2016-12-06 22:21:08 -0200 2016-12-06 22:21:08 -0200
netobtu João Paulo Bonome Neto

[Meio off] Mini resenha de O último desejo

O último desejo
SAPKOWSKI, Andrzej
Publicado originalmente em 1993 por SuperNova, Varsóvia, Polônia, 1993, sob o título Ostatnie życzenie.
Edição lida publicada pela Editora WMF Martins Fontes, São Paulo, 2011.
Tradução do polonês para o português de Tomasz Barcinski

Meu primeiro contato com a saga The Witcher foi há um bom tempo, bem antes de todo o sucesso que anda fazendo entre os jogadores de videogame. Acredito que foi em 2008, quando comprei para o PC o primeiro jogo lançado pela CD Projekt Red, entitulado The Witcher. Lembro de ter comprado pela capa e pelas imagens atrás, era realmente chamativo o lobo desenhado em um fundo vermelho. Joguei pouquíssimo, há de se dizer.

Bom, hoje The Witcher está na boca de todo mundo que conhece um pouco de videogames. A saga do "bruxeiro" Geralt de Rívia alcançou o estrelato ano passado, com o terceiro jogo da série, The Witcher III: Wild Hunt. Esse joguei mais, mas não conclui, e sempre me pego querendo voltar... bom, sem muito tempo para me dedicar a um jogo gigantesco de RPG, decidi me aventurar pela obra original, a que inspirou a CD Projekt Red: os livros escritos pelo senhor Andrzej Sapkowski.

No Brasil já temos seis livros lançados da série, e na Polônia já há sete (o sétimo, por sinal, espero que já esteja em fase de tradução), e Sapkowski já prometeu um novo livro do universo The Witcher. Os dois primeiros da série são divididos em contos, enquanto do terceiro ao sétimo temos uma história própria.

Bom, mas vamos a O último desejo. O livro, como já dito, é dividido em contos e, entre cada um deles, temos uma pequena história que vai se formando, chamada de A voz da razão. Ah, vale notar que o livro, apesar de ser o primeiro volume, foi o segundo da série lançado na Polônia, mas é tido como o primeiro, por introduzir melhor personagens e conceitos já mais amadurecidos em A espada do destino (segundo livro).

Geralt é um bruxo, um ser humano mutante que tem como profissão matar monstros e destruir encantamentos. É importante ter na cabeça que ele exerce uma profissão. Nada que Geralt faz é de graça ou por compaixão. Não é porque um monstro está aterrorizando um vilarejo que ele vai se livrar dele por bondade. Ele precisa comer, se sustentar. Acho que aí mora um grande distanciamento de O último desejo com outros medalhões da literatura fantástica: Geralt não é nenhum herói, e segue muito mais pelo código dos Bruxos, por profissionalismo, do que por uma moral própria.

O autor usa e abusa de diálogos em O último desejo, e não me parece muito preocupado em dar grandes descrições de cenários e nem tantos detalhes dos personagens, exceto dos que são bastante principais. Os diálogos tornam-se a narrativa da história muitas vezes, pois o autor, ao invés de estar sempre explicando conceitos da mitologia eslava para o leitor, deixa que algum personagem o faça enquanto conversa com Geralt.

O que chama muita atenção nesse livro é a capacidade do autor de fazer um ótimo ritmo mesclando suspense, aventura e humor. O livro tem cenas muito engraçadas, especialmente depois que aparece Jaskier (no jogo é o Dandelion), um bardo que é um dos personagens mais engraçados que eu já vi em um livro, é impossível não se afeiçoar a ele e às suas piadas logo de cara.

O último desejo apresenta uma ótima narrativa, é um livro page-turner, onde a leitura flui muito bem e também traz alguns pensamentos bastante complexos de Geralt relacionados a conceitos como "mal menor", arrependimentos e amor, tudo isso enquanto monstros estão aparecendo pelo fantástico mundo de The Witcher. O que é ótimo, afinal, Geralt precisa de um ganha-pão.

The Witcher 3: Wild Hunt

Platform: PC
984 Players
633 Check-ins

22
  • Micro picture
    renatolf · over 2 years ago · 2 pontos

    Acabei esses dias o "Espada do Destino" e realmente, é muito melhor começar pelo Último Desejo. Até porque é esse que introduz a Yen, e no Espada, os contos finais seguem meio que uma narrativa específica. Curti pra caramba a mitologia e vou te falar... Um dos contos do segundo livro consegue acabar com o teu bom humor em meia página, a parada tem um encerramento inesperado pra caramba.

    1 reply
  • Micro picture
    colt47 · over 2 years ago · 1 ponto

    Gibi loco

    1 reply
Keep reading → Collapse ←
Loading...