• lendaryo Solivan Martins
    2020-01-17 11:33:44 -0200 Thumb picture
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2020-01-12 17:03:03 -0200 Thumb picture

    O Violinista de Hamelin: De Comédia a Melodrama

    Até que enfim algum canal brasileiro falando do mangá e anime que gerou esse jogo, e olha ele parece bem interessante, com uma comédia bem politicamente incorreta, misturada com ação com aqueles traços dos anos noventa.

    E o vídeo é bem produzido até tem um Vomic (voice comic) no meio, que até bem dublado e da uma quebrada no podcast do review dessa obra.

    P.S.: Por algum motivo BIZARRO tem duas versões desse jogo cadastradas aqui, uma com o nome do jogo diferente da outra...

    Hamelin no Violin Hiki

    Platform: SNES
    28 Players
    5 Check-ins

    11
    • Micro picture
      luchta · 13 days ago · 1 ponto

      Esse vídeo tem que ser preservado para posteridade, o análise bem feita, apesar do autor não ter curtido tanto pelo que vi.

    • Micro picture
      santz · 13 days ago · 1 ponto

      O jogo é decepcionante.

      2 replies
  • jimmyramalho Jimmy
    2020-01-08 05:59:00 -0200 Thumb picture
    Post by jimmyramalho: <p><strong>Jogo finalizado n° 32<br></strong></p><p

    Jogo finalizado n° 32

    ATV Racers é um jogo de corrida lançado em 2003 para Playstation 1 pela Miracle Designs.

    Jogabilidade

    No modo torneio, os jogadores escolhem um dos animais para correr. O torneio oferece três conjuntos diferentes de corridas de troféus; o cálice da cruz, o cálice das dunas e o cálice da rocha. Cada torneio consiste em 3 pistas diferentes, que são alteradas dependendo da taça em que o jogador está competindo. 

    Pra falar a verdade, o jogo poderia ser perfeito, porém tem aquele velho problema que praticamente todos os jogos de corrida tinham... Os carros são uma bosta pra controlar; parece que tem um campo magnético que te puxa para a lateral da pista.

    Gráficos

    Os gráfios são bem ruins na parte dos personagens, já os cenários são até relevantes, mas mesmo assim não chegam a ser o ideal para um jogo que já não tem uma boa jogabilidade.

    Som

    As músicas do jogo são sensacionais, realmente é o único quesito que salva na jogatina, acho que foi por isso que consegui me manter jogando. As músicas tem um som bem envolvente e animado, vale a pena conferir.

    ATV Racers

    Platform: Playstation
    4 Players
    1 Check-in

    9
    • Micro picture
      santz · 18 days ago · 1 ponto

      2003? Deveria ter sido algo muito melhor!

      1 reply
  • farusantos Farley Santos
    2019-12-26 16:21:41 -0200 Thumb picture

    Análise: Bug Fables: The Everlasting Sapling

    Um mundo extenso e ótimos sistemas de jogo são bons motivos para conferir Bug Fables: The Everlasting Sapling. O RPG usa o passado e a nostalgia como inspiração, mas expande vários conceitos para criar uma experiência divertida e profunda. O reino de Bugaria apresenta inúmeros desafios de plataforma e puzzles, com localidades repletas de segredos e missões que incentivam vasculhar todos os cantos. Já o combate empolga ao mesclar turnos e ação, sendo que grande variedade de inimigos e mecânicas oferecem inúmeras opções estratégicas. A ambientação é acertada e explora um universo de insetos com texto bem humorado e localidades interessantes, por mais que às vezes a simplicidade do visual traga um ar de amadorismo ao jogo. No fim, Bug Fables: The Everlasting Sapling é um RPG repleto de personalidade e conteúdo, e fãs do gênero não podem deixar de conferi-lo.

    Análise completa

    Bug Fables: The Everlasting Sapling

    Platform: PC
    2 Players
    1 Check-in

    15
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2019-12-13 11:30:40 -0200 Thumb picture

    Resident Evil 6 é ruim? Pergunta retorica, não responda por favor...

    Eu defenderei Resident Evil 6 com todas as minhas forças até o fim da vida, ele tem ideias ruins e uma história pior ainda, mas uma das jogabilidades mais incríveis que já vi em um third person shooter, e graças a isso um dos modos mercenaries mais divertidos da franquia.

    O vídeo tenta responder se RE6 é ruim, ou só foi criticado por não se rum survival horror, bem como os motivos dele ser o terceiro jogo mais vendido da Capcom.

    P.S.: O vídeo está em inglês!

    Resident Evil 6

    Platform: PC
    1676 Players
    247 Check-ins

    8
    • Micro picture
      gennosuke6 · about 1 month ago · 4 pontos

      Sempre achei, e continuarei achando um jogo foda! Gosto demais! =D

      2 replies
    • Micro picture
      _gustavo · about 1 month ago · 1 ponto

      Pra mim é ruim como RE, mas é bom como jogo, mais ou menos como o DMC do Dante emo

      2 replies
    • Micro picture
      grey_hawk · about 1 month ago · 1 ponto

      Eu acho que os problemas foram dois: agradar gregos e troianos, e erro de público-alvo. Tentaram agradar tanto os fãs antigos com a campanha do Leon, quanto os de RE4 pra frente com a do Jake, mas erraram em todos os pontos.

      E o erro de público-alvo foi com a campanha do Chris. É uma campanha belissima em questão de jogabilidade de ação, mas esse é o problema: quem quer jogar um jogo de ação procura franquias conhecidas por ação (como Gears), não Resident Evil

      Ou seja, o problema não foi ele não ser um Survival Horror (RE4 é considerado um dos melhores da franquia por boa parte dos fãs, e também não era um Survival Horror). Foi os vários problemas, pois mesmo que a jogabilidade seja boa, jogabilidade sozinha não faz um jogo ser bom

      1 reply
  • farusantos Farley Santos
    2019-12-03 22:46:12 -0200 Thumb picture

    Análise: Black Future '88

    Black Future ’88 é um bom representante do subgênero roguelike. É empolgante escalar uma torre repleta de perigos cuja complexidade aumenta com o passar do tempo, principalmente por causa das boas mecânicas de tiro e plataforma. A atmosfera é acertada ao se inspirar em distopias cyberpunk por meio de visual elaborado com luzes neon, efeitos visuais marcantes e trilha sonora synthwave. No entanto, o jogo peca ao apresentar variedade reduzida de conteúdo e de situações, o que torna as partidas repetitivas muito rápido. Sendo assim, Black Future ’88 é um roguelike estiloso divertido, mas cuja euforia dura pouco.

    Análise completa

    Black Future '88

    Platform: PC
    2 Players

    14
  • farusantos Farley Santos
    2019-11-29 12:03:40 -0200 Thumb picture

    Análise: Monkey Barrels

    Monkey Barrels é um bom representante do gênero de ação e tiro twin stick. A experiência é estonteante e repleta de momentos complicados que exigem agilidade e técnica para serem superados — é muito recompensador sair vitorioso dos trechos cheios de inimigos e projéteis. Seus maiores destaques são a grande quantidade de tipos de armas e a boa variedade de situações de estágios, além da atmosfera estilosa. Mesmo sendo tecnicamente simples, o jogo sofre com slowdown e confusão visual em momentos mais frenéticos, o que atrapalha as partidas. No fim, Monkey Barrels diverte, mesmo não apresentando algo único.

    Análise completa

    MONKEY BARRELS

    Platform: Nintendo Switch
    1 Players

    13
  • farusantos Farley Santos
    2019-11-27 16:06:14 -0200 Thumb picture

    Análise: Romancing SaGa 3

    Romancing SaGa 3 é um JRPG clássico que não tem medo de desafiar as convenções do gênero. Em um primeiro momento ele parece básico com seu combate por turnos e exploração familiar, mas bastam algumas horas para perceber suas peculiaridades. A progressão aberta, o sistema flexível de treinamento de personagens e as batalhas altamente estratégicas são seus maiores destaques. No entanto, o jogo raramente explica seus conceitos, o que o torna um pouco frustrante às vezes — dedicação e experimentação são essenciais para aproveitá-lo. A versão remasterizada traz novidades bem-vindas, como visual retrabalhado e conteúdo inédito, mas, infelizmente, não apresenta opções modernas que deixariam a jornada mais agradável. No fim, Romancing SaGa 3 é recomendado para os amantes do gênero que procuram uma experiência única, densa e nada convencional.

    Análise completa

    Romancing SaGa 3

    Platform: PC
    2 Players

    17
    • Micro picture
      kipocalia · about 2 months ago · 0 pontos

      abaixaram o fps para 30 ao invés de 60 como na versão de snes :\

      3 replies
  • ramno Ramno
    2019-11-18 20:27:30 -0200 Thumb picture

    O que eu achei de Mirror's Edge.

     Jogo: Mirror’s Edge (2008)

    Plataforma: PC

    Concluído em: 12/09/2019

    Mirror’s Edge é o primeiro jogo que vou analisar de muitos outros que estão por vir. Primeiro farei uma análise superficial, demonstrando a primeira impressão que tive do jogo e depois o que eu achei, enquanto eu jogava, sem dar spoilers da história, e por fim a conclusão da minha experiência.

    Logo de cara já notei os gráficos do jogo, que para a época eram maravilhosos, e para um jogo de 2008 continuam lindos e as cutscenes, feitas em um desenho minimalista, são incríveis. Não há o que reclamar da parte gráfica, que hoje é possível rodar em qualquer Pc.

    A mecânica central é realizar movimentos de Parkour por diversos telhados e cenários da cidade, há também combate armado e desarmado, mas vou falar disso depois. Os cenários são muito bem construídos para fazermos diversos saltos e vários deles têm mais de uma maneira de chegar ao objetivo e em conjunto com isso, as cores do jogos, que são excelentes, passam muito bem a atmosfera da história de fundo, e utiliza do vermelho pra indicar o local em que o jogador deva ir, sem inserir um mapa na tela. A trilha sonora é discreta, nada marcante, mas combina muito bem com os cenários.

    Mas como todo jogo, Mirror’s Edge, também, tem seus defeitos e um dos que mais me incomodou foi o combate, que é horrível. O combate desarmado é travado e o armado é impreciso, somado com o fator que qualquer 2 ou 3 tiros a personagem morre, tornando as fases focadas nessa mecânica extremamente difíceis. Eu entendo que o foco do jogo não é o combate, e várias vezes preferi fugir do que lutar, por ser mais fácil, mas é uma grande sacanagem existirem diversos momentos que é obrigatório o combate.

    Já na questão de história, a trama principal é simples e não desenvolve muito mais do que foi apresentado no início, mas a história de fundo foi o que me prendeu. O background é, basicamente, a história da cidade em que o jogo se passa e é contada de forma não linear, em que com diálogos soltos se vai formando uma trama, que se mistura com a principal, e isso me deixou fascinado. Infelizmente a história de fundo não é contada por completo e aparenta que teria uma continuação, que eu queria muito, mas outro jogo da série já foi lançado e pelo que li na internet, a série foi rebootada. Não posso confirmar nada sobre o reboot, já que jogarei e analisarei esse outro jogo em outra hora.

    Mirror’s Edge é um jogo excelente, apesar dos problemas, e, com certeza, recomendo, só fico triste de saber que, talvez, a trama desse jogo nunca receba uma conclusão…

    - Ramno.

    Mirror's Edge

    Platform: PC
    4148 Players
    93 Check-ins

    24
    • Micro picture
      hyuga · 2 months ago · 2 pontos

      eu joguei uma no normal fugindo e outra no hard matando os inimigos, não lembro do combate com arma ser impreciso, mas faz tanto tempo que joguei

      1 reply
    • Micro picture
      lukenakama · 2 months ago · 1 ponto

      Bela crítica, eu não joguei Mirror Edge até hoje, mas gostaria, já que adoro parkour.

    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 2 months ago · 1 ponto

      Sempre quis jogar...mas nunca consegui.

  • luchta Ewerton Ribeiro
    2019-11-16 00:01:37 -0200 Thumb picture

    Por que o primeiro Shantae é uma joia tão subestimada?

    Cara, não costumo compartilhas vídeos em inglês, mas esse canal do TheOtherWho não tem nem 15 inscritos, e conseguiu fazer um vídeo excelente falando do primeiro jogo da franquia Shantae e o motivo dele ser tão bom. E como eu achei esse vídeo? O próprio pessoal da WayForward, fez um retweet dele, de tão boas que são as informações apresentadas. Vale a pena ver!

    Um dia eu pretendo fazer uma postagem do por que acho esse primeiro Shantae tão genial (hmm...), e por que ainda consegue ser o melhor da franquia para mim, mesmo tendo quatro sequencias até o momento, e uma vindo ai (que eu tenho grandes expectativas desse novo sim, superar o primeiro). Uma pena dele não ser um jogo tão conhecido e nem tão lembrado, mas vale a pena ser jogado.

    Shantae

    Platform: Gameboy Color
    184 Players
    74 Check-ins

    24
    • Micro picture
      lukenakama · 2 months ago · 1 ponto

      Tá ai uma franquia que eu queria jogar mas nunca o fiz, se o primeiro tivesse no máximo quatro horas de jogo eu jogaria, mas são umas nove, sem tempo pra jogos meio longos.
      Me inscrevi nesse canal e vou ver o vídeo um dia, antes ou depois de jogar Shantae, não sei.

    • Micro picture
      luchta · 2 months ago · 1 ponto

      Não sabia que o primeiro Shantae era para ser lançado para o SNES, e depois para o PS1, N64 e PC. Tem até imagens, parecia um Paper Mario, na moral queria ter visto essa versão.

    • Micro picture
      tassio · 2 months ago · 1 ponto

      Falando por mim, o fato de ser um jogo de Gameboy Color já justifica eu nunca te-lo visto.

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...