• 2019-03-23 01:09:04 -0300 Thumb picture

    O Contra da Arc System Works!

    Finalmente consegui botar a mão no Hard Corps Uprising de PS3, que faz parte da série Contra da Konami da mesma forma que o Hard Corps de Mega Drive, mas que teve o nome alterado para que não ficasse tão evidente que o console da SEGA também estava recebendo um Contra, coisa que poderia enfurecer a Nintendo, empresa com a qual ela já tinha uma boa, velha e lucrativa relação. 

    Demorei pra pegar esse jogo porque ele não foi lançado na loja brasileira, então já que eu teria que comprar créditos em dólar ou em libras, resolvi esperar ele entrar em promoção pra poder pegar pelo menor preço possível. E foi o que acabou de acontecer quando o jogo entrou em promoção no Reino Unido.

    O que esperar de um Contra feito pela Arc System? O jogo é tão bonito quanto difícil, os personagens tem um visual bem parecido com os da série Guilty Gear, e isso é ótimo. O jogo é frenético, mas poderia ser até melhor já que achei que a quantidade de obstáculos bloqueando o caminho quebram o clima de simplesmente correr e atirar desviando de disparos inimigos dos Contra clássicos e te obriga a ir mais devagar, saltando em busca de caminhos seguros e evitando inimigos e obstáculos.

    Ainda assim é um ótimo jogo, acredito que com um pouco mais de prática os obstáculos deixem de me incomodar tanto. Aproveito a oportunidade pra deixar a dica de onde conseguir crédito em libra, game.co.uk, você só vai precisar de um cartão internacional (no meu caso foi um Nubank que já funciona como Internacional normalmente). De quebra também peguei My name is Mayo e Slyde que são duas platinas praticamente dadas e também não tem na PSN BR.

    Hard Corps: Uprising

    Platform: Playstation 3
    369 Players
    6 Check-ins

    10
    • Micro picture
      le · about 1 month ago · 1 ponto

      Mas o nome da versão japonesa de Hard Corps pro Mega também é Contra: The Hard Corps (tem só o "the" a mais que não tem a americana).

      2 replies
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2019-03-20 05:58:41 -0300 Thumb picture

    Konami anuncia coletâneas de aniversário de Castlevania, Contra e mais

    Para comemorar o 50º aniversário da empresa, a Konami irá lançar várias coletâneas chamadas de Anniversary Collections, as quais irão reunir diversos jogos da série Castlevania, Contra e outros títulos arcades da empresa.

    A primeira coletânea é chamada de Arcade Classics, e será lançado em 18 de abril por US$20. Incluirá jogos como Haunted Castle, A-Jax, Gradius, Gradius II, Salamander, Thunder Cross, Scramble e TwinBee. Um eBook bônus também será incluído com novas informações, entrevistas e esboços.

    Chegando no "Início do Inverno" será a Castlevania Anniversary Collection, que incluirá oito títulos, dos quais apenas quatro foram anunciados até agora. Os títulos anunciados até agora são Castlevania (NES), Castlevania III: Dracula's Curse (NES), Castlevania II: Belmont's Revenge (Game Boy) e Super Castlevania IV (SNES).

    A coletânea Contra Anniversary Collection também será lançada no "Início do Inverno", e também irá incluir oito jogos, com os quatro anunciados até agora sendo Contra (Arcade), Super Contra (Arcade), Super C (NES) e Contra III: The Alien Wars (SNES).

    Todos as três coletâneas estarão disponíveis digitalmente no Switch, PS4, Xbox One e Steam.

    Fonte: Gamevicio

    Castlevania

    Platform: NES
    1955 Players
    104 Check-ins

    18
    • Micro picture
      luchta · about 1 month ago · 1 ponto

      Torço para que isso seja para testar a popularidade dessas franquias, e que com as vendas eles decidam fazer jogos novos, por que na moral, se não tiver nada de relevante (tipo novos recursos) nessa coletânea, melhor jogar no emulador mesmo. Eles rodam em qualquer torradeira hoje em dia.

    • Micro picture
      lukenakama · about 1 month ago · 1 ponto

      Ai sim, não sei de fato como será o port, se será bom ou ruim, espero que não faça que nem a Capcom e foda tudo com o port.

    • Micro picture
      firerockbird · about 1 month ago · 1 ponto

      lançar jogo antigo, beleza, agora lançar jogo novo que preste, nada!

  • gusgeek Gustavo Francescheto
    2018-05-22 17:41:55 -0300 Thumb picture
  • anduzerandu Anderson Alves
    2018-03-13 14:47:31 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Operation C

    Zerado dia 13/03/18

    Pois e, outro jogo zerado, mas isso por conta de uma coincidente combinação de jogos curtos + coisas que eu já estava zerando.

    Ontem eu estava feliz da vida jogando Prehistorik Man quando aconteceu um blackout aqui onde moro (vem acabando a luz com frequência por aqui ultimamente). Quando faltou a luz, eu imaginei que logo voltaria e não dei muita bola, até porque eu estava entretido no PSP, mas fiquei no escuro por umas 3 horas e meia, logo a partir do início da noite e pra melhorar as coisas mais ainda, o jogo do SNES travou e nada do que eu tentava dava certo. Tentei usar a internet móvel mas nem isso funcionou. Que dia incrível!

    Então pensei: "ah, porque não jogar alguma coisa rápida de Game Boy?"

    Segui a onda do Super C que fechei um dia desses e comecei Operation C (o que a Konami tinha na cabeça quando dava esses nomes?).

    Iniciando o jogo, é evidente a semelhança com Castlevania Adventures, desde os personagens, as animações e até as cores que o emulador põe (que o GBC também colocaria). É quase um mod do Castelo da tia Vânia.

    A diferença é que no jogo dos Belmont tudo é muito lento e meio bugado, e esse aqui é um legítimo Contra: rápido e difícil. O jogo não decepcionou em momento nenhum do início ao fim.

    São apenas 5 fases de run & gun, onde você anda e atira contra as constantes tropas de inimigos que aparecem pela tela. Um tiro e você está morto!

    Pela resolução do GB, o jogo é um pouco mais fácil, pois os projéteis são fáceis de ver e se esquivar. Pela pouca quantidade de botões do portátil, o jogo também é simples na questão jogabilidade, pois o d-pad serve para andar e mirar a direção de seus tiros, e os outros dois são para pular e atirar.

    São apenas cinco estágios, mas são até que grandinhos: cidade, fase com visão top-down, selva, lar de aliens e laboratórios. Nada muito original em questão temática, mas as fases são notavelmente únicas até onde conheço a série.

    A parte mais importante de sobreviver e destruir é coletar upgrades pra sua arma, que aparentemente ficaram limitados a dois aqui: Spread (tiros em área) e Fire (bolas de fogo com uma explosão em área no final). A novidade pra mim é o "H", que ao ser coletado aciona tiros teleguiados da sua arma (não testei com a Fire). Combine isso com a Spread e você terá a arma mais roubada de todos os tempos, que enche a tela de balas e seguem os pontos fracos dos oponente sem você precisar mirar. Você não vai querer vacilar e dar um pulo errado num buraco tendo essa combinação.

    A dificuldade é na escala do GB, com partes difíceis de sobreviver com tanto tiro na tela, vacilo por não calcular o tempo de esquiva e as vezes um hit detection ruim (quando o jogo acusa que você foi acertado só de passar perto do tiro).

    Os chefes mesmo dependem bastante de decorar seus padrões e como contra-atacar de posições seguras enquanto acabamos com seus grandes pontos de vida. Seu maior inimigo é sempre você (e a jogabilidade travada).

    Eu me vi morrendo mais para coisas toscas, como buracos, que dependem que você pule no ponto exato, mas na ponta das plataformas o personagem passa por dentro e pular um pouco antes faz com que você não alcance o outro lado. Cada pulo é um segundo que seu coração pára.

    Resumindo: Operation C é um excelente jogo original para o portátil da época e reforça como ele ganhava versões bacanas de jogos que vaziam sucesso em "consoles de mesa", como na série Donkey Kong Land, por exemplo. O jogo é curto, mas desafiador e assim que zerei já me vi jogando novamente haha.

    De bom: simples e funcional, com um framerate suave e comandos que respondem muito bem. Ótimo passatempo, mesmo depois de zerar. Eu acredito que se tivesse tido o jogo na época, teria zerado múltiplas vezes. Bem feito. Tanto que se percebe o trabalho de faze rum jogo original e funcional.

    De ruim: a dificuldade pode assustar alguns jogadores (na época não assustava) e o jogo te dá apenas duas vidas e perdendo-as, você volta ao início do estágio e perdendo dois continues, de volta ao início do jogo (é possível ganhar mais vidas através de pontuação). Esperava que o jogo tivesse segredos e modos alternativos pra variar um pouco, mas aparentemente é só isso mesmo. Poucos upgrades de armas.

    No geral, uma ótima experiência no portátil! Se você é fã da série, não pode deixar esse daqui passar batido. Hoje em dia o jogo fica impraticável para jogares novos pela dificuldade levemente acima do normal e ser apenas single player, mas tenho certeza que na época eu teria amado isso aqui! Muito bom!

    Operation C

    Platform: Gameboy
    47 Players
    3 Check-ins

    11
  • anduzerandu Anderson Alves
    2018-03-12 12:19:13 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Super C

    Zerado dia 11/03/18

    Entediado num final de domingo com o YouTube há horas passando vídeo após vídeo no quarto e eu nem prestando atenção, resolvi que queria jogar algo simples e em PIXELS. Liguei o PSP e fui direto pro emulador de Game Boy. Nada me interessou muito. Fui pro de GBA e só jogo longo. O de NES foi a salvação: vários jogos menores e mais rápidos, exatamente o que eu queria, pois não queria começar algo e já deixar pendente junto as coisas que estou jogando.

    Super C foi a escolha da vez. Pular e atirar? Fácil!

    Eu gosto muito da série que conheci com o 3 no SNES. Morria muito com meus amigos nele! Além disso, me faltam poucos jogos relevantes de Contra pra fechar tudo.

    Esse aqui em específico é um jogo meio obscuro. O primeiro título ganhou todo o crédito, mesmo ambos sendo muito bons. Eu vou chutar que em parte é culpa do jogo e parte é culpa do nome, que provavelmente seria mais chamativo sendo 'Super Contra'. Eu particularmente sempre achei que esse fosse um jogo de SNES.

    Super C é mais um título de run & gun da Konami e, como o gênero já implica, você corre e atira. Basicamente, seu objetivo é andar até o final da fase, onde um chefe te espera e derrotá-lo.

    O "problema" é que a série é conhecida por um nível de dificuldade alto (ainda maior que os jogos normalmente eram na época do NES) e tomar um único tiro já te mata. Sendo assim, fica óbvia a necessidade de matar e destruir a tudo que representa perigo na tela.

    Por padrão, o jogo te dá 4 vidas e ao perder a todas, você deve usar um continue para voltar ao início daquele estágio. Eu sou acostumado a jogar Contra e tive as minhas dificuldades, pois o avanço na aventura depende muito de decorar padrões de inimigos, onde eles aparecerão e o melhor jeito de derrotá-los. Cheguei a usar alguns continues justamente por não conhecer as fases.

    Pra te ajudar a matar tantos inimigos diferentes vindo sem parar, pelo chão, em cima de construções, caindo do céu e ainda os pequenos, resistentes, os que seguem e os temíveis chefes, em determinadas partes de cada fase, aparecem uns robozinhos voando rápido e se você atirar neles, eles derrubarão alguma coisa, como uma bomba que mata a tudo na tela, invencibilidade ou o mais comum: um novo tipo de tiro.

    A verdade é que a sua arma normal, do início do jogo ou quando você volta a vida, é fraca, pequena e tem um limite de balas por vez (além de que você tem que ficar constantemente apertando o botão de atirar). Então você sempre quer uma das seguintes armas, identificadas por letra quando aparecem:

    -M, Machine Gun. Você vai se sentir aliviado em perceber que é só segurar o botão pra atirar. Além disso, essa arma dispara vários projéteis seguidos, matando bem rápido os inimigos;

    -S, Spread. A melhor arma de qualquer jogo da série, pois ela lança várias balas grandes  em um ângulo bem aberto. Sendo assim você não tem que mirar em um lugar específico, tem grande cadência de tiros e mata vários inimigos com um único apertar de botão;

    -F, Fire Gun. Lança uma bola de fogo. Lenta mas forte. Pessoalmente não gosto de usar porque fico sempre preparado para partes com muitos inimigos;

    -L, Laser. A mais forte e mais lenta. Lança um raio curto por vez e se você apertar o botão de atirar antes que o raio anterior saia da tela, ele desaparecerá e um novo será atirado.

    O jogo varia na jogabilidade e dificuldade de acordo com a arma que você estiver usando (Spread é ótima pra qualquer situação), as fases (tem uma estilo top-down, outro que é vertical etc) e até o número de jogadores.

    Quem conhece a série, sabe o quanto jogar de 2 jogadores é mais complicado. A bagunça fica maior, você acha que seu amigo vai fazer o óbvio e não faz e principalmente nos estágios que são de subir por plataformas. Nessas fases, conforme você sobe, a parte inferior some e vira buraco e se seu coleguinha der um pulo muito rápido, o que é bem comum com tantos inimigos e balas, você estará morto.

    Pra mim a maior graça das rápidas fases são os chefes. São sempre inimigos grandes, diferentes e bem trabalhados e ajudam a quebrar a monotonia do sidescroller com mil inimigos que só andam e te matam ao encostar em você.

    Resumindo: Super C é um jogo bacana e uma ótima alternativa pra quem enjoou do primeiro jogo ou quer mais opções de multiplayer do NES. Eu achei o jogo um pouco sem identidade própria, level design que se baseia em apenas ir pra frente e pouca estratégia. Ainda assim, gostei bastante e jogaria mais uma vez com amigos.

    De bom: visual simples com belas cores. Jogabilidade simples e com poucos botões. Possibilidade de usar os clássicos códigos da Konami e começar com mais vidas. Chefes quase sempre legais, apesar de meio fáceis demais (mais fáceis que os próprios estágios). Jogo rápido e curto.

    De ruim: achei que faltou um pouco mais de originalidade e variedade no gameplay e que Super C bebeu da fonte do primeiro, mas de forma mais genérica. O jogo dá aqueles problemas clássicos do NES quando se tem muita cosia na tela, e as vezes fica difícil ver um projétil por um bug de imagem. Além disso, jogar no PSP não é a melhor ideia já que alguns tiros inimigos são pretos e minúsculos e fica difícil de percebê-los. 

    No geral, o joguinho é bom, mas é mais coisa de quem curte coisa da época mesmo (como eu). Hoje em dia existem opções mais casuais e de mais jogadores, o que eu provavelmente recomendaria às pessoas. Como a maior parte das minhas jogatinas com amigos tem 4 ou mais pessoas, acaba sendo tarde demais pra esperar pra jogar Super C em multiplayer. Pra quem curte, recomendadíssimo!

    Super C

    Platform: NES
    345 Players
    10 Check-ins

    9
    • Micro picture
      kleber7777 · about 1 year ago · 1 ponto

      Desculpa a pergunta, qual a sua profissão? Você escreve muito bem.

      3 replies
  • 2018-03-12 09:56:03 -0300 Thumb picture

    Contra 2028, um TPS feito por fãs da clássica franquia da Konami

    Medium 3609647 featured image

    É isto mesmo que vocês acabaram de ler amigos. Talvez a algumas pessoas aqui na TriboGamer já deve ter ouvido falar ou ficou sabendo agora, assim como eu, sobre o game Contra 2028. Fiquei surpreso pois desconhecia o desenvolvimento do projeto que foi lançado de forma gratuita há 2 meses na internet.

    Contra 2028 é um jogo de tiro em terceira pessoa desenvolvido por 8 alunos em 8 semanas, o game foi desenvolvido na Unreal Engine 4 e ele é uma homenagem ao título original da Konami desenvolvido para o Nintendinho (NES), o game foi disponibilizado de forma gratuita pois ele é um projeto sem fins lucrativos, confira o abaixo o trailer.



    Requisitos de sistema:

    SO: Windows 7 (64 bit) ou superior
    GPU: GTX Geforce 560/Radeon HD 6950 ou melhor
    - Memória: acima de 4 GB RAM
    - Processador: Quad Core acima de 3 GHz
    - HD: 5 GB de espaço livre

    O jogo vocês podem baixar no site dos desenvolvedores, ele está em um arquivo compactado, com o tamanho de 866 MB. Clique aqui para fazer o download e bom jogo

    Fonte: Tribo Gamer

    Contra

    Platform: NES
    3055 Players
    29 Check-ins

    23
  • willguigo Willguigo
    2017-11-28 13:34:33 -0200 Thumb picture
  • gusgeek Gustavo Francescheto
    2017-07-01 11:39:14 -0300 Thumb picture
    60
  • gusgeek Gustavo Francescheto
    2017-05-08 15:55:32 -0300 Thumb picture
    60
    • Micro picture
      lcfreezer · almost 2 years ago · 6 pontos

      Tive que pesquisar se isso era digital ou se fazia físico mesmo, muit bacana.

      3 replies
    • Micro picture
      old_gamer · almost 2 years ago · 2 pontos

      Que imagens sensacionais! Adorei !

    • Micro picture
      duels133 · almost 2 years ago · 2 pontos

      Simplesmente épico.

  • santz Santz
    2017-03-07 11:25:12 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 230 - Melhor jogo do Contra

     Eu ouvi falar desse jogo pelo Bruno do 99vidas e me deu aquela vontade de experimentar. Como é Contra, me senti na obrigação de jogar de 2 e foi um dos poucos games que consegui zerar com meu irmão, usando um bocado de save state. O jogo tem uma pegada muito rápida e dinâmica, mostrando o que o Genesis does what a Nintendon't. Velocidade é o que define este jogo, pois tudo é frenético demais e ação nunca para.

     Apesar da dificuldade bem alta, típica da série, o jogo é extremamente divertido, chega a ser engraçado de tão frenético que é. O chefe final é bem injusto, pois ele tem várias formas e é bastante apelão. Uma coisa muito foda nesse jogo é a possibilidade de tomar caminhos diferentes e ter outras experiências com o mesmo jogo. Recomendo demais o jogo, ouso dizer que é o melhor jogo do Mega Drive, mesmo sem conhecer bem a biblioteca.

    Contra: Hard Corps

    Platform: Genesis
    689 Players
    18 Check-ins

    24
    • Micro picture
      onai_onai · about 2 years ago · 5 pontos

      Dificuldade nove? O que é dificuldade dez pra tu? Hehe...

      3 replies
    • Micro picture
      usoppbr · about 2 years ago · 2 pontos

      Muito bom mesmo! Eu também acho melhor que o Alien Wars mas por muito pouco

      1 reply
    • Micro picture
      marlonfonseca · about 2 years ago · 2 pontos

      Os do NEs e Snes eu zerava de boas quando criança. Preciso encarar esse (ja tá na minha lista de futuras empreitas) mas tenho certeza que dessa vez vou penar.

      1 reply

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...