2018-07-01 00:03:30 -0300 2018-07-01 00:03:30 -0300

A Dificuldade dos Jogos de Hoje

Single 3646492 featured image

Já perdi a conta de quantas vezes ouvi que os jogos atualmente estão ficado cada vez mais fáceis, que os de antigamente eram mais difíceis, tinham bosses melhores, enigmas mais complexos... Como cresci com um tio amante voraz de videogames, sempre o assisti jogando os antigos Resident Evil, Marios, GoldenEye, Ocarina of Time entre jogos de N64, Super Nintendo e outros da geração. Mas o tempo é o tempo e ele passa, com os novos tempos vêm novas gerações de jogos que despertavam mais o interesse meu e dos meus irmãos do que desse meu tio. Este não via nesses mais novos o mesmo nível de dificuldade dos de sua geração e, apesar de gostar de alguns, criticava. 

E eu não acho necessariamente errado você comparar uma geração com a outra. Sabe o que eu acho errado? Padronizar a forma de análise. 

O critério que eu vejo sendo usado por todo esse pessoal que escuto comparando as dificuldades dos jogos novos e antigos é o mais técnico: a jogabilidade, o nível de força do boss, o quanto você precisa rachar a cuca para decifrar um enigma, etc. De fato, muitos jogos que vemos por aí não apresentam muita dificuldade nesse sentido - e aqui eu não vou nem decorrer sobre o público alvo de cada game -, como em Pokemon X onde capturar o pokemon lendário que o simboliza é de uma facilidade absurda, bem diferente da dificuldade (que pelo menos eu senti) de capturar um dos cães lendários ou o próprio Lugia/Ho-Oh de SoulSilver/HeartGold. Mas venho refletindo nesses critérios utilizados para análises e quero convidar vocês a pensarem um pouco comigo.

Na minha opinião, a magia de um videogame está no quanto ele é capaz de te levar para um mundo diferente, seja para pensar melhor em algo, para sentir tensão ou só para se divertir mesmo. O quanto vamos imergir depende muito do que o game conta, sua história, a trama a ser desenrolada, e, principalmente, dos personagens que o habitam. Tudo isso, quando bem construído, gera um peso emocional no jogo. Aí, o que até então era apenas mais um jogo eletrônico que pode-se ligar e desligar a qualquer momento, se torna um outro mundo pelo qual sentimos muito carinho porque nos sentimos ligados a ele, em maior ou menor grau, e esse peso emocional que vai sendo estabelecido com o decorrer do desenvolvimento dele acrescenta um outro tipo de dificuldade. 

O jogo que mais me mostra isso é Life is Strange. Tecnicamente é muito fácil: a jogabilidade é point-and-click, os pequenos puzzles que você encontra por ele são de fácil solução e o jogo é basicamente você controlando uma adolescente que descobre ter uma peculiaridade e tem que lidar com isso, ao mesmo tempo que vive o normal (digamos assim) da vida de uma adolescente. Mas ainda assim é um dos jogos mais difíceis que eu já joguei, porque ele é desenvolvido com tanta atenção e sensibilidade - a construção de cada personagem e relacionamento entre eles, trilha sonora, fotografia, tudo - que nos leva a imergir muito rápido na trama, e quando você menos percebe já está envolvido até demais com os personagens. E então, quando tem que fazer decisões que vão interferir na vida deles... É difícil. Não difícil como ah mano, não consigo passar desse boss chato, tomate cru; é o difícil calma, deixa eu pensar no que vou escolher porque não quero machucar ninguém aqui. Ele vai fundo, mexe com seu emocional, com seu psicológico. Quando acaba um Episódio mais impactante, por mais viciado que você esteja, é difícil seguir para o próximo imediatamente porque você não está preparado para continuar. Não preparado por não ter os equips ou level necessários, e sim por ter tido suas estruturas internas totalmente abaladas pelo que acabou de acontecer.

Outro que posso usar aqui para ilustrar é a franquia Kingdom Hearts que, embora tenha batalhas e bosses e tudo o mais, não se destaca por dificuldade nesse sentido. Só que a história é tão linda e a trama consegue te deixar tão afeiçoado aos trios principais de cada jogo que você fica de fato preocupado com eles. Então, quando você é fisgado aí dentro, o jogo te coloca com um boss diferente: um amigo do protagonista que foi corrompido, seu mestre, aquele que você achava que tava do seu lado... E esse emocional colocado dificulta a batalha porque, mesmo sabendo que precisa vencer, você sabe que no final das contas quem vai ser derrotado é um personagem que te cativou de alguma forma. Maior exemplo disso é o 365/2 Days; não importa o quanto sofra para derrotar o boss final, nada vai ser tão difícil como assistir as cenas finais do jogo.

Poxa Isa, mas isso varia muito de um player para outro! Alguns são menos emocionais e não sentem tanto afeto ao que tá rolando ali, você pensa. E tem razão. Mas no final das contas, a análise da dificuldade técnica no geral não é feita a partir da opinião e acervo de quem está jogando também?

Acredito que possamos analisar os games de forma menos superficial e entender o que ele está realmente transmitindo antes de começar a dar notas meramente técnicas a eles. Até porque não acho muito crível que alguém se proponha a investir muito dinheiro em algo sem ter o mínimo propósito.

49
  • Micro picture
    rax · over 1 year ago · 3 pontos

    Excelente post.Li tudo agora.E concordo com você.Dificuldade é algo subjetivo se levar em conta em qual fator o jogo seja um desafio ou não,difícil ou não.Uma analise técnica não é uma analise inteira de um jogo pq,muitas vezes jogando o game mais afundo,da pra perceber mais do que se fosse fazer uma analise superficial,fazendo uma analise maior,e,com mais conhecimento em base do jogo analisado.

    E não tem como fazer uma analise 100% superficial e técnica sem um "q" de opinião e experiência que passamos na imersão trazida do jogo para CADA um dos jogadores.

  • Micro picture
    natnitro · over 1 year ago · 3 pontos

    Aqui no ocidente tem uma regra meio implícita de que as "crianças" pagaram pelo jogo, elas não podem se frustrar, então alguns jogos vão por esse lado sim, mas ao mesmo tempo tem jogos que são hard ao extremo, como os dark souls 1 e 3, Demon's Souls, Nioh, etc, que apesar de não serem do mainstream, são uma excelente opção pra quem quer passar um pouco de raiva... :-)

  • Micro picture
    reasel · over 1 year ago · 2 pontos

    É só mudar a dificuldade e pronto

    5 replies
  • Micro picture
    artigos · over 1 year ago · 1 ponto

    Parabéns! Seu artigo virou destaque!

  • Micro picture
    acton_lobo · over 1 year ago · 1 ponto

    https://www.amazon.com.br/dp/B07F5QLM59 (Jogar não dá XP: Como sobreviver ao vício de Jogos Eletrônicos)

  • Micro picture
    espectro · over 1 year ago · 1 ponto

    Simplesmente, tudo ficou mais fácil. Não generalizando, mas mapas para todo lado (sem precisar pegar), munição infinita, "saves" toda hora e sozinhos, coisas que tiraram as dificuldades e aventuras dos jogos.

    1 reply
  • Micro picture
    kess · over 1 year ago · 0 pontos

    Sempre a velha discussão sobre os games antigos serem mais difíceis, as dificuldades artificiais de outrora e as facilidades pagas de hoje...

Keep reading → Collapse ←
Loading...