2019-02-19 23:51:50 -0300 2019-02-19 23:51:50 -0300

Uma experiencia com Bloodborne, entre tantas outras com games.

Single 3704748 featured image

Esse texto é de puro teor pessoal e as imagens meramente ilustrativas, não são minhas, as vezes é incrível pensar os tipos de emoções  que os games já tiraram de mim e de você, eu sempre gosto de lembrar das lagrimas que tive com Persona 3, das reflexões com Shadow of Colossus, dos momentos de risadas e gargalhadas que tive com Super Mario Bros 3 no modo VS, ou nos momentos de brotheragem que tive em The Great Battle V, são meus jogos mas podem ser os seus e suas emoções aqui, e as vezes é meio foda envelhecer e achar que a gente não ira experimentar mais emoções tão incríveis como as que já teve, e é sempre gratificante se descobrir errado, como foi pra mim.

Meu background com a saga Souls se resume no Demon's Souls, um dos meus primeiros games de PS3 e um dos meus favoritos, antes mesmo de jogar eu já havia ouvido falar da famigerada dificuldade do jogo, e sem receber spoiler li dicas simples do tipo, prestar atenção nas dicas de outros jogadores e afins e zerei Demons com um gameplay dos mais cuidadosos e meticulosos que já fiz, morri apenas 11 vezes, o que é pouco para um novato jogando a saga pela primeira vez, ainda mais Demons que é tido por uns como o mais difícil. 

Bloodborne foi o primeiro game que vi no PS4 em trailer a ponto de eu dizer (agora o PS4 merece ser comprado ) no entanto somente agora em 2019 resolvi joga-lo. Assim como Demons eu já sabia das dificuldades, sabia que a filosofia aqui era outra diferente de Demon's e Dark, sabia que deveria esquecer de escudo e de agir na defensiva entre outros elementos, eu o encarei ao lado de um amigo já experiente que havia zerado Blodborne há tempos e que me guiaria nessa jornada lovecraftiana, o resultado tinha tudo para ser um novo Demons para mim com respeito ao desafio.. MAS NÃO eu me ferrei nervosamente com Bloodborne, eu estive morrendo desde o inicio e tentando pegar o mindset do game mas eu era falho ao extremo em minha investida, as 11 vidas que gastei zerando Demon's Souls inteiro foram perdidas apenas em Gascoine, um dos primeiros chefes do game.

O jogo possui varias mecânicas a qual eu não conseguia me adequar por mais que as entendes-se, por exemplo a pistola, eu faço uso péssimo da arma de fogo, cuja melhor função é atordoar inimigos para realizar o "ataque visceral", no entanto enquanto meu amigo demonstrava uma facilidade imensa de fazer isso com inimigos e chefes eu não conseguia usar um único ataque desses no inimigo mais básico, a arma de fogo não é pra mim, assim como durante o gameplay conheci outra mecânica do jogo que é a de conseguir munição pra pistola a troco de vida -PORQUE DIABOS VOU TROCAR VIDA POR UMA MERDA QUE NÃO SEI USAR, armas de fogo em Bloodborne não são pra mim. A unica mecânica que me era de fácil uso era a de "ser o caçador" contra-atacar inimigos faz você recuperar um pouco de vida e isso aprendi e usei bem, ainda que morrendo muito.

Não muito distante no game resolvi experimentar a DLC, li como acessava ela, eu a tinha, meu amigo não há havia jogado, eu um novato apanhando do game, ele um jogador experiente, mas sem conhecimento do conteúdo da DC Old Hunter por ter jogado o game antes dela, era algo novo para ambos. Enfrentei alguns dos maiores perrengues do game aqui, inclusive a batalha contra o maldito Ludwig a qual pensei que jamais passaria, então tivemos o encontro com uma das chefes principais da DLC a caçadora Maria. Eu sou terrível em PvP na saga Souls e em Bloodborne não é diferente, ainda sim tentei antes da hora enfrentar Maria e como esperado morri, cheguei a segunda fase dela onde a mesma ligeira espadachim passa a usar ataques de sangue que atingem a distancia (chefes em Bloodborne mudam de estratégia 2 ou 3 vezes por combate a medida que perdem vida, caso você seja leigo como já fui) e consegui contornar um pouco a situação com um item, um osso que ao custo de munição fazia o personagem dar pequenos dashs em forma de fumaça, tal qual um ninja, estiloso e bonito.

Eis que após 3 derrotas tentei mais uma vez, sem treino e sem objetivo maior, lutando a esmo, não tinha sangue/XP pra perder mesmo e algo, algo me disse na minha cabeça -eu posso vence-la, e quase como num passe de magica, como naqueles típicos clichês de anime onde o protagonista descobre um poder novo bem na batalha contra seu arqui-inimigo eu transitei do noob ao mestre na arte de "stunnar" a chefe com a pistola para dar o ataque visceral, fiz isso 3 vezes seguidas e até meu amigo olhou incrédulo, eu estava lutando de forma diferente, não apenas venci a primeira fase dela, como alcancei a segunda estratégia dela com os ataque de sangue, e ao custo de muitos itens de cura alcancei a terceira onde os ataques eram de sangue e fogo causavam um dano imenso eram rápidos e pegavam quase toda a tela, logico que na segunda fase eu já não estava mais stunnando ela com as balas e usei a munição restante com o osso do teleporte. Chegar até a terceira fase já era uma vitoria, eu ja podia morrer, não tinha problema algum, eu não tinha mais munição e só tinha 3 itens de cura, mas eu tive a ideia inusitada, disse a meu amigo -TENHO UM PLANO e ele me viu atônito correr da chefe recebendo um golpe pelas costas e perdendo mais vida, eis que me afastei dela após muita corrida, sacrifiquei minha vida a troco de munição (a maldita mecânica que jamais pensei em usar!!) usei o que tinha sobrando de itens pra me curar, e ali com umas poucas balas suficiente pra usar o osso do teletransporte mais uma vez o ativei e fui pra cima da mesma com o que tinha de melhor. 

O que tivemos na tela, imagino na cabeça do meu amigo foi uma dos duelos de espada mais meticulosos e ágeis que vimos ali no jogo sem deixar de ser tambem uma troca brutal e incessante de porradas entre dois adversários, tudo era rápido, incessante e calculado ainda sim, só fiquei vivo por conta da bemdita mecânica do caçador que me fazia recuperar parte da vida ao contra-atacar, a vida da Maria para meu desespero não descia mais independente dos ataques, desviei com o poder do osso ainda ativado e com nós dois grudados no canto da sala espremidos desferi sem estratégia alguma uma saraivada de espadadas ao mesmo tempo que ela, curando migalhas da minha vida e deixando ela algumas vezes sem ação, a minha estamina zerou, sem estamina você não esquiva, não ataca, não faz nada alem de andar a esmo, ela preparou um ataque de dois hits já conhecido, curto e rápido o golpe não podia ser parado, e ela o usou quando eu dei o ultimo golpe da minha estamina e com nada de vida e de itens, apenas apertei incessantemente o botão de esquiva com a estamina vazia e ouvi o "aaaah" de desanimo ser dito por meu amigo. Meu personagem, Caleb é seu nome, desviou com o teleporte do osso nos últimos segundos de efeito e reapareceu dando o golpe final segundos antes de receber o que seria o próximo golpe de Maria e único necessário pra mata-lo. O comodo foi tomado por gritos meu e de meu amigo, parecia até uma comemoração de vitoria na copa, quase quebrei o controle na emoção que foi enorme e não foi apenas de vitória dificil de ser alcançada, meu amigo olhou pra mim e comentou sobre a estratégia que tomei sacrificando vida em troca de munição para usar o osso, ele disse - isso foi uma estratégia de caçador, eu finalmente e do modo mais difícil havia alcançado o mindset de Bloodborne, meu batismo de caçador de Bloodborne foi ali, e dali em diante nada nem nenhum chefe foi tão difícil que eu não olhasse pensando -eu posso vence-lo.

Bloodborne

Plataforma: Playstation 4
2302 Jogadores
977 Check-ins

38
  • Micro picture
    hard_frolics · 1 mês atrás · 4 pontos

    Salvando aqui pra ler amanhã. :)

    3 respostas
  • Micro picture
    luis_fajardo · 30 dias atrás · 2 pontos

    Cada vez sou menos paciente com games difíceis, me tornei um jogador acostumado a save states e cheats diversos, a vida adulta tira o tempo para insistir em morrer e tentar novamente infinitamente, mas sei o quanto é glorioso virar/detonar/zerar/terminar um desses ferrados jogos.

    1 resposta
  • Micro picture
    artigos · 29 dias atrás · 2 pontos

    Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    1 resposta
  • Micro picture
    ridan · 29 dias atrás · 2 pontos

    Gosto bastante da série souls e o Dark Souls1 foi minha entrada nesse universo, mas Bloodborne é S2 demais. hehe

    2 respostas
  • Micro picture
    speedhunter · 28 dias atrás · 2 pontos

    OBRA PRIMA! O melhor jogo da geração!!!

    3 respostas
  • Micro picture
    thejosephkorso · 28 dias atrás · 2 pontos

    Se existe uma série que não tenho sincronia em nada é a série Souls. Canso facilmente da alta restrição e da quantidade de trolla inseridas na série por simples zuera dos prosutores. Mas tem o fato de eu detestar action RPGs há um bom tempo e este gênero estar na moda atualmente. Tipo de jogo que me cansa pela repetitividade e falta de narrativa objetiva. Diferente do RPG originalde mesa, RPG em games sempee tiveram tendência ater narrativa/enredo explícitos. A From Software decide fazer toda a narrativa subjetiva, tendo que o jogador ler sobre do que se trata em wikis. Mais um ponto pra eu me desinteressas pela série. Se eu jogo um jogo grande como um RPG, é pra me envolver com a narrativa e personagens, não pra mostrar o quanto eu consegui superar dificuldades pra amigos e conhecidos.

    2 respostas
  • Micro picture
    sarvazak · 26 dias atrás · 2 pontos

    Existem jogos e existem JOGOS! Aqueles a qual temos uma experiência tão única, profunda e pessoal como a relatada por você , que tratam de nos lembrar do que por que mesmo com todos os problemas existentes nessa indústria, ainda assim nos fascinamos em Jogar. Ótimo texto, parabéns!

    1 resposta
Continuar lendo → Reduzir ←
Carregando...