• 2021-02-05 21:27:39 -0200 Thumb picture

    Bengalada da Velha #8 - Ookami Kodomo no Ame to Yuki

    E bem vindos a mais uma Bengalada da Velha! Depois de uma historinha familiar arregona em meio a tremores de terra, e de um grande tempo sem as cacetadas da nossa idosa, o cano de esgoto oriundo das animações japonesas continua jorrando cada vez mais seu líquido viscoso e nauseabundo, e no meio dessa torrente de porcarias trago para vocês hoje outra historinha familiar ruim pra cachorro (literalmente): Ookami Kodomo no Ame to Yuki!

    Também chamado de Wolf Children, a obra se trata de um filme animado de 2012 (feito pelo Madhouse, sinônimo de altos valores de produção), que teve um certo hype quando saiu (inclusive aqui no Brasil, com canais do Youtube, blogs e a "mídia especializada" babando ovo pra ele), mas acabou caindo no esquecimento tempos depois, devido ao advento de outros hypes decadentes que surgiram na forma de longa metragem, como o já bengalado Kimi No Nawa, por exemplo...

    A história é sobre uma dona, Hana, que se apaixona por um cara esquisitão da faculdade, Ookami, tem filhos com ele e com a morte do mesmo tem que criar suas crianças sozinha. Parece algo comum, não acha? Seria, se o candango bisonho em questão não fosse um lobisomem, e com isso as crias acabam saindo meio lobos também, daí o nome do longa...

    Ou seja: a protagonista gama em um cara que ela nunca viu na vida, e quando finalmente se aproxima dele descobre que o mesmo é uma criatura bizarra não tem nenhum tipo de reação de espanto, nojo, terror ou ago do tipo e diz não se importar. É praticamente a mesma trolha que aquela série de filmes para pré-adolescentes que fazia sucesso alguns anos atrás (coincidentemente, mais ou menos na mesma época que esse anime saiu): Crepúsculo! E pra ficar ainda mais bizarro a nível devianart ela ainda furunfa com o cara no wolf mode, isso uns 5 fucking minutos depois de conhecê-lo e de descobrir que ele era uma criatura mitológica! Depois o cara morre por algum motivo escuso e o resto do filme (que tem em torno de 2 horas) mostra ela cuidando das crias, decidindo criar eles no meio do mato...

    Aí depois desse começo nível fanfic o filme joga a sua cartada para pegar a galera desprevenida e fazê-los pensar que tudo é incrível e bem feito, que é mostrando o cotidiano da Bella, quero dizer, da Hana, cuidando sozinha das crias, como se fosse uma obra realista sobre uma mãe solteira... O que obviamente não é o caso, já que a menos que se eleve sua suspensão de descrença para a casa do caralho (ou simplesmente desligue seu cérebro a um nível de um coma induzido) não dá pra levar essa história fuleira a sério.

    É tudo muito fantasioso, cheio de time skips convenientes, eventos rushados, personagens horríveis, coisas mal explicadas (como tipo: será que a protagonista não tem família pra deixá-la criar sozinha 2 filhos no meio do nada, ou mesmo não existe assistência social nesse negócio?), conveniências de plot (tipo as crianças toda hora virando lobos e humanos, e não fazerem isso na frente de nenhum médico ou de qualquer outra pessoa), fanservice para otakus (acha que eles só viram lobos antropomórficos monstruosos? Olha a capa desse negócio), problemáticas rasas (como as crianças crescendo e se decidindo entre ser lobos ou humanos, sendo que podem ficar no meio do caminho tranquilamente) e até mesmo um final inconclusivo! É muita cachorrada para duas horas perdidas da sua existência humana (ou canina, se você for um lobisomem e cair na pachorra de ver essa bosta)!

    No fim das contas, é um filme chinfrim feito com o traseiro, mas que engana legal com sua animação bonita e sua temática familiar (algo que acaba blindando muita porcaria por aí), mas que não faz Ookami Kodomo no Ame to Yuki ficar livre da Bengalada da Velha, afinal não acerta em ser um anime de romance, uma história familiar, algo mais mitológico, uma pegada especista ou o que quer que seja.  E dito isso, seguem abaixo opções muito melhores de histórias envolvendo animais, crianças, família, romance ou o que quer que seja...

    Armitage III Dual Matrix - Filme do anime Armitage, que também fala sobre famílias estranhas, mas com uma temática infinitamente superior que esse fanservice pra furries...

    Usagi Drop - Um dos melhores animes quando o assunto são temas familiares. Só fique longe do mangá e seja feliz!

    The Twelve Kingdoms - Também tem animais falantes, mas com uma ambientação incrível, personagens excelentes e uma protagonista que não saiu da mente de alguma adolescente indecisa...

    O Túmulo de Vagalumes - Quer um drama familiar de verdade? Toma!

    Wolf's Rain - Pessoas virando lobos sendo usadas do jeito certo!

    Itazura na Kiss - Um dos melhores animes (senão o melhor) no quesito romance, bem mais plausível que essa trolha aí... E olha que é um shoujo...

    Shinsekai Yori - Anime com o tema especismo, mostrando pessoas com poderes psíquicos que extravasam seguindo a lógica dos macacos bonobos.

    Bem, é isso. Até a próxima bengalada!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    Lista da vergonha com os agraciados com a Bengalada da Velha aqui!

    20
  • 2021-01-08 21:06:15 -0200 Thumb picture

    Bengalada da Velha #7 - Tokyo Magnitude 8.0

    E cá estamos nós, com a primeira bengalada do ano! Muito tempo se passou desde que vimos garotinhas púberes com orelhinhas de gato e braços invisíveis nonsense, porém isso não quer dizer que a sucessão de desgraças advinda das animações japonesas terminou! Ainda há muita porcaria a ser vista, e hoje trago para os senhores alvanistianos um anime que fala de um desastre natural muito conhecido pelos japoneses: um terremoto, um cenário onde muita coisa interessante como drama, tragédia, e vários outros aspectos poderiam ter sido abordados... Mas que termina sendo algo tão estúpido que nesse momento estou escrevendo esse texto dando altas risadas: Tokyo Magnitude 8.0!

    Primeiro vamos à premissa: um terremoto de 8 graus na escala Richter assola o Japão. Isso é o suficiente para fazer um estrago desgraçado e acabar com a vida de inúmeras pessoas, e isso acontece logo no primeiro episódio da obra... Porém ao invés de se focar mais seriamente no tema proposto, o anime decide usar esse cenário dantesco para ficar fazendo draminha familiar barato entre uma moleca irritante chamada Mirai, um fedelho idiota de nome Yuuki e uma dona de nome Mari, que prefere ficar cuidando de dois pirralhos que nunca viu na vida ao invés de ir atrás de sua própria filha...

    Mas OK, OK, talvez você deve estar pensando: "é um momento de catástrofe, é normal que as pessoas se ajudem nessas horas", porém mesmo nesse sentido a obra falha miseravelmente, pois em nenhum momento eles realmente agem de acordo com a situação. Além do primeiro tremor vários outros abalos acontecem no decorrer da história, pessoas morrem na frente deles, tem gente lascada em cada esquina e a trama acha melhor se focar na protagonista púbere irritante, que estava emburradinha com os pais e coincidentemente disse "quero que tudo exploda" pouco antes do terremoto acontecer.

    Aí a trama mostra o dedo do meio para a dura realidade de uma catástrofe dessas, onde poderia ser mostrado em tela como as pessoas fariam para sobreviver em um cenário de calamidade dessa magnitude, mas acha melhor mostrar como o irmãozinho com cabelo de cuia da protagonista é carente e como a relação deles é, isso em vários momentos slice of life que não condizem com uma realidade de total alerta em que eles se encontravam! Nada contra histórias focadas em dramas familiares, porém tem que existir um contexto para isso acontecer, e um fodendo terremoto de 8 pontos na trolha da escala Richter certamente não é o melhor local para tal!

    Porém, nos esqueçamos do cenário em que a obra se encontra, imaginemos que tudo é um simples cotidiano de escolinha, e vejamos a relação entre os 3 personagens principais, em especial a protagonista e seu irmão de cabelo de mamãe tô dando... Ela se desenvolve de maneira satisfatória? NÃO! A desgraça do anime termina da maneira mais porca possível, arregando descaradamente em determinado ponto da trama, para depois no final fazer um draminha forçado com altas doses de shock factor! Ou seja: NEM COMO HISTORINHA FAMILIAR DE QUINTA ESSA DROGA DE ANIME SERVE!

    No mais, fica a primeira bengalada de 2021 para Tokyo Magnitude 8.0, um anime que não tem tragédia, não tem drama, não tem personagens e não tem vergonha na cara para se levar minimamente a sério, em todos os sentidos. Dito isso, ficam abaixo opções bem melhores de animes, que também falam de tragédias ou de dramas familiares, e que fazem isso muito melhor que essa porcaria oriunda dos fundilhos nipônicos do ano de 2009...

    O Túmulo de Vagalumes - Um dos melhores filmes do Ghibli, que trata do cotidiano de dois irmãos em pleno bombardeio aliado à ilha japonesa na Segunda Guerra Mundial.

    Rosa de Versalhes - Shoujo da década de 70, que fala de uma protagonista em meio aos eventos que antecederam a Revolução Francesa (na qual uma certa rainha e vários outros candangos perderam a cabeça).

    Anne no Nikki - Versão animada de "O Diário de Anne Frank", mostrando o cotidiano de uma garota judia em um abrigo em pleno regime nazista.

    Mawaru Penguindrum - Um anime focado no sofrimento das crianças na sociedade, mostrando dois irmãos lutando contra o inevitável destino de sua irmã mais nova

    Usagi Drop - Um anime focado em um cara que adota uma menina que ninguém queria, mostrando como sua vida mudou agora que tem uma filha para criar.

    Bem, é isso! Até a próxima bengalada!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    Lista da vergonha com os agraciados com a Bengalada da Velha aqui!

    14
    • Micro picture
      santz · about 2 months ago · 2 pontos

      Escala de Richter Belmont.

      1 reply
  • 2020-12-18 19:47:06 -0200 Thumb picture

    Bengalada da Velha #6 - Elfen Lied

    E tem início mais uma Bengalada da Velha! O seu post semanal para exercitar a bursite da nossa idosa, dando cacetadas em obras japonesas de procedência questionável! E após garotas insuportavelmente mimadas alterando a realidade enquanto fazem atividades pueris em seus pífios clubinhos escolares, trazemos hoje um anime que já tem quase seus 20 anos (sendo portanto uma obra um tanto antiga), com uma opening de cair o queixo, uma boa animação e todo o resto feito de maneira tão deplorável que fazem uma lobotomia de todos os lados do cérebro parecer algo divertido de fazer: Elfen Lied!

    Lançado em 2004 (e baseado em um mangá de 2002) Elfen Lied é um anime que provavelmente foi a porta de entrada de muitas pessoas para esse mundo da animação japonesa. Isso porque animes sempre foram tachados como "coisas de criança" e muitas pessoas (até mesmo nos dias de hoje) pensam que para algo ser considerado maduro e sério precisa ter coisas como ambientação sombria, gore e sex appeal e é aí onde a obra dá o pulo do gato, já que ele tem tudo isso, e com apenas 13 episódios! Isso fez a animação estourar de sucesso na época, com até hoje muitos tendo um enorme carinho por ela, deixando-a em seus tops pessoais ou mesmo baseando suas histórias nela (como o autor de Stranger Things, uma série decadente que se sustenta apenas por nostalgia, fez).

    Antes de prosseguirmos com a bengalada, é importante ressaltar que ambientações sombrias, gore e sex appeal não são, de forma alguma, deméritos para alguma obra e muita coisa faz um uso muito bom disso (veja a lista de recomendações no final do post para mais informações), porém com Elfen Lied esses elementos são exatamente o único porto seguro da coisa toda,  já que todo o resto do anime (ou seja: cast, plot, pacing, character design e tudo mais que realmente importa para uma narrativa) fazem o mesmo afundar em segundos...

    Basicamente a trama de Elfen Lied fala de uma nova raça que está surgindo e que tem muito potencial para dizimar toda a raça humana, já que é formada por seres que destroem tudo que se move com algum poder invisível. Parece animal, não acha? Porém essa nova espécie poderosa é formada por garotinhas púberes com orelhinhas de gato que possuem vários braços invisíveis que se movem em altas velocidades, com a protagonista, Lucy, sendo uma delas que estava sendo trancafiada em uma instituição.

    Quando estava fugindo do seu cárcere, um franco-atirador mete um balaço na mesma, fazendo-a cair no mar e aí o protagonista bunda-mole sem pinto da vez a encontra caída na praia e decide levá-la pra casa. A dona ainda perdeu a memória e só consegue falar Nyuuu, Nyuuu, que fica sendo o nome da fdp desde então... Além dela, o protagonista também acaba trazendo outra dona de orelhinhas de gato para sua casa (essa de nome Nana, que acha que o cientista que lhe torturava direto, o Dr. Kurama, é seu papa), além da garotinha Mayu (que era abusada pelo padrasto) e de sua amiga de infância cheia de amor pra dar, Yuka.

    Em resumo: o cara faz um harem com duas donas que podem dizimar várias pessoas ao mesmo tempo. Nyuu também começa a ter dupla personalidade, com alguns momentos ela voltando a ser Lucy, que reconhece o protagonista devido a alguma coisa que tiveram quando criança. Além disso, a obra também conta com doses cavalares de gore, donas surgindo nuas a cada 4 ou 5 minutos, teorias conspiratórias, evil adults que querem dizimar e torturar adoráveis garotinhas com orelhinhas de gato e muito, muito, mas MUITO shock factor (ou shock value, se preferir), com o anime te mostrando alguma coisa chocante em vários momentos esporádicos (tipo mortes inesperadas, animais sendo espancados e coisas assim), a ponto de prender a sua atenção e não te deixar raciocinar e ver que, na verdade, você está perdendo seu tempo vendo uma porcaria dessas...

    A obra termina incompleta, com a coisa toda continuando no mangá, que tem mais gore, mais sexo, mais harem e uma arte mais feia que matar mãe na sexta feira da paixão por causa de um pedaço de carne de terceira. No mais, exceto pela já comentada opening (com a música Lilium, que deixam o espectador uma primeira impressão incrível, pra depois a obra cagar na tela à vontade), nada realmente merece algum tipo de elogio nessa trolha toda.

    A animação também não é das piores, porém apenas isso não é o suficiente para salvar esse anime de ser uma historinha estapafúrdia onde um protagonista genérico frouxo monta seu harem pessoal com garotinhas de orelhinhas de gato que podem matar milhões em um piscar de olhos, com uma delas tendo dupla personalidade e fica soltando um monossílabo irritante a cada segundo: Nyuuu, Nyuuu, Nyuuu, Nyuuu...

    Enfim, dito isso fica a Bengalada da Velha para Elfen Lied, uma obra deplorável que precisa de shock factor (e do desconhecimento do espectador de obras melhores) para se sustentar e que cada vez mais (felizmente) está renegada ao esquecimento. Sendo assim, seguem abaixo opções muito melhores do que o bengalado, seja em harem, em gore, em sex appeal ou no que quer que seja:

    Neon Genesis Evangelion - Gore, sex appeal, ambientação sombria, um protagonista betamale, tudo feito na medida certa, usando a psicologia Freudiana para dar um tempero a mais na coisa toda.

    Narutaru: Mukuro Naru Hoshi Tama Taru Ko - Um clone de pokémon, também com bastante gore, mas que tem uma temática bem interessante sobre crianças usando monstros poderosos...

    Monster - Quer REALMENTE uma obra sombria de terror psicológico? Veja essa obra prima do Naoki Urasawa e seja feliz!

    Locke: O Superman das Galáxias - Um filme dos anos 80, mostrando um protagonista com poderes psíquicos detonando geral.

    School Days - Harem, sexo, e até mesmo shock factor usados de um jeito bem melhor... E mais memorável também.

    A Kite - Filme extremamente bem animado e cheio de gore, considerado por muitos um clássico da animação japonesa... E também é um hentai, perfeito para quem viu o bengalado e curtiu as donas andando peladas a cada 5 minutos.

    Bem, é isso. Até a próxima bengalada!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    Lista da vergonha com os agraciados com a Bengalada da Velha aqui!

    27
    • Micro picture
      emphighwind · 2 months ago · 2 pontos

      A Kite realmente bem bacana é o mais brabo dos recomendados ai.

      1 reply
    • Micro picture
      mateusfv · 2 months ago · 2 pontos

      Esse é um dos vários, que muitas pessoas falaram pra mim sobre e desde sempre falei que ia ver e até hoje nunca vi, e provavelmente nunca verei kk

      1 reply
    • Micro picture
      shadowstriker · 2 months ago · 2 pontos

      Inclusive vai ler/assistir Higurashi quando? rs

      1 reply
  • 2020-12-11 20:14:24 -0200 Thumb picture

    Bengalada da Velha #5 - Suzumiya Haruhi no Yuuutsu

    E aqui estamos, para outra Bengalada da Velha! Depois de nos aventurarmos por uma continuação mais desnecessária que apêndice humano inflamado, continuaremos indo ainda mais a fundo nas animações nipônicas mais lamentáveis que se possa imaginar! E hoje estamos com um título um tanto antigo, cuja primeira temporada foi em 2006 (mesmo ano que muita coisa boa saiu, como Code Geass e Zegapain), mas que sua influência nefasta ainda paira nos animes até hoje: Suzumiya Haruhi no Yuuutsu (ou The Melancholy of Haruhi Suzumiya, em inglês).

    Mas afinal, o que um anime desses fez de tão terrível assim? Basicamente ele foi o primeiro grande sucesso do moe (a padronização atual de animação japonesa, que consiste em deixar roteiros pueris, cenários ultra coloridos e brilhantes, feições arredondadas e infantis e personagens com QI de chimpanzé, especialmente quando estes têm uma vagina), produzido pelo Kyoto Animation (responsáveis pela aberração chamada Hyouka, dentre outras obras lamentáveis do tipo). Antes dele tiveram outras obras moe, como Azumanga Daioh, porém graças à boa animação do estúdio com altos valores de produção, Haruhi foi o estopim para a merda toda que estraga as animações japonesas atuais.

    Outro ponto que contribuiu para o sucesso de Haruhi foi a sua premissa. A protagonista, que dá nome à série, tem poderes divinos para alterar a realidade como ela quiser, contudo a mesma não tem consciência disso, chegando a afetar o mundo ao seu redor mesmo sem ela saber. Devido a isso várias organizações passaram a observar a garota, com cada uma delas mandando um agente para se manter próximo da mesma: Asahina é uma viajante do tempo, Koizumi é um esper (uma pessoa com poderes especiais) e Nagato é uma androide criada por aliens, com cada um dos 3 observando e tomando cuidado para que as ações da Haruhi não afetem a realidade e atrapalhem seus escusos objetivos. 

    Também existe o humano Kyon, que é a única pessoa que Haruhi escuta, e funciona como um freio para a mesma para que ela não destrua o espaço-tempo em um piscar de olhos. Sim, é uma premissa bem interessante e dava pra se fazer uma história legal com ela, mas o que o anime faz? A usa apenas em alguns poucos episódios, com todo o resto se resumindo a eventos pueris feitos pelo lamentável clubinho escolar que a protagonista criou, onde ficam fazendo um monte de besteira e eventualmente algo de extraordinário acontece...

    Em resumo: no final da coisa toda foram 28 episódios onde nada de realmente importante foi revelado ou feito com relação aos poderes divinos da porra da protagonista, com essas 3 supostas facções super sérias e complexas ficando de braços cruzados enquanto a dona pode soltar uma bufa e explodir metade da galáxia! Porém a coisa fica feia mesmo na segunda temporada, lançada em 2009, onde fizeram 8 episódios iguais para mostrar um loop temporal que a Haruhi estava fazendo porque queria terminar a lição de casa com os amiguinhos, o famigerado Endless Eight. É SÉRIO, e os 8 capítulos em questão não foram apenas reprisados, foram animados um a um (com algumas roupas e jogos de câmera variando entre um e outro), ou seja: gastaram dinheiro para conceber uma ideia absurda dessas!

    O cast também é o que há de pior na animação japonesa. Kyon é um protagonista sem carisma que fica sentado na janela (e age como pau mandado pra protagonista, mesmo reclamando que não gosta disso em seus monólogos mentais), Asahina é uma moleca moe cujo tamanho dos seios é inversamente proporcional ao seu coeficiente mental, Nagato é um clone da Rei Ayanami de Evangelion, Koizumi é um mosca morta andrógino sem opinião própria e Haruhi é uma dona insuportável que fica sendo mimada por todos esses palermas anteriormente comentados, acha que sua vida perfeita é um saco e fica fazendo um clubinho escolar de merda que desafia as leis da ética escolar para preencher sua existência miserável.

    O hype dessa série hoje em dia esfriou (devido ao fato do moe ter se espalhado e estar cheio de obras assim atualmente). Porém, na época, ela fez um enorme sucesso, com este que vos fala sendo um defensor ferrenho da mesma (felizmente o orkut fechou, porque meus relatos fervorosos defendendo esse pedaço de lixo da animação japonesa estavam por toda a parte), com eu sempre fazendo várias ginásticas mentais para explicar para mim mesmo os problemas da obra e tentando encontrar uma razão do por que do meu fascínio por ela. No final das contas era apenas a premissa que sempre prometia algo grande (mas nunca cumpria nada), somada à boa animação do Kyoto Animation (o qual chamo carinhosamente de Kyoanus) e ao moe que estavam por trás de tudo, algo que só fui perceber com o tempo mesmo.

    Ah sim, também existe um filme lançado após a segunda temporada, chamado de Suzumiya Haruhi no Shoushitsu, que, por incrível que pareça, fez algo bom com esse pedaço de bosta. Porém, apesar de ainda ser um longa razoável, não salva a série como um todo, seja pelo seu cast lamentável, por seu pacing horrendo, por sua premissa desperdiçada, por seus 8 episódios iguais e por seu terrível legado, espalhando uma fórmula barata e eficiente de se vender animes como se fosse um trojan imbuído em arquivos baixados do Emule nos anos 2000.

    Enfim, então fica a Bengalada da Velha para Suzumiya Haruhi no Yuuutsu, uma obra funesta, que mesmo tendo tudo para ser alguma coisa sólida, preferiu produzir algo idiotizante que serviu de inspiração para o apocalipse criativo que acarretaria a indústria de animação nipônica nos anos seguintes. E, para fechar com chave de ouro, ficam algumas recomendações bem melhores do que o bengalado da vez:

    Noein - Animação que fala de viagens no tempo sem resets de eventos ou overthinking da coisa toda

    Serial Experiments Lain - Conceitos de realidade, mundos virtuais e até mesmo de deus sendo mostrados na tela de uma maneira psicodélica e única

    Gunbuster - Acha que peguei pesado com os 8 episódios iguais? Olha o que esse anime fez com 6...

    School Rumble - Bom anime com ambientação escolar, com vários personagens e uma comédia bem pastelão misturando tudo

    The Tatami Galaxy - Um anime de cotidiano, focado em um protagonista sofrendo um loop temporal devido a suas escolhas ruins durante seus anos de faculdade

    Bem, é isso. Até a bengalada que vem!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    Lista da vergonha com os agraciados com a Bengalada da Velha aqui!

    The Perplexity of Haruhi Suzumiya

    Platform: Playstation 2
    5 Players

    19
    • Micro picture
      mateusfv · 3 months ago · 2 pontos

      Por um segundo tinha achando que vc tinha recomendado Suzumiya, já ia até falar que o Manoel do passado tinha vencido do nada kk

      1 reply
    • Micro picture
      danilodlaker · 3 months ago · 2 pontos

      EU ASSISTI 8 EPISÓDIOS IGUAIS
      E não fico feliz por isso ahusahusha

      1 reply
    • Micro picture
      shadowstriker · 3 months ago · 2 pontos

      O filme é bastante bom pelo menos. Me surpreendeu que chegasse aquele nível depois da série ser toda besteirol. Admito que ainda gosto de Haruhi hoje em dia, mas mais pelo besteirol que qualquer merda séria mesmo aehauehae

      1 reply
  • 2020-12-04 20:35:51 -0200 Thumb picture

    Bengalada da Velha #4 - Cardcaptor Sakura: Clear Card

    Mais uma sexta, e mais uma Bengalada da Velha! Após vermos carecas inexpressivos deitando tudo com 1 peteleco, bora conferir mais um anime que mostra com exatidão a decadência da indústria japonesa de animação atual, desta vez na forma de uma das cada vez mais constantes e desastrosas continuações desnecessárias de obras antigas, com a recente tentativa do CLAMP de reviver o sucesso de Card Captor Sakura, uma obra muito querida por muitos brasileiros (e que já foi devidamente indicada aqui, no Arco).

    Trazer de volta algo que fez sucesso antigamente e que ainda é querido por muitas pessoas é bem comum na atualidade, não apenas nos animes, mas também no cinema e, quase sempre, o resultado é desastroso. Isso porque os tempos mudaram, com não apenas o público e a indústria estando diferentes como também o próprio (ou os próprios) autor, que nesse período de tempo, entre o lançamento da obra original e sua continuação, viveu, experimentou, mudou seus conceitos e não é mais a mesma pessoa. Com isso a obra original precisa mudar para se adaptar à nova realidade, e é aí que a porca torce o rabo.

    A ideia de reviver ou continuar uma obra, ou franquia, há muito terminada, em suma, não passa de uma tentativa de fazer sucesso de forma segura e barata, já que não é necessário criar algo novo, e sim apenas mostrar a nostalgia  que os fãs de longa data querem ver (ou entregar o que o público novo quer assistir), e esse Clear Card entra justamente nessa categoria. Porém, com continuações de anime decadentes como Dragon Ball Super, Saint Seiya Omega e Digimon Tri, por que a Velha escolheu justamente essa para descer a bengala?

    É porque Card Captor Sakura é uma obra simples, sem muita pompa, sendo um mahou shoujo básico com comédia, romance e a arte característica do CLAMP que dá todo um ar de mistério para a coisa toda e não seria difícil adaptar algo assim na conjectura atual. Mas mesmo esses aspectos simples estão a anos luz do que os japas têm capacidade de fazer hoje em dia e o resultado de trazer novamente essa obra noventista para o cenário decrépito da animação japonesa da atualidade foi deveras desastroso!

    Antes de tudo, uma pequena contextualização (sem spoilers, claro): CCS, o anime de 70 episódios, foi uma adaptação do mangá, do mesmo nome, porém teve diversas diferenças com relação à obra original (em especial com alguns relacionamentos um tanto bizarros sendo removidos da série de TV), com tudo terminando de uma maneira diferente, no filme "A carta selada", que literalmente sela o final da obra de uma maneira sólida. Porém, quando as donas do CLAMP resolveram continuar a série em um mangá novo (20 anos após terem terminado a obra original), os caras embasbacaram legal na hora da adaptação, misturando eventos que só aconteciam no anime (como a personagem Mei Ling) com coisas que só tinham no material original (como a relação de Eriol com Kaho Mizuki), e tudo ficou uma bagunça dos infernos, causando uma caralhada de erros de continuidade na coisa toda!

    E fica pior. CCS é uma obra dos anos 90, e a tecnologia mostrada na série original condiz com aquela época, como telefones celular tijolões, computadores arcaicos, pessoas se correspondendo por cartas e tudo o mais... Porém nesse Clear Card, que se passa 1 ou 2 anos após o término da história, os personagens já estão usando smartphones atuais, drones, videochamadas, causando uma falta de respeito com a própria cronologia da obra.

    Apesar de ser adaptado pelo mesmo estúdio, Madhouse, o mainstream moe (que não se trata apenas de um estilo e sim de uma padronização que as obras japonesas sofrem atualmente) pegou pesado na série nesse Clear Card, e como resultado todo o cast ficou com feições infantilizadas, tornando irreconhecível a arte tão característica do CLAMP (e a paleta de cores mais brilhante e colorida destrói qualquer possibilidade de mistério e de algo sério na trama). Sakura, a protagonista, é o maior exemplo disso, com ela, com seus 13 anos na nova temporada, ainda tendo a mesma feição de quando tinha 10 anos de idade, e o resto do cast indo pro mesmo buraco...

      Artworks da Sakura, a protagonista. Preciso dizer qual é o mais recente?

    A trama também é uma zona, com personagens zoados sendo inseridos, o relacionamento de certo casal não condizendo com tudo que passaram nas temporadas anteriores, coisas importantes sendo apagadas, time resets, repetição da mesma fórmula do começo da série (com Sakura tendo que capturar as cartas novas num estilo episódico) com apenas os 2 últimos capítulos tendo algo sendo revelado, acontecimentos incongruentes, entre outras coisas...

    Tudo é um perfeito desastre, que representa bem o quão pútrida está a indústria de animação nipônica na atualidade, que sequer consegue fazer uma adaptação decente e que precisa de continuações desnecessárias que denigrem a obra original. O fato do arco se chamar Clear Card é realmente bem conveniente, e reflete bem o conteúdo da obra: algo limpo, claro, transparente, vazio, que só serve para ganhar alguns trocados em cima da nostalgia cega e surda dos fãs.

    E fica a bengalada da semana para Cardcaptor Sakura: Clear Card, uma continuação que simplesmente estraga tudo o que a obra original tinha de melhor e, tal como outras continuações desnecessárias por aí, certamente não vale o seu tempo. Dito isso, seguem abaixo algumas opções bem melhores para você, caro leitor:

    Card Captor Sakura - Tem nostalgia dos tempos de Sakura da TV Globinho? Veja o original, cacete!

    Sailor Moon - O mahou shoujo que definiu o gênero. Pode ter tido sua fórmula usada à exaustão durante os anos vindouros, mas certamente que um rei nunca perde sua majestade.

    Princess Tutu - Mahou shoujo bem inusitado, protagonizado por uma pata que se torna humana e derrota os inimigos com o poder erudito da dança clássica.

    Fullmoon o Sagashite -  Obra que deu origem ao Arco da Velha, onde uma garota com câncer na garganta se transforma para seguir seu sonho de ser cantora.

    Kobato - Outro anime do CLAMP (um dos últimos antes da indústria ser aniquilada pelo moe) que fala de uma protagonista que tem que coletar a felicidade das pessoas, cuja trama tem um final bem interessante até.

    Bem, é isso. Até a próxima bengalada!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    Lista da vergonha com os agraciados com a Bengalada da Velha aqui!

    Card Captor Sakura: Itsumo Sakura-chan to Issho!

    Platform: Gameboy Color
    5 Players

    26
    • Micro picture
      mateusfv · 3 months ago · 2 pontos

      Eu jurava que o nome da série era Sakura Card Captor, mas acabei de descobrir esse plot twist que é Card Captor Sakura kk

      6 replies
    • Micro picture
      jesspras · 3 months ago · 2 pontos

      Muita nostalgia

      1 reply
    • Micro picture
      jongamezon · 3 months ago · 2 pontos

      esse anime é perfeito, amo por demais ele

      1 reply
  • 2020-11-20 21:16:57 -0200 Thumb picture

    Bengalada da Velha #2 - Hyouka

    E aqui estamos, com o segundo Bengalada da Velha! Após trocas corpóreas nauseabundas com Kimi no Nawa, vamos continuar descendo ao fundo do poço, com um dos animes mais lamentáveis que a nossa idosa já teve o desprazer de ver: Hyouka, uma obra de 2012, oriunda da febre de histórias detetivescas que assolavam as animações japonesas (e que também influenciaram os jogos, com coisas como Persona 4 e Zero no Kiseki pegando esse embalo).

    Mas como um anime investigativo, com a arte colorida e animação incrível do Kyoto Animation pode ser tão ruim? Bem, deixo abaixo um pequeno resumo do que essa obra se trata:

    É sério. O anime se resume a investigações sobre coisas extremamente misteriosas e importantes que acontecem na escola dos protagonistas, como roupas que se mexeram no varal, conchas sumidas da cozinha, palitos de dente perdidos... Quem se importa com essas coisas que ninguém dá a mínima (já que qualquer pessoa tem mais o que fazer), você está pensando? A waifu com o Q.I. de 50 da vez:  Chitanda Eru...

    Basicamente a trama desse negócio começa com o protagonista antisocial depressivo que senta perto da janela chamado Houtarou Oreki, que resolve usar suas habilidades lógico-investigativas para atender aos caprichos curiosos da Chitanda, que chega pra ele suuuper empolgada com seus olhos brilhantes, dizendo: EU NÃO CONSIGO PARAR DE PENSAR NISSO!

    Além de Chitanda e Oreki, também existem mais dois personagens na história, Satoshi Fukube e Mayaka Ibara, que também ajudam nas complexas e incríveis investigações sobre colheres perdidas e ciscos encontrados no chão... O anime é inteiramente focado nisso, com várias coisas ignóbeis sumindo, Chitanda ficando curiosa com isso (vai caçar um serviço, mulher!) e todos fazendo overthinking do que pode ter acontecido com a porra do utensílio doméstico ou o que quer que seja...

    Porém, ao contrário do que seu conteúdo questionável apresenta, Hyouka fez um alto sucesso, não sendo difícil ver um monte de gente elogiando e até mesmo indicando esse trambolho por aí. Mas por que, alguém em sã consciência, indicaria e até elogiaria aos 4 ventos uma obra que se foca em investigar mistérios que de misteriosos não têm absolutamente nada? Bem, tudo se resume a uma palavra...

    MOE! A praga que assola os animes atuais! Fazer obras focadas em personagens bonitinhas fazendo coisas bonitinhas onde mais nada de relevante ou importante acontece é a especialidade do Kyoto Animation, e Hyouka representa bem isso. Nenhum ser humano em plenas faculdades mentais assistiria uma trolha focada em personagens com algum tipo de patologia mental fazendo altas teorias sobre um papel jogado no chão, mas como tudo está com um verniz colorido e todo o cast possuem expressões infantilizadas e agradáveis a coisa muda totalmente de figura...No mais, fica a segunda Bengalada da Velha para Hyouka, um anime decadente atual, um dos maiores exemplos de como o moe não é apenas uma escolha artística, mas todo um estilo, focado em personagens açucaradamente e infantilmente agradáveis fazendo porcaria nenhuma de relevante. E, para quem já se martirizou vendo esse monte de esterco, ficam minhas condolências e algumas indicações bem melhores (que também servem para os sortudos que desconheciam esse negócio):

    Death Note - Basicamente o primeiro da leva de animes de detetive e possivelmente o melhor deles, focado no embate mental entre Light e L.

    Monster - Não é um anime de detetive, mas é um thriller psicológico focado num embate moral entre um médico e um monstro, com vários mistérios envolvendo a figura sinistra de Johan Liebert.

    Persona 4 the Animation - A versão animada do famoso jogo de PlayStation2. Também é focado em investigação e mistérios, com algo de realmente relevante acontecendo na coisa toda.

    Mahou Tsukai Tai - Um dos primeiros animes sobre clubes escolares, com os OVAs sendo bem divertidos de assitir.

    Cuspir pra cima e ficar olhando - Não é um anime, mas... Será bem mais produtivo para sua pessoa do que ver Hyouka...

    Bem é isso, até a próxima bengalada!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    21
    • Micro picture
      dlima · 3 months ago · 2 pontos

      "[...]um anime decadente atual, um dos maiores exemplos de como o moe não é apenas uma escolha artística, mas todo um estilo, focado em personagens açucaradamente e infantilmente agradáveis fazendo porcaria nenhuma de relevante. E, para quem já se martirizou vendo esse monte de esterco, ficam minhas condolências[...]" (BENGALA, 2020)
      kkkkkkk ótimo manifesto contra o MOE, tem minha assinatura se precisar, mas infelizmente quando falam mal de algo de forma tão bem elaborada me dá é vontade de assistir.
      e aquela minha pergunta idiota q sempre faço, na sua opinião: chuunibyou demo koi ga shitai segue esse rastro de fezes q vc citou? levantei esse questionamento baseado 1. no estúdio, ambos são da kyoto; 2. a falta de propósito, mesmo com o tema de delírios juvenis q se torna secundário; 3. o glorioso moe
      https://i.pinimg.com/originals/d7/e8/fa/d7e8fa5eea51915b3efafaa05fb606e0.gif

      pq não tá colocando as bengaladas na planilha? considero tão pertinente quanto rsrsrs

      7 replies
    • Micro picture
      mateusfv · 3 months ago · 2 pontos

      Diferente da bengalada anterior esse ai eu felizmente nunca ouvi falar, assim como provavelmente não vou saber dos próximos, a não ser que de bengaladas em algum shounem muito famoso, de resto felizmente sou oblivious da maioria desses anime com nome japonês demais kk

      E é incrível que quando vi a cara do anime já sabia a resposta do estudo cientifico que estava prestes a realizar, e os números não desapontaram, esse tipo de anime é oque deixa o pessoal que desenha um esquemas diferenciados feliz, principalmente no bolso kk

      Além disto bela atuação heim, já conseguir uma ponta na dublagem desse ai se trouxerem pra cá um dia :v

      7 replies
    • Micro picture
      igor_park · 3 months ago · 2 pontos

      Nunca ouvi falar nisso aí kkkk

      1 reply
  • 2020-11-13 19:52:49 -0200 Thumb picture

    Bengalada da Velha #1 - Kimi no Na wa.

    E aqui tem início a primeira Bengalada da Velha! Para quem está mais perdido que FDP em dia dos pais, é um tipo de post, da persona no qual nossa idosa irá desferir cacetadas em alguns títulos de animação japonesa deveras questionáveis, com o intuito de alertar àqueles que ainda não viram do perigo, ou mesmo de, no final, indicar opções melhores (com a premissa parecida) para os que já assistiram, ou até gostaram, da obra em questão.

    Dito isso, vejamos um pouco do bengalado da vez: Kimi no Na wa, ou simplesmente "Your Name", um filme de animação feito pelo Makoto Shinkai em 2016. A obra fez um sucesso absurdo devido a sua animação estonteante usando computação gráfica de uma maneira tão absurda a ponto de ficar parecendo uma animação feita a mão, isso além de sua ambientação colorida e alguns plot devices que o público no geral tende a adorar. Porém, se ele tivesse feito bom uso disso, não estaria aqui, então qual é a desse filme?

    Basicamente a história gira em torno de 2 protagonistas: o garoto Taki e a garota Mitsuha. Até aí tudo bem, só um anime de escolinha, porém logo no começo da coisa toda eles estão nos corpos um do outro. Sim, ambos trocaram de corpos logo de cara, com direito àquelas piadinhas zoadas de "ahhh, eu tenho peitos, e vou me ver pelada" ou "ai, que nojo, como eu faço xixi?".

    Após isso os protagonistas inventam um monte de coisas sem noção para conseguirem se comunicar enquanto estão com os corpos trocados (já que isso sempre acontece em alguns momentos esporádicos), mas em nenhum momento um pensa em ligar pro outro, mandar email, procurar um psiquiatra ou a casa do caralho que for. 

    De todo modo, o anime teria se mantido como uma comédia medíocre (mas assistível) se tivesse ficado apenas nisso, mas não, eles tinham que inventar um monte de maluquices na segunda metade da história, envolvendo o já comentado plot device que todo mundo ama, mas que raramente alguém acerta fazer. E após isso a coisa fica totalmente sem sentido, as conveniências sobem a um nível estratosférico, com o filme sequer tentando explicar por que as coisas aconteceram daquela maneira, e acaba usando sua animação linda para DISFARÇAR toda a merda que ele está vomitando na cara do espectador! Sim, vomitando merda, e esse ainda é um eufemismo em frente ao rumo asqueroso que essa história tomou.

    É simplesmente terrível. Basicamente Kimi no Na Wa usa uma comédia leve na sua primeira metade para cativar o espectador, e depois mostra na tela o desenvolvimento mais barato possível, terminando tudo de uma maneira extremamente preguiçosa e conveniente. Mas, para que o filme pudesse ser elogiado aos 4 cantos da internet (ganhasse mangá, dublagem BR e ficasse entre os mais cotados nas listas por aí) usam sua animação estonteante (e cenários baseados em lugares reais) com CGs que não são feitas com a bunda para disfarçar tudo. Obviamente que o character design da coisa toda segue o padrão atual dos japas, com traços mais arredondados e feições infantilizadas, e isso também ajuda a tirar atenção de quem está vendo daquilo que realmente interessa... Ou que deveria interessar numa narrativa...

    Dito isso, fica aqui a bengalada nesse filme de animação horrível chamado Kimi No Na Wa, um dos animes recentes mais famosos e que mostra com exatidão o quão pútrida a animação japonesa se tornou nos últimos anos. E abaixo, seguem algumas indicações, seja para quem já viu o bengalado ou para quem não quer perder tempo com ele:

    Byousoku 5 Centimeter - Outro filme do Makoto Shinkai, que também usa CGs lindonas e cenários de cair o queixo, mas que não usa de conveniências nojentas pra contar sua história (além de ter um gostinho amargo de realidade que é bem legal).

    Kotonoha no Niwa - Outro filme do Shinkai, pra quem quer ver CGs bonitas que parecem animação, mas com uma história melhor.

    Hoshi no koe - Mais Makoto Shinkai, dessa vez um OVA curtinho. 

    Ramna 1/2 - Clássico que fala de um protagonista que vira mulher, mas sem essas piadinhas infames de "ah, vou apertar meus peitos!"

    Tetsuwan Birdy - Anime antigo que fala de um protagonista que morre e é transferido pro corpo de uma dona. Também não tem essas piadinhas sem graça.

    Body Transfer - Outra animação que fala de pessoas mudando de corpo. É um hentai, mas mesmo se não gostar de pornografia, será uma experiência mais agradável.

    Bem, é isso. Até a próxima bengalada!

    Link para uma planilha com todos as indicações do Arco aqui XD

    30
    • Micro picture
      mateusfv · 4 months ago · 2 pontos

      Ouvi falar desse ai na época do lançamento, porém não fazia ideia que era um se eu fosse você japonês kk

      4 replies
    • Micro picture
      kalini · 4 months ago · 2 pontos

      O plot device que todo mundo ama, mas não acerta em fazer seria a viagem no tempo,?

      1 reply
    • Micro picture
      kalini · 4 months ago · 2 pontos

      Sera que diamond is umbreakable levaria uma 7-page bengalada? Eu curto muito essa parte de JoJo, mas curtiria ver voce dando bengalada mesmo assim ( porque tambem o mateusfv pediu(

      3 replies

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...