l_perugia

Um viciado em rpg e qualquer coisa que se mova numa tela

You aren't following l_perugia.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • venomsnake Ericles Oliveira
    2019-07-07 10:50:28 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    venomsnake checked-in to:
    Post by venomsnake: <p>Continuando!</p><p>#img#[646437]</p><p>Dei algum
    Mafia III

    Platform: Xbox One
    96 Players
    17 Check-ins

    Continuando!

    Dei algumas voltas pela cidade, fazendo o de sempre, 

    desmanchando esquemas, e ficando com raiva dos brancos

    Descobri que alguns caras gostam de se aparecer em frente ao HUD do jogo xD

    Customizei mais um carro, como ainda não desbloqueei tudo que tem pra customizar, fico limitado as chamas xD

    Comecei a atribuir esquemas pros parceiros de mafia, dando certa prioridade ao Vitto, gosto bastante dele xD

    No alem do mais, o progresso anda bem devagar, não estou muito animado pra jogar nesses ultimas dias (E eu estou bem gripado), o frio não deixa, e saiu Stranger Things, alias ta muito bacana essa temporada, um pouco melhor que a primeira, e MUITO melhor que a segunda!

    20
    • Micro picture
      filipessoa · 10 days ago · 2 pontos

      Só a Mafia ai no Mafia 3 xD

  • 2019-07-03 19:38:48 -0300 Thumb picture

    Resumão do Primeiro Semestre

    Resumo de games finalizados e os dropadinhos também do primeiro semestre de 2019, eu sei, acho que não tem muita coisa, mas não custa lembrar.

    The World Ends With You - DS

    Um dos jogos mais aclamados do Nintendo DS, e não é pra menos, tudo nesse jogo foi bem executado, jogabilidade, enredo, direção de arte e claro, a excelente trilha sonora. Neku é meio cuzão, mas depois de um tempo você acaba entrando na dele e curtindo esse jogo muito louco de garotos vs ceifadores. 

    Dead Rising 3 - Xbox One

    Eu sei, é pastelão, é clichê, o enredo é bem fraquinho, mas porra, quer algo melhor do que um mundo cheio de zumbis e formas quase infinitas de libertar o seu lado psicopata e realizar verdadeiras carnificinas? Pois é, Dead Rising pode não ser o melhor do gênero, mas com certeza diverte. 

    Ghost Trick: Phantom Detective - DS

    Um clássico não muito conhecido do Nintendo DS. Um jogo que começa meio despretensioso, meio sem sentido, e que aos poucos vai te prendendo seja com o enredo mirabolante, personagens caricatos e com todo o resto, arte, música, piadas, jogabilidade e etc. um must to play que todos deveriam dar uma chance.

    Never Alone - Xbox One

    Um plataforma bem simpático e bonitinho. O game tem como objetivo divulgar a cultura do povo Iñupiaq, indígenas que habitam o Alasca desde a pré-história. É divertido na medida certa, conta com vários extras em forma de vídeo onde os próprios Iñupiaq contam suas lendas e a forma como vivem. Peca por ser curtinho e sem muito desafio. 

    Life is Strange: Before the Storm - Xbox One

    Um Prequel do primeiro jogo, narra os acontecimentos da vida de Chloe e tenta dar um motivo para as ações da personagem no jogo homônimo. A essência está lá, diálogos emotivos, excelente trilha sonora, cenas impactantes, porém fica devendo em jogabilidade e a linearidade incomoda bastante.  

    Final Fantasy XV - Xbox One

    Um jogo que estava mega hypado pra jogar, mas que de modo geral me deixou mais frustrado do que contente pela obra como um todo. Comecei adorando o jogo, depois achei muito repetitivo e restritivo, no fim estava implorando para que terminasse. É sem dúvidas um dos Final Fantasies mais fracos que já joguei ( e já joguei muito Final Fantasy), e os motivos já citei num check-in qualquer. 

    Dropadinhos

    Battlefield 1: Achei um jogo competente, modo história bem feito, explora uma guerra pouco explorada (a grande guerra), porém na última missão o jogo deu um problema de sincronização que não consegui resolver, e por isso desinstalei. 

    Kingdom Hearts Re:Coded DS: Já devo estar meio que perto do fim, mas esse jogo não engrena, jogabilidade estranha, arte estranha, trilha sonora reciclada, enredo maomeno, não tenho saco pra voltar.

    Yoshi Island DS: Não sei se esse tá dropado, to na última fase, ele é bem divertido e tal, mas achei a dificuldade da última fase bem elevada e frustrante. Talvez eu volte pra finalizá-lo. 

    Quero finalizar esse ano:

    - Suikoden ps1 (iniciado)

    - The Legend of Zelda: Spirit Tracks DS

    - The Witcher 3 - Xbox One

    - Shenmue I e II - Xbox One

    Outros a definir...

    8
    • Micro picture
      lendaryo · 14 days ago · 1 ponto

      Força Soldado

  • 2019-06-24 17:07:00 -0300 Thumb picture

    Utilizando o Google Translate de forma um tanto inusitada

    Galera, seguinte, tava vendo o vídeo de um rpg ramdom do PS1 que nunca veio pro ocidente e consequentemente nunca foi traduzido (nem mesmo por fãs) no you tube, e sempre tem aquele cidadão que pergunta se há alguma tradução pro mesmo, dentro de tantas respostas negativas eis que me surge um herói com uma solução um tanto inusitada para se jogar o jogo, vamos a ela;

    Todo mundo conhece o famoso google tradutor (ou google translate para os mais íntimos), salvador de onze a cada dez jogador de rpgs. Talvez pouco saibam mas a versão mobile do mesmo possui uma função onde você pode tirar uma foto de um texto, placa, qualquer coisa que o mesmo irá traduzir pra você, no idioma escolhido, e  foi exatamente isso que ele sugeriu que esse nob fizesse caso tivesse muitooooo interesse em jogar o jogo, ir tirando foto dos diálogos no celular e traduzindo pelo app.

    Achei a ideia curiosa e inusitada e fui acompanhando o gameplay e tirando algumas fotos para testar essa probabilidade, e caralho, não é que aparentemente funciona!!!

    as tentativas que fiz de traduzir alguns diálogos do japônes para o inglês (que acho que deve ser o mais indicado) funcionaram perfeitamente e os diálogos me pareceram muito bem traduzidos. 

    Vai funcionar sempre? Acho que não, volta e meia talvez apareça aquela gíria ou expressão típica que vai ficar esquisito ou mal traduzida no contexto geral.

    Mas o que quero dizer aqui é que funciona, porra!

    Vale a pena jogar um jogo dessa forma? Sinceramente acho que não, é uma trabalheira danada ficar tirando fotos o tempo todo e acho que não vale o sacrifício, pois além de cansativo é algo que pode comprometer muito sua experiência com o game. 

    Mas fica a dica, caso algum doido aqui no Alva queira testar.

    23
    • Micro picture
      santz · 23 days ago · 4 pontos

      Acho que nem precisa tirar foto, é só apontar a câmera que se traduz na tela.

      3 replies
    • Micro picture
      venomsnake · 22 days ago · 3 pontos

      Não li tudo, mas vi que você citou que traduziu do japones pro ingles, e ai pra portugues, o google faz esse processo internamente pra todas linguas, o ingles tem mais referencias nos registros do google, é mais facil traduzir o texto alvo para ingles, e do ingles para a lingua destino. Não precisa fazer esse processo, o google ja faz xD

      Mas quebra um galho esse esquema!

    • Micro picture
      vicente_gabriel · 22 days ago · 3 pontos

      fazer isso pro jogo todo tem que ser muito louco mesmo kkkkkkkk
      mas já usei pra alguns jogos em inglês que eu não sabia determinados termos.

  • 2019-06-18 20:07:29 -0300 Thumb picture
    l_perugia checked-in to:
    Post by l_perugia: <p>Finalizei o jogo há um tempinho e por estar um p
    Final Fantasy XV

    Platform: Xbox One
    370 Players
    181 Check-ins

    Finalizei o jogo há um tempinho e por estar um pouco afastado da rede, acabei não dando meu parecer.

    Mas vamos a ele.

    Iniciei Final Fantasy XV, mega ultra hypado, pois o jogo até que vendeu bem e recebeu críticas positivas, sim esse foi um dos motivos. Por outro lado, eu também estava afastado da franquia há um bom tempo (joguei e zerei quase todos até o IX, e joguei bem pouco do XII e do XIII), e não sabia o que esperar da franquia neste exato momento.

    Mas... um jogo que vendeu tão bem não poderia ser ruim, certo?

    Errado!!!

    Logo quando fui introduzido ao jogo me senti imensamente cativado por aquele universo que me era introduzido minuto após minuto, um rei destronado, um império do mal, um vilão sombrio e quase desconhecido, um príncipe magricela e sua trupe vagando por um mundo enorme e cheio de "possibilidades", num carro tunado e bacana, em busca de sua coroa de direito. 

    Enfim, confesso que fiquei vidrado nas 20 ou 30 primeiras horas, mas depois a magia foi lentamente se desfazendo, e na reta final estava mais pro tipo, acaba logo essa porra. 

    Vou enumerar primeiramente o que me desagradou, depois falo onde o jogo acertou (se é que acertou);

    1- O enredo que sempre foi (pelo menos sempre tentou) um dos pontos fortes da franquia, se limita aqui a um monte de pontas soltas, mal contadas, e por vezes atropeladas entre os capítulos, sério, por vezes eu pensei que os caras foram na pré-escola e juntaram as crianças e falaram; "vamos contar uma histórinha de conto de fadas e vocês vão ser os autores", sério, é foda.

    2- A jogabilidade é um pouco estranha no inicio, e por vezes parece que você está apertando botões a esmo a espera de que algo aconteça, e que se você não fizer nada é provável que ainda vença as batalhas. Mas isso é só uma impressão inicial, depois você acaba percebendo melhor como funciona, e até que não é ruim, mas também não é a melhor coisa do mundo.

    3- Um mundo enorme (ou nem tanto), e completamente morto. Sério, você pode andar a esmo por horas e não vai encontrar nada para fazer, além de matar um outro mob que encontrar pelo caminho. NPCs, só nas cidades, e a maioria nem interação com o seu personagem possui, ele só fica lá, andando de um lado pro outro, e às vezes fala uma bobeira se você tentar interagir.

    4 - E falando em personagens não jogáveis, a maioria esmagadora é extremamente genérica e de aparência repetida. Você chega numa cidade e todo mundo é igual, só o grupinho de heróis possui cabelos emos e descolados e visual bacanudo. 

    5 - Missões e mais missões aleatórias que não te levam a nada, apenas a andar de um lado pro outro no mundo no estilo, mata monstrinho, pega a parada, traz pra mim, isso, toma um elixir, agora faz de novo.

    6- Capítulos atropelados, no inicio estava demorando muito pra avançar porque ficava perdendo tempo fazendo todas as sidequests possíveis, mas quando comecei a fazer as main quests percebi que teve capítulos que duravam uma ou duas horas e outros nem vinte minutos, é sério. 

    7- Personagens secundários pouco explorados ou sequer desenvolvidos, sério, os caras  te apresentam alguns personagens mega bacanas e nem são capazes de dar um background decente pra eles. 

    8- Curva de dificuldade ridícula ou inexistente; não tive um game over sequer no jogo, e a grande maioria dos inimigos não exigem uma estratégia muito elaborada, e nos poucos que ofereceram resistência, bem, eu fritei eles com magia hahahahahaha.

    9- E por falar em magias, esse esquema de criação oferecido pelo jogo é legal, mas o fato de ter que ficar coletando os recursos mágicos pelo mundo ou próximo aos acampamentos não me agradou muito.

    10- Tido como um dos chefes mais difíceis do jogo, Adamantoise, é apenas uma tartaruga paralítica com um hp gigante que fica tremendo enquanto toma porrada, sério velho, ela nem te ataca de forma decente. No começo tentei dar hit kill nela com anel de Lucis umas 30 vezes, não deu certo. Parti pra pancadaria, e depois de quase uma hora e apenas meio HP da bicha tirado, já cansado, resolvi usar o poder de absorção do anel de Lucis, e pra minha surpresa o anel retirava mais ou menos 2500 de hp por segundo do monstro, resultado, nem 10 minutos depois e uns 30 elixires usados (para recuperar MP) eu havia matado Adamantoise, um fiasco, se posso dizer. 

    11- As summons do jogo são aleatórias, e só podem ser convocadas em ocasiões específicas, é sério Square?

    12 - Post game é uma merda, você pode terminar suas caçadas caso ainda não tenha terminado, fazer a quest do ferreiro pra conseguir as melhores armas do jogo, apenas matando os monstros "mais fortes do Jogo", pode também fazer a quest das dungeons mais altas do jogo, que é uma quest feita com o rabo, por algum desenvolvedor retardado, cujo o único objetivo é descer mais fundo nas dungeons, matando um grupo de mobs por andar, por uma porrada de andares, até chegar no último nível onde se enfrenta um chefe feito com a bunda e você não ganha nada com isso, é sério SQUARENIX?????

    ISSO É SÉRIO?

    AH PELO AMOR DE DEUS!

    E se você tiver muito saco,  eu digo muito mesmo, você pode fazer os capítulos extras do Prompto, Ignis e Gladioulos, é só uma historinha genérica, numa dungeon genérica, não tem duração de nem uma hora (só joguei a do Gladio) e só serve pra encher o saco. 

    AGORA VOCÊS DEVEM ESTAR SE PERGUNTANDO, MAS PERUGIA, VOCÊ DEVE TER GOSTADO DE ALGUMA COISA, NÃO É POSSÍVEL.

    Sim, eu gostei de pescar com o Noctis, me fazia relaxar quando eu parava comigo mesmo e pensava, o que estou fazendo nessa porra desse jogo?

    Sim, o jogo está terminado e ainda tenho pequenas pendências a fazer, como a quest das dungeons que está pela metade, os capítulos do prompto e ignis, e mais algumas pequenas coisinhas, conquistas talvez, mas não tenho mais ânimo, Final Fantasy XV de modo geral ficou muito abaixo do esperado,  sinto que em algum momento da vida fui ludibriado, e se houvesse uma cerveja em minha geladeira, eu iria tomá-la, mas não há. 

    5
  • 2019-06-13 08:23:23 -0300 Thumb picture

    Histórias Gamísticas parte -4

    Se me lembro bem, por volta de 2002/2003 começaram a aparecer os primeiros Playstations (1) domésticos aqui na minha região. Normalmente nas casas de crianças que vinham de famílias com maior poder aquisitivo. 

    Por sorte, eu possuía um desses primos riquinhos e não demorou muito para aparecer um na casa dele, e cara, como eu babava nesse console. Durante a semana levava uma vida de guri normal, estudava, jogava bola, brincava de pique, bola de gude etc. Mas fim de semana era diferente, pegava os meus troquinhos e passava os dias ou no bar/locadora ou na casa do meu primo.

    Foram altas jogatinas de Crash, Twisted Metal, Mega Man, Resident Evil (que me cagava pra caralho), Tony Hawk's, Hércules e muitos mais. Esse meu primo todo ano ia para Aparecida do Norte, e como vocês devem saber, em Aparecida a pirataria come solta, lembram do 3 por 10? acho que lá era mais ou menos 10 por 10 (risos) visto que meu primo sempre voltava com uns 20 jogos ou mais, muita porcaria é verdade, mas muitos jogos bons de verdade. 

    Foi mais ou menos por aí que eu e meu irmão começamos a insistir mais e mais para ganhar um vídeo game, e sempre recebíamos a negativa de sempre, vídeo game é muito caro, não temos condições, quem sabe ano que vem.

    Até que um dia minha mãe disse que ia pra cidade grande e que ia dar uma olhada, tinha um dinheirinho suado sobrando, e quem sabe?

    Acho que dá pra imaginar a nossa felicidade, não é mesmo?

    Ficamos o dia todo ansiosos, e quando ela finalmente chegou de tarde a felicidade não cabia mais em nossos rostos, havíamos ganhado um vídeo game.

    Um Polystation.

    Bem, percebemos de cara que não era um  Playstation, mas ainda assim era um vídeo game e não íamos deixar de conhecê-lo . Fiquei sabendo mais tarde que o Polystation nada mais era do que um clone do nintendinho, console esse que até a época nunca havia tido contato, e apesar dos gráficos muito mais arcaicos do que a geração em que estávamos (geração atrasada por sinal, porque o ps2 já tava no mercado fazia tempo e nem sabíamos), não posso dizer que foi um console ruim, pelo contrário, conheci muita coisa boa que jamais teria conhecido se tivesse ganho um Playstation. 

    E as fitas eram baratinhas e tinham um grande diferencial, vinham com uns mil jogos na memória, mas é lógico que a propaganda era enganosa, na verdade vinham uns vinte jogos e o restante era repetido.

    Foi no Polystation que conheci clássicos como: Duck Hunt, Mega Man, Super Mario Bros, Ice Climber, Contra, Tartarugas Ninjas, Dr Mario, Adventure Island, Mighty Final Fight (beat 'em up irado), Circus Charlie, Bomberman e tantos outros que não vou lembrar de citar aqui.

    Foi um bom console, ou um bom clone, deixou saudades. 

    Histórias Gamísticas é uma série de textos sem compromisso onde narro minhas aventuras por esse tal negócio chamado vídeo game.

    Super Mario Bros.

    Platform: NES
    9109 Players
    78 Check-ins

    23
    • Micro picture
      mastershadow · about 1 month ago · 4 pontos

      Haha acho que muitos tiveram esse decepção com o famigerado Polystation!

    • Micro picture
      filipessoa · about 1 month ago · 3 pontos

      Haha me lembrou da época que tinha um Brinck Game, que também era outra propaganda enganosa u.u

    • Micro picture
      cacotives · about 1 month ago · 2 pontos

      Eu lembro da galera que era enganada com esse "Playstation" aqui na minha terra. kkk

  • 2019-04-01 21:24:22 -0300 Thumb picture
    l_perugia checked-in to:
    Post by l_perugia: <p>Pra quem jogou o antecessor (ou seria sucessor)
    Life is Strange: Before the Storm

    Platform: Xbox One
    50 Players
    21 Check-ins

    Pra quem jogou o antecessor (ou seria sucessor) dessa bagaça toda, Before the Storm parece ficar devendo algo, sim, a essência está lá, ótimos personagens, trilha sonora impecável, e cenas com desenrolares no mínimo impactantes (ou nem sempre), mas em termos de jogabilidade BtS consegue ser  ainda mais restrito que seu antecessor (além de obviamente mais curto), tudo se baseia em diálogos, exploração de ambientes bastante limitados e mais diálogos, se no primeiro jogo pelo menos tínhamos a opção de rebobinar o tempo e tentar algumas alternativas diferentes, este daqui consegue ser ainda mais linear, e o sistema de discussões de Chloe (backtalk) que aparece pouquíssimas vezes, não muda muita coisa no produto final. Enfim, vale mais como um complemento ao jogo principal.  

    7
    • Micro picture
      filipessoa · 4 months ago · 2 pontos

      É um adjunto interessante de LiS e apenas isso. Depois desse jogo achei certíssima a decisão da desenvolvedora de fazer os próximos jogos com histórias e personagens diferentes.

  • 2019-03-26 20:07:14 -0300 Thumb picture
    l_perugia checked-in to:
    Post by l_perugia: <p>Peguei na gold, é um plataforma bem simpático, p
    Never Alone

    Platform: Xbox One
    168 Players
    36 Check-ins

    Peguei na gold, é um plataforma bem simpático, podendo ser jogado por até  duas pessoas simultâneas, é divertido, mas curtinho e até um pouco genérico em alguns pontos. Mas como estava de grátis, valeu a jogada.

    5
  • 2019-03-20 16:42:50 -0300 Thumb picture
    l_perugia checked-in to:
    Post by l_perugia: <p>#img#[624820]</p><p>Essa semana finalizei Ghost
    Ghost Trick: Phantom Detective

    Platform: Nintendo DS
    509 Players
    44 Check-ins

    Essa semana finalizei Ghost Trick mais uma vez (dessa vez no console), e posso afirmar, o jogo continua tão delicioso quanto antes.

    Pontos Positivos:

    *Narrativa fascinante.

    * Trilha sonora.

    *Jogabilidade 

    * Personagens Caricatos.

    Pontos Negativos:

    *Apenas uma forma de resolver os puzzles e terminar os capítulos.

    7
  • 2019-02-10 23:43:41 -0200 Thumb picture
    Post by l_perugia: <p>Eu to meio sem postar nada ultimamente, mas isso

    Eu to meio sem postar nada ultimamente, mas isso não quer dizer que ando parado, no momento estou jogando 4 fucking games ao mesmo tempo, e vou fazer um resuminho rápido aqui:

    Yoshi Island DS: Não tenho muito a falar aqui, é basicamente o Yoshi Island do Snes, mesmos gráficos, mesma fofura, um novo enredo. A maior diferença aqui é que agora são 5 babies; Mario, Peach, Kong, Wario e Bowser, cada um com uma mecânica diferente, e sim, se você for quase um deus e quiser fazer 100% em todas as fases vai precisar de usar todos eles. Minha única ressalva aqui é que as fases são muito longas, sério, tem fase que demoro 20 minutos pra passar, e nem são tão difíceis, apenas longa. Já estou quase finalizando. 

    Kingdom Hearts Re:coded DS: Já to final também, e tipo, não curti muito, achei tudo muito genérico, o jogo não tem lá muito carisma, e a jogabilidade em geral não me agradou, podiam ter feito melhor, mas agora que já joguei um bocado não vou dropar. 

    Ghost Trick Phantom Detective DS: Esse eu zerei há um bom tempo atrás no emulador e resolvi revisitar porque o jogo é tipo, muito bom, tudo nele é fantástico, enredo, trilha sonora e a jogabilidade com a stylus, um dos melhores jogos do portátil, super recomendo, ainda estou no comecinho.

    Final Fantasy XV  Xbox One: Esse eu confesso que não sabia o que esperar, apenas deixei o jogo me levar, e sério, to viciadão! E tipo, o jogo tem seus defeitos, não acho os gráficos top de linha, mas sim são bem agradáveis. Achei que ia ficar de saco cheio rápido por ser um mundo aberto, e sei lá, o jogo tá lá, me entupindo de missão paralela em que grande parte é só andar, andar, andar pra caralho pegar algo/matar um bicho e voltar, mas final fantasy é um jogo que encanta, você não se importa muito com essas coisas, a cultura da série, mitologias, personagens excêntricos de cabelos espetados, cenários lindos, tudo isso deixa quem é fã das antigas babando e babando. Em poucas horas já havia sido capturado pelo jeito engomadinho de Ignis, casca dura de Gladioulos, extrovertido de Prompto, e whatever de Noctis. Se o enredo vai ser bom ou não eu não sei, ainda estou no capítulo 3, mas estou amando explorar cada detalhe desse novo mundo.

    5
    • Micro picture
      santz · 5 months ago · 2 pontos

      Antes do Yoshi Island do DS, pretendo zerar o do N64. É mais feio, mas gosto de jogar os games na ordem.

  • 2019-01-28 12:31:05 -0200 Thumb picture
    l_perugia checked-in to:
    Post by l_perugia: <p>#img#[613645]Já zerei Dead Rising 3 há um tempin
    Dead Rising 3

    Platform: Xbox One
    1198 Players
    92 Check-ins

    Já zerei Dead Rising 3 há um tempinho, na primeira semana de janeiro pra ser mais exato, só esqueci de fazer o check-in, em suma o jogo não foge muito da alcunha que lhe foi dado, GTA com zumbis.

    É divertido, tem muita coisa pra fazer e coletar, dá pra passar muitas e muitas horas andando pelas cidade de Los Perdidos e inventando centenas de maneiras diferentes de acabar com as hordas infinitas de zumbis.

    O que não ajuda muito é o enredo, pastelão demais, não dá pra levar a sério, e os personagens tbm são apenas um amontoado de clichês que não te fazem criar muita empatia. Os inimigos basicamente são apenas milhares de zumbis  espalhados pela cidade, com pouquíssimas variações e quase sempre fáceis de matar. Após isso há os inimigos humanos e alguns chefes espalhados pelos capítulos chamados de psicopatas, esses sim oferecem um pouco mais de desafio e até algumas risadas.

    A dublagem em português está boa, e a jogabilidade também não decepciona. Quando terminei dei rebot no jogo e fui tentar ir atrás de todos os coletáveis, e tem muita coisa pra coletar, mas depois de um tempo percebi que não ia conseguir pegar todos pois alguns só estão disponíveis em certas partes da história, e quando você escolhe um capítulo o jogo simplesmente reseta o seu progresso e esses lugares voltam a ficar trancado, e sinceramente, não tenho mais interesse em começar outro jogo do inicio, tem o modo pesadelo que é mais hardcore, mas pra mim o jogo já me ofereceu tudo que tinha de oferecer.

    6
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...