• anduzerandu Anderson Alves
    2019-08-30 16:03:03 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Gargoyle's Quest

    Zerado dia 30/08/19

    Há uns aninhos postei aqui no Alvanista que zerei Demon's Crest do SNES, uma aventura em que o protagonista é Firebrand, o diabinho que hoje em dia é bem conhecido por sua participação em Marvel Vs Capcom 3, mas que originalmente fazia parte da série Ghosts 'n Ghouls, sendo um dos inimigos mais irritantes que você pode ver em um videogame.

    Mal sabia eu que a popularidade do personagem já havia o rendido outros spin-offs, como Gargoyle's Quest, título original do Game Boy preto e branco que veio a ganhar depois uma sequência no NES.

    Após fechar a série GnG, eu fiquei curioso por esses jogos (e tudo relacionado( e até cheguei a dar uma rápida jogada, mas só agora eu o encarei de verdade.

    Gargoyle's Quest (GQ) é bem o estilo de jogo característico da época do portátil da Nintendo. Desde os visuais até o gameplay, que até me lembra um pouco aquele Final Fantasy Adventures em determinadas seções.

    O jogo basicamente se divide em duas partes: andar pelo mapa e enfrentar inimigos aleatórios e partes sidescroller. Basicamente, o jogo funciona bem parecido com Zelda II: Adventure of Link e deu até pra entender de onde as ideias iniciais de Demon's Crest vieram.

    Felizmente é tudo relativamente linear, fora que os mapas são pequenos e simples e os ataques de inimigos não são tão frequentes.

    O enredo é simples: você deve salvar o Reino dos Demônios de cair na desgraça por conta de monstros tiranos. Sendo assim você sai de reino em reino fazendo novas amizades, conquistando novas habilidades e descobrindo um pouco mais da simplória estória.

    Um demônio faz um comentário e manda você seguir um ponto cardinal até a próxima cidade, que geralmente pede que você consiga um item de alguma torre ou caverna de volta. Você vai lá, enfrenta inimigos no caminho, chega no lugar, que geralmente tem um level design bem particular, chega no fim, mata um chefe e o jogo te dá o item. Com o objeto em questão em mãos, basta volta no rei que te deu a quest para ganhar acesso a um novo caminho ou habilidade que permite que você siga para a próxima parte do mapa.

    É simples e fica cada vez mais fácil conforme seus status aumentam e novas possibilidades de movimentação e ataque são desbloqueadas e logo você termina o jogo (deve ter durado umas 2 horas pra mim). Infelizmente todas as batalhas são quase que inúteis, sobretudo as aleatórias do mapa pois não há sistema de XP e tudo o que você consegue é pela estória. Pra dizer que as demais batalhas não são inúteis, você ganha dinheiro e pode comprar itens, como vidas, que são bem inúteis.

    Mas não imagine que GQ seja necessariamente fácil. Você tem pouca vida quase sempre e mesmo com upgrades ei achei que os montes causavam muito dano. Felizmente, enquanto você tem vida, é possível voltar para checkpoints específicos todas as vezes que você morrer. Caso contrário, você volta pra última "igreja" visitada e só terá que andar novamente até onde desejar (você não perde itens adquiridos).

    O jogo ainda conta com um sistema de password que são dados a cada nova cidade alcançada, pro caso de você querer dar uma parada ou se estiver meio frustrado. Esses sistema prova bem como o jogo é linear.

    |

    Sobre a jogabilidade, ela é simples por conta das limitações de comandos de um Game Boy, mas basicamente um botão pula e boa se você o apertar novamente no ar (há um limite de tempo para planar), enquanto o outro ataca com bolas de fogo (e mais tarde, outros tipos de golpes). 

    Start abre o menu para seleção de itens, como o tipo de ataque. Um deles quebra paredes, outro cria melecas em espinho que deixam que você grude etc. Infelizmente isso é basicamente tudo e não é tão bem explorado assim. O jogo também mal explica isso, se explicar, e você tem que descobrir muito por si só.

    Resumindo: Gargoyle's Quest é um jogo divertido e bem curto. Começou meio frustrante pra mim, mas foi ficando mais interessante conforme eu ia me fortalecendo e exigia novas mecânicas e táticas contra os inimigos. No final eu fiquei até com vontade de jogar mais!

    De bom: visual legal, infelizmente limitado em relação às cores. Comando muito bem responsivos. Variedade boa de ações possíveis com dois botões, ainda mais se comparar com jogos mais simples, como Mario Land. Gostosinho de explorar. Chefes legais. Diferentes upgrades e coisinhas que mudam um pouco o gameplay. Não há um Game Over definitivo.

    De ruim: achei a trilha sonora feliz demais pra temática. Grudar na parede é um comando que você ama e odeia, mas quando odeia, odeia de verdade. Muitas boas ideias pouco executadas. Algumas coisas não me foram explicadas, como as jarras que você acha e dropa de inimigos que na verdade serve como dinheiro (mas não parece isso). Firebrand morre muito rápido e logo você estará refazendo a mesma fase várias vezes. Batalhas contra monstros aleatórios abrem uma mini fase em que você deve matar a todos, legal, mas além de acabar caindo rapidamente na repetição, acabam sendo meio sem sentido.

    No geral, valeu a pena jogar GQ e eu recomendo mais do que muitos outros jogos do portátil aí. Não é perfeito, mas é melhor do que eu imaginava. Pra quem curte jogos da época, super recomendado, sobretudo por sua curta duração e boa simplicidade. Se você quer mais um Ghosts 'n Goblins, nem preciso dizer que são duas coisas completamente diferentes, certo?

    Gargoyle's Quest

    Platform: Gameboy
    79 Players
    13 Check-ins

    27
  • 2019-01-27 18:40:33 -0200 Thumb picture

    Arduboy

    E isso que eu vi no canal The Ruivo um portátil feito com arduino e achei bem pequeno e bonitinho. Conferem e tirem suas conclusões:

    Link do site para ver as configurações e preço dele.

    13
  • marisaalmeida Marisa Almeida
    2018-10-05 13:55:46 -0300 Thumb picture

    OFF TOPIC | Preciso de uma opinião!

    Bem eu já fiz esta questão em diversos lugares e ainda continuo num dilema total, bom é o seguinte este Natal estou a pensar em comprar um Computador novo a gente vive trabalhando e pensei para mim 'ah se lixe também mereço né?' se correr tudo bem no fim do ano tento a minha sorte.

    A questão disto tudo é, compro uma TORRE OU PORTÁTIL?

    1. Eu uso o computador somente para jogar praticamente, uso para estar na net ouvir umas músicas e principalmente para o Youtube gravar, editar e renderizar que puxa bastante por ele.

    2. Eu tenho uma torre da HP ela até nem é má e tem durado uns bons anos e até jogo bastante bem com ela, mas ponho a questão do portátil por ser mais fácil de levar e transportar apesar de não sair muito.

    3. Eu vivo numa zona bastante barulhenta e o portátil seria óptimo para gravar em outros locais mais calmos e além que já vem com web cam incorporada e seria bom para gravar para o canal gameplays com a minha cara.

    4. Eu não quero um computador que seja uma máquina quero somente mais algo recente e que dure se é que me entendem a minha dúvida é que dizem que os portáteis aquecem muito e já tive uma má experiência com um, mas por outro lado dizem que as torres também ganham bastante pó.

    5. Sendo que eu sou de Portugal já ouvi dizer que se pode montar boas torres também, e o problema dos portáteis é não se conseguir ir pondo peças e renovando o material..

    Enfim aceito opiniões eu sinceramente sempre gostei de ter um portátil mas o meu receio é marcas e qualidade, que acham disso tudo?

    Obrigado e Abraço!

    24
    • Micro picture
      bbl · 12 months ago · 3 pontos

      É difícil opinar considerando que você esta em Portugal e eu não sei como as coisas são ai... Nos termos Brasil a minha opinião é que a questão de Preço x Durabilidade traz uma vantagem ao Desktop acima de um portátil.

      Por exemplo, considerando computadores decentes para games, muitas vezes aqui você precisa de quase o dobro do valor de um Desktop para pegar um note... E nas minhas experiências pessoais, muitas vezes os Desktops tem uma durabilidade maior, além de uma possibilidade melhor de manutenção, Tanto em termos de Upgrades, quanto em termos de problemas poderem ser em peças especificas que podem ser facilmente trocadas.

      Já o Notebook traz uma mobilidade maior o que por si é uma vantagem, não só dentro de casa, como viagens ou imprevistos (obras, pinturas, dedetizações), onde se precisa sair de casa...

      Se os valores / suporte de um Notebook em Portugal for equivalente ao de um Desktop, ou próximo, talvez seja interessante um "meio termo" um bom Notebook, uma área com utilitários como telas extras (se for de sua preferência), webcam, hub USB com HDs externos, digamos que uma área de "trabalho" / gravação...

      4 replies
    • Micro picture
      mattfenrir · 12 months ago · 2 pontos

      Eu prefiro o desktop, pois a assistência técnica no Brasil é mais barata. É mais fácil substituir as peças, por isso eles duram mais tempo e de bônus você pode arranjar um que rode qualquer jogo.

      1 reply
    • Micro picture
      fabiorsodre · 12 months ago · 2 pontos

      Experiência própria: Notebook Dell. Pelo menos aqui no Brasil, se der problema, eles vem na minha casa e resolvem na minha frente qualquer problema físico. Essa marca resolve, pois tem qualidade e durabilidade que comprovo. O meu é de trabalho e entretenimento. Com um i7 quarta geração e uma placa de vídeo de de 2gb rodo games como Witcher 3 de boa. Já o possuo a 5 anos e até hoje só troquei a bateria. É isso.

      3 replies
  • insane Leon
    2018-08-21 17:40:13 -0300 Thumb picture

    Novo console/Vida Nova

    Comprei tem 1 dia um Nintendo 3DS [FINALMENTE!] e é meu primeiro console portátil, gostaria de fazer novas amizades nessa nova plataforma da Nintendo pra jogatinas online. 

    Vou deixar meu ID aqui pra quem quiser me adicionar e jogar alguns jogos.  Empolgado pra fazer novos amigos pois minha vida toda joguei no PC pela steam :)

    3DS - Insane - 5086 - 7278 - 8078

    Mario Kart DS

    Platform: Nintendo DS
    4456 Players
    93 Check-ins

    3
    • Micro picture
      ryou · about 1 year ago · 2 pontos

      Boa aquisição, man! Pegou qual modelo? O que pretende jogar?
      Anyway: 0147-1360-7351

      4 replies
  • 2018-07-02 11:11:15 -0300 Thumb picture
  • melferxx 天使 ♡
    2018-03-22 17:33:57 -0300 Thumb picture

    Minha nova aquisição!

     Finalmente comprei meu tão sonhado new 3ds xl! ;3

    (Esse joguinho é muito bom!)


    Encontrei essa case super linda na minha cidade \o/ (foto frente e verso)

     E acabou que eu comprei o carregador original mesmo, fiquei pé atrás de comprar uma replica hauahauahua ;)

    New Super Mario Bros. 2

    Platform: Nintendo 3DS
    3272 Players
    239 Check-ins

    8
    • Micro picture
      zefie · over 1 year ago · 2 pontos

      Parabéns pela aquisição xD

      1 reply
    • Micro picture
      annalynn · over 1 year ago · 2 pontos

      Que legal, parabéns pela aquisição! E a case é muito linda mesmo ^^

      1 reply
  • bbl Bruno Lima
    2017-10-27 01:30:05 -0200 Thumb picture

    Começando os testes

    Medium 487199 3309110367

    Pra minha central portátil de games e multimídia... Alguns dos emuladores opcionais ainda não funcionam como deveriam, mas pelo menos consegui instalar tudo, inclusive o Chromium modificado com o DRM pra tocar a Netflix

    2
  • 2017-10-11 10:40:24 -0300 Thumb picture

    Microvision: O primeiro portátil com cartuchos intercambiáveis

    Medium 3550347 featured image

    Em 1976, a empresa de brinquedos Mattel lança o primeiro jogo portátil interativo da história, o Auto Race, e no ano seguinte, Football, porém, esses dois aparelhos eram consoles dedicados, ou seja, possuíam apenas um único jogo. A companhia de jogos de tabuleiro Milton Bradley achou a ideia interessante e começou a trabalhar em um aparelho semelhante. Como os videogames de cartuchos intercambiáveis já eram populares, ela desenvolveu algo semelhante, mas usando o conceito de portabilidade dos aparelhos da Mattel e assim nasceu, em Novembro de 1979, o primeiro videogame portátil com cartuchos intercambiáveis da história, o Microvision.

     Se tratava de um aparelho comprido feito inteiramente de plástico com uma pequena tela de LCD de 16x16 px. Ele vinha com um controle giratório acoplado na parte inferior do aparelho e precisava de duas baterias grandes para funcionar. O curioso do aparelho eram os cartuchos, onde ficava todo o processamento. Para se trocar o cartucho, deveria retirar toda a carcaça da frente do aparelho, que possuía ou não alguma película na tela, com até 12 botões interativos. Os cartuchos tinham diferentes processadores, ou um Intel 8021 para jogos de 1K ou um TMS1100 da Texas Instruments para jogos de 2K. O aparelho possuía uma memória RAM de 64 bytes para os jogos. Ele se encaixa na segunda geração dos videogames.

     Em seu lançamento, foram lançados 4 jogos: Block Buster (clone de Breakout), Bowling (boliche), Connect Four (jogo de tabuleiro onde devemos fazer uma sequência de 4 pontos iguais) e Pinball (um Breakout com 4 tijolos fixos). Até o final do ano, tivemos mais 3 jogos: Mindbuster, Vegas Slot e Star Trek: Phaser Striker. Todos jogos eram muito simples e respondia bem, dado a limitação da tecnologia. O videogame vendeu bem no primeiro ano, mas com ocorrência de falhas fatais dos componentes fizeram as vendas caírem. Dentre os problemas, temos o aquecimento da tela, que apagava tudo, descarga eletrostática no processador e falhas nos frágeis botões que vinham nos cartuchos.

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @augusto_sander, @mardones, @porlock, @darlanfagundes [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    40
    • Micro picture
      artigos · almost 2 years ago · 3 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      porlock · almost 2 years ago · 3 pontos

      calalho... q maneiro.
      nunca ouvi falar desses portateis tb.. vcs vieram com uma informação bem rara aqui.... rsrsr
      parabens pelo artigo.

      12 replies
    • Micro picture
      old_gamer · almost 2 years ago · 2 pontos

      Muito interessante!

      1 reply
  • volstag Guilherme De Assis Pinto
    2017-09-08 09:40:39 -0300 Thumb picture
    volstag checked-in to:
    Post by volstag: <p>Sensacional, achei pro Wonderswan!!</p><p>#img#[
    Ghosts 'N Goblins

    Platform: NES
    431 Players
    9 Check-ins

    Sensacional, achei pro Wonderswan!!

    O wonderswan tem pra cada 20 jogos péssimos um bom, é verdade, mas já vi uma coisa ou outra jogável, esse aqui sim é uma belezuras!

    De brinde saiu eu fotografando no reflexo hahahahaha

    O grande problema desse console nem são os jogos, mas o idioma, pra cada 50 jogos, um talvez tenha textos em inglês, o resto é tudo japa mesmo, então os RPGs ficam todos perdidos pra gente.

    Nem consegui ir longe de primeira, nisso esse jogo tá fiel até demais ao original hahahah, mas continuarei tentando.

    16
    • Micro picture
      santz · about 2 years ago · 3 pontos

      Olha aí, esse aí parece bacana. Do pouco que testei da plataforma, nada nela me agradou.

    • Micro picture
      lgd · about 2 years ago · 3 pontos

      Parece que está bem feito o port

    • Micro picture
      waterstill · about 2 years ago · 2 pontos

      Faz mó tempão que queria que tivesse Wonderswan cadastrado aqui no Alva ;(

      3 replies
  • santz Santz
    2017-06-27 10:58:08 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 271 - Zerei meu primeiro GTA \o/

     Durante toda a minha vida, eu já experimentei todos os GTAs da linha principal (menos o III) e joguei bastante cada um deles, mas nunca consegui finalizar nenhum. A série possui uma sub-série de jogos portáteis que nunca tinha jogado, então resolvi zerar os jogos portáteis em ordem. O primeiro deles é o Advance, o mais desconhecido, que utiliza as mecânicas dos primeiros GTAs, com a câmera vista de cima.

     O jogo é bem simples, mas bem impressionante para um GTA portátil. A história é até bacana, com reviravoltas bem interessantes. As armas, apesar de poucas, são bem legais, o ruim mesmo é conseguir acertar um tiro com armas comuns. Um ponto negativo do jogo é dirigir. Não que o controle seja ruim, mas as ruas possuem carros demais e isso atrapalha demais, por isso dei uma nota baixa. O pulo também é bem estranho, pois sempre funciona. Mas no geral, é um jogo que diverte.

    Grand Theft Auto

    Platform: Gameboy Advance
    191 Players
    1 Check-in

    25
    • Micro picture
      rafaschiabel · about 2 years ago · 3 pontos

      O 3 é um dos melhores e você não jogou?

      3 replies
    • Micro picture
      marlonfonseca · about 2 years ago · 3 pontos

      Da série principal me falta o IV que empaquei e não voltei ainda além do 1 e 2 do ps1 que ainda quero experimentar. Não sabia desses do GBA vou inclui-los na minha lista tb.

      1 reply

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...