• anduzerandu Anderson Alves
    2019-12-30 16:15:21 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: Borderlands 2

    Zerado dia 27/12/19

    Tá aí uma super pendência minha. Borderlands 2 foi comprado por mim e mais 3 amigos há uns anos por uma pechincha em alguma promoção louca. A recomendação veio por um deles e eu sempre via o jogo em todo lugar e resolvi dar uma chance. Jogamos umas poucas horinhas, mas eu fiquei frustrado com a experiência e acabamos deixando de lado. Eu não me via voltando ao jogo tão cedo e ele ficou um século aqui no notebook.

    A parte frustrante veio por conta de eu cair a todo momento em partes de tiroteio e depender de amigos pra me levantar constantemente e, embora todo mundo caísse, eu sentia que estava atrasando o grupo mais que qualquer um. Era bizarro como eu parecia terrível em um gênero que sou relativamente experiente.

    Com a pulga atrás da orelha vendo aquele ícone no desktop, insisti pra galera pra voltarmos, mas as opiniões ficaram divididas: um animou, outro estava sem computador e o último que tinha o jogo, se distanciou de nós (e um amigo que poderia o substituir não tem o jogo e não quer pagar por ele).

    A oportunidade de voltar a jogar B2 veio agora, com bastante tempo disponível aqui no Rio de Janeiro e depois de ter jogado Borderlands 3 recentemente e ter curtido bastante. Eu já sabia que mesmo que precisasse jogar sozinho, iria me divertir e a dificuldade seria mais tranquila.

    Abri o jogo, vi que ainda possuía meu velho personagem, mas resolvi criar outro de outra classe e recomeçar a estória do zero e prestar mais atenção nos diálogos e tal, coisa que é quase impossível jogando online com meus amigos. Fiquei contente em saber que o jogo reconheceu instantaneamente meu controle de Switch e eu pude jogar da mesma forma que joguei o 3, mas fiquei triste em lembrar que meu notebook é uma carroça sem placa de vídeo dedicada. Fiquei um tempão mexendo em configurações e o deixei jogável, e com um um visual estilo PSP, haha.

    Bom, o importante é o framerate, e mesmo não tendo ficado perfeito, ficou ok.

    Começando B2, você aprende os controles básicos da aventura que mistura FPS com RPG, level up, alocação de pontos e customização. Bom, se você já jogou qualquer jogo de tiro, você basicamente já sabe jogar B2, apesar de ir muito além dos conceitos dos Call of Duty da vida.

    Logo você aprende a se movimentar em combate, mirar, tentar atirar nos pontos fracos dos oponentes e tentar acabar com suas barras de vida o mais rápido possível. Em seguida aprende sobre equipar diferentes armas e experimentar, sobre missões que requerem que você ande pelo mapa em direção a marcações e explore até lugares que você já passou. Depois há o esquema de escudo, que protege sua vida enquanto existir e se regenera com o tempo (coisa que o HP não faz).

    A parte mais interessante é quando conhecemos sobre as habilidades e suas árvores próprias de cada classe e como você aloca pontos de acordo com o que você quer que seu personagem se torne/especialize. Não procurei nenhuma build online e fui me concentrando em certas habilidades passivas e no final das contas eu nem sei se ficou muito bom.

    Conforme eu jogava, eu percebia que muita coisa do 3 já vinda de jogos anteriores, como a mecânica do Second Wind, que funciona assim: se você ficar sem vida, seu personagem começa a rastejar pelo chão e caso você mate alguém, você levanta e está de volta à ação. Nesse jogo eu tive muita dificuldade em me levantar pois parecia que minhas armas eram fracas demais o tempo todo e que a mira abria demais no chão, além de não permitir que eu usasse a "visão de scope" das armas. Fora isso, parecia que quando os inimigos sempre corriam pra longe quando me derrubava, como se o jogo não quisesse MESMO que eu avançasse. Tudo isso resultou em muita morte e perda de dinheiro.

    Se você morre em B2, você revive no checkpoint mais próximo que foi ativado (são terminais que se ativam quando você passa perto). Nenhum inimigo dá respawn, mas os vivo regeneram suas vidas 100%. O lado bom é que você teoricamente só precisa matar pelo menos um deles para ter progresso, mesmo que de pouco em pouco. Por outro lado, alguns deles são tenso e você renasce e já morre até porque as vezes eles se juntam e te destroem.

    Chefes também regeneram seus HPs, mesmo que você tenha levado um século pra tirar metade.

    Falando em rever coisas, praticamente todos os personagens que eu vi no 3 estão no 2 (e provavelmente no 1) e eu tive a mesma sensação de quando joguei primeiro o Tales from the Borderlands e depois o 3: eu deveria estar jogando essa série na ordem, mas bizarramente estou indo de "trás pra frente".

    Bom, eu cheguei à um ponto de desistir de entender qualquer continuidade entre os títulos e foquei apenas em cada um individualmente. No final das contas o enredo é bem Sessão da Tarde, mas não vou mentir que fico meio perdido as vezes com pequenas referências e piadas.

    Já sobre as diferenças, fica bem óbvio como o 3 é uma grande evolução de seu antecessor. O 2 é mais linear e limita muito sua exploração do mapa. Além disso, tudo acontece num só mundo, dividido em áreas, que são quase sempre ou gelo ou desertor (ermos) e isso é meio tedioso e repetitivo. Os inimigos também variam pouco demais e raramente eu derrubava armas melhores de inimigos ou baús pelo mapa e dava até preguiça de conferir o que eu conseguia (mas eu acabava fazendo).

    Mais perto do final do jogo, depois de matar vários chefes e fazer missões não tão criativas, as coisas do nada começaram a ficar bem difíceis e eu fiz os últimos níveis com cerca de 5 níveis abaixo dos inimigos (eu no 25 e eles no 30).

    De um lado eu não upava muito rápido e minhas armas, apesar de mostrarem bons danos, não tiravam muito HP dos oponentes, que são verdadeiras esponjas, e umas levemente melhores requeriam muitos níveis a mais. E a minha classe, que era pra ser um tank, as vezes caía com um tiro ou dois. Eu não sabia o que fazer! Sabe o que é você morrer dezenas de vezes para um robôzinho meio besta? Haja paciência!

    Eu acredito que o jogo quisesse que eu me dedicasse mais à fazer missões secundárias e curtir a aventura mais lentamente, explorando e matando mais vezes em partes que eu já tivesse ido, mas eu joguei calmamente e foi difícil demais!

    Tive ainda problemas com as muitas limitações de espaço de inventários. Você coleta uns equipamentos e logo fica com a bolsa cheia, mas você não quer se livrar das coisas porque elas serão úteis em alguns níveis mas acaba tendo que escolher o que manter e deixando no chão vendendo o que for menos doloroso de passar pra frente. Existe um banco que você pode deixar suas coisas pra buscar depois (ou mesmo com outros personagens da sua conta) mas o limite também é minúsculo: apenas 4 slots (sua mochila deve ter uns 10 e toda hora tem equipamento sendo encontrado).

    O jogo permite ainda expandir esses inventários com o pagamento de umas pedras roxas que você acha aqui e ali pelo mapa (geralmente matando inimigos mais fortes, como chefes). O problema aí é que, além dessas expansões serem caras e ficarem mais caras conforme você as adquire, você ainda tem outras coisas para aumentar limite, como a quantidade de balas de cada arma e mesmo de granadas. Acabei investindo num pente maior de pistolas, rifles e mochilas maiores, mas continuei tendo dificuldade com as limitações de todos eles...

    Já uma coisa bacana de B2 são os inúmeros desafios disponíveis no jogo. Coisas como atirar milhares de balas, matar muitos inimigos com determinados tipos de armas ou fazer muitas outras coisas. São MUITOS desafios e cada um é dividido em vários níveis, como atirar 10.000/25.000/50.000 balas e coisas assim. Cada vez que um desafio é cumprido você ganha um Badass Rank e pode gastar cada um deles para fortalecer seu personagem com coisas como diminuir o recuo das armas, aumentar seu HP, precisão com as armas etc. Apesar dessas melhorias geralmente serem de 0.5% no atributo escolhido, são uma adição legal ao subir de nível regular e junto com as personalizações de estética permitem que você seja único!

    O jogo foi difícil e complicado, mas por sorte e um pouco de pensamento, consegui burlar um pouco algumas partes.

    Por exemplo, aconteceram bugs aqui e ali que faziam com que inimigos só me olhassem e não atirassem. Outras vezes o oponente andava até alguma parte do mapa e ficava preso (isso aconteceu inclusive comigo mesmo)! Os meus prediletos foram um em que um sub-chefe começou a flutuar verticalmente e eu pude finalmente matá-lo enquanto ele só me olhava e se distanciava. Infelizmente ele morreu muito alto e o loot ficou por lá. O outro aconteceu com um dos últimos chefes que simplesmente ficou congelado depois de tanto me matar e eu o matei tranquilamente (com medo de ele voltar ao normal do nada).

    Já em relação aos macetes, se você conseguir ficar em qualquer lugar que tenha uma abertura pro inimigo ou que bloqueie seus ataques, o que geralmente é fácil, basta ficar de longe atirando e se ele não se mover pra cima de você, é só questão de tempo para que você o destrua. Isso me foi muito útil contra uns robôs gigantes que parecem nunca morrer e até no último chefe, que não me deu nenhum dano!

    Resumindo: Borderlands 2 é um jogo maneiro e que deve ter sido ainda melhor na sua época de lançamento, pois a série é bem grande e famosa, mas hoje em dia as coisas podem ser um pouco diferentes. Por querer apenas zerá-lo e focar na campanha, tive bastante dificuldade em vários dos capítulos finais e fiquei bem frustrado e o fato de ele não ter rodado 100% no meu notebook provavelmente me atrapalhou a curtir mais a experiência também, assim como o fato de não ter jogado o primeiro Borderlands. Eu comecei curtindo mas depois acho que posso dizer que não me diverti, mas também não odiei (só estou feliz de ter conseguido terminar logo).

    De bom: visual carismático. 4 diferentes classes e muitas builds e customizações que te permitem criar o personagem do seu jeito. Muitas armas e equipamentos em geral. Multiplayer legal pra jogar de galera. Os NPCs são bacanas e engraçados, apesar de nada muito novo. E foi bom rever personagens que eu já conhecia de outros jogos da franquia.

    De ruim: dificuldade esquisita onde um robô nível 28 é tranquilo, como deveria ser, mas o amigo dele de mesmo nível, mas que se especializa em soltar fogo tem que levar 8237827323 de dano pra ser derrotado. É um jogo que você cai constantemente e tem que depender da mecânica Second Wind, mas você só pode usá-la 3 vezes em um curto período de tempo e os inimigos fogem de você quando te derrubam. Muitas limitações de inventário e munição e você está sempre sem munição. Foquei em criar um personagem que não caíssem e levantasse fácil mas não adiantou nada e cansei de ser derrubado nem sei por quem. Constante sensação que seu personagem é fraco e um salto de nível dos inimigos no final. Cenários repetitivos. O enredo me pareceu muito pouco independente do jogo anterior.

    No geral, foi legal ter jogado e ter conseguido terminar, mas achei a experiência muito esporádica com dificuldade, variedade e diversão. Talvez seja um jogo que exija grinding, coisa que eu raramente faço. Acho que talvez nem jogasse os outros se eu tivesse começado a jogar por Borderlands 2. A minha dica é: jogue Borderlands 3, pois ele evoluiu muito as coisas e trouxe a experiência definitiva, na minha opinião, expandindo e muito os horizontes, sendo carismático, trazendo mais possibilidades e um universo rico de verdade. Eu esperava muito mais do 2.

    Borderlands 2

    Platform: PC
    3012 Players
    516 Check-ins

    13
  • anduzerandu Anderson Alves
    2019-11-25 13:42:09 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: Borderlands 3

    Zerado dia 24/11/19

    Eu tinha planos pro fim de semana, mas a 2K resolveu liberar o teste do jogo Borderlands 3 do dia 21 ao dia 24 de Novembro. Bom, eu pessoalmente mal conheço a série e detesto ter que começar zerando pelo "terceiro" jogo, mas o hype em cima desse título foi tão grande na época de seu lançamento (muito recentemente) que eu fiquei curioso a dar mais uma chance a série, mas com mais vontade do que nunca.

    O tal teste liberava o jogo completamente, inclusive a campanha (aprende aí Street Fighter V), mas pelo breve período de 4 dias. Segundo o howlongtobeat, a aventura demorava 20 horas. Moleza! Marquei uns amigos de jogatina de console online na notícia no Facebook e pus pra baixar. Infelizmente eu tive que baixar bastante a velocidade da minha internet pois a NET resolveu extrapolar o preço depois de um ano de uso, o que acarretou na tarde/noite inteira da quinta baixando os 20GB.

    Agora com vontade de jogar apenas nos 3 últimos dias da oferta, olhei num guia que o jogo possui 20 capítulos. Resolvi jogar 7 deles ou mais já no começo pro final ficar mais tranquilo.

    Sobre o online, lembrei que o PS4 exige assinatura pra jogar com os amigos (mal acostumado com Fortnite) e meu cartão foi clonado à pouco tempo, o que fez com que eu o bloqueasse e ficasse sem o danado e nem quis pedir emprestado só pra pagar PS Plus. Fui sozinho mesmo.

    Começando a campanha, o jogo me deu a opção de escolher entre 4 heróis com diferentes especialidades. Lembro que no 2 era assim também, então até aí nada novo (nem os visuais pareceram muito diferentes da geração passada, pra dizer a verdade). Escolhi a menina que tem como especialidade criar um robô para ajudá-la nas batalhas.

    Bom, leve em consideração que eu não manjo nada dos jogos anteriores e que ainda planejo jogá-los, mas depois de tanto tiro em capangas, coletar e equipar armas (e meio que ler um bocado de tutorial de qualquer jeito), eu fiquei muito contente em andar livremente pelo mapa e perceber que a experiência seria muito mais Destiny do que Call of Duty.

    Ande pra onde quiser, mate inimigos em acampamentos, faça missões secundárias, colete melhores equipamento e... SUBA DE NÍVEL! Sério, é muito legal se fortalecer nesse jogo, pois além de poder equipar armas melhores , você também aloca pontos em habilidades ativas e passivas, Essa coisa de build de personagem sempre me remete ao meu amado Diablo e ver suas skills em uso é muito legal.

    Logo também foram desbloqueados veículos para agilizar minhas idas e vindas, além de batalhas de carros aleatórias aqui e ali. Com isso o mapa se mostrou maior do que eu imaginava e muito mais cheio de possibilidades.

    Sobre as habilidades, eu já mencionei que a minha personagem cria um robô para ajudá-la, como se fosse uma "ultimate" do Overwatch. Ela mesmo é como uma D.Va ao inverso, que sempre está a pé atirando em todo mundo e entra no seu mecha quando precisa.

    Porém, ao contrário do famoso PVP da Blizzard, essa habilidade demora para acabar e após vários níveis e poderes desbloqueados, além de durar mais, ainda criei o robô de uma forma que ele atacasse muito forte com torretas e mísseis e mesmo após a sua duração passar, eu era ejetado mas ele continuava ali, lutando ao meu lado e me ajudando. Você realmente sente que cada ponto alocado faz a diferença e isso é muito legal (eu fechei no nível 34, o que quer dizer que eu aloquei 34 pontos por 3 árvores de habilidades diferentes).

    Após pegar o jeito do jogo e o lance de usar esses especiais e tal, eu não conseguia parar de me lamentar por não estar jogando em grupo. Cara, deve ser MUITO fera, apesar que na minha experiência com o 2, o jogo fica bem mais difícil também.

    Prosseguindo na campanha, visitando novos lugares, matando chefes mais loucos e melhorando meus equipamentos, logo foi liberada a nave da equipe. Pois é, em Borderlands 3 nós somos um grande grupo de caçadores de arcas, exploradores e afins.

    Há alguns protagonistas na trama e nenhum deles é você. Quer dizer, mais ou menos. Aqui você é meio que a pessoa que faz e facilita quase tudo, mas o enredo sempre volta e foca nas moças da equipe, como a Lilith, que acaba tendo mais destaque que qualquer outro no jogo.

    O termo como você é conhecido, Caçador de Arca (Vault Hunter) mostra que, mesmo escolhendo um personagem que já possui nome e alguma personalidade, o jogo te trata como genérico para priorizar outros personagens.

    Com a grande nave pronta pro uso e uma equipe que cresce cada vez mais e mais (o lugar é beeeem grande, com andares e muitas salas e até lojas), Borderlands 3 se abre mais ainda ao mostrar que há vários planetas a serem explorados, cada um com estética própria. Sabe o deserto estilo Mad Max do começo? Ele pode dar lugar à um planeta florestal, ou de grandes cidades etc.

    Não demorou pra novos lugares trazerem personagens que eu já conhecia de Tales from the Borderlands, como Rhys, Vaughn, além dos clássicos como o Claptrap. Com isso eu percebi que talvez esses personagens sejam mais importantes do que eu imaginava e talvez eu devesse ter jogado TftB apenas depois de jogar os primeiros jogos da série.

    O progresso no jogo e novas descobertas também foi deixando a estética meio pop e personagens e enredo infanto-juvenil e entrando em um conceito mais sério, com estética e trilha sonora synthwave enquanto você desvenda mistérios de conexões interplanetárias em tumbas um tanto quanto egípcias. Nos últimos capítulos eu estava amando e até esquecia que aquilo era Borderlands!

    A coisa foi ficando tão séria que eu comecei a achar que apenas Borderlands 3 não seria o bastante pra contar tudo. Eu fui chegando mais e mais próximo do tal capítulo 20, os personagens começaram a se despedir e pedir que eu fizesse o que eu precisasse pois não haveriam mais chances, lutei contra um dos dois vilões principais e tal. 

    Nessa parte eu estava contente, pois a jogatina de sexta foi legal demais, mas eu quase não consegui bater a meta sábado pois o jogo tinha ficado meio arrastado (tipo parte após parte de ter que matar todos os monstros no cenário). Domingo eu estava preparado pro último terço, mas teve festa de família aqui em casa e a molecada (de 2 anos de idade) não me deixou em paz pegando cosias no meu quarto e tal. Mas a maratona tinha que continuar. Imagina só não dar tempo e ou eu ter que comprar um jogo recém lançado provavelmente caro só pelo finalzão ou não fazer isso e ficar maluco com um jogo no final que não zerei?

    Mas estava acabando! Eu tinha um aniversário pra ir às 19h e estava no último capítulo, contra o último chefe. Chegaria atrasado uma hora na comemoração, mas tá bom. Aí de repente o jogo continua indo e indo! Fui ver no guia e ele estava INCOMPLETO (página do jogo no gamefaqs.com). Vi na IGN que haveriam mais 3 capítulos! 3! Levando em conta que cada um dura mais que 1 hora...

    4 horas depois, às 23h, eu estava zerando o jogo, próximo da data limite de jogar, sem nenhuma conquista e sem ir a festa. Well, pelo menos o jogo foi muito bom!

    Resumindo: Borderlands 3 foi uma grande jogatina que infelizmente tive que maratonar em 3 dias algo que deveria ser jogado em uma semana. Felizmente me diverti ao ponto de não ter enjoado nem ter ficado com dores de cabeça nem nada do tipo e a simplicidade de sua estória fez com que eu terminasse absorvendo toda a informação. Eu diria que o título é um Destiny feito corretamente e desses FPS-RPG, foi a melhor experiência que eu já tive e que infelizmente foi solitária.De bom: visual muito legal, embora eu não estivesse curtindo a estética HQ nas primeiras horas, e o jogo fica ainda mais bonito quanto mais você joga. Muita variedade de armas e construção de personagem fazem com que cada um seja único. Muita exploração bacana por diversos planetas. Side Missions pra manter o jogo indo, fora diferentes modos de jogo, como versões mais difíceis e com melhores recompensas. Matar inimigos é muito bacana e cinemático, meio que como Overwatch e as skills são muito legais (dá até pra ter uma noção de como vai ter o PVE do jogo da Blizzard). Os chefes são incríveis! Textos em português. Dá pra jogar splitscreen de dois jogadores! Trilha sonora espetacular.De ruim: o enredo e personagens demoram pra engatar e parece muito coisa de jovem de 14 anos, com humor óbvio demais e afins por um bom tempo. As primeiras horas rola um grande problema com munição e você se vê constantemente lutando com armas sem bala, cosia que só mudou quando eu me acostumei a ficar catando munição de caixas e comprando sem parar, além de que depois que tiver maior variedade de armas com diferentes tipos de balas. O jogo costuma nas primeiras horas mostrar uma pessoa falando com você na tela, mas ao invés de por a personagem, põe tipo um vídeo de uma mulher meio que fazendo cosplay, o que é super bizarro, haha. A estória se arrasta um pouco demais no final e partes de matar a todos os monstros tipo Halo acontecem demais (mas também é o jeito do jogo te empurrar XP e por suas skills a uso). Algumas texturas são feias ou demoram pra carregar, além de problemas de fps aqui e ali fazem com que o jogo pareça coisa da geração passada na maior parte do tempo.No geral, recomendo pacas o jogo, sozinho ou em companhia. Online ou offline. Gostei tanto que já quero experimentar os outros! Ainda acho os personagens meio sem graça e muita coisa meio forçada, mas acho que o segredo está no GAMEPLAY. Jogão (e de graça)!

    Borderlands 3

    Platform: Playstation 4
    14 Players
    2 Check-ins

    13
  • 2019-04-03 11:27:08 -0300 Thumb picture
  • 2019-03-28 17:15:20 -0300 Thumb picture
  • 2019-03-28 16:23:54 -0300 Thumb picture
  • 2019-03-28 16:14:48 -0300 Thumb picture
  • 2019-02-13 11:43:38 -0200 Thumb picture

    [Promoção] 2K [Até 18/02]

    !ATENÇÃO!

    =========================================

    * Post Longo!
    ** A lista abaixo NÃO está em ordem alfabética!

    =========================================

    'Killing Floor: Incursion' (PS4)

    >-12% R$99,99 -> R$87,50

    'Riddled Corpses EX' (PS Vita)

    >-16% R$36,90 -> R$30,90

    'Riddled Corpses EX' (PS4)

    >-16% R$36,90 -> R$30,90

    'Roundabout' (PS Vita)

    >-70% R$30,90 -> R$9,27

    >-80% R$30,90 -> R$6,18 (PS+)

    'Roundabout' (PS4)

    >-70% R$30,90 -> R$9,27

    >-80% R$30,90 -> R$6,18 (PS+)

    'IMMORTAL: UNCHAINED' (PS4)

    >-39% R$195,99 -> R$118,90

    'LEGO Marvel Super Heroes 2' (PS4)

    >-60% R$199,90 -> R$79,99

    'LEGO Marvel Super Heroes 2 Edição Deluxe' (PS4)

    >-48% R$249,90 -> R$129,99

    'Alvastia Chronicles' (PS4)

    >-10% R$45,90 -> R$41,31 (PS+)

    'Alvastia Chronicles' (PS Vita)

    >-10% R$45,90 -> R$41,31 (PS+)

    'Atelier Arland Series Deluxe Pack' (PS4)

    >-15% R$275,90 -> R$234,51

    'Atelier Meruru ~The Apprentice of Arland~ DX' (PS4)

    >-15% R$122,90 -> R$104,46

    'Atelier Rorona ~The Alchemist of Arland~ DX' (PS4)

    >-15% R$122,90 -> R$104,46

    'Atelier Totori ~The Adventurer of Arland~ DX' (PS4)

    >-15% R$122,90 -> R$104,46

    'BioShock' (PS3)

    >-60% R$39,90 -> R$15,96

    'BioShock 2' (PS3)

    >-60% R$39,90 -> R$15,96

    'BioShock Infinite' (PS3)

    >-70% R$105,90 -> R$31,77

    'BioShock: The Collection' (PS4)

    >-75% R$248,90 -> R$62,22

    'Borderlands' (PS3)

    >-60% R$39,90 -> R$15,96

    'Borderlands 2' (PS3)

    >-60% R$39,90 -> R$15,96

    'Borderlands 2 VR' (PS4)

    >-25% R$153,50 -> R$115,12

    'Borderlands: The Handsome Collection' (PS4)

    >-75% R$199,99 -> R$49,99

    'Borderlands: The Pre-Sequel' (PS3)

    >-70% R$105,90 -> R$31,77

    'Carnival Games' (PS4)

    >-50% R$143,50 -> R$71,75

    'Claire: Extended Cut' (PS Vita)

    >-80% R$45,90 -> R$9,18

    'Claire: Extended Cut' (PS4)

    >-80% R$45,90 -> R$9,18

    'Conjunto NBA 2K19 + NBA 2K Playgrounds 2' (PS4)

    >-67% R$306,90 -> R$101,27

    'Duke Nukem Forever' (PS3)

    >-80% R$99,99 -> R$19,99

    'EA SPORTS NHL 19' (PS4)

    >-60% R$239,90 -> R$95,96

    'Mafia II' (PS3)

    >-75% R$107,50 -> R$26,87

    'Mafia III' (PS4)

    >-75% R$249,90 -> R$62,47

    'Mafia III Edição Deluxe' (PS4)

    >-75% R$309,90 -> R$77,47

    'Moonlighter' (PS4)

    >-40% R$71,50 -> R$42,90

    'NBA 2K19' (PS4)

    >-67% R$248,99 -> R$82,16

    'NBA 2K19 20th Anniversary Edition' (PS4)

    >-67% R$348,99 -> R$115,16

    'NBA 2K Playgrounds 2' (PS4)

    >-50% R$107,50 -> R$53,75

    'NBA LIVE 19 All-Star Edition' (PS4)

    >-85% R$158,99 -> R$23,84

    'Puzzle Showdown 4K' (PS4)

    >-70% R$30,90 -> R$9,27

    >-80% R$30,90 -> R$6,18 (PS+)

    'Sid Meier's Civilization Revolution 2 Plus' (PS Vita)

    >-75% R$61,50 -> R$15,37

    'Sky Force Bundle' (PS4)

    >-20% R$60,90 -> R$48,72

    >-30% R$60,90 -> R$42,63 (PS+)

    'Spec Ops: The Line' (PS3)

    >-80% R$179,99 -> R$35,99

    'The Darkness II' (PS3)

    >-80% R$179,99 -> R$35,99

    'The Golf Club 2019 featuring PGA TOUR' (PS4)

    >-50% R$153,50 -> R$76,75

    'The King's Bird' (PS4)

    >-20% R$61,50 -> R$49,20

    'The Sims 4 Edição Festa Deluxe' (PS4)

    >-80% R$198,99 -> R$39,79

    'Tom Clancy's Rainbow Six Siege Deluxe Edition' (PS4)

    >-60% R$149,99 -> R$59,99

    >-70% R$149,99 -> R$44,99 (PS+)

    'Tom Clancy's Rainbow Six Siege Gold Edition' (PS4)

    >-40% R$199,99 -> R$119,99

    >-50% R$199,99 -> R$99,99 (PS+)

    'Tom Clancy's Rainbow Six Siege Ultimate Edition' (PS4)

    >-40% R$299,99 -> R$179,99

    >-50% R$299,99 -> R$149,99 (PS+)

    'WWE 2K19' (PS4)

    >-67% R$248,99 -> R$82,16

    'WWE 2K19 - Digital Deluxe Edition' (PS4)

    >-67% R$348,99 -> R$115,16

    'XCOM 2' (PS4)

    >-75% R$249,00 -> R$62,25

    'XCOM 2 Collection' (PS4)

    >-65% R$359,99 -> R$125,99

    'XCOM 2 Digital Deluxe Edition' (PS4)

    >-75% R$295,00 -> R$73,75

    'XCOM : Enemy Within' (PS3)

    >-80% R$105,90 -> R$21,18

    'XING: The Land Beyond' (PS4)

    >-25% R$61,50 -> R$46,12 (PS+)

    'Fort Defense' (PS4)

    >-60% R$21,50 -> R$8,60

    'Gnomes Garden 3: The thief of castles & Portal of Evil' (PS4)

    >-60% R$24,50 -> R$9,80

    'NHL 19 99 Edition' (PS4)

    >-60% R$319,90 -> R$127,96

    'The Sims 4' (PS4)

    >-80% R$158,99 -> R$31,79

    5
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · over 1 year ago · 3 pontos

      Nem sabia que ALVSNISTA tinha jogo próprio...
      ALVANISTA CHRONICLES 😜

  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2019-01-01 15:10:18 -0200 Thumb picture

    MENSAGEM PRA VOCÊS...

    Eis que eu estava jogando MAFIA III, pós festa (fui acordar 15h) e me deparo com essa linda mensagem. Indireta aos "treteiros de plantão"?

    "MAKE LOVE NOT WAR"

    Mafia III

    Platform: Playstation 4
    407 Players
    124 Check-ins

    30
    • Micro picture
      santosmurilo · over 1 year ago · 6 pontos

      eu adoro fazer um sexo! vamo?

      7 replies
    • Micro picture
      reasel · over 1 year ago · 2 pontos

      hue

    • Micro picture
      mateusfv · over 1 year ago · 2 pontos

      N sei se é aqui que tá muito claro ou se a imagem que tá muito escura, mas demorei um tempo pra conseguir enxergar

      3 replies
  • anduzerandu Anderson Alves
    2018-12-26 15:04:42 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: Tales from the Borderlands

    Zerado dia 26/12/18

    Fim do ano na escola e zero coisas pra fazer, peguei o The Walking Dead Season 2 pra jogar numa boa e acabei me prendendo mais do que nunca num jogo da Telltale Games, zerando a aventura em uns 2 ou 3 dias. Com alguns dias pela frente até o recesso, resolvi continuar jogando algo similar e o @msvalle recomendou o Tales from the Borderlands. Pareceu uma boa ideia (e foi mesmo).

    Antes de falar sobre TftB eu tenho que dizer que meu contato com a série Borderlands é muito pequeno. Joguei apenas algumas das missões iniciais do 2 no meu notebook com amigos mas fomos largando após o segundo chefe. No meu PC, com placa de video onboard, a experiência não foi muito boa e eu achei o jogo em si meio chato e eu ficava caindo o tempo todo, esperando alguém me levantar (não sei se joguei errado ou sou ruim pra caramba mesmo nesse jogo haha). O fato é que eu planejo jogar a série um dia desde o 1, mas não sei quando. Além disso, com certeza eu perdi muita coisa em TftB justamente por não estar familiarizado com Borderlands.

    Pra quem está acostumado com jogos da Telltale, TftB parece bem familiar com a engine antiga, escolhas e a forma como tudo é apresentado e a progressão dos diálogos, da estória e do jogo em si. Por outro lado, esse daqui é bem mais "upbeat" que as minhas outras experiências com a falida desenvolvedora (Wolf Among Us e 2 Walking Deads), ou seja, é um jogo bem mais feliz e colorido.

    Eu vou resumir esse jogo como um filme de classificação Livre daqueles que você vê no cinema com os amigos e sai de lá falando: "É, foi legal. Algumas partes foram engraçadas." e depois assiste novamente em casa no domingo quando passa na Temperatura Máxima dublado.

    O enredo começa como uma superprodução hollywoodiana já com o protagonista sendo apresentado e sofrendo uma crise e bolando um jeito de se vingar de um colega de trabalho bem resolvido. Logo veem os personagens determinados, otimistas e muitas confusões.

    Nesse título, jogamos com dois protagonistas, Rhys e Fiona. Ele, um funcionário de uma corporação gigante que fica numa estação espacial fora do planeta, Hyperion. Ela, uma pobre tentando de qualquer forma fazer dinheiro no planeta onde tudo é deserto e bandidos (meio que no estilo Mad Max).

    Logo se juntam equipes de ambos os lados (e mais tarde pessoas de fora) e você tem um bom grupo, com o mocinho, a mocinha, o bandido do bem, o nerd, o robô de guerra, o robô pequeno etc. Definitivamente não tem como não curtir os personagens.

    É interessante saber que as escolhas e interações no geral nesse jogo são geralmente muito mais trabalhadas e muitas coisas você só vai perceber quando chegar ao final da aventura e descobrir que poderia ter feito coisas diferentes, como ter salvado um personagem  ou recrutado outro que parecia ser bem secundário.

    Além de andar e fazer escolhas que pareceram tem mais importância que qualquer outro jogo da Telltale, as vezes tem até mini puzzles e formas diferentes de interagir com algo. Alguns exemplos:

    -Uma vez no início, um robô vem nos salvar e há a opção de equipá-lo de diferentes formas, com metralhadoras ou mísseis, poe exemplo. Não tenho certeza qual diferença isso faz;

    -Várias vezes temos que atirar com a pistola de Fiona, que tem três canos de munição diferentes: fogo, eletricidade e radiação (?). Na hora de destruir as coisas, o jogo manda você escolher qual munição usar;

    -É possível trocar roupas, acessórios e mesmo o braço biônico de Rhys para outros mais modernos e todos essas trocas são permanentes (ou pelo menos até você poder trocar de novo). O jogo pede para que mude as roupas com base em algum lugar que você vai visitar para se disfarçar, mas não sei o que acontece se eu não fizer nada.

    Apesar dessas incertezas, é sempre bom ter a sensação de que você está fazendo as coisas do seu jeito e que elas estão tendo seus efeitos.

    Outra coisa legal é que explorar os cenários as vezes faz com que achemos dinheiro. Dinheiro pode ser usado para se equipar melhor, pagar subornos e até recrutar pessoas pra te ajudar no final do jogo. Você vai perceber que essas coisas opcionais deixam o jogo bem mais livre e menos linear. Em outra situação eu tinha uma bala pra minha arma e o jogo me deu várias oportunidades de usá-la, mas eu fui guardando até achar qual seria a melhor hora de usá-la (e me arrependi).

    TftB, como eu já disse, é um jogo bem aos moldes dos filmes família de Hollywood, e isso é legal. Gosto como ele tem início, meio e fim (apesar de terminar com algo que me pareceu um cliffhanger para o que seria uma continuação).

    Mas por esse motivo, é o tipo de estória que eu tenho um pouco de dificuldade de absorver. Toda hora eles estão em um lugar diferente! O fato de 90% do jogo ser os personagens no presente contando o passado (você está jogando algo que "já aconteceu") e a jogabilidade ficar trocando de presente para passado recente e de um personagem em um lugar para outro em outro lugar, me deixa meio confuso as vezes.

    Uma das primeiras escolhas cruciais do jogo foi agir contra um personagem: "break his heart" ou "blow his mind". Escolhi a primeira e o personagem enfiou a mão no peito e arrancou seu coração! Vi mais tarde a outra no Youtube e ele só pedia ajoelhado por um favor. Mas depois disso, o personagem que supostamente matei, ainda estava de boas no jogo (mais tarde descobri que algumas opções são como se você estivesse exagerando/mentindo sobre o que aconteceu de verdade.

    Resumindo: Tales from the Borderlands é um jogo divertido e feliz, um pouco diferente de outros jogos da Telltale. Sinceramente, antes eu recomendaria conhecer a desenvolvedora pelo The Wolf Among Us, mas agora eu vou ter que perguntar se ela quer algo mais "ação" ou algo mais "sério". Foram 5 episódio e cerca de 10 horas muito bacanas e só não acabei antes porque em casa eu me dedico mais aos consoles e esqueço de jogos no celular.

    De bom: visual colorido e humor estilo Borderlands muito legal, sem muito exagero. As escolhas e ações nunca pareceram ter tanta consequência. Exploração te abre mais possibilidades dentro do jogo com recompensas. Muitos personagens originalmente únicos. A estória é boa, mas fica demais no final!

    De ruim: algumas escolhas eram confusas e eu interpretava de um jeito para descobrir o que eles queriam dizer só depois de executá-las. O jogo travou uma vez e eu tive que refazer um capítulo inteiro de um episódio porque não colocaram um checkpoint numa transição de partes. Muitos nomes e terminologias parecidas ou raramente usadas me deixavam meio perdido.

    No geral, adorei o jogo e como ele não cai na monotonia. No início de cada episódio rola uma recapitulação que só me fazia pensar: "cara, como essa história está se desenvolvendo! Quanta coisa já aconteceu"! Recomendo o jogo sim, ainda mais se você gosta de filmes e jogos mais despojados e descompromissados, mas tenha em mente que se você está cansado de jogos da Telltale, talvez seja melhor esperar mais uns tempos.

    Tales from the Borderlands

    Platform: Android
    5 Players
    1 Check-in

    18
    • Micro picture
      bye · over 1 year ago · 2 pontos

      Parabéns! Pôxa muito interessante saber que o jogo tem mais opções de escolhas do que os demais da Telltale, esse negócio dos dinheiros no cenários eu nem sabia que tinha haha

      Você disse que o TftB é mais colorido e feliz que o The Wolf Among Us, e realmente parece mais feliz só que acho que ele também tem muitas cores, o negócio é que ele é muito escurão enquanto esse aí é claro como o Sol pra expôr a ação de melhor maneira.

      Como sempre: ótimo registro! Caso mais pra frente você decida executar seu plano de zerar os Borderlands começando pelo 1 e se for PC, não hesite em me chamar por que eu também quero fazer a mesma coisa algum dia kkk

      2 replies
    • Micro picture
      msvalle · over 1 year ago · 2 pontos

      Parabéns pela finalização! Que bom que gostou da minha sugestão, eu mesmo ainda tenho que jogá-lo rs

    • Micro picture
      gus_sander · over 1 year ago · 2 pontos

      Interessante, acho que vou dar uma olhada nele depois, parece realmente bom. E parabéns pela conclusão!! ^^

  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2018-08-12 15:17:58 -0300 Thumb picture

    DESAFIO TOP 20 MÚSICAS DE GAMES

    DIA 13 - universo BORDERLANDS (MULTI / 2009 - 2015).

    Seja nas cutscenes...

    Ou "in-game"

    Todas as trilhas do universo BORDERLANDS são espetaculares...

    Repetindo o DIA 13 pois já havia mencionado TOEJAM&Earl anteriormente...

    As regras são as seguintes:

    1 - Poste uma música de um jogo por dia por 20 dias (total de 20 jogos)

    2 - Não pode repetir o jogo

    3 - A música precisa estar no jogo (OF COURSE!)

    4 - Vale versão remix ou música licenciada no jogo

    5 - Marque um abguinho e a persona @desafio

    6 - Não explique nada, só poste (às vezes não consigo)

    Finalizo agradecendo quem me desafiou como @gusgeek, @darkhaywired e @marlonildo, @juca87 e desafio o @otaavio_pereira (e qualquer outro lendo e interessado em participar. Favor me mencionar).

    Borderlands

    Platform: Playstation 3
    1401 Players
    211 Check-ins

    28

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...