2018-12-23 12:42:19 -0200 2018-12-23 12:42:19 -0200
renanmotta Renan M. Sampaio Motta Featured

O amadurecimento da TGA

Single 3692920 featured image

Em tempos de anúncio de goty, o público esperava sempre o óbvio; um jogo de escopo grande (mundo aberto), de uma empresa renomada, de maior hype e com todos da mídia elevando o produto.

Porém isso ficou para trás. O TGA recebe votação da própria indústria e da crítica “especializada”. Isso permitiu uma visão diferente para a premiação. Podemos colocar o TGA 2017 no mesmo pacote do de 2018. O padrão do goty seria ver Horizon Zero Dawn como vencedor, pela sua complexidade de mecânicas, narrativa e o mundo, mas tivemos Breath of The Wild levando o prêmio, mesmo que o produto da Nintendo seja considerado um mundo aberto caindo na ideia da premiação óbvia.

Basicamente, em 2017 e 2018 vimos uma premiação focada na inovação e na importância do produto para a mídia em viés de discussão sobre o meio. Então você me pergunta: Red Dead Redemption 2 não foi importante? Sim, claro que foi. Em termos de escopo e detalhes para um mundo aberto, RDR2 no momento é único. Porém o que foi apresentado já vimos em outros momentos. Tudo com relação às mecânicas e a complexidade do mundo já foram feitos. RDR2 só ampliou (não que isso seja um demérito). Diferente de GoW, que renovou uma franquia estabelecida, trazendo até mesmo polêmica entre os fãs mais ferrenhos dos jogos anteriores.

GoW é o amadurecimento da mídia. Claro que já tivemos jogos, até mesmo AAA, que colocaram em sua narrativa um drama de mais seriedade, assim como o próprio tema: paternidade/aprendizado. Mas a aventura de Kratos é quase que uma metáfora entre o velho e o novo. Atreus e Kratos representam essa discussão. E o fato disso ter acontecido numa franquia “velha”, de muitos jogos, com uma grande base de fãs estabelecida, traz um impacto considerável. É diferente quando vemos a narrativa e mecânicas de The Last of Us, por exemplo. Ele é um jogo novo. Não há os mesmos riscos.

E Breath of The Wild nos ensinou sobre o que mais importa na mídia: o conteúdo relevante em sua mecânica e aventura. Um mundo aberto que não tem como recheio o superficial e o repetitivo. Que não é preenchido por pontos de interesses desinteressantes. E que é importante você saber se influenciar por outras obras, manter ainda a sua identidade e cair de cabeça em sua proposta.

Voltando às comparações, The Last of Us trouxe um nível de narrativa que colocou a expectativa de novas obras em um novo patamar, mas GoW mostrou que a mudança é muito bem vinda, mesmo que seja numa obra aparentemente intocável em sua estrutura. E os mundos abertos da Rockstar são sempre marcos devido à complexidade, mas Breath of The Wild trouxe a visão de um belo level design inteligente e que o mundo pode ser 100% aproveitado sem ser repetitivo.

Agora nós esperamos que o TGA possa sempre surpreender e as próximas premiações possam ser não tão óbvias. Não basta apenas ser uma empresa aclamada com uma franquia renomada. É necessário fazer a diferença. Criar um produto que eleve a mídia a novos níveis de discussão.

God of War

Platform: Playstation 4
947 Players
416 Check-ins

38
  • Micro picture
    kratos1998 · 4 months ago · 2 pontos

    Texto foda! Parabéns!!

  • Micro picture
    lordsearj · 4 months ago · 2 pontos

    Ótima análise

  • Micro picture
    kess · 4 months ago · 2 pontos

    É bom que a premiação seja algo que possamos confiar, e está de parabéns por essa análise.

  • Micro picture
    artigos · 4 months ago · 1 ponto

    Parabéns! Seu artigo virou destaque!

Keep reading → Collapse ←
Loading...