ronyhood

http://steamcommunity.com/id/Ronyhood/

You aren't following ronyhood.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • estacado Diogo
    2016-07-12 14:00:03 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    39
    • Micro picture
      marviiu · almost 3 years ago · 1 ponto

      wow!

    • Micro picture
      jorgegt · almost 3 years ago · 1 ponto

      Vou fingir que não vi.

    • Micro picture
      mateusmassa · almost 3 years ago · 1 ponto

      Ou essa menininha também sofre da mesma "síndrome" rara do Ash e não envelhece...

  • 2016-01-25 14:14:01 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    47
    • Micro picture
      vieira_san · about 3 years ago · 4 pontos

      Se você joga games da Bethesda isso é normal mesmo.

      1 reply
    • Micro picture
      pauloredfield · about 3 years ago · 3 pontos

      Ué, como assim "acha que isso é normal"? Não é normal? O.o

      1 reply
    • Micro picture
      katsuragi · about 3 years ago · 1 ponto

      HAHAHAHAUAHAUAHAAHAAH

  • lleogame Leonardo Moraes
    2016-01-23 23:48:09 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
  • 2015-08-12 11:50:56 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    81
    • Micro picture
      pauloaquino · over 3 years ago · 3 pontos

      Aí, Zorra Total, chama esse cara!

    • Micro picture
      onai_onai · over 3 years ago · 2 pontos

      Pior que faz sentido...

    • Micro picture
      lucasbarcelos5 · over 3 years ago · 1 ponto

      ashuashuashuashuashu

  • austinplay Sérgio Bitencourt
    2015-04-18 00:05:59 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Os Acertos e Desacertos Criativos de MKX

    Medium 3050480 featured image

     Uma marca reconhecida, um estúdio competente e um marketing monstruoso é a receita básica de um hype. Sendo o maior do ano, Mortal Kombat X vem impressionando desde Who's Next?, seu primeiro e espetacular teaser. Seu pós-lançamento estrondoso apenas confirmou a ansiedade dos fãs pelo capítulo mais aguardado da série.

     Apesar da boa qualidade gráfica e jogabilidade aprimorada, este artigo não trata da parte técnica de Mortal Kombat X, mas da parte criativa, independente de engines, resolução ou taxa de frames. Nesse desenvolvimento, tomarei como base o modo história do jogo, por ser o mais abrangente e pelo foco na construção do enredo e seus personagens.

    Jogos de luta possuem um impasse inevitável com a temporalidade. Seus personagens principais dificilmente envelhecem ou sofrem algum tipo de transformação permanente e, se morrem, voltam ou nos é simplesmente revelado que nunca morreram. Tal peculiaridade soa como medo das empresas em perder sua credibilidade com os fãs - algo bastante comum quando as mudanças descaracterizam o produto original a ponto de ficar irreconhecível. Isso já aconteceu em Mortal Kombat e só aconteceria novamente se alterassem sua peculiar "violência extrema", marca registrada do jogo, atualmente mantida a patamares insanos de evolução.

     A história de Mortal Kombat já foi recontada mais de uma vez e com maestria em sua nona edição. Como a sequência em X também precisaria de um enredo, muitos fãs desconfiaram do que viria a seguir, já que o próximo capítulo teria que lidar com as consequências pesadas do anterior. É nesse ponto que Mortal Kombat X não convence - e por mais de um motivo.

     O modo história começa com uma breve síntese sobre as origens do torneio e os eventos do último jogo, ligando-os ao primeiro capítulo da nova temporada. E por falar em torneio, eis aqui a primeira controvérsia de Mortal Kombat X: não existe de fato um torneio no enredo principal.

     Personagens zumbificados ou controlados por forças misteriosas - presentes aos montes aqui - tornaram-se tão clichês em jogos de luta que chegam a desanimar a experiência de jogo. Essa, infelizmente, é uma das maneiras mais toscas e comuns de forçar a presença de personagens clássicos no enredo. Johnny Cage, Sonya Blade e Kenshi são os primeiros a aparecer, seguidos dos ninjas Scorpion e Sub-Zero. A presença imediata desses personagens empolga, mas só até o salto temporal de duas décadas à frente e a apresentação da nova geração de kombatentes.

     O quarteto heroico de Mortal Kombat X é patético e comparável a um filme de adolescentes em apuros. Todos os membros do grupo descendem de algum personagem clássico da série - outro apelativo desnecessário. O anúncio de Cassie Cage, por exemplo, foi bem recebido pelo público, porém logo surgiu outro descendente... e outro... e mais um! Kung Jin descende de Kung Lao, trocando o chapéu laminado por um bastão que também funciona como arco; o personagem se resume num ex-ladrão, agora monge e homossexual piadista. Jacqui Briggs é a cópia feminina descarada da força bruta de Jax, uma vez que sua mãe é desconhecida pelo público. Takeda Takahashi é herdeiro de parte dos poderes de seu pai, Kenshi; ele e Jacqui compartilham uma espécie de sentimento mal resolvido. Por fim, Cassie, que herdou a aparência de Sonya e a personalidade de Johnny, é uma líder apática e sem demais motivações, ocupando tal posto pelos méritos de seu pai - sem dúvida, uma das personagens com o pior desenvolvimento.

     A despeito da frente heroica decepcionante, um acerto crítico da produção de Mortal Kombat X: seus novos vilões! Apesar de pouco explorados, esses personagens pontuam em essência por seu estilo único e proposta diferenciada. Ferra/Torr, por exemplo, chama atenção pela duplicidade; criativo que personificou em um, duas formas clássicas de violência: sadismo (Ferra) e brutalidade (Torr). Inteirando a vilania, Kotal Kahn representa a Exoterra de maneira mais racional que seu antigo imperador, mas não menos irredutivel. Ao seu lado estão a hedionda e excepcional D'Vorah e Erron Black, o impiedoso cowboy mercenário. Personagens não apenas novos, como também desligados da série clássica; qualidade que marca valiosos pontos de exclusividade para essa edição.

     Sobre a objetividade do enredo, Mortal Kombat X continua no mesmo arroz com feijão de sempre: o bem contra o mal, reviravoltas, traições, conspirações e clichês - o que não é ao todo ruim. O que pesa é a péssima aplicação dos personagens, suas motivações rasas, falta de dinamismo e energia e diálogos que soam como rixa de criança. Enquanto alguns personagens apenas morrem, outros, que poderiam obter um papel de destaque, são ofuscados, esquecidos ou embutidos em outro tipo de ideia que definitivamente não convence - mais detalhes seriam spoilers.

     A já citada ausência de um torneio marca um erro grave que descaracteriza a origem histórica da série.  Os novos cenários fazem justiça ao contexto geral, que é bom, mas que não diminui os desacertos da sequência.

     Contudo - e apesar de tudo - Mortal Kombat X cumpre seu dever de divertir e entreter os fãs. Como ícone dos jogos de luta, as faltas citadas aqui dificilmente incomodarão a maravilhosa e separada experiência arcade - ainda bem. No entanto, todo algo bem escrito agrega qualidade ao produto final, e MKX só não é perfeito pela falta desse distinto princípio.

    Mortal Kombat X

    Platform: XBOX 360
    74 Players

    53
    • Micro picture
      nandines · almost 4 years ago · 5 pontos

      Olha, não joguei então não posso falar sobre a história com muita propriedade. Mas uma coisa eu digo: só de termos a história com tanto destaque, gerando muitas discussões em torno dela, já é algo que vejo de forma muito positiva. Se as pessoas começarem a ver uma campanha com enredo como um modo relevante para um jogo de luta, vai influenciar muitas outras franquias a seguir essa tendência. E eu acho ótimo a ideia de que as pessoas se importem como a história dentro desse gênero.

      5 replies
    • Micro picture
      raccoon · almost 4 years ago · 3 pontos

      Concordo que o roteiro desse MKX fica na mesma viagem cronológica insana de passado, futuro e presente do último MK, e que dos personagens novos, os vilões são os mais bem explorados no modo história, (do meio para frente as coisas engrenam e você começa a se importar mais com o que está acontecendo). Agora, você dizer que o lance dos descendentes foi forçado, aí eu discordo completamente. Isso foi o mais legal (tirando a jogabilidade, que está sensacional, provavelmente a melhor ever). Os entreatos e ligações dos personagens sempre mantiveram esta história insana viva e forte, e passar o bastão para uma nova geração foi algo natural e muito sagaz da NetherRealm. Os personagens novos são bons, por mais que na história sejam aproveitados de maneira juvenil.

      1 reply
    • Micro picture
      weic · almost 4 years ago · 2 pontos

      Tem uma parte que não entendi muito bem.
      "Todos os membros do grupo descendem de algum personagem clássico da série - outro apelativo desnecessário. O anúncio de Cassie Cage, por exemplo, foi bem recebido pelo público" Até aqui, ok.
      "Kung Jin descende de Kung Lao, trocando o chapéu laminado por um bastão que também funciona como arco;" Bom, nessa parte eu não entendi a reclamação, pois achei Kung Jin bastante diferente de KL e parece ter um ''aspecto'' unico, diferente dos outros descendentes/filhos que herdaram poder da mãe ou da pai. A não ser que você esteja falando mais da parte dele na história ou característica do personagem, dai eu não posso falar muita coisa porque nem joguei o jogo.
      Tirando isso, gostei muito do seu texto, parabens.

      1 reply
  • 2015-02-05 10:44:39 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    SUPER RETROREVIEW: X-MEN VS STREET FIGHTER (ARCADE)

    Medium 2987779 featured image

    O JOGO

    X-Men vs. Street Fighter é um jogo de Fliperama (Arcade) lançado pela Capcom em 9 de setembro de 1996 no Japão, e é o primeiro da inspirada série de games de luta baseado no cenário Marvel vs.Capcom. Essa primeira união traz personagens dos X-Men e personagens da série Street Fighter.

    Este foi o segundo jogo a utilizar o sistema de luta em duplas, mesclando a já tradicional jogabilidade de Street Fighter e incorporando elementos dos jogos de luta anteriores da Capcom com a franquia Marvel: X-Men – Children of the Atom e Marvel Super Heroes. O game também foi lançado para Sega Saturn em 1997 e Playstation em 1998, mas o sistema de luta em duplas foi abolido da versão Playstation devido a limitações técnicas do console, como pouca Memória RAM.

    Os personagens dos X-Men foram extraídos dos jogos X-Men: Children of the Atom e Marvel Super Heroes, com exceção de Rogue (Vampira), Gambit e Sabretooth (Dentes de Sabre), que são novos na série. Já os personagens Street Fighter foram inspirados na versão Street Fighter Alpha, e seus movimentos foram melhorados visando a atmosfera "épica" dos jogos Marvel (por exemplo, o Hadouken do Ryu é muito maior que nos outros Street Fighter, o Shoryuken de Ken é um dragão em chamas, e por aí vai...). O game marcou a primeira aparição de Cammy trabalhando para Shadaloo, que mais tarde apareceria em Street Fighter Alpha 2 e Street Figher Alpha 3.

    O arcade original X-Men vs. Street Fighter quando lançado, teve ótima aceitação no mercado e excelente avaliação da mídia especializada. O jogo simplificou o estilo e introduziu a série Versus. Utilizou elementos de Darkstalkers e Marvel Super Heroes (como o sistema de super-pulos e os gráficos).

    A versão de Playstation foi criticada pela mídia especializada e pelos fãs, recebendo nota 6.01 e uma péssima nota 3.6 no GameSpot. Isto se deve às limitações técnicas do Playstation (como pouca Memória RAM). Esta conversão ficou muito inferior à versão original do arcade em jogabilidade e gráfico. Muitos quadros de animação foram removidos, tornando o visual do jogo desajeitado e variável, e a velocidade é inaceitável, com muitos slowdown especialmente durante movimentos especiais, o que faz o jogo ser difícil de ser jogado. Devido a limitação de memória, essa versão também deixa de trazer o modo de luta em duplas como no arcade, ao invés disso, traz um tradicional modo "melhor de três" rounds com lutas um-contra-um. É possível jogar em duplas em um modo chamado Crossover Mode, onde o jogador pode escolher dois personagens e jogar com ambos. Porém o oponente deve escolher o mesmo personagem em ordem inversa. Por exemplo, o primeiro jogador controla Ryu e Wolverine e o segundo deve necessariamente jogar com Wolverine e Ryu.

    A conversão para Sega Saturn recebeu uma crítica muito favorável, com nota 7.4 e conceito "bom" no GameSpot. A versão Saturn tem um visual muito superior, devido a maior Memória RAM do sistema e ainda ao uso do cartucho de 4MB de RAM da Capcom, que produzem uma versão que chega próxima a perfeição do arcade. Porém foi lançado apenas no Japão. Mas, jogadores de outros lugares terminaram importando Sega Saturns japoneses, para poder desfrutar desta fiel conversão (e a pirataria, claro, contribuiu muito para a expansão em terras ocidentais).




    OS PERSONAGENS

    O game tem um número total de 17 personagens selecionáveis: 8 dos X-Men, 8 dos Street Fighter, e o secreto Akuma (Gouki – basta colocar para cima, estando no topo da tela de seleção). Um número significativo para a época!

    Os X-Men

    Os X-Men no game foram baseados nos games X-Men: Children of the Atom e Marvel Super Heroes. Possuem os traços da consagrada fase de Chris Claremont frente aos roteiros, e o mesmo usado na clássica animação dos anos 90.

    Ciclope – o líder dos X-Men. Grande estrategista, e bom lutador. Tem a capacidade de disparar rajadas de concussão óticas!


    Gambit – o mais misterioso dos X-men, Gambit era um ladrão francês até se juntar aos X-men. É apaixonado pela Rogue, apesar de ser impossível se relacionar com ela. Usa um bastão como arma, e tem o poder mutante de energizar qualquer objeto com energia explosiva.


    Rogue – a femme fatale dos X-Men, Rogue tem o poder mutante de absorver os poderes e memórias de quem toca. Devido ao uso errado de seus poderes, adquiriu super-força, vôo e alta resistência depois de deixar a Capitã Marvel em coma.

    Storm – a rainha dos elementos e do clima, Storm têm o poder mutante de controlar as forças climáticas da natureza, podendo invocar relâmpagos, tufões e tempestades.


    Juggernaut – o irmão adotivo do Professor X, Cain Marko não é um mutante, e sim um humanizo dotado do poder do Rubi de Citorak, que o transforma em uma criatura virtualmente imbatível!


    Sabretooth – o eterno rival de Wolverine, o mutante é dotado de instintos aguçados, fator de cura, força e agilidade ampliadas, além de uma sede de sangue implacável!


    Magneto – o rei do magnetismo, e um dos maiores vilões do Universo Marvel, tem o poder de controlar o campo magnético a seu bel prazer. Vira e mexe entra em treta com os X-Men, se torna aliado, entra em treta de novo...


    Wolverine – o baixinho mais invocado das HQ’s, o personagem tem fator de cura, sentidos aguçados, uma ferocidade difícil de manter equilibrada, e uma fidelidade indiscutível com seus amigos X-Men. Talvez seja o mutante mais famoso do mundo.


    Os Street Fighters

    Os personagens de Street Fighter foram inspirados na versão Alpha, que tem traços mais “anime”, e remonta às origens dos personagens. Os golpes foram ajustados para serem mais “épicos” e se adequarem ao tom Marvel dos games.

    Ryu – o personagem principal da franquia. Ryu é um jovem japonês, discípulo de Gouken na arte do Haduko. Conseguiu dominar com maestria o Hadouken, porém sente uma “energia maligna” à sua sombra.


    Ken – o americano Ken Masters é o melhor amigo de Ryu, e também aluno de Gouken no estilo Haduko. Ao contrário de Ryu, Ken preferiu dominar com maestria o Shoryuken, sendo capaz de envolver seu próprio punho em chamas ao golpear.


    Cammy – a agente britânica Cammy foi capturada pela Shadaloo, e após lavagem cerebral, passa a trabalhar para os mesmos, se tornando uma poderosa adversária.


    Chun-Li – a detective chinesa entra para o mundo dos torneios de rua infiltrada a serviço da Interpol, em busca de pistas da Shadaloo, e também do assassino de seu pai. É mestra na arte Wu-Shu.


    Charlie (Nash) – soldado do exército americano, que está em missão secreta investigando a instituição criminosa Shadaloo.


    Zangief – o russo Zangief trabalha para a Shadaloo, e é um dos braços fortes da corporação. Seu tamanho, apesar de desajeitado, esconde um lutador feroz e extremamente poderoso.


    Dhalsim – Dhalsim luta por sua vila que foi massacrada pelos homens da Shadaloo. É mestre nas antigas e secretas artes de manipulação do corpo, podendo esticar seus braços e pernas.


    M. Bison – Bison é o líder da corporação criminosa Shadaloo, e quer encontrar os lutadores mais fortes do mundo para transformá-los em soldados de sua corporação.


    O Secreto e o Chefe

    E como já foi dito, além dos 16 jogáveis, temos mais um secreto, e o chefe final do game:

    Akuma (Gouki) – irmão do Mestre Gouken, e também mestre do Hadou, Akuma foi corrompido pelo desejo ardente de poder, sucumbindo seu coração e alma para os poderes malignos do Dark Hadou, o que o transformou em um demônio vivo.


    Apocalypse – En Sabah Nur foi o primeiro mutante da terra, nascido milênios atrás. Possui o poder de manipular o corpo e energias, se tornando virtualmente imortal. Está vivo há tanto tempo, e tem acesso a uma vasta tecnologia alienígena, que se tornou um exímio estrategista. Tem a ambição de criar um mundo onde apenas mutantes possam existir.


    A JOGABILIDADE

    X-Men vs. Street Fighter usa um sistema de luta similar ao desenvolvido em Marvel Super Heroes, e adicionou o sistema de luta em duplas. Ao invés do sistema usual de luta "melhor de três" rounds, o jogo utiliza um formato de lutas com somente um round onde dois lutadores enfrentam outros dois lutadores. O jogador controla um lutador de cada vez, enquanto o outro aguarda fora da tela. O lutador que começa a luta pode, a qualquer momento, dar a vez ao outro lutador, basta o jogador pressionar Soco Alto e Chute Alto, o que ativa o Variable Attack. O jogador que estava aguardando fora da tela, entra na luta atacando com um pulo-chute, que causa um leve dano ao oponente. O jogador quando entra logo em seguida executa uma pose de vitória e neste curto período de tempo fica totalmente vulnerável. O jogador que saiu do jogo estará apto a recuperar uma parte da energia, enquanto o outro luta. Se um jogador perder toda sua energia, o outro automaticamente entra no jogo e assume a luta. A luta termina quando os dois jogadores do time são derrotados.

    Há outras maneiras de trocar o jogador na luta: com o "Variable Counter", que substitui o Infinity Counter do Marvel Super Heroes, quebra a guarda do oponente com um counter atack, mas custa um nível da barra de especial. Outra maneira é o "Variable Combination", um ataque combinado onde os dois jogadores utilizam seus movimentos especiais (Hyper Combos) juntos, mas custam dois níveis da barra de especial e troca o jogador atual pelo que estava descansando, depois de utilizarem seus Hyper Combos.

    ALGUMAS SUGESTÕES

    > A galera do MachineCast comentou sobre esse game no MachineCast #2, juntamente com Ultima Online e Streets of Rage. Muita nostalgia, e muito bom humor!


    > É possível jogar este game e muitos outros, online e diretamente do browser, sabia disso? O site Game Oldies disponibiliza X-Men vs Street Fighter e vários outros games de arcades, diretamente via browser!


    > A Street Fighter Wikia, e a Marvel vs Capcom oferecem bastante conteúdo sobre este e vários outros games de ambas as  franquias!


    > Quem quiser se arriscar no game, e estiver com dificuldades, o site Fighters tem uma bacana Lista de Golpes bem completa!

    Bom, é isso aí galera!

    Espero que tenham gostado!

    Deixem aí seu comentários, sugestões, e críticas!

    Há braços a todos!!

    37
    • Micro picture
      bionemesis · about 4 years ago · 3 pontos

      Esse jogo, marcou minha vida nos jogos de luta.

    • Micro picture
      ogawara · about 4 years ago · 3 pontos

      Jogão, clássico eterno. A versão do Saturn é perfeita.

    • Micro picture
      mastershadow · almost 4 years ago · 2 pontos

      Jogo online até hoje no Fightcade,(antigo GGPO) sistema de jogos de Arcade online.

  • 2015-02-06 12:43:18 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
  • joanan_van_dort Joanan Oliveira Batista
    2014-11-29 16:35:01 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    Post by joanan_van_dort: <p>A segunda melhor homenagem tem um bom humor geni

    Medium 24090 3309110367

    A segunda melhor homenagem tem um bom humor genial! Um Sábado Qualquer tirando alegria de lágrimas!

    Viva, Chavinho!

    27
  • alvanews AlvaNewsta
    2014-11-05 23:08:42 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    36
  • 2014-09-29 00:29:20 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    34
    • Micro picture
      katsuragi · over 4 years ago · 0 pontos

      Eu ri das tags.

    • Micro picture
      daisuke · over 4 years ago · 0 pontos

      o cara não sabe se fica com medo ou excitado

    • Micro picture
      tiaweslley · over 4 years ago · 0 pontos

      Eu faria favor de morrer só pra quando virar fantasma poder tocar nela com muita força e violência.

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...