2018-12-22 01:14:53 -0200 2018-12-22 01:14:53 -0200
anduzerandu Manoel Nogueira

Registro de finalizações: Doom

Zerado dia 21/12/18

Eita recesso de fim de ano! 20 dias pra descansar, por as ideias em dia, esquecer os problemas e jogar videogame. Época de festas, presentes, jogatinas marcadas e muita curtição. Bem que isso poderia durar pelo menos um mês!

Sem Dragon Quest VII pra me atrasar, fui dar uma olhada na lista de pendências e acabei percebendo que iniciei alguns jogos nesses últimos tempos. Dei uma olhada em cada plataforma e me surpreendi: juntando jogos que joguei por um bom tempo (single e multiplayer), outros que iniciei a muito tempo e outros que tenho que devolver e afins, a lista resultou em cerca de 15 títulos! PQP!

O jogo da vez foi Doom, no Switch.

Eu tenho esse jogo há um bom tempo. Um amigo comprou e nem jogou e me passou por um bom valor. Joguei duas fases e enrolei bastante pra pagá-lo, então resolvi não continuar até pagar a dívida. Meses depois, aqui estou eu, finalmente podendo dar o meu veredito.

Quem lembra de quando Doom (2016) foi anunciado? Foi uma grande surpresa pra mim ver um jogo tão sangrento, de matar monstros e explorar cenários hoje em dia, numa época em que a moda dos FPS é patriotismo americano, correr, se esconder, esperar o HP se regenerar, recarregar.

Ver a id Software de volta de verdade e a todo gás é algo que merece ao menos a sua atenção. Além disso, as convenções da Bethesda lá pra 2015/6 focavam tanto nesse jogo, que ele só foi crescendo em mim.

Meus contatos com jogos em que personagens andam a 70km/h se resumem a Doom, Doom 64, Hexen e Unreal Tournament (2004?) e eu nem era muito fã. Apesar de me prender bastante na TV, esses jogos me davam um motion sickness infeliz, que eu acreditava ser por conta do gore deles. Hoje em dia, tá tudo na lista pra ser terminado, e acabei começando logo pelo mais recente.

Doom é um FPS diferente dos moldes atuais do gênero. O jogo te joga na fase e manda você chegar a certo lugar, mas sem pegar na sua mão (tem um mapa, mas não usei, e há uma marcação na tela, mas sem especificar a rota). Ao invés da linearidade cada vez mais comum em jogos atuais, esse jogo te dá uma liberdade de ir e vir e explorar bem louca e te recompensa com upgrades de armas, vida, escudo etc por encontrar as coisas.

É tanta coisa em cada nível e você só vai saber disso quando terminar a fase e ver o que pegou e o que faltou. Muita coisa!

Mas a essência Doom está na adrenalina de fazer tudo com muita velocidade e matar mil demônios diferentes com muitas armas e explosão num frenesi doido. Que satisfação! Aprenda a movimentação de cada tipo de inimigo e qual arma você achar melhor para eles.

Enquanto você está tentando matar aquele monte de monstro, se atente a sua vida. Ela não se regenera! A munição acaba bem rápido também e uns capetões demoram pra morrer.

É aí que entra a importância de explorar e fazer upgrades. Quanto mais fraco, mais difícil a aventura é e mesmo no normal e bem equipado, o desafio é bem grande, como deve ser. Satisfatório!

Esse jogo introduz a mecânica chamada Glory Kill em que um inimigo brilha quanto está muito perto da morte e ao apertar o analógico próximo a eles, seu personagem defere uma espécie de Fatality do Mortal Kombat.

Esses Glory Kill varias de demônio para demônio e de como você os aborda: por trás, pela frente, por cima...

No meio da bagunça dos cenários, é comum focar nos Glory Kills para ganhar um pouco de vida para seu personagem.

Pois é, Doom se resume bastante a arenas com spawn de inimigos, muitos tiros e sobrevivência, e andar pelos cenários em busca de onde usar aquele keycard ou que porta abriu depois que ativamos um mecanismo.

Resumindo: Doom é um jogão de primeira, com muita imersão, inimigos super legais e diferentes, um nível de desafio bom e adrenalina. Algo como eu esperava que Duke Nukem Forever fosse.

De bom: o jogo é lindo, mesmo no Switch e no modo portátil. Não ficou devendo nada. Jogabilidade veloz e alucinante. Grande quantidade de armas e liberdade. Tantos coletáveis e upgrades que farão você voltar em muitas das 13 fases em busca do que faltou. Modo online similar aos jogos da época, de deixar jogos mais populares, como Destiny 2, no chinelo. O jogo nunca apela para humor ou personagem fodão para parecer legal.

De ruim: não existe mira de scope, o que faz sentido quando lembramos que é para ser como um jogo da época, mas é esquisito quando estamos acostumados a mirar com o gatilho da esquerda. Senti falta de mais chefes. Último chefe deixou a desejar depois de um jogaço desses. Fiquei em dúvida se minhas 10 horas de campanha foram curtas ou a quantidade necessária pra não ficar ruim.

No geral, Doom (2016, 2017 no Switch) é sensacional. Uma experiência divertida e completa, muito além do que eu imaginava. Mais uma mistura da série com Metroid Prime e a essência diabólica do Diablo 2 do que o Halo que eu esperava. Recomendo demais, sobretudo se você jogou Quake e mesmo os Doom da época, aí é obrigatório!

Doom

Plataforma: Nintendo Switch
42 Jogadores
15 Check-ins

27
  • Micro picture
    filipessoa · 2 meses atrás · 2 pontos

    Parabéns! Você descreveu perfeitamente bem o que é Doom, tem que matar mil demônios na tela e os pirocoptero e talz rsrs

    2 respostas
  • Micro picture
    kleber7777 · 2 meses atrás · 2 pontos

    Um jogão mesmo. Como você bem descreveu.
    Quanto a duração, eu fico com a opinião de que ele tem o tempo ideal. E para quem ficou com necessidade de mais, existe um fator de replay bem alto. Além do modo de criação de mapa.
    Fiquei curioso: qual botão no Switch que executa o Glory Kill? No PS4 é o R3. E é perfeito para as execuções.

    1 resposta
  • Micro picture
    manoelnsn · 2 meses atrás · 2 pontos

    Esse eu quero jogar, mas vou pegar a versão PC, bem mais barata

    1 resposta
  • Micro picture
    marciodesafvet · 2 meses atrás · 2 pontos

    Jogão, parabéns!

    1 resposta
  • Micro picture
    andre_andricopoulos · 2 meses atrás · 2 pontos

    Tô na vontade há anos de jogá lo...

    1 resposta
Continuar lendo → Reduzir ←
Carregando...