• palomaref Paloma Cristini
    2018-08-16 08:05:47 -0300 Thumb picture

    Os Zumbis e a Cultura Pop

    Medium 3662034 featured image

    Data original do artigo: 01/05/2015
    Site original da postagem: Co-op Geeks

    Os zumbis, ou mortos-vivos, estão atualmente dominando a cultura pop. Seja em jogos, filmes, séries, quadrinhos, e até mesmo livros, os monstros caíram no gosto do púbico e são infinitas as possibilidades em que as criaturas são usadas. Mas você conhece a origem de tudo isso? Nesse artigo especial, você conhecerá um pouco mais, sobre os terríveis zumbis.

    Origem

    A origem do termo “zumbi” é incerta, mas acredita-se que se deriva de nzambi ou nzumbi, que significa “divindade” ou “espírito ancestral”, em dialeto africano. O berço dessa origem é no Haiti, lugar onde acontecem rituais de vodu, prática que tem fortes ligações com os zumbis. Durante essas cerimônias, as pessoas dançam, entram em transe e incorporam entidades chamadas Iodas, e comem animais sacrificados. Entre esses praticantes, há os Bokos (feiticeiros), que seriam capazes de ressuscitar cadáveres e torná-los seus escravos, trabalhadores sem vontade própria. Isso seria possível pela ajuda de um pó venenoso, que deixa a vítima catatônica (esse pó é feito com ossos humanos pulverizados, lagartos, a carcaça de um sapo venenoso e um verme aquático, mas o principal ingrediente para esse pó é o peixe baiacu. Todos são grelhados e depois triturados em um pilão). E é assim que os zumbis ganham vida, segundo a cultura haitiana!

    Nós gamers, estamos acostumados com outro tipo de histórias sobre a origem dos zumbis, contadas em jogos como Resident Evil, Left 4 Dead e Dead Rising etc; Através desses games, outra teoria é levantada e aceitada por várias pessoas para a explicação da existência de zumbis: Vírus! Uma epidemia por animais e/ou roedores urbanos poderia causar uma contaminação de centenas de pessoas e torná-las zumbis. Uma pessoa infectada, em 2 horas, terá dor de cabeça, febre e calafrios; Em 24 horas, entra em coma profundo, parecido com a morte, e seus sinais vitais diminuem gradativamente; Em 30 horas, a transformações é completa: o zumbi não responde a estímulos e só age em uma função básica: se alimentar de carne humana!
    Os zumbis não vivem para sempre, pois mesmo sendo essas aberrações todas, eles são cadáveres ambulantes e seus corpos ficam expostos, sendo fácil alvo de bactérias que causam a sua decomposição. O zumbi pode viver, no máximo, 1 ano. No início de sua transformação, a pele adquire manchas e feridas abertas, alimento ideal para as bactérias. Depois de um tempo, orelhas, nariz, dedos dos pés e das mãos apodrecem e caem. Passando mais tempo, os ossos ficam expostos, fazendo com que parte dos braços, alguns dentes e olhos sejam perdidos. Com o passar do tempo, eles não conseguem nem se manter em pé, causando, definitivamente, sua morte.


    Curiosidades

    - Zumbis sofrem de miopia grave, enxergando o mundo em preto e branco. Também não escutam muito bem, mas tem um olfato excelente, assim farejam suas vitimas a quilômetros de distancia;
    - Eles não respiram, assim não precisam de hemoglobina, explicando o fato deles obterem um sangue escuro e grosso. Sua respiração é feita por contrações musculares do corpo;
    - Toda a carne humana ingerida pelos zumbis vai para seu intestino, onde apodrecem e são expulsas, mas eles não precisam se alimentar para se manterem vivos, fazendo com que isso se torne apenas uma caça por mero prazer doentio.


    Infestando os games

    A cada dia que passa, mais jogos com o tema voltado para apocalipse zumbi são lançados. Além dos já citados Resident Evil, Left 4 Dead e Dead Rising, o game mais atual a colocar zumbis como inimigos, foi o aclamado e bem sucedido The Last of Us, que diferentemente da maioria dos games, a causa da infecção não é um vírus, ou experiência biológica, mas sim a ação de um fungo existente no mundo real, chamado cordyceps. O fungo domina o hospedeiro e o transforma em uma criatura hostil e sanguinária. Diversas mutações acontecem no decorrer do tempo de infecção. O parasita por fim, termina o ciclo de transformação deixando o infectado quase sem características humanas.

    Infectando de diversas formas

    A série em quadrinhos The Walking Dead, que ganhou uma série de TV e em seguida dois jogos de videogame, também é uma das responsáveis pela propagação do sucesso que os zumbis estão fazendo atualmente. Porém, nesse caso, o motivo da infecção não é revelado.

    Quanto tempo irá durar essa epidemia?
    Podemos ter certeza de que a moda zumbi permanecerá na cultura pop por um longo tempo, já que o contexto em que as criaturas podem ser inseridas é infinito e cheio de espaço para criação e adaptação. Como por exemplo, a subdivisão de gêneros onde zumbis podem aparecer em títulos de ação, terror, ou num conjunto de ambos. 

    Resident Evil 6

    Platform: Playstation 3
    6519 Players
    438 Check-ins

    31
    • Micro picture
      roberto_monteiro · almost 2 years ago · 2 pontos

      Muito legal!

      Eu acho incrivel como á uma liberdade para criar algo relacionado ao mundo zombie, se olharmos World War Z o infectado se transforma em questão de minutos, Outros, igual você citou, podem demorar dias.
      Em Walkin Dead todos já estão infectados, o que eu acho que nunca vi em outro lugar..

      Mas de fato, Zombies everywhere! haha

      1 reply
    • Micro picture
      mattfenrir · almost 2 years ago · 2 pontos
      1 reply
  • palomaref Paloma Cristini
    2018-08-02 16:12:22 -0300 Thumb picture

    A Evolução de Metal Gear

    Medium 3657827 featured image

    Data Original do artigo: 30/06/2014
    Site Original de postagem: Co-op Geeks


    Desde os primórdios até a nova geração de consoles, a franquia Metal Gear vem sendo o exemplo chave de um game estilo stealth, conseguindo evoluir junto com os consoles ao passar dos tempos, mas nunca perdendo sua essência: o enredo complexo e muito bem encaixado em cada game lançado. A produtora da franquia, Konami, também é uma das produtoras mais aclamadas nesse mercado, conhecida por seus inúmeros games de sucesso.
    Esse artigo resumirá um pouco sobre tudo da franquia de mais sucesso da empresa, e falar das suas evoluções, seja no enredo, na jogabilidade ou nos armamentos de cada game.

    Metal Gear

    A franquia começa com o game Metal Gear, lançado no ano de 1987 para MSX2. O enredo se baseia na infiltração do agente secreto Solid Snake na fortaleza de Outer Heaven, que carrega uma arma com poder nuclear capaz de mudar as guerras, denominada Metal Gear.

    O que chamava a atenção do game logo de inicio era a jogabilidade diferenciada para alguns games da época. O jogador começava a jogar sem arma alguma e tinha que avançar, pacientemente pelo cenário até conseguir algumas armas como metralhadoras, pistolas automáticas, explosivos e demais apetrechos necessários para alcançar o objetivo principal da missão, tudo isso sem chamar a atenção dos vários guardas espalhados pelo cenário, pois se o agente fosse visto, mais guardas apareceriam para tentar colocar um “game over” na tela.

    Metal Gear 2

    A sua sequencia, Metal Gear 2: Solid Snake, lançado em 1990 para MSX2, não evoluiu tanto quanto os demais games no sentido de armamento e jogabilidade, mas seu enredo, que agora se baseia em se infiltrar em Zanzibar Land, um território em alto conflito, para resgatar o Dr. Kio Marv e destruir uma nova ameaça nuclear, o Metal Gear D, promete um resultado bem promissor na história.

    Metal Gear Solid

    Partindo para a “geração do CD’s”, temos o Metal Gear Solid, lançado em 1998 para Playstation, que é um game reconhecido como o mais influente na história dos consoles por várias e várias listas feitas por diversos sites e revistas do mundo que são símbolo da cultura gamer.

    O enredo se resume, como sempre, na infiltração do agente Solid Snake em Shadow Moses, uma ilha situada no Alasca que está sendo usada por um grupo terrorista para o desenvolvimento e teste da nova ameaça nuclear, o Metal Gear Rex. Ao longo do enredo, descobrimos as verdades por trás da unidade em que Snake trabalhava, a FOX-HOUND, e até sobre seu passado.
    A evolução nesse game fica por conta do novo armamento e itens encontrados ao decorrer do gameplay, pois estão com maior facilidade de manuseio, maiores opções de um mesmo estilo de armas e itens novos que nos ajudam a avançar nos cenários com armadilhas e até a nos esconder e se infiltrar na base sem maiores problemas. A jogabilidade continua a mesma, somente melhorando a movimentação do personagem. Esse é o primeiro game da série a ter um modo de treino, permitindo a prática das novidades disponíveis.

    Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty

    O game Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty, lançado para Playstation 2 no ano de 2001, não traz muitas inovações na jogabilidade e no armamento. Na verdade, se assemelha muito com seu antecessor, mas a grande novidade está no enredo. Depois de três games da série serem protagonizados pelo agente Solid Snake, isso mudo assim que você termina o capítulo Tanker presente no game (conhecido mais como o prólogo da história do MGS2). O protagonista, agora, é o agente Raiden, que se infiltra na base Big Shell, tomada por dois grupos terroristas, os Sons of Liberty e Dead Cell. Enquanto eles ameaçam a vida do presidente dos Estados Unidos, mantido em cativeiro na base, e também em causar uma catástrofe ambiental na petrolífera, uma nova arma nuclear é fabricada em massa, o Metal Gear Ray. No desenrolar da história, nosso novo protagonista se vê cercado em uma grande farsa em sua missão e em todo seu passado.

    Metal Gear Solid 3: Snake Eater

    O game sucessor, Metal Gear Solid 3: Snake Eater, lançado também para Playstation 2, no ano de 2004, evoluiu tanto na jogabilidade e armamento, como no enredo.
    Situado em plena época da Guerra Fria, nosso novo protagonista Naked Snake é mandado para as florestas da União Soviética para resgatar um cientista chamado Sokolov, e tamém para exterminar uma ameaça nuclear, denominada Shagohod (pode ser chamado de Metal Gear também, mas esse foi somente um projeto).
    As mudanças começam a partir do enredo, pois agora estamos controlando mais um novo personagem hiper importante para a franquia, e vemos ao decorrer do jogo em como ele se torna o lendário agente Big Boss. Já as mudanças na jogabilidade e armamento ficaram, no começo, desesperador para muitos, mais ainda para os fãs da série. A mudança foi radical, pois até o modo em que o jogador recuperava a vida era mais realista, precisando caçar animais e até se curar de alguns ferimentos feitos por projéteis e bicadas de animais, tudo para não morrer de fome ou até envenenado. O sistema de armamento, agora, só te deixa disponível até seis tipos de armas e apetrechos no inventário de acesso rápido, pois agora você terá uma mochila que te limitará a levar tudo o que pega. Ou seja, realidade ao extremo para sobreviver em meio a uma floresta, mas ainda com a essência do stealth, pois agora é possível até uma combinação de camuflagem para melhor se esconder de seus inimigos. Um novo sistema de combate também foi acrescentado na série, o famoso CQC (Close Quarters Combat ou o combate corpo-a-corpo, como muitos falam), que facilitou ainda mais a parte da espionagem no jogo e deu uma nova interação dentro do game.

    Metal Gear Solid: Portable Ops

    A continuação de MGS3, o game Metal Gear Solid: Portable Ops, lançado para PSP no ano de 2006, marca a entrada oficial da franquia num portátil e suporte a um multiplayer online. O enredo se foca em Naked Snake, agora já com o codinome Big Boss, na America do Sul, lutando para a realização de algumas de suas próprias missões e projetos, já que o término da unidade em que trabalhava fora decretada, a FOX. O enredo evoluiu, pois faz com que voltemos na história da franquia e nos permite presenciar a criação de alguns elementos chave, como a unidade FOX-HOUND, Patriots e até mesmo a criação da fortaleza Outer Heaven.
    A jogabilidade muda novamente, sendo tomada totalmente pela ação, nos dando pouco momentos de stealth no jogo. Já o armamento continua o mesmo que seus antecessores, sendo apenas um pouco mais limitado em questão a opções para escolha de armas.

    Metal Gear Solid 4: Gun's of The Patriots

    Já na geração do Playstation 3, temos o Metal Gear Solid 4: Guns of The Patriots, lançado no ano de 2008, e mais uma vez, foi um game que revolucionou em todos os aspectos, se tornando o game mais influente da década.
    O enredo, agora, fica por conta do agente Solid Snake em seu estado avançado da idade, sendo assim dado pelo codinome Old Snake. Lutando contra uma doença que avança rapidamente e prejudica todo o seu organismo e estado atual, Snake volta a ativa para sua última missão, em salvar o mundo novamente das mãos de Liquid Snake, que agora toma lugar no corpo de um personagem muito conhecido na série, Revolver Ocelot, sendo assim chamado como Liquid Ocelot (sim, é complicado entender isso... rs ). Conforme o andar da história, voltamos um pouco na história de cada Metal Gear já lançado, afim de explicar a origem e como tudo aconteceu desde então.
    A jogabilidade do game continua a mesma vivenciada em MGS3, com algumas pequenas modificações, como no CQC, que foi remodelado, tornando um pouco mais trabalhoso o uso do mesmo, mas é considerado ainda mais eficaz que no MGS3. Outra modificação foi na camuflagem usada pelo personagem, tornando- a mais rápida e eficaz, ou seja, assim que o jogador encosta na parede ou em qualquer outro lugar, a camuflagem muda para a textura do mesmo (tecnologia chamada Octocamo). Alguns apetrechos usados pelo nosso agente como binóculos e radares fora substituído pelo Solid Eye, um aparelho que faz a função do binóculos, radares e visão noturna tudo num só aparelho.

    O armamento, dessa vez, traz fuzis e explosivos mais pesados, pois os inimigos enfrentados agora são todos robotizados, tornando-os mais resistentes, mas ainda com a disponibilidade de opções de armas para escolha durante o gameplay do jogador.

    Metal Gear Solid: Peace Walker

    Metal Gear Solid: Peace Walker, lançado em 2010 para PSP, foi o segundo da franquia para o portátil. Esse game é considerado, desde a época de seu lançamento, um importante passo para o projeto hoje conhecido como o Metal Gear Solid V, pois o enredo do projeto já começa a partir desse game. Sendo Big Boss o nosso protagonista novamente, o enredo se dá por enfrentar uma força militar na America do Sul que ameaça o mundo com armas nucleares (supostos Metal Gear’s, mas ainda em construção). A jogabilidade é semelhante ao do MGS Portable Ops, com pequenas mudanças para dar mais espaço para uma jogabilidade cooperativa, seja offline ou até mesmo online (melhorado nesse jogo). O armamento também é semelhante ao que fora visto no MGS Portable Ops, com limitações, obtendo mais fuzis e explosivos, por ser um game mais voltado a ação.

    Metal Gear Rising: Revengeance

    Voltando para a geração do Playstation 3, temos o Metal Gear Rising: Revengeance, lançado em 2013 também para Xbox 360 e PC’s. Até então, a franquia era exclusiva para a plataforma Playstation, mas isso muda com o lançamento desse game, trazendo inúmeras criticas do publico, positivas e negativas.
    A sua jogabilidade e enredo foi alvo imediato dos jogadores assim que o game foi lançado, pois a mudança foi muito mais radical do que os games anteriores, algo totalmente diferente do que estávamos acostumados a ver na franquia. O agente Raiden volta como protagonista e com o mesmo objetivo de sempre, exterminar a ameaça nuclear de um grupo terrorista, mas agora num mundo totalmente tomado por uma tecnologia hiper avançada, tornando todos os soldados em ciborgues. A jogabilidade dessa vez sai totalmente do modo stealth e entra para o estilo mais tradicional dos games atuais, o Hack ‘n’ Slash, ou seja, mais ação, brigas e confrontos abertos e menos espionagem. Os fuzis, explosivos, pistolas automáticas e apetrechos dão lugar para espadas, nos dando liberdade total no ataque e avanço nas batalhas como acharmos melhor.

    Metal Gear Solid V: Ground Zeroes

    Nessa nova geração dos consoles, a franquia já obtém seu representante. O game Metal Gear Solid V: Ground Zeroes foi lançado em março desse ano, para Playstation 3, Playstation 4, Xbox 360 e Xbox One e marca a entrada da franquia, com estilo, para os consoles atuais. Esse game já teve uma analise pelo Co-op Geeks e mostrou ser uma continuação bem importante para o projeto de criação do Metal Gear Solid V.
    O game é limitado em questão do armamento, mas satisfatório em questão de jogabilidade, que volta as origens do stealth.


    Metal Gear Solid V: The Phantom Pain

    http://media.alvanista.com/uploads/timeline_image/20...(img)

    O projeto maior de toda a franquia, Metal Gear Solid V, pode ter sua conclusão no game Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, que promete ser, mais uma vez, o game mais importante dessa geração. Com o lançamento previsto para 2015, para Playstation 3, Playstation 4, Xbox 360 e Xbox One, o game já mostra que será o mais realista de todos os outros já lançados, graças a nova engine usada pela Konami para seus futuros projetos. O enredo juntará o que foi visto em MGS: Peace Walker e MGS V: Ground Zeroes, e a jogabilidade será a mesma presenciada em Ground Zeroes.
    Ultimamente, várias informações sobre o game, ainda em desenvolvimento, estão sendo reveladas e mostra que o projeto está ficando com uma cara muito boa. Na E3 2014, um novo trailer foi exibido e mostrou uma parte chocante desse titulo. Vemos o protagonista Big Boss (que terá o codinome Venom Snake) com seu braço mecânico, mostrando a transformação de um personagem tão essencial na franquia. E para a surpresa de todos, no trailer aparece também um velho conhecido na série, Revolver Ocelot, que estará envolvido diretamente nos conflitos dentro do game.
    O game promete ser, realmente, um grande passo para se explorar ainda mais a realidade dentro dos videogames da atualidade, e se isso realmente acontecer, o limite entre cinema e games, algo comparado em quase todas as mídias de comunicação, será pouca, bem pouca!

    Spin Offs

    http://media.alvanista.com/uploads/timeline_image/20...(img)

    Outros games da franquia foram lançados como complementos ou versões melhoradas de seus jogos, como a série Subsistance, que seria o segundo e o terceiro game da franquia lançados novamente, com adicional nos extras, jogabilidade, armas e itens. Games como Metal Gear Acid, Metal Gear Ghost Babel, Metal Gear: The Twin Snakes, entre outros, também são muito famosos pela franquia.

    Curiosidade

    http://media.alvanista.com/uploads/timeline_image/20...(img)

    Uma curiosidade é a tecnologia usada em todos os games da franquia, sem exceção, para a comunicação dos nossos protagonistas com os demais personagens envolvidos na história de cada game, o nosso tão querido CODEC. Ele evolui junto com cada game lançado e é a característica marcante da franquia. Através dela, podemos saber sobre toda a drama contada na franquia, alem de conversas divertidas e, até mesmo, assustadoras, às vezes!

    A franquia Metal Gear realmente engloba muito mais do que fora resumido aqui, mas já podemos perceber o quão complexo esse universo pode ser, e também o quão importante a franquia foi, e é até hoje, para cada console lançado, sendo sempre o exemplo da evolução no que diz respeito a games bem desenvolvidos, bem sucedidos e bem estruturados.

    Metal Gear

    Platform: NES
    640 Players
    19 Check-ins

    40
    • Micro picture
      heeroyuy · almost 2 years ago · 2 pontos

      Melhor metal gear 1,3 e 4
      o resto sem graça sem emoção

    • Micro picture
      mattfenrir · almost 2 years ago · 2 pontos

      Tem que virar artigo destaque.

      1 reply
    • Micro picture
      santz · almost 2 years ago · 2 pontos

      Estou jogando o primeiro, de MSX e de fato é um baita jogo, mas tenho que ficar procurando um guia toda hora.

      1 reply
  • rshadowss Ricardo
    2018-07-16 19:53:58 -0300 Thumb picture

    QUAL SERÁ O FUTURO DE RESIDENT EVIL APÓS RE2 REMAKE?

    Medium 3652054 featured image

    Cá estou eu, fazendo mais um texto sobre Resident Evil, mas depois das ultimas informações sobre RE2 Remake, é difícil não ficar animado com o futuro da franquia, que eu espero que seja muito bom, e como sempre, darei a minha pequena opinião de como gostaria que fossem os futuros games.

    OBS: A Capcom não esta tratando o RE2 Remake como um Remake, o certo é dizer apenas RE2, mas vou usar o "remake" pra não confundir com o RE2 Original.

    O QUE FAZER ANTES DE FAZER O PRÓXIMO RE

    Aqui eu acho que esta a verdadeira "solução" da franquia, que seria sentar toda a equipe de RE e planejar bem os próximos games, pegar todas as pontas soltas até o RE7 e planejar um novo arco na franquia, eu digo isso porque o RE7 mesmo que apresente algumas pequenas ligações com os jogos anteriores, ele fica um tanto desconectado com o resto da franquia, o que me faz pensar que RE7 é um filler e que deixaram a historia para o próximo RE, e o game não apresenta nem ligações com a ultima animação, o RE Vendetta, e já nos apresenta a Umbrella Azul "do bem", que é a mesma Umbrella (que todo mundo sabe que vai voltar a ser a Umbrella de antes), retornou faz um tempinho (não me recordo quando, desculpa) e eu me pergunto onde estava a Umbrella Azul nos eventos anteriores de RE? Nenhum personagem se questionou sobre essa Umbrella?Nem mesmo o Chris?São coisas que poderiam ser respondidas tanto no RE7, como nas DLCs do RE7 ou no Vendetta, mas ninguém se deu o trabalho de colocar um arquivo no jogo ou uma fala simples no Vendetta, fazendo que os acontecimentos de RE7 não converse com o resto da franquia, e isso não é uma critica ao jogo, ou que isso torna o jogo ruim (infelizmente, eu tenho que explicar isso), tudo isso é culpa da Capcom que não sabe planejar as coisas antes de começar um game novo.

    Então nós temos as pontas soltas do Revelations, Revelations 2, RE6, e agora do RE7, nem vou incluir o The Stage ou Vendetta, e antes de dar o próximo passo na franquia, eles precisam planejar pelo menos um novo arco para os próximos games, tanto o numerado (acredito que o RE8 deva sair quase no fim dessa geração) quanto spin-off, porque não adianta só apresentar a ideia se essa ideia não será desenvolvida na franquia, como o Morgan e a FBC voltando no REv2, Alex Wesker/Natalia, a Família do RE6 (não curto a ideia da "Família" mas ela existe), Jake Muller, Raymond e Jessica, organizações terroristas como a Veltro, e no RE7 temos uma nova corporação, menção ao HCF, a Umbrella Azul, mesmo que a Capcom decida jogar no lixo tudo que vem antes do RE7, que tenha pelo menos a decência de continuar com o que apresentou no RE7, criar um novo arco que encaixe RE Numerado, RE Spin Off e RE Animação, pra não ter outro game solto na franquia.

    Em questão de gameplay, se forem TPS, acho que segue o estilo do RE2 Remake, uma coisa que eu sempre pedi nos Revelations era colocar o baú e o sistema de saves, tirar os check-points e os caixotes de itens, outra coisa importante são os inimigos, que antes existia uma explicação para existirem, os motivos das mutações, que no REV2 os inimigos só existem, um ou outro tem explicação, mas no RE7 eles deram explicação sobre os mofados, meia boca, mas deram, baú, save point e o gore estão tanto no RE7 quanto no RE2 Remake, e espero que continuem nos próximos. Não sei se a Capcom continuaria com esse lance de ter um desconhecido igual o Ethan como personagem principal, mas mostrando os personagens clássicos resgatando esses personagens, algo parecido com o que foi visto no RE7.

    E agora que a Umbrella voltou, e temos a informação que pessoas que trabalhavam na Umbrella Vermelha continuam na nova Umbrella, quero ver Christine Henry como uma das vilãs (já pensou um RE num castelo na França? Tão RE4 num REV), HUNK e Nicholai, e a Christine e o Hunk tem ligações.

    SÉRIE REVELATIONS

    "Abandonai toda a esperança vós que aqui entrais"

    Imagem só pra ilustrar, tá bom?

    Um dos próximos passos da franquia é o Revelations 3, que geralmente acontece entre o jogo X e o jogo Y, tentando preencher o espaço vazio deixado entre dois numerados, apesar de achar que não rola REV3 entre RE6 e RE7, eu ainda tenho esperanças de acontecer, e no clima do RE2/RE3/Outbreak, acontecendo um "outbreak" em qualquer cidade, levando em consideração que o REV teve bastante inspiração no RE1 e o REV2 teve inspiração no Code Veronica. REV2 tentou e não conseguiu superar o primeiro REV em questão de Survival Horror, principalmente na questão de jogabilidade (jogabilidade melhorou, mas diminuiu o SH, fora que a historia do REV2 não supera a do REV) e ambientação, duas coisas que a Capcom pode pegar inspiração no RE2 Remake, agora que a RE Engine será usada até mesmo em outras franquias da Capcom, da pra fazer coisas boas como já foi visto no RE2 Remake, e espero que venha muito gore, antes do REV2 ser lançado, prometeram cena de alguém atirando na própria cabeça, braço sendo decepado, ai chegou o jogo e...bom, censurado.

    Mesmo eu achando que não existe a possibilidade do jogo ser entre RE6 e RE7, nada impede da Capcom fazer nesse período, ou até mesmo em outras épocas, talvez algo parecido do REV que mostrou épocas diferentes na linha temporal, ou REV2 que teve diferença de meses entre a campanha da Claire e do Barry. Se a Capcom não seguir a linha Outbreak que eu gostaria muito, espero que siga a linha da versão descartada do RE7, que mostrava duas pessoas, possivelmente Chris e Jill num local destruído, com mascarás de gás, o que faria sentido caso fizesse ligação com o C-Virus ou o E-Virus, algo parecido com o TLoU, ou aproveitar aquela ideia descartada do Revelations que tinha o Chris e a Jill como "inimigos", agora que o Chris está de boa fazendo uma parceria com a Umbrella, #JillTrásOChrisDeVolta.

    O gameplay pode pegar inspiração no RE2 Remake, se existir dois personagens na mesma campanha, espero que mantenha a troca de personagens e que cada um tenha a suas habilidades para deixar diferente quando você joga com personagem X ou Y, igual RE0 e REV2, que deixem essa diferença em evidencia, eu melhoraria o stealth e a criação de itens, que continue aquela pegada de usar livros como inspiração, trazer personagens de volta ( saudades Ark, Jill, Rebecca, Jessica, Parker, Hunk, Ada, Moira, Helena, Jake, Sherry, Leon, Nicholai, Bruce, Fong Ling, Sheva, Josh o verdade Chris Redfield), ter aquelas referencias de sempre...

    Ah, nem vou citar que a "cor" dos Revelations representam os personagens e as roupas que eles usam nos jogos né? REV era mais azul, Jill sempre usa azul, REV2 vermelho, Claire e Barry sempre estão de vermelho...

    E por favor, uma historia tão boa quanto do primeiro Revelations.

    SPIN-OFFS (ORC, UMBRELLA CORPS, CHRONICLES,OUTBREAK,etc)

    O que não falta na franquia é spin-off, então porque não fazer mais uns?Depois de Umbrella Corps, acredito que nunca mais teremos um spin-off desses, eu não falo do ORC porque ele tem as suas qualidades e ainda vendeu bem, mas também não é algo que os fãs queiram, com o anuncio do Oculos VR, eu jurava que ia ter um Chronicles VR, só não esperava que fosse o RE7 que ia receber o VR, resta um Outbreak File 3 que a Capcom esta devendo, não comento o Survivor porque esse já morreu e ninguém lembra, mas o primeiro Survivor e o quarto (Dead Aim) são bons.

    Umbrella Corps parece que é um extra de algum jogo, possivelmente ele era um extra da sequencia do ORC que foi cancelado, e só de lembrar o que o Kawata falou (quem quer ação,vai jogar o UC, Kawata Lispector) na época do RE7, bate uma raiva, o game foi rejeitado pelos jogadores, só compra quem é fã mesmo, e esquecido pela Capcom, ainda não sei como não fecharam os servidores, por mais que eu goste da ideia da Capcom lançar um spin-off só desses mini-games juntos (Mercenaries, Raid, modo VS) UC é o contrario de tudo que eu quero, por conta dessa rejeição, acredito que não acontece outro "UC" da vida. Como falei, eu gosto de algumas coisas do ORC, até gostaria de ver uma continuação nesse "universo alternativo", mas hoje eu prefiro que façam uma nova IP porque existe boas ideias ali, mas não para um RE.

    Já o Outbreak e o Chronicles, Outbreak seria uma boa escolha, ainda mais que seguisse os últimos atentados bioterroristas, já cheguei a falar disso num artigo, Chronicles é algo que faria sentido já que agora temos um buraco enorme entre RE6 e RE7, mas acho que sofreria algumas alterações por conta do VR, talvez apenas ser um FPS e não um ‎Rail Shooter, que seria ótimo, pois eu detesto a sensação de que não estou jogando o Chronicles,, mas eu gostaria mesmo de um spin-off novo. Depois do RE7, tudo o que eu mais queria era que a Capcom fizesse um spin-off canônico focado na ação, algo parecido com o RE5 ou RE6 (na sua versão lite sem os exageros), mas quando eu digo ação, não quero dizer UC ou ORC, e sim RE5 e RE6, focado na BSAA ou DSO, mostrando os ataques bioterroristas por ai, dava pra trazer um pessoal de volta:

    BSAA: Jill, Parker, Barry, Quint, Sheva,Josh, Keith, Nadia, D.C, Sophie Home, Rebecca.

    DSO: Leon, Sherry, Helena.

    Até forçaria a barra e colocaria o Bruce na DSO, pensei no Ark também, mas quero ele no Revelations. E antes a Capcom fazer um spin-off assim do que outro ORC ou UC, se bem feito claro, a versão do RE7 que parecia com o RE6 foi descartada, já pega essas ideias faz logo esse spin-off Capcom, e inclui The Mercenaries nele.

    REMAKES

    O RE2 Remake fazendo sucesso e vendendo bem, é mais que obvio que novos remakes da franquia virão, que seria o RE3, eu ia curtir o Gun Survivor, mesmo se fosse algo menor que os outros(stand alone?), mas acredito que não ia parar nos numerados, acredito que ia existir chances até do Outbreak receber um remake, quem sabe né?

    Com essa onda de nostalgia em remakes, é bem provável que isso iria abrir uma porta até para jogos fora da franquia, como Dino Crisis, que já teve a possibilidade de ter um remake pela Capcom Vancouver, mas foi cancelado, a própria Capcom já disse que se os fãs quiserem, eles voltam com Dino Crisis, eu diria que a melhor maneira de voltar seria um remake, fica a dica ai Capcom. Por algum motivo, eu sempre acreditei nos remakes de DMC e Onimusha, e fazendo uma breve pesquisa, o Kamiya (criador do DMC) já falou que ia gostar de fazer um remake e que esta na hora dele ser feito, mas que não estava sendo feito.

    Uma coisa que eu ia curtir ver, era os cenários dos Chronicles refeitos com câmera fixa, tirando os cenários que já tem jogos dedicados a eles, e sim os cenários que não aparecem em outros jogos, mas é um desejo impossível de acontecer, assim como um game focado só na queda da Umbrella.

    DLCs

    Aqui é mais questão do RE7 do que o RE2, até o momento não foram e provavelmente não serão anunciadas DLCs de campanha no RE2. RE7 teve muitas DLCs, sendo as duas principais End of Zoe e Not a Hero, que não respondem as perguntas que o jogo principal deixou, no RE5 tivemos duas DLCs de historia, Lost in Nightmares e Desperate Escape, REV2 recebeu duas DLCs Little Miss e The Struggle, são quatro DLCs que tentam explicar alguns pontos da historia, como a Moira sobreviveu, como a Jill "morreu", o que aconteceu com a Natalia e a Jill em certo ponto dos jogos, são DLCs curtas mas são uteis, então fica aqui o meu desejo de que caso a Capcom faça DLCs em outros jogos, que pelo menos elas sejam boas e uteis.

    ======================================================

    Bom, é isso ai, desejo muito sucesso ao RE2 Remake, e desejo que os futuros games da franquia sejam muito bons, que venha remakes dentro e fora da franquia, muito gore, survival horror, action horror/dramatic horror, nada de Umbrella Corps e ORC, e mais logica nas historias. 

    Outros artigos:

    Como deveria ser um Resident Evil Outbreak na nova geração?

    Precisamos falar sobre o Resident Evil 2 Remake

    O Futuro de Resident Evil Revelations

    O que eu gostaria de ver em um Resident Evil

    Resident Evil 7 biohazard

    Platform: Playstation 4
    689 Players
    196 Check-ins

    29
    • Micro picture
      ogawara · almost 2 years ago · 3 pontos

      Tem que ter remake do 3. E talvez até do Verônica.

      5 replies
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · almost 2 years ago · 3 pontos

      @ogawara tirou as palavras de minha boca.
      Sim...o RE3 e VERÔNICA merecem REMAKE...

      10 replies
    • Micro picture
      porlock · almost 2 years ago · 2 pontos

      tava indo bem até o: "tudo o que eu mais queria era que a Capcom fizesse um spin-off canônico focado na ação, algo parecido com o RE5 ou RE6"...
      mas eu te perdoo... kkkkkkkkkk

      brincadeiras a parte, mto bom o texto... não vejo a hora de por as mãos no re2 e ver o futuro da franquia.

      5 replies
  • lendagames Lenda Games
    2018-06-27 20:52:25 -0300 Thumb picture

    Decodificando: Explorando o lado histórico de Vampyr

    Vampyr surpreendeu por ser um jogo desenvolvido pela Dontnod Entertainment criadora do aclamado Life is Strange que se passa nos tempos atuais e explora a vida adolescente e sua passagem para a vida adulta e conta historias sobre viver e seus obstáculos, diferentemente do seu jogo de vampiros recentemente lançado. Clique aqui para continuar lendo...

    O melhor site Brasileiro de Noticias sobre Jogos & Tecnologia!
    www.lendagames.com

    Vampyr

    Platform: PC
    52 Players
    16 Check-ins

    1
  • edfalcao Ed Falcão
    2018-05-25 10:01:56 -0300 Thumb picture

    O Dia em que Eu Zerei Super Mario World

    Medium 3632262 featured image

    Esse é um Check-In especial, então decidi fazer um artigo.

    Eu acredito que joguei Super Mario World pela primeira vez há uns 15 anos, ou mais. Sabe aquelas memórias que você tem desde sempre, como "brincar" ou "assistir desenho"? "Jogar videogame" e "jogar Super Mario World" está entre as minhas.

    Apesar disso, eu nunca havia zerado. Nunca havia visto o navio fantasma, a Chocolate Island e o Yoshi amarelo, o que é estranho, porque eu praticamente vivo e respiro videogames desde que peguei meu primeiro Master System, antes de aprender a ler e escrever (apesar de nunca ter sido o melhor jogador do mundo). Videogames haviam me ensinado a falar inglês e eu nunca zerei Super Mario World, como isso é possível?

    Isso mudou recentemente, quando finalmente dei início a uma jogatina séria em Patrício (meu PSP, não me julgue). Realmente dei a atenção que toda fase merece, apreciei as mecânicas elaboradíssimas que aparecem numa fase e são abandonadas logo depois, nessa obra de arte que faz tanto com tão pouco. E fui seguindo, olhando detonados aqui e ali, mas sempre tentando e falhando antes.

    Quando cheguei na Chocolate Island 2, fiquei surpreso em não "avançar" quando terminei a fase e me senti uma criança, novamente, olhando revistas e ficando de boca aberta com o "cacete, é desse jeito que faz!" e com a genialidade de quem quer que tenha inventado essa fase. Quando cheguei no navio fantasma, um sorriso se abriu no meu rosto até a passagem pro Bowser Valley se abrir, enquanto pensava "eu finalmente tô conseguindo".

    E aí... eu dei meia-volta e fui procurar todas as passagens secretas que eu podia encontrar por conta própria. @ryou explodiu minha cabeça quando me contou como eu faria pra descobrir quais fases tinham passagem secreta e quais não tinham, e eu me senti trocando figurinhas com colegas de escola, fazendo Check-Ins aqui na Alva, contando onde eu estava em meu progresso.

    Ontem eu zerei.

    Consegui a passagem pela porta dos fundos do castelo e foi rápido pra cacete chegar no Bowser. De alguma forma, eu sabia que precisava jogar coisas nele (acho que as referências que SMW injetou na cultura pop são tão fortes que isso tá no subconsciente da gente) e não levou muitas tentativas pra derrotá-lo.

    Há uns 10 anos, antes das redes sociais, do Alva e do meu PSP, eu consegui um Super Nintendo emprestado e me sentei pensando "é hoje que eu zero esse jogo". Eu era ingênuo. Às 2h30min, meu pai mandou eu dormir e "não, você não pode deixar o videogame ligado pra continuar amanhã". A frustração foi tanta que por um bom tempo eu pensei que nunca iria conseguir fazer isso. Acho que foi depois desse dia que essa zerada passou a ter mais importância pra mim.

    Os créditos e as cenas finais foram cobertas pelo sorriso de satisfação que eu levava no rosto por finalmente ter conseguido zerar esse jogo. 

    Super Mario World, quer dizer, videogames em geral, são uma mídia mágica. SMW é realmente um "algo a mais" dentre os "algos a mais". Indico esse jogo a toda e qualquer pessoa que goste de videogames, porque, com certeza, a cronologia do s videogames existe em "Antes de Super Mario World" e "depois de Super Mario World."

    Super Mario World

    Platform: SNES
    26957 Players
    374 Check-ins

    31
    • Micro picture
      kawens · about 2 years ago · 2 pontos

      Que relato bacana. Nunca tinha pensado na experiência de jogar videogame comparando com assistir desenho animado, mas eu tive sorte de ter uma quantidade razoável de animações pra curtir quando moleque.

      1 reply
    • Micro picture
      volstag · about 2 years ago · 2 pontos

      Parabéns!! mas recomendo que tente fazer tudo que for possível no jogo, encontrar a Star Toad e etc, e vender o Bowser entrando pela porta da frente, e de preferencia, ter jogado as 8 portas dentro do castelo né claro, isso da uma satisfação maior depois quando você finaliza e diz que não tem mais nada escondido no jogo que você não tenha passado.
      Também recomendo você a jogar a versão do Game Boy Advance, que inseriram pequenas diferenças nos sprites, e adicionaram voz ao Mario, mas não é nada super, vale pela curiosidade.

      2 replies
    • Micro picture
      lordsearj · about 2 years ago · 2 pontos

      Muito show. Os únicos Mario's que zerei foram o 1, 3 e 4 (world) e apesar de gostar mais do 3, o 4 foi mais impactante para o mundo dos games, sem. Dúvida.

  • wildwolf Rafael Trindade
    2018-04-10 13:45:38 -0300 Thumb picture

    Este título contém mais de 40 segundos de balbuciação e dúvida.

    Medium 3618338 featured image

    Olha... Eu não sei muito bem o que dizer neste artigo aqui, exceto pelos fatos e as dúvidas que tenho. Vamos do início.

    A alguns dias atrás, eu vi um post do @tecnologgamer mostrando um vídeo do Crowbcat. O título do vídeo se chama "Sea of Thieves is a disguised early access", e mostra o hype do jogo desde seu anúncio, e no que ele resultou. Bem, vejam o vídeo por si mesmos:

    E eu pensei: "Wow, isso é um novo No Man's Sky, só que (felizmente) com bem menos impacto que o anterior." Aí eu fui pesquisar outros vídeos dele, e vi que esses eventos desastrosos não eram limitados apenas a jogos, mas a consoles também.

    Alguns de vocês já devem saber do que eu estou falando. Preparem-se para ouvirem a palavra "Televisão" por alguns segundos:

    Bem, o motivo do flop aqui é bem óbvio: O objetivo do Ouya era ser um console que rodava jogos de mobile... Quando isso já existia em opções muito mais baratas e a criadora do console visivelmente não sabia nada de videogames.

    ...Não, eu estou falando sério. Dá pra ver que ela não sabe nada de games em geral. Olhe a frase que ela diz aos 0:07 segundos:

    "More and more people are moving away from the television (consoles)".

    Basicamente essa frase quer dizer que as pessoas estavam literalmente parando de jogar em consoles de mesa e jogando apenas em aparelhos mobile, quando isso não é verdade. Na realidade, muitos gamers jogam tanto em aparelhos mobile quanto em consoles de mesa/pc, e o mercado de consoles estava muito forte na época que o Ouya foi lançado. Além disso, colocaram o console com um controle absolutamente horrível, com jogos/aplicativos de mobile super idiotas e com problemas técnicos super aparentes.

    Mas agora vamos ao caso que mais me impressionou... Evolve.

    E... Casseta. Foram esses caras que criaram Left 4 Dead?

    Vamos destrinchar isso: O jogo foi anunciado com um hype monstruoso, e quando lançou, teve problemas (assim como qualquer jogo online). E ao invés de resolverem os problemas (que eram claros desde o lançamento do jogo), os caras enfiaram conteúdo de DLC COSMÉTICOS PAGOS? É isso mesmo, produção?

    E bem, é aqui que o título desse artigo entra. Tipo, como esses caras conseguem fazer desastres dessa forma? Eu sei que tem jogos e consoles que são bons tanto na época que esses jogos foram lançados como agora, mas... Poxa vida, aonde foram parar as pessoas e empresas que fazem jogos com amor e dedicação pelo seu trabalho? Como um aluno de Design de Jogos, isso me preocupa muito.

    Bem, isso é só um pequeno desabafo sem pé nem cabeça. Deixem nos comentários alguns outros desastres que não foram mencionados aqui, e suas opiniões sobre esse assunto. Até logo.

    Evolve

    Platform: PC
    114 Players
    68 Check-ins

    23
    • Micro picture
      tecnologgamer · over 2 years ago · 1 ponto

      Saudades da época que você comprava o jogo online, e os jogadores ditavam quando ele morria.

      1 reply
    • Micro picture
      brunothebigboss · over 2 years ago · 1 ponto

      Esses vídeos são interessantes, o problema do Crowbcat é que ele só vive de tretas.
      Ficou falando do No Man's Sky, da (suposta) inferioridade de GTA V em comparação ao IV, da (suposta) falta de detalhes de Far Cry 5 em comparação ao 2...
      Francamente, parece que ele só quer ver o circo pegar fogo

    • Micro picture
      andre_andricopoulos · about 2 years ago · 1 ponto

      O segredo é não hypar.
      ...
      Kkkkk...o final do vídeo sobre o design horroroso das mulheres...

  • 2018-02-12 18:40:27 -0200 Thumb picture

    A Indústria de Games Quer Você!

    A indústria está de chamando! Vai atender o chamado?

    Artigo excelente do @renansd para o site. Vem conferir:

    http://joystickterrivel.com.br/a-industria-de-game...

    -----------------------------------------------------------------------------------------

    Acompanhe nossas rede sociais:

    Facebook - Youtube - Twitter - Instagram - SITE

    Cuphead

    Platform: PC
    662 Players
    221 Check-ins

    11
  • 2018-01-30 11:07:33 -0200 Thumb picture

    Hellblade e uma nova Perspectiva sobre os games

    Neste artigo, gostaria de trazer para discussão mais uma vez Hellblade, um dos games que mais causou furor ao ser lançado ano passado. O título não apenas apresentava gráficos super realistas, áudio de alta qualidade em 3D e puzzles inteligentes, mas também trazia à tona uma temática pesada, pouco explorada pelos jogos.

    Artigo excelente por @renansd

    http://joystickterrivel.com.br/hellblade-e-uma-nov...

    -----------------------------------------------------------------------------------------

    Acompanhe nossas rede sociais:

    Facebook - Youtube - Twitter - Instagram - SITE

    Hellblade: Senua’s Sacrifice

    Platform: Playstation 4
    405 Players
    116 Check-ins

    14
  • 2018-01-23 10:39:59 -0200 Thumb picture

    Campus Party Executive | 9 motivos para não perder a 1ª edição

    Mineração de criptomoedas e a chance de ver uma operação de Blockchain de perto são uma das novidades que fazem parte da Campus Party Brasil 2018. Evento será realizado no dia 1 de fevereiro, no Anhembi.

    http://joystickterrivel.com.br/campus-party-execut...

    -----------------------------------------------------------------------------------------

    Acompanhe nossas rede sociais:

    Facebook - Youtube - Twitter - Instagram - SITE

    6
  • rshadowss Ricardo
    2018-01-18 19:10:27 -0200 Thumb picture

    Tão dizendo que vão anunciar alguma coisa do RE2 Remake

    Se é verdade eu não sei, mas você já leu meu artigo sobre o RE2 Remake? hahahah Que tal ler então?

    LINK

    Você já leu?Ahhhh, leia de novo ué

    O titulo é clickbait, mas o artigo é de verdade <3

    Resident Evil 2

    Platform: Playstation
    11438 Players
    128 Check-ins

    11

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...