particularmente decepcionante.
      Para mim ter tanto acesso desde o começo deixou a história mais complicada do que quando eu joguei os primeiros do PS3, e isso me desanima de voltar a jogar os Re;birth...

  • supermarkosbros マルコス・アントニオ
    2019-06-07 21:11:06 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Tales of Arise | PS4, Xbox One & PC

    No planeta Dahna, a reverência sempre foi dada a Rena, o planeta no céu, como uma terra dos justos e divinos. Histórias transmitidas por gerações tornaram-se verdade e mascararam a realidade para o povo de Dahna.

    Por 300 anos, Rena governou Dahna, pilhando o planeta de seus recursos e despindo as pessoas de sua dignidade e liberdade.

    Nosso conto começa com duas pessoas, nascidas em mundos diferentes, cada uma olhando para mudar seu destino e criar um novo futuro.

    Apresentando um novo elenco de personagens, combate atualizado e contos clássicos de mecânica de jogo, experimente o próximo capítulo do mundialmente famoso Tales of, Tales of Arise.

    Características principais

    O Próximo Capítulo – Experimente o próximo capítulo da série Tales of, que ganhou vida em HD impressionante, com o Unreal Engine 4

    Ação Dinâmica – RPG de Ação Dinâmica com um sistema de batalha atualizado que retém os contos clássicos do jogo

    Um Novo Conto Espera – RPG de Ação Dinâmica com um sistema de batalha atualizado que retém os contos clássicos do jogo

    Visuais Impressionantes – Animação de alta qualidade criada pela ufotable

    FONTE: https://psxbrasil.com.br/noticias/

    37
    • Micro picture
      manoelnsn · over 1 year ago · 3 pontos

      Não sei o que esperar, espero que não seja um monster hunter da vida

      2 replies
    • Micro picture
      _gustavo · over 1 year ago · 2 pontos

      Caralho se for assim, eu preferiria no estilo anime de sempre, mas o jogo parece que vai usar UE4

      1 reply
    • Micro picture
      wilford_fernandes · over 1 year ago · 2 pontos

      o.O

  • supermarkosbros マルコス・アントニオ
    2019-06-08 06:26:16 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    30
    • Micro picture
      marciodesafvet · over 1 year ago · 3 pontos

      Caraca, isso num mobile, ta de zueira...

      2 replies
    • Micro picture
      _gustavo · over 1 year ago · 2 pontos

      Ta legal demais pra ser verdade, deve ter alguma pegadinha no meio kkkkkkkkk

    • Micro picture
      matheusps92 · over 1 year ago · 2 pontos

      É do mesmo estúdio de Honkai 3rd Impact, tá explicado porque a animação é tão incrível =P Tá muito lindo mesmo, espero que lancem pros consoles também, é bom ver uma empresa mobile aparentemente fugindo dos gatchas \o/

      2 replies
  • _gustavo Luis Gustavo Da Luz
    2019-05-24 12:59:17 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Novo trailer de Vambrace Cold Soul focado no combate

    A publisher Headup Games divulgou um novo trailer de Vambrace Col Soul

    Dessa vez o trailer foca no combate em turnos, Na pele de Evelia Lyric, o game testará as habilidades da heroína como líder de uma tropa de mercenários cada qual com suas habilidades de combate específicas

    Vambrace Cold Soul chega no próximo dia 28 de Maio no PC via Steam, as versões para PS4, XBOX One e Switch chegam mais tarde no ano

    Vambrace: Cold Soul

    Platform: PC
    3 Players
    3 Check-ins

    18
Keep reading → Collapse ←
Loading...