the_ookami

entre portáteis e ice tea na madrugada

Você não está seguindo the_ookami.

Siga-o para acompanhar suas atualizações.

Seguir

  • 2015-05-04 11:41:26 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Os poucos detalhes da série que...

    The Legend of Zelda sempre foi uma série de jogos que instigou o jogador a pensar, tanto na resolução de puzzles quanto no que acontecerá e já aconteceu com o mundo de Hyrule. A série nunca foi das mais explicativas, mas também nunca foi uma das mais simples, sempre trazendo dificuldade para os jogadores, algo que foi uma característica forte dos games por gerações. Ou seja, a série nunca viu necessidade em detalhar muito as coisas, sempre instigando o pensamento, mesmo que indiretamente, fazendo com que o jogador não ficasse apenas no apertar de botões.

    No primeiro jogo da série, não tínhamos algum tipo de seta, texto, indicação ou qualquer tipo de ajuda dizendo que precisamos pegar a espada, nem pra que lado ir para chegar ao primeiro “objetivo” do jogo. O game te faz explorar o cenário e procurar. Claro que é bem simples encontrar a espada, mas o ponto é que o jogo não te enche de tutoriais e dicas pelo mapa para te introduzir no gameplay, nem mesmo uma companheira para te auxiliar com dicas (meio inúteis). Isso ocorre no primeiro título por diversos motivos: não ter tanto espaço no cartucho (ou disquete), intencionalmente para dificultar mais o jogo, dar uma maior sensação de liberdade, entre outros.

    Faça como quiser, o jogo é seu.

    Não só o primeiro game da série é assim. A Link to the Past não explica muita coisa, apenas que você precisa entrar no castelo. Assim você descobre a passagem no jardim e entra. Lá dentro você tem um direcionamento do que deve ser feito, que no caso é encontrar a princesa. Em Ocarina, você já tem mais explicação do que se deve fazer. Isso pode se dar ao fato de que o game agora foi feito totalmente em 3D e o jogador teria que se adaptar novamente a série. No início da aventura já te explicam o que precisava ser feito, seu objetivo inicial e as outras explicações são consequências do que você vai descobrindo. Mesmo assim a base de exploração continua lá, para encontrar a espada, por exemplo.

    A série no início, e até hoje, sempre teve um enredo “simples”, sem tantas explicações. Outros jogos têm linhas de diálogos, livros, diários, manuscritos, etc. Esse sempre foi outro ponto que fez os jogadores teorizarem muito sobre o enredo da série. Além das referências que sempre contribuíram com essas especulações, nunca foi revelado com exatidão o passado ou o que aconteceu com “Happy Mask Salesman” em Majora’s Mask, por exemplo. Isso acontece durante todos os games da série. A simplicidade atua na forma de contar a história, que contribui em sua complexidade. Talvez isso seja considerado um defeito para alguns, mas o interessante da série também sempre foi instigar seu pensamento e imaginação.

    Isso nos faz entrar em outra velha discussão, que é a timeline. Será que realmente foi boa a divulgação da linha do tempo oficial da Nintendo? Ela teve diversas explicações, por forma de texto no livro “Hyrule Historia”, que deram a entender que os games não tinham uma cronologia quando os jogos foram sendo criados. Além disso, montar a timeline podia ser considerado outro ponto positivo da série, que te instigava a pensar em como os jogos se encaixavam na linha temporal, dando a possibilidade de imaginar a ordem dos jogos que fizesse mais sentido ao jogador.

    The Legend of Zelda: Skyward Sword foi considerado um jogo fácil por muitos justamente porque teve muitas explicações durante todo o game. A “facilidade” do game pode ser explicada porque como o Wii tinha uma nova geração de jogadores e pessoas que não costumavam jogar, SS poderia introduzi-las a série dessa maneira, com um visual convidativo, controles bem simples e vários outros fatores que trariam novos jogadores para Hyrule. Essa foi uma decisão correta olhando por aspectos comerciais, mas muitos dos jogadores de longa data da franquia não o acham tão bom quanto parecia ser. Talvez essa ideia de explicar demais e o jogo ser fácil tirou aquela sensação, dos jogadores mais experientes, de mistério, pensamento e orgulho ao terminar o game.

    Os jogos da franquia ainda têm diversos mistérios a serem esclarecidos. São coisas que seriam legais ser explicadas, mas que dão um gosto a mais, naquele universo. Poder imaginar se tal personagem faz parte de tal família, que aparece diversos anos depois em outros jogos, por exemplo. Claro que eles não precisam deixar tudo em aberto também. Os jogos muitas vezes acabam nos deixando confusos e abrindo brechas para a criação de diversas teorias. Os games deixam você imaginar o que aconteceu e o que acontece com aquele mundo, abrindo espaço para sua imaginação criar algo próprio naquela mitologia ou que possa ser discutido com fãs por décadas até, como aconteceu com a linha do tempo da série.

    Diversos jogos fazem explicações muitas vezes por meio de sidequests, livros, manuscritos e diversas outras coisas que estão “escondidas” dentro daquele mundo. É um sistema interessante de se contar a história do game. Os mais apaixonados pela série saberão tudo que tiver para descobrir de enredo ali dentro. Já para os que apenas gostam, saberão o necessário. Zelda tem diálogos com vários personagens que revelam elementos do enredo do game. Nada como um “Dragon Age”, mas ainda assim tem informações interessantes. Esse poderia ser um caminho interessante para a série, mas ela acabou criando uma identidade própria que parece ser uma das propostas de Zelda: utilizar sua imaginação para você criar diversos elementos da sua própria Hyrule. Muitos dos jogadores já ficaram noites pensando em algo da história ou em como resolver algum puzzle, sempre te instigando a pensar e imaginar.

    Um dos fatores que faz a série tão especial para mim é que ela sempre me estimulou a pensar e imaginar. No começo, existiram muitas dificuldades com o inglês e com os puzzles, mas sempre fui insistente porque o jogo é extremamente divertido. Com isso, o tempo foi passando e me adaptei melhor com o idioma. Assim, pude compreender melhor o enredo e ter mais eficiência na resolução dos quebra-cabeças. Acabei me acostumando com eles também e acabou se tornando algo mais fácil, mesmo às vezes ainda ficando travado por um tempo em algum trecho do game. Logo após toda essa fase de dificuldades e entendimento melhor do enredo, sempre pensei em diversas coisas que poderiam ter acontecido, pensando em ideias que outros jogadores tiveram, que foram debatidas e o jogo se estendeu muito. Creio que não tive apenas 70 horas de Twilight Princess, é como uma experiência pós-jogo que você começa, de imaginar o que pode ter acontecido em diversos momentos e sobre assuntos que aquele jogo tratou, como a Midna, por exemplo.

    A pouca explicação de fatos na série torna-a muito misteriosa e intrigante. É extremamente interessante poder sempre imaginar por aquele mundo. Passa a impressão de uma maior imersão e participação dentro daquele universo. As poucas explicações podem ser consideradas até falhas para alguns tipos de jogadores, já para outros acaba conquistando-os pela grande participação e necessidade de pensamento constante de todo aquele mundo que já o fascina de um modo único. A série Zelda traz traz muitos pontos em “aberto” que muitos jogadores não se importariam que ficassem em aberto, para continuarem com suas teorias e ideias que os divertem tanto pós-game.

    Fonte: www.zelda.com.br

    @marcoslink

    The Legend of Zelda

    Plataforma: NES
    2724 Jogadores
    140 Check-ins

    30
    • Micro picture
      imagigames · quase 4 anos atrás · 6 pontos

      Eu comecei a jogar os Zeldas recentemente. Por algum motivo, nunca tive vontade quando mais jovem, mas agora já fechei 4 deles e indo pro 5º. The Legend of Zelda é vida!

    • Micro picture
      gogobrasil8 · quase 4 anos atrás · 2 pontos

      Pessoalmente achei o Hyrule Historia bem legal. Pra mim, fez umas ligações que se não tivesse lá eu não teria nem pensado, além de que a melhor parte do Skyward Sword é assimilar que aquilo ali vai preceder todos os outros cenários de outros zeldas. Pode ser porque não comecei pelos Zeldas clássicos, mas foram os novos que me apaixonaram na série, o clima tenso do Twilight Princess, o clima quase mitológico do SS. Mas divago.

  • 2015-05-04 17:10:58 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
  • 2015-03-08 16:48:50 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
  • 2015-02-10 18:57:52 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
  • 2015-02-09 15:31:50 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Square Enix anuncia o título completo de Bravely Second

    "A Square Enix anunciou hoje o título completo do seu próximo jogo para o 3DS, Bravely Second. O JRPG será chamado de Bravely Second: End Layer. Junto com o novo título e a nova arte de divulgação, a desenvolvedora também apresentou algumas fantasias que serão distribuídas como bônus para os jogadores que fizerem a compra antecipada, podendo resgatá-las até o dia 31 de maio. Bravely Second: End Layer será lançado no Japão no dia 23 de abril."

    Fonte: Nintendo Blast.

    @supermariofan

    Bravely Second

    Plataforma: Nintendo 3DS
    294 Jogadores
    128 Check-ins

    5
    • Micro picture
      folha · 4 anos atrás · 1 ponto

      devemos esperar um mind blow nesse tambem?

  • 2015-01-17 10:59:31 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Muitos novos detalhes de The Legend of Zelda: Majora's Mask 3D

    "Os detalhes abaixo foram compilados pelo site Hidden Triforce:

    Bomber's Notebook

    -Agora é dado a Link pelo Happy Mask Salesman.

    -Irá mostrar quests em curso.

    -A Bomber Gang irá contar rumores sobre o que fazer em seguida.

    -Alarmes podem ser ajustados para não perder certos eventos que ocorrem em horários específicos.

    Salvando o jogo

    -Agora é possível ter até três arquivos em uma só cópia do jogo.

    -As estátuas de coruja ainda estão presentes e podem ser usadas para salvar permanentemente; não é necessário ativá-las através de um golpe de espada, é preciso apenas apertar um botão perto delas.

    Sheikah Stones

    -Retornam de Ocarina of Time 3D e ainda dão dicas em vídeo.

    Song of Double Time

    -É possível selecionar a hora para a qual você quer ir.

    Pictbox

    -Agora tem um botão na tela inferior para tirar várias fotos.

    Pescaria

    -Agora há dois lugares para pescar: um perto da Shooting Gallery e outro na Great Bay.

    -É possível pescar gratuitamente com um Fishing Hole Pass.

    -É possível escolher entre pescar com uma vara normal e uma vara com uma isca especial.

    -10 tipos de peixes.

    Mudanças em Clock Town

    -Os meninos da Bomber Gang não são mais encontrados no mesmo lugar.

    -O banco foi movido para a praça a central.

    Máscaras

    -A Garo's Mask agora parece a máscara do Garo Master.

    -Com a Giant Mask, Link agora pode segurar Twinmold pelo rabo e jogá-lo no chão.

    -Deku Link agora atira bolhas carregadas em uma linha reta.

    Chefes

    -Agora estranhos olhos atrás das máscaras dos chefes são os pontos fracos dos mesmos quando eles estão atordoados. Parecem os olhos da Majora's Mask."

    Fonte: Wii U Brasil.

    @supermariofan

    The Legend Of Zelda Majora's Mask 3D

    Plataforma: Nintendo 3DS
    982 Jogadores
    319 Check-ins

    20
    • Micro picture
      matsu · 4 anos atrás · 2 pontos
    • Micro picture
      gicba · 4 anos atrás · 1 ponto

      "Garo Mask parece a máscara do Garo Master" já sei que máscara vou usar só por usar. Amo garo masters

    • Micro picture
      gicba · 4 anos atrás · 1 ponto

      also "Com a Giant Mask, Link agora pode segurar Twinmold pelo rabo e jogá-lo no chão." caralho

  • 2015-01-27 20:16:21 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
  • 2015-01-28 13:14:59 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Mangá de A Link to the Past será relançado 20 anos depois

    Originalmente publicado pela Nintendo Power, história de A Link to the Past contada em mangá será revivida 20 anos depois.

    A Nintendo Power, revista oficial descontinuada da Nintendo nos Estados Unidos, publicou em 1992 uma série de mangás episódicas, junto com suas revistas, que adaptava diversas histórias de jogos da empresa, sendo uma delas A Link to the Past. O mangá deste jogo tinha um total de 12 revistas e eram exclusivos da Nintendo Power, mas, 20 anos depois, ela será relançada ao público.

    Foi anunciado hoje que a editora VIZ Media (que já publicou diversos outros mangás da série Zelda) irá relançar os mangás de A Link to the Past da revista em um box único. O lançamento ocorrerá no dia 05 de maio, mas não foi dado maiores detalhes, que deve ocorrer posteriormente.

    Fonte: www.zelda.com.br

    @marcoslink


    The Legend of Zelda: A Link to the Past

    Plataforma: SNES
    10721 Jogadores
    312 Check-ins

    27
  • 2015-01-18 19:41:30 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
  • guivalquer Guilherme Valquer
    2014-12-19 21:54:22 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    <p>Hoje &nbsp;fui vender um jogo na Estação Barra F - Alvanista

    Medium 36596 3309110367

    Hoje  fui vender um jogo na Estação Barra Funda e olha só o que eu vi. Esse cara com um Hylian Shield incrível! Tive que pedir pra tirar uma foto! <3

    The Legend of Zelda: Ocarina of Time 3D

    Plataforma: Nintendo 3DS
    5932 Jogadores
    637 Check-ins

    53
Continuar lendo &rarr; Reduzir &larr;
Carregando...