You aren't following knuxbbs.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • jcelove José Carlos
    2015-11-17 12:01:18 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    Post by jcelove: <p>Galera manjadora do 3DS. To com umas dúvidas sob

    Galera manjadora do 3DS. To com umas dúvidas sobre arranhões e películas:

    Como a falei aqui, comprei meu 2DS ja usado por isso não liguei pra comprar pelicula ja que ambas as telas ja tinham algumas marcas. Mas com o passar do tempo passei a me incomodar com o fato da Stylus parecer arranhar a tela quando uso muito, tipo no pokemon shuffle  e comecei a ficar bolado imaginando que os arranhoes na touch aumentavam a cada dia. 

    Acabei comprando uma pelicula "original" xing ling no ML ja que é quase impossível achar uma Hori true por lá (se alguem souber me avise!!)

    Chegou hoje e depois de coloca-la cheia de bolhas (nunca acerto colocar esses troços) notei que ela arranha extremamente fácil com a styus. Uma jogada de Pokemon e a tela ja ta com dezenas de riscos visiveis e áspera. Bem pior que estava antes.  Sabia que era da fuleira mas ta demais U_U

    Devo arrancar esse troço e ficar com os riscos normais mesmo ou comprar outra? A Stylus original arranha a tela touch mesmo usando com cuidado ou é só impressão minha? 

    Pokémon Shuffle

    Platform: Nintendo 3DS
    457 Players
    1133 Check-ins

    22
  • 2020-12-20 13:03:07 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    thiagobrugnolo checked-in to:
    Post by thiagobrugnolo: <p>Bateu aquela saudade de jogar Super Mario 3, ess
    Super Mario All-Stars

    Platform: SNES
    9835 Players
    62 Check-ins

    Bateu aquela saudade de jogar Super Mario 3, esse que eu considero o melhor  Mario 2d ao lado de Super Mario World.

    O objetivo agora é tentar coletar a âncora, o item mais raro do jogo, mas pra isso é necessário que em fases especificas se colete um determinado número de moedas.

    Uma coisa  que eu não me lembrava é que nesse jogo as fases são bem curtinhas.

    20
    • Micro picture
      santz · about 1 month ago · 2 pontos

      As fases são curtas pois no NES não tinha como salvar o bagulho.

      1 reply
    • Micro picture
      knuxbbs · about 1 month ago · 2 pontos

      O fato das fases serem mais curtas do que Super Mario World foi uma das coisas que mais gostei nesse jogo.

  • anduzerandu Anderson Alves
    2020-12-21 22:37:38 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Registro de finalizações: Capcom Vs SNK 2: Mark of the Millennium 2001

    Zerado dia 21/12/20

    Eu AMO Marvel Vs Capcom 2 e tô sempre chorando pela internet o fato de não poder jogar esse jogo em nenhum console mais recente. Sei que posso emular, mas a facilidade de jogar no Switch em qualquer lugar ou mesmo baixar em qualquer um dos mil PS4 que a minha conta está associada na casa dos amigos seria um diferencial.

    Há uns meses atrás eu estava tão louco atrás do jogo que cogitei comprar alguma versão digital no Mercado Livre, mas nesse caso no Xbox 360 ou PS3. Os caras pedem cerca de 50 reais pelo jogo e infelizmente não estava vendo outra opção, pois o mesmo foi removido das lojas virtuais (Live e PS Store) há bastante tempo e quem comprou, comprou.

    Nessas pesquisas eu acabei descobrindo que um jogo em muito se assemelhava a MvsC2: Capcom Vs. SNK 2: Mark of the Millennium 2001!

    Se já faço uma baita bagunça com os King of Fighters, imagine esses crossovers da Capcom com muitas franquias e suas sequências. Capcom Vs. SNK, SNK Vs. Capcom, Capcom Vs. SNK 2 e muitos outros.

    O fato é que jogava esses jogos na infância, fosse no PS1 ou no Dreamcast dos primos, mas mal me importava em saber qual era qual, pois para mim era tudo igual. Claro que um jogador mais maduro e que jogue ou tenha acompanhado esses títulos de perto saberá dizer exatamente suas diferenças e qual é melhor ou pior, mas esse não é o meu caso. Quer dizer, eu posso responder com certeza apenas sobre este daqui.

    Eu queria um jogo estiloso, com músicas marcantes, bem japonês, colorido, animado e segui o conselho que achei no Google afora. Pesquisei na PSN pelo PS3 e lá estava Capcom Vs. SNK 2 por apenas 3 reais. Delícia!

    Eu fiquei tão curioso que corri para abrir o jogo, originalmente de PS2 e disponível no PS3.

    Esse sim é um jogo que envelheceu bem! Vai me desculpar, KoF '97, você é ótimo, mas se alguém da minha família pedir pra levar um videogame com jogo de luta para passar as festanças de final de ano, a minha escolha seria certamente Mark of the Millennium!

    Não sei dizer qual dos jogos é mais técnico, quebrado ou afins, mas esse jogo é muito bonito e divertido, fora quem junta personagens ainda mais icônicos que apenas os da SNK: Street Fighter, Darkstalkers, Samurai Shodown. Até Rival Schools entrou no meio!

    As partidas acontecem com backgrounds 3D e coisas acontecendo, mas sem distrações e os efeitos visuais dos golpes misturam até partículas tridimensionais. Sério, dá até um prazer só de assistir isso. É uma geração muito bacana de jogos de luta!

    CVsSNK2 (sigla bizarra) traz uma grande quantidade de personagens para montar seu time de até 3 lutadores. Digo até porque é possível diminuir essa quantidade em troca de maior poder. Em sumo, cada personagem de um time de 3 é mais fraco/resistente do que cada um de um time de 2. Quando o computador põe um time de apenas um lutador é porquê lá vem um desafiante chatíssimo de forte. Por outro lado, Basta vencê-lo para acabar a batalha na hora!

    A customização de jogo vai além disso, incluindo diferentes estilos de combate e uso do especial: três que formam as letras CAP e três que formam as letras SNK. Eu joguei o tempo quase todo apenas na configuração C, que é o estilo comum de jogo com até três barras de especial. No final troquei para a K depois de tanto perder no desafio final, copiando o estilo de meus oponentes. Pelo o que eu entendi, nesse estilo você fica bem  forte ao encher a única barra disponível.

    Cheguei a dar uma olhada no menu de opções e havia a opção de mudar várias coisas sobre a partida, incluindo tempo, dano, número de rounds e dificuldade. Junte isso ao fato de você ter "continues" infinitos no console e é garantido o término do jogo. Pra ser sincero, mesmo jogando na configuração mais padrão possível, eu quase não tive dificuldades em vencer as lutas.

    O final do jogo, para mim, incluiu uma figura misteriosa em cima de um prédio (julguei ser o Rugal), insinuando que havia coisa a mais, como um final boss secreto ou uma ponte para uma sequência do jogo.

    Fui pesquisar pois achei estranho que minha batalha final ter sido contra o trio Ken, Joe Higashi e Vega (ainda mais porque havia enfrentado o Bison sozinho logo antes). Foi aí que descobri que se você cumprir com alguns requisitos, a batalha final de verdade é desbloqueada no final do modo Arcade, sendo ela contra o Rugal ou Shin Akuma (dependendo do estilo escolhido: CAP para um, SNK para outro). Esses personagens ainda podem ser desbloqueados, assim como suas fases. Lutar contra o Bison também requer umas coisinhas antes da batalha final.

    O legal é que a "campanha" é bem curta e conta com umas 5 batalhas apenas. Acho que +1 se lutar contra o Bison e +1 se lutar contra um dos chefes finais "secretos".

    Resumindo: eu já havia começado Capcom Vs SNK 2: Mark of the Millennium 2001 e meio que deixado de lado sem motivo, mas felizmente lembrei de voltar a ele e tirá-lo da lista de pendências, pois o jogo é ótimo! Simplesmente não consegui achar defeitos relevantes o bastante e acredito que o título cumpra perfeitamente com sua proposta, o que garantiu um raro 10 meu aqui na avaliação do Alvanista. Inclusive nem vou deletar do HD, pois nunca se sabe. Esse jogo envelheceu muito bem e ainda joga muito bem e todos os personagens são muito familiares, como ir de Ryu para Terry para Haohmaru.

    De bom: lindo do começo ao fim, desde sua abertura, passando pela tela inicial, as batalhas, os cenários 3D e até a tela de Game Over. Muitos personagens para escolher, todos bem diferentes e que impedem que as lutas caiam na mesmice. Vários modos adicionais na tela inicial. Personagens a serem desbloqueados. Trilha sonora animada. Muitas opções de customização tanto das batalhas como do jogo no geral.

    De ruim: o sprite da Morrigan continua sendo aquele feio, meu deus!

    No geral, gostei demais e até me surpreendi pois joguei bastante SVC Chaos e sempre achei bem mais ou menos. Quero levar esse jogo comigo nas minhas jogatinas e fazer todos os experimentarem! Se sair para consoles atuais, compro sem dó! Muito bom!

    Capcom vs. SNK 2: Mark of the Millennium 2001

    Platform: Playstation 3
    12 Players
    2 Check-ins

    27
    • Micro picture
      tavaresplayer · about 1 month ago · 2 pontos

      Concordo demais. Uma pena não fazerem mais jogos de luta assim hoje em dia ... PS: o gráfico da Morrigan incomoda mesmo XD

    • Micro picture
      mastershadow · about 1 month ago · 2 pontos

      Tenho esse no meu fliperama! Jogão! Mas nao entendo a implicância com o Sprite Da Morrigan...é o mesmo e Darktstakers 3 e Marvel Vs Capcom

      3 replies
    • Micro picture
      spider · about 1 month ago · 2 pontos

      Ficou muito massa seu texto, vale você colocar como uma análise. Pra mim esse jogo ainda é o melhor dos Vs! eu tenho ele no PS3 assim que ele saiu.

  • 2020-12-22 00:59:26 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    subzero_amarelo checked-in to:
    Post by subzero_amarelo: <p><strong>Finalizado!</strong></p><p>2020 - <stron
    The Legend Of Zelda Majora's Mask 3D

    Platform: Nintendo 3DS
    1128 Players
    337 Check-ins

    Finalizado!

    2020 - #65

    Geral - #193

    Zelda é e sempre será uma das minhas franquias favoritas. Não só pelos jogos em si e a lore de cada um, mas por toda a mitologia e as ideias por trás da série. Não é por isso que vai ser imune a críticas, e pra esse jogo aqui eu tenho algumas...

    De longe, pior Zelda que já joguei na vida. O jogo simplesmente coloca uma barreira em um dos aspectos mais marcantes na jogabilidade de toda a franquia: a exploração livre. Pra quem nunca jogou, toda a história se passa em um ciclo de 3 dias in-game. Lá pelo final do 3º dia, na primeira vez, o jogo lhe dá a famosa Ocarina of Time e lhe permite ficar refazendo esse ciclo pra progredir no jogo. Até aí beleza, dá pra você ir fazendo progresso e voltando pro primeiro dia se a coisa apertar. Acontece que alguns eventos só acontecem em um dia, local e horário específicos e alguns deles é praticamente IMPOSSÍVEL você adivinhar que vão acontecer se não usar um guia. Tem que ser na pura sorte. Mas tudo bem, geralmente são apenas side quests que ocorrem dessa maneira. Mas se você não fizer algumas side quests e pegar determinadas máscaras (uma das mecânicas chave do jogo é um sistema de máscaras, que permitem ao jogador realizar determinadas ações), o jogo fica extremamente difícil de progredir. Fora que alguns locais só são abertos à exploração fazendo algumas dessas side quests, então a exploração livre marcante da série simplesmente vai pro buraco.

    O vai e vem nesses 3 dias é um saco, chatíssimo. Voltando pro primeiro, você perde todos os itens consumíveis que catou durante a aventura, e vai ter que pegar tudo de novo. Fora que reseta algumas side quests que não foram feitas. Além disso, matando alguns bosses, detalhes no cenário mudam e alguns itens podem ser adquiridos dessa forma. Mas se voltar ao primeiro dia, tem que matar os chefes das dungeons DE NOVO. Sério, isso me deu uma raiva tão grande desse sistema...

    Fora que o jogo parece que é cheio de ideias de game design não aproveitadas de outros jogos e largadas aqui. Algumas coisas nem parecem Zelda, como por exemplo um ataque de aliens a uma fazenda... tem momentos no jogo que parece creepypasta, de tão bizarro.

                                  Olha só essa lua, maluco. Creepypasta total

    Mas nem tudo são espinhos. A trilha sonora do jogo é incrível, você vê bem mais das outras raças da lore de Zelda por aqui e as máscaras que transformam o Link em outras raças foi uma ideia simplesmente genial. Apesar de só ter 4 dungeons, que é a parte que acho mais legal na série, elas são legais, especialmente a dungeon de água, que não é tão complicada quanto o Water Temple, mas é muito divertida de fazer e quebrar a cabeça. O problema é a droga do tempo limite de 3 dias pra fazê-las.

    Não sei nem se eu recomendo esse jogo, minha experiência com ele foi bem ruim. Porém ele tem coisas boas, e o que eu posso ter achado ruim pode ser bom pra outros. Só sei que de Majora's Mask eu quero distância. Mas tá aí, mais um Zeldinha pago. Que venham os próximos.

    19
    • Micro picture
      santz · about 1 month ago · 2 pontos

      Matar os chefes das dungeons de novo? Eita que eu não sabia disso.

      5 replies
    • Micro picture
      mastershadow · about 1 month ago · 2 pontos

      Eu só joguei em 2002,m o cartucho era emprestado. Fui até a dungeon do Gelo e depois tive que devolver a fita pois meu amigo iria viajar e levar o console. Anos passaram, tive a chance de emular, depois montei a coleção de consoles antigos que tenho hoje, e mesmo assim nunca mais tive a vontade rejogar esse game, esse lance do tempo é extremamente chato mesmo...

      1 reply
  • knuxbbs Bruno B. de Souza
    2020-12-13 17:56:50 -0200 Thumb picture
    Post by knuxbbs: <p>Passando aqui apenas para dizer que esse jogo é

    Passando aqui apenas para dizer que esse jogo é bem ruinzinho.

    Brawl Brothers

    Platform: SNES
    116 Players
    7 Check-ins

    8
  • knuxbbs Bruno B. de Souza
    2020-12-06 12:53:44 -0200 Thumb picture
    Post by knuxbbs: <p>Uma coisa bem tosca do Nintendo Switch é a ausên

    Medium 749243 3309110367

    Uma coisa bem tosca do Nintendo Switch é a ausência de acentos próprios da nossa língua (como cedilha e circunflexo) no teclado utilizado para fazer o login em redes sociais.

    Minha esposa não conseguiu integrar sua conta com o Facebook simplesmente porque esse teclado aí da foto não tem um dos caracteres presentes em sua senha.

    E olha que eu já fucei em tudo quanto é canto para me certificar de que não deixei passar algo..

    14
    • Micro picture
      jcelove · about 2 months ago · 1 ponto

      caraca, não tem teclado PT-BR? Vacilo da Nintendo..

    • Micro picture
      vicente_gabriel · about 2 months ago · 1 ponto

      tem como copiar? se tiver deixa a letra com acento copiada no teclado e usa na hora de escrever

      1 reply
    • Micro picture
      mbc07 · about 2 months ago · 1 ponto

      Bom, rumores de que a chegada oficial da eShop Brasileira neste mês vem acompanhada de uma atualização de sistema com suporte oficial pro Português Brasileiro, quem sabe melhore o teclado também...

      1 reply
  • fabiorsodre Fábio Sodré
    2020-11-28 10:02:37 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Aquisição do dia: Afrodite de Peixes

    Focando nos detalhes do homem veneno e suas rosas diabólicas reais

    Esse cara é demais! Valeu pessoal! Espero que curtam! 👏🏼👏🏼👏🏼🌹🌹🌹

    Saint Seiya: Soldiers' Soul

    Platform: Playstation 4
    315 Players
    58 Check-ins

    25
  • anduzerandu Anderson Alves
    2020-11-29 05:28:56 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Registro de finalizações: Star Wars Episode I: Racer

    Zerado dia 29/11/20

    Eu já comentei aqui que não curto postar sobre jogos que já havia previamente terminado, como não postei sobre GTA 3 (que terminei este ano mais uma vez) nem GTA Vice City (dois anos atrás), entre outros. Gosto de vir escrever sobre coisas que estou terminando pela primeira vez. Por outro lado, há algum tempo escrevi sobre um jogo ou outro que tinha revisitado, mas em plataformas diferentes.

    O mesmo está acontecendo com Star Wars Episode I Racer, um jogo que morri de terminar no N64, fechei uma vez no PC e senti quase que jogando algo novo anos depois no Nintendo Switch.

    A minha história de vida envolve um desejo enorme de ter um console Nintendo 64 na infância, mas não era tão simples assim. De um lado as revistas só falavam da nova geração 3D, do outro a minha família nunca foi rica e eu não tinha coragem de pedir essas coisas pois, pra mim, pareciam custar uma fortuna.

    Eis que um dia ganho um N64 da minha avó! Que surpresa louca! Eu era o menino no vídeo "NINTENDO SIXTY-FOOOOOUR" versão brasileira!

    Só que para minha decepção (e da minha avó), o console não vinha com jogo. E isso eu realmente não conseguia entender. Todo console tinha jogos! Meu SNES veio com Mario World! Eu olhava a caixa a procura de jogos, ligava o video game achando que estava fazendo algo errado e nada.

    O pior de tudo é que eu devo ter ganhado esse console lá para 2002, com 12 anos de idade (e já existia até Gamecube) e tudo o que era Nintendo era horrível de achar por aqui, fora que lá em casa a gente não tinha ideia de onde achar. Quando achava, um jogo qualquer era 50 reais (eu comprava os de SNES na feira e já achava demais pedir isso pra minha mãe, 50 na época valia muito).

    Só deus sabe como, mas eu ganhei esse Star Wars Racer. Olha, pelo prazer de jogar no meu próprio 64 podia ser até Daikatana que eu estaria mega feliz!

    Pois é, esse foi meu primeiro jogo daquela geração, e o único por muito tempo. Eu joguei isso tanto que até enjoei pois não havia mais nada a aprender ou descobrir.

    Há alguns anos atrás eu descobri que existia uma continuação no PS2. Joguei e achei sem graça.

    Recentemente a Aspyr soltou que estava portando esse jogo pra nova geração com melhorias. Pense num cara feliz (ou curioso). Esses caras foram os mesmos que trouxeram o Jedi Outcast e Jedi Academy de volta a tona e ainda estão trabalhando no port HD de Shadow Man.

    Para quem não conhecer SW Racer, bom, é um jogo de corrida de pods, aquelas naves esquisitas que são puxadas por duas turbinas, tipo carruagens futuristas ou algo do tipo. Quem assistiu ao Episódio I de Star Wars lembra bem delas. Como essa geração de filmes foi a que eu cresci consumindo, eu curtia demais. Jogos, Legos, bonecos, qualquer coisa!

    Esse jogo lembra um pouco F-Zero, sobretudo o X, mas no universo criado pelo George Lucas. Além disso, é um título muito bem trabalhado, com inúmeros veículos e pilotos e circuitos com temáticas diferentes e visuais únicos.

    Eu joguei outros jogos do gênero "corrida extremamente veloz de naves" recentemente, como o próprio F-Zero X, F-zero GX, uns 3 jogos da série FAST (RMX sendo o mais recente) e assim por diante. Fiquei muito contente em conhecer jogos tão legais.

    Com o anúncio do SW Racer eu sabia que deveria comprá-lo e jogar a campanha pelo menos mais uma vez. Até baixei a versão de PC e tentei fazer streaming, mas por algum motivo não funcionou com o programa que uso para isso. Deixei de lado.

    Fiquei uns meses com o jogo no radar mas ele nunca abaixava de preço. R$75 não dá. Vi gente comprando no impulso e dizendo que deveria ter esperado mais. A clássica enganação da nostalgia!

    Com a Black Friday, dei uma olhada e estava em promoção! R$38! Comprei na hora pois achei o preço muito justo.

    Baixou rápido e não resisti, tive que jogar uma antes de sair para trabalhar. Os visuais são igual eu lembrava, mas se prestar atenção obviamente houveram melhorias para parecer bem nas TVs modernas. E funcionou! Não dá pra reclamar de nada! 60 FPS, nada de serrilhados ou coisas que chamem atenção no visual. Podemos chamar de remaster? Pois  isso é um remaster bem feito!

    Chegando do serviço fui correndo finalizar o restinho de Octopath Traveler para jogar SW Racer! Eu não esperava esse hype!

    Tinha jogado na TV com o Pro Controller e agora fui de modo portátil. Tudo certo. Depois destaquei os joycons e fui de modo tabletop, meio desconfortável. Depois finalmente achei como ativar o motion control e ficou bem ruim (ao meu ver). Comecei ainda a ter dificuldades com precisão, mas bastou voltar para o Pro Controller e o jogo ficou uma delícia. Porque a gente ainda insiste em joycons mesmo?

    Estava com medo do jogo ter envelhecido mal na jogabilidade e ficar devendo pro F-Zero X, mas puts, como eu estava errado. Esse jogo é super caprichado e detalhado e tudo funciona bem e de forma justa.

    O F-Zero é só meia dúzia de polígonos super velozes numa pista genérica.

    Comecei a campanha com a mesma estratégia de tantos anos no passado: jogar com Anakin Skywalker até mais tarde liberar o melhor de todos Neva Kee (fica a dica).

    São quatro copas, sendo a primeira a mais fácil e a dificuldade aumentando até culminar na quarta. As três primeiras tem 7 circuitos e a última apenas 4 (nunca entendi isso).

    Como sempre, joguei na ordem.

    A primeira fase de todas é um clássico, Tattooine. Se você já viu algum vídeo sobre esse jogo, provavelmente foi essa fase. Ganhei rapidinho enquanto aprendia os controles, incluindo muita cosia que não lembrava.

    Aqui você acelera com o gatilho direito e freia com o B. Ótimo!

    Depois tem um bocado de botões que você usa com menos frequência ou que são bem inúteis mesmo.

    Com menos frequência você tem o botão de reparos das engines, os motores que puxam seu pod. Essas engines se danificam conforme você bate pela pista ou abusa do boost, que é infinito, mas esquenta demais a sua máquina. Engines fracas te limitam demais e podem explodir, fazendo com que você fique fora da corrida até finalmente dar respawn.

    Tem um botão útil de trocar de visão, que pode incluir o pod grande na tela, pequeno, em primeira pessoa apenas com as engines na tela ou primeira pessoa sem nada.

    Inúteis são botões como o de provocar o oponente (que também joga fogo caso você jogue com o Sebulba) e o de virar o veículo de lado. Bizarramente isso não ajuda a fazer curvas e no máximo facilita a passar por entre espaços pequenos durante a disputa.

    Antes de cada corrida você pode configurar como será dividido o prêmio da disputa. Sendo quase que igualmente para aqueles do pódio, com maior diferença entre eles ou mesmo só o primeiro colocado levar tudo (recomendo).

    O dinheiro nesse jogo é muito útil para comprar melhorias para a sua nave, incluindo melhor controle nas curvas, maior velocidade, boosts que duram mais, engines que esquentam menos, reparos mais rápidos etc. Com o nível das corridas aumentando, essas melhorias vão ficando praticamente obrigatórias e o jogo cada vez mais loucamente rápido.

    Para quem quiser ver tudo o que o jogo tem a oferecer, terá que terminar todas as corridas dos muitos planetas em primeiro, abrir todos os corredores e melhorias. Há ainda um modo de corrida livre, um time attack e versus de 2 players (infelizmente poderiam ser mais ou mesmo ter online). Há ainda a possibilidade de visitar sua garagem e ver os droids consertando seu pod e cheats!

    Resumindo: Star Wars Episode I: Racer é um clássico não só dos jogos de seu universo como também da época do N64. Um jogo surpreendentemente competente e caprichado. Eu realmente não consegui achar algo que ele realmente faça errado dentro de sua proposta. As melhorias feitas pela Aspyr trouxeram a experiência para a nova geração e é muito bom ver que jogos assim não ficaram esquecidos no passado ou presos à consoles específicos.

    De bom: apesar de umas coisas poligonais, como rochas, o jogo é bonito. Jogabilidade muito responsiva e você consegue acompanhar o circuito mesmo a 600-1000 km/h. Grande variedade de planetas e mesmo quando se repetem, seus circuitos são diferentes o bastante. Muitos veículos a serem desbloqueados, Inclui modo para dois jogadores. Jogar com apenas um joycon é bem funcional, o que eu não esperava! Há CGs e vozes desde a abertura até a apresentação das corridas!

    De ruim: um pouco curto demais (duvido que eu mantenha meu nível tantos anos depois) ou talvez pudesse ser mais difícil. O modo versus não inclui CPU pelo que vi. Motion controls horríveis. Sinto que esse jogo deveria ter um modo para mais jogadores desde sempre. Um modo online também, nem que fosse versus 2-players, seria sensacional. Vi um bug ou outro e acredito serem coisa do remaster. Optaram por manter o visual como antigamente ao invés de refazê-lo (o que eu já esperava visto os demais jogos), mas acho que prefiro assim do jeito que era. Gostaria de um remake? Talvez. Mas eu realmente comprei tendo em mente que era um jogo de N64. Mas talvez um trabalhinho a mais ao invés de mexer com motion fosse melhor. Resta esperar um terceiro jogo um dia.

    No geral, se você é fã de SW já deve ter jogado Racer, mas se não, esse tipo de promoção é a chance perfeita de experimentar. Recomendo para qualquer fã de jogo de corridas ultra velozes e para quem tiver um pé atrás por conta disso, esse jogo é super amigável! Bacana demais e tinha tanta coisa esquecida no subconsciente que nem imaginava!

    Star Wars Episode I: Racer

    Platform: Nintendo Switch
    2 Players
    1 Check-in

    28
    • Micro picture
      jcelove · about 2 months ago · 1 ponto

      Ter console nintendo é cruel...É tudo tao caro na eshop q quando vc ve um jogo remaster de n64 em promoçao por 38 pila acha justo ate, quando no pc eu acho ele caro a 7 reais na sale do Steam. Perverso demais.hehe

      Mas o jogo é maneiro, fazia sucesso na locadora e provavelmente foi o melhor jogo do ep1. Bom que reviveu os momentos legais com ele ai.

      2 replies
  • majimbuu Paulo Victor
    2020-12-02 12:10:59 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    majimbuu checked-in to:
    Post by majimbuu: <p>Prosseguindo na minha campanha pra limpar o back
    Resident Evil

    Platform: Nintendo Switch
    17 Players
    1 Check-in

    Prosseguindo na minha campanha pra limpar o backlog do Nintendo Switch, comecei o Resident Evil Remake HD. Há muitos tempo tinha tentado terminar esse clássico no Wii, mas tinha dropado não me lembrava porque. Agora que eu peguei novamente para jogar, lembrei pq tinha abandonado o jogo. É tanta coisa errada e datada que não sei nem por onde começar, mas vou tentar.

    Antes de começar as críticas, deixa eu contextualizar meu histórico gamer: eu não tive PS1 e nunca joguei a trilogia clássica anteriormente, ou seja, não guardo laço afetivo com o game. Comecei pelo 4 no Gamecube e gostei bastante. Desde então, fiquei curioso para experimentar os antigos e só agora vim dar uma chance de verdade. Feito o disclaimer, vamos lá.

    O primeiro ponto que chama a atenção é a beleza desse jogo. Para uma versão HD de um jogo de Gamecube, tá lindo demais. Lógico que o motivo de esse jogo ter um gráfico tão bom pra a época também é um dos pontos que atrapalham a jogabilidade a meu ver. É que esse jogo utiliza aquele esquema de usar cenários pré-renderizados com câmera fixa. Esse esquema foi muito usado na era PS1, pois aproveitava a capacidade de armazenamento do CD e ainda economizava na renderização.

    Porém, toda a parte que envolve jogar o game é tenebrosa. A ideia de não poder dropar itens é bastante idiota e me fez reiniciar o game depois de umas boas horas. É que eu, sem saber dessa limitação idiota, peguei um cartucho de shotgun, arma que eu nem tinha ainda. Por causa disso e de outros itens, fiquei impedido de pegar uma chave e ainda não tinha encontrado a sala com a caixa pra guardar os itens. Simplesmente inexplicável.

    Inexplicável também é o combate desse jogo. A perspectiva simplesmente não ajuda e por vezes você atira nas cegas torcendo para o jogo compensar e acertar o alvo. Simplesmente horrível e datado.

    Mas vamos a mais problemas. Tem portas que só abrem em um sentido por que a maçaneta de um dos lados está quebrada. Sempre que acontece isso eu me pergunto para quê? O desenvolvedor quis irritar o jogador conscientemente, não tem outra explicação.

    Ainda tem a lógica de puzzles a lá adventures antigos, ou seja, não tem lógica. Você tem que adivinhar qual era a ideia do desenvolvedor por trás. Eu simplesmente odeio isso.

    De bom msm só encontrei dois pontos: a estória e o design da mansão. Eu ainda estou um pouco engajado com game, mas confesso que a cada minuto jogando, a cada porta emperrada, minha vontade diminui. Eu queria muito terminar o jogo por ser um clássico que perdi na época, mas não sei se consigo. Em resumo: o que o jogo envelhecer bem na parte visual, envelheceu mal em mecânicas de jogabilidade.

    13
    • Micro picture
      bobramber · about 2 months ago · 2 pontos

      Ó Pai, Perdoai!!! Zueira, se nunca tinha experimentado a gameplay tankão, não tem como adaptar mesmo, haushsauashuashusah

      5 replies
    • Micro picture
      jcelove · about 2 months ago · 2 pontos

      Pra vc ver a diferença de percepção. Muito fã antigo da série ficou revoltado e reclama até hoje pelo fato da Capcom adotar a pegada TPS nos recentes remakes do 2 e 3 porque descaracterizavam o gameplay dos originais, mas não entendem que o público mais novo não consegue se adaptar a pegada survivor horror clássica.

      Esse remake do primeiro jogo foi feito em 2002 pro game cube e é um dos exemplos de remakes perfeitos pra mim que amo a série desde o começo (e ainda adoro o original do PS1 até hj), mas é um formato que não emplaca pras novas audiências, acostumadas a uma pegada mais dinâmica, mas se continuar jogando vai ver que não é dificil ou mal feito, só precisa se adaptar.
      Depois que pega o jeito os combates são super tranquilos, sendo que o ideal é evitar eles. A câera tbm é só coisa de costume.
      Os puzzles eram parte importante na fórmula dos survivor horror dessa era, que pegavam muitos elementos dos adventures poin n click e tinham o objetivo de dar uma cadênciada no ritmo do jogo, são viajados mas todos tem lógica e na real são simples, não tem nada do nivel de loucura e tentativa e erro de um Monkey island ou Myst por exemplo, mas é outra coisa que não funciona pra geração atual.

      O inventário limitado era pra dar a sensação de tensão contante ja que o jogador precisa administrar o que carrega e uma das formas de determinar a dificuldade do jogo no original do PS1 onde Jill com inventário maior, mais armas e o Barry ajudando (porém com hp pequeno) era o nivel easy e Chris com inventario menor, menos armas e sem muita ajuda da Rebecca (mas com bem mais resistencia) era o modo hard.

      A ideia é rejogar várias vezes e após um tempo vc decora o que fazer rusha sem problemas com qq um dos dois. Bom ver que está curtindo mesmo com as dificuldades e espero que pegue ainda mais gosto conforme for terminando (é bom experimentar as cmapnhas dos 2 personagens)

    • Micro picture
      majimbuu · about 2 months ago · 2 pontos

      Cara, eu concordo que era foda na época e vejo muito valor no jogo e entendo quem o considera um dos melhores jogos de todos os tempos. Só que tente entender pela cabeça de quem está jogando pela primeira vez e não tem nenhum sentimento afetivo ou nostalgia pela obra. Vamos lá.

      Tem um porta no 1º andar que dá acesso à 1ª box do jogo pra guardar itens. Eu andava por ali de boa, indo e voltando. De repente, a maçaneta quebrou pelo lado de dentro e pra pegar um item do baú e voltar ao corredor que eu estava, simplesmente tinha que dar a volta inteira na casa! E pra piorar, cada porta comum load gigantesco. Não vejo o menor sentido nessa decisão de design. Sempre que eu vejo uma maçaneta quebrada só de um lado, minha vontade é parar de jogar, pq aí eu vou ter que dar uma volta, passar por um monte de porta (que na verdade são loads), pra chegar num lugar que bastaria voltar...

      Sobre o inventário, o maior problema dele é você ter que voltar até um ponto do mapa específico onde tem um baú pra poder gerenciar o inventário. Sério, dá muita preguiça, tipo: ah, achei uma porta que abre com uma chave, só que minha chave tá la no outro lado da casa num baú. Esse tipo de bloqueio só te faz perder tempo. Deixasse um inventário pra itens de combate e cura, por exemplo, e aí podia até ser mais limitado, mas me deixasse levar todos os itens "chave". Ás vezes você tem um insight num puzzle específico, mas aí você tem que voltar no baú pra pegar o item pra testar pra ver se vai dar certo... Na boa, eu sei que o jogo é antigo, mas não entendo a lógica por trás.

      Por fim, os puzzles. Eu considero que os puzzles, até agora, é muito baseado em tentativa e erro, pq tem muito a ver com vc entender a lógica do desenvolvedor. O problema é que essa tentativa e erro é mais chata que o normal por causa do lance do inventário.

      Aí vc fala: a ideia é rejogar várias vezes. Talvez quando eu terminar o jogo e tentar ele novamente, acabe me apaixonando, só que tá sendo muito maçante terminar a primeira vez. Eu ainda quero zerar, mas travei no jogo e tô há umas boas 2 hrs sem saber pra onde ir, o que fazer com os itens que tenho etc. Não queria olhar detonado, mas talvez seja a saída. Ou então recomeçar com a Jill (estou com o Chris no easy).

      1 reply
  • jcelove José Carlos
    2020-11-21 14:03:52 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    Post by jcelove: <p><a href="https://www.youtube.com/watch?v=-e6xOBC

    A história do lendário programa de treinamento da Mcdonalds Japa no Nintendo DS.

    Japa é outro nivel vei, casa com DS trabalha com DS...nem quero pensar o que fazem com o Switch hj em dia XD

    Colecionismo é fogo, o cara pagou quase 3500 DÓLARES e viveu um verdadeiro drama pra receber o pacote em tempos de pandemia, além de convencer um modder alemão a voltar a vender um 3ds com placa de captura só  pra poder liberar essa preciosidade pro mundo, só pra ver que alguém já tinha feito e ninguém tinha ligado.hehe

    No video tem link pra baixar a rom, a senha de acesso (só da pra jogar com um ID de funcionário) e ele upou um video com o "playtrough" completo

    Mick & Mack: Global Gladiators

    Platform: Game Gear
    8 Players

    20
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...