• anduzerandu Anderson Alves
    2018-03-17 13:24:09 -0300 Thumb picture

    Registro de finalizações: 1001 Spikes

    Zerado dia 16/03/18

    Quer dizer que o Alvanista finalmente voltou ao ar? Hora de postar sobre um jogo que eu faço (fazia) a maior confusão com Spelunky e La-Mulana: 1001 Spikes!

    Esse é um daqueles jogos que eu vejo pra toda plataforma e que sempre esteve na fila pra jogar e dando uma olhada no "freeshop" do PS Vita com meus 8GB de memória no meu cartão de memória humildão, preencheu um espaço vazio que tinha na tela de início.

    Recentemente saiu uma atualização nos hacks do portátil e eu achei que seria uma boa zerar tudo o que tinha nele antes de tentar qualquer coisa e possivelmente perder tudo (o que foi um pensamento meio idiota já que não é necessário perder nada, como descobri depois).

    1001 Spikes é um jogo de plataforma sidescroller com visual 8-bits, muito similar a jogos de NES e GBC, ou seja, uma lindeza só! A Nicalis definitivamente nunca decepciona em relação a visuais.

    Seu objetivo em cada fase é simples: coletar uma chave e chegar a porta de saída. É tudo muito simples, mas a grande sacada é a dificuldade. Meu deus, QUE JOGO DIFÍCIL!

    Ele começa com estágios mais tranquilos e voltados a ensinar como a jogatina funciona. Você tem dois tipos de pulo: um mais rápido e horizontal com X e outro mais altos e vertical com o triângulo. Além disso, pode jogar facas com quadrado ou bola.

    Essas fases iniciais mostram como esses comandos serão usados, com plataformas em locais fechados ou altas, partes do cenários quebráveis com as facas, estátuas que atiram projéteis que você pode pular ou anular com um ataque e o que provavelmente será o seu maior assassino e que dá nome ao jogo: os espinhos!

    Enquanto você tenta avançar as quase sempre curtas fases, armadilhas ao estilo Indiano Jones farão de tudo pra te matar a quase todo momento. Um espinho que sai do chão, uma estátua mesclada as cores do cenário que te ataca de perto, uma plataforma que vai cair e muitas outras coisas.

    Você definitivamente vai morrer muito nesse jogo!

    Esse é um daqueles bem baseados em tentativa e erro e que nas primeiras tentativas algumas fases parecerão bem difíceis ou quase impossíveis, mas logo você pega o jeito e faz tudo na maior tranquilidade.

    É comum ficar preso em alguma parte tentando e morrendo sem parar, até você entender como funciona e progredir mais um pouco, para então morrer porque parou pra descansar depois do susto de finalmente passar de alguma coisa!

    O jogo é bem difícil pelo fato de que qualquer coisa de mata só com um hit, desde pedras, encostar num inimigo ou mesmo do lado de um espinho e que quando você perde, volta diretamente ao começo do estágio. Frustrante!

    Mas para compensar, você começa a aventura com 1001 vidas e ganha mais conforme termine cada um dos mundos. Todas as fases principais tem uma caveira de ouro escondida ou difícil de pegar e que caso você a pegue, ganhará uma vida extra e mesmo se morrer em seguida, poderá continuar ganhando vidas se continuar a pegando.

    Se uma fase estiver muito difícil, você pode escolher qualquer outra numa boa (e de qualquer mundo, já que o mapa de níveis é tipo o de Super Ghouls 'n Ghosts: uma linha  de fases passando por diversos cenários diferentes). Eu não cheguei a fazer isso por ser paciente. E porque normalmente quanto mais além, mais difícil.

    Continua complicado? Você pode sair da fase e trocar de nível tranquilamente. No Easy você ganha um checkpoint quando pegar a chave da fase (cheguei a usar o recurso em umas fases extras).

    O replay de 1001 Spikes se dá ainda pelo fato de que você tem mais uns 16 personagens pra abrir, cada um com mecânicas diferentes como flutuar, pulo duplo, grudar na parede, metralhadora etc. Alguns desses personagens são bem conhecidos, como a Curly de Cave Story e o Commander Video da série Bit Trip.

    Infelizmente cada personagem tem sua campanha independente, mesmo sendo as mesmas fases, aparentemente. Isso significa que você não pode trocar de personagem para passar de uma fase que você está tendo dificuldades.

     O jogo fica ainda mais completo com modos extras de jogo, uma loja pra comprar extras com o dinheiro ganho na campanha dos personagens secundários e, claro, as conquistas!

    Resumindo: 1001 Spikes é mais um dos poucos jogos da Nicalis que joguei, junto a Cave Story, Ikachan e um pouco de Binding of Isaac e na minha opinião, o melhor deles. É um jogo desafiador mas nada desonesto como um I Wanna Be The Guy da vida. A quantidade de conteúdo e o capricho com os visuais e música fizeram eu me questionar o porquê do jogo não ser mais famoso, mas isso é possivelmente por conta da dificuldade.

    De bom: trilha sonora nota 10. Visuais muito bacanas e lindíssimos na tela do Vita. O trabalho de pixel art aqui é excelente! Bastante conteúdo. Dificuldade mais alta que o habitual, mas com poucas "cheap deaths", sendo que quando você morre, a culpa é sua mesmo. Comandos muito bem responsivos, fator obrigatório para esse tipo de jogo. Enredo legal contado por belíssimas cutscenes.

    De ruim: difícil falar disso, mas se você detesta qualquer coisa além de casual, o jogo pode não te propiciar muita diversão. Essa mesma dificuldade implica que 1001 Spikes não é pra qualquer um (uma criança odiaria). Odiei como se você tentar atirar em uma faca de uma estátua de muito perto, ela ainda te mata, pois o projétil sai um pouco mais da frente da boca.

    No geral, a experiência foi excelente e muito compensadora. É um tipo de dificuldade não tão apelativa que me deixa muito interessado, e junto ao visual 8-bits, parece coisa da época mesmo. Recomendadíssimo!

    1001 Spikes

    Platform: Playstation Vita
    2 Players

    9
  • 2014-06-03 19:21:07 -0300 Thumb picture
  • 2014-05-22 18:35:05 -0300 Thumb picture

Load more updates

Keep reading → Collapse ←
Loading...