Você não está seguindo seigouhh.

Siga-o para acompanhar suas atualizações.

Seguir

  • 2019-01-17 06:55:47 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: Castlevania (15/01/2019)

    Raiva, frustração, ódio e mais ódio. O único momento prazeroso foi finalizar e como foi!

    Passei muita raiva, mas só de lembrar que...

    Morreu

    Morreu

    Morreu

    Morreu

    É bom demais!

    Meu irmão dizendo que matei alguns na cagada. Meu amigo, não existe sorte nesse jogo não, depois de morrer 1 milhão de vezes, você e o boss viram um só.

    Castlevania

    Plataforma: NES
    1945 Jogadores
    103 Check-ins

    11
    • Micro picture
      jclove · 1 mês atrás · 2 pontos

      Parabens. Esse é pauleira. Da uma olhada no chronicles do ps1. É o meu remake favorito do castle 1.

      2 respostas
    • Micro picture
      santz · 28 dias atrás · 1 ponto

      Cara, parabéns. Esses Castlevania antigão são osso.

  • 2019-01-13 11:55:02 -0200 Thumb picture

    Registro de finalizações: Chrono Trigger (11/01/2019)

    Procurando um jogo no qual daria o pontapé inicial em uma nova série de finalizações, acabei por encontrar Chrono Trigger (recomendado pelo meu irmão). Por razões de ser acostumado pelos jogos da nova geração, queria começar a jogar uns mais antigos, experimentar o Super Nintendo, Playstation 1, Game Boy Advance e por aí vai, embora já tivesse jogado certos jogos, como: Castlevania, Super Mario, Mega Man, Donkey Kong, The Legend of Zelda, entre outros, nunca entrei no clima, no espírito gamer de finalizar e transformar aquilo nostálgico.

    Pensando bem, não poderia começar melhor, se não por Chrono Trigger.

    História:

    Histórias de viagem no tempo sempre são complicadas, caso não bem-feita, poderá acabar em gafe total, mas podemos dizer que sim, Chrono Trigger acertou no enredo. Podendo viajar para 7 momentos específicos do tempo, contendo a era pré-histórica até o fim dos tempos.

    - Fim dos tempos

    - 2300 D.C

    - 1999 D.C.

    - 1000 D.C.

    - 600 D.C.

    - 12.000 A.C.

    - 65.000.000 A.C.

    Começando pelo primeiro milênio, encontramos os primeiros personagens jogáveis, Crono, Lucca e Marle. Crono nosso protagonista, é um jovem com incríveis habilidades, usando nas batalhas uma katana, embora não fale muito, podemos ver em suas ações, o quanto é carismático e divertido. Lucca, amiga de Crono, depois de um acidente ocorrido quando criança envolvendo máquinas, resolveu dedicar-se sua vida construindo máquinas e invenções inovadoras, sendo assim, um gênio da mecânica. Marle (princesa Nádia), gosta de ocultar sua verdadeira identidade para poder sair do castelo de Guardia, procurando descontrair um pouco.

    Em uma feira, Lucca e seu pai, estão demonstrando sua mais nova invenção, o teleportador. Perguntam quem quer testar, Crono aparentemente é o primeiro voluntário, ao testar tudo ocorre como planejado (Oba, funcionou), Crono estava acompanhado por Marle, que também quis testar o teleporte, contudo, seu colar mexe com o teleportador, gerando assim um portal misterioso que acaba por sugá-la, Crono e Lucca não perdem tempo e vão atrás dela. O portal misterioso, nada mais era um portal que levava ao passado, exatamente o ano 600 D.C.

    Ano 600, aparece um novo personagem jogável, um sapo, que já foi um humano chamado Glenn, embora transformado em sapo por Magus, que também matou seu amigo Cyrus. Glenn é um escudeiro, cujo objetivo é proteger a vida da rainha Leene, mas também busca vingança pela morte de seu amigo. Nessa parte do jogo, Crono e Lucca, juntam-se a Glenn, para tentar salvar a vida da rainha. Aí se encontra a primeira parte interessante do jogo sobre viagem no tempo, como a vida da rainha está em perigo, Marle que é a princesa Nádia, até então descendente da rainha Leene, também estar em perigo, por isso, para salvar Marle que desapareceu por deixar de estar existindo, Crono precisa salvar Leene.

    Após uma jornada de muitas batalhas, conseguem salvar a rainha, com isso restauram a história. Ao voltarem para o presente, Crono é acusado de sequestrar Marle (princesa Nádia), condenado à morte pelo chanceler de Guardia. Crono consegue fugir de sua sentença, em sua fuga junta-se à Marle e Lucca. Ainda perseguidos pelos guardas, encontram-se encurralados, mas de repente um novo portal misterioso aparece, sem demora, pulam no portal na tentativa de escapar dos guardas. O portal leva ao ano de 2300 D.C.

    Ano 2300, encontramos um Robô humanoide, que para nossa surpresa é o mais novo integrante do grupo. Bobb (vou colocar o nome que coloquei no jogo) vive em um futuro destruído em 1999 por uma entidade chamada Lavos. Após alguns eventos um Guru do tempo, chamado Gaspar, ajuda Crono e seus amigos com uma nova habilidade, chamada MAGIA (quando o jogo realmente fica interessante) Gaspar abre outros portais, para que Crono possa salvar o futuro destruído por Lavos. Próxima jornada, enfrentar Magus, suspeito pela ascensão de Lavos.

    Após enfrentar Magus, Crono e seus amigos são teleportados ao ano 65.000.000 A.C., onde encontram Ayla, (mulher forte, junta amigo Crono, lutar contra Lavos, Crono ser forte, Ayla gosta de gente forte, haha). Descobrem a origem de Lavos, que na verdade é uma entidade de outro planeta que chegou a terra há milhares de anos e começou a absorver sua energia, despertando com sua força total em 1999, causando o futuro destruído.

    Ano 12.000 A.C., existe um reino chamado Zeal, no qual descobriu a existência de Lavos e com isso pretendem usar o seu poder para encontrarem a imortalidade. A líder Zeal, seguidas pelos conselhos de um oráculo, expulsa Crono e seus amigos, bloqueando também o único portal que levava àquele tempo.

    Voltando à 2300 D.C., Crono e seus amigos adquirem uma máquina do tempo. Agora podendo viajar no tempo sem problemas, voltam à 12.000 A.C., na tentativa de impedir Zeal de concretizar seu desejo de imortalidade. Chegando em Zeal, Lavos desperta e o oráculo revela ser na verdade Magus, que buscava enfrentá-lo. Na tentativa de salvar seus amigos, Crono nosso querido protagonista morre, após tais acontecimentos, Lavos destrói Zeal (o lugar) e novamente aparece um portal negro misterioso, que acaba por sugar os amigos de Crono.

    Os amigos de Crono acordam em um vilarejo e procuram por Magus, que ao encontrarem, explica ser o príncipe Janos de Zeal e planejava enfrentar Lavos, ainda que não soubesse o quão poderoso essa entidade era. Magus também é um personagem jogável (sempre pensei ser Magnus, haha) porém é opcional, você escolhe se quer ele ou não.

    Para reviver Crono, o Guru Gaspar, dá-lhes o artefato Chrono Trigger, que permite trocar Crono na hora de sua morte por um clone. E para última parte dessa incrível jornada, Crono e seus amigos lutam contra Zeal e Lavos, assim derrotados, salvam a humanidade.

    Jogabilidade:

    O sistema de batalhas é sensacional, sem aqueles encontros aleatórios que encontramos nos matinhos do Pokémon ou em outros jogos de RPG e o simples fato de que inimigos são enfrentados em tempo real, sem ser preciso carregar a tela especifica de batalha (eles só se posicionam em volta do inimigo) deixa o jogo mais dinâmico e divertido. No meu ponto de vista, antes jogar o jogo, parecia só mais um simples jogo de RPG, com os sistemas de combate de sempre, porém traz novas opções, muitas delas inovadoras, a ideia de poder fazer combos em dupla ou em trio, foi excelente. No início achava a ideia do mapa aéreo meio decepcionante, embora com o tempo achei a ideia muito boa, até por causa dos momentos do jogo em que viajamos no tempo, deixando assim, os caprichos aos lugares importantes como as florestas, cavernas e casas.

    Pesquisando um pouco mais sobre o sistema utilizado nas batalhas, Chrono Trigger usa um sistema Active Time Battle, marca registrada dos jogos Final Fantasy, criada por Hiroyuki Itõ para Final Fantasy IV. Onde cada personagem tem uma barra de espera e só atacam quando essa barra for preenchida. Magias e técnicas físicas, utilizam um sistema chamado "Techs". Techs consomem os pontos de magia do personagem e possuem áreas de efeito especiais.

    Música:

    Sem dúvida, muito marcante. Um jogo pode ser até magnifico por si só, mas somente a música completa um jogo. E meu amigo, Chrono Trigger acertou em cheio nas músicas, principalmente nas batalhas, deixando assim o jogo mais divertido e fluente. Caminhando pela cidade com uma música alegre e lutando com uma desafiadora (e não, você não cai na porrada com a música e sim com os monstros)

    Chrono Trigger

    Plataforma: SNES
    13151 Jogadores
    416 Check-ins

    12
Continuar lendo → Reduzir ←
Carregando...