2020-07-23 10:01:07 -0300 2020-07-23 10:01:07 -0300
kotarou Bruno Soares

Desafio dos favoritos

Bom, recebi o @desafio pelo @katsuragi então bora lá. Basicamente eu preciso totalizar 15 motivos, acrescentando um para cada posição de 5 à 1. Vamos ver se eu consigo e não acabo me embananando no caminho.

Regras:

Copie e cole o texto até então, marque a persona @desafio e desafie mais 3 pessoas e não estenda demais o seu post pra não virar uma verborragia de elogios, dai a quantidade de tópicos já contada (é legal falarmos dos nossos favoritos eu sei :) ) mas po lota de imagens, já que só cabem 10 por posts mesmo).

5 - Disgaea 4


- Como todo jogo da série, tem um senso de humor sem igual que se estende em todos os aspectos do jogo, desde as batalhas e descrições até as cutscenes da história. Ao meu ver essa qualidade é o que torna a experiência de Disgaea tão única e divertida.

4 - Ragnarok Online


- O jogo é (ou ao menos era, quando eu jogava) um verdadeiro exemplo do que torna a experiência de MMO tão especial: a socialização online. Naturalmente havia um incentivo pra formar parties, a necessidade criava as oportunidades de conhecer outras pessoas e desfrutar do jogo em conjunto.

- O design dos monstros raramente era repetido. Toda área nova realmente parecia um lugar diferente, sem nenhum reuso de assets pra cortar caminho. Era uma das vantagens de ser um jogo com sprites 2D, com animações muito boas por sinal.

3 - Tales of the Abyss


- O jogo que basicamente settou os meus padrões de jrpg a partir do ponto em que joguei ele. Personagens com um desenvolvimento incrível. O luke cresceu muito em mim enquanto eu jogava, e pelo final eu amava praticamente o cast principal inteiro.

- Apesar de ser repleto de missables enjoados (em lugares que são completamente contra-mão de se chegar), tem muitas sidequests com recompensas legais e tidbits interessantes de lore, como a sidequest do Guy e a do Asch.

- Apesar de bem simples em retrospecto, o gameplay era extremamente divertido. As batalhas eram um deleite, mesmo com a limitação de combos e etc.

4 - Persona 3



- Não tem nenhum outro jogo que me deixe imediatamente imerso como P3. A ambientação me pegou no instante em que o jogo começou a rodar, e parece que cada detalhe trabalha perfeitamente pra me colocar nesse estado.

- Provavelmente minha trilha sonora favorita até hoje. É catchy, é única, é linda e é memorável. Gosto de praticamente todas as músicas, e parece que há um tipo de canção pra cada estado emocional ou fase da vida.

- Se tem algo que Persona faz bem é o simbolismo presente nos jogos. Nas discussões sobre a qualidade dos personagens e da história isso raramente é mencionado, mas os símbolos mitológicos, significado das arcanas e os temas jungianos trabalham bastante para deixar tudo mais interessante do que normalmente seria. Levando em consideração esses temas, é possível enxergar os os elementos da obra com nova apreciação.

- O sistema de fusão. Ok, não é exclusivo de P3 e não é sem seus defeitos, mas é minha parte favorita do gameplay. As batalhas do jogo não são nada demais, mas o preparação é divertida. É um deleite criar uma uber persona que você gosta, mesmo que demore horas porque fucking RNG na herança de skills man.

5 - Zero no Kiseki



- Gosto muito do enredo mais pé no chão que o jogo tem. Embora em um momento descarregue o hocus pocus na cara do jogador, boa parte da história é centrada em um conflito mundano, o qual não pode ser resolvido com força bruta. Fucking barriers man.

- Como todo trails, conversar com os NPCs é um deleite, mas esse jogo elevou o nível com a quantidade enorme de NPCs  interessantes e relevantes. Stalkear alguns deles é muito recompensador, perdi horas indo atrás de fulano só pra saber o que estavam fazendo.

- A continuação e resolução de um arco que havia começado há dois jogos atrás. Se a magia de trails são os jogos interconectados, zero é um perfeito exemplo disso. O desfecho não só é extremamente bonito e satisfatório como conecta perfeitamente com o enredo principal e os seus temas.

- O buildup da história é lento, mas vale a pena. Como primeiro jogo situado em Crossbell, com um novo elenco de personagens principais, boa parte da história serve para aclimar ao novo ambiente e conhecer o local por completo. No final do jogo eu havia criado um verdadeiro apego à cidade de Crossbell como dificilmente eu consigo em outros jogos. O lugar é o seu próprio personagem.

- O cast principal é magnifico. Os membros da SSS são alguns dos meus personagens favoritos da série inteira e recebem um bom desenvolvimento mesmo no primeiro jogo em que aparecem.  A ideia deles como uma família formada por pessoas completamente distintas é simples, porém muito bem executada.

É isto, como não tem muita gente que eu mantenho contato aqui no alvanista, vou desafiar só o @emphighwind e o @katsuo caso ele apareça algum dia.



Shin Megami Tensei: Persona 3

Platform: Playstation 2
599 Players
39 Check-ins

18
Keep reading → Collapse ←
Loading...