You aren't following knuxbbs.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • hyuga Sérgio Henrique
    2020-09-26 20:37:06 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Ajuda com controles para Android

    tenho o emulador do PSP no celular e estou pensando em comprar um controle para poder aproveitar melhor os games. Pesquisando vi que as melhores marcas são Ípega e Gamesir. 

    Caso alguém tenha alguma dessas marcas ou mesmo de marcas diferentes e puder me indicar eu agradeço.

    No caso o controle serviria mais para emuladores de celular e não para jogos da play store (caso faça diferença)

    God of War: Chains of Olympus

    Platform: PSP
    3356 Players
    126 Check-ins

    26
    • Micro picture
      miguelpardal · 4 days ago · 2 pontos

      invoca o porlock ele manja dessas parada vou manda no whats dele

      2 replies
    • Micro picture
      porlock · 4 days ago · 2 pontos

      brother, tenho um ipega velho, o 9025... ele funciona direitinho no emulador do psp, o ppsspp, no android... e tb pra maioria dos jogos da play store... acredito q os controles de hj sejam ateh melhor compativeis.

      7 replies
    • Micro picture
      knuxbbs · 3 days ago · 2 pontos

      Se não me engano, é possível parear o controle do Xbox One.

      Já ouvi falar bem dos controles da 8BitDo também.

      1 reply
  • knuxbbs Bruno B. de Souza
    2020-09-26 13:43:59 -0300 Thumb picture
    knuxbbs checked-in to:
    Post by knuxbbs: <p>Duvido que alguém tenha conseguido pegar todas a
    Super Mario Odyssey

    Platform: Nintendo Switch
    807 Players
    210 Check-ins

    Duvido que alguém tenha conseguido pegar todas as luas sem pescar na web.

    11
    • Micro picture
      sonne · 3 days ago · 2 pontos

      acho que até os primeiros devem ter usado internet para fazer 100%
      compartilhando as luas que acharam e vendo quem achou lua nova

  • 2020-09-23 08:38:14 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    Post by tecnologgamer: <p><a href="https://www.youtube.com/watch?v=3AyjIFi

    Yu-Gi-Oh! Duel Links

    Platform: PC
    66 Players
    60 Check-ins

    12
    • Micro picture
      knuxbbs · 6 days ago · 1 ponto

      Bastante preciso.

    • Micro picture
      tsutomu · 6 days ago · 1 ponto

      se esse fosse o unico problema estava tranquilo

    • Micro picture
      sonne · 3 days ago · 1 ponto

      eu que joguei um pouquinho de yugioh moderno: AH NÃO, ELE ESTÁ USANDO PÊNDULO

  • _gustavo Luis Gustavo Da Luz
    2020-07-29 23:55:47 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Valve aperta o cerco contra mudança de região da conta da Steam

    A Valve atualizou recentemente suas políticas para que a seleção de país da sua loja seja mais rigorosa. Agora, os usuários terão que concluir uma compra usando um método de pagamento do país que desejam selecionar antes que o Steam permita que os jogadores comprem jogos nessa região.

    A ação foi projetada para reprimir o uso de redes privadas virtuais (VPN) para ignorar as restrições da região e comprar jogos indisponíveis na região correta do usuário ou com outros preços.

    As medidas foram tomadas depois que usuários americanos usaram do sistema para comprar jogos com preços mais baratos em países Latino Americanos, incluindo o Brasil.

    “O uso de um proxy ou VPN para disfarçar sua localização é estritamente contra os Termos de Serviço Steam e pode resultar em restrições em sua conta ”, explicou a Valve em uma página de suporte para Restrições na região da Steam. “Se você tentar resgatar um jogo restrito por região e sua localização for inconsistente com a sua atividade Steam anterior, o seguinte aviso aparecerá: 'Observe que o uso de um proxy IP ou de outros métodos para disfarçar o local de sua residência para ativar [um jogo] é uma violação do Contrato de Assinante do Steam e pode resultar em restrições nesta conta. '”

    Portal 2

    Platform: PC
    13810 Players
    314 Check-ins

    30
    • Micro picture
      tsutomu · 2 months ago · 3 pontos

      faz sentido, era ou fazer isso ou daqui a um tempo todos os jogos seriam uma conversão direta do dolar

    • Micro picture
      yon · 2 months ago · 3 pontos

      Sorte que yo soy argentino jaja

      1 reply
    • Micro picture
      santz · 2 months ago · 2 pontos

      Tomara que ela siga por esse caminho do que começar a aumentar os preços dos jogos, fazendo a conversão do dólar.

  • hard_waters David Waters
    2020-09-19 10:22:07 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    22
    • Micro picture
      supernova · 11 days ago · 2 pontos

      3ds e legal ? Sempre tive vontade de ter mas as versões legais povo mete a faca kkk

      3 replies
    • Micro picture
      volstag · 11 days ago · 2 pontos

      Interessante isso pra caramba, vou dar uma olhada, já emulo no PSP, mas sempre é bom ter mais opções.

      1 reply
  • pedro_passarin Pedro Passarin
    2020-09-17 12:05:02 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Por que as empresas estão apostando na Nostalgia??

    Medium 3827400 featured image

    Não é de hoje que as empresas no ramo de games estão investindo pesado em marketing e produtos que reforçam as nossas lembranças.

    E isso não acontece somente nos games, mas também em quase tudo que envolvem lazer e entretenimento.

    Provavelmente, em meio a isso, muitos se questionam o motivo de tanto focarem nesse ponto, na atualidade.

    E uma resposta breve e direta para essa estratégia se chama "Nostalgia".

    Essa palavra está sendo tão utilizada atualmente, que estamos até acostumados de vê-la em vários sites e redes sociais pela internet.

    Porém, por que esse sentimento está sendo tão explorado?

    Segundo os especialistas na área de psicologia, a nostalgia é um dos sentimentos mais fortes do ser humano, pois ela resgata as mesmas sensações que tivemos há muitos anos atrás!

    Um exemplo disso é quando ouvimos uma música que fez parte de nosso passado. A música em si óbviamente não mudou, mas a melodia dela gravou algum momento bom da sua vida, dentro da mente.

    Com isso, lembrar de tempos melhores cria sensações positivas que ajudam a romper o aspecto negativo da solidão e tristeza. Mais do que isso, esse sentimento nos ajudam a aumentar a auto-estima e nos tornarmos mais vivos!

    Resumidamente, a indústria percebeu que, quando um produto mexe com os sentimentos do consumidor, automaticamente acaba sendo comprado, não se importando tanto com o valor!

    Para efeitos de comparação, nunca se viu tanto "remaster" e "remake" feitos de games, como são vistos nos dias atuais. 

    E aproveitando o assunto, a Nintendo lançou a coletânea "Super Mario 3D All Stars". Pra quem não sabe, este game bateu recordes de pré-vendas nas varejistas. Porém, muitos se questionam o motivo de uma coletânea de games antigos estar sendo comprada como água.

    A verdade é que, este game tem o público-alvo específico, que são as pessoas que já jogaram e querem reviver as emoções desses clássicos, assim como também os jogadores mais novos, que terão a oportunidade de apreciar pela primeira vez essas sensações! 

    E cá entre nós... Quem nunca jogou por várias e várias vezes um game, por ter gostado tanto dele? Pois é, agora imagina poder reviver tudo isso vários anos depois... 

    Nostalgia é isso. É o cantinho na sua mente que foi guardado com carinho, e que ao sentí-lo novamente, te faz voltar no tempo.

    E nada mais satisfatório que sentir essa coisa boa em meio de tantos problemas e dificuldades que vivemos ao decorrer do dia-a-dia.

    Super Mario 3D All-Stars

    Platform: Nintendo Switch
    12 Players
    2 Check-ins

    48
    • Micro picture
      sophos · 13 days ago · 3 pontos

      acho q por causa da idade. os consumidores que jogaram snes tem hoje por volta de 30 a 40 anos. É uma idade de forte nostalgia. Isso não era tão importante nos anos 90 e 2000 qdo os nostalgicos eram ataristas

      2 replies
    • Micro picture
      hyuga · 13 days ago · 3 pontos

      vou ler depois

    • Micro picture
      artigos · 13 days ago · 2 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

      1 reply
  • knuxbbs Bruno B. de Souza
    2020-09-17 21:05:37 -0300 Thumb picture
    Post by knuxbbs: <p>O mais louco nesse jogo é poder freiar enquanto

    O mais louco nesse jogo é poder freiar enquanto se está no ar.

    Crash Team Racing: Nitro-Fueled

    Platform: Nintendo Switch
    23 Players
    5 Check-ins

    12
  • 2020-09-15 20:45:31 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Retrocompatíveis nos consoles

    Hoje nos dias atuais temos os mais variados consoles da atualidade e com centenas de jogos sendo lançados para jogar em casa. Mas o que os consoles atuais hoje em dia vivem trazendo além dos seus lançamentos são jogos retrocompatíveis de consoles antigos.

    E tanto como a Nintendo, Sony e Microsoft esses jogos são para a galera bem retro que teve ou curtiram jogos que divertiam e divertem muitos e aqui mostrarei alguns consoles e portáteis que fizeram essa retrocompatibilidade que dividirei em partes ok.

    Mega drive


    Power Base Converter

    A sega vendo o resultado da Nintendo com o Nes e o Master System não dando conta resolveu lançar o Mega drive para quebrar o reinado do Nes. Não somente isso mas ela também aproveitou para lançar depois o Power Base Converter, um acessório que era acoplado em cima do Mega Drive possibilitando usar as fitas do Master System.

    Isso mesmo! Ele transformava seu Mega de 16bits em um Master de 8bits podendo utilizar o óculos 3D e o botão Pause que era em cima do bagulho. Pó! Não podia usar o botão Start do Mega não? Infelizmente não! Essa adaptador até isso usou do console original que no caso, para pausar a partida tem que levantar a bunda e apertar o dito botão no aparelho.

    Master System Converter II

    Esse saiu nos Estados Unidos e Europa para aqueles que tinha a segunda versão do Mega drive, aqui no Brasil correspondia a versão 3 do Mega drive, e esse acessório servia apenas nele com mais aparência de fita com a entrada da fita de Master em cima e o botão Pause abaixo. O ruim era apertar ali e a fita do nada desse pau no jogo.

    Teve uma outra versão usada na Austrália que se chamava Master Mega Converter sendo um pouco igual a versão do Master Converter II.

    Megavision


    Adaptador

    O clone do Mega Drive lançado pela Dynacom era o Megavision que tinha tudo que o Mega drive fazia, com até entrada do Sega CD. Mas também tinha um adaptador para jogos do Master system sim e com as mesmas características do Master Mega Converter Australiano que falei dito acima com o botão Pause nela. Clones!

    Super Nintendo


    Super Game Boy


    Quando o Nes começou a perder espaço chegou o Snes que trazia o melhor de um console de 16bits fazendo o Mega um console sem novidades nenhuma para ele. Muitos até pensaram se o Snes teria uma retrocompatibilidade para o Nes e a resposta foi? Não! Sua parte retrô seria o do Game Boy. Isso mesmo que você ouviu! O portátil da Nintendo foi o escolhido para ser retrocompatível com o Snes e isso deu certo.

    O Super Game Boy lançado em 1994 tinha além da possibilidade de jogar seus jogos na TV ele ainda adicionava cores e bordas personalizadas trazendo uma aparência melhor na hora de jogar. Depois de um tempo saiu o Super Game Boy 2 apenas no Japão corrigindo delay que o antigo tinha.

    Tri Star

    Esse era um adaptador que trazia a diversão de jogar o Famicom e Nes no Snes com uma qualidade de jogar o próprio Nes. Não foi lançado oficialmente pela Nintendo, mas que alguns curtiram essa adaptador isso sim.

    Nintendo 64


    Tri Star 64

    Depois da versão do adaptador saiu para o Snes o Nintendo 64 recebeu um versão que eu nem imaginava que existia. A base do adaptador era um trambolho que era acoplado em cima, claro né, e fazia o 64 rodar Nes e Snes nele trazendo a diversão deles no próprio console.

    WideBoy

    Esse aqui é outro adaptador para Nintendo 64 apenas para as versões de Game boys como o Classic, Color e Advance. Era possível jogar na TV usando ele e reviver os vários jogos como Super Mario Land, Wario Land 3 ou Mario Kart Super Circuit. Me lembro desse adaptador sendo vendido em uma revista por uma loja e na época sem chance de comprar, foi uma pena mesmo.

    Caso queiram ver mais farei uma segunda parte retratando de retrocompatibilidade em outros console ok.

    26
    • Micro picture
      volstag · 14 days ago · 2 pontos

      Excelente, esse do N64 pra rodar Nes e Suoer Nes é a primeira vez que vejo imagem, muito legal.

      1 reply
    • Micro picture
      topogigio999 · 14 days ago · 2 pontos

      Interessante amigo, gostei, ansioso para a segunda parte...

      1 reply
    • Micro picture
      santz · 14 days ago · 2 pontos

      Muito doido esse Tristar, nunca tinha ouvido falar, massa demais. Antigamente, os caras conseguiam criar um acessório para dar retrocompatibilidade sem nem precisar ser oficial, muito absurdo.

      1 reply
  • darlanfagundes Darlã Fagundes
    2020-09-10 19:25:22 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Revistas especializadas...

    O nível de informação de revistas nos anos 90. Essa falava sobre o Sega CD e sua mais nova tecnologia...rsrs. É interessante notar que a cada novo lançamento da indústria essa falsa promessa de dificultar a pirataria ressurge...

    Sega Classics Arcade Collection 4-in-1

    Platform: Sega CD
    26 Players
    3 Check-ins

    37
    • Micro picture
      le · 20 days ago · 3 pontos

      Foi até mais fácil, já que tinha console que nem proteção contra disco gravado tinha, tipo o Sega CD.

    • Micro picture
      denis_lisboadosreis · 20 days ago · 3 pontos

      No começo da pirataria de PS1 os jogos piratas ainda eram bem feitos, com disco durável, capinha, e até impressão a cores no disco.

      4 replies
    • Micro picture
      jcelove · 20 days ago · 3 pontos

      O pior é q todas as revistas pirateavam lokamente, mas tinham de fazer a media.hehe

  • thecriticgames Matheus Pontes
    2020-09-06 14:57:27 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    O (meu) processo de escrita de uma crítica.

    Lembro que a alguns meses atrás tocaram no assunto por aqui atrás do raciocínio de cada um por trás da escrita de uma critica e me marcaram e ainda chamaram pra conversar sobre o assunto que é algo que volte e meia paro para pensar também. Se me lembro bem tive esse dialogo com @brunothebigboss e @hyuga que me pediram para marca-los quando eu escreve-se este post então fica aqui (se não foi com vocês foi mal a marcação ignorem este post :v), aqui vou explicar o meu processo e raciocínio por trás da minha forma de raciocinar e escrever uma critica, ao menos as minhas criticas que sem duvida vai gerar muito mais discordâncias do que concordâncias. 

    Tópicos

    * O que me fez e faz escrever críticas

    * Questão de estilo

    * Sobre notas e opiniões

    *Os reviews do Alva e seus méritos avaliados (jogabilidade, história, música e gráficos) PULE PARA ESTE SE DESEJAR IR DIRETO PARA COMO ESCREVO AS CRÍTICAS

    *Questões mais complexas e conclusão

    Demons's Crest dono de uma critica velhaca minha mas com o maior número de aprovações.

    O que me fez e faz escrever críticas.

    Desde que eu me lembre eu me aventuro a ler revistas de games, revistas antigas mesmo tem um charme sem igual para mim como a lendária Super GamePower ou a Game Station com seus detonados, e eu sempre quis escrever sobre os jogos. La atrás eu achei que queria fazer detonados ou guias sobre os jogos em parte porque muitas destas revistas avaliavam o jogo detonado e inclusive tenho um guia la no Gamefaqs do primeiro dos milhares de jogos dos quais eu queria falar. Doneky Kong do NES. basta checar aqui https://gamefaqs.gamespot.com/nes/563403-donkey-ko... pra ver na parte mais baixa de guias em estrangeiro um detonado em portugues por um tal de "Omegatheus" (o guia meu pode ser lido aqui), yep, it's me thecriticgames e quem ler vai se deparar com um texto todo separado por áreas descritivas até mesmo com mapas em ASCI feitos por mim do zero, fruto de um perfeccionismo que só fez eu me cansar no primeiro jogo tal qual um nerd desistindo do sonho de ser mangaka ou cartunista por descobrir da pior forma que desenhar é cansativo, mas...

    A avaliação já estava la, até com notas:

    JOGABILIDADE: 8,0 

    GRAFÍCOS:7,0 

    DIVERSÃO: 8,0 

    SOM: 7,5 

    PONTO FORTE: simples e divertido. 

    PONTO FRACO:retiraram as cenas de histórias e o segundo estágio presente na versão para arcarde, Jumpman é aparentemente alérgico a gravidade.

    NOTA FINAL:7,5 

    Isso foi escrito em Fevereiro de 2011, 9 anos atrás e 2 anos antes de eu conhecer o Alvanista.

     O jogo do macacão também foi um dos primeiros que avaliei.

    Questão de estilo

    Embora eu discorde assiduamente da ideia que as criticas tenham que ser de ordem inteiramente pessoal, eu admito que o brainstorming para escreve-las é sim pessoal. Mais de uma vez aqui no Alva já criticaram minha forma de escrita dizendo que se sentiam lendo um review de revista, o que me fez agradecer de imediato tais pessoas que não entenderam justamente porque elas odiavam reviews de revistas e mal lembro se é o caso delas mas já me disseram que os reviews são de questões muito pessoais e deviam ser menos técnicos. A grande maioria de quem lê reviews na internet pode se entreter com reviews mais pessoais e até com ausência do sistema de notas que eu concordo não ser perfeito, mas eu não sou a maioria eu me entretenho com as informações intercaladas com um pouco sim de toque pessoal, mas eu gosto de ouvir dos elementos técnicos da coisa toda, dos gráficos, da trilha sonora, do gameplay e menos do achismo do escritor. 

    Opiniões podem sim estar nos reviews, mas para mim devem estar mais separadas ou destacadas de modo a não ficar homogêneo opinião com informação (eu sou um chato amante de regras e organização, um cara bem quadrado até na vida pessoal). E claro, não sou uma maquina que consegue com perfeição separar as duas coisas, como não corrijo criticas já achei nas mais antigas varias vezes onde deixei emoção e razão colidirem na avaliação minha de um jogo, acontece. Mas isso são REGRAS MINHAS para os MEUS reviews, a grande maioria dos reviews da rede são diferentes dos meus, não vou citar nomes pra não ficar um post cheio de spans mas ja li criticas de pessoas bem pessoais na questão do jogo (que xingam ou elogiam sem dó ou pudor o jogo avaliado), criticas no qual o escritor conta o jogo inteiro no reviews, criticas com fichas técnicas incluídas deixando estas mais técnicas que as minhas, enfim VÁRIOS ESTILOS. Eu tento escrever como se fosse um trabalho, como se eu ganhasse para fazer isso.

    O tempo voa mas algumas coisas são fixas incluindo minhas regras de avaliação em 500 críticas.

    Sobre notas e opiniões

    Com citei as vezes não da para deixar a opinião pessoal de fora ou deixar isso interferir na nota mas é algo que eu sempre tento fazer, isso gerou uma jornada continua para mim de auto descobrimento por meio das notas, muita gente não gosta de notas e realmente algumas experiencias são tão complexas como pessoas e nem sempre da pra defini-las de forma exata com números (já pensou avaliar pessoas assim tipo, aquele cara não é tão ruim quanto parece, ele é nota 4) mas eu as uso assim mesmo porque não aceitei outra coisa. 

    Primeiramente a nota final do jogo é naturalmente uma média de seus méritos, é uma coisa obvia para mim mas que não é para o pessoal em geral do Alvanista. Já vi jogos com notas 10 com um 6 em algum mérito dele como a história ou então um 0 quando o jogo era uma merda pro avaliador mas tava la com um 9 de musica porque a musica do jogo era ótima. Isso para mim funciona como um mediador do meu lado pessoal me impedindo de dar ao jogo a nota que eu quero, isso me impediu por exemplo de dar um 10 pra jogos que estão entre meus favoritos mas que não são nota 10 como Final Fantasy IX (nota 9.8), Persona 3 FES (nota 9.5) ou Resident Evil 2 Remake (nota 9.5) ao mesmo tempo que me impediu de dar uma nota mais baixa ou ainda um 0 pra jogos que detestei como Resident Evil 3 Remake (7.3) ou Alex Kidd: The Lost Stars (3.0). O que gerou tambem resultados interessantes como ao avaliar games dos Power Rangers onde mesmo com a questão do multiplayer sempre teve algo que me fazia gostar mais do beat'em up do SNES do que o de Mega Drive e ainda sim o de Mega Drive superou o concorrente na minha avaliação ou recebendo notas consideravelmente altas para jogos que odeio como God of War: Ascension (8.6).

    O que me impediu de dar mais que 10 pra Shovel Knight foi a matemática mesmo.

    Os reviews do Alva e seus méritos avaliados

    Enfim a parte importante, o escrever da critica no Alvanista. Meus textos costumam ter um formato padronizado dividido em: introdução, avaliação de cada um dos 4 méritos em forma mais homogênea possível e uma conclusão (no caso do jogo ter DLCs uma sessão extra com as DLCs entra antes da introdução). Eu tento ser profissional e nada pessoal como eu falei nos parágrafos atrás mas claro sou falho as vezes e meu sistema pode não ser perfeito, mas é funcional. Para facilitar as comparações sempre enquanto escrevo abro novas guias onde deixo jogos do mesmo ano pra eu ter em mente os comparativos, se eu já os tiver avaliado deixo as criticas abertas nestas abas principalmente se eu estiver escrevendo sobre uma sequencia para comparar com o antecessor alem de abrir algum agregador de reviews dos veículos de mídias principais onde resume os prós e contras do jogo, isso já me fez notar qualidades até então invisíveis para mim que melhoraram notas de algumas criticas e notar também defeitos que não me incomodaram mas que pegaram no pé da maioria dos jogadores e que tratei de colocar na conta abaixando a nota de um jogo.

    Jogabilidade

    Aqui entra o conteúdo principal do game, controles, level design (uma parte aqui outra nos gráficos devido a como o personagem e o desafio responde ao level design), excesso de bugs por falta de otimização, conteúdo desbloqueável extra e até nível de dificuldade se é fácil demais ou difícil demais. Diversão por mais subjetivo e pessoal que seja é um mérito que também entra na minha conta.

    História

    Questão de personagens, originalidade, narrativa, execução da história (a forma como ela é contada) alem de carisma dos personagens são exemplos de elementos que entram aqui. A história também pode entreter ou emocionar de uma forma que influencie também a jogabilidade, afinal ela pode tornar um jogo mediano em algo mais prazeroso de se jogar.

    Música

    Deveria se chamar trilha sonora e não musica pois engloba até Voice Acting (as dublagens) e efeitos sonoros alem de obviamente a musica em si.  Um caso curioso de minha parte, o  Wizards & Warriors de Game Boy contem algumas das melhores musicas de jogos 8-bits que ja escutei mas recebeu um 9.5 neste aspecto por conta do irritante efeito sonoro das espadadas ao atingir os inimigos.

    Gráficos

    O elemento que mais traço comparações com a concorrência, tanto com os jogos anteriores como com os do mesmo ano. Gráficos não necessariamente encontram seu ápice no realismo, há jogos que buscam este ponto como um God of War ou um Red Dead por exemplo, outros buscam o caminho mais artístico carregado de estilo como Shadow of Colossus ou Okami, sem contar os jogos que prezam por um gráfico desenhado, pixelado ou 3D que meramente busca ser bonito sem ser realista ou diferente como a saga The Legend of Zelda por completo.

    Legend of Zelda em toda sua beleza e glória.

    Questões mais complexas e conclusão 

    A avaliação tem ainda dos seus pormenores que carrego regras especificas, como por exemplo, uma DLC pode mudar a nota de um jogo? Sim pode, mas apenas aumenta-la como ocorreu recentemente com Blasphemous que foi do 8.6 para 9.3. Também entra neste mérito os updates recebidos, o único caso valido que ainda não encontrei é o da DLC afetar a campanha principal mudando algo do jogo em si pra pior (uma DLC cara e/ou sem muitos méritos como a do Alucard no segundo Lords of Shadow não tira nota do jogo, mas uma tonelada de DLCs inúteis pra tirar dinheiro do jogador sim tira nota).

    A dificuldade de um Soulslike tira nota? Depende, no inicio antes de ser um gênero isso era uma novidade e não apenas na dificuldade mas também na história destes jogos é algo digno de desafeto para alguns já que a história de tais jogos é contado por meio de lores em pedaços de história encrustado em inimigos e itens, que assim como a dificuldade é do agrado de muitos mas não de todos, exemplo disso o próprio Demon's Souls, um de meus jogos favoritos que mais amo história e gameplay e tirei nota por tais razões. Com os jogos posteriores a regra não é mais valida porque são elementos implícitos ao estilo do jogo e é algo para se ver antes da compra, julgar a narrativa quebrada e dificuldade de um Dark Souls, Sekiro ou Bloodborne para jogadores despreparados para ambos é o mesmo que comprar um jogo de futebol e dar uma nota baixa por ser um jogo de futebol.

    Um 10 em algo indica que aquele jogo ou aspecto é perfeito? Nem sempre, um jogo pode receber um 10 em algum aspecto ou até na nota e ainda ter seus problemas , se ele tem algum problema em algum destes pontos e ainda recebeu 10 nele as qualidades simplesmente minimizaram os defeitos, da mesma forma ele pode receber um 9 sem ter falhas, ele pode ser ótimo mas não incrível naquilo.

    Avaliar o jogo pelo que é ou pelo que foi? Minha regra é avalia-lo pelo que ele foi em seu lançamento (e isso inclui mesmo se o jogo foi descoberto pela grande midia anos após o lançamento). Por isso mais ainda é importante olhar o que saiu na mesma época através das abas que faço. O jogo pode sim ser comprometido por algo que o deixe datado mas tem que ser algo muito comprometedor como o gameplay dos Megami Tenseis mais clássicos.

    É preciso terminar o jogo?É o ideal e considero uma via de regra pra mim, mas ja abri exceções por volta de umas 10 vezes como o infame Time Soldiers ou o primeiro Double Dragon de NES ambos joguei mais de 80% do jogo. Double Dragon III eu joguei varias vezes sem jamais conseguir sair do inicio da primeira fase e o abandonei por completo mas não escrevi critica.

    Trama conceitual nota 10? Trama conceitual é o termo que uso para o clássico caso da trama que só conta uma história básica pra justificar o com uma cena ou algo no inicio e no fim do jogo, as vezes somente no manual, é beeeem comum em vários jogos do Mario ou do genero beat 'em up, é um caso meio chato e que a maioria não deve concordar comigo mas minha regra pra isso é de que a trama não tem o mesmo peso para todo tipo de jogo, ela costuma ter um peso beeeeem menor (mas ainda contem peso) pra um jogo destes, você não necessita de tramas emocionantes "Final Fantasescas" com vilões a la Kefka em um jogo que resume a velha história de Mario vs Bowser mais reprisada que episódios do Chaves pra sair um 10 ali ou para justificar em excesso a boa e velha briga de rua. Claro uma novidade ou outra como finais alternativos e personagens carismáticos vai sim trazer peso maior a nota como em Dungeons & Dragons de arcade ou em Castle Crashers, assim como a falta de sentido com o restante da saga vai comer nota aqui, Final Fight 2 que o diga.

    Um plot twist bem feito ajuda a melhorar qualquer trama... na maioria das vezes.

    Enfim para concluir o assunto, escrever criticas virou um dos meus hobbies prediletos e é uma atividade da qual me regrei muito MAS que funciona para mim porque adoro regras e limites e talvez até tenha ajudado a igualar minhas notas de jogos com o que eles realmente são ou pelo menos com o que a grande maioria diz já que minhas notas finais em mais de 90% dos jogos avaliados se aproximam ou se igualam as medias dos jogos no Alva, nos meios avaliatórios profissionais ou em ambos os casos (uma exceção foi o primeiro Castlevania Lords of Shadow que recebe notas altas e que eu chutei sem dó pra baixo). 

    E claro, sou bem capaz de erros avaliatórios DO PIOR TIPO como em Metal Gear Solid do PS1 onde eu ia citar na crítica a ausência da habilidade de agarrar inimigos e só fui descobrir que havia isso no VR Missions, sim, eu consegui zerar o primeiro jogo de PS1 2 FUCKING VEZES sem usar essa habilidade porque eu não experimentei em 16 horas de jogo apertar o botão quadrado.

    E pra finalizar, fica aqui uma critica de outro usuário que contraria todas as regras que eu disse. É totalmente pessoal, anti-profissional, não argumentativa e curta, mas uma das melhores da rede em minha opinião e minha critica alheia favorita. http://alvanista.com/games/pc/umbrella-corps/reviews/899520-ruim-demais 

    BioShock

    Platform: Playstation 3
    1994 Players
    141 Check-ins

    41
    • Micro picture
      jcelove · 24 days ago · 2 pontos

      Pior que da mesmo pra zerar o Solid 1 sem agarrão nem Mira automática.hehe

      1 reply
    • Micro picture
      hyuga · 24 days ago · 2 pontos

      valeu por me marcar, em questão de crítica o alva é bem misto, há críticas excelentes, mas também há críticas que não me agradaram.
      lembro que ia fazer uma crítica do ratched deadlock e a crítica do @igor_park era justamente o que eu queria dizer ai desisti de avaliar o jogo.

      críticas que contam todo o enredo do jogo ou que cada bota o faz acho longas demais e desnecessárias, em minhas análises tento abordar todos Os pontos do jogo da melhor forma e passar um pouco da minha experiência com ele. mas admito que dar a nota é complicado, não sei avaliar se dou 6 ou 7 em um quesito.

      Meu principal quesito na hora de avaliar é trazer algo novo, se eu for dizer a mesma coisa eu nem falo, compare minha análises do operation raccon city com o restante do site http://alvanista.com/games/ps3/resident-evil-operation-raccoon-city/reviews/967521-goste-ou-odeie Eu tentei trazer algo novo, posso ter falhado? para alguns sim, mas tentei fazer algo diferente

      2 replies
    • Micro picture
      hyuga · 24 days ago · 2 pontos

      crit, me responde uma coisa para avaliar certos jogos é necessário jogar os anteriores e avaliar pelo o que ele representa para a série ou avalia pelo o que ele é como jogo?

      3 replies
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...