• cyberwoo Diogo Batista
    2019-03-12 12:38:21 -0300 Thumb picture

    LIVE DE BANJO-KAZOOIE

    Galera, estou entrando em live agora pra jogar Banjo-Kazooie, então deixo o convite a quem estiver interessado em participar ou dar apenas uma passadinha pra deixar um "Oi".


    Vocês podem conferir a live atráves da nossa página no Facebook ou em nosso canal do Mixer:

    Mixer: https://www.mixer.com/cyberwoo
    Facebook: https://www.facebook.com/ArquivosdoWoo

    Banjo-Kazooie

    Platform: XBOX 360
    200 Players
    25 Check-ins

    5
  • santz Santz
    2019-03-11 09:19:51 -0300 Thumb picture

    Jogo finalizado nº: 328 - Bruxa feia comedora de meleca

     Depois de Super Mario 64, parti para um outro clássico do Nintendo 64 que todos elogiam e dizem ser melhor que o jogo do bigode e de fato é, claro, ele saiu 2 anos depois de Mario mostrar ao mundo como deve ser feito um jogo de plataforma em 3 dimensões. A história do jogo é simples. A bruxa Gruntilda rapta a pequena Tooty para roubar sua beleza. O irmão dela, Banjo e sua parceira Kazooie partem para a aventura em vários mundos interligados como no jogo do Mario 64. O humor do jogo é seu grande charme, onde Kazooie vai xingando todos que vem falar com ela e deixa os diálogos sempre divertidos.

     O jogo em si é muito bonito, com texturas bem aplicadas e mundos com muito mais detalhes e coisas para fazer. A trilha sonora também é marcante, com temas únicos e marcantes para cada etapa do jogo. O jogo meio que inaugura o gênero Colecatom (não sei como se escreve), onde em cada mundo temos que coletar várias paradas para abrir as fases seguintes. Cada mundo possui 100 notas, 10 peças de quebra-cabeças, 2 favos de mel, 5 Jinjos e várias outras coisas que variam de cada mundo. Banjo pode transformar em bichos com habilidade únicas por meio de magias do Mumbo. A abóbora é a mais sem graça. A fase do tabuleiro no final do jogo é uma droga, pois vai testar seu conhecimento adquirido durante todo o jogo, então, a não ser que você tenha anotado tudo feito um maluco ou seguir um guia, vai se ferrar bonito. No geral, é um jogo espetacular e viciante.

    Minhas conquistas:

    *Todas as notas musicais;
    *Todas as peças de quebra-cabeças;
    *Todos os Cheatos encontrados;
    *Todos os favos de mel coletados.

    Banjo-Kazooie

    Platform: N64
    4264 Players
    98 Check-ins

    37
    • Micro picture
      lukenakama · 2 months ago · 5 pontos

      7 pro gráfico e som de Banjo é sacanagem, a trilha sonora dele é uma das melhores do console.

      6 replies
    • Micro picture
      mastershadow · 2 months ago · 2 pontos

      Comprei ele a uns 2 meses, ta na lista dos proximos serem jogados!

      1 reply
    • Micro picture
      lukenakama · 2 months ago · 2 pontos

      Ah, e dando uma pesquisada, o termo pra esse tipo de jogo é "Collect a thon" ou no termo abrasileirado "Coletaton"

      1 reply
  • gusgeek Gustavo Francescheto
    2018-10-05 13:43:16 -0300 Thumb picture
  • muser Rafael Nogueira
    2018-09-09 15:17:57 -0300 Thumb picture
    Post by muser: <p>Por&nbsp;<a href="https://www.deviantart.com/leo

    Medium 583834 3309110367

    Por LeoZeke

    Banjo-Kazooie

    Platform: XBOX 360
    200 Players
    25 Check-ins

    22
    • Micro picture
      leandro2litros · 9 months ago · 2 pontos

      Lembra o especial da Nakoruru no KOF XIV

  • muser Rafael Nogueira
    2018-07-09 14:25:51 -0300 Thumb picture

    Novas aquisições #1

    Com os desafios sobre 10 jogos que me marcaram e as 20 músicas que me marcaram (que ainda estão rolando pra galera) eu tive que deixar alguns outros posts de lado pra focar nesses desafios, e tem muita coisa... Mas com ambos deles terminados (foi muito bom participar dos dois) eu posso dar continuidade ao meu ''conteúdo original'' no site antes que eu volte a postar imagens enlouquecidamente ;-D

    Começando com as várias aquisições que eu obtive enquanto fazia os desafios que agora eu resolvi numerar pra deixar tudo mais organizadinho.

    Resident Evil: Revelations 2 (Xbox One)

    Esse na verdade eu peguei bem antes dos dois desafios, mas tava esperando pegar todos os episódios pra começar pra valer agora.

    Outer Wilds (Xbox One)

    Um jogo que ainda está em desenvolvimento, mas eu recebi ele enquanto assistia as lives da E3 mês passado no Mixer, é um jogo que ainda não tem cadastrado aqui na Alvanista, então pessoal... Por favor :-)

    Shadow Complex Remastered (Xbox One)

    Um jogo side-scrolling de espionagem parecido com Metal Gear do Game Cube, gostei dele, mas tem um português de Portugal ''maravilhoso''.

    Banjo-Kazooie (Xbox 360)

    Clássico do N64, primeira vez jogando e ele parece bem divertido, lembra bastante Donkey Kong 64, principalmente os sons reaproveitados que era comum entre os jogos da Rare na época.

    Abzû (Xbox One)

    Outro jogo estilo Rime, o tema água é sempre algo chato pra mim (síndrome do Templo da Água no Ocarina of Time), mas nesse caso eu precisei dar uma chance, os gráficos bonitos e a trama interpretativa foram os pontos que eu mais gostei em Rime, e esse jogo aparenta ter essas duas vantagens acima do tema que eles resolveram adotar... Frustração é o que eu não vou ter jogando isso... Espero...

    Banjo-Tooie (Xbox 360)

    E eu nem comecei o primeiro e já baixei o segundo porque a receita de bolo deve seguir o mesmo com mais aprimoramentos, obviamente :)

    Joy Ride Turbo (Xbox 360)

    Estilo Mario Kart com os avatares do 360, bem divertido jogando co-op com o meu irmão, mas deve enjoar rápido, principalmente sozinho.

    Com os avatares novos que estão por vir do Xbox One eles até poderiam lançar um jogo novo desse.

    Homefront: The Revolution (Xbox One)

    Esse eu peguei, mas logo depois eu já exclui de tão ruim que ele é, e eu não esperava isso, o primeiro jogo é muito bom, o Homefront 2 (que eu não conhecia até pouco tempo o.O) eu não sei, não joguei ainda, mas a decadência desse... É triste.

    O duro é que eu desperdicei muito tempo baixando esse jogo de 40GB, pelo menos liberei espaço pra mais jogos bons.

    Zombie Army Trilogy (Xbox One)

    Estilo Left 4 Dead, mas ambientado na Segunda Guerra, não sei se tem co-op local, se for totalmente online eu tô fodido sem Live Gold, mas dando pra jogar sozinho acho que chego pelo menos na metade do jogo antes de enjoar :-/

    É isso, não sei se faltou alguns, sou um desgraçado da cabeça, mas se tiver terão mais posts como esse, sem falar que tem mais jogos vindo aí, então...

    @ostentadores

    33
    • Micro picture
      tiagodantas · 11 months ago · 2 pontos

      Revelations 2 tá na lista de "algum dia vou comprar"

    • Micro picture
      douglascruz19 · 11 months ago · 2 pontos

      Boa lista, vai render várias horas de jogatina!

    • Micro picture
      jessicagdsantos · 11 months ago · 2 pontos

      Banjo Kazooie é maravilhoooooso. Vc vai gostar.

  • shadowofheart Rodrigo
    2018-06-17 19:07:11 -0300 Thumb picture

    Desafio dos 10 jogos! Dia 2

    Continuando o desafio.

    Na verdade foi o segundo jogo, mas só encontrei imagem de boa qualidade do 1, então fiquem com o Banjo desejando a vocês uma ótima semana!

    E como antes, quem quiser fazer o desafio, fiquem a vontade ;)

    Banjo-Tooie

    Platform: N64
    1730 Players
    28 Check-ins

    22
  • gusgeek Gustavo Francescheto
    2018-05-10 14:40:01 -0300 Thumb picture
  • anduzerandu Anderson Alves
    2017-11-13 23:22:02 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: Super Mario Odyssey

    Zerado dia 12/11/17

    Não faz muito tempo desde que esse jogo foi mostrado pela primeira vez, acho que num Nintendo Direct que revelou o Switch. Nesse dia, eu e vários amigos marcamos de assistir a apresentação juntos (um deles até gravou) e usufruir do hype de finalmente ver o que o novo híbrido da Big N traria.

    Lembro que fiquei super ultra mega feliz em ver que já teria um novo jogo da série Xenoblade, e entre outros anúncios, veio o de Super Mario Odyssey. Acredito que todo mundo conheça os primeiros vídeos desse jogo. Quando vi o primeiro trailer dele, fiquei meio cético, principalmente por ver o bigodudo correndo por uma cidade realista e interagindo com pessoas "reais" e de proporções bem diferentes das dele. Não demorou pros memes de comparação com Sonic Adventure aparecerem, visto que naquele jogo nós também convivíamos com humanos bem diferentes do protagonista.

    SMO me deixou curioso em saber como seria o produto final e sabendo que a Nintendo não pisa na bola com seus jogos principais, super bem feitos, resolvi esquecer da existência desse título e focar em outros jogos e na compra do meu Switch, que levou a minha atenção a Mario Kart 8 Deluxe, Splatoon 2, Breath of the Wild e muitos outros.

    Com a data de seu lançamento chegando, o hype foi subindo e os comerciais do jogo só faziam eu querê-lo mais e mais. Fiquei com muito medo de ser um Mario diferente demais e duvidei que pudesse bater o Zelda na questão de Game of the Year.

    Pois bem, comprei o jogo uma semana depois do lançamento e joguei, mas joguei MUITO. No final das contas foram apenas 10 dias, mas cada um deles foi por boas horas (meu videogame ainda não está mostrando o total em horas que gastei nele).

    Hoje em dia posso dizer que o jogo superou as minhas expectativas de uma certa forma, mas ainda me deixou levemente decepcionado em certos quesitos e o que eu achei que poderia ser O jogo do Mario, ou o Breath of the Wild da série, foi apenas mais um platformer.

    Muitos elementos da série foram limados, mas outros também foram melhorados e mesmo tendo feito 100% na aventura, coletando as 999 luas e tudo mais, o conteúdo chega a ser repetitivo e superficial por muitas vezes e a dificuldade baixa demais (pelo menos pra quem jogou Mario 64, Sunshine, Galaxy 1 e 2 e até 3D World).

    De início já achei a aventura um tanto quanto triste. O primeiro mundo é escuro e lento. Nem parece uma introdução de um jogo tão feliz. Acho que pra quem explora muito, como eu, acaba que fica a sensação de lentidão e monotonia bizarra!

    No segundo mundo, com um cenário mais realista, eu comecei a perceber que eu não me sentia jogando Mario. Na verdade, aquilo poderia ser muito bem um Banjo-Kazooie ou até muitas outras coisas. Elementos da série, como blocos e inimigos estão aqui e ali e até em mundo seguintes, é comum andar por vastidões de grama, água, deserto etc. Já sendo repetitivo: poderia ser qualquer jogo ali.

    Achei meio estranho também como o pouco enredo do início é corrido e curto e do nada você já está na aventura. Superficial até mesmo para um jogo do Mario. Vários lugares, como a parte do deserto mesmo, não é tocada qualquer música e você fica andando num maior silêncio do mundo, ouvindo só os gritos do personagem quando pula. 

    Sabe no último Zelda que a trilha sonora é apenas para situações específicas? Pois é, essa tentativa de imersão em um Mario ficou um tanto estranha e felizmente acabou sendo depois algo raro.

    Teve um momento no meu segundo dia de jogo que eu parei e pensei: "velho, esse jogo é muito esquisito!"

    Logo percebi que, além de plataforma, SMO é muito focado mesmo na exploração e no gênero collect-a-ton. Para quem quiser apenas zerar, sendo que duvido você fazer só isso com esse jogo, a aventura é curtíssima e se baseia em chegar a certos pontos nas fases, enfrentar um chefe e repetir no próximo mundo. Para jogadores mais casuais, é possível ativar um assist que te guia com setas no chão pelo seu trajeto.

    Além disso, o jogo te incentiva a explorar e tentar conhecer novos lugares pois os coletáveis, Power Moons, estão por toda parte, dinheiro é importante para comprar roupas e afins, ou seja, você dá valor, e há muitos desafios escondidos e descobri-los sempre abre um leque de desafios de minigames que vão fazer você aproveitar cada centavo gasto com a aventura.

    Por outro lado, são cerca de 880 Power Moons dispostas por vários mundos diferentes, mas muitas delas estão apenas "lá", esperando para serem coletadas ou como recompensas de desafios bestas ou de detalhes bobos, como um brilho na ponta de algum objeto que você deve jogar seu chapéu, Cappy, ou mesmo uma luz no chão para você dar uma bundada.

    Eu sei que tantas Moons assim não teriam como ser recompensas de tantos desafios bem trabalhados, mas ter essa recompensa a cada 3 minutos não me agradou muito e eu definitivamente prefiro menos e desafios mais criativos.

    O novo poder do Mario se baseia em jogar seu chapéu em criaturas e até alguns objetos inanimados e "possuir" esses indivíduos. A ideia não é tão nova, visto que ganhávamos habilidades e formas diferentes até mesmo nos Galaxy ao coletar cogumelos especiais. Ainda assim, ganhar as formas e tamanhos de Odyssey ficou bem mais interessante e abre novas possibilidades e limitações para cada ser que você controlar.

    Controlar um peixe faz você nadar rápido e não precisar de ar debaixo d'água. O t-rex sai quebrando tudo e tem até um passarinho que estica e finca o bico em certas paredes, alavancando-o a novas alturas.

    Essas habilidades só são conseguidas se a criatura for disponível naquela área e entrar em canos e lugares onde há um "corte" na imagem, faz com que a habilidade seja perdida.

    É meio decepcionante como não há muita liberdade para o uso desse poder e de 40 e poucos, a grande maioria é bem sem graça ou mesmo inútil, como uma pedra que só existe em UM lugar de todo o jogo e que você a possui apenas para deslizá-la para o lado e acessar uma Moon em baixo. Alguns outros serem "possuíveis" entram na mesma categoria inútil e desnecessários.

    Mas é obvio que há também muitos pontos altos nessa odisseia. Um deles é a quantidade de conteúdo, que mesmo tendo muita coisa superficial ou óbvia e a grande quantidade de luas conseguidas por hora, ainda tem seus charmes.

    Primeiro que coletar luas é um vício e há uma lista que mostra quais já foram conseguidas ou não, o que facilita muito o nosso trabalho. Em caso de dificuldade, podemos pagar 50 moedas a um Toad azul para marcar no mapa onde há uma Power Moon. É possível marcar até todas as luas disponíveis em cada mapa e ainda há um grande trabalho em descobrir onde estão, sendo que as fases tem níveis e mais níveis pra cima e pra baixo, por exemplo. Há também um papagaio em cada estágio que fala o nome de missões a serem feitas e elas ficam marcadas na sua lista, o que é uma boa dica de como encontrá-las.

    Os cenários tem muitos pontos vazios, mas também conta com visuais deslumbrantes e música boa e original em grande parte da aventura, e até alguns remixes do passado.

    O jogo me remeteu muito ao Mario 64, com cenários limitados e bastante coisa pra explorar e aprender.

    Tem muita missão tosca, mas a maioria tem lá a sua criatividade e desafio. Fazer 100% do jogo é relativamente desafiador, pois é comum ter caminhos alternativos em muitas partes para conseguir uma lua adicional, mas só de ver a dificuldade, jogadores casuais evitariam.

    Além disso, o existe uma última fase do post-game que não é mole, e eu adorei!

    Conhecer as fases, ir e voltar de mundo em mundo, descobrir novas mecânicas e lugares óbvios ou tentar versões mais difíceis de desafios do passado são pontos fortes do jogo, e que me fizeram continuar jogando como louco.

    Isso e o fato de que, além das luas, há de 50 a 100 moedas roxas especiais em cada mundo. Essas moedas, dispostas e até escondidas por todo aquele estágio, contam nas suas estatísticas de jogo e são usadas para comprar roupas para você, assim como souvenir e adesivos para por na sua nave, a Odyssey!

    Resumindo: Super Mario Odyssey é o jogo do Mario que muita gente queria no Wii U, mais próximo do estilo do Galaxy e o típico Mario que temos em cada geração. Por um lado, adoro essa ideia, por outro, esperava mais inovação e liberdade. O jogo é muito divertido, mas pela primeira vez na minha vida estou fazendo algumas críticas negativas sobre um AAA da Nintendo. Muita gente vai discordar, mas me pareceu que o jogo foi meio corrido e que faltou um pouco mais de cuidado, mesmo tendo partes incríveis.

    De bom: visual bacana. Jogabilidade perfeita com controles super responsivos, digna dos jogos do bigodudo. Mapas até grandes (embora eu esperasse muito mais liberdade). Achei legal a habilidade de possuir certos indivíduos. Experiência muito amigável para todo tipo de jogador, mesmo para quem for muito ruim, incluindo auxílios e penalidades minúsculas. Grande variedade de mundos, desafios e roupas. MUITOS colecionáveis, podendo juntar até 999 luas, muitas roupas, itens pra comprar pra nave e por aí vai. Um grande prazer de platinar! Possibilidade de jogar de 2 jogadores. Amo as partes que jogamos sidescroller em 8-bits!

    De ruim: achei o jogo bem menos carismático que o habitual e que outros da série e do gênero. Enredo fraquíssimo, que começa do nada, inclui vilões novos e sem o menor background e até um final meio sem graça (embora a última missão da campanha seja legal). Algumas luas são bizarramente sem graça. Repetitividade de algumas missões e desafios, como chefes que sempre voltam durante o jogo, típico da série, principalmente desde 3D Land/World. Senti falta de inovação nas missões principais, que se baseiam sempre em subir até o topo da fase, enfrentar o chefe e pronto. Senti falta também de personagens importantes e problematizações menores e relacionadas ao enredo de cada mundo. As roupas do jogo são puramente visual, sem o menor efeito adicional. Não vejo o menor motivo de voltar a jogar agora, sem multiplayer de 4 jogadores e nem pra jogar só a campanha sem graça (sem as "sidequests").

    No geral, foi uma experiência muito boa e que valeu, claro, o dinheiro gasto, mas eu sinto que venderia o jogo agora se não tivesse o comprado digital. Definitivamente é um jogo para se jogar e curtir por um bom tempo e Mario nunca deixa na mão e estou de dedos cruzados por um DLC ou segundo jogo, nem que seja um Super Luigi Odyssey! Jogão, mas esperava mais. Em tempos que os jogos estão trazendo novidades e diferenças para a nova geração. sinto que esse jogo poderia facilmente estar no Wii U.

    Super Mario Odyssey

    Platform: Nintendo Switch
    582 Players
    177 Check-ins

    16
    • Micro picture
      kevinryman · over 1 year ago · 3 pontos

      @hard_frolics, aí uma opinião que dou valor! Uma opinião de quem joga de verdade, e sobretudo, uma opinião embasada. Sem absolutamente nada de apelo nostálgico para superestimar o jogo.

      Meus parabéns, @anduzerandu! Sei que pode ter sido difícil pra vc não falar bem da Nintendo no review; mas acredito piamente que está sossegado com a sua consciência. Se todos fossem assim... ^^

    • Micro picture
      waterstill · over 1 year ago · 2 pontos

      Pô, que rápido você XD Li até a metade da "review" só pra não pegar mais spoilers.

      Tenso que tenha achado isso do jogo. Eu gosto de jogos mais difíceis, meio decepcionante isso. A falta de dificuldade foi um dos fatores que me fez não gostar do Super Mario 3D Land

      E concordo com você, melhor ter menos Luas pra coletar, mas serem realmente desafiadoras do que ter uma o tempo todo.

    • Micro picture
      darleysantos676 · over 1 year ago · 2 pontos

      Como sempre, excelente parecer do jogo!

      1 reply
  • gusgeek Gustavo Francescheto
    2017-10-11 08:16:30 -0300 Thumb picture
  • anduzerandu Anderson Alves
    2017-09-06 16:52:28 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Banjo-Kazooie: Nuts & Bolts

    Zerado dia 06/09/17

    Eis que com muito medo eu começo a última aventura longa e "complexa" do Rare Replay: o famoso Banjo-Kazzoie: Nuts & Bolts. Medo porquê estou há anos ouvindo pessoas falando mal desse título e como a série foi destruída pela Microsoft e se tornou um jogo de corrida. Além disso, o howlongtobeat.com me assustou quando curiosamente procurei pelo jogo lá e me foi mostrado terríveis 40 horas de jogo! Bom, tenho que lembrar que eles mostram 20 horas para B-Tooie e eu levei mais do que isso, além de não ter sido uma experiência tão divertida como em B-Kazooie.

    Imagine 40 horas de um jogo odiado pelas pessoas. Bom, tive que encarar pra fechar a série (ainda estou devendo um de GBA), terminar com o Rare Replay e claro, poder criticá-lo.

    Abrindo o jogo, é perceptível como ele é LINDO! Poucos jogos da geração passada são tão coloridos e detalhados como esse. Visualmente, eu praticamente não vi nenhum defeito durante toda a jogatina e acho que posso dizer que N&B nunca irá envelhecer. Para efeitos de comparação, Nintendo Land, de Wii U, é o que primeiro vem a cabeça. Mas, o jogo da Nintendo é bem raso e simplório, enquanto esse aqui é quase um GTA com Banjo-Kazooie.

    Nos primeiros minutos, a estória já é contada quando LOG (Lord of Games), um robô que cria jogos, chega fazendo mil piadinhas e propondo que o urso e pássaro esquecidos e gordos encarem uma nova aventura. Lembra que eu falei de Nintendo Land? Olha como a Monita parece o LOG:

    O jogo em si se baseia bem menos em plataforma, motivo pelo qual muita gente torceu o nariz. A maior parte do gameplay está relacionada a veículos, seja fazendo as missões, seja construindo.

    N&B tem um hub central, uma cidade como aquela do Mario Sunshine, onde você dirige ou anda, escolhe uma porta aberta e entra em um dos mundos. Cada porta relacionada a um mundo tem objetivos diferentes pelo mapa. Basta olhar onde está e ir até lá e falar com a pessoa.

    Ao aceitar a missão, ela descreverá o seu objetivo e que tipo de veículo você deveria usar, como: "Uma corrida rápida ao redor de algum lugar. Recomenda-se o uso de um veículo terrestre rápido e bom de curvas" ou "Fulano quer cocos da praia. Recomenda-se o uso de um veículo com caçamba ou um que empurre as coisas".

    De primeira, essas missões são simples e requerem veículos básicos, mas com o passar do jogo, você vai encarar ambientes diferentes e desafios mais difíceis. Além de carros, você vai estar construindo muitos barcos, aviões, helicópteros e de formas e tamanhos bizarros.

    ESSE JOGO É MUITO VICIANTE!!!!!!!

    Eu mesmo odiei a ideia de construir coisas e evitei ao máximo, até que tive que fazer um veículo mais rápido e vencer uma corrida. Troca motor, tenta voar, põe armas, tentar ganhar de qualquer jeito que você quiser e logo a diversão começa. Tudo vale! E essa é a parte mais legal.

    Em outra missão, a única coisa que eu podia fazer era virar o volante e todo o resto estava bloqueado. Ganhei depois de muitas tentativas quando fiz uma bola pra rolar morro abaixo sem rodas. Sabe aqueles desafios da Red Bull que as pessoas constroem seus próprios veículos e pulam na água, foi tipo isso!

    Você já jogou aquele jogo de corrida da LEGO? Parece um pouco, mas vai bem além. Gosto também do fator aleatoriedade do jogo, similar a série GTA, onde tudo pode acontecer, como um carro adversário ficar preso numa árvore ou capotar depois de bater em algo que surgiu do nada.

    Cada fase tem entre 1 a 6 desafios em média e ficam todos marcados quando feitos ou não, te deixando sempre a par do que fazer ou onde ir. Você não é obrigado a cumprir todos eles e pode os fazer na ordem que quiser, o que é legal.

    Passar de um desafio resulta num prêmio: uma peça de  quebra-cabeças. Para coleta-los, basta sair do estágio e pegar numa máquina perto da porta. Coloque cada peça no seu carro e leve para o centro do mapa, onde outra máquina irá sugá-los e novas portas serão abertas e novas peças serão liberadas para compra no jogo, aumentando ainda mais as possibilidades.

    Resumindo: Banjo-Kazooie: Nuts & Bolts é inesperadamente uma das melhores experiências que tive com o Rare Replay e uma grata surpresa depois de comentários tão negativos relacionados a ele. Não é exatamente como os seus antecessores e por isso talvez seja um BK fraco, mas como jogo, ele é demais! Talvez se fossem outros personagens o jogo seria adorado!

    De bom: muito bonito! Trilha sonora de primeira, incluindo muitas faixas antigas. Não mudaram as vozes de ninguém. Teor de comédia no ponto certo, incluindo coisas mais maduras como no Conker's Bad Fur Day. Desafios bem originais, coisa que eu não esperava no início. Montar veículos, se preocupar com espaço, peso, munição, combustível ou simplesmente juntar tudo nunca foi tãããão legal, apesar de não parecer isso enquanto temos poucas coisas disponíveis para uso. Esse sistema de construção daria muito certo em Minecraft, meu deus! O jogo é bem pensado de todas as formas, bem mais caprichado que outros jogos da empresa. Grande liberdade no jogo todo. Você coleta toneladas de jiggies com facilidade e rapidez, diferentemente dos jogos anteriores, mas cada desafio é bem divertido.

    De ruim: parece que os carros tem imãs e ficam grudando uns nos outros em batidas e em árvores e demais obstáculos. Não sei se curti muito os novos modelos do Banjo e Kazooie, mas nada demais também. Acho que poderia ter mais plataforma. Você usa uma varinha mágica para levantar qualquer coisa, por um raio, o que é tosco. As vezes você quer pegar uma peça pra por no carro e o ícone de seleção não fica nele de jeito nenhum ou você acaba pegando um que já está dentro e tirando. O jogo deveria avisar quando você faz um carro sem combustível ou sem munição para as armas, mas deve ser por isso que existe o modo de teste (não cheguei a usa-lo).

    No geral, o jogo é bem bacana. Fiquei muito viciado e amei as cinemáticas e apresentação dele como um todo. A forma como eles deixam você suar a sua criatividade é sensacional. Me diverti mais nele do que com B-Tooie! Vale a pena ignorar as pessoas e jogar esse jogo, ainda mais que você só precisa de cerca de metade dos jiggies para acessar o final!

    Banjo-Kazooie: Nuts & Bolts

    Platform: XBOX 360
    855 Players
    6 Check-ins

    9
    • Micro picture
      waterstill · over 1 year ago · 1 ponto

      O problema talvez seja o fato de ser um Banjo-Kazooie mesmo, né? Imagina, uma série que tu curte volta depois de anos sem jogo, mas com um gameplay nada a ver com o original.
      No meu caso por exemplo eu não gosto de jogo de carro mas amo platformer, então com certeza ficaria decepcionado se fosse fã da série XD

      1 reply

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...