• anduzerandu Anderson Alves
    2019-07-25 17:24:33 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Super Mario Maker 2

    Zerado dia 24/07/19

    Ah, como foram bons os tempos de Super Mario Maker no Wii U. Definitivamente um dos jogos que mais joguei na plataforma, sozinho ou passando o controle. Apesar disso, eu tinha tanta coisa pra jogar (e ainda tenho) que acabei deixando-o um pouco de lado e jogando apenas casualmente.

    Eras depois, SMM ganhou versão pro 3DS e foram anos questionando se haveria uma continuação ou port, até que a Nintendo oficialmente trouxe SMM2 à existência. Que felicidade!

    Fiquei muito interessado nas possibilidades que isso traria com a portabilidade do Switch, mas com o tempo meu hype foi caindo um pouco, acho que pelo fato de que muitos jogos da própria Nintendo vem tendo essa cara de "Deluxe" ou port, mesmo enumerado como 2. Agora, não me entenda mal, não tem como reclamar desses jogos, mas pra quem já viveu a experiência na geração passada, não tem lá muita novidade.

    Mas SMM2 vale a pena? Fiquei com o pé atrás e aproveitei a poeira baixar enquanto não tinha dinheiro para comprá-lo pra ver até onde eu ainda o queria.

    Um amigo estava no mega hype e comprou digital na pré-venda e marcamos de jogar no primeiro fim de semana com a galera. Foi aí que eu fiquei dividido mesmo. Tudo é muito bonito e bem feito, mas a jogatina multiplayer de sofá, novo atrativo para Mario Maker 2 para mim, é bem chata. Beeem chata.

    Pra quem já jogou outros jogos da série, como New Super Mario Bros. Wii ou U, sabe que os jogadores mais que se atrapalham do que se divertem e a tela limita muito a movimentação se os jogadores se separarem. Ainda assim, esse jogos foram PENSADOS no multiplayer e chega até a ser meio esquisito jogando sozinho, enquanto aqui parecia que a gente tava jogando fases clássicas da série modificadas para rodar 4 jogadores.

    Depois de um tempo jogando essas fases, dei a minha opinião (acho que meus amigos me acham meio chato por dizer essas verdades nas jogatinas) e recomendei jogar as fases single player online e passando o controle. Daí não sei se foi mais bizarro todo mundo concordar ou o fato de que nos divertimos muito mais assim!

    Bom, saí de lá tirando um multiplayer de potencial da minha lista e desanimado com o que as novidades poderiam trazer mas não trouxeram.

    Com o passar dos dias, alguns youtubers que sigo começaram a jogar SMM2, como o canal Vinesauce, e isso me me trouxe tanto entretenimento e diversão, de uma forma que nem a propaganda da Nintendo nem a primeira jogatina dele me trouxeram, que eu fiquei louco para ter o jogo! Sério, eu fiquei viciado em Mario Maker 2.

    Quando finalmente pude, até comprei físico só pra garantir.

    Mesmo com o jogo em mãos, tive que priorizar outras coisas, como o Yoshi's Crafted World, mas agora jogando de verdade, meu foco foi primeiro na campanha. Pois é, SMM2 tem um modo campanha, com uma historinha boba e 120 fases criadas pela Nintendo!

    O enredo envolve o castelo da Peach sendo destruído e você tendo que fazer trabalhos para levantar uma grana e reconstruí-lo. Esses trabalhos são fases em uma lista e cada uma delas tem uma certa narrativa em sua descrição e basicamente foca em diferentes mecânicas do jogo, quase como um tutorial, mas que não dá a sensação de ser isso. Mas, na real, são fases bem legais, e algumas bem difíceis.

    E como você precisa de dinheiro para reconstruir o castelo, você vai ter o prazer de pegar cada moeda que achar e ir atrás das mais difíceis, como era na infância pra mim (cada fase tem também um pagamento fixo se você a terminar).

    Não vou mentir que o mapa dos jogos do Mario e a sensação de progressão faz um pouco de falta, mas também é bem legal ver o castelo e outras cosias no hub serem construídas e ver a sua porcentagem subindo. Logo, o cenário vazio e sem graça vai dar lugar à muitas coisas, como estátuas, personagens, background e muitos detalhes.

    Tendo completado o castelo 100% (não precisa ter feito mais nada, nem mesmo todas as fases, já que com cerca de metade dos estágios você já o completou), o jogo abre uma missão que age como a final. Termine-a e você verá um zeramento e créditos.

    Pessoalmente eu fui atrás de tudo pois estava legal, e isso inclui o castelo 100%, terminas as 120 fases (que também trará todos os NPCs pro hub) e investir no monumento do Mario, o que vai exigir cerca de 10.000 moedas. No final vai estar tudo bonitinho e você também terá desbloqueado umas coisas por todo o trabalho, como roupas especiais pro seu Mii (que é o seu perfil no jogo).

    Num grupo popular do Facebook, já vi muita gente com o pé atrás com jogo também e pelos preços da Nintendo fica complicado sair sugerindo as coisas.

    SMM2 é sensacional. A campanha é legal, criar fases tem dá mil opções (basta jogar uma horinha online pra você ver como a galera é super criativa), há a possibilidade de jogar multi local ou competitivamente online e por aí vai. Mas pra mim o jogo brilha mesmo jogando sozinho as fases que as pessoas disponibilizam, seja aleatoriamente pelas tags de mais populares ou pelos temos favoritos (Mario World ou 3 ou 1 etc), seja no modo Endless, onde você tem um determinado número de vidas e deve ir o mais longe possível no nível de dificuldade escolhido.

    Esse último pra mim é a cereja no bolo. Quanto mais estágios você concluir, mas você sobe num rank e se pá, você pode se tornar o número 1 do mundo! Há também rank no multi versus online e muitas medalhas, que servem meio que como conquistas do jogo, além de várias coisinhas para desbloquear.

    Em resumo, o jogo super compensa, seja hardcore ou casual, maaaaaas, se você vive em um lugar sem internet ou se conecta uma vez em nunca online, acho que a essência do jogo se perde muito e definitivamente a campanha não basta. O que você pode fazer é sair baixando um monte de fases (o que é rápido) quando tiver acesso a internet e apesar das coisas não serem 100%, talvez valha o preço. Já pros donos do console desbloqueado, eu nem perderia meu tempo.

    Resumindo: Super Mario Maker 2 é um jogo bacana, apesar de não ser lá muito inovador. O novos modos e possibilidades multiplicaram o fator replay de uma forma muito bacana, e sempre há um motivo para continuar jogando, mesmo o Endless Mode que você teoricamente pode jogar por muitas horas numa única run, é possível salvar e continuar depois.

    De bom: o jogo é lindo, em todos os seus estilos. Mecânicas excelentes do jogo anterior agora são muito mais legais com as novas (e são muitas). Modo campanha pra quem gosta, assim como eu, de ver um jogo sendo zerado. A comunidade vez fazendo um trabalho exímio de level design e é muito legal ver as interações por comentários, likes e tentar conseguir o "world record" nos estágios. Muitos desbloqueáveis para a sua conta. Fator replay notal mil e eu diria que nesse quesito, ele é a versão single player de Super Smash Bros. Ultimate ou outros multiplayers. Como a experiência é muito recente, vejo as pessoas muito animadas em criar grupos, compartilhar e compartilhar suas experiências.

    De ruim: modo multiplayer local chatinho, pois não vi um filtro para achar fases focadas em multi co-op e as competitivas definitivamente não dão certo em um único console. Esse modo ainda tem uma coisa que muito me incomoda: o movimento da câmera dá prioridade pro último jogador. Então se alguém ficar pra trás, todos devem esperar e se todos estiverem em uma plataforma subindo em uma fase vertical e alguém cair, a câmera vai seguir a pessoa que está voltando a fase e quem estiver em cima, na frente, morrerá. Já o multi online, competitivo, dá bastante lag, o que é uma pena visto que não só seria esse um modo muito bacana como eu pago pelo sistema online da Nintendo. SMM é uma experiência levemente diferente dos outros Marios convencionais e não ver um mapa com progressão ou um objetivo a ser alcançado pode parecer meio estranho para alguns. Faltou filtro pra multi local. Jogar multi local exige que você baixe as fases, ao invés de apenas jogar direto do server como normalmente é.

    No geral, curti demais, mas agora que a minha jogatina começa mesmo. Começarei a fazer níveis, jogar os dos amigos e de criadores famosos de outros jogos (como o de Celeste, por exemplo). Ótimo pra jogar no metrô, na fila ou de forma hardcore, o que eu mais do que recomendo!

    Super Mario Maker 2

    Platform: Nintendo Switch
    25 Players
    4 Check-ins

    28
  • anduzerandu Anderson Alves
    2019-05-20 23:00:30 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Death Squared

    Zerado dia 18/05/19

    Death Squared é um jogo indie lá dos primórdios do Nintendo Switch. Na época, qualquer jogo multiplayer era interessante pra se jogar em qualquer lugar e com os 4 joycons e esse daqui chamou a atenção de um grupo de amigos, sendo que um deles comprou logo que saiu e já saímos jogando no trabalho mesmo!

    Ele meio que acabou caindo no esquecimento pois foram saindo muitas coisas no console e pelo fato de eu não ter o jogo. Já o amigo costuma comprar a biblioteca quase toda do Switch e não foca a jogatina meio que em quase nada por muito tempo. A verdade foi essa até Death Squared (DS) entrar em promoção e eu pegá-lo crendo que ele seria bem mais aproveitado comigo.

    E foi isso mesmo, acabei jogando-o com diversos grupos de amigos diferentes, o que meio que me fez jogar os primeiros 20 estágios ou por aí diversas  vezes e quando chegava em algo novo, cansávamos. Tive que firmar com um grupo específico e jogar sempre que podíamos pra ver se terminávamos.

    DS é um puzzler em que cada pessoa controla um cubo e tem a missão de levá-lo até o botão de sua cor. A dificuldade fica por conta dos obstáculos que te impedem de chegar lá e de como usar o seu parceiro para te ajudar.

    A jogabilidade é a mais simples possível: você se move com o analógico. É isso. Há a possibilidade de fazer "gestos" com o seu cubo, mas é pura besteira.

    São duas campanhas: uma de dois cubos e outra de quatro, mas é possível jogar sozinho, de dois, três ou quatro pessoas. No caso dos números ímpares, uma pessoa ou outra controlarão mais de um cubo, sendo um analógico para cada um deles (joguei poucos estágios assim e não gostei por ser muito confuso e você sempre mover o personagem errado). A minha recomendação é jogar de duas ou quatro pessoas mesmo.

    Além das duas aventuras principais, com 80 fases cada, há um "Vault" com fases extras. Em resumo, é bastante coisa!

    Cair da plataforma te mata. Encostar num raio de outra cor te mata. Ficar em um espaço que sai espinhos da cor de outro jogador te mata. Cubos transparentes de outras cores NÃO te matam, mas agem como parede para você (e chão também). Basicamente, evite armadilhas de cores diferentes.

    Já raios da sua cor podem ser bloqueados por você, possibilitando que os outros passem, espinhos da sua cor não tem efeito e os cubos transparentes podem ser atravessados (cuidado! não pise neles ou você cairá direto no buraco).

    DS é um jogo de muita tentativa e erro. As vezes tudo parece simples mas assim que alguém pisa em botão, ativa tanto uma plataforma que ajuda os outros quanto uma armadilha que mata os desavisados.  Tem que ter uma paciênciazinha, sobretudo quando o estágio é longo e você faz tudo certinho, mas um amigo "mosca" próximo ao fim e deixa tudo a perder.

    Um marcador no canto superior da tela mostra o número total de mortes somadas naquele save. E rola muito! Mas ainda assim é divertido!

    Toda hora sai uma piada, discussão e bastante comprometimento! As vezes a gente simplesmente para e faz experiência, pede pra alguém empurrar um bloco ou ficar em determinado lugar pra ver se funciona. Eu amei a parte comunicativa, que é constante.

    Tem fases que duram segundos, outras duram meia hora. Depende um pouco do nível que você estiver e da força de vontade da galera. Na última jogatina rolaram uns puzzles mais inteligentes e um cansaço mental, pra logo em seguida a gente conseguir e sair o clássico "ERA TÃO ÓBVIO, PQP!"

    O jogo é maneiro, mas cansativo. Daqueles pra se jogar por diversas sessões. Um exemplo disso é terminar uma fase longa e difícil depois de muito tempo nela e começar a próxima, que de cara já parece bem chatinha também.

    O visual também cansa, já que as cores e elementos são meio que sempre os mesmos e o estilo da engine Unity é meio...sabe?

    Pra ferrar mais ainda há uma voz que fica falando e conversando com um robô, que meio que tenta replicar aquele humor da GLaDOS e da série Portal como um todo. Achei meio bestão, com exceção dos comentários referentes a mortes específicas, que faz DS parecer tão real.

    Pra dar uma ajuda nesse lado mais repetitivo do jogo, é possível equipar diferentes chapéus e adesivos no seu bloco,, o que até que é legal.

    Resumindo: Death Squared é um indie legal, ótimo pra quem tem dois pares de joycon (ou qualquer combinação de vários controles) e amigos que curtem jogar. É um puzzle de jogabilidade muito simples, mas que vai fazer com que você quebrem a cabeça um pouco e conversem e riam bastante, o que é um grande plus. Não é o jogo perfeito, mas não me arrependo nem um pouco da experiência e recomendo pra quem tem um grupo interessado.

    De bom: jogo casual, mas nem tanto. Jogabilidade simples, mas com desafios no ponto certo quase sempre. Muito conteúdo pra ser jogado (e ainda recebe atualização). Tem fases muito bem pensadas (mas nem sempre).

    De ruim: jogar sozinho não tem graça. Visual e níveis meio repetitivos. Alguns níveis dependem bastante da perspectiva e o jogo falha um pouco nesse quesito. Humor meio chato. Achei que faltou também uma maior variação de backgrounds.

    No geral, DS foi bem bacana e me rendeu boas memórias. Um ótimo passatempo sobretudo com a portabilidade do Switch e se rolar por uns R$20, é ótimo (mas com companhia).

    Death Squared

    Platform: Nintendo Switch
    8 Players

    9
  • edfalcao Ed Falcão
    2019-05-14 09:07:52 -0300 Thumb picture

    Alguém no Multiplayer

    Imagem: YouTube.

    Alguém ainda joga ou quer jogar o coop? Aparentemente, meus amigos encheram o saco de tanto que eu peço pra eles darem uma chance a Splinter Cell e eu não tenho com quem jogar. huahauhhahahuauhau

    Tom Clancy's Splinter Cell Chaos Theory

    Platform: PC
    394 Players
    14 Check-ins

    11
    • Micro picture
      jcelove · 3 months ago · 2 pontos

      O multi dele era bem unico na epoca, mas o pessoal largou rapido. Queria jogar tbm...

      1 reply
  • anduzerandu Anderson Alves
    2019-05-05 23:40:14 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Human: Fall Flat

    Zerado dia 05/05/19

    Uau, estou terminando um jogo todo dia nos últimos dias, e isso é uma grande coincidência (e um pouco de boa vontade de terminar umas coisas mesmo). Tenho me surpreendido muito com a maioria desses títulos e tido ótima experiências!

    O jogo do dia é Human: Fall Flat, um jogo que comprei no Switch sem muito motivo: vi uma galera falando bem dele na época de seu lançamento na plataforma e por ser visualmente muito parecido com Gang Beasts, um party game que jogamos aqui de vez em quando, acabei não resistindo e comprando por uns 18 reais uma promoção!

    Eu realmente achei que ambos os jogos citados fossem dos mesmo criadores, mas um voltado pro lado competitivo e o outro, cooperativo, mas aparentemente eles não tem a menor conexão!

    Comecei essa aventura há cerca de um ano na casa do meu primo com ele casualmente num momento de tédio. Até o momento tudo o que eu sabia era o que eu tinha visto no trailer da eshop do Switch.

    Passamos a tarde toda no jogo e jogamos mais da metade da campanha, o que acabou sendo super cansativo. Sem o espírito de retomar os jogos e os terminar, acabou que ele nem deve mais lembrar da jogatina e nunca me cobrou mais tentativas. Hoje em dia, a filhinha dele tem mais de 1 ano, ele tem um PS4 e menos tempo e as jogatinas na casa dele acabam acontecendo apenas quando várias pessoas se juntam e resolvem jogar uns board games.

    Fazendo a minha lista de pendências olhando os meus jogos do console, percebi que nunca esqueci que deveria terminá-lo! O problema é que começamos juntos e eu nem queria continuar sozinho, o que provavelmente é mais difícil, nem sei se alguém animaria em pegar um jogo relativamente complicado como esse em suas últimas fases. Bom, HFF ficou em standby por todo esse tempo até outro amigo animar de jogá-lo, e nem questionou o fato de não termos começado do início.

    HFF é um jogo de puzzles com jogabilidade difícil. Além de toda a lógica usada para resolver os quebra-cabeças, o jogador tem que saber lidar com a movimentação esquisita dos personagens, sendo que os pulos são curtos, os botões ZR e ZL servem para controlar um braço cada (e segurar no que eles tocarem se você mantiver o botão pressionado).

    Pra ferrar ou animar ainda mais as coisas, a física do jogo respeita bem o realismo, então até a posição que você carrega uma tábua pode trazer diferentes reações.

    Algumas tarefas bem simples, como se segurar na ponta de uma pedra e a subir ou mesmo girar uma engrenagem exigem bastante jogo de cintura com os botões, onde segurar, andar, saber soltar um botão ou outro ou girar a câmera.

    Acho que o maior exemplo de dificuldade de jogabilidade é remar uma canoa: mire num remo e segura um botão, mire no outro e faça o mesmo com o outro botão. Agora, sem soltar os botões, ande para trás com o analógico esquerdo. Isso deixará os remos "apontando pra frente". Agora ande pra frente mirando a câmera pro céu, o que levantará seus braços e fará os remos entrarem na água. Agora ande pra trás olhando pro chão, o que fará os remos apontarem pra cima. Repita esses passos algumas vezes e você verá que os remos estarão fazendo um padrão circular.

    O jogo também não explica quase nada. Você está numa sala e tem que se virar para conseguir sair de lá para a próxima área. Cada fase é bem grandinha e conta com desafio atrás de desafio e a eterna dúvida de se algo que você já fez poderá afetar algo que virá depois ou se vale a pena levar uma caixa que você deixou pressionando um botão para fazer o mesmo em outro lugar.

    No caso dessas áreas mais limitadas, as coisas são até mais tranquilas, pois em áreas abertas a necessidade de exploração é ainda maior. É tudo muito vago.

    E falando em ser vago, o visual do jogo é simplório. No início você já percebe como as coisas são feitas de uma cor só, incluindo os próprios personagens, que sequer tem rosto. Felizmente na tela inicial é possível personalizar os bonecos com roupas e temas e os tornar mais diferentes.

    Uma coisa muito bacana é que o jogo nunca fica necessariamente mais difícil ou mais fácil. Ao invés disso, novas mecânicas são exploradas de cenário pra cenário. Nos primeiros puzzles é basicamente só agarrar coisas e puxar ou empurrar, como vagões em trilhos. Já na última fase eu tive que colocar carvões num fogareiro, conseguir, carregar e derreter os ponteiros de uma torre de relógio e transformá-los numa chave e escalar bastante, entre muitas outras coisas.

    A jogabilidade também acaba sendo sempre um desafio, embora algumas ações importante, como subir em lugares mais altos você acabe se acostumando e usando bastante, De qualquer forma, o fato de HFF não te recompensar com nada senão progresso e a repetitividade de algumas ações ou puzzles confusos e os controles zoados podem e serão a fórmula para a frustração a qualquer momento!

    Resumindo: Human: Fall Flat é um jogo divertido, com uma ótima ideia mas que ficou devendo um pouco em alguns quesitos, que inclusive poderiam ter o deixado entre algumas das minhas maiores recomendações multiplayer para a plataforma.

    De bom: diversos cenários e mecânicas diferentes. Algumas, como controlar veículos com amigos, são muito divertidas, pois cada um tem que fazer algo, como acelerar ou mover o volante. Apesar dos bugs, o jogo tem constantes checkpoints. Personalização de personagens. Modo online, inclusive para salas para até 8 pessoas. Possível de se jogar splitscreen, inclusive cada jogador tem a possibilidade de jogar com apenas um joycon e controles por movimento!  A produtora continua trabalhando e adicionando conteúdo gratuito ao jogo, de skins até mais fase na campanha.

    De ruim: visual cansativo. Faltou mais trilha sonora, pois os jogo quase sempre só tem os sons do cenário e dispositivos contido nele. Jogabilidade frustrante. Muitos puzzles sem sentido, com level design nada intuitivo e você se pega tentando fazer ações esquisitas e se perguntando como deveria ter feito aquilo direito. Quedas de frame no Switch aqui e ali. Local multiplayer splitscreen de apenas 2 jogadores (se não me engano no PC é de até 4). Meio repetitivo e sem sentido. Achei um pouco longo demais. E achei que o jogo poderia ajudar mais o jogador, com botões que executassem ações específicas, como levantar os braços sem ter que mirar sua visão pra cima.

    No geral, curti o jogo, mas na maior parte do tempo eu só queria que acabasse logo. Ainda assim, tive muitos momentos legais com os amigos e por R$18 eu recomendo sim, mas lembre-se: jogabilidade estranha e só presta com alguém pra jogar no sofá ou se você tiver a intenção de jogar online!

    Human: Fall Flat

    Platform: Nintendo Switch
    1 Players

    11
  • jimmyramalho Jimmy
    2019-04-27 00:31:16 -0300 Thumb picture

    DESAFIO - 30 DIAS DE GAMES 2019

    DIA 8 - MELHOR MULTPLAYER

    Pra falar a verdade, nunca fui de jogar jogos multiplayers, mas posso citar um game que marcou muito minha infância no modo para dois jogadores.

    Medal of Honor: European Assault

    Medal of Honor European Assault

    Platform: XBOX
    31 Players

    7
    • Micro picture
      santz · 4 months ago · 1 ponto

      Splitscreen coop?

  • 2019-03-08 17:07:35 -0300 Thumb picture

    200 keys free

    Fala turma passei aqui pra divulgar que a empresa deste game, passou 200 keys para o cara desse canal sortear, se alguém puder ajudar divulgando, tem o servidor do jogo aqui no Brasil, o jogo roda sem lag, estou fazendo isso pois estamos precisando de jogadores novos na nação Midland. Enfim o sorteio das keys será feito na live de domingo as 14:00 horas.

    2
  • 2019-03-01 11:16:14 -0300 Thumb picture
    Post by david_henrique: <p>Melhor mmorpg que eu ja vi, pessoal vamos jogar,

    Melhor mmorpg que eu ja vi, pessoal vamos jogar, se forem entrem na nação midlander

    3
    • Micro picture
      david_henrique · 6 months ago · 1 ponto

      esqueci de dizer o server e no Brasil, pvp sem lag

  • anduzerandu Anderson Alves
    2019-01-31 09:54:53 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: Puyo Puyo Tetris

    Zerado dia 30/01/19

    Quando saiu o Nintendo Switch, boa parte de sua publicidade era voltada à jogatinas em grupo, cada um com seu joycon e muitas gargalhadas na cobertura do seu prédio. Na época os jogos que me interessavam eram escassos (e pra ser sincero, não haviam tantos jogos assim disponíveis na plataforma) mas eram o bastante pra me deixar ocupado por um bom tempo, como o Zelda, Mario Kart e outros, mas e os multiplayers? Eu não compraria a porcaria do 1-2 Switch.

    Mario Kart 8 Deluxe é bom demais, mas pra quem já cansou de jogar no Wii U, a minha opinião é que não tem graça nenhuma de vencer nele contra seus amigos que mal conhecem o jogo ou nem sabem segurar o controle.

    Logo foram saindo opções e com elas, demos! Quer dizer, até onde vale a pena pegar um jogo (muitas vezes caro) que só vou jogar nos encontros com amigos e que nem sei se gostaremos? Entre as demos da época, Puyo Puyo Tetris (PPT). As screenshots do jogo mostravam um puzzle bonito, colorido de até 4 pessoas simultâneas, fácil de jogar e com a portabilidade do Switch, fácil de jogar até esperando o seu hambúrguer na lanchonete com a galera.

    Experiências que tive com Tetris na época do Nintendo 3DS me mostraram que, mesmo depois de séculos sem jogar nada do tipo, a jogatina era justa e com pouca prática, já nos deixava aptos a competir com quem jogava mais a sério.

    PPT reafirma isso a partir de sua demo. É possível jogar alguns modos diferentes em até 4 jogadores. Joguei com amigos e logo pegamos o jeito, de forma que uma partida demorava tanto que a gente até esquecia que era demo. QUE DEMO!

    Claro que por essa condição, muita coisa é limitada no jogo: configurações mudadas não são salvadas e você tem que as fazer todas as vezes, a maior parte do jogo é inacessível e há uma tela de "THANK YOU FOR PLAYING - SEGA"  sempre que uma partida termina, mas tá valendo.

    A pressão dos amigos para comprar logo o jogo e uma promoção foram o bastante para a aquisição.

    Dos muitos diferenciais desse título em relação aos outros de ambas as séries, temos os mais variados modos de jogo, principalmente voltado ao multiplayer, no menu Party.

    Basicamente, é possível jogar todo com todo mundo Tetris, ou todo mundo Puyo Puyo, ou alguns um e alguns o outro, ou trocando de um para outro com o tempo, ou mesmo MISTURANDO OS DOIS! É bem louco.

    Pessoalmente eu acho Tetris bem mais fácil (acho que todos os meus amigos também), visto que o Puyo Puyo é mais lento e estratégico, mas ambos são bem balanceados, então escolher um ou outro não te dá nenhuma vantagem ou desvantagem.

    Se você cansa rápido dos modos mais comuns, há muitos outros pra se escolher, incluindo um modo que você tem que fazer combos encaixando uma única peça do Puyo Puyo numa tela já cheia de peças e um do Tetris em que você tem que limpar linhas o mais rápido possível usando só o mesmo modelo de bloco, entre outros.

    Pra quem gosta desses jogos sozinho, ele definitivamente não deixa a desejar. Há um modo história (que foi o que eu zerei agora, depois de séculos de jogatina desse jogo). Esse modo tem um enredo com os personagens que eu já conhecia do modo multiplayer. É tudo uma desculpa pra justificar a existência do modo, mas as fases são bem legais e vão de vencer um oponente à conquistar uma certa quantidade de pontos ou eliminar tantas linhas de Tetris dentro do tempo. 

    As fases finais do modo história são bem desafiadoras e vão te treinar bem no jogo. Isso me rendeu MUITOS retries em determinados estágios, principalmente nos que exigiam um nível altos de domínio de Puyo Puyo.

    Depois de perder umas 10 vezes em um estágio, há a possibilidade de ativar uma opção pra você ganhar, meio que como a asa/folha especial de vários jogos do Mario.

    São 7 mundos, cada um com 10 estágios, mais três outros extras depois de zerar e cada um te dá de 1 a 3 estrelas pelo seu desempenho, sendo um bom motivo pro replay.

    Cansou ou não curtiu o modo? Há o clássico Arcade ao estilo da época do Game Boy, a possibilidade de jogar contra bots e o Online! Esse é um daqueles jogos super completo, perfeito pra qualquer situação, sempre alegre e bonito e com um nível de replay gigante. Um grande sucesso na minha casa que o povo sempre pede, mesmo tendo muitas outras opções, incluindo jogos mais novos. Recentemente tentei adicionar Tricky Towers à mistura e embora tenha sido bem recebido, PPT continua soberano e tem muito mais variedade.

    Pra finalizar, há uma loja no jogo pra comprar novos estilo de peças de Tetris e Puyo Puyo, em referência à títulos do passado e outros designs originais, bem legal pra dar uma variada no visual. Essas coisas são meio caras e compradas com pontos adquiridos jogando bastante!

    Resumindo: Puyo Puyo Tetris foi uma das melhores aquisições que eu fiz no Switch. É um jogo super completo e carismático, que agrada a todos os meus grupos de jogo (geralmente eles pedem e eu até esqueço que ele existe, como a maioria dos meus multiplayers).

    De bom: bonito, colorido e com sons muito bacanas. Muitos modos de jogo impedem que sua jogatina caia na monotonia (se o seu grupo for mais chato haha) ou que podem agradar mais determinadas pessoas. Vários modos também pro single player, incluindo online, campanha e Arcade. Personagens, fases e estilos desbloqueáveis. Possível de ser jogado com qualquer controle e de qualquer jeito (um dos exemplos que é legal jogar com apenas um joycon).

    De ruim: não vi motivo pra ter tantos personagens senão dar uma diferenciadas de quem é que no multiplayer (não há habilidades específicas ou anda do tipo). Os personagens falam demais durante o jogo e repetem as falas constantemente.

    No geral, um ótimo jogo e pra mim, um EXCELENTE party game, jogável na TV ou no modo "tabletop" do Switch. Descobri tempos depois que ele saiu pra outras plataformas, mas se você tem amigo,essa é definitivamente a versão que você quer!

    Puyo Puyo Tetris

    Platform: Nintendo Switch
    38 Players
    11 Check-ins

    22
    • Micro picture
      leopoldino · 7 months ago · 2 pontos

      Não entendo porque esse jogo não saiu em mídia digital no PS4 e Xbox.

      1 reply
    • Micro picture
      sandrotoon · 7 months ago · 2 pontos

      A demo desse jogo já tá com umas 30 hrs no meu switch, é um dos jogos que mais joguei nele, só não comprei ainda porque estou esperando sair uma promoção...
      ele realmente é perfeito pra jogar multi, pra mim é o melhor tetris que já saiu

    • Micro picture
      manoelnsn · 7 months ago · 2 pontos

      Esse eu compro até física. Desde que venha com o chaveiro!

  • 2018-12-13 12:13:27 -0200 Thumb picture
  • 2018-08-14 10:39:34 -0300 Thumb picture

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...