• anikabonny Anika Bonny
    2020-03-28 02:13:25 -0300 Thumb picture

    Como Reportar Bugs de Jogos

    Atualmente é bem comum pegarmos algo para jogar e acabar nos deparando com algum bug. Com a entrada da sétima geração de consoles, fortaleceu-se uma cultura de lançarem atualizações para os jogos. E então a preocupação em lançar um produto totalmente isento de bugs acabou sendo algo não tão levado a sério por muitas empresa (infelizmente). E claro, há também bugs que ocorrem em situações muito específicas e que acabam fugindo do range da equipe de testes.
    Devido a isso, grandes empresas e desenvolvedoras independentes abriram espaço para reports de bugs, mas poucas pessoas sabem como reportá-los de forma eficiente. A consequência disso são bugs que são reportados mas que muitas vezes não conseguem ser reproduzidos pelos devs.

    Com esse artigo, quero orientá-los como abrir um bug de forma eficiente.

    https://nerdtrash.com.br/como-reportar-bugs-de-jogos/

    Pokemon Red Version

    Platform: Gameboy
    6282 Players
    130 Check-ins

    9
  • 2020-03-11 02:56:07 -0300 Thumb picture

    Ports ambiciosos do Game Boy Color

    Já sigo o tio Derek há um tempo e gosto muito da energia e humor que ele traz aos seus vídeos, e aqui ele reforça isso ao apresentar mais um episódio da série Punching Weight onde ele aborda jogos ambiciosos lançados para várias plataformas. O GBC é o destaque da vez com alguns títulos que exemplificam como o 8-bit colorido da Nintendo foi longe demais -- positivamente falando, é claro!

    O Stop Skelletons From Fighting é um canal e tanto. 

    [@jvhazuki]

    Harry Potter and the Sorcerer's Stone

    Platform: Gameboy Color
    354 Players
    23 Check-ins

    12
  • anduzerandu Anderson Alves
    2020-03-04 17:10:55 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Squidlit

    Zerado dia 04/03/20

    Um cara do grupo de Nintendo Switch do Facebook recomendou um joguinho que eu nunca tinha ouvido falar que estava uns R$3 e depois de uma leve pesquisa eu acabei comprando pelo fato de conter multiplayer local de até 4 pessoas. Vai ficar no console esperando uma oportunidade de ser testado (basicamente quando ninguém estiver afim de jogar os tantos outros jogos mais populares que já tenho).

    Aproveitei e resolvi dar uma olhada na eshop uns jogos baratíssimos, desses que não chegam a 5 reais e, com a ajuda das moedas de ouro da Nintendo, peguei mais umas coisas que saíram praticamente de graça, incluindo Squidlit.

    Squidlit é mais um desses jogos que tentam trazer aquela sensação de jogar Game Boy para novos títulos atuais. Eu tinha visto algum vídeo dele na época do lançamento e acabei encarando.

    Antes da aquisição e de todo o trabalho de trocar a eshop pro país que disponibilizasse o jogo o mais barato possível, fiz algo que raramente tenho feito nos últimos anos: assisti um review. Fiz isso porque não conheço ninguém com esse jogo e mais importante: Save Me, Mr Tako! foi um jogo traumatizante de tão ruim que era, além de eu ter tido que o aguentar por umas 14 horas.

    Qual é? Polvos e Game Boy juntos mais uma vez? Fui até verificar se não eram do mesmo criador, e felizmente era apenas uma coincidência infeliz.

    O youtuber aleatório que assisti (e fiquei até contente em ver que havia bastante conteúdo sobre o jogo pela internet) falou sobre a jogabilidade simples e um fator que me fez comprar de vez: "é um jogo de cerca de 40 minutos, que não salva e feito pra ser terminado em apenas uma sentada". Baixei em seguida e descobri que o ícone do jogo é horrível e não bate em nada com a sua proposta.

    Começando a aventura, a primeira coisa que percebi foram as grandes bordas laterais, similares a de outro joguinho que tenho: Pirate Pop Plus! Essas bordas meio que simulam botões físicos de um console portátil. Tem um botão gigante pulsando indicando que há música sendo tocada, uma daquelas rodinhas tipo de Game Boy que ao invés de aumentarem e abaixarem o volume, servem pra mexer no contraste da tela, um ícone escrito "Juice" e a informação de que apertando ZR você esconde toda essa borda.

    Consegui mexer no contraste do jogo usando o analógico direito, mas não vi motivo nenhum pra usar de qualquer outra forma senão a normal pois mexendo ou você piora a imagem de um jeito, ou de outro. Vendo o trailer eu imaginava que mudaria a paleta de cores como muitos outros jogos monocromáticos assim.

    Já o botão do som e o "Juice" eu não descobri como interagir depois de apertar todos os botões algumas vezes, então acredito que sejam apenas estéticos.

    Squidlit é um jogos de plataforma bem simples, que até lembra um pouco Super Mario Land em determinadas partes, como a do avião contra um chefe. Porém, se você curte o clássico portátil do bigodudo, não se engane! Esse jogo aqui é muito fácil!

    Os controles se resumem a usar o direcional pra andar e A ou B para pular. Se você estiver no ar e apertar mais uma vez o botão de pulo, Pip, o protagonista, lança um jato de tinta para baixo, que além de destruir os inimigos ainda age meio que como um segundo pulo.

    Além dos inimigos serem mega previsíveis, há itens de recuperação de vida pra todo lado e o desafio de pular buracos e armadilhas é quase inexistentes. É muito fácil!

    Tentei levar pro lado de que eu já tenho habilidade com o gênero e tal, mas não dá. Apesar de eu ter até me divertido (e muito mais que em Mr Tako), esse é um título para criancinha.

    A jogatina inteira se resume em andar pra direita, as vezes decidir se você vai por baixo por um túnel de baixo da terra ou por cima em bifurcações. Depois de um tempo e de matar os mesmos inimigos por puro esporte, entre na porta (que basicamente te manda pro próximo cenário) e repita tudo novamente. É isso, não há mapas, seleção de fase, nada (estilo Kirby's Dream Land, mas com o level design simplório).

    Houveram partes diferentes da jogabilidade padrão quando me pediram para derrotar um determinado número de inimigos em uma parte e outra que eu deveria explorar e derrotar todos os inimigos de determinado tipo, mas nada demais.

    O pior mesmo foi perceber que o trailer do jogo mostra praticamente tudo o que ele tem pra oferecer, como os chefes mais interessantes (dos 4 que o jogo tem). Fora isso, o jogo mal deve ter passado de 20 minutos. Quando o último chefe é revelado, 3 minutos depois você já o está enfrentando e o derrotando!

    Resumindo: Squidlit é um jogo original da Steam que veio pro Switch recentemente. A ideia do jogo é legal, mas ele tinha potencial pra ser mais longo e com mais elementos originais, principalmente inimigos! Senti que a aventura é um pouco corrida e que acaba muito precoce. Por outro lado, é o jogo perfeito pra uma criança de 5 anos.

    De bom: o estilo dele é bacana. Há um humorzinho bem ok. Jogabilidade simples. Os chefes não são de todo mal. Preço baixíssimo. Aparentemente vai ter uma sequência colorida (estilo NES ou GBC) e se vier no mesmo preço, eu jogo, sem dúvidas.

    De ruim: super curto e fácil. Você tá enfrentando um chefe, o mata, joga a próxima fase e daqui a pouco já está no próximo! Achei vários sprites e animações esquisitos, do tipo que me fizeram perguntar o que era aquilo ou o que eles quiseram fazer. Odiei que a câmera te segue a cada pulo. Cada pulo que você dá fica difícil visualizar todo o resto do cenário e dá até uma certa agonia. O enredo é bem bobo, mesmo comparado com tantos outros jogos clássicos que eram simples, como o próprio Kirby. O ícone do jogo é feio e genérico, além de não ter nada a ver com o seu visual ou simbolizar nada da época 8 bits.

    No geral, é um jogo simplório, mas não me arrependo pelo preço e pela razoável diversão que ele me proporcionou. Vale o preço pra quem curte coisas da época. Para o que Squidlit é, eu diria que ele é bem ok.

    Squidlit

    Platform: Nintendo Switch
    1 Players

    15
  • cyberwoo Diogo Batista
    2019-11-06 18:51:23 -0200 Thumb picture
  • memoriabit Memória BIT
    2019-05-14 15:37:35 -0300 Thumb picture
  • game_zone Dante Gaze
    2019-03-02 22:01:35 -0300 Thumb picture
  • 2019-01-09 07:24:46 -0200 Thumb picture

    Planilha de traduções de RPGs atualizada (5/1)

    Medium 609333 3309110367

    Aventureiros,

    Desde a última vez que trouxe algo da planilha pra cá eu a atualizei na verdade duas vezes, incluindo assim mais 32 RPGs e totalizando agora 370 jogos entre traduções completas (maioria) e em andamento. Contudo para o destaque de hoje trago mais uma localização do incrível pessoal do Aeon GenesisSuper Robot Wars EX lançado em 1995 para Super Famicom. Sendo mais um entre tantos da série SRW, ou Super Robot Taisen, que não chegaram oficialmente no Ocidente, EX se diferencia por trazer uma narrativa sob a perspectiva de três personagens e ainda dar ao jogador o poder de decisões que influenciam os desfechos da história; é um sistema que, conforme a descrição no Romhacking sugere, pode tornar cada partida única dando assim mais motivos para jogá-lo de novo.

     SRW é famoso entre os fãs de mechas já que a franquia também é um crossover entre vários animes famosos com robôs gigantes, dando ao jogador a chance de pilotar Gundam, Macross ou Mazinger todos sob o plano estratégico (SRPG) tradicional da série.

    Além dele temos outros destaques como...

    * Alcahest (SNES), Inglês

    * Far East of Eden Zero (SNES), Inglês

    * Golden Axe Warrior (Master System), Português

    * Phantasy Star Gaiden (Game Gear), Português

    * Pokémon Blue & Red Version (Game Boy), Português

    * SD Saint Seya Paradise (Game Boy), Português

    * The Legend of Heroes: Trails to Azure (PSP), Inglês

    * Treasure Hunter G (SNES), Inglês

    * Willow (NES), Português

    * Yu Yu Hakusho: Tournament Tactics (GBA), Português

    ▼ https://docs.google.com/spreadsheets/d/1WXlPiCOFLO...

    Obs.: lembrando que todas as adições recentes ficam destacadas em verde na planilha, sempre; também estou aproveitando para incluir alguns projetos que não são RPGs, mas estão vinculados a eles como o caso de Itadaki Street.

    Se curtirem não deixe de compartilharem aqui na Alva ou em outros locais, quanto mais fãs essa planilha alcançar melhor.

    Join the party!

    Super Robot Wars EX

    Platform: SNES
    5 Players

    27
    • Micro picture
      topogigio999 · about 1 year ago · 2 pontos

      Opaaa, adicionado nos favoritos aqui, isto muito me interessa, obrigado...

    • Micro picture
      ggreed · about 1 year ago · 2 pontos

      Vlw

  • 2018-12-20 17:00:11 -0200 Thumb picture
  • kawens ^__^
    2018-12-16 17:49:57 -0200 Thumb picture

    Puzzles para game boy

    Tetris não aparece porque não coube na foto. Hora de testar jogos “novos” hehe

    Qix

    Platform: Gameboy
    12 Players

    14
    • Micro picture
      emphighwind · over 1 year ago · 2 pontos

      tenho quase certeza que daedalian opus e puzzle road são o mesmo jogo

      1 reply
    • Micro picture
      santz · over 1 year ago · 2 pontos

      Desses aí, só conheço Qix (na versão de Arcade).

      1 reply
  • maironw Mairon S. Wolniewicz
    2018-11-27 10:58:23 -0200 Thumb picture

    Desenvolvendo um jogo em um microcontrolador - Parte 2

    Então, eu havia prometido no outro post que eu ia explicar um pouco como eu estava desenvolvendo um jogo em C que iria rodar em um microcontrolador em uma  tela de um Nokia 5110.

    Eis que eu acabei não falando nada mais sobre justamente por estar ocupado terminando esse e outros projetos da faculdade.

    Voltei, sem um tutorial de como programar o negócio todo, mas trouxe um trailer do jogo (bobinho, mas era parte da avaliação uahsuha) e todo o código fonte no github, que tem comentários o suficiente para quem estiver interessado:

    https://github.com/MaironW/Wings-of-Cucco

    The Legend of Zelda

    Platform: NES
    2831 Players
    153 Check-ins

    27

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...