• jockos Marlon Santos
    2019-10-10 13:58:35 -0300 Thumb picture

    Mais DBZ que eu precisava

    Medium 664316 3309110367

    Dragon Ball Z: Extreme Butoden

    é um ótimo game da série, pena que bem underground por se tratar de um exclusivo de 3DS, pra mim a melhor opção pra quem não tem como colocar as mãos ainda em um DBFighterZ, até pq esse game também é produzido pela Arc System Works, é quase que um prototipo do FighterZ

    e por se tratar tbm de um jogo de 3DS tem a vantagem de eu levar a porradaria sayajin pra qualquer lugar XD

    pena que saiu da eshop, tendo que ir atras da midia fisica, o que não é ruim....  desde que vc consiga um preço acessível

    bem...  eu consegui...  e aí está meu lindo game ;D

    Dragon Ball Z: Extreme Butoden

    Platform: Nintendo 3DS
    81 Players
    16 Check-ins

    14
    • Micro picture
      mrmamoxi · 3 days ago · 1 ponto

      Zerei ele esses dias, é bem divertido.

  • wildwolf Rafael Trindade
    2019-08-04 23:23:11 -0300 Thumb picture

    MEU DEUS DO CÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉU

    Ainda bem que não comprei nada nessa promoção da EVO, porque MEU PAI DO CÉU ESSE GUILTY GEAR NOVO TÁ LINDO DEMAIS

    VEM COM TUDO ARC SYSTEM, ROUBA MEU DINHEIRO SUA LINDA

    Guilty Gear Xrd: Rev 2

    Platform: Playstation 4
    25 Players
    9 Check-ins

    21
    • Micro picture
      sonne · 2 months ago · 1 ponto

      Eu nem sei o que falar xD
      Está muito lindo

  • anduzerandu Anderson Alves
    2019-05-27 13:19:19 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Guilty Gear

    Zerado dia 26/05/19

    Guilty Gear talvez seja uma das minhas séries prediletas de jogos de luta. Pessoalmente adoro combate com combos longos e movimentação rápida, como Marvel Vs Capcom e tal, e o estilo dos personagens dessa série é sensacional (ou era?). 

    O meu primeiro contato com GG foi no Dreamcast em uma época muito boa. Inclusive, eu acreditava que era um jogo de Dreamcast, como um exclusivo. Mas imaginava eu que existem mil outros, tanto antecessores quanto sucessores. Mais tarde joguei outros GG no PS2, DS e mais recentemente no PS4, com o Xrd, que basicamente é o modelo pro que veio a ser o Dragon Ball FighterZ. Bah, todo Guilty Gear é a mesma coisa. Colocam personagens, tiram personagens, deixam os personagens mais afeminados, deixam as mulheres mais apelativas, adicionam uns efeitos 3D ou algo do tipo, mas é a mesma coisa.

    Eu definitivamente cansei da série, mas ainda rola de se divertir num Versus com amigos.

    Eis que a Arc System finalmente resolveu trazer a série pro Nintendo Switch, mas até então apenas o Accent Core Plus R, um jogo intermediário em relação ao tempo de lançamento da série, e o primeiro de todos. WTF? Porque não o Revelator ou algo do tipo? O Dragon Ball FighterZ funciona perfeito e é LINDO no Switch, mas trazem esses jogos que ninguém pediu. Quem hoje em dia se importa com um jogo obscuro de PS1?

    Eu resolvi que iria passar ambos os jogos, mas recentemente o 1 apareceu por uns 3 reais (3 reais? 3 reaix!) e já que eu não conhecia nada sobre ele e sempre apoio multiplayers no console, acabei pegando de graça só com a moedas de ouro disponíveis na minha eshop.

    Dei uma jogadinha, larguei. Joguei com amigos no fim de semana passada e não curtimos muito, visto que o jogo definitivamente deixa muito a desejar em comparação a futuros jogos da franquia. Já ontem eu não tinha muito o que fazer, nem vontade de continuar alguns jogos aqui, então fui atrás de terminá-lo.

    Até então eu achava que esse GG era um jogo de PS2! Mas o visual é BEM feio. É tudo muito pixelado e os efeitos 3D de explosões e mesmo alguns sons parecem coisas vindas de Castlevania: Symphony of the Night. A paleta de cores também é bem tosca. Só depois de terminá-lo e vir registrar no Alvanista que eu descobri que o mesmo era de uma geração anterior (inclusive eu marquei como jogado no PSX por conta da versão de Switch não estar registrada aqui).

    Jogando contra meus amigos, fomos percebendo muitas tosquices, como o fato do roster ser super pequeno, as fotos dos personagens ser horrível (como se fosse de um jogo pirata), alguns personagens serem diferentes, como o Faust não ter o saco na cabeça e se chamar Dr Baldhead e o combate em si. Os golpes usam comandos diferentes, outros ainda nem haviam sido criados.

    A quantidade de ataques é mais limitada e acaba que sua jogatina se resume a ficar criando sequências pra ver se sai algo diferentes enquanto na realidade tudo vem se resumindo a voadoras e chutes repetitivamente mais um golpe especial aqui e ali. Acho que podemos dizer que esse GG é mais "técnico".

    Já na campanha você enfrenta a todos os personagens (menos o que você escolheu) e mais dois outros no final: Testament e Justice.

    É bizarro (e curioso) como esses personagens tinham mais importância para a série do que hoje. Vença-os e eles ficarão habilitados para jogar.

    Caso chegue a terminar a campanha sem usar nenhum Continue, haverá uma batalha extra contra a Baiken, podendo assim desbloqueá-la também.

    O problema é que lá pela metade da jogatina os personagens ficam bem mais difíceis, sobretudo no final. Eu usei o Sol na minha campanha e a lutra contra o Ky foi MUITO tensa. Eu perdi várias vezes e fiz calo no meu dedão. O Testamente me fez perder poucas vezes, mas foi mais  tranquilo. Agora a Justice...meus amigos! QUE CHEFE APELÃO! Ela tem golpe pra contra-atacar a tudo, tem counter e qualquer golpezinho dela enche metade de sua barra de especial. Resultado? Especial atrás de especial (que tira muito HP mesmo na defesa) e mais outros golpes super apelativos que em jogos mais recentes foram promovidos a ataques especiais de tão roubados.

    É MUITO FRUSTRANTE ESSA BATALHA FINAL!

    Pra piorar, o jogo é quebrado de várias formas. O personagem inimigo dá um golpe forte e o erra, o que deveria abrir uma brecha, mas aqui não! O cara as vezes parece que ataque e defende ao mesmo tempo. Em muitas ocasiões você tem a certeza que acertou e já está combando no cara mas quando percebe é você que está tomando todos os ataques.

    Outra grande sacanagem são os golpes "Destroyer", que vencem a luta instantaneamente. Atualmente pra dar um golpe desses você tem que segurar todos os quatro botões de cima e isso vai diminuindo a sua barra de especial (ou seja, quanto mais cheia ela estiver, mais tempo você tem) e nesse tempo você deve fazer uma sequência de botões e deve acertar o golpe que ela fará. Se acertar, você venceu o round. Se errar, você fica sem barra de especial. Já aqui nesse GG, os inimigos simplesmente fazem o golpe especial do nada! As vezes você pula no cara com um chute, recebe um soco normal, a tela fica vermelha e você percebe que aquele soquinho era na verdade um Destroyer. Parabéns! Você perdeu assim, do nada.

    No fim de sua jornada, vencer um round será algo muito importante e até raro. Cheguei a fazer uns super combos loucos pra conseguir isso (na sorte). Uma pena que um inimigo forte chegue a tirar com dois socos o que você tirou com duas sequências maneiras.

    Entre os muitos detalhes que deixam o jogo ruim, está a questão de mudar a direção que seu personagem anda. Imagine que você  vai se aproximar do oponente com um chute aéreo seguido por uma sequência de socos. Aconteceu várias vezes de eu pular no chute, o inimigos dar um dash por baixo e ficar logo atrás de mim mas eu continuar com a estratégia e começar a apertar o soco. Entretanto, o Sol ficava socando pro lado errado e eu tinha que parar e esperar ele virar automaticamente.

    Que tipo de jogo de luta que o personagem não encara o outro constantemente?

    Resumindo: Guilty Gear pode ter sido um jogo legal na época, voltado para combos mais loucos e personagens mais parecidos com os de animes, mas hoje em dia definitivamente não envelheceu muito bem. Com mil outros GG no mundo, inclusive muito mais bem trabalhados tanto no visual quanto nas mecânicas e balanceamento, esse primeiro jogo só vale a pena mesmo se você quiser bastante um multiplayer bem barato no Switch. Se quiser algo da época, recomendo algo da SNK, como Garou ou The King of Fighters na mesma plataforma, muito superiores.

    De bom: a ideia é boa e acabou resultando em ótimos jogos de luta mais tarde. O preço: apenas R$3 no Switch. Boa opção custo benefício. Alguns motivos pra continuar jogando mesmo Solo, como habilitar os 3 personagens desbloqueáveis.

    De ruim: visual tosco. Ataques não muito fluídos, o que pode ser culpa do d-pad do pro controller do Switch. Cores feinhas. Efeitos visuais e sonoros toscos. Roster inicial de apenas 10 personagens. Se você curte qualquer outro GG que veio depois desse, provavelmente só vai querer que estivesse jogando eles ao invés deste. Campanha apelativa demais no final. Combate quebrado e injusto.

    No geral, não me arrependo de ter comprado ou jogado, mas esse é um daqueles títulos que não fazem a diferença no "currículo". Passável demais.

    Guilty Gear

    Platform: Playstation
    677 Players
    10 Check-ins

    15
  • supermarkosbros マルコス・アントニオ
    2018-12-15 13:20:14 -0200 Thumb picture
    23
    • Micro picture
      ghostsnakin · 10 months ago · 3 pontos
      1 reply
    • Micro picture
      gradash · 10 months ago · 2 pontos

      CACETE, que coisa mais LINDA! E eu achando que Guilty Gears XRD era o ápice...

    • Micro picture
      rcukierti · 10 months ago · 2 pontos

      Adoro esse ritmo de hit com pausa estilo das antigas

  • 2018-03-18 19:41:17 -0300 Thumb picture

    ​Boxart japonesa de Happy Birthdays

    Medium 535115 3309110367

    Novo nome e versão de Birthday the Beginning que está para ser lançada em 29 de março no Nintendo Switch no Japão. Além do simulador Yasuhiro Wada, mais conhecido por Harvest Moon, continua na ativa com a produção de um novo simulador/RPG chamado Little Dragons Café.

    [@jvhazuki]

    Birthdays the Beginning

    Platform: Playstation 4
    3 Players

    8
  • anduzerandu Anderson Alves
    2018-03-17 20:24:37 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: Dragon Ball FighterZ

    Zerado dia 17/03/18

    Lembra quando anunciaram esse jogo? Todo mundo pirou! Lembro dos meus amigos falando disso em todo lugar, chamando o jogo de Dragon Ball Fighter Z, Dragon Ball Z Fighter e outros (inclusive está cadastrado errado aqui no Alvanista). A aparência do jogo, idêntica ao anime, com lutas super velozes. Um sonho!

    Não sou o maior fã de jogo de lutas, mas esse aqui era um jogo que eu tinha que ter pra chamar os amigos e jogar por horas. Amei a demo e fiz a pré-venda. Mal dá pra acreditar que esse jogo já saiu!

    Com ele em mãos, levei pra todo lugar, as vezes até com o console. Dragon Ball FighterZ chegou a ARRUINAR jogatinas. Sim, mais de uma vez. Planos de jogar board games ou outros videogames foram completamente esquecidos todas as vezes. Foram horas de diversão em todos os lugares e com todos os amigos, que me odeiam quando eu resolvo não levá-lo comigo pra gente fazer outras coisas e ficar menos na frente da TV.

    Que jogo, senhores!

    Todo o hype foi correspondido com um jogo lindo e rápido com lutas de 3 contra 3. Definitivamente, um passo a frente pro gênero de luta que precisávamos a tanto tempo.

    O gameplay é peça chave do jogo, pois é possível fazer combos com muita simplicidade e os combates acabam sendo muito bons mesmo para quem nunca o jogou antes ou pra quem é ruim em jogo de luta. Cada round é muito massa e bonito de se assistir, seja de novatos ou veteranos.

    Por outro lado, quem treina e entende dos comandos ainda se sobressai facilmente contra quem joga basicamente. São MUITOS comandos e possibilidades, no chão ou no ar, sendo que muitos dependem do timing certo ou servem como contra-ataque.

    Eu realmente não consigo imaginar nenhum outro jogo como esse, sempre divertido e muito bem balanceado, simples e técnico ao mesmo tempo.

    Pra quem jogou os últimos Guilty Gears, sabe como a Arc System Works fez um belo de um trabalho com os visuais. Nesse Dragon Ball, tudo foi elevado a um novo nível. As animações tanto durante as lutas como as das cutscenes da campanha são lindíssima, um 3D meio 2D muito natural, com personagens cheios de animações na face e linguagem corpórea com várias referências a cenas clássicas do série. Incrível mesmo! Tudo isso sem lag e sem parecer robótico.

    Some tudo isso a inúmeras cutscenes diferentes contando a longa estória e os muitos ataques e supports nas lutas e você vai perceber que esse jogo é diferente de tudo, quase como se fosse feito frame por frame como Cuphead.

    Após a época da Demo, quando joguei com o pessoal a primeira vez, acreditei que já entendesse o jogo 100% e que era muito fácil, ensinando a todos os amigos:

    -Quadrado, triângulo e bola são os ataques físicos básicos. Golpe fraco, médio e forte, respectivamente. A repetição dos dois primeiros faz um combo simples;

    -X atira o ataque de energia (tipo hadoukens) comum dos jogos da série;

    -R1 usa um ataque que o seu personagem dá um combo rápido e joga o inimigo pra cima, onde você pode continuar com outros golpes;

    -R2 faz com que seu personagem voe rapidamente em direção ao oponente e já dê o primeiro golpe do que pode se tornar um combo (um dos meus comandos favoritos, mas usar a todo momento com quem sabe jogar não é uma boa ideia, já que dá pra perceber quando a pessoa vai usar e você tem tempo de sobra de defender e contra-atacar);

    -L1 e L2, se apertados rapidamente, usam cada personagem da reserva como suporte. Segurando, você troca para aquele personagem;

    -Meia lua pra frente e R1 você faz o especial de 1 barra. Meia lua pra trás e R1, o especial de 3 barras, muito mais forte.

    Apesar da simplicidade toda, eu praticamente não perdia as batalhas e acabei sempre deixando eles jogar e aprender e ficava apenas assistindo. É notável que alguém com um pouco de costume já tinha grande vantagem. 

    Em outra ocasião, jogando com pessoas que tinham o jogo, levaram a demo a sério ou assistiam outros no Twitch, tive grandes dificuldades e dificilmente ganhei de qualquer um dos presentes.

    Essas dificuldades e facilidades são notáveis quando se joga online. Os novatos se mantém em combos simples e coisas que abrem muito a guarda. Pessoas com mais experiência são muito mais difíceis e dá um grande trabalho achar aberturas.

    Se você jogar o tutorial de batalhas, como deveria, vai perceber que o jogo tem muito mais combinações de botões e é super complexo. Tanta coisa que eu nem lembro. Jogando contra um amigo online, ele fazia coisas que eu nem sei como se faz, mas terminamos a partida em empate.

    Quando você abre o jogo, ele te põe em um dos lobby, onde muitas pessoas estão andando e fazendo que que quiserem com o avatar do personagem que escolheram.

    É nesse lobby que andamos e achamos partes da "cidade" referentes a lutas online, ranqueadas, lutas locais, loja para comprar cosméticos, podemos começar uma luta contra qualquer um a vista e a campanha, entre outros.

    A campanha é dividida em 3 partes, sendo que de início só a primeira está aberta, e a segunda será aberta quando essa for finalizada, e assim por diante. A estória é original, algo não muito comum em jogos da franquia, e basicamente envolve você se apossando do corpo dos personagens, clones de todo mundo (pra justificar você lutando tantas vezes contra as mesmas pessoas) e uma nova vilã: a Android 21, que tem um biotipo parecido com do Freeza, roubas as habilidades dos outros tipo o Cell e tem a pele como a do Boo, além de transformar os outros em doce.

    Resumindo: Dragon Ball FighterZ é, na minha opinião, o jogo mais interessante de luta de um player contra um player desde séculos. Simples pra casuais e complexo para quem quiser levar o jogo a sério. Uma fórmula que deu muito certo, e algo que eu nunca imaginaria. Visualmente, é de encher os olhos e vai fazer tudo o que veio antes parecer chato e incompleto.

    De bom: lindo e veloz, como nós sempre queríamos. Jogabilidade excelente para todo público e muito bem balanceado e estratégico. Efeitos de câmera durante a batalha pra lembrar que tudo ocorre em camadas com profundidade, e não um bocado de sprites juntos. Muitos modos offline e online farão o replay do jogo ser incrivelmente duradouro (inclusive novos personagens que virão). Referências e fidelidade a série de uma forma quase sem igual.

    De ruim: alguns amigos reclamaram que queriam que o jogo tivesse mais personagens no lançamento, ainda mais porque com lutas de 3x3 lutadores, logo todo mundo vai e começam a repetir. Ao mesmo tempo essas reclamações foram de jogadores mais casuais e que estão menos preocupados com o gameplay em si. Achei a campanha cansativa e bem repetitiva (necessária para abrir um personagem).

    No geral, DBF é o jogo definitivo de luta das minhas jogatinas, e acabou com a vontade que eu tinha de comprar Street Fighter V, King of Fighters XIV, Injustice 2, Tekken 7, Marvel VS Capcom e outros. Apesar de todos esses serem jogos muito bons, não vejo mais a necessidade de ter mais de um jogo do gênero. Além de tudo, vou ter prazer de começar a assistir seriamente campeonatos como EVO. Não pretendo treinar o jogo e ele vai ficar na prateleira, sendo um dos carros chefes das jogatinas com amigos!

    Dragon Ball Fighter Z

    Platform: Playstation 4
    225 Players
    91 Check-ins

    26
    • Micro picture
      vinicios_santana · over 1 year ago · 2 pontos

      Ótimo texto.
      Esperando meu irmão comprar para jogarmos juntos.

      1 reply
    • Micro picture
      pedrotriforce · over 1 year ago · 2 pontos

      Eu sempre jogo online, em vez de jogar algum outro jogo hahaha
      Acabei de chegar no Rank Kaioshin do Leste e olha que nem curto muito jogo de luta, mais me empenho bastante nesse jogo, e talvez até pegue o SFV, to no nível de estudar frames e treinar bastante os combos e combinações de personagens e talz, coisa que jamais pensei que iria fazer na vida XD

      1 reply
  • deletado999999 Farei uma nova ou não.
    2017-10-03 12:23:30 -0300 Thumb picture
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2017-07-27 02:52:23 -0300 Thumb picture
    7
    • Micro picture
      luchta · about 2 years ago · 1 ponto

      O jogo é um card game, tipo um Yu-Gi-Oh! só que com velhas mal desenhadas...

    • Micro picture
      luchta · about 2 years ago · 1 ponto

      O que as ovelhinhas estão fazendo @_gustavo?

      1 reply
    • Micro picture
      santz · about 2 years ago · 1 ponto

      Está me lembrando aquele jogo bizarro dos plugs de tomada.

      2 replies
  • lendaryo Solivan Martins
    2017-07-27 00:36:25 -0300 Thumb picture
  • 2017-02-16 09:41:48 -0200 Thumb picture

    Jake Hunter e Theresia estão nas mãos da Arc System Works

    Medium 399944 3309110367

    Era uma vez a WorkJam e agora os adventures/visual novels estão de casa nova. E Jake já tem um novo caso pra cuidar no 3DS.

    ► Random Encounter no DaiBokém!

    [@jvhazuki]

    Jake Hunter Detective Chronicles

    Platform: Nintendo DS
    17 Players

    7

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...